A sociedade, o Estado e a política externa: em busca da sintonia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A sociedade, o Estado e a política externa: em busca da sintonia"

Transcrição

1 A sociedade, o Estado e a política externa: em busca da sintonia Haroldo Ramanzini Júnior Rogério de Souza Farias In the last years the involvement of civil society in Brazilian foreign policy became a hot topic in the press and academia. A major aspect of this debate is the need to increase the participation of civil society in the decision making process. We argue in this article that the focus should be not in participation as an end in itself; the objective should be translating actual influence on Brazilian foreign policy. The article examines particular forms of interaction between state and society that translate civil society participation into influence in the making of Brazilian foreign policy. Introdução Nos últimos anos, tem sido crescente o debate sobre como introduzir maior atuação da sociedade na política externa brasileira. O Itamaraty tem participado do debate por intermédio de diversas ferramentas eletrônicas e pela organização dos Diálogos sobre Política Externa, instância que busca formular um livro branco sobre quatorze temas para a diplomacia brasileira. No discurso de abertura dos Diálogos, em 26 de fevereiro de 2014, em Brasília, o chanceler Luiz Alberto Figueiredo Machado, examinando a relação entre o Ministério das Relações Exteriores e a sociedade, afirmou que uma política externa alheia às aspirações da sociedade torna-se carente de sustentação e respaldo. 1 É um argumento compartilhado por seu antecessor, Antonio Patriota: o aperfeiçoamento da ação da democracia brasileira envolve uma abertura crescente do governo aos insumos da sociedade civil. Nesse espírito, o Itamaraty está adotando iniciativas específicas que apontam na direção de uma diplomacia mais aberta à interação com a sociedade (Patriota, 2013). No âmbito acadêmico, deve-se destacar a Conferência : uma nova política externa, um evento organizado por movimentos e organizações sociais, partidos políticos, organizações não governamentais, instituições acadêmicas, de pesquisa e de governo. A iniciativa demonstrou o grande interesse da sociedade sobre a formulação e a implementação das estratégias de inserção internacional do Brasil. Em uma importante reflexão sobre o evento, os professores Maria Regina Soares de Lima e Carlos R. S. Milani Haroldo Ramanzini Júnior é doutor em Ciência Política pela USP, professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), pesquisador do CEDEC e do INCT-INEU. Colaborador do IEEI-UNESP. Rogério de Souza Farias é doutor em Relações Internacionais pela UNB e Associate do Centro de Estudos sobre América Latina da Universidade de Chicago. 173 vol 23 Nº 2 out/nov/dez 2014

2 artigos afirmaram: o insulamento burocrático de qualquer agência do Estado democrático enfraquece a própria capacidade de formulação e gestão de políticas governamentais (Lima e Milani, 2014). Existe, portanto, um consenso sobre a necessidade de mudanças. Mas o que e como isso deve ser feito? Nos últimos três anos, temos desenvolvido uma agenda de pesquisa sobre o assunto, particularmente no tema comercial. Nosso propósito, nesse breve texto, é refletir sobre uma via politicamente viável e realista e que traduza maior participação dos atores sociais em influência na definição da política externa brasileira. Tanto nossa análise como nossas conclusões são amparadas por ampla pesquisa em fontes primárias de quase setenta anos de formulação da política externa em negociações comerciais multilaterais, na literatura estrangeira sobre o tema e no ativo e abundante debate sobre instâncias participativas da sociedade na formulação e acompanhamento das políticas públicas no Brasil. 2 Desigualdade Na sociedade, há desigualdades de recursos entre indivíduos e organizações. Assim, ao se pensar em uma maior abertura do Estado para a sociedade, uma primeira preocupação refere-se ao perigo, para a democracia, se o resultado final reproduzir os interesses de uma minoria influente e poderosa. Isso é um risco. A seguir, mencionaremos formas possíveis de se evitá-lo. Mesmo assim, deve-se considerar que grupos de interesse poderosos estarão presentes em qualquer domínio onde seus objetivos estratégicos forem discutidos. Isso será verdade tanto no Ministério das Relações Exteriores, como em Conselhos ou em um hipotético Ministério do Comércio Exterior. A tese de que a diplomacia não é responsiva a tais grupos, aliás, não encontra respaldo no registro histórico. Das repetitivas renegociações dos compromissos brasileiros (Lista III) no Acordo Geral sobre Tarifas Aduaneiras e Comércio (GATT) à construção do regime automotivo no Mercosul, esses atores foram, em sua maioria, bem-sucedidos na defesa de seus interesses. Não obstante a coordenação do Itamaraty, representantes de poderosos setores econômicos tiveram assento formal em dez das doze unidades negociadoras de 1946 a 2005 que definiram a posição do Brasil no sistema GATT/OMC, sem contar o fato de, em algumas situações, terem atuado como delegados brasileiros nos próprios encontros multilaterais. A diplomacia profissional pode ser loquaz em apontar sua neutralidade, mas certamente não teria o poder que adquiriu caso não considerasse os interesses estratégicos desses atores. Portanto, qualquer que seja o foro, grupos de interesse poderosos, com recursos abundantes, buscando favorecer seus interesses no processo decisório, sempre estarão presentes, o que não quer dizer que automaticamente ou em todas as situações tenham condições de capturar as instâncias do Estado ou que a política externa desconsidere os interesses mais amplos da sociedade. A questão que se fortalece no debate sobre institucionalização da participação dos atores sociais na política externa é justamente no sentido de equilibrar a composição e de dar transparência às instâncias decisórias. Isso seria um antídoto poderoso contra possibilidades de privatização da política externa. De modo que, por exemplo, entidades que representam grandes grupos empresariais deliberem em uma mesma instância decisória com atores sociais, organizações de trabalhadores, atores governamentais e não governamentais, a posição a ser apresentada pelo Brasil no âmbito internacional. 174 POLÍTICA EXTERNA

3 a sociedade, o estado e a política externa Conselho de política externa Uma das sugestões presentes no debate para lidar com os desafios de uma política externa democrática é a criação de Conselhos, inspirada nos diversos já em funcionamento, inclusive em outras áreas temáticas. Na sociedade, emerge salutar discussão sobre um Conselho Nacional de Política Externa (CONPEB), cujo formato está sendo debatido. A instância contribuiria para a definição de diretrizes dessa política pública. Teria presença dos setores governamentais específicos da política externa e de uma pluralidade de organizações não governamentais, setores empresariais, movimentos sociais, centros de pesquisa, fundações partidárias, acadêmicos, entre outros. A análise da literatura sobre o funcionamento dos atuais Conselhos e o registro histórico dos que existiram no passado pode ser útil para se avançar no debate, principalmente no que se refere à questão da separação da instância de coordenação, no plano doméstico e da negociadora, no plano internacional. Em 1985, antes, portanto, da transição definitiva para a nova ordem democrática, o cientista político Oliveiros S. Ferreira propôs a criação de um Conselho de Política Internacional, presidido pelo Itamaraty e composto pelos ministros da Fazenda e do Planejamento, pelo ministro- -chefe do EMFA, pelo presidente do Senado Federal e por um representante da oposição. Os representantes da sociedade civil poderiam ser ouvidos. Ele identificou que dois aspectos estratégicos da iniciativa eram o acesso à informação classificada e a confiança presidencial. Ao Conselho caberia oferecer as opções; à Presidência da República, escolhê-las. O papel principal, no entanto, era acabar com os feudos administrativos que geravam caos e confusão pela superposição de mandatos, interesses e iniciativas (Ferreira: 1985, 73). A Constituição de 1988 não criou um Conselho de Política Internacional, mas criou o Conselho da República e o de Defesa Nacional, tendo o primeiro seis cidadãos entre seus membros e o último com prerrogativas e composição semelhante à proposta por Ferreiros. Criados no contexto da Constituinte, ambos se mantêm sem relevância efetiva no cotidiano da administração. Desde 1988, diversos Conselhos foram criados para servir de instância consultiva ou participativa, muitos tendo como eixo central a aproximação de parte da sociedade junto ao governo. Na estrutura do Ministério das Relações Exteriores, por exemplo, já existe uma instância. No Artigo 2º, inciso VI do Decreto Nº 7304, de 22 de setembro de 2010, há formalmente um Conselho de Política Externa. 3 Uma instância interna do Itamaraty, voltada para aconselhar as autoridades políticas envolvidas pela formulação e execução da política externa, infelizmente inexiste informações adequadas sobre suas ações. Provavelmente não foi concretizado até o momento, apesar da previsão legal. Para os propósitos de nossa discussão, convém citar o Conselho Consultivo do Setor Privado (CONEX), no âmbito da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX). Sua primeira reunião, em fevereiro de 2006, foi mais uma iniciativa do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) de oferecer uma lecture do que um esforço para receber as opiniões e os interesses de parte da sociedade envolvida no tema das negociações comerciais internacionais. Isso não foi uma surpresa. Dentro do governo, não se tinha conhecimento atualizado sobre o que ocorria em Genebra. As informações circuladas oficialmente entre os órgãos da área decorriam de resumos sistematizados pelo Itamaraty (que não participou do encontro) em alguns casos mais desatualizados e superficiais do que os boletins especializados da área (como o WTO Reporter); o relato encaminhado para os membros 175 vol 23 Nº 2 out/nov/dez 2014

4 artigos da CONEX era a glosa desse resumo. A segunda reunião do CONEX foi realizada somente em abril mais de dois meses depois. Nela, foram apresentados mais informativos e a Rede Brasileira pela Integração dos Povos (REBRIP) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) apresentaram trabalhos sobre as negociações da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC). Não é possível identificar qualquer impacto dessas iniciativas sobre a posição brasileira nas negociações. 4 O CONEX não teve influência. O ponto que gostaríamos de destacar desse caso e que pode ser interessante para reflexão sobre novas experiências é a desvinculação da atuação do CONEX com o processo decisório real. Isso não quer dizer necessariamente que os atores sociais envolvidos foram excluídos; mas parte importante de sua interação foi realizada em reuniões informais com autoridades em Brasília, sem que tal dinâmica fosse divulgada ou existisse algum mecanismo de monitoramento para identificar se suas demandas foram aceitas pelo governo. A dinâmica de reuniões do Grupo Técnico Informal (GTI), que contribuiu para as posições do Brasil no G20 agrícola durante uma parte da Rodada Doha, seguiu perspectiva semelhante. Não foi sempre assim. Até a Rodada Uruguai ( ) do GATT, atores não estatais tinham assento cativo nas próprias unidades negociadoras. Eles atuaram no cotidiano, exercendo seu direito de voz diretamente sobre o processo decisório e monitorando se suas preferências eram ou não levadas em conta. Já na Rodada Tóquio ( ), o Itamaraty tentou afastá-los da Unidade de Negociação (a instância responsável por coordenar a posição brasileira); apesar de ter fracassado nesse momento, o órgão alcançou seu objetivo na Rodada Uruguai. Agora, no âmbito da Rodada Doha (2001-atual), pelo CONEX, optou-se pela fórmula de criar uma via paralela e consultiva ao processo decisório real. Aplacou-se, assim, o argumento que esses atores estavam excluídos, mas sem integrá-los no processo decisório. O poder da informação Na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, a criação de instâncias consultivas, apesar de todas as boas intenções, geralmente implica a admissão da necessidade de ter um ponto de apoio na sociedade, mas sem que isso ocasione, necessariamente, uma mudança da cultura burocrática ou um comprometimento efetivo de levar em consideração o exercício como elemento essencial da formulação e implementação de políticas públicas. Desse modo, a realidade do poder da Esplanada, em seus constrangimentos, em termos de cultura institucional, e nas possibilidades efetivas de transições incrementais, deve ser levada em consideração, já que mudanças mais profundas, em geral, só são viáveis em tempos de turbulência e ruptura institucional, situação distante da atualidade. O primeiro aspecto a ser considerado é que o exercício deve ser voltado não para a participação como um fim em si mesmo; o objetivo deve ser a garantia de influência de diversos atores da sociedade na inserção internacional do país. A diferença não é sutil. Desde a década de 1960, a literatura especializada aponta como burocratas podem utilizar diversos mecanismos participativos para dar um verniz de legitimidade às suas próprias preferências (Arnstein: 1969). Muitos dos exercícios conduzidos pelo governo brasileiro, desde os anos 1990, não são diferentes. O que se depreende da análise de doze unidades que coordenaram a posição brasileira em negociações comerciais multilaterais de 1946 a 2005 é que a letra fria da lei não é suficiente para obstar essa realidade. Nossa análise do acervo documental e de 176 POLÍTICA EXTERNA

5 a sociedade, o estado e a política externa entrevistas conduzidas com decisores é a repetida distância entre as prescrições formais sobre como o processo decisório deveria ocorrer e como ele, de fato, funciona. A CAMEX é um exemplo. Criada, entre outros motivos, para coordenar o processo decisório da definição da posição do país, sempre teve dificuldade em superar a centralidade do Itamaraty nessa tarefa. A tentativa de separar a instância negociadora daquela de coordenação não funcionou adequadamente em outros momentos como na década de 1960, quando se criou o Conselho Nacional de Comércio Exterior (CONCEX). Várias razões concorrem para as dificuldades. A que desejamos salientar é o papel do conhecimento especializado e da informação. Dois dos fundamentos weberianos para justificar a forma de autoridade amparada na burocracia são a sua base legal e seu conhecimento especializado. Para Weber, um político poderia até ter sucesso, no curto prazo, em fazer com que uma burocracia seja guiada por sua visão, mas no longo prazo isso estaria fadado ao fracasso. O fundamento básico da burocracia, portanto, está em proteger seu controle sobre o conhecimento especializado como salvaguarda aos diletantes que tentam invadir seu domínio (Weber: 1978, ). A única forma de desafiar essa estrutura é, portanto, atuar na base legal e no conhecimento. A base legal já foi repetidamente mudada, sem resultados efetivos; resta, agora trabalhar com o papel estratégico do conhecimento especializado, de maneira a aumentar a possibilidade de convergir resultados com objetivos propostos. O conhecimento especializado deve ser visto, em nosso caso, em dois níveis. Primeiro, na formação técnica. De 1946 até a Rodada Tóquio, era comum a permanência de representantes da sociedade civil, 5 de outras áreas do governo e até da Academia nas delegações brasileiras. Muitos trabalharam meses em Genebra. Ao retornarem ao Brasil, sabiam exatamente que tipo contribuição era mais efetiva para colaborar com a atuação brasileira. Formaram, além do mais, redes de relacionamentos com técnicos estrangeiros e forneciam aos seus órgãos no Brasil via paralela de fontes de informações. Serviam, além do mais, de colaboradores da diplomacia em seus respectivos órgãos. A diplomacia se acostumara tanto com esse sistema que as oportunidades em que ele não se concretizava gerava estranheza, como em 1968, quando o embaixador George Maciel reclamou ao presidente da Confederação Nacional da Indústria que a ausência dos economistas da organização, em Genebra, poderia dificultar o bom encaminhamento das negociações. 6 Essa é uma situação distinta da existente desde o início dos anos Não obstante a existência de um posto exclusivo em Genebra com mais de vinte servidores dedicados a negociações comerciais multilaterais, é escassa a utilização de atores da sociedade e até de servidores de outros órgãos para atuar nessa instância mesmo existindo um Programa de Formação Complementar e Pesquisa em Comércio Internacional voltado para interessados na sociedade. A criação, em 2008, do cargo de adido agrícola, em algumas Embaixadas do Brasil, no exterior, tem potencial para representar modificação relativa nesse sentido, mas ainda é cedo para fazer um julgamento definitivo. 7 Do mesmo modo, a recente demanda da Confederação Nacional da Indústria (CNI) pela criação do cargo de adido de indústria e comércio em Embaixadas do Brasil no exterior, segue perspectiva similar. Elas, contudo, são iniciativas que não representam o conjunto de preferências da sociedade, mostram inclusive a diferença na capacidade de organização e influência entre os atores domésticos com interesse em questões de política externa e negociações internacionais. Em Brasília, o Itamaraty tem o monopólio da informação dos postos do serviço 177 vol 23 Nº 2 out/nov/dez 2014

6 artigos exterior sobre o que se passa nas capitais e em Genebra. Isso tem consequências para o processo decisório. Primeiro, ao serem solicitadas recomendações das áreas técnicas do governo, esses pedidos de subsídios por vezes chegam a órgãos não atualizados sobre o que se passa no plano externo ou simplesmente não dispostos a parar o seu cotidiano para respondê-los. A segunda consequência é a ineficiência no processo decisório parte importante das reuniões em Brasília geralmente é ocupada com representantes do Itamaraty relatando os últimos passos das negociações internacionais. A terceira é o fato de essa situação dificultar o julgamento autônomo de outros atores sobre a política das negociações e o monitoramento sobre como o Itamaraty executa as diretrizes formuladas no plano doméstico. Fatos, estatísticas, propostas, papéis de trabalho, análises e notícias sobre as negociações em curso são essenciais para a produtiva contribuição das áreas setoriais do governo e da sociedade. A série telegráfica do Itamaraty referente às negociações comerciais internacionais poderia ser distribuída em terminais de órgãos pertinentes. Essas informações também devem ser compartilhadas, de forma mais aberta, com atores não governamentais, que, inclusive, têm cada vez mais acompanhado as questões de política externa. Destaque-se, nesse âmbito, o trabalho da REBRIP na Rodada Doha, apresentando propostas e avaliando as posições oficias do governo. A Lei de Acesso à Informação, sancionada em 18 de novembro de 2011, pode ser um mecanismo utilizado pela sociedade nesse processo. Mas pode acabar como um remédio tardio de monitoramento, pois se estará, novamente, à mercê da discricionariedade estatal. Além da questão da informação, como os governos devem atuar para realmente conduzir um arranjo participativo voltado para a efetiva democratização do processo decisório? Deve-se pensar com cautela na questão. Em um arranjo adequado, mais participantes trazem mais ideias e um perfil de interesses diversos, mas pode ser um fardo para o processo decisório se não conduzido de forma adequada. Deve-se pensar no dilema de tamanho e foco; no risco de vazamento de informação e na pressão de tempo. Deve-se ser sincero com os interessados em apresentar qual o propósito da iniciativa, as expectativas e as regras. Deve-se dar o feedback adequado sobre se e como o exercício foi utilizado no processo decisório. Deve-se garantir que todos tenham a oportunidade de expressar suas opiniões; deve-se responder a todas as perguntas da forma mais detalhada possível e fornecer a documentação solicitada. O mais importante, no entanto, é o compromisso dos atores governamentais, enfrentando com espírito aberto quando suas próprias preferências são criticadas e descartadas. E esse é um desafio difícil de ser superado. Frequentemente os governos utilizam tais exercícios somente como mecanismo legitimador de suas próprias preferências como um atento observador afirmou, O ministro [das Relações Exteriores] será tentado a usar sua criatura para informar e convencer a sociedade, não para consultá-la e ajustar o que precisa ser ajustado. 8 O primeiro passo do governo ao tratar uma agenda de negociação internacional deve ser apresentar tal intento à sociedade (Diário Oficial e outros canais) e, em linhas gerais, indicar a agenda a ser confrontada, abrindo canais para a interação. Esse tipo de ação existe em outros países e em diversas políticas públicas no Brasil. Ela também não é estranha na área comercial. Mesmo no autoritário Estado Novo, as atas do Conselho Federal de Comércio Exterior chegaram a ser publicadas no Diário Oficial; na preparação da Rodada Annecy do GATT (1949), fizeram-se várias chamadas nos 178 POLÍTICA EXTERNA

7 a sociedade, o estado e a política externa jornais da capital para a atuação de interessados nos trabalhos preparatórios. Posteriormente, a Confederação Nacional da Indústria, a Confederação Nacional do Comércio e a Sociedade Rural Brasileira (antes da criação da Confederação Nacional da Agricultura) serviram de eixo condutor para levar os desafios dessa agenda para interessados em todo o Brasil, em uma época em que o Estado tinha pouca capilaridade para realizar esse tipo de consulta. Do ponto de vista do exercício participativo, deve-se garantir a ampla diversidade de opiniões e interesses do governo e da sociedade. Isso é um desafio. Só no âmbito do governo, há mais de vinte órgãos com incidência regulatória na área do comércio exterior; na sociedade, os pontos de vistas são tão numerosos e diversos que seria temerário apresentar um número. Criar uma instância geral com toda essa diversidade pode ser um primeiro passo, mas pode não ser suficiente para avançar em relação a garantir maior influência da sociedade na política externa. Uma saída engenhosa, utilizada no passado, foi a formação de grupos de trabalho permanentes e temáticos, como os da Unidade de Negociação, que formulou a posição brasileira na Rodada Tóquio ( ). Os atores engajados nessas atividades não devem ser tratados como meros espectadores e ouvintes. Os recorrentes formatos de seminários (para um número maior) ou de reuniões de apresentação de resumos (para grupos seletos) devem se voltar para a resolução de problemas específicos. A dispersão e a carência de problemas concretos para lidar pode gerar esvaziamento das instâncias de participação da sociedade. É somente dentro do próprio processo decisório, examinando demandas reais, que a influência pode ser exercida de forma efetiva e rotinizada. É por intermédio dessa via que a cultura de colaboração poderá traduzir a participação em influência. E como evitar que tais instâncias sejam capturadas por poderosos grupos de interesse? No passado, foram estruturados alguns arranjos que buscavam contornar tal problema. Um foi a utilização de representantes por proxy. Assim, no final da década de 1940, a Comissão Consultiva de Intercâmbio Comercial com o Exterior delegou ao Ministério da Fazenda a responsabilidade de representar os interesses dos consumidores, tendo por isso um voto a mais. Hoje, tal via poderia ser utilizada por um representante do PROCON ou do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Outra via foi procurar na própria sociedade instâncias que pudessem representar essa maioria. Na década de 1960, no âmbito das atividades do Conselho de Política Aduaneira (CPA), deu-se assento para um representante de sindicatos de trabalhadores. Até o final da década de 1970, no entanto, os mais ativos participantes da sociedade eram os de confederações e federações da indústria, do comércio e da agricultura. Em pouco número, poderosos politicamente, bem capacitados e atuando por vários anos lado a lado de atores governamentais nas negociações, eles conseguiram uma influência que desde a Rodada Uruguai ( ) não consegue ser reproduzida. Conclusão O desafio da democratização não é uma tarefa só do Estado. A sociedade tem um papel essencial nessa transformação. Os decisores em Brasília não raro lidam com interessados desinformados, sem conhecimento técnico adequado ou simplesmente defensores de causas inviáveis e setoriais. Para contornar essa situação, os atores da sociedade com interesse em influenciar a inserção internacional do Brasil em negociações comerciais internacionais devem continuar desenvolvendo capacidade técnica, construir redes de 179 vol 23 Nº 2 out/nov/dez 2014

8 artigos relacionamentos, saber como o subsistema da política pública funciona (quem está envolvido, como um assunto é examinado, qual informação é estratégica, como as decisões são tomadas, qual o vocabulário utilizado) e participar por longo tempo da arena decisória. A influência raramente é alcançada com a interação episódica predominante atualmente. Todo esse exercício deve ser contínuo e cotidiano. A democratização envolve necessariamente o constante diálogo e, também, de meios de monitoramento, de forma que a sociedade saiba como suas preferências estão sendo executadas. A tarefa, dessa maneira, está longe de ser concluída quando os negociadores se dirigem para as reuniões internacionais. As lições de outras arenas institucionais demonstram que a cultura organizacional da burocracia tem grande efeito sobre que tipo de relacionamento observaremos. A transição de árbitro para parceiro é algo que não será alcançado apenas com molduras formais. O maior desafio para o Itamaraty, dessa forma, talvez seja dentro de si mesmo, refletindo sobre a forma como seus servidores interagem com as demandas da sociedade. O essencial é não arrogar-se do papel privilegiado de intérprete do interesse nacional, escondendo nessa crença a possibilidade de descartar seletivamente as vozes das ruas. Outubro de 2014 Notas 1. Discurso proferido pelo ministro de Estado das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, na abertura dos Diálogos sobre Política Externa (Palácio Itamaraty, 26 de fevereiro de 2014). Disponível em: Acesso em: 10 de maio de Parte dessa pesquisa foi apresentada no encontro de 2014 da LASA. Haroldo Ramanzini Júnior and Rogério de Souza Farias. Interest, Participation, Control and Influence: Democratization, Civil Society,Bbureaucratic Conflicts and the Shaping of a Public Policy in Brazil. Latin American Studies Association. Chicago, Disponível em: <http://www.academia.edu/ /interest_participation_control_and_influence_democratization_civil_society_bureaucratic_conflicts_and_the_shaping_of_a_public_policy_in_brazil._prepared_for_delivery_at_the_2014_congress_of_the_latin_american_ Studies_Association_Chicago_IL_May_21_-_24_2014>. Acesso: 31 de maio de acesso em 21/05/ Com base na documentação classificada compartilhada por um dos participantes das reuniões desse período. 5. Ainda que, quando se fala em sociedade civil durante parte desse período, naturalmente não seja o mesmo núcleo de atores a que se refere o conceito atualmente. 6. Telegrama de George A lvares Maciel para Thomás Pompeu de Souza Brasil Netto. GATT. Lista III. Delegação brasileira. Representantes da CNI. 24 de outubro de 1968, 660.(04) outubro de AHI-BSB. Trata-se das renegociações iniciadas com uma derrogação da Lista III brasileira. Elas so seriam concluídas na década de Matias Spektor. Portas abertas? Folha de S. Paulo, 10 de julho de Bibliografia ARNSTEIN, S. R. A ladder of citizen participation. Journal of the American Institute of planners, v. 35, nº 4, p FERREIRA, O. S. Política externa e liberdade de manobra! Política e Estratégia, v. 3, nº 1, p POLÍTICA EXTERNA

9 a sociedade, o estado e a política externa Lima, M. R. Soares de e Milani, Carlos R. S. Privatização ou democratização da Política Externa Brasileira? Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/?/ Editoria/Internacional/Privatizacao-ou-democratizacao- -da-politica-externa-brasileira-/6/30632%3e. Acesso: 4 de abril de PATRIOTA, A. de Aguiar. Diplomacia e Democratização. Política Externa, vol. 22, nº 2, WEBER, Max. Economy and Society: an Outline of Interpretive Sociology. Berkeley: University of California Press, vol 23 Nº 2 out/nov/dez 2014

10

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 Reseña Política externa e democracia no Brasil Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 A defesa das instituições democráticas entra definitivamente na agenda internacional da América Latina

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação PRO-REG/IBI PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM REGULAÇÃO Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação Pedro Farias Especialista Lider em Modernização do Estado Banco Interamericano de Desenvolvimento Sebastian

Leia mais

Política comercial no Brasil: características, condicionantes e policymaking

Política comercial no Brasil: características, condicionantes e policymaking Política comercial no Brasil: características, condicionantes e policymaking Pedro da Motta Veiga Agosto 2006 Estrutura do trabalho - fluxos de comércio e política comercial dos últimos 20 anos: evolução

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

CFO Program Para uma carreira em constante transformação

CFO Program Para uma carreira em constante transformação CFO Program Para uma carreira em constante transformação A Deloitte refere-se a uma ou mais entidades da Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada, de responsabilidade limitada, estabelecida

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE DISCIPLINA Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais Disciplina: PRI 5017 Política Externa Brasileira FLS 5903 Temas

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO O PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD), EM PARCERIA COM A SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA

Leia mais

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos;

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos; TRATADO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO COMUM ENTRE A REPUBLICA ARGENTINA, A REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPUBLICA DO PARAGUAI E A REPUBLICA ORIENTAL DO URUGUAI (ASSUNÇÃO, 26/03/1991) A República

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina BRICS Monitor Posição dos BRICS diante da questão da Palestina Janeiro de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações.

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações. Criando ferramentas para a garantia ao direito à convivência familiar e comunitária. Documento Preparatório do Seminário Relaf 2013 Fortalecendo os Avanços. Criando ferramentas para a Garantia do Direito

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Brasília, 18 a 20 de agosto de 2004 Mesa I - PARCERIAS ENTRE GOVERNO, ONGs e PRODUTORES RURAIS

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Oficina Cebes POLÍTICA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL

Oficina Cebes POLÍTICA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL RELATÓRIO Oficina Cebes POLÍTICA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL 20 de dezembro de 2007 MERLIN COPACABANA HOTEL Av. Princesa Isabel, 392 Copacabana - Rio de Janeiro/RJ No dia 20 de dezembro de 2007, o

Leia mais

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente 224 NOTAS Notas Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente VICENTE FOX QUESADA A política exterior mexicana atravessa atualmente um período de renovação estreitamente vinculado

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais Conselho Nacional de Saúde (CNS) LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 COMPOSIÇÃO 50% Usuário

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO FACES DO BRASIL/ AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ÉTICO E SOLIDÁRIO DO BRASIL

PROJETO DE COOPERAÇÃO FACES DO BRASIL/ AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ÉTICO E SOLIDÁRIO DO BRASIL PROJETO DE COOPERAÇÃO FACES DO BRASIL/ AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ÉTICO E SOLIDÁRIO DO BRASIL Brasil, outubro de 2004 1 ÍNDICE JUSTIFICATIVA... 3 OBJETIVO...

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Valdir de Castro Oliveira PPGICS/FIOCRUZ Rio de janeiro, 29 de setembro de 2015 O Sistema Único de Saúde pressupõe - Inclusão e participação

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2013 Curso: Redes de Políticas Públicas O Desafio da Governança Turma: 01 Professores: Paulo Carlos Du Pin Calmon Arthur Trindade Maranhão Costa ROTEIRO PARA

Leia mais

OGU Ações e Projetos 2011/2012

OGU Ações e Projetos 2011/2012 OGU Ações e Projetos 2011/2012 FUNDAMENTOS NORMATIVOS Constituição Federal Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA O PROVIMENTO DOS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS DO SUAS E IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA CAPACITASUAS CURSO 1 MÓDULO 1 - A Assistência Social e a

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2014

PLANO DE TRABALHO 2014 TRADUÇÃO DE CORTESIA PLANO DE TRABALHO 2014 O presente Plano de Trabalho do CEED para o ano 2014, que se apresenta para consideração e aprovação do Conselho Diretivo, contém a descrição e objetivos das

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

China Sistema Político Vigente

China Sistema Político Vigente China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa S. Lima 15 de setembro de 2005 China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ!

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! Liberdade+Autonomia se constrói com Igualdade snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! A história da CUT, desde a sua fundação, em 1983, é marcada pelo compromisso com a construção da

Leia mais

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina Morgana G. Martins Krieger Resenha American Review of Public Administration.

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina Morgana G. Martins Krieger Resenha American Review of Public Administration. UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina Escola Superior de Administração e Gerência Centro de Ciências da Administração e Sócio-Econômicas Mestrado Profissional Gestão da Co-Produção do Bem Público

Leia mais

BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS

BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS Nota Informativa Executivo Federal BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS Em 15/12/2010, o Ministério da Fazenda (MF) divulgou

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 035/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: QUESTÕES INSTITUCIONAIS O Projeto BRA/06/032

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

XXVIII Reunião do Subgrupo de Trabalho 7º Indústria COMISSÃO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E ARTESANATO

XXVIII Reunião do Subgrupo de Trabalho 7º Indústria COMISSÃO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E ARTESANATO MERCOSUL/SGT Nº 7/ ATA Nº 03/06 XXVIII Reunião do Subgrupo de Trabalho 7º Indústria COMISSÃO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E ARTESANATO Realizou-se em Brasília, República Federativa do Brasil, no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A Organização mundial de comércio em poucas palavras A Organização Mundial de Comércio (OMC) é a única organização internacional que trata das regras que regem o comércio

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

PRODUTO 4 PROPOSTA NORMATIVA DE REGULAMENTAÇÃO DAS OUVIDORIAS PÚBLICAS FEDERAIS

PRODUTO 4 PROPOSTA NORMATIVA DE REGULAMENTAÇÃO DAS OUVIDORIAS PÚBLICAS FEDERAIS Brazil-EU Exchange on ombudsman best practices Gove 0010 PRODUTO 4 PROPOSTA NORMATIVA DE REGULAMENTAÇÃO DAS OUVIDORIAS PÚBLICAS FEDERAIS Perita: Valeria Alpino Bigonha Salgado 2 CONTATOS Direção Nacional

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o tema de cooperação brasileira para o desenvolvimento.

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas O Fórum F Permanente e os Fóruns F Regionais das

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Características de Bancos Centrais Efetivos Algumas Lições da Década Passada

Características de Bancos Centrais Efetivos Algumas Lições da Década Passada Malcom Knight Características de Bancos Centrais Efetivos Algumas Lições da Década Passada Presidente Henrique Meirelles, antigos presidente do Banco Central. É para mim uma honra muito grande falar para

Leia mais

Os Conselhos Gestores e a lógica da institucionalização da participação política na esfera pública brasileira

Os Conselhos Gestores e a lógica da institucionalização da participação política na esfera pública brasileira Os Conselhos Gestores e a lógica da institucionalização da participação política na esfera pública brasileira Renata S. Schevisbiski O cenário político contemporâneo tem sido marcado pela problemática

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMERCIO DISCURSO DE S.E. SRA MARIA IDALINA DE OLIVEIRA VALENTE MINISTRA DO COMÉRCIO

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMERCIO DISCURSO DE S.E. SRA MARIA IDALINA DE OLIVEIRA VALENTE MINISTRA DO COMÉRCIO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMERCIO DISCURSO DE S.E. SRA MARIA IDALINA DE OLIVEIRA VALENTE MINISTRA DO COMÉRCIO NA OITAVA CONFERÊNCIA MINISTERIAL DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO 15 a 17 de Dezembro

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais