INTELIGÊNCIA MULTILATERAL E OPERAÇÕES DE PAZ: rumo à institucionalização? Marco Cepik Professor Associado da UFRGS Diretor do CEGOV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTELIGÊNCIA MULTILATERAL E OPERAÇÕES DE PAZ: rumo à institucionalização? Marco Cepik Professor Associado da UFRGS Diretor do CEGOV"

Transcrição

1 INTELIGÊNCIA MULTILATERAL E OPERAÇÕES DE PAZ: rumo à institucionalização? Marco Cepik Professor Associado da UFRGS Diretor do

2 Agradeço a colaboração de Giovanna Kuele, assistente de pesquisa do GT Polí<cas de Defesa, Inteligência e Segurança do.

3 OBJETIVOS & ROTEIRO 1. Contextualizar a a0vidade de inteligência no âmbito da ONU 2. Apresentar as estruturas de inteligência da ONU 3. Analisar os desafios de C 3 I nas missões de paz 4. Ponderar as implicações para o Brasil

4 1 CONTEXTUALIZAÇÃO perguntas de partida Operações de paz como guerra de coalizão? Missões integradas, mandatos robustos, recursos adequados? Inteligência mul<lateral, uma contradição em termos? Legi<midade no uso da inteligência pela ONU? Ênfase tá<ca, operacional ou estratégica?

5 1 CONTEXTUALIZAÇÃO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA Dupla dimensão do conceito de inteligência, operacional e analí0ca: Enquanto a primeira dimensão destaca os meios especiais u<lizados para coletar informações, no limite sem a cooperação e/ou conhecimento de um adversário, a segunda dimensão é analí<ca e diz basicamente que a inteligência se diferencia da mera informação por sua capacidade explica<va e/ou predi<va (fins). Inteligência: missão é dar suporte para as decisões e ações em todos os níveis da cadeia de comando Inteligência tá0ca: infoseg; opseg; info combate; intel batalha; Inteligência operacional: intelligence- led peacekeeping? Inteligência estratégica: Sistema ONU como tomador de decisão? Fonte: CEPIK, 2003:28

6 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Fonte: Dorn (1999)

7 1 CONTEXTUALIZAÇÃO EVOLUÇÃO HISTÓRICA PKOs Guerra Fria e intel ONUC Congo MIB UN Resolu<on 678 Gulf War UNOSOM e Chapter VII UNPROFOR Srebrenica 1995 Situa<on Centre 1993 I&R Relatório Brahimi (2000) UN Resolu<on 1368 post 9/11 UNSCOM Iraq WMD JMAC 2010: Intelligence- led PKO MINUSTAH Hai< 2004 MONUSCO RDCongo 2014

8 1 CONTEXTUALIZAÇÃO 17 Missões, 122 países envolvidos Fonte: DFS/ONU (2014)

9 2 ESTRUTURAS DE INTELIGÊNCIA ONU Secretariado Departamento de Operações de Paz (DPKO) Departamento de Suporte (DSF) Departamento de Assuntos Polí0cos (DPA) Escritório para Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) Escritório de Assuntos Militares (OMA) Situa&on Centre (SitCen) Departamento de Suporte Logís0co Divisão Américas Divisão Ásia e Pacífico Sistema de Alerta Humanitário Antecipado (HEWS) Escritório do Consultor Militar Assessment Team Research and Liaison Unit (RLU) Serviço de Suporte Operacional Divisão Europa Serviço de Planejamento Militar (MPS) Divisão Oriente Médio e Ásia Ocidental Divisão África I Divisão África II Fonte: Elaboração própria com base em ONU (2014), Norheim- Rar<nsen & Ravndal (2011) e Ekpe (2007)

10 2 ESTRUTURAS DE INTELIGÊNCIA ONU Fonte: Maceda (2007)

11 2 ESTRUTURAS DE INTELIGÊNCIA ONU - HAITI Fonte: Dorn (2009)

12 3 DESAFIOS DE C 3 I EM MISSÕES DE PAZ C 3 I - Comando, Controle, Comunicações e Inteligência (ou C 4 ISR) Comando: desafios de coordenação horizontal e de unidade de comando ver<cal no âmbito operacional das missões decorrem da fragilidade ins<tucional intrínseca da ONU, das divisões polí<cas no Conselho de Segurança e na Assembléia Geral no âmbito estratégico. Controle: diferentes formas de accountability entre componentes da missão (humanitário, polí<co, militar e policial), agendas e princípios doutrinários para reportar- se aos escalões superiores. Comunicações: respostas ad hoc, diferenças culturais, barreiras linguis<cas, interoperabilidade e qualidade dos equipamentos e canais de comunicação, quan<dade e qualidade do pessoal empregado, bem como graus de interferência nacional e círculos viciosos/virtuosos de confiança e legi<midade. Inteligência: dependência em relação aos Estados Unidos (Joint Deployable Intelligence Support System JDISS) para SIGINT e IMINT; legi<midade e riscos de poli<zação; coordenação/consistência entre DPKO e JMACs; papel dos con<ngentes nacionais e espectro operacional e analí<co das ações de inteligências (ROE); qualidade analí<ca dos produtos e procedimentos de segurança e disseminação. Fonte: GORDON (2001); ORR (1983)

13 4 IMPLICAÇÕES PARA O BRASIL Razões diplomá<cas, operacionais e tá<cas para o engajamento brasileiro em PKO. Experiência das forças armadas brasileiras em conflitos urbanos e GLO. Adaptabilidade e inicia<va em ambientes mul<culturais, interagência e com forças mul<nacionais. Preparação específica (inclusive inteligência para PKO) e requisitos de pron<dão e compromisso financeiro Centro de Instrução de Operações de Paz (CIOpPaz) Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB) hup://www.ccopab.eb.mil.br

14 REFERÊNCIAS CARMENT, D.; RUDNER, M. (Eds.). Peacekeeping Intelligence New Players, Extended Boundaries. Abingdon, Oxon: Routledge, pgs. CEPIK, M. Inteligência e Polí<cas Públicas: dinâmicas operacionais e condições de legi<mação. Security and Defense Studies Review, v. 2, n. 2, p. 1 22, DORN, A. W. Intelligence- led Peacekeeping: The United Na<ons Stabiliza<on Mission in Hai< (MINUSTAH), Intelligence and Na0onal Security, v. 24, n. 6, p , dez DORN, A. W. The cloak and the blue beret: Limita<ons on intelligence in UN peacekeeping. Interna0onal journal of intelligence and counterintelligence, v. 12, n. 4, p , DORN, A. W. United Na<ons Peacekeeping Intelligence. In: JOHNSON, L. K. (Ed.). The Oxford Handbook of Na0onal Security Intelligence. New York: Oxford University Press, p DORN, W.; BELL, D. J. H. Intelligence and Peacekeeping: The UN Opera<on in the Congo, In: JONG, B. DE; PLATJE, W.; STEELE, R. D. (Org.). Peacekeeping Intelligence: Emerging Concepts for the Future. Oakton, Virginia: OSS Interna<onal Press, p EKPE, B. The Intelligence Assets of the United Na<ons: Sources, Methods, and Implica<ons. Interna0onal Journal of Intelligence and CounterIntelligence, v.20, n.3, p , set

15 GORDON, Stuart. Icarus Rising and Falling: The Evolu<on of UN Command and Control Structures. In: GORDON, S. and TOASE, F. [editors]. Aspects of Peacekeeping. London, Frank Cass Publishers, Pages JONG, B. DE; PLATJE, W.; STEELE, R. D. (Eds.). Peacekeeping Intelligence: Emerging Concepts for the Future. Oakton, Virginia: OSS Interna<onal Press, pgs. KENKEL, K. M. (Ed.). South America and Peace Opera0ons: Coming of Age. Abingdon, Oxon: Routledge, pgs. MACEDA, S. Dysfunc0on Junc0on: Intelligence, Peacekeeping, and the United Na0ons. Thesis (Master of Arts in Security Studies) Naval Postgraduate School, Monterey, California, NORHEIM- MARTINSEN, P. M.; RAVNDAL, J. A. Towards Intelligence- Driven Peace Opera<ons? The Evolu<on of UN and EU Intelligence Structures. Interna0onal Peacekeeping, v. 18, n. 4, p , ago NORHEIM- MARTINSEN, M. Brazil: an emerging peacekeeping actor. NOREF Report, Norwegian Peacebuilding Resource Centre, Novembro, ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Assembleia Geral. Documento A/55/305 Report of the Panel on United Na<ons Peace Opera<ons. Disponível em: <hup://www.un.org/en/ga/search/view_doc.asp?symbol=a/55/305>. Acesso em: 27/05/2014

16 ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Assembleia Geral. Documento A/60/696. Disponível em: <hup://www.un.org/en/ga/search/view_doc.asp?symbol=a/60/696>. Acesso em: 27/05/2014 ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Assembleia Geral. Documento A/61/858. Disponível em: <hup:// Acesso em: 27/05/2014 ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Assembleia Geral. Documento A/RES/61/256. Disponível em: <hup:// Acesso em: 27/05/2014. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Charter of the United Na0ons. São Francisco, Disponível em: <hup:// Acesso em: 27/05/2014 ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. United Na0ons Peacekeeping Opera0ons Principles and Guidelines. Disponível em: <hup://pbpu.unlb.org/pbps/library/capstone_doctrine_eng.pdf>. Acesso em: 27/05/2014. ORR, George E. Combat Opera0ons C3I: fundamentals and interac0ons. Air Alabama: University Press, 1983.

17 PEACEKEEPING RESOURCE HUB. DPKO Policy Direc0ve on Joint Opera0ons Centres and Joint Mission Analysis Centres Disponível em: <hup://www.peacekeepingbestprac<ces.unlb.org/pbps/library/dpko%20policy %20on%20JOC%20and%20JMAC% pdf> Acesso em: 27/05/2014 PICKERT, Perry L., SWENSON, Russel G. Intelligence for Mul0lateral Decision and Ac0on. Washington, DC: Joint Military Intelligence College, PROENÇA JÚNIOR, D. O enquadramento das Missões de Paz ( PKO ) nas teorias da guerra e de polícia. Revista brasileira de polí0ca internacional, v. 45, n. 2, p , RAMJOUÉ, M. Improving United Na0ons Intelligence: Lessons from the Field. GCSP Policy Paper n.19, Geneva Centre for Security Policy, REZENDE, L. P. O Engajamento do Brasil nas Operações de Paz da ONU: Um Estudo Compara0vo. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) Pon<fica Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós- Graduação em Relações Internacionais, Belo Horizonte, SHETLER- JONES, P. Intelligence in Integrated UN Peacekeeping Missions: The Joint Mission Analysis Centre. Interna0onal Peacekeeping, v. 15, n. 4, p , ago XAVIER, N. S. Inteligências e Operações de Paz da ONU no pós- Guerra Fria. In: CEPIK, M. (Org.). Inteligência Governamental: Contextos Nacionais e Desafios Contemporâneos. Niteroi: Impetus, p

18 MUITO OBRIGADO Marco Cepik cegov.ufrgs.br

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component SUMÁRIO 1. OPERAÇÕES DE PAZ 2. MINUSTAH 3. OPERAÇÕES DE GARANTIA DA LEI E DA ORDEM 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS PARTICIPAÇÃO EM MISSÕES DE PAZ UNEF-I Oriente Médio 47 Mis Paz Mais de 32.000 militares brasileiros

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS E AS OPERAÇÕES DE AJUDA HUMANITÁRIA

A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS E AS OPERAÇÕES DE AJUDA HUMANITÁRIA CENTRO CONJUNTO DE OPERAÇÕES DE PAZ DO BRASIL A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS E AS OPERAÇÕES DE AJUDA HUMANITÁRIA Recife, 07 de maio de 2014 Cel Vendramin Cmt do CCOPAB Sumário CENTRO CONJUNTO DE OPERAÇÕES

Leia mais

Os BRICS e as Operações de Paz

Os BRICS e as Operações de Paz Os BRICS e as Operações de Paz Policy Brief #3 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Maio de 2011 Os BRICS e as Operações de Paz

Leia mais

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao 1. Introdução O objetivo deste trabalho é analisar o posicionamento brasileiro perante as normas internacionais relacionadas a intervenções humanitárias e missões de paz no período pós-guerra Fria, e como

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE

A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE Introdução Aluno: Enzo Mauro Tabet Cruz Professor: Kai Michael Kenkel O Brasil vem crescentemente ganhando destaque

Leia mais

resolução de situações-problema

resolução de situações-problema 1 resolução de situações-problema situação-problema esclarecer a comunidade escolar sobre o papel da onu na resolução dos conflitos mundiais saberes a mobilizar saber Enunciar os objetivos que presidiram

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO OPERAÇÕES DE PAZ E POLICIAMENTO INTERNACIONAL

CURSO DE EXTENSÃO OPERAÇÕES DE PAZ E POLICIAMENTO INTERNACIONAL CURSO DE EXTENSÃO OPERAÇÕES DE PAZ E POLICIAMENTO INTERNACIONAL 1. OBJETIVOS: 1.1. Objetivo geral: Este curso tem por objetivo criar condições para que os participanantes possam conhecer as operações de

Leia mais

Dados - Revista de Ciências Sociais ISSN: Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Brasil

Dados - Revista de Ciências Sociais ISSN: Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Brasil Dados - Revista de Ciências Sociais ISSN: 0011-5258 dados@iesp.uerj.br Universidade do Estado do Rio de Janeiro Brasil Cepik, Marco; Kuele, Giovanna Inteligência em Operações de Paz da ONU: Déficit Estratégico,

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA EM FORÇAS DE PAZ: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E PERSPECTIVAS FUTURAS--UMA INSERÇÃO POSITIVA DO BRASIL NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA EM FORÇAS DE PAZ: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E PERSPECTIVAS FUTURAS--UMA INSERÇÃO POSITIVA DO BRASIL NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA EM FORÇAS DE PAZ: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E PERSPECTIVAS FUTURAS--UMA INSERÇÃO POSITIVA DO BRASIL NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Prof. Dr. Kai Michael Kenkel IRI/PUC-Rio XIII Ciclo de Estudos

Leia mais

O COMPONENTE DO DESENVOLVIMENTO NAS INCIATIVAS PÓS-CONFLITO

O COMPONENTE DO DESENVOLVIMENTO NAS INCIATIVAS PÓS-CONFLITO O COMPONENTE DO DESENVOLVIMENTO NAS INCIATIVAS PÓS-CONFLITO ROTEIRO 1. ONU 2. INSTRUMENTOS PARA SOLUÇÃO DE CONFLITOS 3. O BRASIL E AS OPERAÇÕES DE PAZ 4. CONCLUSÃO ANTECEDENTES ANTECEDENTES LIGA DAS NAÇÕES

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMANDANTE DO EXÉRCITO ÓRGÃOS DE ASSESSORAMENTO DO COMANDANTE Gabinete do Comandante do Exército Secretaria-Geral do Exército Centro de Inteligência do Exército Centro de Comunicação Social do Exército

Leia mais

KIT DE TREINAMENTO SWITCH Gestão Integrada das Águas Urbanas na Cidade do Futuro. 12 th ICUD Porto Alegre Rio Grande do Sul 15 de setembro de 2011

KIT DE TREINAMENTO SWITCH Gestão Integrada das Águas Urbanas na Cidade do Futuro. 12 th ICUD Porto Alegre Rio Grande do Sul 15 de setembro de 2011 KIT DE TREINAMENTO SWITCH Gestão Integrada das Águas Urbanas na Cidade do Futuro 12 th ICUD Porto Alegre Rio Grande do Sul 15 de setembro de 2011 Sophia Picarelli ICLEI LACS - Secretariado para América

Leia mais

Palavras-chave: Proteção de Civis peacekeeping operations ONU - MONUSCO

Palavras-chave: Proteção de Civis peacekeeping operations ONU - MONUSCO 1 PROTEÇÃO DE CIVIS: A VISÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DE MANUTENÇÃO DA PAZ DAS NAÇÕES UNIDAS (DPKO/ONU) Coronel José Ricardo VENDRAMIN Nunes 1 RESUMO O artigo apresenta como objeto de estudo a proteção

Leia mais

O Continente Africano e suas Dinâmicas de Segurança: Reflexos para o Brasil. Prof. Pio Penna Filho Universidade de Brasília

O Continente Africano e suas Dinâmicas de Segurança: Reflexos para o Brasil. Prof. Pio Penna Filho Universidade de Brasília O Continente Africano e suas Dinâmicas de Segurança: Reflexos para o Brasil Prof. Pio Penna Filho Universidade de Brasília Apresentação 1) Caracterização geral do Continente africano; 2) Dinâmicas de Insegurança

Leia mais

5) Igor Fuser http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4756106u7

5) Igor Fuser http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4756106u7 1) Antônio Pedro Tota http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4789712p4 Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1973), doutorado em História Social pela mesma

Leia mais

Periódicos de Relações Internacionais disponíveis em Brasília

Periódicos de Relações Internacionais disponíveis em Brasília Universidade de Brasília Instituto de Relações Internacionais Programa de Educação Tutorial - PET-REL Periódicos de Relações Internacionais disponíveis em Brasília Periódico Local* Anos disponíveis Breve

Leia mais

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 Governo de Minas ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Atua na coordenação das Relações Internacionais

Leia mais

A Política de Segurança e Defesa Nacional Docente: Ten-General Garcia Leandro 2010/2011 2º semestre. Objectivo

A Política de Segurança e Defesa Nacional Docente: Ten-General Garcia Leandro 2010/2011 2º semestre. Objectivo A Política de Segurança e Defesa Nacional 9h 3ECTS Docente: Ten-General Garcia Leandro 2010/2011 2º semestre Objectivo O objectivo desta Cadeira é fornecer aos alunos as ferramentas conceptuais e analíticas,

Leia mais

Nome: Temática: Curriculo: Nome: Temática: Currículo:

Nome: Temática: Curriculo: Nome: Temática: Currículo: Nome: Abraham Turkenicz Temática: Novas Configurações Familiares Curriculo: É médico, psicanalista, terapeuta de casais e famílias, autor do livro "A aventura do Casal'. Nome: Adriana Friedmann Temática:

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços!

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 1 of 14 Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 2 of 14 Quem somos Criada em 2002 - Equipe de especialistas oriundos de unidades especiais das áreas de inteligência e segurança do Estado de Israel.

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Operações de construção da paz: o caso do Haiti

Operações de construção da paz: o caso do Haiti Operações de construção da paz: o caso do Haiti Sérgio Luiz Cruz Aguilar (UNESP Campus de Marília/SP) FAPESP Projeto Regular Introdução As operações de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) surgiram

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil

MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil Análise Segurança Bárbara Gomes Lamas 29 de junho de 2005 MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil Análise Segurança

Leia mais

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES A EMPRESA LOUPE CONSULTORIA EM RH ESPECIALIZADA EM GESTÃO DE PESSOAS A Loupe Consultoria

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel

A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel Escola de Economia e Gestão A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel Orientadora: Prof.ª Dra Emília Fernandes Orientada: Marta Relvas Braga,

Leia mais

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul Luiz Antônio Gusmão, pesquisador IPC/MD IX Curso de Extensão sobre Defesa Nacional

Leia mais

QUESTIONÁRIO INSTITUIÇÃO NOME CARGO / FUNÇÃO

QUESTIONÁRIO INSTITUIÇÃO NOME CARGO / FUNÇÃO QUESTIONÁRIO Prezado (a) participante do Seminário Internacionalização: Desafio para a Universidade, pedimos a gentileza de o (a) senhor (a) responder as questões a seguir. O propósito deste questionário

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

Otavio Augusto Brioschi Soares 1º Tenente Médico Veterinário Hospital Veterinário Academia Militar das Agulhas Negras Exército Brasileiro

Otavio Augusto Brioschi Soares 1º Tenente Médico Veterinário Hospital Veterinário Academia Militar das Agulhas Negras Exército Brasileiro Otavio Augusto Brioschi Soares 1º Tenente Médico Veterinário Hospital Veterinário Academia Militar das Agulhas Negras Exército Brasileiro introdução Introdução Medicina Veterinária Forças Armadas Introdução

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO 25 JUNHO 2014 COMANDANTE DO TACP António Trigger Farinha Capitão FAC/JTAC OBJETIVO Dar a conhecer as capacidades do TACP da Força Aérea, e o seu emprego no controlo de fogos Superfície/Superfície integrados

Leia mais

Unidade 1: Tradução do conhecimento e EVIPNet

Unidade 1: Tradução do conhecimento e EVIPNet Unidade 1: Tradução do conhecimento e EVIPNet Objetivos da unidade Conhecer alguns dos desafios para a vinculação dos achados de pesquisas aos processos de formulação de políticas Discutir o conceito de

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014 Programa de Desenvolvimento Gerencial Brasília, Maio de 2014 A Embrapa Missão Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura em benefício da sociedade

Leia mais

Tamara Jurberg Salgado

Tamara Jurberg Salgado EXISTE UM DIÁLOGO ENTRE A MINUSTAH E AS UPPS? Tamara Jurberg Salgado Resumo Implementada pela ONU, a Minustah é uma missão de paz estabelecida em 2004, no Haiti, tendo o Brasil como líder. Após um período

Leia mais

2. REFERENCIAL TEÓRICO...

2. REFERENCIAL TEÓRICO... SUMÁRIO Lista de Abreviaturas e Siglas... 3 Lista de Figuras... 4 Lista de Gráficos... 5 Lista de Quadros... 6 Lista de Tabelas... 7 1. INTRODUÇÃO... 8 1.1 Contextualização do tema... 8 1.2 Formulação

Leia mais

COOPERATIVAS DE TRABALHO

COOPERATIVAS DE TRABALHO I ENCONTRO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO Painel: O desenvolvimento das cooperativas de trabalho e a legislação - Lições para as Américas Palestra: A experiência recente no processo de implantação da nova

Leia mais

PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP

PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP 7 Maio 10 Horas NÚCLEO DE ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO: COM A PARTICIPAÇÃO: Paz, Fragilidade e Segurança A A G E

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

ONUSAL: UM CASO DE SUCESSO

ONUSAL: UM CASO DE SUCESSO FMLNUNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS ANA CRISTINA PRATES ONG ONUSAL: UM CASO DE SUCESSO São Paulo 2015 UNIVERSIDADE DE

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra. Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015

ESCOLA DE DEFESA. Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra. Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015 ESCOLA DE DEFESA Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015 Prof. Carlos Coelho - Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade

Leia mais

Operações de Paz Multidi

Operações de Paz Multidi Coordenação Civil-Militar Operações de Paz Multidi A Experiência do BRABAT 18 no Ha Cap Bruno Soares de Cerqueira, Exército Brasileiro O Cap Bruno Soares de Cerqueira é atualmente Chefe da Célula de Assuntos

Leia mais

Objetivos do Pacto Global da ONU

Objetivos do Pacto Global da ONU nossa missão global Objetivos do Pacto Global da ONU A maior iniciativa voluntária do mundo para a responsabilidade corporativa está presente em 145 países com mais de 8 mil participantes corporativos.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR II Encontro Nacional de Experiências Inovadoras em Alimentação Escolar 50 ANOS Sr. José Tubino Representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com ESCOLA DE DEFESA Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni lgoldoni@hotmail.com 08 Jul 2015 Luiz Rogério Franco Goldoni - Doutor em Ciência Política pela UFF (2011); -

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional

Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional Ano Académico 2010/2011 Alm. Nuno Vieira Matias 2º Semestre 18 horas 6 ECTS Programa Tecnologia de Defesa e Segurança Internacional A tecnologia ao dispor

Leia mais

(com Volodymyr Dubovyk) (eds.), Perceptions of NATO and the New Strategic Concept, Amesterdão, IOS Press, 2011, 120 pp. (ISBN: 978-1-60750-669-0).

(com Volodymyr Dubovyk) (eds.), Perceptions of NATO and the New Strategic Concept, Amesterdão, IOS Press, 2011, 120 pp. (ISBN: 978-1-60750-669-0). Luís Nuno Rodrigues é Doutorado em História Americana pela Universidade do Wisconsin e em História Moderna e Contemporânea (especialidade História das Relações Internacionais na Época Contemporânea) pelo

Leia mais

Este ano a Lei mencionada acima modificou o Código Civil, a fim

Este ano a Lei mencionada acima modificou o Código Civil, a fim Conway O Impacto da Lei de Autorização da Defesa Nacional de 2012 em Reação a Desastres Domésticos Cel John L. Conway III, USAF, Reformado Este ano a Lei mencionada acima modificou o Código Civil, a fim

Leia mais

A AÇÃO HUMANITÁRIA E A CONSTRUÇÃO DE ESTADOS LIBERAL- DEMOCRÁTICOS: O CASO DO TIMOR LESTE DE 1999 A 2008. Ricardo Oliveira dos Santos¹

A AÇÃO HUMANITÁRIA E A CONSTRUÇÃO DE ESTADOS LIBERAL- DEMOCRÁTICOS: O CASO DO TIMOR LESTE DE 1999 A 2008. Ricardo Oliveira dos Santos¹ A AÇÃO HUMANITÁRIA E A CONSTRUÇÃO DE ESTADOS LIBERAL- DEMOCRÁTICOS: O CASO DO TIMOR LESTE DE 1999 A 2008 Ricardo Oliveira dos Santos¹ O objetivo do trabalho é compreender as principais evoluções normativas

Leia mais

Relações cívico-militares e participação do Brasil em operações de paz: a participação brasileira na MINUSTAH

Relações cívico-militares e participação do Brasil em operações de paz: a participação brasileira na MINUSTAH Relações cívico-militares e participação do Brasil em operações de paz: a participação brasileira na MINUSTAH Aluno: Thiago Gouvêa Scot de Arruda Orientador: Kai Michael Kenkel Introdução A Constituição

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

2. ERM EWS 2.1 ERM EWS 2.2 Framework ERM EWS 2.3 Ciclo Continuo 2.4 Telas do sistema

2. ERM EWS 2.1 ERM EWS 2.2 Framework ERM EWS 2.3 Ciclo Continuo 2.4 Telas do sistema Índice 1. Metodologias 1.1 Introdução Gerenciamento de risco 1.2 Metodologias 1.2.1 PHA Analise preliminar de perigo 1.2.2 HAZOP Estudo de perigo e operabilidade 1.2.3 FTA Analise em árvore de falha 1.2.4

Leia mais

EXAME NACIONAL DE CURSOS E POLÍTICA DE REGULAÇÃO ESTATAL DO ENSINO SUPERIOR ALFREDO MACEDO GOMES Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco alf1964@terra.com.br RESUMO

Leia mais

Carlos Frederico Pereira da Silva Gama

Carlos Frederico Pereira da Silva Gama Carlos Frederico Pereira da Silva Gama Mudanças institucionais nas atividades relativas às Operações de Manutenção da Paz do sistema ONU do pós-guerra Fria: Adaptação versus Aprendizado DISSERTAÇÃO DE

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Listagem de Periódicos e Sites Turismo

Listagem de Periódicos e Sites Turismo Listagem de Periódicos e Sites Turismo Periódicos Nacionais Instituição Periodicidade Publicação Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social - COPPE/UFRJ http://www.ivt-rj.net/caderno/ Caderno Virtual

Leia mais

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores:

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores: Título do Curso: Pós-graduação em Segurança e Defesa Departamento: Ciência Política e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciência Política e Relações Internacionais Dados dos Coordenadores: Gustavo

Leia mais

COLEGIO NACIONAL BARTOLOME MITRE, S.M. de Tucumán, Bachiller, dezembro 1976.

COLEGIO NACIONAL BARTOLOME MITRE, S.M. de Tucumán, Bachiller, dezembro 1976. SECRETÁRIO DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS PARA A DEFESA Bel. Alfredo Forti FORMAÇÃO HARVARD UNIVERSITY, John F. Kennedy School of Government Título: Mestrado em Administração Pública. Concentração: política

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr CONCEITOS PLANEJAMENTO OPERACIONAL Para realizar objetivos, é preciso definir quais atividades devem ser executadas e quais recursos são necessários para a execução das atividades. O processo de definir

Leia mais

O recurso da comunicação social na atuação brasileira da operação de paz MINUSTAH

O recurso da comunicação social na atuação brasileira da operação de paz MINUSTAH O recurso da comunicação social na atuação brasileira da operação de paz MINUSTAH Annelise Faustino da Costa 1 RESUMO A atual operação de paz estabelecida pela ONU no Haiti, MINUSTAH, criada em 2004, tem

Leia mais

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Michelle R S Badin COSCEX/FIESP, March 13, 2013 Estratégias Política Econômica Jurídica Zona de influência Alianças Liberalização, contenção ou

Leia mais

Descrição: Dados Técnicos:

Descrição: Dados Técnicos: II Simpósio Direito e Economia Descrição: O Simpósio Direito e Economia, em sua segunda edição, pretende dar continuidade ao propósito de contribuir para a atividade acadêmica e profissional de juristas

Leia mais

A Economia da Saúde como Campo de Estudo e Ferramenta de Gestão

A Economia da Saúde como Campo de Estudo e Ferramenta de Gestão A Economia da Saúde como Campo de Estudo e Ferramenta de Gestão ENCONTRO REGIONAL DA ECONOMIA DA SAÚDE DO NORDESTE 䇾Avanços e eficiências nas políticas de saúde para o SUS.䇿 História da Organização 1902

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

A INTEROPERACIONALIDADE NAS OPERAÇÕES DE PAZ: AS DOUTRINAS DO BRASIL, FRANÇA E ALEMANHA.

A INTEROPERACIONALIDADE NAS OPERAÇÕES DE PAZ: AS DOUTRINAS DO BRASIL, FRANÇA E ALEMANHA. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 74 A INTEROPERACIONALIDADE NAS OPERAÇÕES DE PAZ: AS DOUTRINAS DO BRASIL, FRANÇA E ALEMANHA. Marco Tulio Delgobbo Freitas 1 RESUMO Durante o desenvolvimento

Leia mais

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome TÍTULO DA TESE Nome do Autor Sobrenome Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos

Leia mais

As Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas no pós- Guerra Fria: o caso dos conflitos armados intra-estatais

As Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas no pós- Guerra Fria: o caso dos conflitos armados intra-estatais As Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas no pós- Guerra Fria: o caso dos conflitos armados intra-estatais Juliana de Paula Bigatão 1 Assim que assumiu o posto de Secretário-Geral da Organização

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

A ATUAÇÃO DO BRASIL NA MISSÃO DE PAZ NO TIMOR LESTE

A ATUAÇÃO DO BRASIL NA MISSÃO DE PAZ NO TIMOR LESTE 1º Ten Al BERNARDINO GOMES JÚNIOR A ATUAÇÃO DO BRASIL NA MISSÃO DE PAZ NO TIMOR LESTE RIO DE JANEIRO 2008 G633a Gomes Júnior, Bernardino. A atuação do Brasil na missão de paz no Timor Leste /. - Bernardino

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

A Participação do Brasil nas Operações de Paz: passado, presente e futuro

A Participação do Brasil nas Operações de Paz: passado, presente e futuro A Participação do Brasil nas Operações de Paz: passado, presente e futuro Sergio Luiz Cruz Aguilar 1 As operações de paz foram iniciadas em 1947 como uma forma da Organização das Nações Unidas (ONU) colocar

Leia mais

Currículo de Pedro Jucá Maciel

Currículo de Pedro Jucá Maciel Currículo de Pedro Jucá Maciel Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Pernambuco (2002), Mestrado (2005) e Doutorado (2009) em Economia pela Universidade de Brasília e Pós-

Leia mais

Proposta para otimização de processos licitatórios na Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU

Proposta para otimização de processos licitatórios na Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU Adriana Fonseca Lins Proposta para otimização de processos licitatórios na Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÁFRICA (QUESTÕES POLÍTICAS, ECONÓMICAS E SOCIAIS) Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÁFRICA (QUESTÕES POLÍTICAS, ECONÓMICAS E SOCIAIS) Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ÁFRICA (QUESTÕES POLÍTICAS, ECONÓMICAS E SOCIAIS) Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Working Paper A presença brasileira nas operações de paz das Nações Unidas

Working Paper A presença brasileira nas operações de paz das Nações Unidas econstor www.econstor.eu Der Open-Access-Publikationsserver der ZBW Leibniz-Informationszentrum Wirtschaft The Open Access Publication Server of the ZBW Leibniz Information Centre for Economics Oliveira

Leia mais

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS Francesco De Cicco Abril, 2012 A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS AGENDA A nova definição de Risco e sua importância para as organizações. Os novos documentos internacionais e brasileiros de referência em

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

C 95-1 OPERAÇÕES DE MANUTENÇÃO DA PAZ. Manual de Campanha ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DO EXÉRCITO

C 95-1 OPERAÇÕES DE MANUTENÇÃO DA PAZ. Manual de Campanha ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DO EXÉRCITO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO Manual de Campanha OPERAÇÕES DE MANUTENÇÃO DA PAZ 2ª Edição 1998 MINISTÉRIO DO EXÉRCITO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO Manual de Campanha OPERAÇÕES DE MANUTENÇÃO

Leia mais

Características. Carga horária 24 horas presenciais.

Características. Carga horária 24 horas presenciais. 1 Características Sobre o curso As organizações que apresentam melhores resultados financeiros, são nitidamente as que aprendem a lidar com as incertezas de forma proativa. Em mercados em constante mudança

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO Agosto de 2009 Ações da Capes Com Ênfase na Cooperação Internacional Reunião das Sociedades de Física da AL SANDOVAL CARNEIRO JUNIOR DIRETOR DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 information TECHNOLOGY Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

Desafios Futuros Para as Operações de Paz Brasileiras 1

Desafios Futuros Para as Operações de Paz Brasileiras 1 Revista da Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, n o 15 (2010), p. 11-23 11 Desafios Futuros Para as Operações de Paz Brasileiras 1 Carlos Chagas Vianna Braga* Resumo A partir da experiência dos últimos

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2013 Curso: Redes de Políticas Públicas O Desafio da Governança Turma: 01 Professores: Paulo Carlos Du Pin Calmon Arthur Trindade Maranhão Costa ROTEIRO PARA

Leia mais

OPERAÇÕES CENTRADAS EM REDE:

OPERAÇÕES CENTRADAS EM REDE: GTE - GUERRA DE INFORMAÇÃO Curso Avançado em OPERAÇÕES CENTRADAS EM REDE: DA SUPERIORIDADE DE INFORMAÇÃO AOS NOVOS MODELOS DE DECISÃO ENQUADRAMENTO Ao longo dos últimos anos, temos assistido ao desenvolvimento

Leia mais