25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO"

Transcrição

1 25 JUNHO 2014

2 COMANDANTE DO TACP António Trigger Farinha Capitão FAC/JTAC

3 OBJETIVO Dar a conhecer as capacidades do TACP da Força Aérea, e o seu emprego no controlo de fogos Superfície/Superfície integrados no Close Air Support (CAS).

4 AGENDA ENQUADRAMENTO Operações Aéreas CAS TACTICAL AIR CONTROL PARTY FORWARD AIR CONTROLLER INTEGRAÇÃO DE FOGOS Pedidos de CAS Métodos de desconflito na zona de operações Tipos de controlo vantagens vs desvantagens Fire Support Team QUESTÕES

5 OPERAÇÕES AÉREAS CONJUNTAS Luta Aérea Contribuição do Poder Aéreo para Operações Terrestres Evacuação Aeromédica ISR Operações Aerotransportadas Guerra Eletrónica Ataque Estratégico Operações Espaciais Contribuição do Poder Aéreo para Operações Marítimas Transporte Aéreo Operações Especiais Reabastecimento Aéreo AJP 3.3 (A) Allied Joint Doctrine for Air and Space Operations 5

6 A COMPLEXIDADE DAS OPERAÇÕES AÉREAS

7 OPERAÇÕES AÉREAS CONJUNTAS CLOSE AIR SUPPORT CAS Ações aéreas contra alvos hostis/ameaças que estão em franca proximidade das forças amigas e que exige uma integração detalhada com o fogo e o seu movimento. Risco de fratricídio é muito elevado!

8 ESPAÇO DE BATALHA CONVENCIONAL CAS FLOT FSCL

9 ESPAÇO DE BATALHA ATUAL COMAJF s AOR CC s AO A I CAS CAS CAS

10 CLOSE AIR SUPPORT TACTICAL AIR CONTROL PARTY - TACP A missão primária do TACP é o aconselhamento do comandante da FT acerca das capacidades e limitações do emprego do Poder Aéreo, desde o escalão de Batalhão até ao escalão de Corpo de Exército, onde para além disso apoia o comandante terrestre no planeamento, pedido e coordenação do CAS (Air Liaison Officer (ALO)). ATP C

11 CLOSE AIR SUPPORT Forward Air Controller / Joint Terminal Air Controller O FAC é um militar qualificado que, de uma posição avançada no terreno ou no ar, direcciona a acção de aeronaves de combate envolvidas em missões de apoio aéreo próximo em apoio às forças terrestres. AAP-6

12 FORWARD AIR CONTROLLER TARGETING RISCO DE FRATRICÍDIO AVALIAÇÃO DO RISCO INTEGRAÇÃO ARMAMENTO BATTLE DAMAGE ASSESSMENT ROE / SPINS RELAÇÃO FAC / GROUND COMMANDER

13 CAPACIDADES TACP

14 CLOSE AIR SUPPORT REQUEST PCAS ICAS CAS In Extremis CAS Planeado antes do ciclo da ATO >72 horas CAS Imediato pedido dentro do ciclo de planeamento da ATO <72 horas CAS Emergência efectuado por pessoal não qualificado

15 CAS REQUEST PLANEADO Request Tasking authority at highest level Tasking authority delegated to AOCC Feedback II BN X BDE TACP (FAC) XX DIV TACP (ALO) XXX CORPS TACP (ALO) AOCC CAOC Wing Ops Center Air Assets Ground Liaison Officer

16 CAS REQUEST IMEDIATO

17 CAS REQUEST Emergency CAS CAS In Extremis/Emergency CAS é requisitado/pedido por uma determinada Unidade sem o apoio de elementos qualificados FAC, FAC (A) ou de pilotos em situações de emergência / críticas.

18 INTEGRAÇÃO DE FOGOS

19 SEPARAÇÃO LATERAL

20 SEPARAÇÃO EM ALTITUDE

21 SEPARAÇÃO LATERAL E ALTITUDE

22 SEPARAÇÃO EM TEMPO

23 TIPOS DE CONTROLO Tipo 1 Implica que o FAC tenha contacto visual com a aeronave e com o alvo ou seja, consiga avaliar a final da aeronave em relação ao alvo. Tipo 2 Quando o FAC apenas tem contacto visual com a aeronave e/ou com o alvo, ou sem qualquer contacto visual (JFO, VDL, remote observers, etc.). Tipo 3 O FAC sem contacto visual com aeronave e com o alvo, mas impõe restrições geográficas, timing, rumos finais, etc. de modo a conduzir ataques terminais contra múltiplos alvos.

24 FOGOS S/S INTEGRADOS COM CAS Supressão das Defesas Aéreas Inimigas (SEAD) Superioridade Aérea Tripulações e Controladores Proficientes Comunicações Comando e Controlo (C2) Meteorologia Favorável Armamento Apropriado Resposta Imediata Marcação/ Iluminação de Alvos

25 INTEGRAÇÃO DE FOGOS CAS EFETIVIDADE Positive Enemy Identification (PID) Pattern of Life (PoL) Rules of Engagement (ROE) Collateral Damage Assessment (CDA) Weapons Release Authority (WRA)

26 FUTURO FIRE SUPPORT TEAM Responsabilidade de integrar fogos diretos e indiretos num dado objetivo/alvo de acordo com as intenções e objetivos do comandante da força apoiada. Composição FO TACP? CMDT FST

27 EXEMPLO

28 MISSÕES FAP TACP

29 BIBLIOGRAFIA ATP (C) TACTICS, TECHNIQUES AND PROCEDURES FOR CLOSE AIR SUPPORT AND AIR INTERDICTION AJP 3 Allied Joint Operations 80 6 Tactical Employment of Air Power

30 FORÇA AÉREA COMANDO AÉREO General Charles Horner

EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR

EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE RIGOR NÍVEIS DE COORDENAÇÃO No caminho da Modernidade e da Excelência FORÇA. DETERMINAÇÃO. NÍVEIS DE COORDENAÇÃO EXÉRCITO DO APOIO DE PORTUGUÊS FOGOS CONJUNTOS

Leia mais

ACADEMIA MILITAR. A importância das equipas TACP (Tactical Air Controller Parties) no Exército Português

ACADEMIA MILITAR. A importância das equipas TACP (Tactical Air Controller Parties) no Exército Português ACADEMIA MILITAR DIRECÇÃO DE ENSINO Curso de Infantaria TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA A importância das equipas TACP (Tactical Air Controller Parties) no Exército Português Autor: Aspirante a Oficial

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

Baltic Air Policing Estado-Maior General das Forças Armadas Força Aérea Portuguesa

Baltic Air Policing Estado-Maior General das Forças Armadas Força Aérea Portuguesa Baltic Air Policing Estado-Maior General das Forças Armadas Força Aérea Portuguesa Bloco 36: 01 de setembro 31 de dezembro de 2014 Šiauliai, Lituânia Press Kit Este Press Kit é elaborado de acordo com

Leia mais

Realização Apoio Patrocínio 3 G A AAé Caxias do Sul Criação da Unidade de Artilharia Antiaérea, em 1950. Inicialmente estes alvos eram fornecidos pela FAB. Os B25 rebocavam um alvo chamado Biruta. 1972:

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

São órgãos desse serviço: O Centro de Coordenação de Busca e Salvamento de Lisboa (RCC Lisboa), situado no Comando Aéreo, em Monsanto;

São órgãos desse serviço: O Centro de Coordenação de Busca e Salvamento de Lisboa (RCC Lisboa), situado no Comando Aéreo, em Monsanto; SISTEMA DE BUSCA E SALVAMENTO Serviço de Busca e Salvamento Aéreo (SAR Aéreo) - Avalia, inicia, conduz, controla e coordena as acções de busca e salvamento aéreo rela vas a aeronaves e, em coordenação

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

CONTRIBUTOS DO PODER AÉREO EM OPERAÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO, SEGURANÇA, TRANSIÇÃO E

CONTRIBUTOS DO PODER AÉREO EM OPERAÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO, SEGURANÇA, TRANSIÇÃO E 2011/05/15 CONTRIBUTOS DO PODER AÉREO EM OPERAÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO, SEGURANÇA, TRANSIÇÃO E RECONSTRUÇÃO (I PARTE) João Paulo Nunes Vicente[1] While it takes `boots on the ground to win a counterinsurgency

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS

MINISTÉRIO DA DEFESA APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS MINISTÉRIO DA DEFESA MD33-M-11 APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS 1 a Edição 2013 MINISTÉRIO

Leia mais

Revista de Imprensa. Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira

Revista de Imprensa. Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira Revista de Imprensa Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2014 ÍNDICE Título Fonte Data Pág/Hora Homem com 46 anos evacuado de um barco nos Açores correiodosacores.net

Leia mais

Tutorial para hostear e/ou gerar missões para a GVV usando o BADC

Tutorial para hostear e/ou gerar missões para a GVV usando o BADC Tutorial para hostear e/ou gerar missões para a GVV usando o BADC As missões no sistema BADC são missões cooperativas e, quando lançadas através do HipperLobby, devem ser utilizados os slots da área COOPERATIVE

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

A Guerra Eletrônica no Mundo

A Guerra Eletrônica no Mundo O ENSINO DE GUERRA ELETRÔNICA NO CIGE Perspectivas para o futuro Pedro Eduardo de Sousa Dias, Cap Com Ch Sec Psq do CIS Flávio Oliveira da Silva Netto, Cap Com Instr CIGE A Guerra Eletrônica no Mundo Nos

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS

GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS 1. Introdução Luis Nunes 1 ; Alberto Silva 2 1 Instituto Geográfico do Exército 2 Instituto Superior Técnico (lnunes@igeoe.pt ; alberto.silva@acm.org)

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo Página 1/11 Índice Parte A: Generalidades..3 16.001 Aplicações.3 16.003 Definições..3

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Carlos Jamel Biólogo, Diretor cjamel@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Webinar - A Invasão dos VANTs 13/08/2012

Leia mais

Requisitos para o Despacho de Voo

Requisitos para o Despacho de Voo Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo PARTE A: GENERALIDADES... 3 16.001 APLICAÇÕES... 3 16.003 DEFINIÇÕES... 3 16.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: CONTROLO OPERACIONAL... 4 16.010 CONTROLO

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO GABINETE DE PREVENÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES COM AERONAVES RELATÓRIO DE INCIDENTE COM AERONAVE

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO GABINETE DE PREVENÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES COM AERONAVES RELATÓRIO DE INCIDENTE COM AERONAVE CÓPIA MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO GABINETE DE PREVENÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES COM AERONAVES RELATÓRIO DE INCIDENTE COM AERONAVE Este relatório foi preparado, somente, para efeitos de prevenção

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

Military Logistics Made Easy

Military Logistics Made Easy Military Logistics Made Easy Pedro Alexandre Bretes Ferro Amador Major de Artilharia Instituto de Estudos Superiores Militares Lisboa, Portugal pedroabretes@hotmail.com 1. Dados da bibliografia da obra

Leia mais

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL Anexo F(29), do Of nº 10-218/2012, da EGN ao EMA CURSO DE ESTADO-MAIOR PARA OFICIAIS INTERMEDIÁRIOS C-EMOI FASE 2 CURRÍCULO 2013 -F-1- (Continuação do Anexo F(29), do Of nº 10-218/2012, da EGN ao EMA...)

Leia mais

TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA

TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA ACADEMIA MILITAR DIRECÇÃO DE ENSINO CURSO DE ARTILHARIA TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA Emprego do Targeting a nível Nacional: Implicações para a Artilharia de Campanha Autor: ASP OF AL ART Pedro Barbosa

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

3. A PARTICIPAÇÃO DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA NA INTERNATIONAL SECURITY ASSISTANCE FORCE (ISAF)

3. A PARTICIPAÇÃO DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA NA INTERNATIONAL SECURITY ASSISTANCE FORCE (ISAF) 3. A PARTICIPAÇÃO DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA NA INTERNATIONAL SECURITY ASSISTANCE FORCE (ISAF) 55 PARTICIPATION OF THE PORTUGUESE AIR FORCE IN THE INTERNATIONAL SECURITY ASSISTANCE FORCE (ISAF) Afonso Gaiolas

Leia mais

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 Neste mês de junho está sendo comemorado os 60 anos de criação do Parque Regional de Manutenção da 1ª Região Militar PqRMnt/1, no Rio de Janeiro.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO CADERNO FICHA 9. PRÉ-SUPRESSÃO 9.5. EXERCÍCIOS E TREINOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel A Gisgeo Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web Geo Marketing e Geo Turismo Localização de pessoas Gestão de frota automóvel App de localização para smartphones Sistemas de navegação GPS A Gisgeo

Leia mais

Folha Informativa nº 135

Folha Informativa nº 135 Folha Informativa nº 135 VISITA DA AACDN AO MUSEU DO AR EM SINTRA No seguimento do XII Congresso da AACDN, teve lugar, no dia 27 de Outubro, uma visita às instalações do Museu do Ar, situado na Base Aérea

Leia mais

Este ano a Lei mencionada acima modificou o Código Civil, a fim

Este ano a Lei mencionada acima modificou o Código Civil, a fim Conway O Impacto da Lei de Autorização da Defesa Nacional de 2012 em Reação a Desastres Domésticos Cel John L. Conway III, USAF, Reformado Este ano a Lei mencionada acima modificou o Código Civil, a fim

Leia mais

FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO

FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO Este manual de instruções é composto de duas partes: Participação com chegada por via aérea Participação com chegada por via terrestre 1 Atenção:

Leia mais

GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO

GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO Liderança Operacional Um bom líder, mesmo numa situação confusa e incerta: Encarrega-se dos recursos atribuídos;

Leia mais

Presentation Title Presentation Subtitle

Presentation Title Presentation Subtitle Presentation Title Presentation Subtitle SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ASPECTOS LEGAIS 3 ASPECTOS ESTRATÉGICOS 4 SISFRON Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica,

Leia mais

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe 1. Apresentação Nas duas guerras mundiais do século passado, os líderes militares das principais nações envolvidas utilizavam jogos de guerra para definição de estratégias e táticas de combate. Os jogos

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Seminário Internacional de VANT 2010 VANT Quem Opera? Cel Av R1 Alexandre Lessa Destaques das Palestras da Conferência Anual de Treinamento e Simulação em VANT em Londres,

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil. Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil. OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VII SENABOM Ten Cel BM BRITO Ten Cel BM ANTONIO GRAÇA OPERAÇÕES HELITRANSPORTADAS NO CBMERJ SUMÁRIO Breve histórico Operações helitransportadas Estatística

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Senhor Otavio Leite)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Senhor Otavio Leite) PROJETO DE LEI N.º, DE 2015 (Do Senhor Otavio Leite) Estabelece regras sobre o licenciamento e operação de veículos aéreos não tripulados (VANT s) e aeronaves remotamente pilotadas (ARP s), bem como os

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página

Leia mais

Catálogo dos Cursos de Qualificação ( 2014 )

Catálogo dos Cursos de Qualificação ( 2014 ) Catálogo dos Cursos de Qualificação ( 2014 ) Designação do curso Acção de Divulgação Eq Dia da Defesa Nacional 5 Adjunto da Sub Sec Financeira 20 Administração e Segurança de Redes Locais 20 Ajudante de

Leia mais

Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades

Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades 1 Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades Cap Diogo EMILIÃO Pinto Bacharel em Ciências Militares AMAN/2002 Pós-graduado em Artilharia de Costa e Antiaérea

Leia mais

ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA

ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA a aquisição de objectivos E A ArtilhAriA na vanguarda da tecnologia Boletim de informação e divulgação ano X / II série Boletim da Escola Prática de Artilharia Ano X / IIª

Leia mais

PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Título: Curso de Tripulante Operacional CTO / 2013 2. Unidade Promotora: Núcleo de Operações e Transporte Aéreo/ NOTAer, da Secretaria da Casa Militar 3. Nível

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Newsletter Nº 37 ABRIL ESTÁGIO DE LIDERANÇA PARA PEQUENOS GRUPOS

Newsletter Nº 37 ABRIL ESTÁGIO DE LIDERANÇA PARA PEQUENOS GRUPOS E S C O L A D E S E R V I Ç O D E S A Ú D E M I L I T A R Newsletter Nº 37 ABRIL ESTÁGIO DE LIDERANÇA PARA PEQUENOS GRUPOS Decorreu na Escola de Sargentos do Exército (ESE) de 30 de março a 02 de abril

Leia mais

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI FANTASMA C-47 em combate no Século XXI Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS) Membro de Centro de Pesquisas

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Clique para editar os estilos do texto mestre

Clique para editar os estilos do texto mestre Clique para editar os estilos do texto mestre Realização Segundo nível Terceiro nível Quarto nível» Quinto nível Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica Apoio Patrocínio

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

1º Batalhão de Infantaria Mecanizado e 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado

1º Batalhão de Infantaria Mecanizado e 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado S R Ministério da Defesa Nacional Exército Português Brigada Mecanizada 2013 Jornadas de Infantaria 1º Batalhão de Infantaria Mecanizado e 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado FINALIDADE E SITUAÇÃO GERAL

Leia mais

Exercício Live Fire Integrated 2015. Sem pilotos no ar e na terra

Exercício Live Fire Integrated 2015. Sem pilotos no ar e na terra Exercício Live Fire Integrated 2015 Neste vídeo podemos ver as forças sul coreanas no Integrated Live Fire Exercise 2015 com a força aérea dos Estados Unidos e seu exército. Sem pilotos no ar e na terra

Leia mais

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP Versão 1.0 I - Introdução 1.1 Motivação Aproveitar o ambiente acadêmico para praticarmos a integração de aplicativos de banco de dados, simulando o que é feito no mercado de trabalho. 1.2 Contexto Em janeiro

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

Piloto Aviador (PILAV)

Piloto Aviador (PILAV) Academia da Força Aérea Mestrado em Ciências Militares Aeronáuticas na especialidade Piloto Aviador (PILAV) PILAV 1ºAno, 1ºSemestre Álgebra Linear MAT Semestral 168 48 32 0 0 0 0 0 6,0 Cálculo Diferencial

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

APRIMORAMENTO OPERACIONAL DOS ESQUADRÕES DA FAB LINK BR2

APRIMORAMENTO OPERACIONAL DOS ESQUADRÕES DA FAB LINK BR2 APRIMORAMENTO OPERACIONAL DOS ESQUADRÕES DA FAB LINK BR2 Resumo: Gabriel Ramirez Pina¹ Guilherme Fernando Carvalhaes ¹ Kaio Felipe Correia de Andrade¹ Luiz Felipe Leite Fidalgo ¹ Pedro Barbezani Carvalho

Leia mais

Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional

Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional Ano Académico 2010/2011 Alm. Nuno Vieira Matias 2º Semestre 18 horas 6 ECTS Programa Tecnologia de Defesa e Segurança Internacional A tecnologia ao dispor

Leia mais

MACRO SETORES DA FEIRA

MACRO SETORES DA FEIRA O Evento A ISC Brasil é a principal ferramenta para estar em contatos com usuários finais corporativos, iniciar novos projetos, gerar negócios, estreitar relacionamentos, criar parcerias e acessar os principais

Leia mais

A FORÇA AÉREA NA MISSÃO DE POLICIAMEN TO AÉREO NA ISLÂNDIA ICELAND AIR POLICING 2012 (IAP2012)

A FORÇA AÉREA NA MISSÃO DE POLICIAMEN TO AÉREO NA ISLÂNDIA ICELAND AIR POLICING 2012 (IAP2012) A FORÇA AÉREA NA MISSÃO DE POLICIAMEN TO AÉREO NA ISLÂNDIA ICELAND AIR POLICING 2012 (IAP2012) Texto Major TODCI António Caixeiro Fotos FAP/IAP2012 Da chegada do Advanced Team e instalação da Força Nacional

Leia mais

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6 CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA Junho de 2013 Página 1 de 6 Página 2 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO Nome Jorge Manuel Dias Sequeira Data de nascimento 27 de Dezembro de 1966 Morada Rua Dom Jorge da

Leia mais

O MQ-8C está pronto para voar

O MQ-8C está pronto para voar O MQ-8C está pronto para voar O Fire Scout provou-se em numerosos desdobramentos operacionais, apoiando tropas no Afeganistão, demonstrando durante testes capacidade de mobilização rápida de armamento

Leia mais

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios Curso Defesa da Floresta contra Incêndios os antecedentes do Projecto: Fogos de 2003 e 2005 que devastaram a Região Centro; Implementação do Plano Nacional DFCI; Instalação das Comissões Municipais; Aprovação

Leia mais

NOTECHS: UM MODELO DE AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES NÃO TÉCNICAS ATRAVÉS DE INDICADORES COMPORTAMENTAIS

NOTECHS: UM MODELO DE AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES NÃO TÉCNICAS ATRAVÉS DE INDICADORES COMPORTAMENTAIS Monica Lavoyer Escudeiro 1 Artigo submetido em: 27/01/2012 Aceito para publicação em: 02/03/2012 RESUMO: O desempenho efetivo de indivíduos e equipes nas atividades aéreas pressupõe o domínio tanto das

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP Versão 1.0 1. Introdução 1.1 Título ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Integração de Bancos de Dados Setoriais (BDS) num Banco de Dados Corporativo (BDC), sua Implementação e Implantação. 1.2 Motivação

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

O PROJETO AOSAD VISÃO GERAL

O PROJETO AOSAD VISÃO GERAL O PROJETO AOSAD VISÃO GERAL V WAI ( WORKSHOP ANUAL DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DO IEAv) 06 a 10 de junho de 2005 Objetivo Identificar as principais características do Projeto AOSAD, da Subdivisão de

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

EQUIPAS OPERACIONAIS DA ANAFS - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ALISTADOS DAS FORMAÇÕES SANITÁRIAS

EQUIPAS OPERACIONAIS DA ANAFS - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ALISTADOS DAS FORMAÇÕES SANITÁRIAS EQUIPAS OPERACIONAIS DA ANAFS - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ALISTADOS DAS FORMAÇÕES SANITÁRIAS ANAFS EOC TEAM (Comando, Controlo e Comunicações) ANAFS EMERGENCY OPERATION COORDINATION TEAM Um posto de comando

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA CONTINUADA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA CONTINUADA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE SEGURANÇA OPERACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE DIRETORIA DE OPERAÇÕES DE AERONAVES DIRETORIA DE AERONAVEGABILIDADE TERMO DE APROVAÇÃO

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Marinha chinesa e norteamericana. conjuntos para combater piratas

Marinha chinesa e norteamericana. conjuntos para combater piratas Marinha chinesa e norteamericana realizam exercícios conjuntos para combater piratas Forças de infliltração americanas e chinesas discutem táticas a bordo do Destróier Harbin (DDG 112) A 14ª frota de escolta

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança CHANDER FIRE DO BRASIL Equipamentos de Segurança SISTEMA ENDEREÇÁVEL: Central Endereçável Especificações Técnicas: - CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS - Alimentação primária: 110V ou 220V AC - 60Hz

Leia mais

FORMAÇÃO GWO BASIC SAFETY TRAINING

FORMAÇÃO GWO BASIC SAFETY TRAINING FORMAÇÃO GWO BASIC SAFETY TRAINING A Soluções Outdoor é uma empresa direccionada para as situações de trabalho onde existe risco de queda. A nossa tarefa consiste em proporcionar equipamentos e técnicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-9 PROCEDIMENTOS ESPECIAIS PARA AERONAVE PRESIDENCIAL 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO

Leia mais

Pedro Miguel da Costa Santos

Pedro Miguel da Costa Santos Pedro Miguel da Costa Santos País: Portugal Nacionalidade: Portuguesa Línguas: Português, Inglês e Espanhol. Experiencia Profissional Bombeiros Voluntários de S. Pedro da Cova (2001 ate a presente data),

Leia mais

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento)

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento) CURRICULUM VITAE Identificação abreviada: Maj Inf Para Rui Jorge Roma Pais dos Santos I DADOS PESSOAIS Rui Jorge Roma Pais dos Santos 08 de maio de 1974 S. Jorge de Arroios Divorciado Major de Infantaria

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES MILITARES CURSO DE PROMOÇÃO A OFICIAL SUPERIOR DA FORÇA AÉREA 2008/2009

INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES MILITARES CURSO DE PROMOÇÃO A OFICIAL SUPERIOR DA FORÇA AÉREA 2008/2009 INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES MILITARES CURSO DE PROMOÇÃO A OFICIAL SUPERIOR DA FORÇA AÉREA 2008/2009 TII O TEXTO CORRESPONDE A TRABALHO FEITO DURANTE A FREQUÊNCIA DO CURSO NO IESM SENDO DA RESPONSABILIDADE

Leia mais

tem como missões primárias a Ihamento marítimo e de detecção,

tem como missões primárias a Ihamento marítimo e de detecção, A responsabilidade territorial nacional alcança muito para além do nosso solo pátrio e Portugal tem de zelar pela segurança da imensa área marítima do norte do Oceano Atlântico, que engloba a Zona Económica

Leia mais

FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Brig Ar Maurício Ribeiro GONÇALVES

FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Brig Ar Maurício Ribeiro GONÇALVES FORÇA AÉREA BRASILEIRA Brig Ar Maurício Ribeiro GONÇALVES Objetivo Roteiro Roteiro END / PEMAER Estratégia Nacional de Defesa Plano Estratégico Militar da Aeronáutica 2010-2031 END / PEMAER Os projetos

Leia mais

AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL

AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO / 2015 ALERTA Este Auxiliar de Bolso não é um manual

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 14 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade III: Arquitetura Estratégica Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM 2. Estratégias de Marketing Estratégias

Leia mais

ACADEMIA MILITAR. Direcção de Ensino. Mestrado em Ciências Militares na Especialidade de Infantaria

ACADEMIA MILITAR. Direcção de Ensino. Mestrado em Ciências Militares na Especialidade de Infantaria ACADEMIA MILITAR Direcção de Ensino Mestrado em Ciências Militares na Especialidade de Infantaria TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA O PELOTÃO DE RECONHECIMENTO DO BATALHÃO DE INFANTARIA DA BRIGADA DE INTERVENÇÃO

Leia mais

DevOps na Zendesk DEVOPS LEAD SENIOR DEVELOPER OPERATIONS ENGINEER

DevOps na Zendesk DEVOPS LEAD SENIOR DEVELOPER OPERATIONS ENGINEER DevOps na Zendesk Eduardo Saito! DEVOPS LEAD Cassiano Aquino! SENIOR DEVELOPER OPERATIONS ENGINEER Agenda! 1. 2. 3. 4. 5. Zendesk Arquitetura Processos Ferramentas Cultura Agenda! 1. 2. 3. 4. 5. Zendesk

Leia mais

Disciplina de Tecnologia Pós-colheita Mestrado em Ciência e Tecnologia Pós-colheita Faculdade de Ciências, Universidade do Porto

Disciplina de Tecnologia Pós-colheita Mestrado em Ciência e Tecnologia Pós-colheita Faculdade de Ciências, Universidade do Porto 1 Transporte Disciplina de Tecnologia Pós-colheita Mestrado em Ciência e Tecnologia Pós-colheita Faculdade de Ciências, Universidade do Porto Domingos Almeida Transporte terrestre 2 Paletização (Thompson

Leia mais

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO Panorâmica da Apresentação 1. Introdução 2. Estabilidade Direccional no Solo e Considerações Aerodinâmicas a Baixas Altitudes Estabilidade Direccional Efeito Solo

Leia mais