Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA"

Transcrição

1 Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de meios em larga escala nos campos de batalha, obteve posteriormente aplicação nas organizações de natureza civil, que a partir de determinado momento, para atingirem os seus fins, sentiram a mesma necessidade de movimentar organizada e eficientemente, grandes quantidades de recursos no espaço e no tempo. Ao longo dos tempos a logística no meio militar foi afirmando o seu valor, mais ou menos à medida que as Forças foram também ganhando volume e complexidade nos seus sistemas de armas, sendo atualmente considerado na doutrina nacional um domínio do conhecimento militar tendo a si associado um corpo de conceitos científicos 1. Foi contudo no meio civil, fruto da influência de vários fatores como o grande crescimento e a internacionalização competitividade das comercial, empresas, a evolução a das tecnologias de informação, os recursos humanos qualificados e os equipamentos mais modernos, que a logística ultimamente se desenvolveu até ao nível estratégico das decisões, desencadeando uma nova série de conceitos, fenómeno que os militares nunca deixaram de acompanhar. Como as palavras são representações de realidades e a linguagem influencia a forma como pensamos, é importante para o Fonte: Exército acompanhar e utilizar uma adequada terminologia sobre a ciência logística, especialmente para apoiar o 1 PDE 4-00 Logística, p. 1-1, Exército Português, Lisboa,

2 desenvolvimento da sua logística permanente 2, o que acentua a relevância do acompanhamento dos desenvolvimentos recentes dos seus conceitos. Qual é a relevância destes conceitos para a integral compreensão da ciência logística? Que aplicabilidades têm e que valor acrescentado gera estes conceitos nas organizações civis e nas Forças Armadas, em particular no Exército? São questões só possíveis de responder através do seu estudo e compreensão. Parte I: Logística Uma nova fórmula para o Exército Cap AdMil António Machado Apesar da atenção dos militares aos desenvolvimentos recentes da logística, uma terminologia militar curta sobre esta ciência não facilita o seu desenvolvimento e aplicação na instituição. O conceito atual de logística nas Forças Armadas é acima de tudo um conceito garantido à custa de terminologia de campanha. A nossa conceção desta ciência está construída em torno do espectro da guerra (logística de campanha vs logística de tempo de paz 3 ). Desta forma esta perspetiva pode limitar-nos a visualização da sua total abrangência e profundidade. Também ao desarticularmos erradamente a logística em Logística Militar e Logística Civil podemos inadvertidamente estar-nos a dificultar a identificação e consequente aplicação de conceitos que estão atualmente a garantir o desenvolvimento dos sistemas logísticos das organizações civis. A perspetiva militar Para os militares (leia-se militares do Exército Português), independentemente do nível da guerra 4 em questão, Logística é a ciência do planeamento e da execução de movimentos e sustentação de forças 5. Entendendo-se por movimentos toda a atividade necessária para transferir de localização Forças/Unidades, nomeadamente o seu 2 Por logística permanente neste artigo entenda-se a logística corrente conduzida pelas entidades de direção e pelas entidades de execução, bem como pelas demais Unidades, Estabelecimentos e Órgãos do Exército, quando não se encontram em Teatros de Operações. 3 PDE 4-00 Logística, Exército Português, Lisboa, Os níveis da guerra, Estratégico, Operacional e Tático, que definem a relação entre a estratégia, a abordagem operacional e as ações táticas, embora não possuam limites bem definidos, hierarquizam-se de acordo com responsabilidades de planeamento, facilitando a abordagem aos problemas (Exército Português, 2012, p. 5-1). 5 PDE 4-00 Logística, p. 2-3, Exército Português, Lisboa,

3 pessoal, material e abastecimentos e entendendo-se por sustentação o conjunto de atividades orientadas para disponibilizar no local, no momento, na quantidade e com as especificidades adequadas, os abastecimentos e serviços necessários à realização das missões atribuídas 6. A logística está assim relacionada com a conceção e desenvolvimento, obtenção, receção, armazenagem, movimentos, distribuição, manutenção, evacuação e alienação de materiais, equipamentos e abastecimentos; com o transporte de pessoal e material; com a construção, conservação, operação e disposição de instalações; com a sustentação e fornecimento de serviços; e com o apoio sanitário. A compreensão do conceito de logística no Exército faz-se também através dos Princípios da Logística 7. Integração, procurando acima de tudo obter ganhos resultantes de economias de escala proporcionadas pela Sinergia entre as capacidades de várias Fonte: FM Contracting Support on the Battlefield nações e ramos das Forças Armadas, visando igualmente obter Economia pois os recursos são escassos. Unidade de Comando, que reflete a preocupação em sintonizar as atividades logísticas com os aspetos operacionais, refletindo simultaneamente Interdependência com a Manobra constituindo-se como o fator multiplicador da capacidade da 6 Idem 7 PDE 4-00 Logística, Exército Português, Lisboa,

4 força. Provisão e Suficiência transmitindo a necessidade do Exército prover os recursos logísticos necessários para apoiar as suas Forças em tempo de paz, crise ou conflito e possuir Flexibilidade a fim de poder responder com elevado nível de prontidão às mudanças dos cenários em que se desenvolve a sua aplicação. Simplicidade na conceção dos planos e na implementação das operações de apoio contrariando a complexidade da logística e Visibilidade e Transparência a fim de ser possível ao comandante ter uma imagem da situação dos recursos e poder priorizar o seu emprego. Assim, através desta definição e princípios obtemos um conceito de logística orientado para o cumprimento da missão. Esta perspetiva da logística vive à custa de terminologia que focaliza a preocupação do decisor na localização, sustentação, segurança e na suficiência de abastecimentos, difundindo uma ideia geral de gestão onde o conceito de eficácia se sobrepõe ao da eficiência. A logística civil Numa das várias definições possíveis de encontrar no mundo das organizações (Council of Supply Chain Management Professionals) entende-se por logística o processo de planeamento, implementação e controlo dos procedimentos de transporte e armazenamento de bens e serviços, bem como da respetiva informação, desde o ponto de origem até ao ponto de consumo, em conformidade com os requisitos/necessidades do cliente 8. Este conceito abrangente de logística (Com aplicação não apenas civil mas em qualquer organização), que assenta essencialmente na gestão de fluxos físicos e fluxos informacionais, pode ser materializado numa perspetiva de tomada de decisão, em três variáveis ou dimensões. O tempo, o custo e a qualidade do serviço. A tomada de decisão ou a gestão logística faz-se portanto procurando otimizar a relação entre os baixos custos, as exigências de qualidade dos serviços e a redução dos tempos de resposta. E deste modo, uma boa relação entre o tempo e o custo reflete a agilidade da organização (agility). Uma boa relação entre o tempo e a qualidade do serviço evidencia capacidade de resposta do sistema logístico (responsiveness) E uma boa relação entre o custo e a qualidade do serviço demonstra a leveza da estrutura organizativa (leanness). 9 A agilidade da organização corresponde à capacidade do sistema logístico responder a situações extraordinárias ou imprevistas em tempo oportuno e a um custo aceitável. A leveza da organização corresponde à 8 9 Carvalho, José Crespo - Logística e Gestão da Cadeia de Abastecimento. Lisboa: Sílabo,

5 capacidade do sistema, sem excedentes, conseguir manter a qualidade do serviço. E a capacidade de resposta corresponde à capacidade do sistema poder responder combinando a velocidade com a qualidade do serviço. Assim, esta definição de logística sustentada nas variáveis acima descritas, transmite a mensagem geral de orientação para a satisfação de necessidades do consumidor. Esta perspetiva apoia-se assim em conceitos que contribuem para a focalização da preocupação do decisor nos tempos de entrega, nos custos, na gestão da informação e na qualidade do serviço, difundindo desse modo uma idea geral Fonte: Logística e Gestão da Cadeia de Abastecimento 1 de gestão onde o conceito de eficiência é efetivamente valorizado. Conclusões O Léxico das instituições ao constituir-se como o dicionário primário dos seus elementos, define e condiciona a visualização das realidades que os seus conceitos representam. A conceção de logística no Exército Português, naturalmente influenciada pelas preocupações das situações de campanha, difere de outras perspetivas mais abrangentes assumidas noutras tipologias de organizações, refletindo-se essas diferenças na terminologia institucional. Não obstante este facto, é possível encontrar semelhanças na terminologia utilizada nas organizações 5 5

6 militares e nas organizações civis. Contudo é também percetível que apesar dos termos serem semelhantes, os conceitos associados possuem natureza diferente, variando de uma perspetiva de eficácia para uma perspetiva de eficiência. Enquanto a Flexibilidade para o Exército representa a capacidade do sistema logístico perante situações extraordinárias manter a continuidade do apoio às forças, a Agilidade pretendida nos sistemas logísticos das outras organizações visa a capacidade de responder atempadamente a custos aceitáveis. Ao passo que os princípios da logística Integração e Sinergia no Exército têm subjacente a preocupação principal em ultrapassar dificuldades específicas para garantir todas as funções logísticas nalguns Teatros de Operações, e a Economia na logística do Exército é uma economia de consumo que visa sobretudo evitar a rutura do apoio, a Leveza pretendida nas outras organizações tem como objetivo fundamental reduzir os excedentes do sistema logístico. As organizações militares não diferem verdadeiramente das organizações civis no que diz respeito à logística. Ambas procuram colocar os abastecimentos no consumidor final da forma mais eficaz e eficiente. Contudo, a Instituição Militar tem o desafio adicional de necessitar de suficiente elasticidade para que, por um lado disponha da capacidade para responder às exigências do emprego de forças militares no campo de batalha e por outro lado apresente uma logística permanente ágil, otimizada, sem excedentes e eficiente. Neste sentido, uma nova fórmula de logística onde variáveis como o custo, a qualidade do serviço, ou a gestão da informação estejam mais presentes, poderá concorrer melhor para satisfazer as atuais necessidades do Exército e consequentemente apoiar o cumprimento da sua missão. 6 6

Fonte: http://www.argentus.com/supply-chain-jobs-scm-jobs/ continental, bem como nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Fonte: http://www.argentus.com/supply-chain-jobs-scm-jobs/ continental, bem como nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira. CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Parte II: Gestão da Cadeia de Abastecimento Relevância para a Logística Permanente 1 do Exército. Cap AdMil António Machado Fruto sobretudo da competitividade

Leia mais

Logística Militar: Das origens do conceito aos mais recentes TO. Logística Militar: Das Origens do Conceito aos mais recentes TO

Logística Militar: Das origens do conceito aos mais recentes TO. Logística Militar: Das Origens do Conceito aos mais recentes TO Logística Militar: Das Origens do Conceito aos mais recentes TO Alf AdMil Filipe Amorim A linha entre a desordem e a ordem Está na Logística. Sun Tzu Fonte - http://www.starbene.com/logistica/ A Logística

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO.

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. Ten Mat Jaime Coelho Ten AdMil António Martins Ten AdMil Edgar Fontes Ten AdMil Fernando Cardoso

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Military Logistics Made Easy

Military Logistics Made Easy Military Logistics Made Easy Pedro Alexandre Bretes Ferro Amador Major de Artilharia Instituto de Estudos Superiores Militares Lisboa, Portugal pedroabretes@hotmail.com 1. Dados da bibliografia da obra

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental nas Unidades do Exército. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS UNIDADES DO EXÉRCITO Ten AdMil Vânia Santos

Sistema de Gestão Ambiental nas Unidades do Exército. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS UNIDADES DO EXÉRCITO Ten AdMil Vânia Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS UNIDADES DO EXÉRCITO Ten AdMil Vânia Santos As questões ambientais têm assumido uma posição de destaque em todas as agendas políticas dos Estados e das organizações, decorrente

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Estratégia e Competitividade

Estratégia e Competitividade Este documento é de circulação restrita aos destinatários. A sua transcrição ou reprodução não é permitida sem prévia autorização escrita da EUROGROUP Consulting. Estratégia e Competitividade João Pacheco

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Produção e Distribuição Plantação de Ferro Produção em massa Just in

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03)

Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03) 5.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 356/9 Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03) O COMITÉ DAS REGIÕES reconhece que há barreiras

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 1 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Contextualização... 3 3.1 Processos de liberalização energética noutros mercados... 3 3.2 Energia Elétrica... 4 3.3 Gás Natural...

Leia mais

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA Parte integrante da Política Externa e de Segurança Comum (PESC) da União Europeia, a Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD) abrange as operações militares e as

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ]

Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ] Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ] Preâmbulo O Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor é uma iniciativa da Comunidade Intermunicipal

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR

EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE RIGOR NÍVEIS DE COORDENAÇÃO No caminho da Modernidade e da Excelência FORÇA. DETERMINAÇÃO. NÍVEIS DE COORDENAÇÃO EXÉRCITO DO APOIO DE PORTUGUÊS FOGOS CONJUNTOS

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: sexta-feira, 16 de Novembro de 2012 17:40 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário O presente documento destina-se a dar um breve contributo do Centro de Estudos Económicos e Institucionais da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Sistemas de Gestão de Energia

Sistemas de Gestão de Energia Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas Sistemas de Gestão de Energia 25 de Janeiro de 2013 Sistemas de Gestão de Energia Agenda: Gestão de Energia, porquê? Objetivos dos Sistemas de Gestão

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 CONCLUSÕES 1. A Europa está atualmente confrontada com um

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR A República Portuguesa e o Governo da República da Turquia, doravante designados individualmente

Leia mais

Engenharia de Sistemas

Engenharia de Sistemas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Engenharia de Sistemas Prof Luís César da Silva, Dr UFES/CCA Conceitos Necessários! Engenharia! Sistema Agroindustriais! Técnicas de Modelagem! Cadeia Produtiva Supply

Leia mais

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Núcleo de Passaportes.

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Núcleo de Passaportes. Relatório Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local Núcleo de Passaportes Novembro de 2014 1 Índice Índice Introdução e Metodologia, pág. 3 1. Satisfação global,

Leia mais

Política de Remunerações das Entidades AXA (Norma 5/2010-R e Circular 6/2010 da ASF)

Política de Remunerações das Entidades AXA (Norma 5/2010-R e Circular 6/2010 da ASF) Política de Remunerações das Entidades AXA (Norma 5/2010-R e Circular 6/2010 da ASF) 1 / 13 INDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - PRINCIPIOS DA POLITICA DE REMUNERAÇÃO... 4 III - DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO...

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Priscila Cristina de Almeida 1 Ângelo Aparecido Zadra 2 RESUMO O tema central deste artigo é demonstrar a importância de uma rede logística

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Brochura PNS

Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Brochura PNS Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Brochura PNS OBJETIVOS GERAIS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE O Plano Nacional de Saúde 2012-2016 (PNS 2012-2016) propõe-se reforçar a capacidade de planeamento e operacionalidade

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO ACP-EU JOINT PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEE PARLEMENTAIRE PARITAIRE ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos ACP-EU/101.967/B 24.09.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a avaliação do Mecanismo de Apoio à Paz

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2.1 CONCEITO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Para que hoje o conceito de Cadeia de Suprimentos fosse tão largamente explorado e aplicado, vários fatores

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE DE DOCUMENTOS

SISTEMAS DE CONTROLE DE DOCUMENTOS SISTEMAS DE CONTROLE DE DOCUMENTOS 2 Apresentação O é uma ferramenta 100% via web, desenvolvida com a mais atual linguagem de programação e banco de dados, que tem como prinicipal função o armazenamento

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO CADERNO FICHA 9. PRÉ-SUPRESSÃO 9.5. EXERCÍCIOS E TREINOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Inventory Management in the Footwear Industry ABSTRACT. Keywords: Inventory Management; ABC analysis; Footwear Industry. 1.

Inventory Management in the Footwear Industry ABSTRACT. Keywords: Inventory Management; ABC analysis; Footwear Industry. 1. XI Congreso Galego de Estatística e Investigación de Operacións A Coruña, 24-25-26 de outubro de 2013 Inventory Management in the Footwear Industry Élia Carvalho 1, Manuel Carlos Figueiredo 2, Anabela

Leia mais

BOM DIA! DESEJAMOS QUE ESTE SEMINÁRIO ATENDA SEUS REQUERIMENTOS

BOM DIA! DESEJAMOS QUE ESTE SEMINÁRIO ATENDA SEUS REQUERIMENTOS BOM DIA! DESEJAMOS QUE ESTE SEMINÁRIO ATENDA SEUS REQUERIMENTOS A Logística Empresarial como Instrumento de Redução de Custos J.G. VANTINE São Paulo, 22 NOVEMBRO 1995 u ANOS 50 TRANSFORMAÇÕES DO MUNDO

Leia mais

Desafios imediatos das cadeias de abastecimento. Cadeias de Abastecimento Contemporâneas a revolução provocada pela

Desafios imediatos das cadeias de abastecimento. Cadeias de Abastecimento Contemporâneas a revolução provocada pela Desafios imediatos das cadeias de abastecimento Cadeias de Abastecimento Contemporâneas a revolução provocada pela globalização aliada às grandes exigências dos clientes, às evoluções tecnológicas e às

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira

A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira Maria João Rosendo Oliveira Gomes 1, João Emanuel Gonçalves S. Costa 1 1 Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche, Instituto

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Comentários da Direção-Geral do Consumidor

Comentários da Direção-Geral do Consumidor Consulta Pública da ANACOM relativa às Opções no âmbito da revisão da deliberação relativa às linhas de orientação sobre o conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação dos serviços de comunicações

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 12 Organização para uma Logística Efectiva Objectivos do Capítulo Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho eficaz e eficiente da empresa Descrição de

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Gestão das Instalações Desportivas

Gestão das Instalações Desportivas Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aquisição de materiais e equipamentos desportivos. 1. Função do aprovisionamento 1.1. Âmbito da função de aprovisionamento 1.1.1. Noção e objetivos do aprovisionamento;

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Planejamento Estratégico nos Órgãos Públicos

Planejamento Estratégico nos Órgãos Públicos Planejamento Estratégico nos Órgãos Públicos Juan Cristóbal Bonnefoy ILPES-CEPAL Curso-seminário Políticas orçamentárias e gestão pública por resultados Caucaia, Ceará, Brasil, agosto de 2005 Pilares do

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014

IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014 IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014 Atividades de Educação Ambiental: planear, realizar e avaliar Sesimbra, 28/29 de novembro de 2013 Jorge Neves Departamento de Comunicação e Cidadania Ambiental

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

PROJETO DE DECISÃO RELATIVO À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS

PROJETO DE DECISÃO RELATIVO À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PROJETO DE DECISÃO RELATIVO À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS I. ENQUADRAMENTO 1. Factos O ICP-ANACOM tem constatado a crescente disponibilização, por parte

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO CASOS DE APLICAÇÃO RUI CARVALHO OLIVEIRA JOSÉ SOEIRO FERREIRA (EDITORES) IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA COIMBRA UNIVERSITY PRESS CASO 7 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Objetivos do Seminário:

Objetivos do Seminário: O Ano Internacional da Estatística -"Statistics2013"- é uma iniciativa à escala mundial que visa o reconhecimento da importância da Estatística nas sociedades. Com este objetivo o Conselho Superior de

Leia mais

OnSearch CONSULTORIA E OUTSOURCING SERVIÇOS, LDA

OnSearch CONSULTORIA E OUTSOURCING SERVIÇOS, LDA OnSearch CONSULTORIA E OUTSOURCING SERVIÇOS, LDA Sobres nós A OnSearch é uma empresa de serviços criada em 2012 que tem como principais objectivos a prestação de serviços às empresas em áreas operacionais

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI CALM António Gameiro Marques

Leia mais