EXÉRCITO PORTUGUÊS. Defesa Aérea. Gestão do Espaço Aéreo. No caminho da Modernidade e da Excelência. Seminário de Artilharia 2014 RIGOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXÉRCITO PORTUGUÊS. Defesa Aérea. Gestão do Espaço Aéreo. No caminho da Modernidade e da Excelência. Seminário de Artilharia 2014 RIGOR"

Transcrição

1 No caminho da Modernidade e da Excelência Seminário de Artilharia 2014 RIGOR FORÇA. DETERMINAÇÃO. Defesa Aérea EXÉRCITO Gestão do Espaço Aéreo PORTUGUÊS General Pinto Ramalho 1

2 AGENDA Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo 1. Estrutura Nacional e Integração na Estrutura NATO 2. Elementos de Ligação 3. Conclusões

3 Defesa Aérea Compreende todas as medidas (ativas e passivas) e respetivos meios destinados a anular ou reduzir a eficácia dos ataques hostis efetuados pela ameaça aérea por forma a permitir a liberdade de ação às forças (instalações) amigas.

4 Defesa Aérea Níveis de Atuação Operações Defensivas de Luta Aérea Defesa Antiaérea Autodefesa de Antiaérea

5 O Espaço Aéreo é fortemente dominado pelos requisitos e pressão do tráfego aéreo comercial, sendo necessário uma forte ligação e coordenação com as autoridades aeronáuticas civis. ( ) tem por missão regular e fiscalizar o sector da aviação civil e supervisionar as atividades desenvolvidas neste sector. ( ) A NAV Portugal tem como missão prioritária a prestação de Serviços de tráfego Aéreo nas Regiões de Informação de Voo sob a responsabilidade Portuguesa

6 TRÁFEGO AÉREO (NAV) Objetivos do Controlo de Tráfego Aéreo: Promover o fluxo ordenado, seguro e expedito das aeronaves; Fornecer todas as informações e sugestões úteis à segurança dos voos; Evitar colisões entre aeronaves; Evitar colisões entre aeronaves e obstáculos no solo; Alertar os organismos apropriados sempre que uma aeronave se encontre numa situação de emergência e necessite dos Serviços de Busca e Salvamento e prestar a esses organismos toda a cooperação necessária. EITA Esquadra Independente de Trafego Aéreo

7 SICCAP POACCS (MIDS-LVT L16) LINK 16 CRC MONSANTO (MIDS-LVT L16) CRC ALT LINK 11A BEJA (POMBAL - L11A / MIDS-LVT L16)

8 COA - Centro de Operações Aéreas CRC - Centro de Relato e Controlo Em tempo de paz ou crise: Avaliar e disseminar aviso antecipado; Manter um elevado Grau de Prontidão para dissuadir qualquer ameaça; Manter a Integridade do espaço aéreo NATO dentro da ACO AOR; Conduzir Operações de Policiamento Aéreo. Em tempo de crise ou conflito: Atribuir forças para defender a ACO AOR de ataques aéreos; Anular ou reduzir a eficácia dos ataques inimigos; Infligir a maior atrição possível às Forças Aéreas INs; Contribuir para alcançar uma Situação Aérea Favorável.

9 CRC Lisboa NATINAMDS ARS/ ACCS CAOC 10 Lisboa NATINADS ACCS POACCS UKADGE STRIDA (CDAOA) (M)ASE ICC ACCS NEC CCIS GEADGE GIADS EIFEL AEGIS/ NADGE ASOC SIMCA (SADA) In NCI Agency

10 CRC Monsanto - BATINA Providenciar ao COMAIR (ACA) as ferramentas para efectuar Gestão do Poder Aéreo em tempo quase real.

11 Elementos de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo UEB Forças de Manobra S1 S4 S2 S3 Oficial de Informações Cmdt UU AAA em apoio OAF Batalhão FAC (se disponível)

12 Elementos de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo Brigadas Coord Fogos e efeitos Serviço Saúde Apoio à Manobra Info Ops Célula de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo Equipa de Defesa Aérea TACP OAF OfLig UALE

13 Elementos de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo BtrAAA Cmdt da Secção de Ligação (Of Lig Cmd da BtrAAA) Equipa de Defesa Aérea Equipa de Coordenação Aérea

14 Elementos de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo GAAA Cmdt da Secção de Ligação (Cmdt Eq Defesa Aérea)? Equipa de Defesa Aérea Equipa de Coordenação Aérea Oficial de C2 do Espaço Aéreo

15 Elementos de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo Ligação e Coordenação na AAA? EAAA COC/LCC EDA ECA EDA ECA ELCT EDA ECA

16 Elementos de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo CFT

17 Elementos de Defesa Aérea e Gestão do Espaço Aéreo COC LCC

18 Participação da AAA no Sistema de Defesa Aérea Nacional Eventos de Alta Visibilidade EAV-HVE - Euro Cimeira EU-AFRICA Cimeira NATO Visita de S.S. Papa 2010 Finalidade - Dissuasão de Ataques Terroristas e incremento da Capacidade de Intervenção perante possíveis aeronaves RENEGADE ou outras situações anormais; - Apoio no esquema Global de Segurança.

19 Conclusões As funções de controlo do espaço aéreo, de defesa aérea encontram-se intimamente relacionadas, envolvendo a coordenação e integração detalhadas dos utilizadores do espaço aéreo; A AAA é o principal elemento das forças terrestres que contribui para a Defesa Aérea, sendo essencial a Ligação para assegurar a compreensão mútua e a convergência de esforços para a obtenção de uma Defesa Aérea Sincronizada e eficaz; Os Postos de Comando até ao escalão Brigada possuem elementos de Ligação para planear, coordenar e conduzir operações no âmbito de Defesa Aérea e sincronizar a utilização do Espaço Aéreo na sua área de responsabilidade; Com a integração do GAAA os elementos de Ligação ficam condicionados aos requisitos específicos da missão e força constituída.

20 Conclusões Necessidade de adequar os QO ao SICCA3; Continuar a fomentar a ligação com os outros elementos do Sistema de Defesa Aéreo Nacional; Maior participação das Secções de Ligação em Exercícios Nacionais e Internacionais que ocorrem em território nacional; Hot Blade; Real Thaw; Arrcade Fusion;

DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS

DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2017 ANPC Comando Nacional Operações Socorro APRESENTAÇÃO PÚBLICA 12 DE ABRIL DE 2017 A defesa da floresta contra incêndios é um desígnio nacional

Leia mais

SISTEMA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO

SISTEMA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO SISTEMA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO MISSÃO DO EXÉRCITO - SIPLEx 1 2008 SUMÁRIO DA MISSÃO DO EXÉRCITO - SIPLEx 1 1. GENERALIDADES 12 2.

Leia mais

MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS

MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL CONSELHO DE CHEFES DE ESTADO-MAIOR MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS Aprovado em CSDN de 30 de julho de 2014. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MISSÕES a. Segurança e defesa do território

Leia mais

SENHOR MINISTRO DA DEFESA NACIONAL, EXCELÊNCIA SENHOR ALMIRANTE CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA SENHOR GENERAL CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA FORÇA AÉREA

SENHOR MINISTRO DA DEFESA NACIONAL, EXCELÊNCIA SENHOR ALMIRANTE CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA SENHOR GENERAL CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA FORÇA AÉREA SENHOR MINISTRO DA DEFESA NACIONAL, EXCELÊNCIA SENHOR ALMIRANTE CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA SENHOR GENERAL CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA FORÇA AÉREA SENHOR GENERAL CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO SENHOR

Leia mais

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade.

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. 3º Ciclo de Palestras sobre Defesa Nacional Pré-Sal - o Papel da Marinha ih do Brasil na Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. Apresentação para a Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

EXÉRCITO PORTUGUÊS CONCURSO DE ADMISSÃO AO 46.ºCFS RIGOR MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE FORÇA. DETERMINAÇÃO. General Pinto Ramalho

EXÉRCITO PORTUGUÊS CONCURSO DE ADMISSÃO AO 46.ºCFS RIGOR MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE FORÇA. DETERMINAÇÃO. General Pinto Ramalho FORÇA. DETERMINAÇÃO. MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE RIGOR No caminho da Modernidade e da Excelência EXÉRCITO PORTUGUÊS CONCURSO DE ADMISSÃO AO 46.ºCFS Escola de Sargentos do Exército - Secção

Leia mais

CARTEIRA DE SERVIÇOS INEM

CARTEIRA DE SERVIÇOS INEM MINISTÉRIO DA SAÚDE CARTEIRA DE SERVIÇOS INEM Síntese Documento que resume a oferta dos serviços realizados pelo INEM Julho 2016 (Aprovado pelo CD e registado em ata: 39 de 2016) Carteira De Serviços INSTITUTO

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR

EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE RIGOR NÍVEIS DE COORDENAÇÃO No caminho da Modernidade e da Excelência FORÇA. DETERMINAÇÃO. NÍVEIS DE COORDENAÇÃO EXÉRCITO DO APOIO DE PORTUGUÊS FOGOS CONJUNTOS

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

Major de Infantaria Nuno Vicente. Centro de Informação Geoespacial do Exército

Major de Infantaria Nuno Vicente. Centro de Informação Geoespacial do Exército Major de Infantaria Nuno Vicente Centro de Informação Geoespacial do Exército 13 de Outubro de 2016 Tenente - Coronel Rui Teodoro Centro de Informação Geoespacial do Exército Major Nuno Vicente Centro

Leia mais

Excelência Eduardo dos Santos, Presidente da República de Angola e Presidente em exercício da Comissão do Golfo da Guiné,

Excelência Eduardo dos Santos, Presidente da República de Angola e Presidente em exercício da Comissão do Golfo da Guiné, DISCURSO PROFERIDO POR SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE TEODORO OBIANG NGUEMA MBASOGO, DA REPÚBLICA DA GUINÉ EQUATORIAL, NA ABERTURA DA III CIMEIRA ORDINÁRIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMISSÃO DO

Leia mais

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO 25 JUNHO 2014 COMANDANTE DO TACP António Trigger Farinha Capitão FAC/JTAC OBJETIVO Dar a conhecer as capacidades do TACP da Força Aérea, e o seu emprego no controlo de fogos Superfície/Superfície integrados

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Infraestrutura de Segurança. Profª Janaína Araújo

Gestão de operações aeroportuárias: Infraestrutura de Segurança. Profª Janaína Araújo Gestão de operações aeroportuárias: Infraestrutura de Segurança Profª Janaína Araújo Gestão e Controle da Segurança da Aviação Civil Objetivo: Prevenir e dissuadir a prática de atos de interferência ilícita

Leia mais

Os Simuladores de Treino na Marinha 16MAR2010

Os Simuladores de Treino na Marinha 16MAR2010 Os Simuladores de Treino na Marinha CMG EMA Cancela Roque Agenda Introdução Tipos de simuladores Tipos de treino A definição de requisitos Alguns simuladores Perspectivas de evolução Conclusões 2 Conceitos

Leia mais

Ameaça de Bomba_. Princípios Gerais. Serviço de Tráfego Aéreo. Serviço de Socorros. Supervisor de Aeroporto. Serviço de Operações Aeroportuárias

Ameaça de Bomba_. Princípios Gerais. Serviço de Tráfego Aéreo. Serviço de Socorros. Supervisor de Aeroporto. Serviço de Operações Aeroportuárias PrincípiosGerais Planodeemergênciaeevacuação_ ÍNDICE Página_ 1 de 19 PÁGINA 2 ServiçodeTráfegoAéreo ServiçodeSocorros SupervisordeAeroporto ServiçodeOperaçõesAeroportuárias CentralTelefónicadoAeroporto

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

Regras da ANAC para Realização de Shows Aéreos. Matheus Luiz Maganha e P. de Melo Especialista em Regulação GTPO-SP

Regras da ANAC para Realização de Shows Aéreos. Matheus Luiz Maganha e P. de Melo Especialista em Regulação GTPO-SP Regras da ANAC para Realização de Shows Aéreos Matheus Luiz Maganha e P. de Melo Especialista em Regulação GTPO-SP Objetivo Apresentar a norma aplicável aos shows aéreos realizados no Brasil envolvendo

Leia mais

AERÓDROMO MUNICIPAL DE PONTE DE SOR

AERÓDROMO MUNICIPAL DE PONTE DE SOR AERÓDROMO MUNICIPAL DE PONTE DE SOR O Aeródromo Municipal de Ponte de Sor é uma infraestrutura de utilização pública, certificada pelo Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC ) em classe II e Categoria

Leia mais

PROGRAMA QUADRO SOLID. Fundo para as Fonteiras Externas Casos de Sucesso DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS

PROGRAMA QUADRO SOLID. Fundo para as Fonteiras Externas Casos de Sucesso DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS PROGRAMA QUADRO SOLID Fundo para as Fonteiras Externas Casos de Sucesso Índice Gestão das Fronteiras na União Europeia Fronteiras da União Fundo Europeu para as Fronteiras Externas Fundo Europeu para as

Leia mais

INFORME SERIPA I PERIÓDICO DE PREVENÇÃO

INFORME SERIPA I PERIÓDICO DE PREVENÇÃO EDIÇÃO Nº 01 MAIO/2012 INFORME SERIPA I PERIÓDICO DE PREVENÇÃO Caro leitor (a) Nesse sentido, complementando as ações de prevenção, este Serviço Regional lança o Informe SERIPA I - Periódico de Prevenção,

Leia mais

A formação e a intervenção das equipas da AFOCELCA nos incêndios florestais. Avaliação dos resultados de intervenção.

A formação e a intervenção das equipas da AFOCELCA nos incêndios florestais. Avaliação dos resultados de intervenção. A formação e a intervenção das equipas da AFOCELCA nos incêndios florestais. Avaliação dos resultados de intervenção Orlando Ormazabal O QUE É A AFOCELCA A AFOCELCA é um Agrupamento Complementar de Empresas,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO BRASIL AIC N DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE NAVEGAÇÃO AÉREA 26/09 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 19 NOV 2009 TEL: 021 3814-8237

Leia mais

APÊNDICE 5 COMBATE DE MONTE CASTELO

APÊNDICE 5 COMBATE DE MONTE CASTELO APÊNDICE 5 COMBATE DE MONTE CASTELO 21 Fev 1945 (Figura 1) 1. AMBIENTAÇÃO Perdurava, em Fev 1945, enorme saliente inimigo apoiado nos Montes Apeninos, coincidente com a área de responsabilidade do IV C

Leia mais

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento)

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento) CURRICULUM VITAE Identificação abreviada: Maj Inf Para Rui Jorge Roma Pais dos Santos I DADOS PESSOAIS Rui Jorge Roma Pais dos Santos 08 de maio de 1974 S. Jorge de Arroios Divorciado Major de Infantaria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL NO DOMÍNIO

A IMPORTÂNCIA DA COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL NO DOMÍNIO A IMPORTÂNCIA DA COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL NO DOMÍNIO ESTATÍSTICO João Cadete de Matos 1 Presidente da Secção Permanente de Coordenação Estatística do Conselho Superior de Estatística e Director do

Leia mais

Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA

Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA POR QUE UMA FORÇA AÉREA? 70% da Terra é coberta por água 100% coberta pelo ar e espaço! OBJETIVO Conhecer a Concepção Estratégica Força

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SEXA O GENERAL CEMGFA

INTERVENÇÃO DE SEXA O GENERAL CEMGFA INTERVENÇÃO DE SEXA O GENERAL CEMGFA Por ocasião da Comemoração do Dia do Comando Operacional dos Açores (26 de fevereiro de 2016) Senhor Representante da República para a Região Autónoma dos Açores, Excelência;

Leia mais

ESTRUTURA SAR NA MARINHA DO BRASIL

ESTRUTURA SAR NA MARINHA DO BRASIL ESTRUTURA SAR NA MARINHA DO BRASIL Gabriel Koff da Costa Graduando de Direito Departamento de Direito Centro de Ciências Jurídicas SUMÁRIO O QUE É SAR HISTÓRICO ESTRUTURA SAR NO BRASIL SALVAMAR SUL ESTATÍSTICAS

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Unmanned Aircraft (UA) Aeronaves Não Tripuladas Eng. Fábio Luís Fassani Objetivo Apresentar uma revisão sobre regulamentação da ANAC aplicável às aeronaves não tripuladas 3

Leia mais

Título: Origem: SSO/GPNO

Título: Origem: SSO/GPNO Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 SALTOS DE PARAQUEDAS Aprovação: Resolução Nº 188, de 24 de maio de 2011, publicada no Diário Oficial da União Nº 99, Seção 1, página

Leia mais

Política Externa do Brasil

Política Externa do Brasil Política Externa do Brasil A política externa é o conjunto de objetivos políticos que um determinado Estado almeja alcançar nas suas relações com os demais países do mundo. Definição planejada e objetiva

Leia mais

MODELO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP

MODELO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP MODELO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP NOME DO PROCESSO: VOO PREVENTIVO PARA IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO EQUIPAMENTO APLICÁVEL 1. (Descrição da Aeronave); 2. (GPS ou outro); 3. (Rádios para

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA

DECLARAÇÃO DE LISBOA DECLARAÇÃO DE LISBOA Os Procuradores Gerais dos Estados Membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), reunidos por ocasião e do XIV Encontro, entre 13 e 14 de Outubro de 2016, na cidade

Leia mais

II - REGRAS DO AR OBJETIVO

II - REGRAS DO AR OBJETIVO II - REGRAS DO AR OBJETIVO Capítulo II Compreender por que foram criadas as Regras Ar, conhecer seus objetivos, a fim de que se possa aplica-las de maneira eficiente. II - REGRAS DO AR ROTEIRO 1- REGRAS

Leia mais

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Defesa de Angola, do Brasil, de Cabo Verde, da Guiné-Bissau,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO FCA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO FCA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO FCA 100-14 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE OS CENTROS DE CONTROLE DE ÁREA AMAZÔNICO E GEORGETOWN 2005 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

Índice. 1. Do Comandante Da Fundação. 3. Resenha Histórica. 4. Dígitalízações do Livro de Honra. o Futuro de Nós Dirá

Índice. 1. Do Comandante Da Fundação. 3. Resenha Histórica. 4. Dígitalízações do Livro de Honra. o Futuro de Nós Dirá Índice o Futuro de Nós Dirá 1. Do Comandante 9 2. Da Fundação 2.1 Dos Oficiais, Sargentos e Praças fundadores da primeira unidade mecanizada do Exército Português 12 2.2 Os Recursos Humanos - Soldados

Leia mais

QAI em Edifícios Aeroportuários

QAI em Edifícios Aeroportuários QAI em Edifícios Aeroportuários Seminário Qualidade do ar interior Gestão, avaliação e impacto na saúde humana Aveiro, 8 de Fevereiro de 2012 QAI em edifícios Aeroportuários Embora grande parte do impacto

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia 25.2.2011 REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 176/2011 DA COMISSÃO de 24 de Fevereiro de 2011 relativo às informações a fornecer antes da criação e da modificação

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 845/XII/3.ª RECOMENDA A REJEIÇÃO DA APLICAÇÃO DO PACOTE SES2+ EM PORTUGAL

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 845/XII/3.ª RECOMENDA A REJEIÇÃO DA APLICAÇÃO DO PACOTE SES2+ EM PORTUGAL Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 845/XII/3.ª RECOMENDA A REJEIÇÃO DA APLICAÇÃO DO PACOTE SES2+ EM PORTUGAL Desde 2004 que a Comissão Europeia tem vindo a desenvolver a iniciativa do Céu Único

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-2 CORREÇÃO QNE 2016 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-2 CORREÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO ANAC Condições de operação aplicáveis à utilização do espaço aéreo pelos sistemas de aeronaves civis pilotadas remotamente ( Drones

REGULAMENTO ANAC Condições de operação aplicáveis à utilização do espaço aéreo pelos sistemas de aeronaves civis pilotadas remotamente ( Drones 1 REGULAMENTO ANAC Condições de operação aplicáveis à utilização do espaço aéreo pelos sistemas de aeronaves civis pilotadas remotamente ( Drones ) OBJETO O Regulamento destina-se a estabelecer exclusivamente

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde no Trabalho De acordo com a definição de Saúde da OMS Organização Mundial de Saúde a promoção da saúde inclui todas as medidas que permitem aos indivíduos, aos grupos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRTRAF 100-28 PROCEDIMENTOS PARA CONTINGÊNCIAS DO ATC 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 52 - Ministério da Defesa

Indicador(es) Órgão(s) 52 - Ministério da Defesa Programa 0620 Adestramento e Operações Militares do Exército Justificativa O Exército Brasileiro tem a necessidade de instruir, adestrar os seus efetivos, formar e adestrar a reserva mobilizável, capacitar

Leia mais

Regulamento da Submissão de Comunicações (Aprovado pela Comissão Cientifica)

Regulamento da Submissão de Comunicações (Aprovado pela Comissão Cientifica) Para uma Estratégia de Segurança Nacional Centro de Congressos de Lisboa, 24 e 25 de Junho de 2010 Regulamento da Submissão de Comunicações (Aprovado pela Comissão Cientifica) 1. Âmbito O I Congresso Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE ACC-CW APP-PA E RÁDIO CAXIAS. 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Assessorar tecnicamente a gestão e promover a implementação e articulação interprogramática das atividades relacionadas

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Intervenção de Sua Excelência Georges Rebelo Pinto Chikoti, Ministro das Relações Exteriores, na Reunião de Alto Nível do Comité

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

Nota Curricular. Joaquim José Peixe Piteira

Nota Curricular. Joaquim José Peixe Piteira Nota Curricular Joaquim José Peixe Piteira Évora 18 de Dezembro de 2013 Identificação Nome Joaquim José Peixe Piteira Contactos Institucionais Serviço Municipal de Protecção Civil Aeródromo Municipal de

Leia mais

Rumo a um Espaço Europeu de Segurança Rodoviária: orientações políticas sobre segurança rodoviária

Rumo a um Espaço Europeu de Segurança Rodoviária: orientações políticas sobre segurança rodoviária Rumo a um Espaço Europeu de Segurança Rodoviária: orientações políticas sobre segurança rodoviária 2011-2020 LUIZ SÁ PESSOA Comissão Europeia, Representação em Portugal 1 http://ec.europa.eu/roadsafety

Leia mais

Decreto n.º 27/95 Acordo no Domínio da Protecção Civil entre a República Portuguesa e a República Francesa

Decreto n.º 27/95 Acordo no Domínio da Protecção Civil entre a República Portuguesa e a República Francesa Decreto n.º 27/95 Acordo no Domínio da Protecção Civil entre a República Portuguesa e a República Francesa Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Obras de solo-cimento

Obras de solo-cimento Obras de solo-cimento Força Aérea Portuguesa GRUPO DE ENGENHARIA DE AERÓDROMOS DA FORÇA AÉREA CAP/TMI Luís Lopes dos Santos TEN/ENGAED Luís Filipe Magalhães Pereira 27JUN08 Panorâmica Apresentação do GEAFA

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

Disposições gerais Objecto

Disposições gerais Objecto Tendo o Estado Português diferido o início de aplicação dos artigos 9.º e 11.º a 15.º do Regulamento (CE) n.º 1794/2006 da Comissão, de 6 de Dezembro de 2006, que estabelece o regime comum de tarifação

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS. TCel Av Uberacy M.Tottoli da Silva Ch da DPC

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS. TCel Av Uberacy M.Tottoli da Silva Ch da DPC CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS TCel Av Uberacy M.Tottoli da Silva Ch da DPC objetivo Conhecer as alterações em andamento nas atividades desempenhadas pelo CENIPA para adequar-se

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-001/09 DIREITO DE PASSAGEM 2009 Página: 002/011 1 INTRODUÇÃO O direito de passagem faz parte do conjunto de regras gerais, e deve ser usado em ocasiões

Leia mais

DIRECTIVA SOBRE GESTOR AVSEC

DIRECTIVA SOBRE GESTOR AVSEC DIRECTIVA SOBRE GESTOR AVSEC 1 1. OBJECTIVO O objectivo da presente directiva é estabelecer os requisitos para o exercício das funções de gestor de segurança aeroportuário e do operador aéreo, bem como

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Definições: A/C: aircraft, aeronave; Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Introdução A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro e a Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção conferida pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de Janeiro,

Leia mais

Atividade inimiga detectada. Instante T+1. Ameaça. Zona branca. Dados a caminho. Instante T+2. Ameaça. Zona vermelha.

Atividade inimiga detectada. Instante T+1. Ameaça. Zona branca. Dados a caminho. Instante T+2. Ameaça. Zona vermelha. S1-1 0:15 1:00 2:15 3:10 3:50 4:05 4:40 5:10 6:40 6:55 PRIMEIRO VOO EXPERIMENTAL Atividade inimiga detectada. Favor iniciar 1 a fase. Instante T+1. Ameaça. Zona azul. Instante T+2. Ameaça. Zona branca.

Leia mais

Planejamento e Organização de Show Aéreo - Operacional. Cmte. Cesar Tuna

Planejamento e Organização de Show Aéreo - Operacional. Cmte. Cesar Tuna Planejamento e Organização de Show Aéreo - Operacional Cmte. Cesar Tuna Objetivos Apresentar as necessidades de planejamento de um evento aéreo. Apresentar as atividades operacionais necessárias a execução

Leia mais

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão J. Martins, P. Laranjeira, M. Rebelo, M. Lopes CIICESI, ESTG, Politécnico do Porto ICSLM Congress 24-11-2016, Covilhã, Portugal INTRODUÇÃO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 400/74 de 29 de Agosto

Decreto-Lei n.º 400/74 de 29 de Agosto Decreto-Lei n.º 400/74 de 29 de Agosto Artigo 1.º...2 Artigo 2.º...2 Artigo 3.º...2 Artigo 4.º...2 Artigo 5.º...2 Artigo 6.º...3 Artigo 7.º...3 Artigo 8.º...3 Artigo 9.º...3 Artigo 10.º...4 Artigo 11.º...4

Leia mais

Art. I Aprovar as Normas para o Funcionamento do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos do Exército, que com esta baixa.

Art. I Aprovar as Normas para o Funcionamento do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos do Exército, que com esta baixa. Aprovar as Normas para o Funcionamento do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos do Exército o CHEFE DO ESTADO-MAIORDO EXÉRCITO,no uso da atribuição que lhe confere o Art 94 das

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE FORNECIMENTO DE INFORMAÇÃO TERRITORIAL OFICIAL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE FORNECIMENTO DE INFORMAÇÃO TERRITORIAL OFICIAL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE FORNECIMENTO DE INFORMAÇÃO TERRITORIAL OFICIAL Contrato n.º Considerando, que: A Direção-Geral do Território (DGT) é o organismo público nacional responsável pela prossecução

Leia mais

A Força Aérea nas Missões Internacionais da NATO

A Força Aérea nas Missões Internacionais da NATO A Força Aérea nas Missões Internacionais da NATO Luís Esteves Araújo General Chefe do Estado-Maior da Força Aérea Resumo Este artigo começa por analisar a importância do poder aéreo no actual ambiente

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: A ANAC mais perto de você. Belo Horizonte 17 e 18 de dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: A ANAC mais perto de você. Belo Horizonte 17 e 18 de dezembro de 2012 : A ANAC mais perto de você Belo Horizonte 17 e 18 de dezembro de 2012 Panorama da regulação da infraestrutura aeroportuária no Brasil Belo Horizonte 17 e 18 de dezembro de 2012 OBJETIVO Apresentar as

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Aviso - ALG-36-2010-01 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Prevenção e Gestão

Leia mais

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Memorando de Entendimento Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Considerando que a Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa doravante designada por

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE DlreçJo Geral da Saúde _.dgs,pt ~~ PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E A INSPEÇÃO -GERAL DAS ATIVIDADES EM SAÚDE A Direção-Geral da Saúde, adiante designada abreviadamente por DGS,

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/

Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/ Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/2015 01-10-2015 Assunto: Cria a Comissão de Coordenação das Políticas de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Capitais e ao Financiamento do Terrorismo Por

Leia mais

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação Submódulo 10.12 Operação das instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Adequação ao artigo nº 20 da Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente

Leia mais

Problemas na emissão noutro software devem ser reportados diretamente ao fornecedor. 27/04/ de 5

Problemas na emissão noutro software devem ser reportados diretamente ao fornecedor. 27/04/ de 5 Âmbito do Documento Modelo de Comunicação O presente documento traduz o modelo de comunicação entre o Centro de Suporte da SPMS e clientes no âmbito dos ACC. Os clientes são: Entidades fornecedoras de

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 10.11.2015 L 293/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2015/1970 DA COMISSÃO de 8 de julho de 2015 que complementa o Regulamento (UE) n. o 1303/2013 do Parlamento Europeu

Leia mais

Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas

Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas Seminário de Segurança de Voo GEEV CTA 2010 Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas Rogério Possi Junior Gerência Geral de Certificação de Produto Aeronáutico / Superintendência de Aeronavegabilidade

Leia mais

O Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) enquanto Organismo Intermédio do PO APMC na Tipologia de Operação 1.2

O Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) enquanto Organismo Intermédio do PO APMC na Tipologia de Operação 1.2 Agenda 1 2 3 4 5 6 Breve apresentação do Fundo Europeu de Auxílio Europeu às Pessoas Mais Carenciadas (FEAC) e do Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas (PO APMC) O Instituto da Segurança

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

Serviço que implique a transmissão, a emissão e/ou a recepção de ondas radioeléctricas com fins específicos de telecomunicações.

Serviço que implique a transmissão, a emissão e/ou a recepção de ondas radioeléctricas com fins específicos de telecomunicações. http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=183307 Capítulo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES Atribuição (de uma faixa de frequências): Registo na Tabela de Atribuição de Frequências

Leia mais

Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto

Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto 14 de Julho de 2016 Missão, atribuições, poderes Missão Regular o sector das comunicações, incluindo as comunicações

Leia mais

Encontro científico ESTUDO E CONSERVAÇÃO DO LOBO IBÉRICO

Encontro científico ESTUDO E CONSERVAÇÃO DO LOBO IBÉRICO Encontro científico ESTUDO E CONSERVAÇÃO DO LOBO IBÉRICO ATIVIDADE DA GUARDA NO ÂMBITO DA PRESERVAÇÃO DE ESPÉCIES EM VIAS DE EXTINÇÃO NOS DISTRITOS DA GUARDA E DE CASTELO BRANCO FISCALIZAÇÃO DE CAÇA FURTIVA

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

DECRETO N.º 189/IX DEFINE O REGIME JURÍDICO DA ASSISTÊNCIA NOS LOCAIS DESTINADOS A BANHISTAS. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 189/IX DEFINE O REGIME JURÍDICO DA ASSISTÊNCIA NOS LOCAIS DESTINADOS A BANHISTAS. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 189/IX DEFINE O REGIME JURÍDICO DA ASSISTÊNCIA NOS LOCAIS DESTINADOS A BANHISTAS A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, para valer como

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

DE RESPOSTA A EMERGÊNCIA?

DE RESPOSTA A EMERGÊNCIA? AJUDA: Para que serve o PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIA? Descrever os procedimentos e os responsáveis pelas ações a serem realizadas nos casos de emergência. Quem é obrigado a confeccionar? O PRE é obrigatório

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. 1. Missão do Organismo. 2. Principais serviços prestados

CARTA DE MISSÃO. 1. Missão do Organismo. 2. Principais serviços prestados CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: INEM - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. Cargo: Vogal do Conselho Diretivo do INEM - Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. Período

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ESPECIAIS NO DOMÍNIO DA PRESERVAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

Investigação em Saúde Pública

Investigação em Saúde Pública Investigação em Saúde Pública José Pereira Miguel 2º Congresso Nacional de Saúde Pública Porto 28 10 2010 Out 2010 I&D em Saúde Pública - JPM Sumário Conceito e crise da Saúde Pública Tipologias i de investigação

Leia mais