Princípios Básicos de Operações Militares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Princípios Básicos de Operações Militares"

Transcrição

1 de Operações Militares TEMAS 8

2 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

3 Princípios Gerais Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

4 Princípios Gerais O que é Guerra? Pela definição clássica, é um ato político: "...com a entremistura de outros meios." Caos e a névoa da guerra impedem a plena certeza sobre os desdobramentos. Fatores morais exercem papel importante Três níveis Tático Operacional Estratégico

5 Princípios Gerais Tática O nível tático da guerra trata do uso das forças em combate Grosso modo: Como lutar? Emprego de reservas Campo de batalha

6 Princípios Gerais Operações O nível operacional da guerra trata do planejamento e condução de campanhas com a finalidade de atingir objetivos estratégicos. Grosso modo: Onde e quando lutar? Movimentação e emprego das forças: mobilidade Eixos de avanço Linhas de comunicação

7 Princípios Gerais Estratégia O nível estratégico da guerra trata da definição de objetivos de um país e do emprego dos recursos nacionais na obtenção desse objetivo. Grosso modo: Por que lutar? (e com o quê?) Metas do conflito Guerra total x limitada

8 Guerra Terrestre Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

9 Guerra Terrestre Guerra Terrestre Alguns Fatores Relevantes Espaço Geográfico Altitude e Relevo Hidrografia Transformações Humanas Estradas Prédios Agricultura Terreno Urbano Velocidade de avanço Coesão de unidades

10 Guerra Terrestre Guerra Terrestre Alguns Fatores Relevantes Espaço Geográfico Altitude e Relevo Hidrografia Transformações Humanas Estradas Prédios Agricultura Terreno Urbano Velocidade de avanço Coesão de unidades

11 Guerra Terrestre Guerra Terrestre Alguns Fatores Relevantes Espaço Geográfico Altitude e Relevo Hidrografia Transformações Humanas Estradas Prédios Agricultura Terreno Urbano Velocidade de avanço Coesão de unidades

12 Guerra Terrestre Guerra Terrestre Alguns Fatores Relevantes Espaço Geográfico Altitude e Relevo Hidrografia Transformações Humanas Estradas Prédios Agricultura Terreno Urbano Velocidade de avanço Coesão de unidades

13 Guerra Terrestre Guerra Terrestre Alguns Fatores Relevantes Espaço Geográfico Altitude e Relevo Hidrografia Transformações Humanas Estradas Prédios Agricultura Terreno Urbano Velocidade de avanço Coesão de unidades

14 Guerra Terrestre Guerra Terrestre Alguns Fatores Relevantes Espaço Geográfico Altitude e Relevo Hidrografia Transformações Humanas Estradas Prédios Agricultura Terreno Urbano Velocidade de avanço Coesão de unidades

15 Guerra Terrestre Guerra Terrestre Alguns Fatores Relevantes Espaço Geográfico Altitude e Relevo Hidrografia Transformações Humanas Estradas Prédios Agricultura Terreno Urbano Velocidade de avanço Coesão de unidades

16 Guerra Terrestre O braço terrestre da IDF Alto grau de mecanização Corpos principais Infantaria Paraquedistas Infantaria Motorizada Blindados

17 Guerra Terrestre O braço terrestre da IDF Alto grau de mecanização Corpos principais Infantaria Paraquedistas Infantaria Motorizada Blindados

18 Guerra Terrestre O braço terrestre da IDF Artilharia Engenheiros Demais corpos auxiliares Forças Especiais

19 Guerra Terrestre O braço terrestre da IDF Artilharia Engenheiros Demais corpos auxiliares Forças Especiais

20 Guerra Terrestre O braço terrestre da IDF Artilharia Engenheiros Demais corpos auxiliares Forças Especiais

21 Guerra Terrestre O braço terrestre da IDF Artilharia Engenheiros Demais corpos auxiliares Forças Especiais

22 Guerra Naval Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

23 Guerra Naval Propósito Manutenção das linhas navais de comunicação Comércio marítimo Golfo de Eilat Mar Mediterrâneo Apoio às forças terrestres

24 Guerra Naval Propósito Manutenção das linhas navais de comunicação Comércio marítimo Golfo de Eilat Mar Mediterrâneo Apoio às forças terrestres

25 Guerra Naval Propósito Manutenção das linhas navais de comunicação Comércio marítimo Golfo de Eilat Mar Mediterrâneo Apoio às forças terrestres

26 Guerra Naval A Marinha Israelense em 1982 Força basicamente costeira Lanchas de ataque Navios patrulha Navios de transporte de tropas e desembarque Submarinos da classe Gal

27 Guerra Naval A Marinha Israelense em 1982 Força basicamente costeira Lanchas de ataque Navios patrulha Navios de transporte de tropas e desembarque Submarinos da classe Gal

28 Guerra Naval A Marinha Israelense em 1982 Força basicamente costeira Lanchas de ataque Navios patrulha Navios de transporte de tropas e desembarque Submarinos da classe Gal

29 Guerra Aérea Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

30 Guerra Aérea Funções da Força Aérea Apoio às forças terrestres Superioridade Aérea Reconhecimento

31 Guerra Aérea Funções da Força Aérea Apoio às forças terrestres Superioridade Aérea Reconhecimento

32 Guerra Aérea Funções da Força Aérea Apoio às forças terrestres Superioridade Aérea Reconhecimento

33 Guerra Aérea A IAF em 1982 Caças modernos Superioridade Caças-bombardeio Aeronaves de Transporte AWACS

34 Guerra Aérea A IAF em 1982 Caças modernos Superioridade Caças-bombardeio Aeronaves de Transporte AWACS

35 Guerra Aérea A IAF em 1982 Caças modernos Superioridade Caças-bombardeio Aeronaves de Transporte AWACS

36 Comando e Controle Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

37 Comando e Controle Conceitos Comando é a expressão da autoridade exercida pelo oficial superior sobre seus subordinados, empregada com a finalidade de atingir um objetivo. Controle é o termo utilizado para designar as estruturas e processos que permitem a transmissão e a compreensão das ordens, assim como lidar com riscos. Ou seja, Comando e Controle são conceitos interligados e essenciais para a condução da atividade militar.

38 Comando e Controle Conceitos Comando é a expressão da autoridade exercida pelo oficial superior sobre seus subordinados, empregada com a finalidade de atingir um objetivo. Controle é o termo utilizado para designar as estruturas e processos que permitem a transmissão e a compreensão das ordens, assim como lidar com riscos. Ou seja, Comando e Controle são conceitos interligados e essenciais para a condução da atividade militar.

39 Comando e Controle Conceitos Comando é a expressão da autoridade exercida pelo oficial superior sobre seus subordinados, empregada com a finalidade de atingir um objetivo. Controle é o termo utilizado para designar as estruturas e processos que permitem a transmissão e a compreensão das ordens, assim como lidar com riscos. Ou seja, Comando e Controle são conceitos interligados e essenciais para a condução da atividade militar.

40 Comando e Controle Conceitos Comando é a expressão da autoridade exercida pelo oficial superior sobre seus subordinados, empregada com a finalidade de atingir um objetivo. Controle é o termo utilizado para designar as estruturas e processos que permitem a transmissão e a compreensão das ordens, assim como lidar com riscos. Ou seja, Comando e Controle são conceitos interligados e essenciais para a condução da atividade militar.

41 Comando e Controle Outros fatores Comunicações Informação Reconhecimento

42 Comando e Controle Outros fatores Comunicações Informação Reconhecimento

43 Comando e Controle Outros fatores Comunicações Informação Reconhecimento

44 Armas Combinadas Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

45 Armas Combinadas Conceito Planejamento de operações com unidades de vários tipos Uso combinado ajuda a superar fraquezas individuais Potencialização de forças Forças militares enquanto sistema complexo

46 Armas Combinadas Conceito Planejamento de operações com unidades de vários tipos Uso combinado ajuda a superar fraquezas individuais Potencialização de forças Forças militares enquanto sistema complexo

47 Armas Combinadas Conceito Planejamento de operações com unidades de vários tipos Uso combinado ajuda a superar fraquezas individuais Potencialização de forças Forças militares enquanto sistema complexo

48 Armas Combinadas Conceito Planejamento de operações com unidades de vários tipos Uso combinado ajuda a superar fraquezas individuais Potencialização de forças Forças militares enquanto sistema complexo

49 Armas Combinadas A Experiência Israelense Ênfase em tanques e caças-bombardeio Impacto negativo em outros aspectos das forças Consequências no Yom Kippur

50 Armas Combinadas A Experiência Israelense Ênfase em tanques e caças-bombardeio Impacto negativo em outros aspectos das forças Consequências no Yom Kippur

51 Armas Combinadas A Experiência Israelense Ênfase em tanques e caças-bombardeio Impacto negativo em outros aspectos das forças Consequências no Yom Kippur

52 Logística Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

53 Logística O problema dos suprimentos Exércitos modernos necessitam de suprimentos Suprimentos não podem ser obtidos localmente

54 Logística O problema dos suprimentos Exércitos modernos necessitam de suprimentos Suprimentos não podem ser obtidos localmente

55 Logística Como manter exércitos funcionando? Estoque de suprimento Unidades devem ter suprimentos para funcionar Caso os estoques estejam baixos, capacidade combativa é limitada Linhas de suprimento Deve haver caminhos que permitam às unidades receberem mais suprimentos Tais linhas devem ser protegidas contra ataque e outras interrupções

56 Logística Como manter exércitos funcionando? Estoque de suprimento Unidades devem ter suprimentos para funcionar Caso os estoques estejam baixos, capacidade combativa é limitada Linhas de suprimento Deve haver caminhos que permitam às unidades receberem mais suprimentos Tais linhas devem ser protegidas contra ataque e outras interrupções

57 Conduta Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

58 Conduta Alguns princípios Autonomia Operacional Comandantes mais livres para tomar decisões Liderança na frente de batalha Avanços recentes em C 2 Pureza de Armas Planejar operações de modo a evitar vítimas civis Permitir aos não-combatentes se ausentar do conflito

59 Origem Padrões diferentes entre Forças Armadas Necessidade de representação consistente para comunicação Para resolver o problema, padrão OTAN APP-6 (letras indicam versões posteriores) APP-6 equivalente ao MIL-STD-2525 americano Formato conveniente

60 Origem Padrões diferentes entre Forças Armadas Necessidade de representação consistente para comunicação Para resolver o problema, padrão OTAN APP-6 (letras indicam versões posteriores) APP-6 equivalente ao MIL-STD-2525 americano Formato conveniente

61 Representações Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A Representações Considerações Finais

62 Representações Tabela de Símbolos

63 Representações Afiliação de Unidades Os símbolos empregados para unidades podem ser colocados sobre um frame para indicar sua afiliação. O frame pode receber um indicador gráfico (um traço) indicando a direção do contato. Outra representação comum é usar somente o símbolo e deixar a cor indicar afiliação.

64 Representações Domínios e Status O APP-6A é utilizado para representar unidades aéreas, navais e terrestres. Contorno contínuo indica que a unidade está no lugar indicado. Já um contorno tracejado indica uma posição planejada para o futuro.

65 Representações

66 Resumo Um exército moderno é um sistema complexo, composto por partes interligadas e unidas por meio de comando e controle. Cuidado com o ambiente em que uma unidade está inserida e com as incertezas inerentes à guerra. O APP-6A permite a visualização efetiva do ambiente de conflito.

67 Perguntas?

68 Apêndice Para mais informações Para mais informações I Carl von Clausewitz. Principles of War. J. Corbett Some Principles of Maritime Strategy J. House Toward Combined Arms Warfare: A Survey of 20th-Century Tactics, Doctrine, and Organization

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio Programa 0626 Reaparelhamento e Adequação da Marinha do Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1N470000 Construção de Navios-Patrulha Oceânicos Produto: Navio construído Unidade de Medida: unidade

Leia mais

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano O Brasil planeja o envio de tropas do Exército para serem incorporadas à missão de paz das Nações Unidas no sul do Líbano, junto à fronteira

Leia mais

Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná

Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná Nesta segunda-feira (27 de julho), uma ação conjunta da Marinha do Brasil e Polícia Federal realizou a apreensão de contrabando e duas

Leia mais

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil. Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil. OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate

Leia mais

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria. A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Termos comuns: SOFT POWER O Poder Suave: situação na qual um

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco 2015 Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco O que é e quem participa; Como participar; Concurso de Redação; Prêmios; Conhecendo a Marinha do Brasil; e Como ingressar na Marinha.

Leia mais

T-55, o burro de carga de conflitos locais no século 20

T-55, o burro de carga de conflitos locais no século 20 T-55, o burro de carga de conflitos locais no século 20 T-55 Veículo de combate foi utilizado por exércitos de 70 países Foto: Egor Eriomov/RIA Nóvosti Por Aleksandr Korolkov Historiador Se alguém pudesse

Leia mais

ISRAEL at LAAD 2013. Dsit Solutions Ltd.

ISRAEL at LAAD 2013. Dsit Solutions Ltd. Dsit Solutions Ltd. Ao longo das duas últimas décadas, a DSIT Solutions tem desenvolvido e empregado as tecnologias mais modernas para criar avançados sistemas de sonar e aplicações em comando e controle

Leia mais

Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação. Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial

Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação. Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial Anexo 7 Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial Realizado pelo Gerente de Instalação Terrestre ou Marítima (OIM) Esclarecer

Leia mais

Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) começa a operar na região da Tríplice Fronteira

Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) começa a operar na região da Tríplice Fronteira Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) começa a operar na região da Tríplice Fronteira Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) em Tabatinga (AM) No dia 31 de março, após uma travessia de seis dias navegando na calha

Leia mais

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS AS MARCO ANTONIO DAMASCENO VIEIRA Consultor Legislativo da Área XVII Defesa Nacional, Segurança Pública Forças Armadas DEZEMBRO/2001 2 2001 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos INTRODUÇÃO. CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I

GESTÃO DE PROJETOS. Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos INTRODUÇÃO. CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I GESTÃO DE PROJETOS INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos Antes de começar... Defina projeto em uma imagem... Defina projeto

Leia mais

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres 2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres O objetivo deste trabalho é estudar a localização dos grupamentos logísticos no Exército de Campanha. No entanto, para ocorrer o entendimento da modelagem

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe 1. Apresentação Nas duas guerras mundiais do século passado, os líderes militares das principais nações envolvidas utilizavam jogos de guerra para definição de estratégias e táticas de combate. Os jogos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL Decreto Lei n.º 142/2015 de 31 de julho O Decreto Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro, procedeu à alteração da estrutura do regime remuneratório aplicável aos militares dos

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Produção e Distribuição Plantação de Ferro Produção em massa Just in

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL Anexo E (31), do Of. n 10-211/2014, da EGN ao EMA ----- MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL CURSO DE ESTADO-MAIOR PARA OFICIAIS INTERMEDIÁRIOS C-EMOI FASE 2 CURRÍCULO 2015 OSTENSIVO -E-1- C-EMOI FASE

Leia mais

IX Simulação para o Ensino Médio

IX Simulação para o Ensino Médio IX Simulação para o Ensino Médio (2003-2004) Teatro de Operações do Oriente Médio Felipe Silva Rocha Giovana Carnio Beltrame Gustavo Ferreira dos Santos Vicente Gustavo Lopes Ferreira Henrique Moric Vilela

Leia mais

Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1

Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1 Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1 No período de 31 de março a 8 de abril, o 1 Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-1), operando com uma aeronave UH-12 Esquilo embarcada na

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO CF(EN) Marcus Vinicius de Noronha Chefe do Departamento de Planejamento e Controle Industrial

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VII SENABOM Ten Cel BM BRITO Ten Cel BM ANTONIO GRAÇA OPERAÇÕES HELITRANSPORTADAS NO CBMERJ SUMÁRIO Breve histórico Operações helitransportadas Estatística

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

ANEXO B RELAÇÃO DE OM

ANEXO B RELAÇÃO DE OM DEPARTAMENTO DECEx Departamento de Educação e Cultura do Exército Diretoria de Especialização e Extensão Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército Escola de Educação Física do Exército Escola

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi

Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi Cinco novos submarinos, que estão sendo construídos na costa fluminense, deverão ser entregues até 2023, segundo a Marinha brasileira Proteger

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Seminário Internacional de VANT 2010 VANT Quem Opera? Cel Av R1 Alexandre Lessa Destaques das Palestras da Conferência Anual de Treinamento e Simulação em VANT em Londres,

Leia mais

EE-T4 OGUM O BLINDADO LEVE DA ENGESA

EE-T4 OGUM O BLINDADO LEVE DA ENGESA EE-T4 OGUM O BLINDADO LEVE DA ENGESA Na segunda metade dos anos 80 a ENGESA Engenheiros Especializados S/A apresentou um veículo blindado leve, sobre lagartas, projetado para possuir grande flexibilidade

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Logística Missão Formar profissionais de visão crítica e com conhecimentos e habilidades relativas às atividades logísticas, dotados de base para a atualização profissional

Leia mais

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade III GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS Sem sombra de dúvida o trator articulado BV-206D é o veículo mais estranho atualmente em uso pelo Corpo de Fuzileiros Navais

Leia mais

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6 CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA Junho de 2013 Página 1 de 6 Página 2 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO Nome Jorge Manuel Dias Sequeira Data de nascimento 27 de Dezembro de 1966 Morada Rua Dom Jorge da

Leia mais

F 3 2 90 0 100 150.000 F 4 2 30 0 100 21.500.000 TOTAL - FISCAL 21.650.000 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 21.650.000

F 3 2 90 0 100 150.000 F 4 2 30 0 100 21.500.000 TOTAL - FISCAL 21.650.000 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 21.650.000 ORGAO : 30000 - MINISTERIO DA JUSTICA UNIDADE : 30101 - MINISTERIO DA JUSTICA 0698 GESTAO E APOIO INSTITUCIONAL NA AREA DA JUSTICA 150.000 14 128 0698 4572 CAPACITACAO DE SERVIDORES PUBLICOS FEDERAIS EM

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO UNIVERSO: OFICIAIS FORMADOS NA AMAN (origem líderes estratégicos ) PROPOSTA: Programa de Formação de Comandantes e Assessores para o Nível Estratégico

Leia mais

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO 25 JUNHO 2014 COMANDANTE DO TACP António Trigger Farinha Capitão FAC/JTAC OBJETIVO Dar a conhecer as capacidades do TACP da Força Aérea, e o seu emprego no controlo de fogos Superfície/Superfície integrados

Leia mais

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Petrobras fará verdadeira revolução na Logística da Indústria do Petróleo

Leia mais

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP Versão 1.0 I - Introdução 1.1 Motivação Aproveitar o ambiente acadêmico para praticarmos a integração de aplicativos de banco de dados, simulando o que é feito no mercado de trabalho. 1.2 Contexto Em janeiro

Leia mais

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component SUMÁRIO 1. OPERAÇÕES DE PAZ 2. MINUSTAH 3. OPERAÇÕES DE GARANTIA DA LEI E DA ORDEM 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS PARTICIPAÇÃO EM MISSÕES DE PAZ UNEF-I Oriente Médio 47 Mis Paz Mais de 32.000 militares brasileiros

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus,

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, Unidades Especializadas de Polícia do Exército Polonês General Boguslaw Pacek, Exército Polonês Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, não há medo de agressão armada por parte de estados

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Conceitos básicos b Planejamento e Controle da Produção (PCP)

Conceitos básicos b Planejamento e Controle da Produção (PCP) Conceitos básicos b de Planejamento e Controle da Produção (PCP) Carlos T. Formoso Sumário Por que o planejamento é importante? Por que o planejamento é ineficaz? O que é planejamento? Quem deve realizar

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO OBJETIVOS - Conhecer as peculiaridades do SISMC², que devem condicionar o desenvolvimento do futuro Sistema Logístico de Defesa;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN

IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN IME/ITA/AFA/EFOMM/EN Por que algumas pessoas realizam seus sonhos e outras não? Essa pergunta, aparentemente simples, sempre nos despertou interesse. Passamos boa parte de nossas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Satoshi Yokota I Seminário Internacional Livro Branco de Defesa Nacional Transformação da Defesa

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

CIÊNCIA MILITAR E GEOGRAFIA: ESTRUTURA, EVOLUÇÃO E RELAÇÕES 1. Resumo

CIÊNCIA MILITAR E GEOGRAFIA: ESTRUTURA, EVOLUÇÃO E RELAÇÕES 1. Resumo 1 CIÊNCIA MILITAR E GEOGRAFIA: ESTRUTURA, EVOLUÇÃO E RELAÇÕES 1 Paulo Gustavo Lima Militão 2 Fátima Maria Soares 3 Resumo Este trabalho apresenta um estudo das relações e influências existentes entre a

Leia mais

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL Anexo F(29), do Of nº 10-218/2012, da EGN ao EMA CURSO DE ESTADO-MAIOR PARA OFICIAIS INTERMEDIÁRIOS C-EMOI FASE 2 CURRÍCULO 2013 -F-1- (Continuação do Anexo F(29), do Of nº 10-218/2012, da EGN ao EMA...)

Leia mais

As ações de Defesa na Copa do Mundo 2014

As ações de Defesa na Copa do Mundo 2014 COPA DO MUNDO FIFA BRASIL 2014 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL As ações de Defesa na Copa do Mundo 2014 OBJETIVO: Apresentar as Ações de Defesa na Matriz

Leia mais

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 Neste mês de junho está sendo comemorado os 60 anos de criação do Parque Regional de Manutenção da 1ª Região Militar PqRMnt/1, no Rio de Janeiro.

Leia mais

8.2.4 Controle de estoque de matérias-primas...193 8.2.5 Conceito de cadeia competitiva...194 8.3 Tópicos para reflexão pelos grupos de cumbuca...

8.2.4 Controle de estoque de matérias-primas...193 8.2.5 Conceito de cadeia competitiva...194 8.3 Tópicos para reflexão pelos grupos de cumbuca... Sumário 1 Sobrevivência e produtividade...25 1.1 Conceito de qualidade...26 1.2 Conceito de produtividade...27 1.3 Como melhorar a produtividade...29 1.4 Conceito de competitividade...31 1.5 Conceito de

Leia mais

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Mensuração Auditoria Indicadores de desempenho Relatórios Padrões/ Objetivos Metas de desempenho Correção Ajuste fino Grande

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA 2015 0 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade,

Leia mais

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS Ten Cel BM QOC/91 André Luiz Teixeira Morgado Comandante do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos - GOPP Conhecer o ICS; Finalidade da Palestra Assegurar

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Primeiras fotos do "roll out" do Skyhawk da Marinha do Brasil

Primeiras fotos do roll out do Skyhawk da Marinha do Brasil Primeiras fotos do "roll out" do Skyhawk da Marinha do Brasil Mais uma vez, o DAN trás em primeira mão, as primeiras fotos do roll out do AF-1M da Marinha do Brasil, ocorrido nas instalações da Embraer

Leia mais

OS NOVOS BLINDADOS ISRAELENSES ANTIDISTÚRBIOS DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

OS NOVOS BLINDADOS ISRAELENSES ANTIDISTÚRBIOS DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO OS NOVOS BLINDADOS ISRAELENSES ANTIDISTÚRBIOS DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Em abril de 2014 foram assinados os contratos para a aquisição de 14 novos veículos blindados antidistúrbios entre

Leia mais

Realização Apoio Patrocínio 3 G A AAé Caxias do Sul Criação da Unidade de Artilharia Antiaérea, em 1950. Inicialmente estes alvos eram fornecidos pela FAB. Os B25 rebocavam um alvo chamado Biruta. 1972:

Leia mais

Palestra realizadano Estado Maior do ExércitoBrasileiro, no dia 26 de agosto de 2014, a convitedo Escritóriode Projetos do Exército

Palestra realizadano Estado Maior do ExércitoBrasileiro, no dia 26 de agosto de 2014, a convitedo Escritóriode Projetos do Exército Palestra realizadano Estado Maior do ExércitoBrasileiro, no dia 26 de agosto de 2014, a convitedo Escritóriode Projetos do Exército O QUE É E O QUE FAZ A CATEDRA EM GESTAO DE PROJETOS AERONAUTICOS? 1 INTEGRADORES

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

estratégicos e de segurança na África Subsariana e no Atlântico Sul As respostas adequadas e o papel das Tropas Comandos

estratégicos e de segurança na África Subsariana e no Atlântico Sul As respostas adequadas e o papel das Tropas Comandos INTERVENÇÃO DE SEXA O GENERAL CEMGFA Por ocasião do 40º Aniversário da Associação de Comandos durante o encerramento do Seminário subordinado ao tema: Os novos desafios estratégicos e de segurança na África

Leia mais

Corpo Auxiliar de Praças

Corpo Auxiliar de Praças O (CAP) destina-se, primordialmente, a suprir a Marinha com militares para exercerem cargos técnicos de nível médio relativos às áreas de administração, hidrografia, informática, saúde e manutenção dos

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

SISTEMA DE ILUMINAÇÂO E SINALIZAÇÂO DE VIATURAS MILITARES OPERACIONAS SISVIMIOP

SISTEMA DE ILUMINAÇÂO E SINALIZAÇÂO DE VIATURAS MILITARES OPERACIONAS SISVIMIOP SISTEMA DE ILUMINAÇÂO E SINALIZAÇÂO DE VIATURAS MILITARES OPERACIONAS SISVIMIOP Cel QEM Auto R/1 Carlos Roberto Gonçalves Tourinho magmec@magmec.com.br 1 1. Objetivo do documento Explicar como se constitui

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês)

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) Vicente Falconi Campos TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) 1. Sobrevivência e Produtividade.................................................... 01 1.1. Conceito de qualidade.......................................................

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA

CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA O Exército e a Força Aérea estão operando uma pequena quantidade de caminhões russos modelo URAL 375 (denominação nas publicações ocidentais) 6x6 e

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua.

Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua. Identificação da empresa: Viação Santa Cruz S/A Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua. Data: Implantação em 2009 aos dias atuais Categoria: Adesão dos Colaboradores

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher

BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher Número XV - Port-au-Prince - Haiti 1ª quinzena de março de 2014. BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher foi celebrado pelos integrantes do BRABAT 19 no dia 8 de março,

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA.

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DEPARTAMENTO DE OUVIDORIA AGRÁRIA E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS - DOAMC MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE

Leia mais

A Mediação no desenvolvimento de lideranças Professor Mediador Jorge Roberto de Oliveira Colégio Ressurreição São Paulo

A Mediação no desenvolvimento de lideranças Professor Mediador Jorge Roberto de Oliveira Colégio Ressurreição São Paulo A Mediação no desenvolvimento de lideranças Professor Mediador Jorge Roberto de Oliveira Colégio Ressurreição São Paulo São Paulo, 18 de agosto de 2012. A Metodologia do Programa MenteInovadora O que é

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Gestão de Pessoas. Kassius Sipolati, Sanderson Farias, Bruno Coswsok

Gestão de Pessoas. Kassius Sipolati, Sanderson Farias, Bruno Coswsok Deve-se sempre ter em mente que um projeto de software envolve um grupo variado de pessoas, inclusive os membros de equipe, e é preciso providenciar para que o relacionamento entre essas pessoas, enquanto

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS 135 ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Curso: PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Objetivo: Capacitar profissionais para atuarem no segmento de Logística de Eventos,

Leia mais

BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI MIAMI BUENOS AIRES DURVAL DE NORONHA GOYOS JR. SÓCIO SÊNIOR - NORONHA ADVOGADOS 19 DE AGOSTO DE 2009.

BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI MIAMI BUENOS AIRES DURVAL DE NORONHA GOYOS JR. SÓCIO SÊNIOR - NORONHA ADVOGADOS 19 DE AGOSTO DE 2009. BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI MIAMI BUENOS AIRES DURVAL DE NORONHA GOYOS JR. SÓCIO SÊNIOR - NORONHA ADVOGADOS 19 DE AGOSTO DE 2009. FUNDAÇÃO DA REPÚBLICA POPULAR DA CHINA - 1949 MAO M TSE T TUNG

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. Autor: Poder Executivo

PARECER Nº, DE 2010. Autor: Poder Executivo CONGRESSO NACIONAL SENADO FEDERAL PARECER Nº, DE 21 De Plenário, sobre a Medida Provisória n o 48/1 que Abre crédito extraordinário, em favor da Presidência da República, dos Ministérios da Agricultura,

Leia mais