PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004"

Transcrição

1 PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 Neste mês de junho está sendo comemorado os 60 anos de criação do Parque Regional de Manutenção da 1ª Região Militar PqRMnt/1, no Rio de Janeiro. Seu único congênere é o Parque Regional de Manutenção da 3ª Região Militar em Santa Maria, RS. Vista aérea do PqRM/1 no Rio de Janeiro. Notar a dimensões do pavilhão construído em 1944, medindo 110 x 160metros. Crédito da foto: PqRMnt/1 Em plena segunda guerra mundial foram tomadas as decisões mais importantes para a consolidação da Motomecanização no Exército Brasileiro, em duas ocasiões distintas, uma em 1942 quando foi transformado em ESCOLA DE MOTOMECANIZAÇÃO - EsMM o então

2 Centro de Instrução de Motorização e Mecanização CIMM e a outra em 1944 quando no Plano de Reorganização do Exército, foi firmado um acordo com os Estados Unidos, pelo então Ministro da Guerra, General Eurico Gaspar Dutra, que implantou no país uma réplica de um Parque de Manutenção idêntico aos existentes nos Estados Unidos e assim em 16 de junho daquele ano foi criado oficialmente o PARQUE CENTRAL DE MOTOMECANIZAÇÃO PqCMM, cujas atividades se iniciam no prédio do Ministério da Guerra, atual Palácio Duque de Caxias e a partir de 02 de janeiro de 1945 foi inaugurada suas instalações numa área de m 2 em Magalhães Bastos, zona oeste do Rio, constituindo-se desta maneira no primeiro Parque de Manutenção de nosso Exército que funciona até os dias de hoje com o nome de PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª REGIÃO MILITAR PqRMnt/1. Sua finalidade foi a recuperação e manutenção do material motomecanizado, coisa nova entre nós, recebendo material de primeira linha em razão de estarmos ao lado dos aliados no maior de todos os conflitos ocorridos no século XX, a Segunda Guerra Mundial (1939/45). Coube ao PqCMM a reparação de veículos com todos os seus conjuntos e subconjuntos e a fabricação de peças isoladas ou conjuntos elementares que fossem considerados essenciais às condições econômicas da manutenção, podendo ainda realizar estudos de tipos e transformações de material, fabricação de protótipos e estudos de produção e montagem, tudo de acordo com diretrizes traçadas pela então Diretoria de Motomecanização. Caminhões GMC e Jeeps devidamente revisados e prontos para serem devolvidos a suas unidades de origem. Crédito das fotos: Arquivo PqRMnt/1. Sua importância para aquele momento pode ser sentida com a influência que teve para a criação, em 1946, do CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA E AUTOMÓVEIS, na então Escola Técnica do Exército, atual INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA IME, berço da grande maioria dos Engenheiros que prestaram e ainda prestam serviços a diversas unidades do Exército. Outro ponto de destaque foi tornar-se um dos agentes pioneiros que ajudou a implantar a indústria automobilística nacional e mais tarde na criação e implementação dos grandes projetos de veículos blindados realizados pela Indústria de Material de Defesa no Brasil.

3 Foi também o responsável em efetuar provas técnicas com os mais variados tipos de veículos militares, nacionais e estrangeiros que vieram ou não equipar as unidades do Exército, através da Comissão de Estudos e Testes de Viaturas Automóveis do Exército CETVAE, até 1985 quando esta atividade passou para o Centro Tecnológico do Exército CTEx, então recém criado. Caminhões MAN 6x6 e 8x8 em testes pela CETVAE em Crédito das fotos: Arquivo PqRMnt/1 O nome PqCMM foi mantido até 1989, quando em função de uma nova reestruturação e devido a sua expansão na recuperação e/ou fabricação de materiais para as áreas de Artilharia Antiaérea, Intendência, Comunicações, Engenharia e Saúde e a implantação de um Laboratório Químico, para ensaios de controle de qualidade em tintas, vernizes, lubrificantes, combustíveis, etc., passou a denominar-se PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª REGIÃO MILITAR - PqRMnt/1, nome mantido atualmente. Em 1992 passou a ter as seguintes missões: Prover o apoio da manutenção de 4º Escalão na área da 1ª Região Militar e de 3º Escalão às Organizações Militares não apoiadas por Batalhões Logísticos, sediadas ou em trânsito no território da 1ª RM, manutenindo todos os tipos de materiais empregados pelo Exército, provendo ainda manutenção de 4º Escalão nas áreas da 4ª e da 11ª Regiões Militares e de 3º e 4º Escalões em todo o material de artilharia antiaérea no território nacional. Caminhões REO modernizados e em primeiro plano Canhão Antiaéreo Oerlikon 35mm. Blindados Urutu e Cascavel manutenidos no PqRM/1. Crédito das fotos: Arquivo PqRMnt/1

4 Apoiou e apoia as missões brasileiras levadas a efeito no exterior, provendo o material bélico empregado, como foi o caso do Batalhão Suez, Operação São Domingos, Moçambique, Angola e atualmente Timor Leste e Haiti. No final do anos 90 teve como missão o recebimento técnico dos Carros de Combate Leopard 1 A1, de fabricação alemã e adquiridos do Exército Belga, prestando apoio na manutenção de 3º e 4º Escalões às unidades que os utilizam no âmbito da 1ª RM, além de gerenciar tecnicamente, no âmbito de todo o Exército, os projetos de manutenção de viaturas sobre rodas e das viaturas da família Leopard. Recebimento dos Leopard 1 A1 com a equipe Belga. Jeeps Toyota para missão de paz em Angola. Crédito das fotos: Arquivo PqRMnt/1. Para se ter um idéia da infra-estrutura existente, o PqRMnt/1 possui um grande galpão, medindo aproximadamente 110x160 metros, dotados de diversos equipamentos de ventilação forçada, cinco pontes rolantes com capacidade de 20 toneladas cada, podendo operar com até três linhas de produção de viaturas simultaneamente. Possui ainda outros pavilhões que são utilizados em outras atividades, além de um estacionamento para material com mais de m 2. Sua estrutura atual subordina as diversas oficinas de manutenção à DIVISÃO DE PRODUÇÃO DP, que juntamente com as Divisões de Garantia de Qualidade e de Estudos e Planejamento executam a atividade fim. Estas três divisões são coordenadas pelo DEPARTAMENTO TÉCNICO DT. Desta forma o DT possui carteiras específicas para MOTOMECANIZAÇÃO, ARMAMENTO, ENGENHARIA, INTENDÊNCIA, SAÚDE E COMUNICAÇÕES, ELETRÔNICA E INFORMÁTICA. Sua divisão de GARANTIA E QUALIDADE é constituída pelo LABORATÓRIO QUÍMICO, LABORATÓRIO DE METROLOGIA, SEÇÃO DE ANÁLISE DE ESPECIFICAÇÕES DE PEDIDOS E SERVIÇOS e SEÇÃO DE CONFORMIDADE. Possui ainda uma DIVISÃO ADMINISTRATIVA, responsável pela gestão dos recursos financeiros, humanos e patrimoniais, uma COMPANHIA DE COMANDO E SERVIÇOS, responsável pela segurança do aquartelamento, formação dos soldados do efetivo variável (recrutas). Por intermédio de sua SEÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, participa em conjunto com a Secretaria Estadual de Educação e a Arquidiocese do Rio de Janeiro, do PROJETO INTEGRAÇÃO, que visa a oferecer qualificação profissional para jovens de 14 a 17 anos, profissionalizando desde 1990 centenas de menores em suas oficinas. Como realizações importantes ao longo de sua existência, vale ressaltar que nos anos 60 ele foi o responsável pela substituição gradual das viaturas recebidas ao longo e no pós Segunda

5 guerra mundial, por viaturas similares provenientes da indústria nacional, com todas as alterações fiscalizadas e testada pela Comissão de Estudos e Testes de Viaturas Automóveis do Exército CETVAE. Veículos Chevrolet, Ford e Dodge prontos para testes. Jeep Gurgel em testes no PqCMM. Crédito das fotos: Arquivo PqRMnt/1. Caminhão Mercedes Benz e Jeep Toyota em testes. Crédito das fotos: Arquivo PqRMnt/1. Fim da 1ª Parte

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Mais uma compra de ocasião e outro erro estratégico Conforme publicado no Boletim do Exército 11/2013, de 15 de março de 2013, o Exército Brasileiro através da Portaria

Leia mais

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES Origem Localização Localizado no bairro de São Cristóvão, no antigo aquartelamento da 5º Brigada de Cavalaria Blindada (5º Bda C Bld), o Museu Militar Conde de Linhares

Leia mais

M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM

M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM Os M-60 A3TTS poderiam constituir uma reserva estratégica ou serem enviados para Roraima, reforçando os meios blindados do Exército naquela sensível

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

VEÍCULOS BLINDADOS DO MUSEU MILITAR DO C. M. S.

VEÍCULOS BLINDADOS DO MUSEU MILITAR DO C. M. S. VEÍCULOS BLINDADOS DO MUSEU MILITAR DO C. M. S. Criado em 1999 na cidade de Porto Alegre, RS, o Museu Militar do Comando Militar do Sul (MMCMS) ocupa a sede do antigo Arsenal de Guerra da Província, num

Leia mais

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL Nos anos 70 diversos exércitos no mundo estavam a desenvolver uma família de veículos leves, versáteis e capazes de serem lançados de pará-quedas para apoiar operações que

Leia mais

PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS

PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS PROPOSTAS APRESENTADAS - 1976 a 1978 Nos anos 70 o Exército Brasileiro através do Parque Regional de Motomecanização da 2º Região Militar de São Paulo

Leia mais

O FIM DE UM CICLO: CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A1 NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1996 2011

O FIM DE UM CICLO: CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A1 NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1996 2011 O FIM DE UM CICLO: CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A1 NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1996 2011 A partir do momento em que os Leopard 1 A1 estão sendo definitivamente retirados do serviço ativo, ficando uma quantidade

Leia mais

VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO

VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO A motorização no Exército Brasileiro remonta ao início dos anos 20, recebendo veículos dos mais variados modelos, das mais variadas

Leia mais

ANEXO B RELAÇÃO DE OM

ANEXO B RELAÇÃO DE OM DEPARTAMENTO DECEx Departamento de Educação e Cultura do Exército Diretoria de Especialização e Extensão Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército Escola de Educação Física do Exército Escola

Leia mais

UM SONHO DISTANTE NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS

UM SONHO DISTANTE NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS UM SONHO DISTANTE NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS Está ficando cada vez mais distante uma solução para a NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS que deveria modernizar a frota no Exército Brasileiro.

Leia mais

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 Este pequeno caminhão de ¾ de toneladas foi desenvolvido pela companhia Dodge Brothers Corporation nos Estados Unidos e largamente empregado na

Leia mais

Automotivo. setores de negócios

Automotivo. setores de negócios setores de negócios Automotivo Mais de 40% das fábricas do complexo automotivo do Brasil encontram-se em São Paulo, berço da indústria automobilística nacional. As principais empresas instaladas no Estado

Leia mais

MEIA LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO Da década de 30 ao final dos anos 80

MEIA LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO Da década de 30 ao final dos anos 80 MEIA LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO Da década de 30 ao final dos anos 80 O veículo meia lagarta (Half Track) se caracteriza por possuir rodas com pneus na sua parte dianteira e lagartas na parte traseira,

Leia mais

Raphael Pereira de Morais

Raphael Pereira de Morais Raphael Pereira de Morais Cidade: Brasilia - DF Data de Nascimento: 20/07/1987 Estado Civil: Solteiro Telefone: (61) 3465-1047 (61) 8176-5855 E-mail: rp.morais2013@bol.com.br FORMAÇÃO ACADÊMICA Superior

Leia mais

BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR

BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR O Exército Brasileiro através do Plano Básico de Estruturação do Exército, cuja execução abrange o período de 2003 a 2007 vem realizando grandes

Leia mais

CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO

CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO A Fábrica Nacional de Motores (FNM) foi criada em plena segunda guerra mundial (1942), com a finalidade de produzir motores de aviões, o que fez com

Leia mais

CAMIONETA MILITAR JEEP ¾ ton WILLYS OVERLAND/FORD F-85 Um projeto brasileiro

CAMIONETA MILITAR JEEP ¾ ton WILLYS OVERLAND/FORD F-85 Um projeto brasileiro CAMIONETA MILITAR JEEP ¾ ton WILLYS OVERLAND/FORD F-85 Um projeto brasileiro Angelo Meliani, Especialista em restauração de veículos militares. angelomeliani@yahoo.com.br Durante os anos da década de 1940

Leia mais

PRIMÓRDIOS DA MOTORIZAÇÃO NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1919 a 1940 (I)

PRIMÓRDIOS DA MOTORIZAÇÃO NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1919 a 1940 (I) PRIMÓRDIOS DA MOTORIZAÇÃO NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1919 a 1940 (I) Introdução Com o fim da primeira guerra mundial (1914-18) e a consolidação do uso de veículos para fins militares, nos principais exércitos

Leia mais

1 O Problema 1.1. Introdução

1 O Problema 1.1. Introdução 1 O Problema 1.1. Introdução O mercado automobilístico nacional passou por intensas mudanças na década de 90. Desde a declaração do Presidente da República que em 1990 afirmou serem carroças os veículos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Data: Setembro/99 N o 26 DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS Com o recente ciclo de investimentos

Leia mais

A MANUTENÇÃO DOS SISTEMAS DE ARMAS COMPLEXOS: RELEVÂNCIA DA FORMAÇÃO

A MANUTENÇÃO DOS SISTEMAS DE ARMAS COMPLEXOS: RELEVÂNCIA DA FORMAÇÃO A MANUTENÇÃO DOS SISTEMAS DE ARMAS COMPLEXOS: RELEVÂNCIA DA FORMAÇÃO MAJ MAT Carlos Felgueiras Os Sistemas de Armas Complexos 1 adquiridos recentemente pelo Exército Português, Carro de Combate (CC) Leopard

Leia mais

Regimento de Guarnição N.º1

Regimento de Guarnição N.º1 NEWSLETTER Edição N.º 05 / 2015 Participação do RG1 na XXV Meia Maratona dos Bravos - 01 de maio de 2015; Participação de militar do RG1 no Campeonato Militar de Tiro Desportivo / Fase Exército - 04 a

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal

Prefeitura Municipal do Natal Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Plano Plurianual 2010/2013 Programa Horizonte Público Objetivo: 8 Mobilidade e Cidadania Contínuo População do município

Leia mais

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 Sendo o produto de maior êxito desenvolvido pela Avibrás, e o que mais lhe rendeu recursos, meio bilhão de dólares em exportações, o

Leia mais

A HISTÓRIA EM FOTOS INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA DO BRASIL. Linha de montagem da Ford instalada em 1920

A HISTÓRIA EM FOTOS INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA DO BRASIL. Linha de montagem da Ford instalada em 1920 A HISTÓRIA EM FOTOS INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA DO BRASIL Linha de montagem da Ford instalada em 1920 Em 25 de janeiro de 1925 é inaugurada a General Motors do Brasil. Em dezembro de 1928 a empresa comemora

Leia mais

EE-3 JARARACA 4x4 UM CONCEITO ESQUECIDO

EE-3 JARARACA 4x4 UM CONCEITO ESQUECIDO EE-3 JARARACA 4x4 UM CONCEITO ESQUECIDO A idéia de se produzir um veículo leve blindado 4x4 para o Exército Brasileiro não é nova, ela remonta ao início dos anos 70, quando a primeira idéia surge no Parque

Leia mais

Brasil é o maior fabricante

Brasil é o maior fabricante Produtos No Brasil a fabricação artesanal do primeiro ônibus é atribuída aos imigrantes italianos e irmãos Luiz e Fortunato Grassi. Em 1904 eles fabricavam carruagens em São Paulo e em 1911 encarroçaram

Leia mais

VEÍCULO FORÇAS ESPECIAIS 4x4 PARA O EB UMA SOLUÇÃO CASEIRA É POSSÍVEL

VEÍCULO FORÇAS ESPECIAIS 4x4 PARA O EB UMA SOLUÇÃO CASEIRA É POSSÍVEL VEÍCULO FORÇAS ESPECIAIS 4x4 PARA O EB UMA SOLUÇÃO CASEIRA É POSSÍVEL Na recente edição da EUROSATORY 2004 ocorrida em Paris, no mês passado, foi anunciado que o novo veículo leve de emprego rápido para

Leia mais

ENTREGAS OCOP SUBPROJETOS: 1.1 VIATURAS

ENTREGAS OCOP SUBPROJETOS: 1.1 VIATURAS ENTREGAS OCOP SUBPROJETOS: 1.1 VIATURAS Qnt Descrição 6.500 Viaturas acima de 1,5 ton 20 Ambulância Operacional 4x4 20 Pickup Militar Hilux 10 Reboque Cisterna Combustível 1.500 Litros 10 Reboque Cisterna

Leia mais

INDÚSTRIA CONTRATA: PARA FAXINAL DOS GUEDES

INDÚSTRIA CONTRATA: PARA FAXINAL DOS GUEDES INDÚSTRIA CONTRATA: PARA FAXINAL DOS GUEDES Cargo: Engenheiro mecânico Área de atuação: projetos, fabricação e instalação de equipamento para a manipulação e processamento de produtos sólidos utilizados

Leia mais

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil. Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil. OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate

Leia mais

Boletim Informativo do Grupo Premodisa

Boletim Informativo do Grupo Premodisa Nº36 DEZ. 2014 Boletim Informativo do Grupo Premodisa Mais qualidade e qualificação Mudanças aperfeiçoam planejamento e produtividade. Acesse aqui. Alunos da FACENS visitam Grupo Premodisa Estudantes de

Leia mais

CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA

CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA O Exército e a Força Aérea estão operando uma pequena quantidade de caminhões russos modelo URAL 375 (denominação nas publicações ocidentais) 6x6 e

Leia mais

Informativo do 10º Batalhão Logístico

Informativo do 10º Batalhão Logístico Batalhão Marquês de Alegrete MANTER SUPRIR TRANSPORTAR SALVAR Editorial Quartel em Alegrete, RS, 30 de setembro de 2014. O Informativo se propõe a ser um veículo de comunicação das atividades do 10º Batalhão

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMANDANTE DO EXÉRCITO ÓRGÃOS DE ASSESSORAMENTO DO COMANDANTE Gabinete do Comandante do Exército Secretaria-Geral do Exército Centro de Inteligência do Exército Centro de Comunicação Social do Exército

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

SALA DIDÁTICA DE MECÂNICA DA EPS POSSIBILIDADES, CAPACIDADES E PERSPETIVAS

SALA DIDÁTICA DE MECÂNICA DA EPS POSSIBILIDADES, CAPACIDADES E PERSPETIVAS SALA DIDÁTICA DE MECÂNICA DA EPS POSSIBILIDADES, CAPACIDADES E PERSPETIVAS Cap MAT Jorge Machado da Silva Balula A sala didática de mecânica da Escola Prática dos Serviços (EPS) destina-se a apoiar a formação

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

CARRO BLINDADO M-8 GREYHOUND DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA Campanha da Itália 1944 1945

CARRO BLINDADO M-8 GREYHOUND DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA Campanha da Itália 1944 1945 CARRO BLINDADO M-8 GREYHOUND DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA Campanha da Itália 1944 1945 Projetado e construído pela Ford Motor Company a partir de 1942, o M-8 Greyhound alcançou a casa das onze mil

Leia mais

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária.

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária. Senado Federal AUDIÊNCIA PÚBLICA P DA COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA Painel 13 Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária Luiz Felipe

Leia mais

CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A5 E FAMÍLIA NO EXÉRCITO BRASILEIRO: UMA DEPENDÊNCIA PREOCUPANTE

CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A5 E FAMÍLIA NO EXÉRCITO BRASILEIRO: UMA DEPENDÊNCIA PREOCUPANTE CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A5 E FAMÍLIA NO EXÉRCITO BRASILEIRO: UMA DEPENDÊNCIA PREOCUPANTE O Leopard 1 A5 e seus veículos de apoio, tornaram-se a espinha dorsal do Exército Brasileiro, para os próximos

Leia mais

Primórdios da Motorização no Exército Brasileiro 1919-1940

Primórdios da Motorização no Exército Brasileiro 1919-1940 Primórdios da Motorização no Exército Brasileiro 1919-1940 Expedito Carlos Stephani Bastos Com o fim da Primeira Guerra Mundial (1914-18) e a consolidação do uso de veículos para fins militares nos principais

Leia mais

BLINDADOS NO HAITI 2 VEÍCULOS 6x6

BLINDADOS NO HAITI 2 VEÍCULOS 6x6 BLINDADOS NO HAITI 2 VEÍCULOS 6x6 A variedade de veículos blindados sobre rodas 6x6 no Haiti é grande, pelo menos seis países que fazem parte da MINUSTAH, desde 2004, sob o comando das forças brasileiras,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei n.º 1.482/2009 Uruaçu-Go., 31 de agosto de 2009. Dispõe sobre a criação da Secretaria Municipal de Transporte e Serviços Urbanos altera a lei 1.313/2005 e dá outras O PREFEITO MUNICIPAL DE URUAÇU,

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

PORTARIA Nº 179, DE 29 DE MARÇO DE 1996 APROVA AS INSTRUÇÕES GERAIS PARA A GESTÃO DE MATERIAIS INSERVÍVEIS DO MINISTÉRIO DO EXÉRCITO

PORTARIA Nº 179, DE 29 DE MARÇO DE 1996 APROVA AS INSTRUÇÕES GERAIS PARA A GESTÃO DE MATERIAIS INSERVÍVEIS DO MINISTÉRIO DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 179, DE 29 DE MARÇO DE 1996 APROVA AS INSTRUÇÕES GERAIS PARA A GESTÃO DE MATERIAIS INSERVÍVEIS DO MINISTÉRIO DO EXÉRCITO A doação ou cessão de qualquer bem pertencente ao Exército deve subordinar-se

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

CAMINHÃO BLINDADO MERCEDES BENZ 1720-A PARA FORÇAS MILITARES

CAMINHÃO BLINDADO MERCEDES BENZ 1720-A PARA FORÇAS MILITARES CAMINHÃO BLINDADO MERCEDES BENZ 1720-A PARA FORÇAS MILITARES Lançado recentemente no mercado civil, o caminhão Mercedes Benz 1720-A 4x4 ganhou uma versão militar, já testada e homologada pelo Exército

Leia mais

Secretarias, competências e horários de funcionamento. Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão

Secretarias, competências e horários de funcionamento. Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão Secretarias, competências e horários de funcionamento Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão (Horário de funcionamento: das 07:00 as 13:00 horas) I - recebimento e processamento de reclamações,

Leia mais

Emprego 5 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS CAPINADORA 1 CIRURGIÃO DENTISTA 2 ENCARREGADO(A) 1 12 MÉDICO DO TRABALHO PORTEIRO 3 PORTEIRO RECEPCIONISTA

Emprego 5 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS CAPINADORA 1 CIRURGIÃO DENTISTA 2 ENCARREGADO(A) 1 12 MÉDICO DO TRABALHO PORTEIRO 3 PORTEIRO RECEPCIONISTA Tabela Vigente em /0/0 RELAÇÃO QUANTITATIVA DE EMPREGOS 0 - DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA 0 - DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

BLINDADOS SOBRE RODAS MADE IN BRAZIL NO HAITI

BLINDADOS SOBRE RODAS MADE IN BRAZIL NO HAITI BLINDADOS SOBRE RODAS MADE IN BRAZIL NO HAITI Dentre os diversos modelos de veículos blindados sobre rodas, empregados pelas Forças da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH), dois

Leia mais

UMA REALIDADE BRASILEIRA DESENVOLVIMENTO DE BLINDADOS SOBRE RODAS 2ª Parte

UMA REALIDADE BRASILEIRA DESENVOLVIMENTO DE BLINDADOS SOBRE RODAS 2ª Parte UMA REALIDADE BRASILEIRA DESENVOLVIMENTO DE BLINDADOS SOBRE RODAS 2ª Parte VIATURA BLINDADA SOBRE RODAS 2 VBR-2 A partir do momento em que o Exército descarta a V.B.B. e informa sobre a necessidade de

Leia mais

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. DISTRIBUIÇÃO E MANUTENÇÃO de água, iluminação de ruas,

Leia mais

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Art.1º As presentes intruções regulam a sistematização

Leia mais

Iveco para montagem de pesados e blindados

Iveco para montagem de pesados e blindados Iveco para montagem de pesados e blindados Por Eduardo Laguna A Iveco se juntou ao grupo de montadoras que estão dando férias coletivas neste mês devido à forte queda das vendas de veículos. A partir de

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicada no Diário Oficial nº 1.880 de 10 de setembro de 1998 LEI COMPLEMENTAR Nº 027 DE 09 DE SETEMBRO

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios Vitória, 06 de Maio de 2012. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Auxiliar de Inventário, Comprador, Auxiliar Administrativo, Coordenador

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

ARTILHARIA ANTIAÉREA SOBRE LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO: algumas tentativas e muitas frustrações

ARTILHARIA ANTIAÉREA SOBRE LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO: algumas tentativas e muitas frustrações ARTILHARIA ANTIAÉREA SOBRE LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO: algumas tentativas e muitas frustrações Introdução A origem da artilharia antiaérea brasileira remonta aos anos de 1930, onde foi empregada com

Leia mais

Planejamento estratégico, comercialização, branding, midia, marketing, patrocinio.

Planejamento estratégico, comercialização, branding, midia, marketing, patrocinio. NOSSAS CREDENCIAIS Planejamento estratégico, comercialização, branding, midia, marketing, patrocinio. Gestão de logística de sistemas de bicicletas públicas e privadas. Fornecedora de tecnologia e infraestrutura

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLINDADOS NO BRASIL LIÇÕES NÃO APRENDIDAS, UMA NOVA REFLEXÃO.

PRODUÇÃO DE BLINDADOS NO BRASIL LIÇÕES NÃO APRENDIDAS, UMA NOVA REFLEXÃO. PRODUÇÃO DE BLINDADOS NO BRASIL LIÇÕES NÃO APRENDIDAS, UMA NOVA REFLEXÃO. No Brasil a idéia de se produzir blindados de concepção nacional remonta às décadas de 20 e 30, conturbados anos revolucionários

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem:

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS A Cugnier está credenciada junto à estatal Petrobras através do CRCC (Certificado de Registro e Classificação Cadastral), possuindo aprovação

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

Plano Cicloviário do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego

Plano Cicloviário do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego Plano Cicloviário do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego Plano Cicloviário do Município de São Paulo Dados existentes Dados da Pesquisa Origem

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos. Do papel à tecnologia on-line

Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos. Do papel à tecnologia on-line Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos Do papel à tecnologia on-line Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Transportes Setembro 2009 São José dos Campos

Leia mais

BRABAT 1/16 embarca para a Missão de Paz

BRABAT 1/16 embarca para a Missão de Paz Informativo Eletrônico do Comando Militar do Planalto 16 a 31 de março - 2012 - ano III - edição 43 C M BRABAT 1/16 embarca para a Missão de Paz P P r o f i s s i o n a l i s m o e E n t u s i a s m o

Leia mais

OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS:

OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: PROPOSTA DE METODOLOGIA Renata Lèbre La Rovere e Julia Paranhos IE/UFRJ Introdução > Recuperação da economia

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM PARA CURA UMIDA DE CONCRETO NO VELÓDROMO DE JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO RJ

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM PARA CURA UMIDA DE CONCRETO NO VELÓDROMO DE JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO RJ UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM PARA CURA UMIDA DE CONCRETO NO VELÓDROMO DE JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Geomaks Com. de Geossintéticos Ltda.

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

Soluções Qualilog para Comércio Exterior

Soluções Qualilog para Comércio Exterior Soluções Qualilog para Comércio Exterior Visão Geral Temos atuado, com sucesso, no apoio a empresas brasileiras que já exportam ou têm como projeto exportar seus produtos para os Estados Unidos, assessorandoas

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14 SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL FIEP - 21 Jul 14 Base Industrial de Defesa Aspectos Relevantes Base Industrial de Defesa 1. Introdução 2. Aspectos Relevantes

Leia mais

Programas e Projetos Culturais

Programas e Projetos Culturais Programas e Projetos Culturais A Diret etoria de Assuntos Culturais tem como mis- são principal preserv eservar as tradições, a memória e os va- lores culturais e históricos do Exércit cito. Consubstanciados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO

INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO Para medir os resultados do Programa 0750 Apoio Administrativo, na Ação 2000 Administração da Unidade e do Programa 0620 Adestramento e Operações Militares

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS. Abril/2013

WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS. Abril/2013 WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS Abril/2013 Agenda 1 2 Mercado de Distribuição de Químicos A quantiq 3 O PRODIR e a Gestão Regulatória na Distribuição

Leia mais

Boletim do Exército Nº 51/2003. Brasília - DF, 19 de dezembro de 2003. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO

Boletim do Exército Nº 51/2003. Brasília - DF, 19 de dezembro de 2003. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Nº 51/2003 Brasília - DF, 19 de dezembro de 2003. BOLETIM DO EXÉRCITO Nº 51/2003 Brasília - DF, 19 de dezembro

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO

MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional,

Leia mais

Sumário. 1. Referências. 2. AGEFROT, Opção pela PPP, Abrangência. 3. OporquêdoProjetoPiloto. 4. Vantagens/ Benefícios. 6. Cronograma de atividades

Sumário. 1. Referências. 2. AGEFROT, Opção pela PPP, Abrangência. 3. OporquêdoProjetoPiloto. 4. Vantagens/ Benefícios. 6. Cronograma de atividades 1/ 15 Sumário 1. Referências 2. AGEFROT, Opção pela PPP, Abrangência 3. OporquêdoProjetoPiloto 4. Vantagens/ Benefícios 5. Procedimento de Manifestação de Interesse(PMI) 6. Cronograma de atividades 2/

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR.

MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR. MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR. KEILA KOCHEM ENG.ª AMBIENTAL DIVISÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

PROJETO DE CIDADANIA

PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA A Anamatra A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Anamatra congrega cerca de 3.500 magistrados do trabalho de todo o país em torno de interesses

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

Gestão da manutenção hospitalar

Gestão da manutenção hospitalar Gestão da manutenção hospitalar Rômulo Lessa Aragão (HGF) romulolessa@gmail.com João Luis Pianco de Oliveira (UFC) jotaehli@gmail.com Resumo O artigo trata de um plano de melhorias desenvolvido no Hospital

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Resumo do Projeto Implementação do Centro de Treinamento Eólico (CTEO)

Resumo do Projeto Implementação do Centro de Treinamento Eólico (CTEO) Dados do Projeto Título do Projeto: Departamento Regional do Ceará CFP Waldyr Diogo de Siqueira Fortaleza/ CEARÁ Resumo do Projeto Implementação do Centro de Treinamento Eólico (CTEO) Descrição (Resumo

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO Formalidades a cumprir I II III o investidor deverá solicitar uma autorização prévia para concessão do Estatuto de Investidor Externo. O pedido poderá ser efetuado através da agência

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

INFORMATIVO DOZE DE OURO

INFORMATIVO DOZE DE OURO INFORMATIVO DOZE DE OURO ABRIL 2013/24 EDITORIAL O IDO do início de abril destaca algumas das atividades que conferem ao Btl o conhecido reconhecimento no âmbito da 4ª RM: Capacitação dos Quadros para

Leia mais

BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher

BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher Número XV - Port-au-Prince - Haiti 1ª quinzena de março de 2014. BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher foi celebrado pelos integrantes do BRABAT 19 no dia 8 de março,

Leia mais