EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXÉRCITO PORTUGUÊS NÍVEIS DE COORDENAÇÃO DO APOIO DE FOGOS CONJUNTOS. No caminho da Modernidade e da Excelência RIGOR"

Transcrição

1 MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE RIGOR NÍVEIS DE COORDENAÇÃO No caminho da Modernidade e da Excelência FORÇA. DETERMINAÇÃO. NÍVEIS DE COORDENAÇÃO EXÉRCITO DO APOIO DE PORTUGUÊS FOGOS CONJUNTOS Major Art Para Adelino Jacinto 2º Cmdt GAC/RA4/BrigRR General Pinto Ramalho 1

2 AGENDA INTRODUÇÃO COORDENAÇÃO DE FOGOS CONJUNTOS COMPETÊNCIA DAS COMPONENTES DESAFIO DOS LIMITES DE COORDENAÇÃO DEST. DE LIGAÇÃO, OBSERVAÇÃO E COORDENAÇÃO CONCLUSÕES

3 de Fogos Observação e REFERÊNCIAS AJP AIR INTERDICTION AND CLOSE AIR SUPPORT; STANAG 2484 MC ARTY NATO FIELD ARTILLERY TACTICAL DOCTRINE - AArtyP-5; JP-3-09, JOINT FIRE SUPPORT (2010); JP , CLOSE AIR SUPPORT (2009); D Amico, Robert J., Joint Fires Coordination in JFQ, Spring PDE 3-00 OPERAÇÕES (2012); MC TÁTICA DE ARTILHARIA DE CAMPANHA (2004); PUBLICAÇÃO INTERARMÉES, PIA DLOC (2011); PUBLICAÇÃO INTERARMÉES, PIA NFO_FRA (2011);

4 de Fogos Observação e OPERAÇÕES CONJUNTAS Comandante de uma Força Conjunta Limites estabelecidos dentro da Joint Operations Are (JOA) - (3D) Delimitação espacial e de responsabilidade Combate Próximo e Combate em Profundidade Meios de Apoio de Fogos das diferentes Fator importante de planeamento - Fratricídio Sincronização Fogos/Manobra/Apoio de Fogos de Apoio Fogos Diferenças Conceptuais e Terminologia

5 de Fogos Observação e Apoio de Fogos Fogos...fogos produzidos durante o emprego de forças de duas ou mais componentes numa ação coordenada relativamente a uma finalidade comum. JP 3-09 Componente Terrestre Fogos Operacionais apoio a uma operação/campanha Forças Nível Operacional; Funções Críticas; Instalações Vitais. Fogos Táticos apoio direto a uma operação decisiva Objetivos Táticos (forças em contacto) Garantidos por meios em Apoio Direto

6 de Fogos Observação e Componente Aérea Fogos Operacionais Combate em Profundidade Para além da Fire Support Coordination Line (FSCL); Interdição Aérea (AI); Ataque Estratégico; Supressão da Defesa Aérea Inimiga (SEAD); Guerra Aérea Ofensiva. Fogos Táticos Combate Próximo Close Air Support (CAS) Objetivo deste tipo de fogos consiste na obtenção do efeito desejado num determinado alvo ou sistema de alvos, procurando contribuir decisivamente no Estado Final Desejado de uma Operação Decisiva ou de uma Campanha.

7 de Fogos Observação e Componente Próximo / Combate em Profundidade Limites e Tarefas Táticas dentro da JOA Componente Terrestre COMBATE PRÓXIMO Unidades de Manobra em contacto e meios de apoio de fogos em apoio direto. Resultado das batalhas depende da capacidade de triunfar no combate próximo. (PDE 3-00 Operações) COMBATE EM PROFUNDIDADE Área usada pelos comandantes para desgastar as forças inimigas antes do contacto. Simultaneidade /Sincronização: Extensão das operações no tempo, no espaço e nos recursos. (PDE 3-00 Operações)

8 de Fogos Observação e JOA genérica Tipos de Missões / Campo de Batalha JFLCC Forward Boundary Strategic Attack Air Interdiction Fire Support Coordination Line Close Battlespace CAS Direct Fires Direct Support FSCL Forward Line of Own Troops FLOT Spring 1999 / JFQ

9 de Fogos Observação e Diferentes definições de Fogos e delimitação do Campo de Batalha Mais difícil a discussão sobre de Fogos Sincronização das Ações no Apoio de Fogos Melhor Economia de Meios Melhor Unidade de Esforço FRATRICÍDIO Novos Sistemas de Armas (Atacar próximo e em profundidade) (Doutrina Conjunta omissa) Campo de Batalha permeável e inócua a sua delimitação espacial de coordenação.

10 de Fogos Competência das Observação e C3I e COORDENAÇÃO Requisitos vitais na elaboração do Desenho Operacional Qualquer uma das componentes pode conduzir CAS, AI, AE afetando o campo de batalha, tanto no Combate Próximo como em Profundidade.

11 de Fogos Competência das Observação e Campo de Batalha Estático / Móvel STATIC MOBILE JFLCC Forward Boundary JFLCC Forward Boundary FSCL CAS FSCL CAS FLOT Spring 1999 / JFQ FLOT

12 de Fogos Competência das Observação e Linha de Sincronização de Combate em Profundidade (DBSL) JCACC (Supported) Deep Battlespace FSCM & ACM JFLCC Forward Boundary DBSL (Boundary) FRATRICIDE DUPLICATION FSCL FLOT Weapons Capabilities IPB Components Units Relationship JCLCC (Supported) Battlespace Management Deep Battle Synchronization Line - DBSL

13 de Fogos Competência das Observação e COORDENAÇÃO Planeamento Operacional / Controlo Tático A FSCL sendo permissiva, os fogos conjuntos para além desta permitem ataques rápidos e de oportunidade sobre objetivos críticos e remuneradores desde que o processo entre dentro do ciclo da Air Tasking Order (ATO). Sincronização e de Fogos contribuem diretamente para prevenir fratricídio e duplicações, potenciando a Economia de Força e a Unidade de Esforço. Munições de Precisão Grande Volume de Fogos

14 de Fogos Desafio dos Limites de Observação e Implicações do Garantir espaço de manobra ao JFLCC para além da FSCL; Sincronizar missões de Interdição com manobras operacionais terrestres; Ligação e Comunicações entre e Comandantes Apoiados; de Fogos Operacionais no JFACC e os Táticos no JFLCC; Limitar os Fogos para além de limites de coordenação aos alvos de oportunidade e/ou HPT. Terrestre Naval Aérea CCA CAS Complementares mas dificultam De Apoio de Fogos AI Centralizada na CT no setor entre FSCL e JFLCC FwBoundary

15 de Fogos Desafio dos Limites de Observação e Implicações do CA vs CT CT Apoiada (AInfl. FSCL) CAS / CCA (FLOT FSCL)

16 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e Ligação, Observação e nos escalões Táticos Emprego de Fogos em apoio da manobra de Forças Conjuntas com a finalidade de Destruir ou Neutralizar Forças inimigas. PUBLICAÇÃO INTERARMÉES, PIA DLOC (2011) Tipologia de Fogos : 1. Superfície Superfície (Morteiros, Obus e Sistema Lança Foguetes); 2. Ar Superfície (CAS e CCA) 3. Mar Superfície (Fogos Navais) PUBLICAÇÃO INTERARMÉES, PIA DLOC (2011) Manobra XXX XX X I I I Posto de Comando Órgão de Apoio de Fogos PCPrinc EAF PCTact EAF PCPrinc EAF PCTact EAF PC EAF PC EAF PC OAv Artilharia de Campanha I I XXX XX MC Tática de Artilharia de Campanha

17 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e Elemento de Apoio de Fogos (EAF) / Coordenador de Apoio de Fogos (CAF) MC Tática de Artilharia de Campanha EAF/Brigª - CCFE CelApMan (El-GEA) OOAA OLFA OLAN EAF/Bat (CAF) OOAA/Bat Mort.Pes Cmdt/CAF FIST: - OAF Compª - SAR AFogos - 3 Eq. OAv - Coms Adequadas Meios de Apoio de Fogos Complementares mas dificultam a. de Fogos CAS / CCA ROE / PID Meios-Efeitos / BDA Ar-Superfície / Superfície-Superfície Aviação de Combate UAV Defesa AA C3I Qualificação OAF/OAv Equipamentos

18 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e Observação e (FRA) PUBLICAÇÃO INTERARMÉES, PIA DLOC

19 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e Observação e (FRA) DLOC assenta num núcleo permanente podendo ser reforçado segundo a configuração da força apoiada e as necessidades da missão/operação. Estimado durante o PTDM e estimativa da Força para corresponder às necessidades de coordenação de Apoio de Fogos. PUBLICAÇÃO INTERARMÉES, PIA DLOC

20 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e Observação e (FRA) DLOC garante ligação com a célula de Apoio 3D ao nível Brigada: Combate com Fogos Indiretos; Helicópteros de Ataque; Defesa Anti-Aérea; Drones / UAV; CAS (TACP/FAC). Aconselhar Gestão de Fogos /Controlo Combinação de Fogos 3D DLOC garante todas as ligações (LNO/COMS) com as outras componentes envolvidas no APOIO DE FOGOS CONJUNTOS.

21 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e Observação e (FRA)

22 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e Observação e (FRA) Qualquer OAv (NFO/FRA) com qualificação em dia presente na AO/JOA pode entrar na rede DLOC e beneficiar de apoio de fogos correspondente às suas qualificações (CAS Tipo 2, SS ou MS).

23 de Fogos Dest. de Ligação, Observação e CONCLUSÕES Combate Próximo Obj.Táticos / Combate em Profundidade Obj.Operacionais; Compartimentação da AO e definição de Limites/MCAF; Novos Sist.Armas e limites do JFLCC, setor entre FSCL e limite da Área de Inlfuência do Cmdt da CT; nesta faixa minimizar Fratricídio sob controlo da Comp. Apoiada (CT); Importância das FSCM e ACM para coordenação e sincronização em profundidade; Ligação entre e Capacidade de ao baixo escalão Tático; Organização, Missão e Equipamentos dos EAF (UEBrig/UEB) FIST (UEC); CCFE / CApMan (El.GEA e DAA) em ligação com EAF que integra TACP / OLAN; Qualificação dos OAv (Treino/Equipamento) para apoio durante missões de CAS e no âmbito de fogos SS/MS.

24 MODERNO - SOLIDÁRIO - ABERTO À SOCIEDADE RIGOR NÍVEIS DE COORDENAÇÃO No caminho da Modernidade e da Excelência FORÇA. DETERMINAÇÃO. NÍVEIS DE COORDENAÇÃO EXÉRCITO DO APOIO DE PORTUGUÊS FOGOS CONJUNTOS Major Art Para Adelino Jacinto 2º Cmdt GAC/RA4/BrigRR General Pinto Ramalho 24

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO

25 JUNHO 2014 NÃO CLASSIFICADO 25 JUNHO 2014 COMANDANTE DO TACP António Trigger Farinha Capitão FAC/JTAC OBJETIVO Dar a conhecer as capacidades do TACP da Força Aérea, e o seu emprego no controlo de fogos Superfície/Superfície integrados

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS

MINISTÉRIO DA DEFESA APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS MINISTÉRIO DA DEFESA MD33-M-11 APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS APOIO DE FOGO EM OPERAÇÕES CONJUNTAS 1 a Edição 2013 MINISTÉRIO

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

ACADEMIA MILITAR. A importância das equipas TACP (Tactical Air Controller Parties) no Exército Português

ACADEMIA MILITAR. A importância das equipas TACP (Tactical Air Controller Parties) no Exército Português ACADEMIA MILITAR DIRECÇÃO DE ENSINO Curso de Infantaria TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA A importância das equipas TACP (Tactical Air Controller Parties) no Exército Português Autor: Aspirante a Oficial

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

INFRONT Forward Observer Trainer

INFRONT Forward Observer Trainer INFRONT Forward Observer Trainer (Cambridge Advanced English) Slide 1 EVOLUÇÃO DO SISTEMA SIMULAÇÃO Artilharia Campanha e Morteiros Slide 2 Ano 1982 Ano 1980 INVERTRON Slide 3 Ano 1999 INFRONT IV Slide

Leia mais

NA ÚLTIMA SEMANA do inverno

NA ÚLTIMA SEMANA do inverno Projeto de Força do Futuro Coronel Ramon Marçal da Silva, Exército Brasileiro NA ÚLTIMA SEMANA do inverno norte-americano, cem líderes do Exército dos Estados Unidos da América (EUA) e do Departamento

Leia mais

Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional

Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional Tecnologia de Segurança e Defesa Internacional Ano Académico 2010/2011 Alm. Nuno Vieira Matias 2º Semestre 18 horas 6 ECTS Programa Tecnologia de Defesa e Segurança Internacional A tecnologia ao dispor

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS Ten Cel BM QOC/91 André Luiz Teixeira Morgado Comandante do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos - GOPP Conhecer o ICS; Finalidade da Palestra Assegurar

Leia mais

Tutorial para hostear e/ou gerar missões para a GVV usando o BADC

Tutorial para hostear e/ou gerar missões para a GVV usando o BADC Tutorial para hostear e/ou gerar missões para a GVV usando o BADC As missões no sistema BADC são missões cooperativas e, quando lançadas através do HipperLobby, devem ser utilizados os slots da área COOPERATIVE

Leia mais

No final de 2009, o então Comandante

No final de 2009, o então Comandante A Evolução do Conceito Comando de Missão na Doutrina do Exército dos EUA: De 1905 até o Presente Coronel (Reserva) Clinton J. Ancker III, Exército dos EUA No final de 2009, o então Comandante do Comando

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA

TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA ACADEMIA MILITAR DIRECÇÃO DE ENSINO CURSO DE ARTILHARIA TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA Emprego do Targeting a nível Nacional: Implicações para a Artilharia de Campanha Autor: ASP OF AL ART Pedro Barbosa

Leia mais

ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO

ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO Cezar Carriel Benetti, Major de artilharia; Aluno do 2º ano do Curso de Comando e Estado-Maior da ECEME. Mestre em Operações Militares (EsAO) e especialista

Leia mais

Outsourcing - A management Perspective

Outsourcing - A management Perspective http://shipsoftware.files.wordpress.com/2007/11/distributedteam.jpg Outsourcing - A management Perspective by Nicholas A. Benvenuto and David Brand Auditoria de Sistemas de Informação - Auditoria e Qualidade

Leia mais

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria. A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Termos comuns: SOFT POWER O Poder Suave: situação na qual um

Leia mais

PLANEAMENTO E COMANDO NAS PEQUENAS UNIDADES

PLANEAMENTO E COMANDO NAS PEQUENAS UNIDADES MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXÉRCITO PORTUGUÊS ACADEMIA MILITAR ME 00-41-00 PLANEAMENTO E COMANDO NAS PEQUENAS UNIDADES UNIDADE CURRICULAR M-137 e M-138 TÁTICA DE CAVALARIA I e II Gabinete de Tática

Leia mais

Military Logistics Made Easy

Military Logistics Made Easy Military Logistics Made Easy Pedro Alexandre Bretes Ferro Amador Major de Artilharia Instituto de Estudos Superiores Militares Lisboa, Portugal pedroabretes@hotmail.com 1. Dados da bibliografia da obra

Leia mais

CONTRIBUTOS DO PODER AÉREO EM OPERAÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO, SEGURANÇA, TRANSIÇÃO E

CONTRIBUTOS DO PODER AÉREO EM OPERAÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO, SEGURANÇA, TRANSIÇÃO E 2011/05/15 CONTRIBUTOS DO PODER AÉREO EM OPERAÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO, SEGURANÇA, TRANSIÇÃO E RECONSTRUÇÃO (I PARTE) João Paulo Nunes Vicente[1] While it takes `boots on the ground to win a counterinsurgency

Leia mais

ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA A ARTILHARIA DE CAMPANHA E OS DESAFIOS DA MODERNIDADE

ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA A ARTILHARIA DE CAMPANHA E OS DESAFIOS DA MODERNIDADE ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA A ARTILHARIA DE CAMPANHA E OS DESAFIOS DA MODERNIDADE Boletim da Escola Prática de Artilharia Ano IX/IIª Série Propriedade Escola Prática de Artilharia Director Comandante,

Leia mais

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres 2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres O objetivo deste trabalho é estudar a localização dos grupamentos logísticos no Exército de Campanha. No entanto, para ocorrer o entendimento da modelagem

Leia mais

EM JULHO DE 1941, o Gen George S.

EM JULHO DE 1941, o Gen George S. A Harmonia em Combate: Como Treinar a Brigada de Combate para a Manobra de Armas Combinadas Coronel Michael R. Fenzel e Tenente-Coronel Shane Morgan, Exército dos EUA EM JULHO DE 1941, o Gen George S.

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Realização Apoio Patrocínio 3 G A AAé Caxias do Sul Criação da Unidade de Artilharia Antiaérea, em 1950. Inicialmente estes alvos eram fornecidos pela FAB. Os B25 rebocavam um alvo chamado Biruta. 1972:

Leia mais

ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007

ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007 ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007 A Arma de Artilharia no Exército Brasileiro é dividida em Artilharia Antiaérea e Artilharia de Campanha. A de Campanha é assim definida: A Artilharia

Leia mais

Sangue nas mãos dos EUA

Sangue nas mãos dos EUA Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Publicado em 2014/08/04, em: http://www.rebelion.org/noticia.php?id=188051 Tradução do castelhano de TAM Colocado

Leia mais

ACADEMIA MILITAR DIRECÇÃO DE ENSINO

ACADEMIA MILITAR DIRECÇÃO DE ENSINO ACADEMIA MILITAR DIRECÇÃO DE ENSINO CURSO DE ARTILHARIA TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA O EMPREGO DO PELOTÃO DE AQUISIÇÃO DE OBJECTIVOS NACIONAL NAS OPERAÇÕES DE APOIO À PAZ ALUNO: Aspirante Aluno de

Leia mais

1º Batalhão de Infantaria Mecanizado e 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado

1º Batalhão de Infantaria Mecanizado e 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado S R Ministério da Defesa Nacional Exército Português Brigada Mecanizada 2013 Jornadas de Infantaria 1º Batalhão de Infantaria Mecanizado e 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado FINALIDADE E SITUAÇÃO GERAL

Leia mais

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO Cel Cláudio Moreira Bento(X) HOMENAGEM AOS HERÓIS DA CONQUISTA DE MONTE CASTELO No transcurso, em 21 fevereiro de 2015 do 67º aniversário da vitória brasileira

Leia mais

Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR

Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR VBE L Pnt lançando a ponte Fonte: o autor Por Ígor Berta O Exército Brasileiro adquiriu como Carro de Combate as viaturas da família Leopard.

Leia mais

Baltic Air Policing Estado-Maior General das Forças Armadas Força Aérea Portuguesa

Baltic Air Policing Estado-Maior General das Forças Armadas Força Aérea Portuguesa Baltic Air Policing Estado-Maior General das Forças Armadas Força Aérea Portuguesa Bloco 36: 01 de setembro 31 de dezembro de 2014 Šiauliai, Lituânia Press Kit Este Press Kit é elaborado de acordo com

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades

Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades 1 Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades Cap Diogo EMILIÃO Pinto Bacharel em Ciências Militares AMAN/2002 Pós-graduado em Artilharia de Costa e Antiaérea

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

NATO (ALEMANHA) QUADRO DAS ARMAS DA SIMULAÇÃO

NATO (ALEMANHA) QUADRO DAS ARMAS DA SIMULAÇÃO NATO (ALEMANHA) QUADRO DAS ARMAS DA SIMULAÇÃO NOTA: Os carros sem indicação de Potencial Defensivo são imunes ao tiro das armas indicadas na Secção Geral da Tabela de Eficácia. Os Carros de Combate têm

Leia mais

Gen Bda Mosqueira Diretor de Fabricação mauroguedes@globo.com EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DIRETORIA DE FABRICAÇÃO

Gen Bda Mosqueira Diretor de Fabricação mauroguedes@globo.com EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DIRETORIA DE FABRICAÇÃO EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DIRETORIA DE FABRICAÇÃO "Ciência, Tecnologia, Inovação e Suporte Logístico: possibilidades, estratégias e reais situações para o Exército Brasileiro

Leia mais

GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS

GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS MINISTÉRIO DA DEFESA MD35-G-01 GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS 2007 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR DE DEFESA GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS 4 a Edição 2007 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS Sem alteração 1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS GABINETE DO COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 006-RES, DE 5 DE JUNHO DE 2002. Aprova a Diretriz Estratégica de Garantia da Lei e da

Leia mais

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil. Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil. OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate

Leia mais

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES Origem Localização Localizado no bairro de São Cristóvão, no antigo aquartelamento da 5º Brigada de Cavalaria Blindada (5º Bda C Bld), o Museu Militar Conde de Linhares

Leia mais

GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO

GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO Liderança Operacional Um bom líder, mesmo numa situação confusa e incerta: Encarrega-se dos recursos atribuídos;

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL Decreto Lei n.º 142/2015 de 31 de julho O Decreto Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro, procedeu à alteração da estrutura do regime remuneratório aplicável aos militares dos

Leia mais

GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS

GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS MINISTÉRIO DA DEFESA MD35-G-01 GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS 2007 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR DE DEFESA GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS 4 a Edição 2007 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA

ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA ESCOLA PRÁTICA DE ARTILHARIA a aquisição de objectivos E A ArtilhAriA na vanguarda da tecnologia Boletim de informação e divulgação ano X / II série Boletim da Escola Prática de Artilharia Ano X / IIª

Leia mais

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Mais uma compra de ocasião e outro erro estratégico Conforme publicado no Boletim do Exército 11/2013, de 15 de março de 2013, o Exército Brasileiro através da Portaria

Leia mais

Instituto Isaac Martins

Instituto Isaac Martins Instituto Isaac Martins Treinamentos de Resultados www.institutoim.com.br 11 3756-2250 Como agendar visitas Curso TELELUCRO 1. Descreva qual é o produto que você vende: Produto planos e Aparelhos de telefonia

Leia mais

A ESTRATÉGIA MILITAR APLICADA AO MUNDO DOS NEGÓCIOS 1 Marcelo Pereira Torres 2 André Luiz Pires Muniz 3

A ESTRATÉGIA MILITAR APLICADA AO MUNDO DOS NEGÓCIOS 1 Marcelo Pereira Torres 2 André Luiz Pires Muniz 3 RESUMO A ESTRATÉGIA MILITAR APLICADA AO MUNDO DOS NEGÓCIOS 1 Marcelo Pereira Torres 2 André Luiz Pires Muniz 3 A competição no mundo dos negócios tem se tornado cada vez mais acirrada e pensar de maneira

Leia mais

ISRAEL at LAAD 2013. Dsit Solutions Ltd.

ISRAEL at LAAD 2013. Dsit Solutions Ltd. Dsit Solutions Ltd. Ao longo das duas últimas décadas, a DSIT Solutions tem desenvolvido e empregado as tecnologias mais modernas para criar avançados sistemas de sonar e aplicações em comando e controle

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO CADERNO FICHA 9. PRÉ-SUPRESSÃO 9.5. EXERCÍCIOS E TREINOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

A GUERRA NO MEIO DO POVO

A GUERRA NO MEIO DO POVO A GUERRA NO MEIO DO POVO Gen Ex Paulo Cesar de Castro As ciências militares e a arte da guerra têm sido impactadas por transformações exponenciais, fenômeno jamais experimentado pela humanidade. Aceleradas

Leia mais

Atuação em Situações de Crise

Atuação em Situações de Crise 1 Atuação em Situações de Crise Enf. José Magalhães INEM Delegação Regional do Porto Porto, 11 de Abril de 2014 2 INEM O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) é o organismo do Ministério da Saúde

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA. Fig 1:VBC CC LEOPARD 2A4

ANÁLISE COMPARATIVA. Fig 1:VBC CC LEOPARD 2A4 LEOPARD 1A5 Vs LEOPARD 2A4 ANÁLISE COMPARATIVA HISTÓRICO O projeto do Leopard começou na Alemanha em novembro de 1956. O veículo deveria ser leve, resistir a tiros rápidos de 20mm e ter proteção contra

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DO APOIO DE FOGO TERRESTRE

OS NOVOS PARADIGMAS DO APOIO DE FOGO TERRESTRE OS NOVOS PARADIGMAS DO APOIO DE FOGO TERRESTRE Cezar Carriel Benetti, Major de Artilharia, Aluno do 2º ano do Curso de Comando Estado-Maior da ECEME, Mestre em Operações Militares, (EsAO), especialista

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS MAIO 2015 COIMBRA EXÉRCITO PORTUGUÊS

ORDEM DOS ENGENHEIROS MAIO 2015 COIMBRA EXÉRCITO PORTUGUÊS ORDEM DOS ENGENHEIROS MAIO 2015 COIMBRA EXÉRCITO PORTUGUÊS REGIMENTO DE ENGENHARIA Nº1 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS EXPLOSIVOS SAPADORES C-IED EOD TEDEX CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS

Leia mais

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 Sendo o produto de maior êxito desenvolvido pela Avibrás, e o que mais lhe rendeu recursos, meio bilhão de dólares em exportações, o

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

GRUPO DE MONITORES INTERAMERICANOS NA COLÔMBIA GMI/CO

GRUPO DE MONITORES INTERAMERICANOS NA COLÔMBIA GMI/CO GRUPO DE MONITORES INTERAMERICANOS NA COLÔMBIA GMI/CO INFORMATIVO NR 06, JUNHO DE 2012 VÍTIMAS DE MINAS ANTI-PESSOAL NA COLÔMBIA SITUAÇÃO DA DESMINGEM NA COLÔMBIA Fonte: Programa Presidencial para a Ação

Leia mais

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL Anexo F(29), do Of nº 10-218/2012, da EGN ao EMA CURSO DE ESTADO-MAIOR PARA OFICIAIS INTERMEDIÁRIOS C-EMOI FASE 2 CURRÍCULO 2013 -F-1- (Continuação do Anexo F(29), do Of nº 10-218/2012, da EGN ao EMA...)

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Sumário. A Defesa Antimíssil Balístico Norte Americana Maj Art Henrique José Pereira dos Santos

Sumário. A Defesa Antimíssil Balístico Norte Americana Maj Art Henrique José Pereira dos Santos 2 Sumário Editorial Cor Art Joaquim Formeiro Monteiro Comandante do RAA 1 Discurso do Cor Art Formeiro Monteiro na Tomada de Posse do Comando do Regimento de Artilharia Antiaérea Nº 1 Joint Vision 2020

Leia mais

ACADEMIA MILITAR QUAL O PAPEL DA AÇÃO CONJUNTA DE FORÇAS PARAQUEDISTAS E FORÇAS MECANIZADAS? ESTUDO DE

ACADEMIA MILITAR QUAL O PAPEL DA AÇÃO CONJUNTA DE FORÇAS PARAQUEDISTAS E FORÇAS MECANIZADAS? ESTUDO DE ACADEMIA MILITAR QUAL O PAPEL DA AÇÃO CONJUNTA DE FORÇAS PARAQUEDISTAS E FORÇAS MECANIZADAS? ESTUDO DE CASO OPERAÇÃO MARKET-GARDEN Autor: Aspirante de Infantaria João Filipe Ferreira da Conceição Orientador:

Leia mais

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL MÁRIO DE CARVALHO uma@welvitchia.com ou mjcuma@hotmail.com www.welvitchia.com 1. QUAL É A HISTÓRIA DA EMPRESA? QUAIS SÃO AS PONTO DE PARTIDA CONDIÇÕES

Leia mais

A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES

A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES A MÁQUINA DE CORTE VECTOR É O PARADIGMA DA EXCELÊNCIA OPERACIONAL. USUFRUINDO DE 30 ANOS DE EXPERIÊNCIA E INOVAÇÃO CONTÍNUA NO CORTE AUTOMÁTICO, A LECTRA MANTÉM-SE NA LIDERANÇA,

Leia mais

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS Sem sombra de dúvida o trator articulado BV-206D é o veículo mais estranho atualmente em uso pelo Corpo de Fuzileiros Navais

Leia mais

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens João Palha Fernandes Sumário Introdução Tecnologias de base Sistema de Aviso de Pedrógão Conclusões Trabalho Futuro O Problema Em caso de ruptura de

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI CALM António Gameiro Marques

Leia mais

Syndicate Manual do Jogo para PC

Syndicate Manual do Jogo para PC Syndicate Manual do Jogo para PC 3 Introdução 4 Menu Principal 6 ecrã do Jogo 8 diário 9 combate 11 Invasão 1 Syndicate Manual do Jogo para PC 16 Melhorias 17 objectos Coleccionáveis 18 co-op Mode (Modo

Leia mais

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1.

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1. localização Bengo - Angola Dono da Obra Casa Militar do Presidente da República / GRN Custo Estimado 3 mil milhões de EUR Perspetiva geral do NAIA Fase Projeto de Execução Área 1.980 ha O Novo Aeroporto

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe 1. Apresentação Nas duas guerras mundiais do século passado, os líderes militares das principais nações envolvidas utilizavam jogos de guerra para definição de estratégias e táticas de combate. Os jogos

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DA MARINHA BRASILEIRA 2011

MODERNIZAÇÃO DA MARINHA BRASILEIRA 2011 MODERNIZAÇÃO DA MARINHA BRASILEIRA 2011 Nota do Editor: No decorrer deste artigo há menção de diversos navios, submarinos e viaturas blindadas. Para se conhecer melhor cada um dos navios comentados, clique

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC Tecnologias SIG Sistemas de Informação Geográfica Centro de Operações e Técnicas

Leia mais

TARIFAS E SERVIÇOS 2014

TARIFAS E SERVIÇOS 2014 TARIFAS E SERVIÇOS 2014 Serviços de Pesquisas e Análises de Mercado - Elaboração de lista setorial de contatos de negócios (até 15 nominativos entrega em 15 dias úteis) R$ 250,00 R$ 500,00 - Direct Marketing

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 14 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade III: Arquitetura Estratégica Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM 2. Estratégias de Marketing Estratégias

Leia mais

Relé de sub-rede (snr) A primeira rede de IP ad hoc, multiplataformas, totalmente móvel utilizando sistemas de rádio legados.

Relé de sub-rede (snr) A primeira rede de IP ad hoc, multiplataformas, totalmente móvel utilizando sistemas de rádio legados. Relé de sub-rede (snr) A primeira rede de IP ad hoc, multiplataformas, totalmente móvel utilizando sistemas de rádio legados. A necessidade cada vez maior de uma rede de IP móvel, ad hoc, de alta velocidade.

Leia mais

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL

MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL Anexo E (31), do Of. n 10-211/2014, da EGN ao EMA ----- MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE GUERRA NAVAL CURSO DE ESTADO-MAIOR PARA OFICIAIS INTERMEDIÁRIOS C-EMOI FASE 2 CURRÍCULO 2015 OSTENSIVO -E-1- C-EMOI FASE

Leia mais

Anexo L (MODELOS DE DOCUMENTOS REFERENTES AO PREPARO) à Diretriz de Preparação Específica de Tropa para Missão de Paz

Anexo L (MODELOS DE DOCUMENTOS REFERENTES AO PREPARO) à Diretriz de Preparação Específica de Tropa para Missão de Paz MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES Anexo L (MODELOS DE DOCUMENTOS REFERENTES AO PREPARO) à Diretriz de Preparação Específica de Tropa para Missão de Paz RELAÇÃO DOS

Leia mais

GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS

GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS 1. Introdução Luis Nunes 1 ; Alberto Silva 2 1 Instituto Geográfico do Exército 2 Instituto Superior Técnico (lnunes@igeoe.pt ; alberto.silva@acm.org)

Leia mais

Corrida com Barreiras

Corrida com Barreiras 1 Corrida com Barreiras Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Esta corrida de velocidade associa a aptidão de percorrer determinada distância o mais rápido possível à capacidade de transpor obstáculos

Leia mais

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes CURSO LÍDERES- CURSO INTERNACIONAL EM SAÚDE, DESASTRES E DESENVOLVIMENTO A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes David Rodrigues dos Santos Capitão Bombeiro Militar M.Sc em Desenvolvimento

Leia mais

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS AS MARCO ANTONIO DAMASCENO VIEIRA Consultor Legislativo da Área XVII Defesa Nacional, Segurança Pública Forças Armadas DEZEMBRO/2001 2 2001 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

Regimento de Guarnição N.º1

Regimento de Guarnição N.º1 Principais atividades desenvolvidas Edição N.º 02 / 2015 Cerimónia de encerramento do 2.º Curso de Formação Geral Comum de Praças do Exército / 2014 (2.ºCFGC/PE/2014) - 04 de fevereiro de 2015; Participação

Leia mais

AULAS 2008/2009. UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Estudos Políticos

AULAS 2008/2009. UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Estudos Políticos AULAS 2008/2009 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Estudos Políticos Programa de Pós-Graduação, Mestrado e Doutoramento em Ciência Política, Relações Internacionais, Segurança e Defesa Programa

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

PREVENÇÃO ESTRUTURAL DE INCÊNDIOS: ALTERNATIVAS E EFECTIVIDADE. Paulo Fernandes

PREVENÇÃO ESTRUTURAL DE INCÊNDIOS: ALTERNATIVAS E EFECTIVIDADE. Paulo Fernandes PREVENÇÃO ESTRUTURAL DE INCÊNDIOS: ALTERNATIVAS E EFECTIVIDADE Paulo Fernandes Esquema O combustível e o regime de fogo Opções de prevenção estrutural de incêndios Efectividade da prevenção estrutural:

Leia mais