Segurança Marítima: Busca e Salvamento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança Marítima: Busca e Salvamento"

Transcrição

1 Segurança, condição essencial para a segurança marítima Escola Naval, 30 de Abril de 2014

2 : Busca e João Frade 2

3 1989 Introdução EXXON VALDEZ 1912 TITANIC CATÁSTROFE 2012 COSTA CONCORDIA 3

4 Gestão de João Frade 4

5

6 Standards of Training, Certification and Watchkeeping for Seafarers Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de e de Serviço de Quartos para os Marítimos

7

8 Cap. VIII Serviço de Quartos Cap. VII alternativa Cap. VI Funções de Emergência, prevenção de acidentes, proteção (Security), cuidados médicos e sobrevivência. Cap. I Disposições Gerais Cap. II Comandante e secção de convés Cap. III Secção de máquinas Cap. IV Radiocomunicações e operadores de rádio Cap. V Requisitos especiais de formação para o pessoal de determinados tipos de navios 8

9 FUNÇÕES Introdução Nível de Gestão Níveis de Responsabilidade Comandante Imediato Chefe de Máquinas 2º Oficial de Máquinas Nível Operacional - Oficial Chefe de Quarto de Navegação ou de Máquinas Nível de Apoio Navegação Manuseamento e estiva de carga Controlo da operação do navio e assistência às pessoas a bordo Engenharia marítima Engenharia eletrotécnica, eletrónica e de controlo Manutenção e reparação Radiocomunicações 9

10 Cap. II Normas relativas aos Comandantes e Secção do Convés Introdução Tabela A-II/1 Especificações das normas mínimas de competência para oficiais chefes de quarto de navegação de navios de arqueação bruta igual ou superior a 500 AB. Tabela A- II/2 Especificações das normas mínimas de competência para Comandantes e Imediatos de navios de arqueação bruta igual ou superior a 500 AB Competência Conhecimentos, compreensão e aptidão Métodos de demonstração da competência Critérios de avaliação da competência

11 Tabela A-II/1 Especificação das normas mínimas de competência para oficiais chefes de quarto de navegação de navios de arqueação bruta igual ou superior a 500 AB Função: Navegação ao Nível Operacional Planeamento, condução da viagem e determinação da posição do navio. Manutenção de quartos de navegação em condições de segurança. Utilização do radar e do ARPA para preservação da segurança da navegação. Utilização do ECDIS para a preservação da segurança da navegação Respostas a emergências Respostas a um sinal de pedido de socorro

12 Tabela A-II/2 Especificação das normas mínimas de competência para Comandantes e Imediatos de navios de arqueação bruta igual ou superior a 500 AB Função: Navegação ao Nível de Gestão Plano de viagem e condução da navegação Determinação da posição e da precisão da posição observada por qualquer meios Determinação e compensação dos erros da agulha Coordenação de operações de busca e salvamento Organização do serviço de quartos e respectivos procedimentos.

13 Tabela A-II/2 Especificação das normas mínimas de competência para Comandantes e Imediatos de navios de arqueação bruta igual ou superior a 500 AB Resposta de emergência de navegação Manobra e governo do navio em qualquer situação Operação dos sistemas de controlo remoto da máquina e outros sistemas auxiliares Previsão meteorológica e do estado do mar

14 Tabela A-II/2 Especificação das normas mínimas de competência para Comandantes e Imediatos de navios de arqueação bruta igual ou superior a 500 AB Preservação da segurança da navegação através da utilização da informação do equipamento de navegação e dos sistemas de navegação auxiliares à tomada de decisões de comando Preservação da segurança da navegação através da utilização do ECDIS e dos sistemas de navegação auxiliares à tomada de decisões de comando.

15 : 15

16 A-II/1 Procedimentos de emergência Introdução A-II/1 Precauções a tomar para proteção e segurança dos passageiros em situações de emergência. Ações iniciais a efetuar após um abalroamento ou encalhe. Avaliação preliminar e limitação das avarias. Compreensão dos procedimentos a seguir no salvamento de náufragos, auxilio a um navio em perigo, resposta a emergência ocorrida em porto. Conhecimento do Manual Internacional Aeronáutico e Marítimo de (IAMSAR) da IMO 16

17 A-II/2 Resposta de emergência de navegação Introdução Precauções a tomar ao varar o navio. Ações a tomar em caso de encalhe iminente e após o encalhe. Pôr a flutuar um navio encalhado, com e sem auxilio. Ações a tomar em caso de abalroamento iminente e após o abalroamento ou à perda de estanquidade do casco por qualquer causa. 17

18 A-II/2 Resposta de emergência de navegação Introdução Avaliação e limitação de avarias. Governo de emergência. Organização do reboque de emergência e procedimentos de reboque. 18

19 A-II/2 Coordenação de operações de busca e salvamento Introdução Conhecimento perfeito e capacidade para aplicar os procedimentos constantes do Manual IAMSAR da IMO 19

20 20

21 Obrigado

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa Nossa Empresa A TerraMar Treinamentos foi fundada no ano de 2009, objetivando o atendimento às empresas do setor marítimo no tocante aos treinamentos de segurança, aprimoramento

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas ZODPORT EQUIPAMENTOS, ASSISTÊNCIA E ENGENHARIA, S.A. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MARÍTIMA 1 ZODPORT 2 INTERNATIONAL MARITIME

Leia mais

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978.

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978. Resolução da Assembleia da República n.º 45/98 Emendas ao anexo à Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos, 1978, e o Código de Formação,

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições Decreto n.º 21/98 Emendas ao anexo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS 74), adoptadas pela Conferência SOLAS 1994, que se referem à introdução dos novos capítulos

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISIONAL MARÍTIMO MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 CURSO DISCIPLINA

Leia mais

Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para. Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995

Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para. Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995 Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995 AS PARTES DESTA CONVENÇÃO, OBSERVANDO a Convenção Internacional sobre

Leia mais

para o exercício da actividade marítima como Pescador

para o exercício da actividade marítima como Pescador Marinhagem da Pesca Jovens, até 25, com escolaridade de 4 Conferir competências profissionais nucleares ao nível da marinhagem da pesca e permitir o ingresso no itinerário de Qualificação de como 970 horas

Leia mais

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval SOLAS História e Documentos Convenção, 1974 Protocolo, 1978 Emendas,

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 Agenda IMO Safe, secure and efficent shipping on cleaner oceans, through

Leia mais

A conferência da IMO de Manila:

A conferência da IMO de Manila: Miolo 237:Layout 1 10/09/20 11:58 Page 30 A conferência da IMO de Manila: Principais alterações à Convenção e ao Código STCW Sumário Neste artigo descrevem-se sucintamente alguns aspectos da Convenção

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela: Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança

Leia mais

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET MESTRADOS Pilotagem Engenharia de Máquinas Marítimas Sistemas Eletrónicos Marítimos Gestão Portuária LICENCIATURAS Pilotagem escola superior náutica Infante D. Henrique Engenharia de Máquinas Marítimas

Leia mais

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP 1/5 1. FINALIDADE A presente norma de procedimento operacional tem por finalidade padronizar a conduta das guarnições das Unidades do CBMERJ que operam com embarcações de combate a incêndio, dando subsídios

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice...

ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice... ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice... I II III IV V CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA ESTABELECER CONDIÇÕES E REQUISITOS PARA CONCESSÃO E DELEGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA E SALVAMENTO DE EMBARCAÇÃO,

Leia mais

PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS

PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS FICHA TÉCNICA PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 2 Nível Estratégico; Nível 4 Nível Operacional Tema 3 - Preparação e Planeamento; Tema 4 - Condução

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE CATEGORIA CLC NÍVEL CCB 9 CCB 9 1ON MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE CATEGORIA E CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 288/2000 de 25 de Maio

Portaria n.º 288/2000 de 25 de Maio Portaria n.º 288/2000 de 25 de Maio (Rectificada nos termos da Declaração de Rectificação n.º 7-J/2000, de 30 de Junho, publicada no DR, I-B, 2.º supl, n.º 149, de 30.06.2000) ANEXO N.º 1...3 ANEXO N.º

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

Causas versus Consequências. Prevenção. Escola Naval, 30.4.2014. Acidentes Marítimos. Causas. Consequências. Prevenção

Causas versus Consequências. Prevenção. Escola Naval, 30.4.2014. Acidentes Marítimos. Causas. Consequências. Prevenção 1 1 versus Escola Naval, 30.4.2014 2 2 Antecedentes um acontecimento ou uma sequência de acontecimentos diretamente relacionados com as operações de um navio ou embarcação, com exceção de atos ou omissões

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 AS PARTES DESTA CONVENÇÃO, DESEJANDO promover a segurança da vida humana e da propriedade no mar,

Leia mais

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA. Comandante Dionísio Varela

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA. Comandante Dionísio Varela SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA Comandante Dionísio Varela NAUTICAMPO 11 DE ABRILDE 2015 Agenda 1. Gestão de Segurança 2. Cultura de segurança 3. Conclusões GESTÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 946 Diário da República, 1.ª série N.º 47 6 de março de 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 51/2012 de 6 de março A segurança do transporte

Leia mais

EMPRESA GERENCIAL DE PROJETOS NAVAIS - EMGEPRON CARGO: VISTORIADOR NAVAL

EMPRESA GERENCIAL DE PROJETOS NAVAIS - EMGEPRON CARGO: VISTORIADOR NAVAL EMPRESA GERENCIAL DE PROJETOS NAVAIS - EMGEPRON CONCURSO PÚBLICO - EDITAL N 0 03/2008 CARGO: VISTORIADOR NAVAL INSTRUÇÕES GERAIS I. Nesta prova, você encontrará 5 (cinco) páginas numeradas seqüencialmente,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 0301 - INTRODUÇÃO A Diretoria de Portos e Costas recomenda e incentiva que em cada Zona de Praticagem exista apenas

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA SEGURANÇA MARÍTIMA OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA Comandante Dionísio Varela NAUTICAMPO 11 DE ABRILDE 2015 Agenda 1. Gestão de Segurança 2. Cultura de segurança 3. Conclusões Virgem do Sameiro

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 13/2007. Lei de Base de Segurança Marítima e de Prevenção contra a Poluição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. APROVA A PROPOSTA DE NORMA PARA DISCIPLINAR O CRITÉRIO REGULATÓRIO PARA A COMPROVAÇÃO DA OPERAÇÃO COMERCIAL DE EMBARCAÇÕES PELA EMPRESA BRASILEIRA

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Resolução Normativa nº 72/2006 COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Resolução Normativa nº 72/2006 COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE Resolução Normativa nº 72/2006 COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO DIRETRIZES DA RESOLUÇÃO 72 Aumentar a competitividade internacional da navegação marítima e do setor

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

CAPÍTULO 2 DOTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SISTEMAS, E PUBLI- CAÇÕES DE NAVEGAÇÃO

CAPÍTULO 2 DOTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SISTEMAS, E PUBLI- CAÇÕES DE NAVEGAÇÃO - 2-1 - CAPÍTULO 2 DOTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SISTEMAS, E PUBLI- CAÇÕES DE NAVEGAÇÃO Seção I Dotação de equipamentos e sistemas de navegação O material relacionado nesta Norma se limita aos equipamentos

Leia mais

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 O Regulamento (UE) n.º 181/2011 (a seguir designado por «Regulamento») é aplicável a partir de 1 de março de 2013. Estabelece um conjunto

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

FEMAR 137 de 20/MAI/2015 20/MAI/2017 CIAGA FEMAR. FATEC-JAHU 169 de 17/JUL/2014 17/JUL/2016 CFTP

FEMAR 137 de 20/MAI/2015 20/MAI/2017 CIAGA FEMAR. FATEC-JAHU 169 de 17/JUL/2014 17/JUL/2016 CFTP Marinha do Brasil Diretoria de Portos e Costas INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS PARA APLICAR CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PARA AQUAVIÁRIOS (DIVULGAÇÃO INTERNET E INTRANET) CURSO EMPRESAS CREDENCIADAS

Leia mais

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo)

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo) Divisão de Construção Naval SOUNETE - FÁBRICA DE APRESTOS METÁLICOS, LDA. RUA DA SEARA, 588 - OLIVEIRA DO DOURO APARTADO, 290 4431-904 VILA NOVA DE GAIA - PORTUGAL TELEFONES (351) 227860930 - FAX (351)

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos

Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 164 Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos I Aprovada na 74ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1987), entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2013/0285(NLE) 5.2.2015 *** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projeto de decisão do Conselho que autoriza os Estados-Membros a tornarem-se

Leia mais

AVARIA GROSSA PRIMEIRAS LINHAS

AVARIA GROSSA PRIMEIRAS LINHAS RESUMO Artigo que propõe apresentar as primeiras linhas sobre o tema AVARIA GROSSA, sua previsão legal, características e iniciando a abordagem prática. AVARIA GROSSA Alexandro Alves Ferreira alexandro@br-asgroup.com

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA E ABS GROUP Este ACORDO é celebrado em consonância com o estabelecido nas Normas da Autoridade Marítima para Reconhecimento

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 51/1991 Acordo de Transportes Marítimos entre a República Portuguesa e a República de Moçambique Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Leia mais

Novembro 2010 Professor de Geopolítica do Instituto de Estudos Superiores Militares

Novembro 2010 Professor de Geopolítica do Instituto de Estudos Superiores Militares Curriculum Vitae Informação pessoal Nome(s) próprio(s) / Apelido(s) Jaime Carlos do Vale Ferreira da Silva Morada(s) Rua das Palmeiras, n.º 249, 2.º B, 2775-347 Parede (Portugal) Telefone(s) 214664714

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO

I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO Centro de Direito Marítimo e dos Transportes da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Em Associação com o CIDP Centro de Investigação de Direito Privado da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares Luis Filipe Baptista 1 No artigo apresentado no número anterior da revista, com o título A Engenharia de Máquinas Marítimas na

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município.

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 011/2014, DE 09 DE ABRIL DE 2014. Altera o Anexo I do Decreto n 007/2014, que dispõe sobre as atribuições, escolaridade e salários dos cargos destinados ao Concurso Público do Município de Parelhas/RN.

Leia mais

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas * Nos termos da lei nº 67/98, de 26.10, a base de dados com todos os clientes desta

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL Decreto Lei n.º 142/2015 de 31 de julho O Decreto Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro, procedeu à alteração da estrutura do regime remuneratório aplicável aos militares dos

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa 2015 Cabe à LCT Lisbon Cruise Terminals, Ld.ª, enquanto empresa concessionária do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, nos termos do Contrato

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3. Redes de segurança

Leia mais

O Código INF e navios construídos com um propósito

O Código INF e navios construídos com um propósito WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA O Código INF e navios construídos com um propósito Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável de materiais radioativoss

Leia mais

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira.

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira. DECRETO Nº 2.256, DE 17 DE JUNHO DE 1997 Regulamenta o Registro Especial Brasileiro-REB para embarcações de que trata a Lei nº 9.432, de 8 de janeiro de 1997. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 44 4 de março de 2015 1313 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Decreto-Lei n.º 34/2015 de 4 de março Considerando a importância do elemento humano na segurança e no funcionamento

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ABALROAMENTO COM VÍTIMA FATAL ENTRE AS EMBARCAÇÕES FAST TITAN E EVILÁZIO. 06 de Março de 2011

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ABALROAMENTO COM VÍTIMA FATAL ENTRE AS EMBARCAÇÕES FAST TITAN E EVILÁZIO. 06 de Março de 2011 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ABALROAMENTO COM VÍTIMA FATAL ENTRE AS EMBARCAÇÕES FAST TITAN E EVILÁZIO 06 de Março de 2011 RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DE SEGURANÇA MARÍTIMA Supply FAST TITAN

Leia mais

Estabelecimento de Ensino: Instituto Universitário Militar. Unidade Orgânica: Escola Naval

Estabelecimento de Ensino: Instituto Universitário Militar. Unidade Orgânica: Escola Naval Estabelecimento de Ensino: Instituto Universitário Militar Unidade Orgânica: Escola Naval Mestrado Integrado em Ciências Militares Navais, especialidade Publicado em Diário da República 2ª série, nº 32

Leia mais

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho);

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho); ASPECTOS LEGAIS SOBRE A SEGURANÇA D O TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO PARA A EMPRESA NA SUA GESTÃO JURÍDICA. SEGURANÇA DO TRABALHO São os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes

Leia mais

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR 1. OBJETIVO Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização

Leia mais

1.2 - São indenizáveis até o limite máximo indicado na especificação de seguro aeronáutico, os seguintes prejuízos:

1.2 - São indenizáveis até o limite máximo indicado na especificação de seguro aeronáutico, os seguintes prejuízos: CONDIÇÕES ESPECIAIS ADITIVO A GARANTIA CASCOS 1 - Objeto do seguro 1.1. Perda ou avaria da aeronave Respeitados os limites indicados na especificação de seguro aeronáutico a Seguradora, com base nas condições

Leia mais

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA Ao longo dos últimos anos, as diretivas e regulamentos da UE, em particular os três pacotes legislativos adotados no seguimento dos desastres que envolveram

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS 2014 Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 1 Artigo 1º Objeto O presente regulamento interno estabelece as normas

Leia mais

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE Assunto página 1. Normas Aplicáveis 2 2. Tipo de Carga 2 3. Embarcações Excluídas 2 4. Estabilidade 2

Leia mais

Marinha do Brasil Diretoria de Portos e Costas

Marinha do Brasil Diretoria de Portos e Costas Diretrizes para o Controle e Gerenciamento da Água de Lastro dos Navios, para Minimizar a Transferência de Organismos Aquáticos Nocivos e Agentes Patogênicos Resolução A.868(20)-IMO Marinha do Brasil Diretoria

Leia mais

A SOLUÇÃO CONTRA OS IMPREVISTOS

A SOLUÇÃO CONTRA OS IMPREVISTOS peugeot.pt A SOLUÇÃO CONTRA OS IMPREVISTOS AVARIA & ACIDENTE 8 ANOS DE ASSISTÊNCIA EM VIAGEM GRATUITA 800 206 366 24h/DIA 7DIAS/semana ServiÇO Peugeot, Olhamos pelo seu Peugeot como ninguém ANEXO1 CONDIÇÕES

Leia mais

Anúncio de informação para a adjudicação de um contrato de serviço público 1

Anúncio de informação para a adjudicação de um contrato de serviço público 1 Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu Anúncio de

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

VISTORIADOR NAVAL. Diretoria de Portos e Costas - DPC LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA AGENDA

VISTORIADOR NAVAL. Diretoria de Portos e Costas - DPC LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA AGENDA Diretoria de Portos e Costas - DPC VISTORIADOR NAVAL G2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA 1 - A duração da prova é de 3(três) horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 -

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO Emendas de 2014 à Convenção do Trabalho Marítimo, 2006 Aprovada pela Conferência na sua centésima trigésima sessão, Genebra, 11 de junho de 2014 Tradução não oficial

Leia mais