Ministério dos Transportes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério dos Transportes"

Transcrição

1 Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo Página 1/11

2 Índice Parte A: Generalidades Aplicações Definições Siglas/Acrónimos..4 Parte B: Controlo Operacional Controlo Operacional Funções Associadas ao Controlo Operacional Pessoal Qualificado Necessário para Assumir as Funções de Controlo Operacional Competências do Oficial de Despacho Responsabilidades do Piloto Comandante Deveres do Controlo Operacional Métodos de Supervisão do Voo Instruções Operacionais.8 Parte C: Despacho de Voo Arquivo de Despachos de Voo Despacho de Voo: Requisitos da Aeronave Despacho de Voo: Requisitos da Tripulação Despacho de Voo: Equipamento e Notams Despacho de Voo: Previsão e Boletim Meteorológico Despacho de Voo em Condições de Gelo Despacho de Voo Vfr ou Ifr Despacho de Voo: Combustível Mínimo Despacho de Voo: Carga e Desempenho da Aeronave Despacho de Voo: Correcção ou Re Despacho em Voo Despacho de Voo Com Equipamento Radar Inoperativo 11 Página 2/11

3 PARTE A: Generalidades Aplicações a) Este Normativo Técnico define os princípios da República de Angola aplicáveis ao Despacho de Aeronaves inscritos num Certificado de Operador Aéreo (COA) concedidos pelo INAVIC. b) Este Normativo Técnico aplica se ao titular de um COA (Operador), ao Despachante de Voo desse Operador e qualquer controlador operacional dessa empresa Definições a) No que concerne a este capítulo, aplicar se ão os seguintes conceitos/definições: Nota: Outros conceitos e definições relacionadas com a Aviaçcão estão expostos no Capítulo 1 deste Regulamento. (1) Controlo Operacional. O exercício da autoridade sobre o início, a continuação, o desvio ou a conclusão de um voo, feito em nome da segurança, regularidade e eficiência do voo. (2) Controlo de Voo (Flight Following). O método de supervisão de voo garantindo que as horas de partida e de chegada sejam transmitidas atempadamente à base do Operador, para controlo operacional. (3) Despacho de Voo (Flight Release). A documentação que constitui o plano de voo operacional e quaisquer outros documentos que autorizam aquele voo, ou série de voos, específicos. (4) Localização de Voo (Flight Locating). O método de supervisão de voo garantindo que a aeronave e a tripulação possam ser localizadas após terminar um voo ou após um período máximo estipulado sem contacto com o Operador. (5) Monitorização de Voo (Flight Watch). O método de supervisão de voo que garante uma monitorização activa das condições que possam afectar o voo e a capacidade de comunicar com o(s) voo(s) em rota, pelo pessoal designado pelo Operador. Página 3/11

4 (6) Plano de Voo (Flight Plan). Informação específica sobre um voo, ou parte de um voo pretendido para uma aeronave, fornecida às unidades de serviços de tráfego aéreo. O termo plano de voo aplica se à informação fornecida sobre todos os itens incluídos na descrição do plano de voo, abrangendo a rota do voo completa, ou informação de carácter limitado quando se destina a obter autorização para uma parte menor do voo, como por exemplo, atravessar uma aerovia, descolar ou aterrar num aeródromo controlado. (7) Plano de Voo Operacional. O plano do operador para um voo seguro baseado nas considerações de performance da aeronave, condições relevantes esperadas na rota a seguir e outras limitações operacionais nos aeroportos ou heliportos em questão Siglas/Acrónimos a) Neste capítulo são utilizadas as seguintes siglas e acrónimos: (1) ATC Air Traffic Control Controlo de Tráfego Aéreo (2) COA Certificado de Operador Aéreo (3) ETA Estimated Time of Arrival Hora Prevista de Chegada (4) ETOPS Extended Twin engine Operations Operação de alcance prolongado com bireactores (5) IMC Instrument Meteorologic Conditions Condições meteorológicas para voos de instrumentos (6) LVTO Low Visibility Take Off Visibilidade reduzida à descolagem (7) NOTAM Notice to Airman Informações para os aviadores (8) PIC Pilot in Command Piloto Comandante (9) RFM Rotorcraft Flight Manual Manual de Voo para aeronaves com rotores (10) RVR Runway Visual range Alcance de visibilidade na pista Página 4/11

5 (11) RVSM Reduced Vertical Separation Minimums Separação vertical mínima reduzida (12) SIC Second in command Co piloto (13) SM Statute Miles Milhas terrestres (14) VMC Visual Meteorologic Conditions Condições Meteorológicas para Voo Visual PARTE B: Controlo Operacional Controlo Operacional a) Cada Operador deve exercer o controlo operacional sobre a aeronave que opera em transporte aéreo comercial. b) A tarefa principal do controlo operacional é a tomada de decisão de forma a autorizar, continuar, desviar ou concluir um voo de transporte aéreo comercial. c) Qualquer pessoa que participe na tomada de decisão de qualquer uma das tarefas e funções associadas ao controlo operacional é considerada parte do despacho de voo e como tal está sujeita aos requisitos do presente Normativo Técnico Funções Associadas ao Controlo Operacional a) A(s) pessoa(s) responsáveis pelo controlo operacional de um Operador devem: (1) Autorizar a operação de voo específica; (2) Garantir a disponibilidade de uma aeronave segura e devidamente equipada para voo; (3) Garantir a disponibilidade de pessoal qualificado e instalações adequadas de forma a apoiar e assegurar o voo; (4) Garantir o planeamento e preparação de voo apropriados; Página 5/11

6 (5) Assegurar que os procedimentos de Controlo de Voo e Localização de Voo são observados; (6) Nos voos regulares em aeronaves com capacidade para 20 passageiros ou mais, garantir a monitorização do progresso do voo e fornecer à tripulação qualquer informação relacionada com a sua segurança Pessoal Qualificado Necessário para Assumir as Funções de Controlo Operacional a) O Operador designará uma pessoa qualificada para exercer as funções e responsabilidades do controlo operacional de cada voo em transporte aéreo comercial. b) Para voos regulares de passageiros, uma pessoa qualificada para o controlo operacional estará de serviço na base de operações, de forma a assumir as funções de controlo operacional. c) O Operador utilizará um Despachante de Voo credenciado conforme o exposto no Normativo Técnico 7 e qualificado de acordo com o exposto no Normativo Técnico 14, para desempenhar as funções de controlo operacional e de despacho em voos regulares de aeronaves com capacidade para 20 ou mais passageiros. d) Para todos os outros voos, uma pessoa qualificada de acordo com o exposto na Normativo Técnico 14 poderá assumir as responsabilidades de controlo operacional e estará disponível para consulta antes, durante ou imediatamente após a operação de voo. e) Um Operador de taxi aéreo de aeronaves certificadas para operação com um só piloto, não requer ter outra pessoa qualificada para além do PIC Competências do Oficial de Despacho a) Um Despachante de Voo, quando devidamente credenciado de acordo com o exposto no Normativo Técnico 7 poderá, quando também qualificado conforme o exposto no Normativo Técnico 14, exercer as competências da sua licença, como supervisor de serviço ou no despacho imediato de aeronaves em Monitorização de Voo (Flight Watch) de uma linha aérea regular. Página 6/11

7 Responsabilidades do Piloto Comandante a) Em qualquer voo, o PIC partilha da responsabilidade de controlo operacional da aeronave e dispõe de autoridade para tomar decisões de questões de controlo operacional que decorram durante o voo. b) Quando a decisão do PIC difere do que é recomendado, a pessoa que fizer tal recomendação deverá anotar os factos associados à mesma. Nota: No entanto, nos casos específicos durante o despacho e antes de se iniciar o voo, a decisão mais conservativa em relação a segurança do voo prevalecerá. Exemplo: O Despachante de Voo propõe um plano de voo que contém mais combustível do que o PIC propõe. Desde que esse valor mais elevado seja justificado por razôes de segurança e não por razões económicas (Tankering) a decisão do Despachante prevalecerá sobre a decisão do PIC. c) O PIC poderá ser designado como a única pessoa a exercer controlo operacional quando o Operador está a utilizar Localização de Voo (Flight Locating) como o método principal de supervisão de voo Deveres do Controlo Operacional a) Nos voos de passageiros operados de acordo com um horário publicado, a pessoa qualificada a exercer os deveres do Controlo Operacional deve: (1) Assistir o PIC em matéria de preparação de voo e fornecer toda a informação relevante necessária. (2) Assistir o PIC em matéria de preparação do plano de voo e plano operacional. (3) Assinar a cópia do despacho de voo que será enviada para o Controlo Operacional. (4) Durante o voo, fornecer ao PIC, pelos meios mais rápidos, toda a informação pertinente à segurança do voo. (5) Em caso de emergência, iniciar os procedimentos a aplicar consoante o manual de operações do Operador. Página 7/11

8 b) A pessoa qualificada a desempenhar os deveres de controlo operacional deve evitar acções que poderão entrar em conflito com os procedimentos estabelecidos pelo: (1) Controlo de Tráfego Aéreo; (2) Serviço meteorológico; (3) Serviços de comunicações; (4) Operador Métodos de Supervisão do Voo a) Os três métodos de supervisão do voo ao serviço dos Operadores são: (1) Localização de Voo (Flight locating); (2) Controlo de Voo (Flight following); (3) Monitorização de Voo (Flight watch). b) Operadores de aeronaves que não sejam a jacto com peso inferior a 5700 kg e com capacidade inferior a 9 passageiros em voos não regulares (charter), estão autorizados a utilizar o método de Localização de Voo como método principal de supervisão do voo. c) Todos os outros Operadores utilizarão o método de Controlo de Voo como método principal de supervisão do voo. d) Operadores de aeronaves a jacto com peso superior a 5700 kg e com capacidade para 20 ou mais passageiros utilizarão o método de Monitorização de Voo, ou uma combinação dos métodos Monitorização de Voo e Localização de Voo conforme aprovado pelo INAVIC Instruções Operacionais a) Cada pessoa que pretenda transmitir a uma aeronave instruções operacionais que impliquem uma alteração ao plano de voo, deve coordenar estas alterações com o Controlo de Tráfego Aéreo apropriado antes de efectuar essa mesma transmissão. Página 8/11

9 PARTE C: Despacho de Voo Arquivo de Despachos de Voo a) Não é permitido emitir um despacho de voo para transporte aéreo comercial sem que os devidos documentos de preparação tenham sido verificados e declarados correctos. b) A autorização de um despacho de voo para operação de transporte aéreo comercial deve ser arquivada para eventual verificação até três meses após o voo. c) A assinatura do PIC, ou de qualquer outra pessoa para o efeito habilitada, num plano de voo arquivado, constituirá o método primário de registar essa decisão. d) A documentação relativa ao despacho de voo deve ficar com um representante do Operador no ponto de partida, salvo se o INAVIC autorizar um método diferente Despacho de Voo: Requisitos da Aeronave a) Só é permitido emitir um despacho de voo para uma operação de transporte aéreo comercial quando a aeronave se encontra em condições de voar e devidamente equipada para a operação de voo pretendida. b) Não é permitido emitir um despacho de voo para uma operação de transporte aéreo comercial em aeronave com instrumentos e equipamento inoperacionais, excepto nos termos do estipulado na Lista de Equipamento Mínimo (MEL) aprovada para o Operador e para aquele tipo de aeronave Despacho de Voo: Requisitos da Tripulação a) Só é permitido emitir um despacho de voo para uma operação de transporte aéreo comercial quando a tripulação estiver qualificada conforme o exposto nos Normativos Técnicos 14 e Despacho de Voo: Equipamento e NOTAMS a) Só é permitido autorizar uma rota ou segmento de rota quando os equipamentos de comunicações e navegação se encontrem em condições operacionais satisfatórias de forma a assegurar um voo seguro. Página 9/11

10 b) A Pessoa do Controlo Operacional assegurará que o PIC tenha à sua disposição todos os relatórios actuais ou informações sobre as condições dos aeroportos e irregularidades no equipamento de navegação que possam afectar a segurança do voo. Nota: De forma a poder rever o plano de voo operacional o PIC receberá todos os NOTAMs referentes às rotas, ajudas rádio e aeroportos Despacho de Voo: Previsão e Boletim Meteorológico a) Só quem tiver conhecimento extenso das previsões e boletins meteorológicos da rota a voar poderá emitir um despacho de voo. b) Só é permitido emitir um despacho de voo quando a pessoa responsável tiver comunicado ao PIC toda a informação e reservas eventuais em termos de previsões meteorológicas Despacho de Voo em Condições de Gelo a) Não é permitido emitir um despacho de voo quando, na opinião da pessoa responsável ou do PIC, as condições de gelo previstas ou existentes excedam as condições para as quais a aeronave está certificada e para as quais teria suficiente equipamento operacional anti congelação ou de descongelação. b) Não é permitido emitir um despacho de voo quando as condições são tais que geada, gelo ou neve possam eventualmente aderir à aeronave, salvo se existir no aeródromo de partida equipamento e instalações adequadas de forma a desempenhar os procedimentos de descongelação no chão e anti congelação aprovados para o Operador pelo INAVIC Despacho de Voo VFR ou IFR Não é permitido emitir um despacho de voo em VFR ou IFR a não ser que a previsão meteorológica aponte para que o voo seja completado conforme detalhado no plano de voo. Página 10/11

11 Despacho de Voo: Combustível Mínimo Só é permitido emitir um despacho de voo para operação de transporte aéreo comercial quando a quantidade de combustível especificada no despacho for igual ou superior aos requisitos mínimos de planeamento de voo estipulados no Normativo Técnico 10, incluindo contingências antecipadas Despacho de Voo: Carga e Desempenho da Aeronave a) Só é permitido emitir um despacho de voo quando a pessoa responsável tem conhecimento prévio da carga da aeronave e tem a certeza, dentro do que é razoável, que a operação não irá exceder: (1) Os limites do centro de gravidade; (2) As limitações operacionais da aeronave; (3) Os requisitos mínimos de desempenho Despacho de Voo: Correcção ou Re Despacho em Voo a) Sempre que haja uma correcção num despacho, a emenda deverá ser registada. b) O despacho de voo original não deve ser emendado em voo de forma a alterar o destino ou aeroporto alternativo enquanto a aeronave está em voo, salvo se os requisitos de rota, selecção de aeroportos e mínimos de combustível estiverem contemplados na altura da emenda ou re despacho. c) Se a previsão meteorológica indicar alterações para o aeroporto de destino inicialmente indicado no despacho tornando tal aeroporto inadequado, não é permitido que o voo continue Despacho de Voo com Equipamento Radar Inoperativo Não é permitido um despacho de voo de passageiros numa aeronave com o radar inoperativo, em condições de IFR ou VFR nocturno quando as condições meteorológicas na altura indicarem trovoadas ou outras más condições atmosféricas potencialmente detectáveis pelo equipamento de radar, esperadas em qualquer ponto na rota a seguir. Página 11/11

Requisitos para o Despacho de Voo

Requisitos para o Despacho de Voo Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo PARTE A: GENERALIDADES... 3 16.001 APLICAÇÕES... 3 16.003 DEFINIÇÕES... 3 16.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: CONTROLO OPERACIONAL... 4 16.010 CONTROLO

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico15 Limites dos Tempos de Serviço do Pessoal Aeronáutico Página 1/9 Índice Parte A: Generalidades.. 3 15.001 Aplicabilidade...3

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 10 Operações de Aeronaves Página 1/121 Índice Parte A: Generalidades..8 10.001 Aplicabilidade 8 10.003 Definições..9

Leia mais

Organizações de Manutenção Aprovadas

Organizações de Manutenção Aprovadas Normativo Técnico 5 Organizações de Manutenção Aprovadas PARTE A: GENERALIDADES... 3 5.001 APLICABILIDADE... 3 5.003 DEFINIÇÕES... 3 5.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADO AMO... 5 5.010 APLICABILIDADE...

Leia mais

Operações de Aeronaves

Operações de Aeronaves Normativo Técnico 10 Operações de Aeronaves PARTE A: GENERALIDADES... 8 10.001 APLICABILIDADE... 8 10.003 DEFINIÇÕES... 8 10.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 10 PARTE B: REQUISITOS DA AERONAVE... 11 10.010 MARCAS

Leia mais

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1206/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos aplicáveis à identificação das aeronaves

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 2 Registo de Aeronaves 1/12 Índice Parte A: Generalidades.3 2.001 Aplicabilidade.3 2.003 Definições...3 2.005 Siglas/Acrónimos...4

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice Gerência de Programas Gerência de Engenharia Gerência de Regulamentação Gerência de Inspeção e Produção 01 REUNIÃO DE FAMILIARIZAÇÃO Reunião para estabelecer parceria com o requerente. É uma oportunidade

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 103/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 103/IX PROPOSTA DE LEI N.º 103/IX AUTORIZA O GOVERNO A APROVAR O REGIME GERAL DE LICENCIAMENTO AERONÁUTICO CIVIL E DA CERTIFICAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DAS RESPECTIVAS ORGANIZAÇÕES DE FORMAÇÃO Exposição de motivos O

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES

DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES Instrução sobre Página 1 de 19 1. OBJECTIVO A presente directiva visa definir as medidas e os procedimentos a serem adoptados pelos operadores aéreos e pelas empresas

Leia mais

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências 1710 1785 e 1805 1880 MHz (EEC/DEC/(06)07)

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, 30.1.2015 L 24/5 REGULAMENTO (UE) 2015/140 DA COMISSÃO de 29 de janeiro de 2015 que altera o Regulamento (UE) n. o 965/2012 no que diz respeito ao compartimento estéril da tripulação de voo e que retifica

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 185 23 de Setembro de 2009 6789 de contrato de trabalho a tempo parcial e de contrato em regime de prestação de serviços, é calculado proporcionalmente. Artigo 13.º Direitos

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

1404 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 21 de Fevereiro de 2006 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

1404 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 21 de Fevereiro de 2006 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1404 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 21 de Fevereiro de 2006 aceite, formalmente, a emenda, ou dois meses após o prazo de seis meses desde a comunicação a esta Parte, pelo Secretário-Geral, da proposta

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 11 Operações de Trabalho Aéreo Página 1/32 ÍNDICE Parte A: Generalidades.4 11.001 Aplicabilidade...4 11.003 Definições.4

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 12 Certificação e Administração do Operador Aéreo Página 1/91 Índice Parte A: Generalidades.. 6 12.001 Aplicabilidade

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. (apresentada pela Comissão)

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. (apresentada pela Comissão) PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2008 COM(2008) 390 final 2008/0128 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 216/2008

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: Aprovação: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 119 EMENDA nº 02 CERTIFICAÇÃO: OPERADORES REGULARES E NÃO-REGULARES Resolução nº 307, de 6 de março de 2014, publicada no Diário Oficial

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2007

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2007 Operação de aeronaves de voo livre O Decreto-Lei n.º 238/2004, de 18 de Dezembro,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 129-001 Aprovação: Portaria nº 1143/SPO, de 10 de maio de 2016. Assunto: Procedimentos relativos a operação de empresas estrangeiras de transporte aéreo público no Brasil.

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.9-001 Aprovação: Portaria ANAC nº 1523/SAR, de 11 de agosto de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 155, S/1, págs. 1-2, de 12 de agosto de 2011. Assunto: Instruções

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ACESSO À INFORMAÇÃO, PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO E ACESSO À JUSTIÇA EM MATÉRIA DE AMBIENTE.

CONVENÇÃO SOBRE ACESSO À INFORMAÇÃO, PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO E ACESSO À JUSTIÇA EM MATÉRIA DE AMBIENTE. Resolução da Assembleia da República n.º 11/2003 Convenção sobre Acesso à Informação, Participação do Público no Processo de Tomada de Decisão e Acesso à Justiça em Matéria de Ambiente Aprova, para ratificação,

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 25/03 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade Página 1/56 Índice Parte A: Generalidades.4 4.001 Aplicabilidade.4

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 17.2.2004 L 46/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 261/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Fevereiro de 2004 que estabelece regras comuns

Leia mais

Despacho n.º 19/GDN/2010

Despacho n.º 19/GDN/2010 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL GABINETE DO DIRECTOR NACIONAL Despacho n.º 19/GDN/2010 Por despacho do Director-Geral do Ensino Superior n.º 26876/2009,

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste.

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. - REGIMENTO INTERNO Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. REGIMENTO INTERNO PREMISSAS BÁSICAS: Considerando a grande responsabilidade que compreende a execução do objeto social da

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 91-002 Aprovação: Portaria nº 2471/SPO, de 17 de setembro de 2015. Assunto: Uso de informação aeronáutica em formato digital - Electronic Flight Bag (EFB). Origem: SPO 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 19 de Março de 2008. Registado com o n.º DL 128/2008 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 19 de Março de 2008. Registado com o n.º DL 128/2008 no livro de registo de diplomas Registado com o DL 128/2008 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 19 de Março de 2008 O Regulamento (CEE) 95/93, do Conselho, aprovado em 18 de Janeiro de 1993, estabeleceu as

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX AUTORIZA O GOVERNO A CRIAR REGRAS ESPECÍFICAS SOBRE O ACESSO À PROFISSÃO DE MOTORISTA DE TÁXI, ATRAVÉS DA CONCESSÃO DE UMA AUTORIZAÇÃO EXCEPCIONAL QUE VIGORARÁ POR UM PERÍODO

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na Decreto do Governo n.º 18/86 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federal da Áustria Relativo ao Transporte Rodoviário Internacional de Passageiros e Mercadorias O Governo

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS 392A ANEXOS (Inserido pelo Regulamento (CE) n.º 1192/2008 de 17 de Novembro, publicado no JO n.º L 329 de 6 de Dezembro de 2008 e alterado pelo Regulamento (CE) n.º 414/2009 de 30 de Abril, publicado no

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1. a série 4765 da CPLP, incluindo a República de Angola, tenham depositado na sede da CPLP, junto ao seu Secretariado Executivo, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

Descrição do Serviço Envio Fast-Track

Descrição do Serviço Envio Fast-Track TERMOS E CONDIÇÕES DO ENVIO PRIORITÁRIO(EP ou o Programa ) Considerando as cláusulas abaixo estipuladas, as partes acordam no seguinte: Para efeitos do presente Acordo, aplicam-se as seguintes definições:

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA

JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Ementa: Proposta de ato normativo para regulamentar a apresentação de informações relativas à movimentação aeroportuária. 1. Do Objetivo Com o recebimento das informações

Leia mais

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA-BoS-14/259 PT Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email:

Leia mais

Jor nal Oficial L 281. da União Europeia. Legislação. Atos não legislativos. 55. o ano 13 de outubro de 2012. Edição em língua portuguesa.

Jor nal Oficial L 281. da União Europeia. Legislação. Atos não legislativos. 55. o ano 13 de outubro de 2012. Edição em língua portuguesa. Jor nal Oficial da União Europeia ISSN 1977-0774 L 281 Edição em língua portuguesa Legislação 55. o ano 13 de outubro de 2012 Índice II Atos não legislativos REGULAMENTOS Regulamento de Execução (UE) n.

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local Apresentação do serviço A Dell tem o prazer de fornecer o Serviço de (o Serviço ) de acordo com este documento (a Descrição do Serviço ). Este fornece actividades opcionais de diagnóstico no local na empresa

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL FALSEC INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL FALSEC INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL CARTA DE APROVAÇÃO INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL 06-01 Nos termos do disposto nas alíneas

Leia mais

FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO

FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO Este manual de instruções é composto de duas partes: Participação com chegada por via aérea Participação com chegada por via terrestre 1 Atenção:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 Pela Portaria n.º16/2007 de 29 de Março, foi aprovado o regulamento

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

19198 Diário da República, 2.ª série N.º 94 15 de Maio de 2009

19198 Diário da República, 2.ª série N.º 94 15 de Maio de 2009 19198 Diário da República, 2.ª série N.º 94 15 de Maio de 2009 II Serviços desconcentrados: Unidade orgânica Nome Carreira I nível II ou III nível António José Branco L. Gonçalves Trindade Técnico superior

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL de Terras de Bouro PREÂMBULO Tendo em vista a melhoria dos serviços municipais e no caso particular do arquivo do Município de Terras de Bouro, pretende-se com este Regulamento

Leia mais

ACORDO SOBRE TRANSPORTE AÉREO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA E POPULAR DA ARGÉLIA

ACORDO SOBRE TRANSPORTE AÉREO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA E POPULAR DA ARGÉLIA Decreto n.º 26/2005 Aprova o Acordo sobre Transporte Aéreo entre a República Portuguesa e a República Democrática e Popular da Argélia, assinado em Lisboa em 31 de Maio de 2005 Considerando que se afigura

Leia mais

Jornal da República. Convenção relativa à Protecção das Crianças e à Cooperação em matéria de Adopção Internacional. Haia 29/05/93

Jornal da República. Convenção relativa à Protecção das Crianças e à Cooperação em matéria de Adopção Internacional. Haia 29/05/93 mediante notificação por escrito dirigida ao Secretário-Geral das Nações Unidas. A denúncia tornar-se-á efetiva um ano após a data de recepção da notificação pelo Secretário- Geral. Convenção relativa

Leia mais

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004 Rectificação ao Regulamento (CE) n. o 847/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativo à negociação e aplicação de acordos de serviços aéreos entre Estados Membros e países

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 119 EMENDA nº 00 CERTIFICAÇÃO: OPERADORES REGULARES E NÃO-REGULARES Aprovação: Resolução ANAC nº xxx, de yy de zzzzzzzz de 2009 Origem: SSO SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E HABITAÇÃO. N. o 268 19 de Novembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7895

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E HABITAÇÃO. N. o 268 19 de Novembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7895 N. o 268 19 de Novembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7895 ção de parte do articulado e pelo aditamento de novos artigos. Neste contexto, constata-se que, quanto à contagem do período de instalação,

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 311/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 1178/2011 DA COMISSÃO de 3 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos técnicos e

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade PARTE A: GENERALIDADES... 3 4.001 APLICABILIDADE... 3 4.003 DEFINIÇÕES... 3 4.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADOS DE AERONAVEGABILIDADE...

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

DECRETO Nº 143/IX. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO Nº 143/IX. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO Nº 143/IX AUTORIZA O GOVERNO A APROVAR O REGIME GERAL DE LICENCIAMENTO AERONÁUTICO CIVIL E DA CERTIFICAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DAS RESPECTIVAS ORGANIZAÇÕES DE FORMAÇÃO A Assembleia da República decreta,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais