Regulamento Provisório de Certificação dos Maquinistas e dos Agentes para o Acompanhamento de Comboios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Provisório de Certificação dos Maquinistas e dos Agentes para o Acompanhamento de Comboios"

Transcrição

1 Regulamento Provisório de Certificação dos Maquinistas e dos Agentes para o Acompanhamento de Comboios Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e os procedimentos para a Certificação de: a) Maquinistas de locomotivas que realizem comboios comerciais de passageiros e mercadorias na rede ferroviária nacional b) Maquinistas de unidades motoras e veículos motorizados especiais utilizados na construção, conservação e manutenção das infraestruturas c) Agentes para o acompanhamento de comboios. Artigo 2º Âmbito O presente regulamento é aplicável aos maquinistas e aos agentes para o acompanhamento de comboios ao serviço das empresas de transporte ferroviário, doravante designadas por empresas ferroviárias, e aos maquinistas de veículos motorizados especiais do gestor da infraestrutura e das empresas de construção, conservação e manutenção das infraestruturas, que circulem nas linhas abertas à exploração da Rede Ferroviária Nacional. Artigo 3º Isenções Não são abrangidos pelo disposto no presente regulamento os maquinistas e os agentes para o acompanhamento de comboios da empresa ferroviária Fertagus S.A., a qual está sujeita a regulação própria no âmbito do respetivo contrato de concessão. Artigo 4º Definições Para os efeitos do presente regulamento, entende-se por: a) Maquinista : pessoa capaz e autorizada a conduzir comboios, de forma autónoma, responsável e segura, incluindo locomotivas, locomotivas de manobra, comboios de trabalhos, veículos ferroviários de manutenção ou comboios destinados ao transporte ferroviário de passageiros ou de mercadorias; b) Agente de acompanhamento : pessoa capaz e autorizada para realizar o acompanhamento de comboios nas cabinas das unidades motoras; c) Empresa de transporte ferroviário : a empresa cuja atividade consiste na prestação de serviços de transporte ferroviário de mercadorias e/ou de passageiros, devendo a tração ser obrigatoriamente garantida por essa empresa. O termo indica igualmente empresas que fornecem apenas tração;

2 d) Carta de maquinista : o documento que identifica o titular e indica as linhas, troços de linha e ramais, em que está autorizado a circular e o material circulante que está autorizado a conduzir; e) Carta de Acompanhamento de Comboios : o documento que identifica o titular e indica linhas, troços de linha, ramais em que está autorizado a exercer as suas funções; f) Entidade formadora : entidade aceite pelo IMTT para ministrar cursos de formação a pessoal com funções relevantes para a segurança ferroviária; g) Gestor de infraestrutura, empresa encarregada, em especial, do estabelecimento e da manutenção da infraestrutura ferroviária, ou de parte desta, nomeadamente da gestão dos sistemas de controlo e de segurança da infraestrutura; h) Empresas de construção, conservação e manutenção da infraestrutura: empresas que desenvolvem a sua atividade prestando serviços ao gestor da infraestrutura, que sendo detentoras de unidades motoras e/ou veículos, necessitam para o desempenho da sua atividade de deslocar os seus veículos em linhas abertas à exploração. Artigo 5º Certificação dos Maquinistas 1. A condução de comboios só pode ser efetuada por quem possua uma carta de maquinista emitida pelo IMTT, válida pelo período de 6 anos. 2. A carta de maquinista deve indicar os itinerários em que o titular é autorizado a circular e o material circulante que é autorizado a conduzir, e conterá as menções que constam do Anexo 1 ao presente regulamento. Artigo 6º Certificação de Agentes de Acompanhamento de Comboios 1. As funções de acompanhamento de comboios só podem ser efetuadas por quem possua uma carta de acompanhamento de comboios emitida pelo IMTT, válida pelo período de 6 anos. 2. A carta de acompanhamento de comboios deve indicar as linhas, troços de linha, ramais em que está autorizado a exercer as suas funções e conterá as menções que constam do Anexo 2 ao presente regulamento. Artigo 7º Requisitos de emissão da carta de maquinista Pode obter a carta de maquinista quem satisfaça cumulativamente os seguintes requisitos: a) Possua a idade mínima de 20 anos; b) Tenha a necessária aptidão física, mental e psicológica; c) Tenha completado com êxito, no mínimo, o 9º ano de escolaridade obrigatória; d) Tenha frequentado, com aproveitamento, o curso de formação previsto no artigo 13º do presente regulamento; e) Tenha sido aprovado no exame previsto no artigo 14º do presente regulamento; f) Tenha realizado o estágio profissional previsto no artigo 15º.

3 Artigo 8º Requisitos de emissão da carta de acompanhamento de comboios Pode obter a carta de acompanhamento de comboios quem satisfaça cumulativamente os seguintes requisitos: a) Possua a idade mínima de 18 anos; b) Tenha a necessária aptidão física, mental e psicológica; c) Tenha completado com êxito, no mínimo, o 9º ano de escolaridade obrigatória; d) Tenha frequentado, com aproveitamento, o curso de formação previsto no artigo 13º do presente regulamento; e) Tenha sido aprovado no exame previsto no artigo 14º do presente regulamento. f) Tenha realizado o estágio profissional previsto no artigo 15º. Artigo 9º Aptidão física e mental 1. Os exames médicos para avaliação da aptidão física e mental são efetuados por médico com especialidade em medicina do trabalho. 2. O candidato a maquinista ou a agente de acompanhamento de comboios deve ser sujeito a um exame médico geral. Na determinação do conteúdo da avaliação física e mental deve ter-se em consideração as funções sensoriais (visão, audição, perceção cromática). 3. A partir dos 40 anos de idade o exame médico deve incluir, adicionalmente, um eletrocardiograma (ECG) em repouso. Artigo 10º Aptidão psicológica 1. O exame médico para avaliação da aptidão psicológica deve ser efetuado por laboratório de psicologia público ou privado. 2. O exame deve certificar que o candidato a maquinista ou a agente de acompanhamento não sofre de deficiências psicológicas profissionais, particularmente ao nível das suas competências ou de algum fator relevante da personalidade, suscetíveis de interferir no seguro exercício das suas obrigações. Na determinação do conteúdo da avaliação psicológica, deve ter-se, pelo menos, em consideração os seguintes critérios: i) Cognitivos: atenção e concentração; memória; perceção; raciocínio; comunicação; ii) Psicomotores: tempo de reação, coordenação das mãos; iii) Comportamentais e de personalidade: autocontrolo emocional; fiabilidade comportamental; autonomia; consciência moral (responsabilidade). Artigo 11º Exames periódicos 1. A manutenção da validade da carta de maquinista e da carta de acompanhamento de comboios depende da submissão do seu titular a exames periódicos relativos aos requisitos de aptidão física. Deve ainda efetuar-se um exame médico e/ou uma avaliação psicológica específicos complementares, quando existam motivos para duvidar da sua aptidão física e mental ou psicológica. 2. Os exames periódicos devem ser feitos, pelo menos, de três em três anos, até aos 60 anos de idade e, a partir de então, todos os anos.

4 Artigo 12º Entidades formadoras As entidades formadoras carecem de aceitação pelo IMTT, a qual se baseará, essencialmente, em critérios de avaliação curricular das mesmas. Artigo 13º Formação 1. Os cursos de formação de maquinistas e de agente acompanhamento de comboios incluem uma formação teórico-prática e um estágio profissional. 2. A formação teórico-prática tem como objetivo a aquisição de conhecimentos profissionais, incluindo procedimentos e regras operacionais e conhecimentos do material circulante. O estágio profissional tem como objetivo, nomeadamente, a aquisição de conhecimentos profissionais específicos dos itinerários. 3. Os conteúdos programáticos da formação e a sua duração deverão constar de manuais elaborados pela entidade formadora e sujeitos a aprovação prévia pelo IMTT. Artigo 14º Exame teórico/prático inicial 1. O exame inicial para obtenção da carta de maquinista e carta de agente acompanhamento versará sobre as matérias constantes do manual de formação aprovado pelo IMTT, e compreenderá uma prova escrita e uma prova prática, ambas de carácter eliminatório quando forem pontuadas com valor inferior a 40%. 2. A prova escrita incluirá sessenta a setenta questões de resposta múltipla com quatro respostas possíveis, e terá a duração de 2 h. 3. A prova prática constará da avaliação do conhecimento de procedimentos e regras operacionais e do conhecimento do material circulante em ambiente de trabalho real. 4. Em caso de reprovação, o candidato pode requerer, de forma fundamentada, ao presidente do júri de exame, a revisão da prova, nos 10 dias posteriores à fixação da lista de classificações. A decisão é proferida nos 10 dias seguintes, sendo notificada ao reclamante. 5. A pontuação final do exame é determinada a partir da expressão: Média Final = (prova escrita + prova prática) /2, sendo considerados aptos os candidatos com valor final igual ou superior a 50%. 6. As classificações serão comunicadas à entidade formadora e às empresas requerentes. 7. O candidato pode, durante um ano a contar da data da prova em que não obteve aprovação, repeti-la uma vez, devendo voltar a frequentar integralmente um novo curso de formação no caso de nova reprovação. 8. Os candidatos, após aprovação em exame e sempre que haja necessidade de averbamento de novos itinerários ou de novo material circulante, serão submetidos a uma apreciação de verificação de conhecimento da nova linha ou do novo material circulante nos termos definidos no artigo 17º. 9. O material circulante necessário para a realização da prova prática será disponibilizado pela empresa requerente. Esta prova deverá ser efetuada nas condições acordadas entre a empresa e o gestor da infraestrutura ferroviária, e aprovadas pelo IMTT. 10. Qualquer custo respeitante à prova prática, nomeadamente o devido à empresa gestora da infraestrutura, deverá ser suportado pela empresa requerente. 11. O júri de exames será constituído por 6 elementos, sendo 3 efetivos e 3 suplentes, nomeados pelo IMTT.

5 12. O presidente do júri é designado pelo IMTT, podendo os vogais pertencer a empresas do sector ferroviário, tendo em conta os seus conhecimentos e experiência profissional. 13. Os eventuais custos relativos ao funcionamento do júri serão suportados pela empresa requerente. Artigo 15º Estágio profissional 1. Após aprovação na prova escrita de exame, os candidatos efetuarão o estágio profissional, ministrado pela entidade formadora no caso dos maquinistas. 2. No decorrer do estágio profissional, os formandos maquinistas devem ser acompanhados por um formador titular de carta de maquinista e de um operador de apoio, durante um número adequado de marchas ao longo do(s) itinerário(s) para onde se pretende obter a certificação. 3. O estágio profissional dos agentes de acompanhamento de comboios poderá ser realizado nas cabinas dos comboios das empresas ferroviárias, acompanhando as tripulações em serviço, após aprovação prévia pelo IMTT de um programa de estágio apresentado pelo operador. Artigo 16º Candidatura a exame 1. Os candidatos que concluam com aproveitamento a formação teórico-prática inicial, são propostos à prova escrita de exame pela empresa requerente, que enviará, ao IMTT, os processos de candidatura instruídos com os seguintes elementos: a) Pedido de realização de exame; b) Fotocópia de documento legal de identificação pessoal; c) Documento comprovativo de exame médico e psicológico, aferidor da aptidão física, mental e psicológica; d) Documento comprovativo das habilitações literárias; e) Documento comprovativo de ter completado com êxito a formação teóricoprática, emitido pela entidade formadora. 2. Os candidatos que concluam com aproveitamento o estágio profissional, são propostos à prova prática de exame pela empresa ferroviária, que enviará, ao IMTT, os processos de candidatura instruídos com os seguintes elementos: a) Pedido de realização de exame; b) Documento comprovativo da conclusão com êxito do estágio profissional, emitido pela entidade formadora. Artigo 17º Novos itinerários e/ou unidades motoras 1. Quando uma empresa pretender alargar o âmbito da validade da carta de um maquinista ou de um agente de acompanhamento a novos itinerários e/ou unidades motoras, deve: a) Organizar um processo onde indicará o plano de formação com os respetivos conteúdos programáticos e a sua duração, as datas de realização dos exames, os formadores e os examinadores. Este processo deve ser enviado ao IMTT, no mínimo com 30 dias de antecedência relativamente à data das provas de avaliação. b) Apresentar os certificados de formação e avaliação que atestem a frequência e o aproveitamento dos formandos;

6 c) Requerer ao IMTT a atualização da carta do maquinista ou do agente de acompanhamento com as novas competências adquiridas. 2. Os formadores e examinadores poderão ser agentes da entidade formadora ou da empresa requerente, desde que tenham experiência comprovada na área da condução e/ou de acompanhamento de comboios e conhecimento dos itinerários, os quais serão sujeitos a prévia aceitação pelo IMTT. 3. Os formadores não poderão realizar exames aos seus formandos. 4. As empresas devem manter, pelo período mínimo de cinco anos, o registo das ações de formação e avaliação realizadas, bem como os processos individuais dos formandos. 5. A formação no conhecimento de novos itinerários e ou unidades motoras poderá ser realizado nas cabinas de condução de comboios que se realizem no âmbito da atividade regular das respetivas empresas. Artigo 18º Dispensa de conhecimento de itinerário 1. Um maquinista não é obrigado a conhecer um determinado itinerário, quando seja acompanhado por outro maquinista titular de habilitação válida para o itinerário em causa, nas seguintes situações: a) Quando uma perturbação de serviço ferroviário implicar o desvio de comboios ou a manutenção das vias, tal como especificado pelo gestor da infraestrutura; b) Em serviços únicos excecionais que utilizem comboios de valor histórico; c) Em serviços únicos excecionais de transporte de mercadorias, mediante acordo do gestor da infraestrutura; d) Em serviços únicos excecionais de deslocação de veículos motorizados especiais utilizados na manutenção, conservação, construção ou inspeção da infraestrutura ferroviária, mediante acordo do gestor da infraestrutura; e) Para entrega ou demonstração de um novo comboio ou locomotiva; f) Para efeitos de formação e exame de maquinistas. (Revogado) Artigo 19º Taxas Artigo 20º Disposições transitórias 1. Os agentes das empresas de transporte ferroviário e do gestor da infraestrutura que à data de entrada em vigor do presente regulamento, sejam já portadores de títulos de habilitação válidos para o exercício das funções descritas no artigo 1º, estão dispensados de requerer a emissão de novas cartas, ficando, contudo, sujeitos à disciplina prevista no artigo 17º, caso a empresa pretenda alargar o âmbito da sua habilitação. 2. As empresas de transporte ferroviário e o gestor da infraestrutura devem enviar ao IMTT, em formato digital, no prazo de 60 dias a partir da data de entrada em vigor do regulamento, listagem relativa dos agentes referidos no ponto anterior, onde se indiquem, nomeadamente, os seguintes elementos: a) Identificação do agente b) Identificação do título de habilitação (número e data de validade) c) Identificação das unidades motoras autorizadas a conduzir ou acompanhar

7 d) Identificação dos itinerários e) Exames médicos/psicológicos realizados e respetiva validade 2. Para efeitos do presente regulamento, são aceites pelo IMTT as entidades formadoras na área do transporte ferroviário anteriormente aceites ou reconhecidas em processos de formação de agentes com funções relevantes para a segurança. 3. As entidades formadoras aceites pelo IMTT podem requerer a validação das ações de formação entretanto realizadas ou iniciadas, devendo, para o efeito, demonstrar inequivocamente a realização das mesmas, nomeadamente, mediante a descrição das matérias lecionadas e respetivas cargas horárias, indicação do local e data de realização, relação contendo a identificação e a classificação dos formadores e formandos, bem como fotocópia da respetiva ficha de inscrição. Artigo 21º Entrada em vigor O presente regulamento entra imediatamente em vigor, e durará até ser substituído pelo regime legal previsto na Lei n.º 16/2011, de 3 de Maio. Anexo 1 Conteúdo da Carta de Maquinista A carta de maquinista contém: a) Número e data de emissão; b) A identificação (foto, nome e n.º do documento de identificação) do maquinista; c) O nome e endereço da empresa ferroviária por conta da qual o maquinista está autorizado a conduzir; d) O tipo de serviço autorizado; e) O tipo de material circulante que o titular está autorizado a conduzir; f) As linhas, troços de linha e ramais nos quais o titular está autorizado a conduzir; g) A data de validade; h) A assinatura do responsável da entidade emissora. Anexo 2 Conteúdo da Carta de Acompanhamento de Comboios A carta de acompanhamento e preparação de comboios contém: a) Número e data de emissão; b) A identificação (foto, nome e n.º do documento de identificação) do agente; c) O nome e endereço da empresa ferroviária por conta da qual o titular está autorizado a exercer funções; d) O tipo de serviço autorizado; e) O tipo de material circulante onde o titular está autorizado a exercer funções; f) As linhas, troços de linha e ramais nos quais o titular está autorizado a exercer funções; g) A data de validade; h) A assinatura do responsável da entidade emissora

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º 80 24 de abril de 2015 2057 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 114/2015 de 24 de abril A Portaria n.º 148/2014, de 18 de julho, veio estabelecer um novo

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES N. o 64 1 de Abril de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2773 MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 342/2005 de 1 de Abril

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior OUTUBRO, 2015

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior OUTUBRO, 2015 Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior OUTUBRO, 2015 REG.CTC.08.01 Página 1 de 6 Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior da Escola

Leia mais

Mestrado Integrado em Medicina

Mestrado Integrado em Medicina Ao abrigo do disposto na alínea a) do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março, com a redação dada pelo Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, e no exercício da competência conferida pela

Leia mais

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 1 Alterações legislativas na área da habilitação de condutores Legislação alterada Algumas disposições do Código da Estrada Decreto-lei 313/2009,

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA:

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA: CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 14/06 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

Manual de Certificação

Manual de Certificação M O T O R I S T A SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL Manual de Certificação D E T Á X I DIRECÇÃO-GERAL DE TRANSPORTES TERRESTRES MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO SOCIAL INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO

Leia mais

Capítulo 1- Agências de Viagem

Capítulo 1- Agências de Viagem Capítulo 1- Agências de Viagem 1.1- Quadro Sinótico Relativamente ao D.L. n.º 199/2012, de 24 de agosto, transcrito de seguida, os seus artigos n.º s 2, 3, 4, 5 e 6 foram omitidos neste trabalho. Neles

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO Nota introdutória No âmbito das políticas do município para o apoio aos mais desprotegidos, a Câmara Municipal de Nordeste propôs-se criar um Banco de Ajudas Técnicas,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) (alterada pela Resolução Consepe n.º 24/2011) N.º 09/2010 Dispõe sobre as normas

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX AUTORIZA O GOVERNO A CRIAR REGRAS ESPECÍFICAS SOBRE O ACESSO À PROFISSÃO DE MOTORISTA DE TÁXI, ATRAVÉS DA CONCESSÃO DE UMA AUTORIZAÇÃO EXCEPCIONAL QUE VIGORARÁ POR UM PERÍODO

Leia mais

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 162/XII Aprova os requisitos de acesso e de exercício da atividade de perito qualificado para a certificação energética e de técnico de instalação e manutenção de edifícios e sistemas, conformando-o

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO «CE»

GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO «CE» Agência Ferroviária Europeia Guia de aplicação das ETI Agência Ferroviária Europeia GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

Curso de Formação Inicial de Maquinistas

Curso de Formação Inicial de Maquinistas Curso de Formação Inicial de Maquinistas - Informações - Lisboa, 11 de Setembro de 2012 Fernave, 2012 Pág. 1/6 Índice 1. Identificação do Curso... 3 2. Objectivos do Curso... 4 2.1 Objectivos Gerais...

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Regulamento para Atribuição do Título de Especialista na Escola Superior de Enfermagem Artigo 1º Objecto e âmbito 1. O Presente Regulamento titula as normas jurídicas aplicáveis ao procedimento de atribuição

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos Licença Especial Ciclomotores 14 15 anos Licença Especial 50c.c. Destina-se a jovens com 14 ou 15 anos Destina-se a jovens com 14 ou 15 anos já feitos, com aptidão física e mental, com frequência mínima

Leia mais

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento é um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que especifica as normas que

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

Formação dos profissionais de Informação Turística REGUALMENTO DO CURSO DE GUIAS DE MONTANHA 2015-16

Formação dos profissionais de Informação Turística REGUALMENTO DO CURSO DE GUIAS DE MONTANHA 2015-16 Formação dos profissionais de Informação Turística REGUALMENTO DO CURSO DE GUIAS DE MONTANHA 2015-16 Preâmbulo O presente documento regula o funcionamento do curso de Guias de Montanha ministrado na Escola

Leia mais

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Habilitação de aplicadores de produtos fitofarmacêuticos / operadores de venda Patacão, 5 de Novembro de 2014 Nídia Ramos e Maria José Romana 1 Seminário

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º10 /SP/2014 23-05-2014 ASSUNTO: REGISTO PRÉVIO PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Referências: - Lei n.º 34/2013, de 16 de maio - Portaria n.º 272/2013, de 20

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

Manual da Carta de Condução

Manual da Carta de Condução Manual da Carta de Condução Ficha Técnica 2014.10.06 Ficha Técnica MANUAL DA CARTA DE CONDUÇÃO Para conduzir um veículo a motor na via pública é necessário estar legalmente habilitado. O documento que

Leia mais

Manual de Certificação

Manual de Certificação Manual de Certificação PARTE I Certificado de Aptidão Profissional Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ÍNDICE INTRODUÇÃO PARTE I CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 O regime jurídico das armas e munições, aprovado pela Lei n.º 5/2006, de 23 de Fevereiro,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Regulamento Interno do Colégio de Ortodontia

Regulamento Interno do Colégio de Ortodontia Regulamento Interno do Colégio de Ortodontia Regulamento n.º 85/2012. D.R. n.º 43, Série II de 2012-02-29 Preâmbulo Decorridos dois anos sobre a última revisão do regulamento interno do colégio de ortodontia,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DE RONDÔNIA-DETRAN/RO

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DE RONDÔNIA-DETRAN/RO 1 EDITAL Nº 010/2016 O Diretor do Departamento de Trânsito do Estado de Rondônia - DETRAN/RO, usando de suas atribuições e tendo em vista o cumprimento à Resolução nº 358 de 13 de Agosto de 2010/CONTRAN,

Leia mais

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho (PREÂMBULO) Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho. Artigo 2.º Alterações

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA

O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Versão 1.00 Regulamento O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Versão 1.00 Regulamento O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Edição: Coordenação: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 17/CEPE, DE 03 DE MAIO DE 2006 Aprova normas para os cursos de especialização da Universidade Federal do Ceará. O Reitor da UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS TÍTULO I DA INSCRIÇÃO NA ORDEM CAPÍTULO I. Objetivos. Artigo 1.º. Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS TÍTULO I DA INSCRIÇÃO NA ORDEM CAPÍTULO I. Objetivos. Artigo 1.º. Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS TÍTULO I DA INSCRIÇÃO NA ORDEM CAPÍTULO I Objetivos Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 A inscrição de contabilistas certificados rege-se pelas disposições

Leia mais

Despacho. Regulamento dos Concursos de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

Despacho. Regulamento dos Concursos de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Despacho Regulamento dos Concursos de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Tendo em consideração que: a) De acordo com o estipulado no artigo 10º da Portaria nº 401/2007, de 5 de Abril, o Regulamento

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

DECRETO Nº 143/IX. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO Nº 143/IX. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO Nº 143/IX AUTORIZA O GOVERNO A APROVAR O REGIME GERAL DE LICENCIAMENTO AERONÁUTICO CIVIL E DA CERTIFICAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DAS RESPECTIVAS ORGANIZAÇÕES DE FORMAÇÃO A Assembleia da República decreta,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 24 de maio de 2013. Série. Número 63

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 24 de maio de 2013. Série. Número 63 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 24 de maio de 2013 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DA CULTURA, TURISMO E TRANSPORTES Portaria n.º 34/2013 Define as regras

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado Diário da República, 2.ª série N.º 59 25 de março de 2013 10441 Consultoria e Registos, o referido na alínea l) quando se trate de questões do âmbito das respetivas atribuições e relativamente às quais

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 81 28 de abril de 2014 2519

Diário da República, 1.ª série N.º 81 28 de abril de 2014 2519 Diário da República, 1.ª série N.º 81 28 de abril de 2014 2519 Psilocina 3-(-2-dimetilaminoetil)-4-(hidroxi-indol). Roliciclidina, PHP, PCPY 1 -(1 -fenilciclohexil) pirrolidina. Tenanfetamina -MDA (mais

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Freguesia da Batalha REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DA FREGUESIA DA BATALHA Introdução O associativismo desempenha um papel de importante valor na dinamização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

1. Condições de inscrição

1. Condições de inscrição Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Regulamento das provas para inscrição inicial e revalidação de registo como auditor de contas Nos termos da alínea c) do nº 2 do artigo 4º do Estatuto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 154 / 2015. Assunto: Dispõe sobre seleção interna e externa de docentes

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 154 / 2015. Assunto: Dispõe sobre seleção interna e externa de docentes CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 154 / 2015 Assunto: Dispõe sobre seleção interna e externa de docentes O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 70/2011 de 4 de Agosto de 2011

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 70/2011 de 4 de Agosto de 2011 S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 70/2011 de 4 de Agosto de 2011 A implementação da prescrição electrónica de medicamentos, seguida da posterior desmaterialização da receita médica, é uma medida constante do

Leia mais

V - Anexo V - solicitação de cancelamento ou atualização de habilitação.

V - Anexo V - solicitação de cancelamento ou atualização de habilitação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 20 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:102558-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Serviços de subscrição de periódicos, publicações informativas, bases de

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Regulamenta a Lei n.º 45/2003, de 22 de agosto, relativamente ao exercício profissional das atividades de aplicação de terapêuticas não convencionais Regulamenta a Lei n.º 45/2003, de 22 de agosto, relativamente

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE ADERE-MINHO Edição 1, Revisão 0, de 18 de Dezembro de 2012 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: [Lisa Ramos]/[Técnica de Qualidade] [Teresa Costa]/[Directora

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C /RAÍZES (GRAU I) 2015 2016 1- Organização O curso de treinadores de Futebol UEFA C /RAÍZES (Grau I) - será organizado

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

3 Anos de AD de pelo menos normal 2004 2001 2002 2003 2005 2002 2003 2004 2006 2003 2004 2005

3 Anos de AD de pelo menos normal 2004 2001 2002 2003 2005 2002 2003 2004 2006 2003 2004 2005 ASSUNTO: RECURSOS HUMANOS Concursos de promoção relativos aos anos de 2004, 2005 e 2006 Técnico Superior Assessor Por deliberação do Conselho Diretivo, de 25 de maio de 2015, foi autorizada a abertura

Leia mais

REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS TÍTULO I DA INSCRIÇÃO NA ORDEM CAPÍTULO I Objetivos Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 A inscrição de contabilistas certificados e contabilistas certificados

Leia mais

EDITAL PROGRAD nº 21, de 27 de abril de 2015 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA

EDITAL PROGRAD nº 21, de 27 de abril de 2015 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA EDITAL PROGRAD nº 21, de 27 de abril de 2015 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), no uso de

Leia mais

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor CHEQUE - FORMAÇÃO Criar valor Legislação Enquadradora A medida Cheque-Formação, criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR Campus Académico de Santo André Escola Superior de Tecnologia e Gestão Jean Piaget do Litoral Alentejano REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO ANO LETIVO DE 2013-2014

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS DEVIDAS AO ICP-ANACOM

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS DEVIDAS AO ICP-ANACOM I RELATÓRIO 1. Por deliberação de 1 de Julho de 2009, o Conselho de Administração aprovou o Regulamento de liquidação e cobrança de taxas devidas ao ICP-ANACOM, tendo nessa data sido igualmente aprovado

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 19 de Novembro de 2010 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO INTERNO DE ATRIBUIÇÃO DE EQUIVALÊNCIA DE HABILITAÇÕES ESTRANGEIRAS AO GRAU DE LICENCIADO

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Execução de tarefas de proteção contra as radiações em projetos de desmantelamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DE 2 CICLO DE ESTUDOS CONFERENTES DO GRAU DE MESTRE DA FFUL

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DE 2 CICLO DE ESTUDOS CONFERENTES DO GRAU DE MESTRE DA FFUL FAR~Z6 REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DE 2 CICLO DE ESTUDOS CONFERENTES DO GRAU DE MESTRE DA FFUL Na sequência da adequação dos cursos de 2 ciclo de estudos (Mestrados) desta Faculdade, operada à luz do

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC Fixa normas para o reconhecimento da equivalência de estudos da Educação Básica e Profissional realizados no exterior, revalidação

Leia mais

C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL

C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL 1. Matrícula e Inscrição 1.1. Ingressei no IPL através do Concurso Nacional de Acesso. Como procedo para efectuar a matrícula/inscrição?

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Nos termos do n.º 1 do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso,

Leia mais