ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN"

Transcrição

1 ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro de 2008, que estabelece um regime comunitário para prevenir, impedir e eliminar a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada. A presente adenda diz respeito ao texto integral do manual em língua inglesa, bem como às versões reduzidas nas outras línguas oficiais da UE. Caso as alterações digam apenas respeito ao texto em língua inglesa, isso é referido, no início do parágrafo, pela expressão «aplica-se apenas à versão em língua inglesa». A presente adenda tem como único objectivo fornecer informações. Não substitui nem acrescenta nada ao disposto no Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho e no Regulamento (CE) n.º 1010/2009 da Comissão, que constituem a base jurídica aplicável. Tratado de Lisboa Na sequência da entrada em vigor do Tratado de Lisboa, em 1 de Dezembro de 2009, as seguintes expressões utilizadas no Manual são substituídas como indicado: - «Comunidade Europeia» por «União Europeia» - «CE» por «UE» (excepto nas referências à legislação como, por exemplo, Regulamento (CE) do Conselho) - «Comunidade» por «UE» - «Lista de navios INN da CE» por «lista de navios INN da UE» - «Sistema comunitário de alerta» por «sistema de alerta da UE» Regulamento de controlo da UE (Aplica-se apenas à versão em língua inglesa) Após a publicação do Manual, o Regulamento de controlo, que entrou em vigor em 1 de Janeiro de 2010, foi adoptado com o seguinte título: «Regulamento (CE) n.º 1224/2009 do Conselho, de 20 de Novembro de 2009, que institui um regime comunitário de controlo a fim de assegurar o cumprimento das regras da Política Comum das Pescas». Por conseguinte, as referências à proposta de Regulamento do Conselho, que institui um regime comunitário de controlo a fim de assegurar o cumprimento das regras da Política Comum das Pescas, devem ser substituídas por referências ao Regulamento de controlo nos seguintes pontos: - Ponto 2. Informações de carácter geral, no título «Regulamento INN e o sistema de controlo da UE». - Ponto 4. Quais as regras aplicáveis à inspecção de navios e de produtos da pesca de países terceiros nos Estados-Membros da UE, em resposta à pergunta: Que faz a UE para controlar os seus navios? - Ponto 5. Regime de certificação de capturas - Ponto Perguntas específicas sobre as tarefas e responsabilidades das diversas partes envolvidas (E) Capitães de navios de pesca de países terceiros Na pergunta «Que regras são aplicáveis ao meu navio em águas da União»? 1

2 Nova legislação: Alterações ao Regulamento INN e ao seu Regulamento de execução A partir de 1 de Janeiro de 2010, a UE adoptou duas alterações ao Regulamento INN e ao seu Regulamento de execução. As referências a estas duas alterações são as seguintes: «Regulamento (UE) n.º 86/2010 da Comissão, de 29 de Janeiro de 2010, que altera o anexo I do Regulamento n.º 1005/2008 do Conselho no que diz respeito à definição de produtos da pesca e o Regulamento (CE) n.º 1010/2009 da Comissão no que se refere ao intercâmbio de informações sobre as inspecções de navios de países terceiros e aos acordos administrativos em matéria de certificados de captura» e «Regulamento (UE) n.º 395/2010 da Comissão, de 7 de Maio de 2010, que altera o Regulamento (CE) n.º 1010/2009 no que se refere aos acordos administrativos em matéria de certificados de captura». A primeira alteração diz respeito ao anexo I do Regulamento INN e adiciona novos produtos à lista de produtos excluídos do âmbito de aplicação do regime de certificação de capturas. Por conseguinte, qualquer referência no Manual ao anexo I do Regulamento INN deve ser substituída por uma referência ao anexo I do Regulamento (UE) n.º 86/2010. Esta primeira alteração também transpõe para o direito da UE três acordos administrativos com a Noruega, os Estados Unidos e a Nova Zelândia, incluindo os modelos de certificados de captura utilizados pelos referidos países. Para informações mais pormenorizadas, ver ponto 5.15 do Manual: «Utilização de sistemas de rastreabilidade electrónicos sob o controlo de países terceiros / acordos especiais entre um país terceiro e a Comissão». Mediante a segunda alteração, são transpostos para o direito da UE três acordos administrativos com o Canadá, a Islândia e as Ilhas Faroé, incluindo os modelos de certificados de captura utilizados pelos referidos países. Capturas efectuadas antes de 1 de Janeiro de 2010 (Aplica-se apenas à versão em língua inglesa) No ponto 3 «Princípios gerais e âmbito de aplicação do Regulamento INN», na pergunta «Existe a possibilidade de a entrada em vigor decorrer de forma gradual e flexível a fim de permitir a adaptação dos países em desenvolvimento à nova situação?», e na pergunta «O Regulamento INN aplica-se a capturas efectuadas antes de 1 de Janeiro de 2010?», é aditado às respostas o seguinte texto: «As declarações que indicam que as capturas foram efectuadas antes da entrada em vigor do Regulamento INN poderão ser utilizadas pelos países terceiros para distinguir essas capturas das efectuadas depois de 1 de Janeiro de Contudo, uma vez que não existem requisitos jurídicos relativos a capturas efectuadas antes de 1 de Janeiro de 2010, as referidas declarações nunca deverão ser designadas por «declarações de isenção». Tais declarações poderão ser utilizadas pelas autoridades competentes dos Estados-Membros da UE a título informativo, mas não podem ser consideradas elementos de prova formais e não impedirão a realização das verificações devidas.» Actividades de pesca sem o apoio de navios 2

3 (Aplica-se apenas à versão em língua inglesa) No ponto 3 «Princípios gerais e âmbito de aplicação do Regulamento INN», ao título «Âmbito de aplicação e definições do Regulamento INN», no final do terceiro parágrafo, é aditado o seguinte: «A pesca sem navios (no sentido de actividades de pesca não apoiadas por navios) não é abrangida pelo âmbito de aplicação do Regulamento INN. Por conseguinte, as importações na UE de produtos originários da pesca sem navios não são acompanhadas de certificados de captura. A Comissão Europeia solicitou a todos os países terceiros interessados que comunicassem informações pertinentes sobre este tipo de pesca, a fim de facilitar a identificação de produtos abrangidos pelo âmbito de aplicação do regime de certificação de capturas». Notificação prévia por navios de países terceiros (Aplica-se apenas à versão em língua inglesa) No ponto 4 «Quais as regras aplicáveis à inspecção de navios e de produtos da pesca de países terceiros nos Estados-Membros da UE?», à parte «Notificação prévia (artigo 6.º), no final do terceiro parágrafo, é aditada a seguinte expressão: «O prazo de notificação prévia para os navios islandeses e noruegueses é de duas horas, em conformidade com o Regulamento (CE) n.º 1292/97 da Comissão, de 3 de Julho de 1997, que fixa determinados prazos de notificação para os navios de pesca arvorando pavilhão de determinados países terceiros ou neles registados». Autorização de entrada em portos da UE (Aplica-se apenas à versão em língua inglesa) No ponto 4 «Quais as regras aplicáveis à inspecção de navios e de produtos da pesca de países terceiros nos Estados-Membros da UE?», no título «Autorização de entrada nos portos da UE (Artigo 7.º)», o período «Os Estados-Membros da UE podem autorizar o acesso a um porto se os produtos da pesca não forem acompanhados de um certificado de captura, desde que os produtos da pesca em causa sejam mantidos em armazém até conclusão do processo de controlo» é substituído pelo seguinte: «Nos termos do artigo 7.º, n.º 3, do Regulamento INN, os Estados-Membros da UE podem autorizar o acesso a um porto dos navios de pesca de países terceiros que pretendam desembarcar as suas capturas nesse porto, mesmo que os produtos da pesca não sejam acompanhados de certificado de captura. Nesses casos, o Estado-Membro pode manter esses produtos em armazém, durante um período máximo de 14 dias, até à recepção do certificado de captura ou até os produtos serem sujeitos a um procedimento de trânsito. Após decorrido o período de 14 dias, o Estado-Membro do porto pode confiscar os produtos da pesca em conformidade com o disposto na legislação nacional». Importação de produtos de amostra Ao ponto 5.2 «Produtos em causa» é aditado o seguinte parágrafo: «Todas as amostras de produtos da pesca (mesmo as pequenas amostras) também são abrangidas pelo âmbito de aplicação do Regulamento INN. Não está previsto um peso mínimo abaixo do qual as amostras são excluídas do âmbito de aplicação do Regulamento». 3

4 Utilização de um único certificado de captura que contemple várias capturas pelo mesmo navio e/ou capturas por vários navios No ponto 5.7 «Importação de remessas mistas», o primeiro parágrafo é suprimido e substituído pelo seguinte texto: «Nos termos do artigo 12.º, n.º 3, do Regulamento INN, «o certificado de captura contém todas as informações indicadas no modelo constante do anexo II e é validado pelo Estado de pavilhão do navio ou navios de pesca que efectuaram as capturas a partir das quais foram obtidos os produtos da pesca». Assim, quando uma remessa é composta por produtos obtidos a partir de diferentes capturas efectuadas pelo mesmo navio e/ou a partir de diferentes navios arvorando o mesmo pavilhão, pode ser utilizado um único certificado de captura para a totalidade da remessa, desde que as informações exigidas relativas a cada navio constem do anexo do certificado. Nesses casos, as autoridades do Estado de pavilhão deverão assegurar que todas as páginas suplementares incluem o mesmo número de referência do certificado de captura e a mesma data de validação. Convém igualmente referir que o artigo 12.º, n.º 3, e o certificado de captura simplificado são duas possibilidades diferentes que não devem ser confundidas. O certificado de captura simplificado só pode ser utilizado se forem cumpridos determinados critérios (ver artigo 6.º do Regulamento INN). O artigo 12.º, n.º 3, aplica-se a situações em que não pode ser utilizado o certificado de captura simplificado». Notificações das autoridades competentes de países terceiros No ponto 5.12, à parte C «Papel das autoridades de países terceiros», a seguir ao período «As notificações recebidas posteriormente serão válidas a partir da data em que forem tornadas públicas», é aditado o seguinte: «Assim, os produtos da pesca capturados entre 1 de Janeiro de 2010 e a data de publicação da notificação não podem entrar no mercado da UE mesmo depois de publicada a notificação. Não é autorizada a validação retrospectiva de certificados de captura que incluam pescado capturado no referido período. Além disso, qualquer país terceiro, para ser autorizado a exportar os seus produtos da pesca para a UE, deve ainda constar da lista da DG SANCO «de países terceiros e territórios a partir dos quais são autorizadas as importações de moluscos bivalves, equinodermes, tunicados, gastrópodes marinhos e produtos da pesca». Nos casos em que a notificação de um país terceiro tenha sido publicada nos termos do disposto no Regulamento INN, mas em que o país não figure na lista da DG SANCO, não são autorizadas importações de produtos da pesca a partir desse país». Procedimentos de trânsito No ponto 5.12, parte D, alínea f), «Pescado desembarcado em trânsito para outro Estado-Membro ou transbordado para outro Estado-Membro», o último período do segundo parágrafo «Em relação às operações de trânsito, compete a cada Estado- Membro decidir se deseja realizar as verificações no porto ou no destino final e comunicar a sua decisão à Comissão, que a publicará no seu sítio Web» é alterado do seguinte modo: «Importa salientar que, em relação às operações de trânsito no território de um Estado-Membro, compete a cada Estado-Membro decidir se deseja 4

5 realizar as verificações no porto ou no destino final e comunicar a sua decisão à Comissão, que a publicará no seu sítio Web (artigo 19.º, n.º 2, do Regulamento INN). (Aplica-se apenas à versão em língua inglesa) No ponto 5.12, na parte E «Papel da Comissão Europeia», a referência ao artigo 19.º, n.º 1, no último travessão, deve ser substituída por uma referência ao artigo 19.º, n.º 2. (Aplica-se apenas à versão em língua inglesa) No ponto 5.13, na parte E «Controlos e verificações do certificado de captura (artigos 16.º e 17.º)», o primeiro período do segundo parágrafo é alterado do seguinte modo: «No caso de produtos da pesca em trânsito no Estado-Membro de primeira entrada para outro Estado-Membro, os controlos e verificações devem ser efectuados pelo Estado-Membro de destino final». É suprimida a restante parte do parágrafo. Descrição do produto No ponto 5.16, à parte «Secções 2 a 5», é aditado o seguinte, antes do parágrafo «Secção 3 (descrição do produto)»: «A descrição do produto deve referir-se apenas à parte efectivamente exportada para a UE e não à captura propriamente dita. Tal aplica-se aos produtos de países terceiros exportados para a UE e também às exportações de capturas da UE, quando é exigido um certificado de captura». Tipos de peso a incluir no certificado de captura No ponto 5.16, no título «Secções 2 a 5», é aditado o seguinte às partes referentes ao peso do produto a indicar no certificado de captura: «Em geral, o peso a indicar deve referir-se à remessa a ser exportada. Deve ser preenchido apenas um dos campos «Peso vivo estimado» ou «Peso a desembarcar estimado» (e, ainda, o peso desembarcado verificado, caso esta informação se encontre disponível). Se a quantidade exportada de um exportador de um país terceiro constituir uma parte de um desembarque de um navio, o peso corresponderá apenas à quantidade exportada indicada no campo «Peso vivo estimado» e não à quantidade desembarcada na sua totalidade. Se a totalidade da captura for exportada aquando do desembarque pelo capitão ou o seu representante, o peso corresponderá à totalidade da captura, ou seja, «Peso a desembarcar estimado (e, ainda, o peso desembarcado verificado, se adequado)». De qualquer modo, as informações sobre o peso da remessa a exportar devem ser sistematicamente indicadas no certificado». Transbordo No ponto 5.16, na «Secção 7 (autorização de transbordo numa zona portuária), os períodos, «Se o transbordo for autorizado, compete ao país terceiro organizar o seu procedimento de controlo e validação e notificar a(s) sua(s) autoridade(s) competente(s) à Comissão Europeia. A autoridade competente para efectuar este controlo, devidamente notificada, deve assinar esta parte do certificado de captura», passam a ter a seguinte redacção: «Se o transbordo for autorizado, compete ao país terceiro organizar o seu procedimento de controlo e validação. A autoridade competente para efectuar este controlo deve assinar esta parte do certificado de captura». 5

6 Original do certificado de captura À parte final do ponto 5.17 «Tramitação do certificado de captura», é aditado o seguinte: «As autoridades dos Estados-Membros devem conservar os originais dos certificados de captura apresentados para importação durante um período de três anos, ou um período superior nos termos da legislação nacional. No caso de certificados de captura validados por autoridades da UE para as capturas da União Europeia exportadas para países terceiros, os Estados-Membros devem conservar uma cópia do certificado (já que o original é enviado para o país terceiro). No caso de certificados de captura estabelecidos por meios electrónicos, o documento transmitido pelo sistema é considerado o original». Regime de trânsito certificação de capturas», parte A «Âmbito, formalidades, distribuição de tarefas», na pergunta «Os produtos em trânsito num porto da UE, mas que não se destinam ao mercado da UE, necessitam de um certificado de captura?», é aditado à resposta o seguinte: «Quando os produtos da pesca estão armazenados num entreposto aduaneiro, até o operador tomar uma decisão comercial relativamente ao seu destino final, não precisam de ser acompanhados de um certificado de captura. Se o destino final for um Estado-Membro da UE, o certificado de captura deve ser apresentado três dias antes da introdução em livre prática dos produtos no mercado da UE e não no momento em que os produtos estão armazenados no entreposto aduaneiro». Perguntas frequentes certificados de captura», parte A «Âmbito, formalidades, distribuição de tarefas», na última pergunta «Como será a verificação realizada, se um produto entrar na UE por um país apenas para trânsito mas o seu destino final for outro Estado-Membro da UE? Onde é que a verificação tem lugar: no Estado-Membro de primeira entrada ou no Estado-membro de destino final?», o primeiro período da resposta passa a ter a seguinte redacção: «A autoridade competente do Estado-Membro da UE de destino final será responsável pela verificação nos termos do artigo 19.º, n.º 1». certificados de captura», parte B «Remessas, transformação, reexportação», na segunda pergunta «Como deve o certificado de captura ser preenchido no caso de uma remessa mista composta por vários produtos provenientes de diversas capturas?», o período na resposta «Se esta for composta por produtos provenientes de diversas capturas, obtidas por navios diferentes, é necessário anexar um certificado relativo a cada captura» é substituído pelo texto seguinte: «Nos termos do artigo 12.º, n.º 3, do Regulamento INN («O certificado de captura contém todas as informações indicadas no modelo constante do anexo II e é validado pelo Estado de pavilhão do navio ou navios de pesca que efectuaram as capturas a partir das quais foram obtidos os produtos da pesca.»), quando uma remessa é 6

7 composta por produtos provenientes de diversas capturas, e/ou produtos obtidos por navios diferentes, pode ser utilizado um único certificado de captura para a totalidade da remessa, desde que as informações exigidas relativas a cada navio constem do anexo do certificado». certificados de captura», parte B «Remessas, transformação, reexportação, na pergunta «São necessárias cópias dos certificados de captura, se uma remessa for dividida para exportação?», o período na resposta «Todos os produtos da pesca contidos na remessa, que não estejam isentos do regime de certificação das capturas, devem ser objecto de um ou mais certificado(s) de captura validados, dependendo do número de navios de pesca responsáveis pelas capturas visadas por esta operação» passa a ter a seguinte redacção: «Todos os produtos da pesca, que não estejam isentos do regime de certificação das capturas, contidos numa remessa devem ser acompanhados de um ou mais certificado(s) de captura validados». certificados de captura», parte B «Remessas, transformação, reexportação», são introduzidos os parágrafos seguintes: «- P.: Os originais dos certificados de captura devem acompanhar sempre as remessas exportadas para a UE»? «R.: Sim, os originais devem acompanhar sempre as remessas exportadas para a UE. Existe uma única excepção a esta regra: quando as capturas provenientes de um determinado país terceiro são transformadas noutro país terceiro e posteriormente divididas em diversos lotes para exportação. Neste caso, as diferentes remessas podem ser acompanhadas de cópias do original do certificado de captura, juntamente com a declaração de transformação constante do anexo IV do Regulamento INN. Relativamente aos originais, ver o aditamento ao ponto 5.17 supra». 7

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 6.2.2003 L 31/3 REGULAMENTO (CE) N. o 223/2003 DA COMISSÃO de 5 de Fevereiro de 2003 que diz respeito aos requisitos em matéria de rotulagem relacionados com o modo de produção biológico aplicáveis aos

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 12.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 207/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 809/2011 DA COMISSÃO de 11 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (CE)

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa a um procedimento simplificado de tratamento de certas operações de concentração nos termos do Regulamento (CEE) n 4064/89 do Conselho (Texto relevante para efeitos do

Leia mais

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS 392A ANEXOS (Inserido pelo Regulamento (CE) n.º 1192/2008 de 17 de Novembro, publicado no JO n.º L 329 de 6 de Dezembro de 2008 e alterado pelo Regulamento (CE) n.º 414/2009 de 30 de Abril, publicado no

Leia mais

I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA

I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA NOTA SOBRE A VERIFICAÇÃO DA OBSERVÂNCIA (CONTROLO) DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES DE UM PRODUTO CUJO NOME É UMA DOP OU UMA IGP I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA A legislação comunitária em

Leia mais

ALTERAÇÕES 9-25. PT Unida na diversidade PT 2013/0106(COD) 11.7.2013. Projeto de parecer Nathalie Griesbeck (PE513.286v01-00)

ALTERAÇÕES 9-25. PT Unida na diversidade PT 2013/0106(COD) 11.7.2013. Projeto de parecer Nathalie Griesbeck (PE513.286v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Transportes e do Turismo 11.7.2013 2013/0106(COD) ALTERAÇÕES 9-25 Projeto de parecer Nathalie Griesbeck (PE513.286v01-00) sobre a proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533)

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533) 1965R0019 PT 01.05.2004 006.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BREGULAMENTO N. o 19/65/CEE DO CONSELHO de 2 de Março de 1965 relativo à aplicação

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda.

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 08.II.2006 C(2006) 241 final Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. Excelência, I. Procedimento

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO «CE»

GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO «CE» Agência Ferroviária Europeia Guia de aplicação das ETI Agência Ferroviária Europeia GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Decreto n.º 24/95 Acordo Internacional sobre Cumprimento de Medidas de Conservação e Gestão de Recursos no Alto Mar

Decreto n.º 24/95 Acordo Internacional sobre Cumprimento de Medidas de Conservação e Gestão de Recursos no Alto Mar Decreto n.º 24/95 Acordo Internacional sobre Cumprimento de Medidas de Conservação e Gestão de Recursos no Alto Mar Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o

Leia mais

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS CONTRATOS PÚBLICOS As entidades públicas celebram contratos para assegurar o fornecimento de obras e a prestação de serviços. Estes contratos, concluídos mediante remuneração com um ou mais operadores,

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 4 de Maio de 2001

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 4 de Maio de 2001 28.5.2001 L 141/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 993/2001 DA COMISSÃO de 4 de Maio de 2001 que altera o Regulamento (CEE) n. o 2454/93 que fixa determinadas

Leia mais

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004 Rectificação ao Regulamento (CE) n. o 847/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativo à negociação e aplicação de acordos de serviços aéreos entre Estados Membros e países

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS)

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) NOTA DO EDITOR E INTRODUÇÃO GERAL Índice 1 Objeto...

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Execução de tarefas de proteção contra as radiações em projetos de desmantelamento

Leia mais

22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47

22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47 22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47 REGULAMENTO (CE) N. o 1739/2005 DA COMISSÃO de 21 de Outubro de 2005 que define as condições de polícia sanitária para a circulação de animais de circo

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 7.7.2006 Jornal Oficial da União Europeia L 186/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1028/2006 DO CONSELHO de 19 de Junho de 2006 relativo às normas de

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de 31.3.2015

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de 31.3.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.3.2015 C(2015) 2146 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO de 31.3.2015 que altera os anexos III, V e VII do Regulamento (UE) n.º 211/2011 do Parlamento Europeu

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 13 de Fevereiro de 2004 PE 337.066/12-17 ALTERAÇÕES 12-17 Projecto de recomendação para segunda leitura

Leia mais

do presente Protocolo, a torná-las vigentes e a garantir a respectiva aplicação.

do presente Protocolo, a torná-las vigentes e a garantir a respectiva aplicação. Resolução da Assembleia da República n.º 5/2001 Aprova, para adesão, o Protocolo de Emenda à Convenção para a Supressão do Tráfico de Mulheres e Crianças e à Convenção para Supressão do Tráfico de Mulheres

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio

Leia mais

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS A criação de um mercado único europeu dos transportes rodoviários não é possível sem uma harmonização das disposições legais em vigor nos Estados-Membros.

Leia mais

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves.

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 286-B/2014, de 31 de dezembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD)

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) 5 de Fevereiro de 2004 PROJECTO DE PARECER da Comissão da Indústria, do Comércio

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 8.4.2016 COM(2016) 189 final 2016/0096 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à celebração do Acordo entre a União Europeia e as Ilhas Salomão sobre a isenção de visto

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

1 - A presente Convenção aplica-se a todas as pessoas empregadas, com excepção dos marítimos.

1 - A presente Convenção aplica-se a todas as pessoas empregadas, com excepção dos marítimos. Convenção nº. 132/70 Organização Internacional do Trabalho relativa a Férias Remuneradas A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.5.2015 COM(2015) 186 final 2015/0097 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à posição a adotar, em nome da União Europeia, no Comité Misto do EEE sobre uma alteração

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:102558-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Serviços de subscrição de periódicos, publicações informativas, bases de

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º / DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º / DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.6.2010 COM(2010)325 final 2010/0175 (COD) C7-0156/10 Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º / DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de que altera o Regulamento (CE) n.º 2187/2005

Leia mais

Licenças para transferência, importação e exportação de produtos militares

Licenças para transferência, importação e exportação de produtos militares Licenças para transferência, importação e exportação de produtos João Tiago Silveira Carolina Melo Duarte Curso de Pós-Graduação em Direito da Defesa Nacional ICJP e IDEFF/Faculdade de Direito de Lisboa

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:351310-2012:text:pt:html GR-Tessalónica: Prestação de serviços por parte de um organizador profissional de conferências

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

Itália-Ispra: Contrato-quadro de serviços relativo à manutenção de exaustores no JRC de Ispra Dividido em 3 lotes 2015/S 241-436449

Itália-Ispra: Contrato-quadro de serviços relativo à manutenção de exaustores no JRC de Ispra Dividido em 3 lotes 2015/S 241-436449 1 / 10 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:436449-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Contrato-quadro de serviços relativo à manutenção de exaustores no JRC de Ispra

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.6.2008 SEC(2008) 2109 final Projecto de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU, DO CONSELHO, DA COMISSÃO, DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, DO TRIBUNAL DE CONTAS,

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Desenvolvimento de tecnologias de informação e informações sobre o mercado

Leia mais

ACORDO SOBRE A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ENTRE OS ESTADOS PARTE DO TRATADO DO ATLÂNTICO NORTE

ACORDO SOBRE A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ENTRE OS ESTADOS PARTE DO TRATADO DO ATLÂNTICO NORTE Resolução da Assembleia da República n.º 15/2000 Acordo sobre a Segurança da Informação entre os Estados Parte do Tratado do Atlântico Norte, concluído em Bruxelas em 6 de Março de 1997 Aprova, para ratificação,

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n.

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n. PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.8.2010 COM(2010) 459 final 2010/0240 (NLE) Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS

CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS A conservação dos recursos haliêuticos envolve a necessidade de assegurar uma exploração sustentável desses mesmos recursos e a viabilidade a longo prazo do setor.

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X Para a realização dos objectivos da União Europeia, importa melhorar as normas que regulam o auxílio judiciário mútuo em matéria penal entre os Estados Membros da União Europeia.

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º 00327/11/PT WP 180 Parecer 9/2011 sobre a proposta revista da indústria relativa a um quadro para as avaliações do impacto das aplicações RFID na

Leia mais

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Banco de Portugal Carta-Circular nº 1 /99/DDE/DOC, de 07-01-1999 ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Como foi oportunamente divulgado está essa instituição sujeita, a partir de 1 de

Leia mais

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 REGULAMENTO (CE) N. o 734/2008 DO CONSELHO de 15 de Julho de 2008 relativo à protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis do alto mar contra os efeitos

Leia mais

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036 Página Web 1 de 7 Avis juridique important 31995L0063 Directiva 95/63/CE do Conselho, de 5 de Dezembro de 1995, que altera a Directiva 89/655/CEE, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU L 123/94 Jornal Oficial da União Europeia 19.5.2009 ORIENTAÇÕES BANCO CENTRAL EUROPEU ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 7 de Maio de 2009 que altera a Orientação BCE/2007/2 relativa a um sistema de

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:63712-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local

Leia mais

1. Requisitos quanto a detecção e sensores

1. Requisitos quanto a detecção e sensores TERMOS DE REFERÊNCIA DO EUROSISTEMA PARA A UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS DE DEPÓSITO, ESCOLHA E LEVANTAMENTO POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, BEM COMO QUALQUER OUTRA INSTITUIÇÃO DA ÁREA DO EURO, QUE INTERVENHAM,

Leia mais

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo)

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) CONTRATO-MODELO Reembolso dos custos para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) NB: O presente contrato é utilizado quando a contribuição comunitária consiste num montante fixo. A contribuição

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 70/XII Define os meios de prevenção e combate ao furto e de recetação de metais não preciosos com valor comercial e prevê mecanismos adicionais e de reforço no âmbito da fiscalização da atividade

Leia mais

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Manuel Sebastião Brasília 21 de Maio de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MODERNIZAÇÃO DAS REGRAS ARTIGOS 81 e 82 3. O CONTROLO DE CONCENTRAÇÕES 4. CONCLUSÕES

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:121273-2015:text:pt:html Portugal-Lisboa: FC.14.ADM.034.5.0 Prestação de serviços de formação linguística a favor do

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES 1996L0034 PT 05.02.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de armazenamento em baterias

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2009R0041 PT 10.02.2009 000.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 41/2009 DA COMISSÃO de 20 de Janeiro de 2009 relativo à composição

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU C 213/16 Jornal Oficial da União Europeia 20.7.2011 III (Actos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 11 de Março de 2011 sobre uma recomendação

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Cartografia costeira MARE/2014/10 2014/S 152-272371. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Cartografia costeira MARE/2014/10 2014/S 152-272371. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:272371-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Cartografia costeira MARE/2014/10 2014/S 152-272371 Anúncio de concurso Serviços

Leia mais

Decreto n.º 28/88 de 6 de Setembro Protocolo à Convenção Relativa ao Contrato de Transporte Internacional de Mercadorias por Estrada

Decreto n.º 28/88 de 6 de Setembro Protocolo à Convenção Relativa ao Contrato de Transporte Internacional de Mercadorias por Estrada Decreto n.º 28/88 de 6 de Setembro Protocolo à Convenção Relativa ao Contrato de Transporte Internacional de Mercadorias por Estrada Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 ADENDA À NOTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: COREPER de 9 de Abril de 2003 Assunto: Tributação da energia Junto

Leia mais

ACORDO ADMINISTRATIVO RELATIVO À APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DO CHILE

ACORDO ADMINISTRATIVO RELATIVO À APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DO CHILE Decreto n.º 57/99 Acordo Administrativo Relativo à Aplicação da Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a República do Chile, assinado em Lisboa em 25 de Março de 1999 Nos termos

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Notas explicativas Regras de facturação do IVA

Notas explicativas Regras de facturação do IVA Notas explicativas Regras de facturação do IVA (Directiva 2010/45/UE do Conselho) Porquê notas explicativas? O objectivo das notas explicativas é permitir uma melhor compreensão da legislação adoptada

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:256528-2012:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:256528-2012:text:pt:html 1/13 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:256528-2012:text:pt:html I-Ispra: Contrato-quadro com vista à prestação do serviço de manutenção para instrumentos de

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Assembleia Nacional Resolução n.º 4/06 de 22 de Fevereiro Considerando que à luz das disposições da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 10 de Dezembro de 1982,

Leia mais

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS Preâmbulo Os Estados-membros do Conselho da Europa, bem como os outros Estados signatários da presente Convenção, Considerando que o objetivo

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:87482-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:87482-2014:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:87482-2014:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Criação de uma nova experiência ao nível do utilizador para o portal Web

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 217/18 PT DIRECTIVA 98/48/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Julho de 1998 que altera a Directiva 98/34/CE relativa a um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentações

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841 Directriz de Revisão/Auditoria 841 1 Dezembro de 2001 Verificação das Entradas em Espécie para Realização de Capital das Sociedades ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-6 OBJECTIVO 7-8 PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

Carlos Carvalho Paulo Marques JUNHO 2013

Carlos Carvalho Paulo Marques JUNHO 2013 Carlos Carvalho Paulo Marques JUNHO 2013 Desmaterializar e informatizar o processo de forma a: Permitir o armazenamento e fácil consulta à informação; Criar bases de dados sobre o fluxo das mercadorias;

Leia mais

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Actualmente em Macau, designa-se geralmente por compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

Alemanha-Karlsruhe: Organização de cursos de formação em línguas para o ITU 2015/S 188-340301. Anúncio de concurso. Serviços

Alemanha-Karlsruhe: Organização de cursos de formação em línguas para o ITU 2015/S 188-340301. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:340301-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Organização de cursos de formação em línguas para o ITU 2015/S 188-340301

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

INDÍCE. Capítulo 1.- Introdução 2. Capítulo 2.-Normas técnicas 3. Capítulo 3.-Normas de Procedimento do SIRCA/suínos 4. 3.1-Funções do IFAP 5

INDÍCE. Capítulo 1.- Introdução 2. Capítulo 2.-Normas técnicas 3. Capítulo 3.-Normas de Procedimento do SIRCA/suínos 4. 3.1-Funções do IFAP 5 INDÍCE Capítulo 1.- Introdução 2 Capítulo 2.-Normas técnicas 3 Capítulo 3.-Normas de Procedimento do SIRCA/suínos 4 3.1-Funções do IFAP 5 3.2-Funções da UTS, após solicitação de recolha 5 3.3-Funções do

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico Regulamento Considerando que se mostra da maior relevância: a) Reconhecer e premiar a excelência de trabalhos jornalísticos

Leia mais