COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS"

Transcrição

1 COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências e MHz (EEC/DEC/(06)07) MEMORANDO EXPLICATIVO 1. INTRODUÇÃO O recurso às comunicações móveis, qualquer que seja a localização do utilizador, tem constituído uma necessidade crescente. Isto inclui igualmente a utilização de telemóveis GSM a bordo de aeronaves. Não obstante, o bom funcionamento de sistemas que dêem resposta a esta situação depende do estabelecimento de uma base para a livre circulação deste equipamento na Europa, bem como da disponibilização de acesso ao espectro necessário, assegurando por outro lado que todas as questões em matéria de segurança aeronáutica são devidamente abordadas. 2. ÂMBITO A presente Decisão abrange as questões que respeitam a regulamentação das radiocomunicações relativamente ao funcionamento destes sistemas, e não aos aspectos de segurança de aviação (relacionados tanto com factores técnicos como humanos), que se encontram abrangidos nas responsabilidades das autoridades de aviação competentes. 3. HISTORIAL O Comité das Comunicações Electrónicas (EEC) tem por objectivo facilitar a livre circulação e utilização de equipamentos de rádio. A presente Decisão pretende ampliar a aplicação deste objectivo genérico de forma a incluir o campo do transporte aéreo. O sistema considerado nesta Decisão (isto é, o equipamento necessário para estabelecer um sistema GSM de pico células 1, na faixa dos 1800 MHz, a bordo de aeronaves, impedindo o estabelecimento de comunicação directa dos terminais móveis a bordo com as redes móveis em terra, o Sistema ) pretende constituir uma interface para os terminais móveis GSM a bordo, oferendo uma vasta gama de serviços normalmente prestados por redes GSM. É importante garantir que os terminais móveis a bordo das aeronaves não tentem estabelecer comunicação directa com Estações Emissoras Receptoras de Base em terra (Base Transceiver 1 Pico células são células utilizadas principalmente em espaços interiores, neste caso a bordo de aeronaves. 1

2 Stations BTS ), comunicando apenas com a BTS da aeronave. A ligação entre o sistema a bordo e o sistema em terra não é abrangida pelo âmbito de aplicação da presente Decisão. Esta ligação funcionará em faixas de frequências distintas, provavelmente recorrendo se a ligações via satélite, as quais devem operar ao abrigo das Decisões EEC relevantes. O Sistema deve funcionar apenas em determinadas fases do voo, excluindo os períodos em que a aeronave se encontra no solo, e as fases de descolagem e aterragem. Torna se necessária uma abordagem harmonizada ao Sistema, em paralelo com uma utilização harmonizada que garanta a prestação de um serviço sem interrupções à medida que a aeronave atravessa as fronteiras entre os vários países, reduzindo em simultâneo a carga regulamentar que recai sobre as Administrações, operadores de redes GSM e operadores de aeronaves. Será muito frequente que durante um voo a aeronave percorra o espaço aéreo de mais de um país, permanecendo durante um curto período apenas no espaço aéreo de um dado país. Por conseguinte, é necessário adoptar uma estratégia regulamentar comum que garanta que o espectro utilizado pelo Sistema possa ser utilizado independentemente do espaço aéreo que a aeronave atravesse, desde que o Sistema cumpra limites estabelecidos, de forma a evitar interferências nocivas. Para efeitos desta Decisão apenas, assume se que a responsabilidade pela autorização do espectro utilizado a bordo da aeronave como parte do Sistema recai sobre o país de registo da aeronave. A certificação de aeronavegabilidade do Sistema é uma responsabilidade a assumir em separado pelas autoridades de aviação competentes do país de registo da aeronave. 4. NECESSIDADE DE UMA DECISÃO EEC Verifica se a necessidade de uma Decisão EEC que incida sobre a utilização harmonizada do Sistema nas faixas de frequências GSM dos 1800 MHz e ao acesso às mesmas. Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências e MHz (EEC/DEC/(06)07) A Conferência Europeia das Administrações dos Correios e Telecomunicações, considerando a) Que todos os Estados gozam de soberania no espaço aéreo 2, incluindo o espectro de radiofrequências, sobre o seu território; 2 Definido como: espaço sobre um determinado território nacional, que se considera pertencente ao Governo do território. Não inclui o espaço exterior, que de acordo com o Tratado do Espaço Exterior de 1967 foi declarado livre e não sujeito a apropriação nacional. 2

3 b) A adopção pela EEC do Relatório 093 intitulado Compatibilidade entre equipamento GSM a bordo de aeronaves e redes terrestres ; c) Que de acordo com o Regulamento de Radiocomunicações da UIT as faixas dos e MHz estão atribuídas ao serviço móvel numa base co primária; d) Que as faixas de frequências dos e MHz foram atribuídas ao sistema GSM na Europa; e) Que o chamado Sistema (isto é, o equipamento necessário para estabelecer um sistema GSM de pico células, na faixa dos 1800 MHz, a bordo de aeronaves, impedindo o estabelecimento de comunicação directa dos terminais móveis a bordo com as redes móveis em terra) poderia permitir a utilização de terminais móveis GSM a bordo de aeronaves durante o voo; f) Que se devem tomar medidas adequadas para assegurar que os terminais a bordo estão desligados quando o sistema GSM não estiver em funcionamento e que os terminais móveis não controlados pelo Sistema (tais como os terminais de redes móveis profissionais) permanecem desligados durante todo o voo; g) Que, desde que os níveis de potência e faixas de frequências utilizados pelo Sistema estejam devidamente controlados e que os terminais móveis a bordo da aeronave durante o voo sejam impedidos de tentar estabelecer comunicação directa com redes terrestres móveis, podendo apenas comunicar com o Sistema disponível a bordo, é possível garantir que não ocorrerão interferências nocivas sobre sistemas que operem no exterior da aeronave; h) Que o efeito do Sistema pode ser confinado ao interior da aeronave, facilitando a utilização eficiente do espectro; i) Que sem prejuízo dos requisitos mínimos de altura definidos no Anexo, as Administrações podem impor restrições de altura ou geográficas suplementares para o funcionamento do Sistema no território, quando justificado pelas condições topográficas nacionais e as condições de implantação das redes terrestres no país; j) Que para efeitos da presente Decisão, considera se que o espaço no interior da cabina da aeronave está sob o controlo do país de registo da aeronave e que o Sistema é utilizado apenas na aeronave; k) Que para este efeito o país de registo da aeronave é responsável pelo espectro utilizado pelo Sistema a bordo da mesma, de acordo com o regime de autorização do país; l) Que a utilização das frequências em questão está sujeita à autorização de uma Administração apenas, porém tais frequências podem ser utilizadas no espaço aéreo de outros países; m) Que a instalação e utilização do Sistema na aeronave estão sujeitas à regulamentação, incluindo certificação de aeronavegabilidade, por parte das autoridades de aviação competentes, não podendo o Sistema entrar em funcionamento sem que tais requisitos sejam cumpridos; n) Que a presente Decisão não aborda as questões relacionadas com as ligações comunicacionais entre o Sistema e as redes terrestres; o) Que se devem tomar todas as medidas necessárias de supervisão do cumprimento dos parâmetros técnicos relevantes definidos no Anexo pelo Sistema e respectiva instalação; 3

4 p) Que, não obstante as medidas tomadas no sentido de evitar as interferências nocivas referidas nos considerandos g), h), i) e o), poderá ainda ser necessário que as Administrações prestem mutuamente assistência no sentido da resolução atempada de relatórios de interferências, em conformidade com os procedimentos adequados da UIT; q) Que o Sistema presta um serviço de comunicações electrónicas a terminais móveis GSM no interior de uma aeronave durante um voo; r) Que a presente Decisão não impede os países membros da UE/EFTA de dar cumprimento às obrigações que lhes são impostas pelas normas comunitárias; DECIDE 1. Que as Administrações devem autorizar a utilização do Sistema nas faixas de frequências dos e MHz, desde que o operador do sistema tenha sido autorizado a operar o Sistema (incluindo o direito de utilização do espectro necessário) pelo país de registo da aeronave, de acordo com as restrições referidas no considerando i); 2. Que o Sistema não deve causar qualquer interferência nociva sobre demais sistemas autorizados, nem reivindicar protecção contra os mesmos; 3. Que a utilização do Sistema deverá cumprir os requisitos técnicos e operacionais definidos no Anexo; 4. Que a presente Decisão entra em vigor a 1 de Dezembro de 2006; 5. Que a data de implementação desta Decisão deverá ser preferencialmente 1 de Junho de 2007; 6. Que as Administrações da CEPT deverão comunicar as medidas tomadas a nível nacional para a implementação desta Decisão ao Presidente do EEC e ao ERO; 7. Que as Administrações da CEPT deverão comunicar ao ERO todas a medidas suplementares tomadas a nível nacional que completem a presente Decisão de acordo com o considerando i), que devem ser publicitadas no sítio do ERO (http//:www.ero.dk). Nota: O sítio do ERO (http//:www.ero.dk) contém uma actualização permanente das medidas de implementação desta e de outras Decisões ECC. 4

5 ANEXO REQUISITOS TÉCNICOS E OPERACIONAIS PARA SISTEMAS GSM A BORDO A.1 Descrição do sistema GSM a bordo O sistema de comunicações móveis GSM a bordo (o Sistema) permite que os passageiros das companhias aéreas utilizem os seus terminais móveis pessoais durante fases de voo aprovadas. O acesso GSM a bordo das aeronaves é prestado por uma ou mais pico células BTS (Estação emissora receptora de base da aeronave BTS da aeronave). Os terminais móveis a bordo devem ser impedidos de tentar estabelecer comunicação directa com as redes móveis em terra. Isto pode ser garantido: Pela instalação de uma unidade de controlo da rede (NCU) que aumenta o patamar de ruído dentro da cabina nas faixas de recepção das comunicações móveis e/ou; Dotando a fuselagem da aeronave de imunidade às RF de forma a atenuar o sinal de que passa para dentro e fora da fuselagem. A potência a bordo dos terminais móveis GSM a bordo é controlada pela BTS da aeronave para que estes transmitam a um nível mínimo. A BTS da aeronave funciona na faixa GSM Esta faixa foi escolhida pois a potência de emissão mínima do terminal móvel é menor do que na faixa GSM 900 e porque a atenuação da transmissão (path loss) é superior na faixa GSM A potência da NCU deve ser suficiente para impedir que as redes terrestres sejam perceptíveis embora não tão forte que cause interferências nocivas a estas mesmas redes. Da mesma forma, a potência da BTS da aeronave deve ser suficiente para prestar um serviço fiável, sem causar interferências nocivas às redes terrestres. As redes terrestres protegidas são as que funcionam nas seguintes faixas de frequências: MHz MHz / MHz MHz / MHz MHz / MHz Poderá verificar se no futuro a necessidade de tratar de questões ligadas a outras faixas de frequências (tais como as da faixa MHz). A presente Decisão aplica se ao funcionamento do Sistema a uma altura mínima acima do solo de 3000 metros. 5

6 A.2 IMPEDIMENTO DA LIGAÇÃO DOS TERMINAIS MÓVEIS ÀS REDES EM TERRA Durante o período em que o funcionamento dos terminais móveis GSM é autorizado numa aeronave, os terminais móveis que recebem comunicações dentro das faixas de frequências enumeradas na tabela 2 devem ser impedidos de tentar estabelecer comunicação directa com as redes móveis em terra. Faixa de frequências (MHz) Sistemas em terra CDMA2000, FLASH OFDM GSM, WCDMA GSM, WCDMA WCDMA Tabela 1 No caso de se recorrer a uma NCU, o patamar de ruído emitido deverá ser o suficiente para impedir que os terminais entrem em comunicação directa com as redes terrestres, cumprindo em simultâneo o limite, descrito na secção A.3, de potência máxima emitida pela aeronave nas faixas de recepção das comunicações móveis 4. A.3 P.I.R.E. DA NCU/BTS DA AERONAVE, MEDIDA FORA DA AERONAVE A p.i.r.e. total, medida fora da aeronave, da NCU/BTS da aeronave não deve ultrapassar 5 : Altura acima do solo (m) P.i.r.e. máxima produzida pela NCU/ BTS da aeronave, medida fora da aeronave em db/canal Faixa: 450 MHz Faixa: 900 MHz Faixa: 1800 MHz Faixa: 2 GHz Largura de banda Largura de banda Largura de banda Largura de banda do do canal = 1.25 Hz do canal =200 khz do canal =200 khz canal =3.84 MHz Tabela 2 Deve notar se que os limites definidos na Tabela 2 dependem do ângulo de elevação ao terminal vítima no solo (ver apêndice a este anexo). Os valores indicados na tabela destinamse ao caso de o terminal vítima se encontrar directamente sob a aeronave, e por conseguinte devem ser considerados valores prudentes. 3 Os parâmetros dos sistemas vítima tomados em consideração foram utilizados ao definir os limites descritos neste anexo; ver relatório 93 da EEC para referência dos valores assumidos nos estudos. 4 Se estes dois requisitos não puderem ser cumpridos em simultâneo para uma determinada altura de aeronave, deve aumentar se a altura mínima de funcionamento do Sistema. 5 Os valores referidos nas tabelas 2 e 3 correspondem ao aumento máximo do patamar de ruído na recepção 1 db (i.e. I/N 6 db), com elevada fiabilidade estatística, utilizando os tipos mais sensíveis de estações de base e terminais. 6

7 A.4 P.I.R.E. DO TERMINAL A BORDO, MEDIDA FORA DA AERONAVE A p.i.r.e medida fora da aeronave, do terminal móvel GSM que transmite a 0 dbm não deve ultrapassar 6 : Altura acima P.i.r.e. máxima, medida fora da aeronave, do terminal móvel GSM em do solo (m) dbm/canal 1800 MHz Tabela 3 Deve notar se que os limites definidos na Tabela 3 dependem do ângulo de elevação à estação de base vítima no solo (ver apêndice a este anexo). Os valores indicados na tabela correspondem a um ângulo de elevação de 2º, tratando se de dados prudentes. A.5 ALTURA MÍNIMA ACIMA DO SOLO A altura mínima acima do solo para qualquer transmissão do sistema em funcionamento deve ser 3000 metros. No entanto, este requisito de altura mínima poderá ser definido a um nível mais elevado, nomeadamente: Para efeitos de cumprimento dos requisitos da BTS da aeronave e de emissão dos terminais a bordo, estabelecidos nas secções anteriores, Quando justificado pelas condições topográficas nacionais e as condições de implantação das redes terrestres num dado país. A.6 REQUISITOS OPERACIONAIS A BTS da aeronave deve limitar a potência de emissão de todos os terminais móveis GSM que emitem na faixa dos 1800 MHz a um valor nominal de 0 dbm em todas as etapas da comunicação, incluindo o acesso inicial. Devem ser tomadas medidas adequadas para assegurar que os terminais a bordo estão desligados sempre que o sistema GSM não estiver em funcionamento e que os terminais móveis não controlados pelo Sistema (tais como os terminais de redes móveis profissionais) permanecem desligados durante todo o voo. 6 Os valores referidos nas tabelas 2 e 3 correspondem ao aumento máximo do patamar de ruído na recepção 1 db (i.e. I/N 6 db), com elevada fiabilidade estatística, utilizando os tipos mais sensíveis de estações de base e terminais. 7

8 APÊNDICE AO ANEXO: CONSIDERAÇÕES QUANTO À IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA Considerações sobre a concepção/instalação dos sistemas Os requisitos de funcionamento de um sistema GSM a bordo, que pretendem garantir a ausência de interferências nas redes terrestres, dependem fortemente de muitos factores ligados ao Sistema, incluindo o tamanho e tipo da aeronave, as características de isolamento de RF, as características de propagação no interior da cabina e a instalação do sistema a bordo. A definição de requisitos de emissão fora da aeronave (ver pontos A.3 e A.4) apresenta as seguintes vantagens: Os limites são independentes do tipo de aeronave e das características técnicas, tais como tamanho, construção da fuselagem, características de imunidade às RF, etc.; Os limites estabelecidos são neutros do ponto de vista tecnológico, na medida em que não assumem a instalação de um tipo específico de sistema GSM em voo (isto é, se o sistema utiliza ou não as NCU, que tipo de antenas são usados nas BTS das aeronaves, etc.) Os fabricantes e operadores dos sistemas GSM a bordo têm liberdade para definir um equilíbrio entre elementos diferentes de concepção de sistema técnico e a escolha de tipo de instalação que respeite os limites estabelecidos, tais como: o Variação da potência de saída da NCU/ BTS da aeronave no interior da cabina dependendo da atenuação da fuselagem; o Escolha para a NCU/BTS da aeronave de um tipo de antena e da quantidade e colocação apropriados da mesma, que garanta o máximo de eficácia da cobertura na cabina, limitando em simultâneo a radiação para o exterior da aeronave; o Avaliação mais precisa das características de propagação na cabina, por exemplo, variação da intensidade do sinal consoante a disposição interior da cabina, inserindo este dado na avaliação das emissões para o exterior da aeronave. As administrações que desejem autorizar o funcionamento de sistemas GSM a bordo podem incluir a documentação que inclua a descrição da avaliação da instalação daqueles sistemas nas formalidades de autorização. Por outro lado, as Administrações que autorizem sistemas GSM a bordo podem ainda tomar em consideração diversos factores de mitigação tais como a distribuição de portadoras nas faixas autorizadas. Apresenta se nas subsecções seguintes alguns factores que podem ser considerados como parte de uma avaliação pormenorizada. O Relatório 93 da EEC disponibiliza informações adicionais sobre estas questões. 8

9 Atenuação da fuselagem da aeronave A atenuação da aeronave é um factor muito relevante no que respeita à forma como os limites de emissão fora da aeronave se relacionam com os parâmetros actuais do equipamento do sistema GSM instalado a bordo da aeronave (nomeadamente potência de saída da NCU/ BTS da aeronave, o tipo de antena e as características da radiação). No entanto, este factor depende fortemente das especificidades da aeronave, tais como tamanho, construção e material da fuselagem, número de janelas, etc. Por esta razão, é impraticável definir uma única relação precisa (uma fórmula analítica ou empírica) que seja aplicável a todos os tipos de aeronaves. Prevê se que os fabricantes/operadores tenham a possibilidade de avaliar com um grau de precisão razoável a atenuação de fuselagem para cada tipo específico de aeronave em que se deseje instalar o sistema GSM a bordo, estabelecendo a relação entre os limites de emissão fora da aeronave com os parâmetros do equipamento e limites de emissão no interior da aeronave considerada em específico. Ângulo de elevação do receptor vítima no solo As pesquisas descritas no Relatório 93 da EEC demonstram que os limites de radiação máxima do sistema GSM a bordo, de protecção das redes terrestres, dependem do ângulo de elevação a que o receptor vítima no solo avista a aeronave interferente. Isto resulta do facto de, para uma dada altura, existirem dois factores que variam inversamente com o ângulo de elevação da aeronave: quanto menor for o ângulo de elevação, maior a distância da aeronave e a atenuação da transmissão em espaço livre; mas Quanto menor for o ângulo de elevação, maior é o ganho da antena receptora vítima do BTS no solo. Como o ângulo de elevação se modifica à medida que a aeronave passa sobre as estações de base terrestres, deve assumir se o pior cenário de ângulo de elevação ao serem inferidos os limites de radiação definidos no anexo. Se for conhecido o padrão de radiação da aeronave, esta informação deve ter tomada em consideração ao serem definidos os limites de emissão de um tipo de aeronave e instalação específicos (por exemplo, posicionamento das antenas de NCU/ BTS da aeronave relativamente às janelas da aeronave). A secção 8 do Relatório 93 da EEC disponibiliza informações adicionais sobre esta questão (incluindo gráficos sobre limites de emissão como função do ângulo de elevação). 9

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

QUARTO PROTOCOLO AO ACORDO GERAL SOBRE O COMÉRCIO DE SERVIÇOS

QUARTO PROTOCOLO AO ACORDO GERAL SOBRE O COMÉRCIO DE SERVIÇOS Decreto n.º 8/98 de 7 de Março Quarto Protocolo ao Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços e as alterações à Lista de Compromissos Específicos das Comunidades Europeias e seus Estados Membros em matéria

Leia mais

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1206/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos aplicáveis à identificação das aeronaves

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. (apresentada pela Comissão)

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. (apresentada pela Comissão) PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2008 COM(2008) 390 final 2008/0128 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 216/2008

Leia mais

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB)

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) Revisto a 30 de janeiro de 2015 A tecnologia UWB permite o desenvolvimento de uma vasta variedade de novos dispositivos de curto

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA-BoS-14/259 PT Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email:

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa a um procedimento simplificado de tratamento de certas operações de concentração nos termos do Regulamento (CEE) n 4064/89 do Conselho (Texto relevante para efeitos do

Leia mais

Programas de Acção. Page 34

Programas de Acção. Page 34 Page 34 Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas Transposição do novo quadro regulamentar. Acompanhamento da implementação das novas estruturas organizacionais

Leia mais

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998 Decisão ERC (98)25 Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico Aprovada em 23 de novembro de 1998 Alterada em 1 de junho de 2012 ERC/DEC(98)25 Página 2

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Jurídicos. 10.6.2005 PE 360.003v01-00

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Jurídicos. 10.6.2005 PE 360.003v01-00 PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão dos Assuntos Jurídicos 2009 10.6.2005 PE 360.003v01-00 ALTERAÇÕES 1-17 Projecto de recomendação para segunda leitura Michel Rocard Patenteabilidade das invenções

Leia mais

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 REGULAMENTO (CE) N. o 734/2008 DO CONSELHO de 15 de Julho de 2008 relativo à protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis do alto mar contra os efeitos

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

1404 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 21 de Fevereiro de 2006 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

1404 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 21 de Fevereiro de 2006 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1404 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 21 de Fevereiro de 2006 aceite, formalmente, a emenda, ou dois meses após o prazo de seis meses desde a comunicação a esta Parte, pelo Secretário-Geral, da proposta

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO ORGANISMOS NOTIFICADOS PARA O REGULAMENTO DOS PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO ORGANISMOS NOTIFICADOS PARA O REGULAMENTO DOS PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO 2013-05-15 1. Objetivo O presente documento tem como finalidade definir o viço de acreditação específico para aplicação do Regulamento (UE) n.º 305/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 9 de março

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 237/2006 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 237/2006 de 14 de Dezembro MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 237/2006 de 14 de Dezembro O presente decreto-lei transpõe para a ordem jurídica interna as Directivas n.os 2004/104/CE, da Comissão, de 14 de Outubro,

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47

22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47 22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47 REGULAMENTO (CE) N. o 1739/2005 DA COMISSÃO de 21 de Outubro de 2005 que define as condições de polícia sanitária para a circulação de animais de circo

Leia mais

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR?

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR? Briefing MARÇO 2013 01 Entrada em vigor das novas regras aplicáveis aos derivados - EMIR O Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia adoptaram, em 4 de Julho de 2012, o Regulamento (UE) n.º 648/2012

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E HABITAÇÃO. N. o 268 19 de Novembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7895

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E HABITAÇÃO. N. o 268 19 de Novembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7895 N. o 268 19 de Novembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7895 ção de parte do articulado e pelo aditamento de novos artigos. Neste contexto, constata-se que, quanto à contagem do período de instalação,

Leia mais

澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU

澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU DIRECTIVA CONTRA O BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DO TERRORISMO SOBRE TRANSACÇÕES EM NUMERÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Directiva contra o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

Resposta da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA (Sonaecom) à consulta pública sobre o Quadro Nacional de Atribuição de Frequências 2010 (QNAF 2010)

Resposta da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA (Sonaecom) à consulta pública sobre o Quadro Nacional de Atribuição de Frequências 2010 (QNAF 2010) Resposta da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA (Sonaecom) à consulta pública sobre o Quadro Nacional de Atribuição de Frequências 2010 (QNAF 2010) I. Introdução O espectro radioeléctrico é um recurso

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Guidelines Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Data: 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Índice I. Âmbito 3 II. Definições

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004 Rectificação ao Regulamento (CE) n. o 847/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativo à negociação e aplicação de acordos de serviços aéreos entre Estados Membros e países

Leia mais

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentário da APRITEL 17 de Março de 2009 APRITEL comentarios DL23-2009

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo Página 1/11 Índice Parte A: Generalidades..3 16.001 Aplicações.3 16.003 Definições..3

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO "A - "A - COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 4.8.2004 COM(2004) 537 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa às propostas de emendas apresentadas em nome da Comunidade Europeia e dos Estados-Membros

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.10.2011 SEC(2011) 1218 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Resumo da Avaliação de Impacto que acompanha o documento Proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n.

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n. PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.8.2010 COM(2010) 459 final 2010/0240 (NLE) Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Informação Técnica Derating de temperatura para Sunny Boy e Sunny Tripower

Informação Técnica Derating de temperatura para Sunny Boy e Sunny Tripower Informação Técnica Derating de temperatura para Sunny Boy e Sunny Tripower No caso de derating de temperatura, o inversor reduz a sua potência para proteger os componentes contra sobreaquecimento. Este

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico15 Limites dos Tempos de Serviço do Pessoal Aeronáutico Página 1/9 Índice Parte A: Generalidades.. 3 15.001 Aplicabilidade...3

Leia mais

I Fórum Crédito e Educação Financeira

I Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 Pedro Duarte Neves A Importância Estratégica da Formação Financeira 2 A LITERACIA FINANCEIRA É UM PILAR ESTRATÉGICO DA ACTUAÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL O Banco de Portugal tem dedicado

Leia mais

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Trabalho realizado pelo grupo: 1MIEEC06_03 Índice Introdução...1 A importância dos serviços de telecomunicações

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 217/18 PT DIRECTIVA 98/48/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Julho de 1998 que altera a Directiva 98/34/CE relativa a um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentações

Leia mais

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Reconhecendo que os poluentes orgânicos persistentes possuem propriedades tóxicas, são

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

Requisitos para o Despacho de Voo

Requisitos para o Despacho de Voo Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo PARTE A: GENERALIDADES... 3 16.001 APLICAÇÕES... 3 16.003 DEFINIÇÕES... 3 16.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: CONTROLO OPERACIONAL... 4 16.010 CONTROLO

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

Regulamento de Gestão de Reclamações

Regulamento de Gestão de Reclamações Regulamento de Gestão de Reclamações no Banco Santander Totta, SA Introdução A Qualidade de Serviço é, para o Banco Santander Totta, SA, um referencial e a forma por excelência de se posicionar e distinguir

Leia mais

Coluna de Elevação Hidráulica

Coluna de Elevação Hidráulica Coluna de Elevação Hidráulica Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax. (+351) 217

Leia mais

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Actualmente em Macau, designa-se geralmente por compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES N. o 64 1 de Abril de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2773 MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 342/2005 de 1 de Abril

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE 2902 Diário da República, 1.ª série N.º 100 24 de Maio de 2011 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE Portaria n.º 207/2011 de 24 de Maio O Decreto -Lei n.º 177/2009, de 4 de Agosto,

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

ALTERAÇÕES 12-21. PT Unida na diversidade PT 2013/0264(COD) 29.11.2013. Projeto de parecer Dimitar Stoyanov (PE523.013v01-00)

ALTERAÇÕES 12-21. PT Unida na diversidade PT 2013/0264(COD) 29.11.2013. Projeto de parecer Dimitar Stoyanov (PE523.013v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 29.11.2013 2013/0264(COD) ALTERAÇÕES 12-21 Projeto de parecer (PE523.013v01-00) Serviços de pagamento no mercado interno (COM(2013)0547 C7-0230/2013

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

RESPOSTA DA ZON AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À

RESPOSTA DA ZON AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À RESPOSTA DA ZON AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À DESIGNAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA SUB-FAIXA DOS 790-862 MHZ PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Na sequência

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

REGULAMENTO CARTÃO IDENTIFICAÇÃO

REGULAMENTO CARTÃO IDENTIFICAÇÃO REGULAMENTO DO CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO Artigo 1.º Agrupamento Vertical de Escolas D. Dinis Principais funcionalidades do sistema informático para a gestão integrada para a administração escolar (GIAE)

Leia mais

Serviço para implementação de atualização de firmware HP

Serviço para implementação de atualização de firmware HP Dados técnicos Serviço para implementação de atualização de firmware HP Serviços HP Vantagens do serviço Fornece atualizações de firmware com o intuito de minimizar quaisquer interrupções ao seu ambiente

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2009R0041 PT 10.02.2009 000.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 41/2009 DA COMISSÃO de 20 de Janeiro de 2009 relativo à composição

Leia mais

ADESÃO AO CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO

ADESÃO AO CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ADESÃO AO CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO Foi negociado e adoptado pelas Associações Europeias de Consumidores,

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

***I PROJECTO DE RELATÓRIO

***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 23 de Maio de 2001 PRELIMINAR 2000/0189(COD) ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 I Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 61/2010 Aprova o Regulamento de Aplicação

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD)

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) 5 de Fevereiro de 2004 PROJECTO DE PARECER da Comissão da Indústria, do Comércio

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Projecto de diploma. que estabelece o regime jurídico aplicável aos aparelhos áudio portáteis

Projecto de diploma. que estabelece o regime jurídico aplicável aos aparelhos áudio portáteis Projecto de diploma que estabelece o regime jurídico aplicável aos aparelhos áudio portáteis A exposição prolongada ao ruído excessivo é, a nível mundial, a maior causa de distúrbios auditivos. O ruído

Leia mais

1. Requisitos quanto a detecção e sensores

1. Requisitos quanto a detecção e sensores TERMOS DE REFERÊNCIA DO EUROSISTEMA PARA A UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS DE DEPÓSITO, ESCOLHA E LEVANTAMENTO POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, BEM COMO QUALQUER OUTRA INSTITUIÇÃO DA ÁREA DO EURO, QUE INTERVENHAM,

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

J. ROMA, Lda. www.jroma.pt

J. ROMA, Lda. www.jroma.pt MEDIDORES DE CAMPO ELECTROMAGNÉTICO Para medidas de campos EMF criados por radares (em funcionamento), telemóveis, UMTS; telefones sem fios, torres de transmissão, Wlan, Wifi, Bluetooth, fornos microondas,

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro DECRETO N.º 369/X Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003 15.7.2003 L 176/37 DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Junho de 2003 que estabelece regras comuns para o mercado interno da electricidade e que revoga a Directiva 96/92/CE

Leia mais

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco ANEXO ORIENTAÇÕES GERAIS RELATIVAS À NOTIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE CONSUMO PERIGOSOS ÀS AUTORIDADES COMPETENTES DOS ESTADOS-MEMBROS POR PARTE DOS PRODUTORES E DOS DISTRIBUIDORES, EM CONFORMIDADE COM O N.º

Leia mais

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 REGULAMENTO (UE) N. o 593/2012 DA COMISSÃO de 5 de julho de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 2042/2003 relativo à aeronavegabilidade permanente

Leia mais