10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES"

Transcrição

1 10º Encontro de Higienização e Lavanderia AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES

2 CONTROLE MICROBIOLÓGICO NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS HOSPITALARES AVALIAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS EM LAVANDERIAS HOSPITALARES

3

4 Objetivos Estudar a flora bacteriana durante o processamento da roupa hospitalar; Evidenciar pontos críticos e fatores que interferem na qualidade da lavagem; Validar processos que resultem na eliminação dos agentes contaminantes.

5 Garantia dos objetivos Processo de lavagem adequado; Produtos confiáveis / Água; Máquinas condizentes; Área física adequada (RDC 50/2000); Programa de educação continuada.

6 Processos de lavagem avaliados Sem produtos químicos somente ação mecânica; Sem ação desinfetante; Com alvejante clorado; Com alvejante oxigenado ácido peracético

7 Processos de lavagem Sem Produtos Químicos Operação Tempo Nível de água Produto Dosagem Enxague 2` alto água - Umectação 5` baixo - Enxague 2` alto água - Pré-lavagem 10` baixo água - água - Lavagem/ Desinfecção 15` baixo água - Enxague 2` alto água - Enxague 2` alto água - Acidulação/ Amaciamento 5` baixo água - água -

8 Processos de lavagem Sem Ação Desinfetante Operação Tempo Nível de água Produto Dosagem Enxague 2` alto água - Umectação 5` baixo detergente 2 ml/kg Enxague 2` alto água - Pré-lavagem 10` baixo detergente 4 ml/kg ativador 4 ml/kg Lavagem/ Desinfecção 15` baixo detergente 4 ml/kg Enxague 2` alto água - Enxague 2` alto água - Acidulação/ Amaciamento 5` baixo acidulante amaciante 3 ml/kg 2 ml/kg

9 Processos de lavagem Alvejante Clorado Operação Tempo Nível de água Produto Dosagem Enxague 2` alto água - Umectação 5` baixo detergente 3 ml/kg Enxague 2` alto água - Pré-lavagem 10` baixo detergente 4 ml/kg ativador 4 ml/kg Lavagem/ detergente 4 ml/kg 15` baixo Desinfecção oxidante 200 ppm Enxague 2` alto água - Enxague 2` alto água - Acidulação/ Amaciamento 5` baixo acidulante amaciante 3 ml/kg 2 ml/kg

10 Processos de lavagem Ácido Peracético Operação Tempo Nível de água Produto Dosagem Enxague 2` alto água - Umectação 5` baixo detergente 3 ml/kg Enxague 2` alto água - Pré-lavagem 10` baixo detergente 4 ml/kg ativador 4 ml/kg Lavagem/ detergente 4 ml/kg 15` baixo Desinfecção oxidante ppm Enxague 2` alto água - Enxague 2` alto água - Acidulação/ Amaciamento 5` baixo acidulante amaciante 3 ml/kg 2 ml/kg

11 Coleta de Material Lavanderia: H.Martagão Gesteira - Salvador/Ba Lavadora de 50 Kg Princípios associados: - ordem física, - ordem química Qualidade da água

12 Análise do Material Lab. de Microbiologia Indeba Ind. e Com. Ltda. Amostras do Hospital Amostras do laboratório

13 Métodos de Análise Bactérias mesófilas heterotróficas(manual Técnico INCQS Nº ) ; Placas de contato tipo RODAC (meio de cultura Plate Count Ágar); Incubação a 35º C /48 h; Realização de contagem das colônias.

14 Identificação das Bactérias Meios de cultura seletivo; Coloração de Gram; Identificação microscópica; Identificação sorológica.

15 Resultados Microrganismos: Bastonetes Gram negativos, Enterobactérias, Staphylococcus sp., Pseudomonas sp. e fungos. Staphylococcus sp., em Manitol

16 Resultados As amostras: média de 4,8 x 10 6 ufc/ml Vírus HIV, HBV.

17 Resultados Processo Sem Produtos Químicos Redução microbiológica: 98% 8 enxague inicial umectação enxague 2 pré-lavagem lavagem enxague 3 enxague final acid./amaciamento Log- bactéria por ml 0

18 Processo sem Desinfetante Redução microbiológica: 99% enxague inicial umectação enxague 2 pré-lavagem lavagem enxague 3 enxague final amaciamento 10º Encontro de Higienização e Lavanderia Resultados Log- bactéria por ml

19 Resultados Processo com Cloro: Desinfecção 8 Log- bactéria por ml enxague inicial umectação enxague 2 pré-lavagem lavagem enxague 3 enxague final amaciamento 0

20 Resultados Processo com Peracético: Desinfecção de Alto Nível Log- bactéria por ml enxague inicial umectação enxague 2 pré-lavagem lavagem enxague 3 enxague final amaciamento

21 Comparativos: cloro x ácido peracético Cloro 200 ppm * Potente bactericida e viruscida; Ácido Peracético 187,5 ppm * Excelente atividade antimicrobiana com largo espectro de ação (bactérias vegetativas, vírus, fungos, esporos); * Indicado para desinfecção de nível médio; * Indicado para desinfecção de alto nível; * Redução de Bacillus subtillis (ATCC nº 19659) na solução de lavagem das roupas. * Eliminação de Bacillus subtillis(atcc nº 19659) na solução de lavagem das roupas.

22 Conclusão Os procedimentos descritos, promoverão resultados efetivos se houver comprometimento e um nível adequado de conhecimento de todos os funcionários envolvidos no processamento da roupa.

23

24 Introdução Controle de Infecção Hospitalar; Qualidade dos profissionais; Área suja (críticas) potencialmente contaminadas, Transmissão de patógenos (aerossóis, secreções, poeira).

25 Objetivos Verificar colonização por S.aureus e P.aeruginosa; Avaliar contaminação microbiológica do ar ; Prevenir infecções nos agentes prestadores de serviços; Complementar o trabalho das lavanderias.

26 Identificação de surtos Gastroenterite por Salmonella; Infecção urinária / coliformes; Contaminação com Salmonella através de lençóis ; Escabiose e conjuntivite HCPA.

27 Probabilidade de contaminação Recolhimento das peças; Transporte; Cruzamento de roupas; Uso de EPIs.

28 Área Suja

29 Precauções universais: Utilização dos EPIs; Lavagem das mãos; Programas de vacinação; Controle dos perfurocortantes.

30 Manual de Lavanderia ANVISA/09 Barreira de contaminação; Desinfecção de roupas de isolamento; Controle do fluxo de pessoas; Desinfecção de carros, máquinas e superfícies; Exames bacteriológicos - controle de desinfecção; Relação roupa x microrganismo x doença.

31 Método de Análise Normas éticas / legais - condução de P.H; Consentimento dos funcionários; Coleta em placas tipo RODAC (PCA, Manitol, Cetrimide); Incubação das placas a 35º C /48 h; Contagem das bactérias.

32 Coleta de Material Mãos - antes e depois

33 Coleta de Material Rosto - antes e depois

34 Coleta de Material Cabeça - antes e depois

35 Coleta de Material Aparelho SAS super - coleta de ar

36 Identificação das Bactérias Meios seletivos; Coloração de Gram; Identificação microscópica; Provas sorológicas.

37 Resultados Das colheitas realizadas das áreas anatômicas selecionadas e ambiente, foram isolados: Staphylococcus coagulase positiva

38 Resultados Pseudomonas aeruginosa

39 Resultados Bactérias mesófilas

40 Resultados Gráfico 1- Contagem de bactérias nas mãos UFC / cm MÃOS antes MÃOS depois Mesófilas S.aureus Pseudomonas

41 Resultados Gráfico 2 - Contagem de bactérias no cabelo 3000 U.F.C / cm CABELO antes CABELO depois 0 Mesófilas S.aureus Pseudomonas

42 Resultados Gráfico 3 - Contagem de bactérias no rosto U.F.C / cm ROSTO antes ROSTO depois 0 Mesófilas S.aureus Pseudomonas

43 Resultados Gráfico 4 -Contagem de bactérias do ar 3000 U.F.C/ m Ambiente Externo Ambiente Interno 0 Mesófilas S. aureus Pseudomonas Fungos

44 Conclusões Há grande contaminação dos manipuladores e ambiente durante o manuseio de roupas contaminadas na área suja da lavanderia. Confirmada a necessidade de instaurar medidas preventivas nas lavanderias hospitalares a fim de evitar propagação de patógenos.

45 Mensagem A ciência será sempre uma busca, jamais um descobrimento real. É uma viagem, nunca uma chegada. Karl Popper

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA Profa. Dra. Teresinha Covas Introdução Controle de Infecção Hospitalar; Qualidade dos profissionais; Área Suja (críticas) potencialmente

Leia mais

Confidencial Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro

Confidencial Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas 14.09.2009 Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro Resolução RCD 14/2007 (Anvisa) Aprova o Regulamento Técnico para Produtos

Leia mais

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE Kazuko Uchikawa Graziano Professora Titular do Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica da Escola de Enfermagem da USP Produtos Saneantes

Leia mais

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção António Coelho Edgar Pereira 6º SEMINÁRIO PREVENÇÃO E CONTRO DA INFEÇÃO 1. A Empresa A Doce Viver Lda. Residencial Sénior, é uma empresa

Leia mais

Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar

Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar Conceitos Básicos: 1. Desinfecção Álcool Etílico 70º INPM É o processo de destruição de microorganismos patogênicos na forma vegetativa, presentes em superfícies inertes, mediante aplicação de agentes

Leia mais

Validação Microbiológica de Desinfetantes

Validação Microbiológica de Desinfetantes ! " # $ % & Validação Microbiológica de Desinfetantes ' ())* + *, )' -. / )$ 0 ' 1+ Objetivos: remover matéria orgânica e arrastar microrganismos das superfícies aplicadas; Causa: Matéria orgânica favorece

Leia mais

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Prof. Adj. Ary Fernandes Junior Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências UNESP Tel. 14 3880.0412/0413 ary@ibb.unesp.br

Leia mais

Análise Técnica. Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens

Análise Técnica. Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens Análise Técnica Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens Coord. Prof. Dr. Marco Antônio Lemos Miguel Equipe: Carolina Beres & Priscila

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE

COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE INTERAÇÃO DA HIGIENE HOSPITALAR NO CONTROLE DE MRs COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE IZELÂNDIA VERONEZE SCIH/HC/UFPR 28/09/2013 O PROCESSO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO COM FOCO NO

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno de Açúcar. Ensaio de Óxido-Redução com Resazurina

5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno de Açúcar. Ensaio de Óxido-Redução com Resazurina IB UNESP - Rio Claro CCA - UFSCar Araras II CURSO DE MONITORAMENTO DA FERMENTAÇÃO ETANÓLICA PERÍODO: 11 a 15 DE FEVEREIRO DE 2008 ATIVIDADES PRÁTICAS 5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno

Leia mais

Esterilização de Materiais Hospitalares Ltda. Fone/fax:

Esterilização de Materiais Hospitalares Ltda. Fone/fax: BANCO CENTRAL DO BRASIL Srª Pregoeira Larissa Pereira Pelaquim Licitação na modalidade Pregão nº 49/2015 A empresa ESTERILAV Esterilização de Materiais Hospitalares Ltda., inscrita no CNPJ sob o n.º 00.814.860/0001-69,

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO

Leia mais

Comunidade. Meio Ambiente. Operações Contra Incêndios. Emergências com Produtos Químicos. Resgates

Comunidade. Meio Ambiente. Operações Contra Incêndios. Emergências com Produtos Químicos. Resgates AÇÕES CORRETIVAS EM ACIDENTES COM CARGAS PERIGOSAS Capitão BM Marcos Viana Ações de Resposta em Emergências com Produtos Químicos 1. INTRODUÇÃO Ações de Resposta em Emergências com Produtos Químicos 2.

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 12 Determinação da estabilidade acelerada: preliminar e exploratória Contagem de micro-organismos viáveis totais em cosméticos e matérias-primas de uso em sua fabricação LQ: 10 UFC/g ou ml

Leia mais

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno Monitoramento da Limpeza Enfª. Cristiane Uyeno Responsabilidade O Enfermeiro é responsável legal, por assegurar ao cliente uma assistência de enfermagem livre de danos decorrentes a imperícia, imprudência

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare FICHA DE ESPECIFICAÇÃO BemVital Espessare IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Equipamentos De Proteção Individual.

Equipamentos De Proteção Individual. Equipamentos De Proteção Individual. O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo profissional, destinado à proteção de riscos que podem ameaçar

Leia mais

CONTROLE MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CONSUMIDA POR HOSPITAIS DA CIDADE DO RECIFE/PE CONFORME PORTARIA N.º2914/MINISTÉRIO DA SAÚDE.

CONTROLE MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CONSUMIDA POR HOSPITAIS DA CIDADE DO RECIFE/PE CONFORME PORTARIA N.º2914/MINISTÉRIO DA SAÚDE. CONTROLE MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CONSUMIDA POR HOSPITAIS DA CIDADE DO RECIFE/PE CONFORME PORTARIA N.º2914/MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cynthia S. de Souza 1, Bruno José de Lavôr A. Lima 2, Hélida Karla Phillippini

Leia mais

Redução da contagem bacteriana na propriedade

Redução da contagem bacteriana na propriedade Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos Agenda Fontes de contaminação do leite Redução da Contagem Bacteriana Total (CBT); Limpeza de equipamentos e utensílios Resfriamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico ETECPAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação: Sem

Leia mais

MODELO DE CARTA PROPOSTA

MODELO DE CARTA PROPOSTA LOTE 01 1 Detergente para lavar roupas formulado para umectação, aparência liquido viscoso, cor castanho, densidade 0,990 1,010. Diluição de 4 a 8 ml por quilo de roupa Produto indicado para uso profissional.

Leia mais

RESÍDUO DO SERVIÇO DE SAÚDE STERLIX AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA - ENG.AMBIENTAL GESUALDO DELFINO DE MORAES

RESÍDUO DO SERVIÇO DE SAÚDE STERLIX AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA - ENG.AMBIENTAL GESUALDO DELFINO DE MORAES RESÍDUO DO SERVIÇO DE SAÚDE LEGISLAÇÃO CONAMA 358 29 de Abril 2005 RDC 306 7 de Dezembro 2004 Classificação Grupo A Biológicos Grupo B Químicos Grupo C Radioativos Grupo D Comuns Grupo E Perfuro cortantes

Leia mais

Exames Periódicos. Admissão do Profissional SMO. Admissão do Profissional Orientações. Integração do Profissional

Exames Periódicos. Admissão do Profissional SMO. Admissão do Profissional Orientações. Integração do Profissional Admissão do Profissional SMO Avaliação inicial: Local de trabalho Função exercida Avaliação do Risco conforme NR 32 Anamnese/Exame físico A Segurança do Profissional da Saúde Profª Alessandra Destra Encaminhamentos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2016 Plano de Curso nº 116 aprovado pela portaria Cetec nº 68 de 14 / 10 /2010 Etec TIQUATIRA Código: 208 Código: 208 Eixo

Leia mais

Higiene Hospitalar. Qual o conceito de um ambiente limpo? Os hospitais são ambientes verdadeiramente limpos? Aquele que brilha?

Higiene Hospitalar. Qual o conceito de um ambiente limpo? Os hospitais são ambientes verdadeiramente limpos? Aquele que brilha? Higiene Hospitalar Qual o conceito de um ambiente limpo? Aquele que brilha? O que tem cheiro de limpeza? O que está livre de sujidade, organizado e com baixa contaminação Cristiane Schmitt Hospital SEPACO

Leia mais

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência ATA JULGAMENTO DA CONCORRÊNCIA 2014/5030005-05 Ata da sessão de JULGAMENTO das propostas referente à Concorrência n.º 2014/5030005-05, do tipo menor preço unitário, segundo especificado no item 02 do Edital

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Medidas de precaução

Medidas de precaução Medidas de precaução INFLUENZA A (H1N1) GGTES - Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Medidas de Precaução Precauções Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: Departamento: Ciências Básicas

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: Departamento: Ciências Básicas PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas Disciplina: Microbiologia I Cód.: FCB00010 Período Ministrado / Semestre / Ano : 2ºP/ 1ºSem/2010 Corpo Docente: Prof. Dr. Renato Varges

Leia mais

O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos

O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 8 SAÚDE HUMANA E ANIMAL ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de Metais Totais e Dissolvidos por espectrometria de emissão atômica em plasma de argônio indutivamente acoplado - ICP OES - geração de

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades:

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades: CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Código: ENF-219 Pré-requisito:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CQLAB - Consultoria e Controle de Qualidade Ltda. Determinação

Leia mais

Aplicação em escala laboratorial

Aplicação em escala laboratorial Aplicação em escala laboratorial Índice Velcorin Aplicação em escala laboratorial Página 3 5 Introdução Página 3 Medidas de Segurança Página 3 Metodologia (preparo) Página 4 Metodologia Microbiológica

Leia mais

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Fernando Bandeira 2016 Introdução Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade DOCUMENTO: LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Página: 1/12 DEFINIÇÃO: As superfícies ambientais são freqüentemente contaminadas com microrganismos. Vários estudos têm demonstrado a capacidade de resistência

Leia mais

CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Microbiologia Oral Código: ODO-018 Pré-requisito: Microbiologia

Leia mais

TÍTULO: ANALISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS E ILICÍNEA - MG

TÍTULO: ANALISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS E ILICÍNEA - MG TÍTULO: ANALISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS E ILICÍNEA - MG Deyse A. CORREA 1 ; Ligiane AMARAL 2 ; Poliana O. COELHO 3 ; Ênnio M. BARROSO 4 RESUMO A água é uma substância

Leia mais

Mofos em embutidos. Embutidos com mofo. Processo de maturação na Itália. Motivos de eliminar os mofos. Soluções para eliminar os mofos

Mofos em embutidos. Embutidos com mofo. Processo de maturação na Itália. Motivos de eliminar os mofos. Soluções para eliminar os mofos Sacco S.r.l, Itália Mofos em embutidos Embutidos com mofo Processo de maturação na Itália Motivos de eliminar os mofos Soluções para eliminar os mofos Embutidos com mofo selecionado (Pen. nalgiovense)

Leia mais

Departamento MIP. Horário Turma C: LAb MIP III. Turma D: LAb MIP IV

Departamento MIP. Horário Turma C: LAb MIP III. Turma D: LAb MIP IV CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Plano de Ensino DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina MIP 7103 aplicada a Odontologia Professores da disciplina Departamento

Leia mais

PROTOCOLO 6: PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE ROUPAS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DO CAMPUS DE ARAÇATUBA UNESP

PROTOCOLO 6: PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE ROUPAS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DO CAMPUS DE ARAÇATUBA UNESP PROTOCOLO 6: PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE ROUPAS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DO CAMPUS DE ARAÇATUBA UNESP Aprovado na Congregação em 17/02/2009 PROCESSO FOA-1339/2008 1.1 Introdução:

Leia mais

Qualidade microbiológica da água de queijarias da microrregião Campo das Vertentes

Qualidade microbiológica da água de queijarias da microrregião Campo das Vertentes Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Qualidade microbiológica da água de queijarias da microrregião Campo das Vertentes Gisele Nogueira Fogaça (1), Daniel Arantes

Leia mais

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Noções Gerais de Biossegurança Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Conceito Conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização eliminação de RISCOS inerentes às atividades de pesquisa, produção,

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA, AO LONGO DA CADEIA PRODUTIVA DE TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus), NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

EXEMPLOS DE LAUDOS. Laudo 1: Resultados das análises microbiológicas de alimentos comercializados em cantina universitária.

EXEMPLOS DE LAUDOS. Laudo 1: Resultados das análises microbiológicas de alimentos comercializados em cantina universitária. EXEMPLOS DE LAUDOS Laudo 1: Resultados das análises microbiológicas de alimentos comercializados em cantina universitária. BOLETIM DE ANÁLISE DE ORIENTAÇÃO ANO: 2012 N ANÁLISE: 06/692/12 NOME DO CLIENTE:

Leia mais

Exame Bacteriológico Indicação e Interpretação

Exame Bacteriológico Indicação e Interpretação Exame Bacteriológico Indicação e Interpretação Clínica Augusto Cezar Montelli 2009 Clínica Médica Departamento de Clínica Médica M Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Unesp Diagnóstico Microbiológico

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS GELADOS COMESTÍVEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

CONTROLE DE MICRORGANISMOS. Prof. João Batista de Almeida e Silva

CONTROLE DE MICRORGANISMOS. Prof. João Batista de Almeida e Silva CONTROLE DE MICRORGANISMOS Prof. João Batista de Almeida e Silva Considerações Gerais ESTERILIZAÇÃO Destruição de todos os microrganismos presentes, incluindo os esporos Efeitos distintos Ação ANTIMICROBIANA

Leia mais

CONSENSO DE DIAGNÓSTICO MULTIRRESISTÊNCIA RECOMENDAÇÃO CONJUNTA DA AECIHERJ / SBPC. Marisa Santos Infectologista/Epidemiologista Presidente AECIHERJ

CONSENSO DE DIAGNÓSTICO MULTIRRESISTÊNCIA RECOMENDAÇÃO CONJUNTA DA AECIHERJ / SBPC. Marisa Santos Infectologista/Epidemiologista Presidente AECIHERJ CONSENSO DE DIAGNÓSTICO MULTIRRESISTÊNCIA RECOMENDAÇÃO CONJUNTA DA AECIHERJ / SBPC Marisa Santos Infectologista/Epidemiologista Presidente AECIHERJ Participaram da elaboração: Jorge Sampaio - Laboratório

Leia mais

Comprovação da inocuidade microbiológica de embalagens plásticas destinadas a alimentos produzidas por uma empresa em Dracena/SP

Comprovação da inocuidade microbiológica de embalagens plásticas destinadas a alimentos produzidas por uma empresa em Dracena/SP Comprovação da inocuidade microbiológica de embalagens plásticas destinadas a alimentos produzidas por uma empresa em Dracena/SP Aline A.Tomaz, Gabriela S. Peres, Victor Hugo A. Amaral, Jacqueline Antunes,

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO DE HORTIFRUTIGRANJEIROS DE UMA EMPRESA PRIVADA PRESTADORA DE SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO DE HORTIFRUTIGRANJEIROS DE UMA EMPRESA PRIVADA PRESTADORA DE SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO DE HORTIFRUTIGRANJEIROS DE UMA EMPRESA PRIVADA PRESTADORA DE SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO GOVEIA, Mariane Beloni 1 ; MELLER, Fernanda de Oliveira 2 ; SCHÄFER, Antônio Augusto 3 ;

Leia mais

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos 2 o Simpósio de Segurança Alimentar Debatendo Qualidade Bento Gonçalves, 20-22/8/2008 1.Introdução

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 7CTDTQAMT06-p AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE 10 AMOSTRAS DE SORVETE DE CHOCOLATE FABRICADO POR UMA INDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB Dayana do Nascimento Ferreira (1) ; Natália Pires Ramos (1),

Leia mais

ANÁLISE DE BOLORES E LEVEDURAS EM QUEIJOS TIPO MINAS, PRODUZIDOS ARTESANALMENTE E COMERCIALIZADOS EM FEIRAS LIVRES NA CIDADE DE PELOTAS / RS.

ANÁLISE DE BOLORES E LEVEDURAS EM QUEIJOS TIPO MINAS, PRODUZIDOS ARTESANALMENTE E COMERCIALIZADOS EM FEIRAS LIVRES NA CIDADE DE PELOTAS / RS. ANÁLISE DE BOLORES E LEVEDURAS EM QUEIJOS TIPO MINAS, PRODUZIDOS ARTESANALMENTE E COMERCIALIZADOS EM FEIRAS LIVRES NA CIDADE DE PELOTAS / RS. Autor(es): BAIRROS, Jacqueline Valle; DESTRI, Kelli; VARGAS,

Leia mais

INÁCIO AFONSO KROETZ

INÁCIO AFONSO KROETZ FOOD INTELLIGENCE Nome Empresarial: FOOD INTELLIGENCE - CONSULTORIA TÉCNICA EM ALIMENTOS S/S LTDA CNPJ: 03.627.116/0001-43 Enreço: Rua Pássaros e Flores, nº 141 Bairro: Broklin CEP: 04.704-000 Cida: São

Leia mais

Contaminação microbiana de embalagens de madeira versus embalagens de plástico

Contaminação microbiana de embalagens de madeira versus embalagens de plástico Contaminação microbiana de embalagens de madeira versus embalagens de plástico FCT/UNL: Ana Luisa Fernando, Ana Isabel Abrantes, Miryam Garcia, Benilde Mendes Embar: Filipa Pico, José António nio Alberty

Leia mais

Controle da população microbiana

Controle da população microbiana Controle da população microbiana Microbiologia Prof a. Vânia Taxa de Morte Microbiana Quando as populações bacterianas são aquecidas ou tratadas com substâncias químicas antimicrobianas, elas normalmente

Leia mais

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho.

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Os cuidados com a higiene pessoal demonstram que a pessoa

Leia mais

Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica

Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica Histórico A higienização das mãos, durante gerações, foi considerada uma medida de higiene pessoal. Histórico Em 1822, um farmacêutico francês escreveu que soluções

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde Considerando a confirmação de um caso de sarampo e quatro fortemente suspeitos no Ceará; Considerando a confirmação de surto de sarampo em Pernambuco e casos confirmados relacionados à importação, nos

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA UTILIZADA NO IFG - CÂMPUS ANÁPOLIS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA UTILIZADA NO IFG - CÂMPUS ANÁPOLIS ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA UTILIZADA NO IFG - CÂMPUS ANÁPOLIS Laressa Rayane Rosa Lima/ laressarayane@hotmail.com Lorraine Gomes Pereira/ lorrainegomes5@hotmail.com IFG / Anápolis Erika Regina Leal

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Algicida de Fibra e Vinil Aplicação: Desinfetante para piscinas Nome da Empresa: Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Endereço: Rua: João Paulino dos

Leia mais

Doenças veiculadas por água contaminada

Doenças veiculadas por água contaminada Doenças veiculadas por água contaminada FORMAS DE CONTAMINAÇÃO Contato da pele com água contaminada; Ingestão de água contaminada; Ausência de rede de esgoto, falta de água ou práticas precárias de higiene;

Leia mais

AGENTES BACTERIOSTÁTICOS: crescimento destes microrganismos. Propriedades e requisitos que um anti-séptico deve possuir:

AGENTES BACTERIOSTÁTICOS: crescimento destes microrganismos. Propriedades e requisitos que um anti-séptico deve possuir: HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Anti-sepsia: é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele e mucosa. É realizada através de anti-sépticos que são formulações hipoalergênicas e

Leia mais

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Alessandra Maria Stefani NOGUEIRA Franceline Gravielle Bento PEREIRA Lisliana Garcia BELCHIOR Leizer Cordeiro da Silva FREITAS Discentes

Leia mais

Manejo dos resíduos gerados na assistência ao paciente com suspeita ou confirmação de contaminação pelo vírus Ebola. Enfª Marília Ferraz

Manejo dos resíduos gerados na assistência ao paciente com suspeita ou confirmação de contaminação pelo vírus Ebola. Enfª Marília Ferraz Manejo dos resíduos gerados na assistência ao paciente com suspeita ou confirmação de contaminação pelo vírus Ebola Enfª Marília Ferraz Goiânia, 29 de outubro de 2014 Referências para o assunto: RDC 306/2004

Leia mais

Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG

Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG 45 Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG Klinger Vinícius de Almeida 1, Roberta Torres Careli 2, Alécia Daila

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR Definição: Infecção relacionada ao cateter: Isolamento de um mesmo microorganismo da ponta do cateter

Leia mais

Desinfecção de alto nível: Desinfecção de médio nível: Desinfecção de baixo nível:

Desinfecção de alto nível: Desinfecção de médio nível: Desinfecção de baixo nível: LIMPEZA Consiste na remoção do Material Biológico; No material biológico se encontra a maior parte da carga microbiana; 1º Passo da Desinfecção e Esterilização; É feita com Detergente e Água; A desinfecção

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais

25/04/2016. Vibrião colérico. Vírus da dengue. Amebíase e Giardíase. Entamoeba coli e Giardia lamblia

25/04/2016. Vibrião colérico. Vírus da dengue. Amebíase e Giardíase. Entamoeba coli e Giardia lamblia 25/04/2016 Componentes Básicos L ixo E sgoto Prof. Carlos Almeida Á gua Importância para o organismo (o Corpo Humano é formado de 70% a 75% por água) e para o planeta. Fontes de água: Para o consumo, a

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL DE SÃO GONÇALO, S.A. - AMARANTE. PROCESSO Revisão Pág. Norma Nº 1 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/05

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL DE SÃO GONÇALO, S.A. - AMARANTE. PROCESSO Revisão Pág. Norma Nº 1 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/05 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/5 1/11 1. OBJECTIVO Melhorar as práticas de higiene das nos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microorganismos patogénicos entre doentes e profissionais.

Leia mais

OPÇÕES TERAPÊUTICAS. Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides

OPÇÕES TERAPÊUTICAS. Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides OPÇÕES TERAPÊUTICAS OPÇÕES TERAPÊUTICAS Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides Hidrofibras Hidrogéis Iodo Polihexanida Prata OPÇÕES TERAPÊUTICAS ALGINATOS

Leia mais

CONTAGEM DE BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS NA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: COMPARAÇÃO ENTRE DUAS METODOLOGIAS

CONTAGEM DE BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS NA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: COMPARAÇÃO ENTRE DUAS METODOLOGIAS Saúde, Santa Maria, vol 33, n 1: p 15-19, 2007 CONTAGEM DE BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS NA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: COMPARAÇÃO ENTRE DUAS METODOLOGIAS Heterotrophic bacteria counting in the drinking water:

Leia mais

Manutenção de poços com ferrobactérias no Aquífero dos Ingleses, Florianópolis - SC

Manutenção de poços com ferrobactérias no Aquífero dos Ingleses, Florianópolis - SC Manutenção de poços com ferrobactérias no Aquífero dos Ingleses, Florianópolis - SC Larissa Ramage Taís Alves Corrêa Juliano Magalhães Lauro César Zanatta Objetivos ü Avaliar os poços contaminados por

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

Riscos do uso de campos de tecido. Enfermeira Cristiane Uyeno

Riscos do uso de campos de tecido. Enfermeira Cristiane Uyeno Riscos do uso de campos de tecido. Enfermeira Cristiane Uyeno A embalagem deve assegurar o conteúdo estéril até sua abertura com técnica asséptica, sem risco de contaminação. ISSO 11607 EMBALAGEM SISTEMA

Leia mais

Controle de qualidade na produção leiteira: Análises Microbiológicas

Controle de qualidade na produção leiteira: Análises Microbiológicas na produção leiteira: Análises Microbiológicas Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao Microbiologia Técnico preparado Cada passo pode significar

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE TRÊS FORMULAÇÕES MAGISTRAIS. Maila Fernanda da Silva 1 e Lisiane Lange da Silva 2

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE TRÊS FORMULAÇÕES MAGISTRAIS. Maila Fernanda da Silva 1 e Lisiane Lange da Silva 2 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE TRÊS FORMULAÇÕES MAGISTRAIS. Maila Fernanda da Silva 1 e Lisiane Lange da Silva 2 RESUMO O controle da qualidade microbiológico é importantíssimo para avaliação de pontos críticos

Leia mais

Central de Material Esterilizado

Central de Material Esterilizado Central de Material Esterilizado Centro Universitário UNIEURO Diônata Souza Leão DEFINIÇÃO CME é definida pelo Ministério da Saúde como um conjunto de elementos destinados à recepção, expurgo, preparo,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Aprovado pela portaria Cetec nº 127 de 03/10/2012 Etec TIQUATIRA Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle & Processos Industriais Habilitação

Leia mais

ESTUDO DA EFICÊNCIA DE MÉTODOS DE PRESERVAÇÃO DE BACTÉRIAS

ESTUDO DA EFICÊNCIA DE MÉTODOS DE PRESERVAÇÃO DE BACTÉRIAS ESTUDO DA EFICÊNCIA DE MÉTODOS DE PRESERVAÇÃO DE BACTÉRIAS J.M. Tibola 1, F.M.S. Godinho 1, E.M.M. Rossoni 1 1- Fundação de Ciência e Tecnologia CIENTEC - Departamento de Alimentos Laboratório de Microbiologia

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção NVES-INFEC scies-dvs@saude.rs.gov.br

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS 2011 A reprodução deste documento só poderá ser feita integralmente, sem nenhuma alteração e com o conhecimento

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO Medidas Imediatas: 1 Picada ou Corte - Limpeza imediata da zona lesada com água e sabão. 2 Contacto com a pele ou mucosas

Leia mais

Guiade Higienização na

Guiade Higienização na ITAMBÉ Cooperativa Central de Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. BR 262, Km 09 Belo Horizonte MG CEP: 31950-640 CNPJ: 17.249.111/0014-53 Centro de Orientação ao Cliente Fone: (0 31) 3389-4174 Guiade

Leia mais

Vigilância de sarampo e rubéola

Vigilância de sarampo e rubéola Vigilância de sarampo e rubéola Períodos na investigação de doenças em eliminação 1. Período de exposição / incubação; 2. Período de transmissibilidade ; 3. Período de aparecimento de casos secundários;

Leia mais

Boas Práticas em Serviços de

Boas Práticas em Serviços de FEIRA+FÓRUM FÓRUM HOSPITALAR 2011 24 de Maio de 2011 São Paulo SP Boas Práticas em Serviços de Saúde Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA Noção Matemática

Leia mais

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose.

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Base de Agar Endo 500 g Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Indicações: Suspender 36 g em 1 L de água

Leia mais

Diagnóstico bacteriológico de diversas patologias de cães e gatos e verificação da suscetibilidade a antimicrobianos

Diagnóstico bacteriológico de diversas patologias de cães e gatos e verificação da suscetibilidade a antimicrobianos Diagnóstico bacteriológico de diversas patologias de cães e gatos e verificação da suscetibilidade a antimicrobianos Marília Scartezzini Denise de Moura Cordova Diane Alves de Lima Jeniffer Carolina Jaques

Leia mais

em sorvetes Introdução

em sorvetes Introdução MICROBIOLOGIA em sorvetes 44 O controle microbiológico de sorvetes é de fundamental importância e por não sofrer qualquer processo de cocção ou esterilização após seu preparo final, como acontece com outros

Leia mais

Aplicação de cloro no preparo de hortaliças frescas para consumo doméstico 1

Aplicação de cloro no preparo de hortaliças frescas para consumo doméstico 1 Aplicação de cloro no preparo de hortaliças frescas para consumo doméstico 1 Chlorine use in fresh vegetables aiming domestic consumption Laura Maria Bruno 2 e Gustavo Adolfo Saavedra Pinto 3...... RESUMO

Leia mais

Unidade de Terapia Intensiva

Unidade de Terapia Intensiva Cristiane Uyeno Enfermeira Coordenadora do CC e CME Hospital do Idoso Zilda Arns. Especialista em CC e CME - Instituto São Camilo; Especialista em Gestão Empresarial da Saúde - PUCPR; Coordenadora do grupo

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA FAECE SAÚDE ABRIL DE 2012

REVISTA CIENTÍFICA FAECE SAÚDE ABRIL DE 2012 AVALIAÇÃO DA AÇÃO ANTIMICROBIANA DE DESINFETANTES UTILIZADOS EM UMA INDÚSTRIA QUÍMICO FARMACÊUTICA EVALUATION OF ANTIMICROBIAL ACTION OF DISINFECTANTS USED IN CHEMICAL PHARMACEUTICAL INDUSTRY Kelly Sivocy

Leia mais