Gestão de Material em Almoxarifado na Administração Pública Estadual. Proibida a Reprodução e Comercialização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Material em Almoxarifado na Administração Pública Estadual. Proibida a Reprodução e Comercialização"

Transcrição

1 Gestão de Material em Almoxarifado na Administração Pública Estadual Proibida a Reprodução e Comercialização

2 Governo do Estado da Bahia Paulo Ganen Souto Secretaria da Administração Ana Lúcia Castelo Branco Superintendência de Serviços Administrativos Phedro Pimentel dos Santos Neto Realização Superintendência de Serviços Administrativos SSA Diretoria de Material - DM Elaboração e Revisão Conceição Souza Vidal Carvalho Paulo Ridolfi Tânia Leal de Andrade Colaboradores Aristides Julio da Silva Gomes Equipe de Estoque Sueli Cristina Mascarenhas Aroldo Menezes Proibida a Reprodução e Comercialização 2

3 SUMÁRIO Apresentação Introdução Estrutura organizacional Compras: influências sobre o almoxarifado Compras: legislação Introdução Objetivos da classificação Identificação Especificação do item Codificação Federal Supply Classification Catalogação Conceitos de padronização Vantagens Introdução Administração de material voltada para o cliente A tarefa de solicitar material O que solicitar? Identificação do material Quanto solicitar? Quantidade solicitada ao almoxarifado Quantidade solicitada para compra A quem solicitar? Quando solicitar? Calendário de compras Calendário de almoxarifado Como solicitar? Solicitação de material ao almoxarifado Conceitos e diferenças Importância do almoxarifado Estrutura O almoxarife Planejamento e organização de almoxarifado Localização e instalação Espaço e leiaute do almoxarifado Tipos de almoxarifados...31 Proibida a Reprodução e Comercialização 3

4 4.5. Atividades de almoxarifado Recebimento Armazenagem Arrumação de estoque Unidades de estocagem Localização de material em estoque Conservação do material Segurança de armazenagem Manuseio do material Controle de almoxarifado Movimentação de estoque Distribuição Gestão de estoque Valoração de estoque Controle de estoque Inventário Introdução Catalogação Aquisição de material Procedimentos a serem adotados após a geração e emissão da AFM Ordem cronológica dos lançamentos Lançamentos de Nota Fiscal no módulo Estoque Conferência dos lançamentos Relatórios disponíveis no módulo Estoque do SIMPAS para conferência dos lançamentos Conciliação contábil Relatórios disponíveis no SICOF para conferência dos lançamentos Inventário no SIMPAS Anexos Dicionário de Estoques Unidades de Medida Grandeza Principais prefixos das Unidades SI Modelo Físico Padrão de Almoxarifado Segurança no Manuseio e Estocagem Referências Bibliográficas Proibida a Reprodução e Comercialização 4

5 Apresentação As iniciativas da Secretaria da Administração SAEB, através da Superintendência de Serviços Administrativos SSA, têm sido no sentido de disponibilizar para as unidades organizacionais, mecanismos e instrumentos que contribuam para a racionalização e modernização administrativa, dando maior celeridade, segurança e economicidade nas aquisições de bens e serviços. Dentre esses instrumentos, destaca-se a adoção do Pregão, nas modalidades eletrônica e presencial, além da cotação eletrônica para a dispensa de licitação. Esses instrumentos promoveram uma evolução nas contratações públicas, estabelecendo uma maior interação com o mercado fornecedor, a partir da utilização de procedimentos de negociações ágeis, objetivos e desburocratizados. Este manual reúne uma coletânea de orientações e sugestões para a área de Almoxarifado na Administração Pública Estadual, extraídas de uma vasta literatura sobre o tema, citadas no módulo Anexos. Esperamos que ele contribua para que as unidades gestoras possam dispor de informações relativas às ações a serem adotadas na gestão de estoques. Phedro Pimentel dos Santos Neto Superintendente Proibida a Reprodução e Comercialização 5

6 Noções de Administração de Material Capítulo 1 Proibida a Reprodução e Comercialização 6

7 1. Introdução A administração de material corresponde ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas necessárias à definição de especificação, qualidade, recebimento, guarda, controle, distribuição e aplicação dos materiais destinados às atividades operacionais em uma organização, seja ela privada ou pública, de natureza industrial, comercial ou de serviços. Assim, podemos dizer que o sucesso da administração de material só será alcançado mediante a integração das suas atividades básicas de planejamento, compras e armazenagem, ancoradas numa eficiente política de materiais que defina normas, diretrizes e procedimentos voltados ao atendimento das necessidades de cada organização. Baseado nisso, podemos afirmar que qualquer empresa seja ela pública ou privada, necessita se organizar criando sistemas organizacionais, ou seja, conjunto de órgãos que desenvolvem atividades específicas ou grupos de atividades afins. Ao conjunto de órgãos que desenvolvem as atividades de administração de materiais chamamos de SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL- SAM. Basicamente, um Sistema de Administração de Material se constitui de três subsistemas: Sistema de Administração de Material - SAM Planejamento Compras Armazenagem Portanto, podemos definir que o SAM é o conjunto de recursos humanos, organizacionais e físicos, que tem por objetivo garantir o suprimento contínuo e ininterrupto de materiais, nas condições técnicas e economicamente adequadas, para o perfeito funcionamento da organização. 1.1 Estrutura organizacional Considerando a falta de uniformidade na terminologia adotada para identificar a composição ou estrutura administrativa, resolvemos não utilizar os tradicionais termos seção, divisão ou departamento, já que, comumente, o que é seção para uma instituição, poderá ser divisão para uma outra. Buscamos então, demonstrar uma estrutura organizacional padrão, à luz da administração de material nas Unidades Gestoras da Administração Pública Estadual. Proibida a Reprodução e Comercialização 7

8 ÓRGÃOS SUPERIORES SERVIÇOS GERAIS FINANÇAS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS PLANEJAMENTO COMPRAS ALMOXARIFADO CLASSIFICAÇÃO DE MATERIAL GESTÃO DE ESTOQUES CADASTRO DE FORNECEDOR COMPRA DIRETA RECEBIMENTO ARMAZENAGEM COMISSÃO DE LICITAÇÃO DISTRIBUIÇÃO 1.2 Compras: influências sobre o almoxarifado A função compras possui significativas influências sobre as atividades do almoxarifado. Podemos afirmar que a eficiência das atividades do almoxarifado está diretamente associada à eficiência na área de compras. Primeiramente, por uma questão óbvia, já que a razão de existência do almoxarifado só se justifica pela existência do objeto material, desde a sua previsão, recebimento, guarda e entrega ao usuário, fato esse, que só é possível pela ação de compras. Com algumas exceções, o material de trabalho de um comprador é a informação abstrata sobre o que é e como funciona um produto, ou seja, ele adquire algo que, na maioria das vezes, ainda não conhece. Mesmo com essa dificuldade, se o trabalho de compras não for bem realizado, respondendo com eficiência e qualidade às questões: o que?, quando? e, quanto comprar?, poderá gerar problemas para a gestão de almoxarifado, tais como: recebimento de materiais de qualidade questionável, decorrentes de falha na especificação ou ausência de análise nas amostras; atraso no ressuprimento de estoque ocasionando desabastecimento; valoração incorreta dos estoques em conseqüência de aquisições com preços não condizentes com a realidade do mercado; comprometimento da armazenagem em decorrência de não terem sido considerados fatores como: validade do produto, qualidade de embalagem, acondicionamento, etc. Proibida a Reprodução e Comercialização 8

9 morosidade nas aquisições, em que os prazos de intervalo de ressuprimento (IR) e tempo de compra (TR) não são cumpridos; atraso no envio do instrumento de contratação para o almoxarifado; processo de compra formalizado de forma inadequada; ausência de documentação que comprove alterações, envio e recebimento de informações de compras; acordos verbais com fornecedores; ausência ou deficiência de informações quanto ao destino do material, principalmente nas compras conjuntas ou agrupadas Compras: legislação. Nenhuma compra na Administração Pública Estadual poderá se efetivar sem a devida observância à Lei Estadual nº 9.433/05 e suas alterações. Cabe observar que, comumente, tem-se creditado às legislações a ineficiência verificada nas aquisições públicas, sob a argumentação de que ela é imperativa e despreza a qualidade, já que impõe a compra pelo menor preço. O que de fato ocorre é que a lei é impessoal, não avalia o caráter e competência individual de cada comprador ou fornecedor, mas estabelece requisitos e regras gerais de procedimentos e conduta para as unidades organizacionais que executam o orçamento público, bem como fornecedores interessados em transacionar com a Administração Pública Estadual. Tudo isso baseado nos princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Assim, a eficácia das compras públicas só será alcançada mediante a aplicação dos recursos de planejamento, que poderão nos dar respostas satisfatórias às questões: o que, quando, quanto, como e onde comprar com qualidade e baixo custo. E o que tem isso a ver com o almoxarifado? Como já dissemos, dificilmente o almoxarifado terá eficiência e demonstrará qualidade se esses propósitos não estiverem presentes também nas atividades de compras. Note-se aqui, que é impossível o funcionamento eficaz de um sistema de administração de materiais sem que suas unidades estejam intimamente integradas, onde não haja um verdadeiro inter-relacionamento de suas rotinas, procedimentos, recursos e agentes. Baseado nisso, resolvemos apresentar alguns dos principais artigos (de licitações diretas) que impactam diretamente sobre as atividades de compras e, por conseqüência, sobre o almoxarifado. Proibida a Reprodução e Comercialização 9

10 FATORES Lei Estadual 9.433/05 O QUE DIZ: CUSTO Art. 57, Inc. I, 1º Entende-se como licitação de menor preço a que objetiva a seleção da proposta mais vantajosa para a Administração, sendo vencedora aquela que atender às especificações de edital ou convite e ofertar o menor preço. Art. 30 Nenhuma compra será feita sem a adequada caracterização de seu objeto e... QUALIDADE Art. 31, Inc. I As compras deverão, sempre que possível: atender ao princípio da padronização e a compatibilidade de especificação técnica e de desempenho, observados quando for o caso, as condições de manutenção, assistência técnica e garantias oferecidas. Art. 31, 6º Nas compras deverão constar as especificações completas dos bens a serem adquiridos sem a indicação de marcas, características e especificações exclusivas,... TEMPO Art. 54º inc. I, II, III, IV, V e VI. O prazo mínimo até o recebimento das propostas ou da realização do evento será: 45, 30, 15, 10, 08 ou 05 dias, dependendo da modalidade optada. Proibida a Reprodução e Comercialização 10

11 Noções de Classificação de Material Capítulo 2 Proibida a Reprodução e Comercialização 11

12 2. Introdução Um sistema de classificação de material visa estruturar, consolidar e divulgar, de forma padronizada, as informações sobre materiais no âmbito da instituição. A classificação de materiais compreende a identificação, codificação e catalogação dos materiais destinados à produção, venda, consumo ou movimentação de bens e produtos de uma organização, além, de orientar as compras. Existem várias formas de classificação que podem ser, em síntese, estruturadas como: Identificação: é a análise e o registro padronizado dos dados descritivos de cada material, incluindo as suas características técnicas. Codificação: é a representação dos dados descritivos de um material, por meio de um símbolo ou código de composição alfabética, numérica ou alfanumérica. Catalogação: é a consolidação e ordenação lógica dos dados de identificação e codificação através da montagem de arquivos manuais ou informatizados e da edição de um catálogo impresso ou virtual que permita a obtenção de informações sobre cada item identificado e codificado. Esse catálogo tem por objetivo a divulgação, no âmbito interno, de todos os itens de materiais utilizados pela organização. CLASSIFICAÇÃO DE MATERIAL IDENTIFICAÇÃO CODIFICAÇÃO CATALOGAÇÃO 2.1. Objetivos da classificação Estabelecer uma terminologia única e padronizada para os materiais, de forma que se evite duplicidade na sua interpretação; Criar regras simples que permitam a identificação dos materiais; Elaborar método para o estabelecimento de uma estrutura decimal básica que propicie a formação do código de material; Permitir a geração de publicações destinadas a divulgar os dados de identificação e codificação de material. Proibida a Reprodução e Comercialização 12

13 2.2. Identificação A identificação de um produto ocorre através da completa especificação de suas características físicas, químicas, de desempenho e funcionamento. Sem dúvida alguma, uma especificação incompleta de material representa um dos maiores problemas nas aquisições realizadas nas organizações, sejam elas públicas ou privadas. Decorre disso alguns sérios prejuízos financeiros e operacionais, já que inúmeros produtos são adquiridos em desacordo com o desejado pela organização e ou que deixam a desejar no quesito da qualidade, ficando inutilizados ou sub-utilizados, pela inadequação de sua aplicação. Diante dessa realidade, entendemos cabíveis as observações de A. G. Thomaz, em seu ótimo trabalho Princípios da Compras Governamentais, que estabelece: As vantagens que surgem da precisão e exatidão das especificações contidas nas concorrências para fornecedores, são múltiplas. Uma especificação completa e precisa realça grandemente a reputação comercial da Instituição, pelo conhecimento exato de suas necessidades. Informa aos fornecedores que os subterfúgios no decorrer de um compromisso de compra não fazem parte da política do setor de compras uma certeza que naturalmente estimula a concorrência entre fornecedores mais desejáveis e garante os menores preços. Evita o desperdício de tempo dos comerciantes, motivo importante a ser considerado, pois descrições incompletas geralmente exigem que um comerciante perca grande parte de seu tempo, ou conte com o seu conhecimento pessoal das exigências ou, então, dê os seus preços sem o conhecimento suficiente. Evita o desperdício de tempo do comprador em responder aos questionamentos dos possíveis fornecedores e evita, outrossim, o desperdício de tempo daqueles que devem receber e utilizar o produto adquirido, pois, pelo contrário, os fornecedores irão procurá-lo para obter maiores informações. Por tais razões, a especificação precisa evitar atritos entre os fornecedores e aqueles que devem receber e utilizar os artigos comprados. A falta de uma especificação precisa envolver, ainda, o perigo de que a informação dada verbalmente poderá ser compreendida de diversas formas, por vários fornecedores. Assim, podemos dizer que a identificação é o primeiro e mais importante passo para classificação de material, e consiste na análise e registro dos principais dados individualizados que caracterizam e particularizam um item em relação ao universo de outros materiais existentes na organização. Ela busca, portanto, estabelecer a identidade do material através da especificação das principais características do item. Todavia, para especificar é necessário dispor de determinados dados que descrevam o material, de modo a identificá-lo perfeitamente. É nessa pesquisa e no registro dos elementos descritivos do material que se resume o trabalho de especificação. A identificação se dá a partir da sua Descrição Completa. Proibida a Reprodução e Comercialização 13

14 Especificação do item É o conjunto de dados descritivos de um item de material que obedece a alguns parâmetros ou padrões de descrição. Geralmente é composta por três conjuntos de dados: Descrição Resumida (Nome Básico + Nome Modificador) Características Físicas Identificação Auxiliar a) Nome Básico É a denominação mais elementar de um material, constituindo-se no passo inicial para identificação de um item de material, como por exemplo: cadeira, lâmpada, etc. O Nome Básico deve individualizar o material e, para tanto, existem regras que definem a apresentação deste nome. A utilização da estrutura de Nome Básico permite a consolidação de informações de aquisições a partir da descrição mais elementar do item, importante na geração de relatórios gerenciais para a tomada de decisões. Cuidados na formação de Nome Básico: 1. Não usar palavras no plural como: Tubos Cadernos Barras Mesas 2. Não usar palavras genéricas: Conexão (Nome Básico: joelho, tê, luva, etc). Abrasivo (Nome Básico: lixa, rebolo, etc). 3. Não usar gírias ou regionalismos: Jerico (Nome Básico: trator) Rolimã (Nome Básico: rolamento) Jabá (Nome Básico: charque) 4. Não usar marcas de produtos: Bombril (Nome Básico: esponja de aço) Limpol (Nome Básico: detergente) Fórmica (Nome Básico: laminado decorativo) 5. Não usar palavras estrangeiras: Drive (Nome Básico: unidade de disco) Pallet (Nome Básico: estrado) 6. Não usar palavras referentes à embalagem ou forma de apresentação: Tubo de cola (Nome Básico: cola) Caixa de grampo (Nome Básico: grampo) Lata de óleo (Nome Básico: óleo) Proibida a Reprodução e Comercialização 14

15 b) Nome Modificador Trata-se do complemento destinado a estabelecer a diferenciação entre itens de mesmo Nome Básico. Para sua determinação não existe regra fixa, podendo ser estabelecido em função de: Composição do material (tubo, aço galvanizado) Aplicação do material (caderno, brochura) Tipo do material (barra, chata) Formato do material (ARRUELA CÔNCAVA) c) Características Físicas Trata-se das informações detalhadas referentes às propriedades físicas, químicas ou de funcionamento dos materiais. Nelas são informadas: Peso Dimensão Voltagem Volume Densidade Cor Resistência Composição Capacidade Outros Observa-se que se trata de um importante conjunto de informações para perfeita definição e caracterização do material. d) Descrição Complementar São as informações destinadas a complementar e esclarecer a descrição de um material. Aparece como função opcional, exceto a unidade de medida: unidade de medida (quilo kg, peça, etc.); tipo de embalagem (lata, fardo, etc.); forma de acondicionamento (caixa com 12 latas, etc); forma de apresentação do material (bloco, tubo, etc.); aplicação. e) Descrição Completa É a nomenclatura padrão de cada item de material, também chamado de Nome de Material, formada pela Descrição Resumida (Nome Básico + Nome Modificador), Características Físicas e Descrição Complementar. A regra define que o Nome Padronizado deverá sempre se apresentar em letras maiúsculas (Nome Básico) e minúsculas (Nome Modificador, Características Físicas e Descrição Complementar), o que permite uma melhor visualização e facilita a busca (sistemas informatizados) e a ordenação alfabética dos materiais. Proibida a Reprodução e Comercialização 15

16 Nome Básico Características Físicas e Descrição Complementar + = Descrição Completa Logo: Tubo de Aço Galvanizado = TUBO, Aço galvanizado; Caderno de Brochura = Caderno, Brochura Codificação A codificação de um material tem por finalidade identificar com facilidade um material, em meio a tantos outros, sem a necessidade de análise de suas características descritivas. Como já dissemos, codificar é representar esses dados descritivos através de um código, o que garantirá maior agilidade e segurança no processamento de informações e na movimentação de material Federal Supply Classification É o sistema criado e desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos com o objetivo de estabelecer e manter um sistema uniforme de identificação, codificação e catalogação para todos os materiais movimentados pelos órgãos componentes da sua estrutura. A Administração Pública Estadual adota o Federal Supply Classification como referência básica para o seu padrão de classificação de material Catalogação Ao final da codificação, é recomendável a criação de um Catálogo de Material que reúna todos os dados de identificação, codificação, unidade de fornecimento e demais informações necessárias e específicas da instituição. Seu principal objetivo é a divulgação uniformização da linguagem e da padronização das descrições. De ordinário, os catálogos são organizados a partir dos seguintes dados: Código de material Descrição de material Unidade de fornecimento Proibida a Reprodução e Comercialização 16

17 2.5. Conceitos de padronização A especificação sempre nos conduz à Padronização, que pode ser definida como: Forma de normalização que consiste na redução do número e tipo de materiais que possuem as mesmas características de aplicação e funcionamento, a partir da relação custo-benefício, ao número que seja adequado para o atendimento as necessidades da organização; Ou, segundo a ABNT: É a classe de norma técnica que constitui um conjunto metódico e precioso de condições a serem satisfeitas, com o objetivo de uniformizar formatos, dimensões, pesos ou outras de elementos de construção, materiais, aparelhos, objetos, produtos industriais acabados, ou ainda, de desenhos e projetos. De forma teórica e didática, podemos estabelecer dois tipos de padronização: Padronização Simplificada: Trata de transformar em padrão a descrição de um produto ou equipamento no âmbito do órgão, de forma que todas as unidades usuárias utilizem uma mesma linguagem; Padronização Especial: Trata da identificação e seleção de um produto ou equipamento, cujas vantagens de economicidade, aplicação, desempenho, manutenção e assistência técnica tragam benefícios para a administração pública (art. 31, inc. I, Lei Estadual nº 9.433/05). Esses pré-requisitos, atendidos e devidamente justificados, permitirão que se opte por marcas e modelos de um determinado fabricante quando da realização de processo seletivo para escolha do fornecedor de determinado material. Ex. veículos, equipamentos e produtos médico-hospitalares, etc Vantagens Simplificação na descrição dos materiais; Diminuição do número dos itens, quantidades e custos de estoque; Diminuição do trabalho de compras; Obtenção de maior qualidade e uniformidade. Ampliação do histórico de aquisições Proibida a Reprodução e Comercialização 17

18 Administração de Material Capítulo 3 Proibida a Reprodução e Comercialização 18

19 3. Introdução Com o advento da globalização, as empresas privadas tiveram que se reinventar, isto é, buscaram se organizar de fora para dentro e não como sempre fizeram, condicionando os clientes a aceitarem os seus produtos, custos e inabilidade produtiva (baixa qualidade). Com a abertura dos mercados e a evolução dos processos de comunicação, aliados à aplicação de recursos da tecnologia da informação na produção, surge um modelo acirrado de competição entre as empresas e o fortalecimento e supervalorização da figura do cliente que, se antes sempre tinha razão, agora, é considerado um rei, pois determina a sobrevivência e ou morte de uma empresa. Essa nova visão de cliente vem sendo absorvida pelo setor público. Nessa linha de pensamento, procuraremos demonstrar que a sobrevivência e o sucesso da administração pública de materiais só se dará, se começar e terminar no cliente. Temos que inverter o processo, isto é, averiguar, primeiramente, as necessidades do cliente e, depois de trabalhá-lhas adequá-las às determinações legais, com base em um processo racional e otimizado. Isto só será factível se buscarmos municiar nossos clientes com todos os meios e informações que irão orientar os processos de compras e de administração dos almoxarifados, sempre considerando os seus anseios e desejos, tal como acontece na iniciativa privada Administração de material voltada para o cliente Como os clientes fazem as suas escolhas? O mais importante é lembrar que os clientes decidem comprar produtos baseados em sua própria visão do mundo suas percepções da realidade. Poucos clientes compram sem pensar. Ao contrário, trazem suas percepções do mundo ao processo de decisão que os leva a decidirem por um produto ou serviço, dentre tantos produtos e serviços. Eis a nossa responsabilidade: orientá-los e ajudá-los em suas observações e decisões sobre que produto adquirir. A estruturação do sistema de material de uma organização deve ter início e fim no usuário ou cliente interno. Logo, qualquer planejamento que vise estabelecer uma política de material não poderá desconsiderar nunca a qualidade das informações que deverão ser disponibilizadas para aquele usuário. Proibida a Reprodução e Comercialização 19

20 Por esse motivo, as orientações contidas neste capítulo buscam, de forma clara e simples, esclarecer as dúvidas e questionamentos mais comuns entre os usuários de um órgão/entidade, desde o passo inicial que é a elaboração de uma solicitação de material. As respostas e esclarecimentos não possuem força de regra, já que cada órgão pode possuir especificidades no desenvolvimento das atividades de administração de materiais. Então, buscamos demonstrar um modelo simples, aplicável ao processamento manual ou mecanizado A tarefa de solicitar material Entendemos que para alcançarmos os resultados desejados, faz-se necessário, primeiramente, organizarmos o início do processo, cuja execução está a cargo do usuário/cliente, e que é a elaboração de uma solicitação de material. O que solicitar? Quanto solicitar? Para quem solicitar?? Como solicitar? Quando solicitar? 3.3. O que solicitar? No tocante a material, a tarefa de definir o que se quer, apesar de parecer fácil, pode tornar-se bastante complexa. Basta ver que comumente nos dirigimos a um supermercado com a intenção de adquirir um determinado produto. Entretanto, dificilmente de lá saímos com exatamente aquilo, ou só aquilo, que tínhamos em mente adquirir. Assim, quando o usuário definir a necessidade de comprar algum material, seja de consumo ou permanente, deverá ele possuir certas orientações sobre alguns aspectos que se mostram bastantes importantes e que influenciarão diretamente a qualidade da aquisição. Proibida a Reprodução e Comercialização 20

21 Identificação do material Geralmente, quando o usuário necessita de um determinado material, sabe apenas o seu nome genérico: lápis preto, caneta marca x, cartucho para impressora marca X, etc. Considerando que a maioria dos usuários não detém conhecimentos técnicos suficientes para uma completa especificação de material, o Sistema Integrado de Material, Patrimônio e Serviços SIMPAS, instituído através do Decreto Estadual nº de , disponibiliza, o módulo Catálogo que reúne os materiais de uso nas unidades organizacionais. Nele consta um universo de descrição de materiais para atender as necessidades do usuário, bastando a este, após localizar o material lhe interessa, transcrevê-lo do catálogo para o documento de solicitação de material, assunto esse que será amplamente abordado quando tratamos do tema Como solicitar. Ressaltamos que um catálogo é uma estrutura em constante atualização, podendo ocorrer que o usuário necessite de um item que não conste nele. Daí surge à necessidade de especificar esse material detalhadamente, o que requer do usuário o conhecimento e a observância de dois importantes aspectos: a) Aspecto legal - Trata-se do cumprimento da legislação vigente que regula todas as compras das instituições públicas municipais, estaduais e federais. Daí, destacam-se duas importantes citações da lei no tocante a descrição de material e que o usuário não poderá desprezar. Nenhuma compra será efetuada sem a adequada caracterização de seu objeto.... (Art. 30 Lei Estadual 9.433/05) Nas compras deverão constar as especificações completas dos bens adquiridos, sem indicação de marcas... (Art. 31, parágrafo 6º Lei Estadual 9.433/05) Assim, devemos deixar claro ao usuário a necessidade de se descrever o material o mais detalhadamente possível, já que é vedada a indicação da marca do produto como forma de limitar o universo de fornecedores que possam atender a demanda da organização. Para tanto, sugerimos que a escolha do material de interesse se apóie em informações, tendo como fontes de informações catálogos técnicos e contatos com fabricantes, profissionais especialistas, fornecedores e compradores para que a descrição do produto solicitado facilite, pela sua clareza, o processo, gerando assim mais economia de recursos, tempo e trabalho. Proibida a Reprodução e Comercialização 21

22 b) Aspecto técnico Trata-se de observar que a descrição de um produto, sob a ótica da administração de material, atende a certas técnicas de identificação. Como não podemos exigir que o cliente entenda de especificação de material, caberá à organização criar uma estrutura de informações que esclareça ao cliente, da forma mais simplificada possível, tema esse já tratado no Capítulo 2, devendo o usuário fornecer: Nome Básico (a apresentação mais simples do material: cadeira, lápis, mesa, etc); Nome Modificador (aquela que muda um nome básico: mesa escritório, lápis cera, etc); Características Físicas (peso, dimensões, potência, composição, formato, etc); Dados Complementares (acondicionamento, embalagem, norma técnica, etc.). Lembre-se: quanto mais detalhada for a descrição do material pelo cliente, mais preciso e eficiente será o processo de aquisição, o que garantirá maior satisfação ao cliente Quanto solicitar? Deverá o usuário estabelecer uma previsão de consumo coerente com as suas necessidades, de forma que não haja falta ou excesso de itens em estoque, provocando interrupção de atividades ou imobilização financeira, respectivamente. Cabe ao usuário definir a: Quantidade solicitada ao almoxarifado Para os materiais mantidos em estoque a quantidade solicitada deverá prever um consumo mensal, não havendo necessidade de formar estoque no próprio setor de trabalho (dentro de armários, gavetas e etc.) uma vez que o almoxarifado estará à disposição a qualquer momento, com a vantagem de possuir local adequado para armazenagem e pessoal qualificado para a sua movimentação Além disso, possuirá, também, um controle seguro e eficiente que garantirá o abastecimento contínuo a todas as unidades consumidoras. Assim, as quantidades de materiais estocáveis a serem solicitadas deverão estar baseadas num consumo realista, sem adição da chamada reserva de desconfiança. É fundamental o estabelecimento de parceria entre o usuário final e o responsável pelo almoxarifado, baseado no profissionalismo e confiança recíproca. Proibida a Reprodução e Comercialização 22

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. Disciplina o recebimento, a armazenagem, a estocagem e a distribuição de materiais pelos almoxarifados da UDESC. O Pró-Reitor de Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Atualizado em 25/07/07

Atualizado em 25/07/07 Atualizado em 25/07/07 1 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Jaques Wagner SECRETÁRIA DA ADMINISTRAÇÃO Manoel Vitório da Silva Filho SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Paulo de Souza Nunes Filho Realização

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

MANUAL DO ALMOXARIFADO

MANUAL DO ALMOXARIFADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA BR 349 - Km 14 Zona Rural - Caixa Postal 34

Leia mais

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Vera Cruz GABINETE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE www.veracruz.ba.gov.br

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Vera Cruz GABINETE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE www.veracruz.ba.gov.br PORTARIA N 014 /2015 A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE VERA CRUZ, por nomeação legal e no uso das atribuições que lhe são conferidas, CONSIDERANDO a necessidade premente do controle efetivo sobre o estoque

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Instrução Normativa CGM Nº 003/2013. Ementa: Dispõe sobre os procedimentos de recebimento, armazenagem, distribuição e controle de entradas e saídas de materiais de consumo no Almoxarifado Central da Administração

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Gestão de Materiais no Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Alegre ES.

Gestão de Materiais no Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Alegre ES. 13 Gestão de Materiais no Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Alegre ES. Priscila Felisberto de Assis UVV/FACULDADE DE GUAÇUÍ priscilaassis@hotmail.com Simone Souza UVV/FACULDADE DE GUAÇUÍ simone.souza@uvv.br

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com PORTARIA Nº 176/2007/GBSES

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com PORTARIA Nº 176/2007/GBSES PORTARIA Nº 76/007/GBSES O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no uso das atribuições legais, e Considerando a Portaria nº 80 de 08 de outubro de 998, da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da

Leia mais

ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS MÓVEIS

ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS MÓVEIS PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO NORMA INTERNA SPA N.º 01/2008 DATA VIGÊNCIA 01/10/2008 Versão II Atualizada em 10/03/2014 ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA - SPA Nº 005/2013. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO E CONTROLE DE ENTRADAS E SAÍDAS DE MATERIAIS DE CONSUMO NO ALMOXARIFADO. Versão: 01 Aprovação

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

Instrução Normativa nº 02/CI/2013

Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Dispõe sobre os procedimentos de recebimento, armazenagem, distribuição e controle de entradas e saídas de materiais de consumo e permanentes no Almoxarifado da Administração

Leia mais

CÂMPUS MEDIANEIRA MANUAL DO ALMOXARIFADO

CÂMPUS MEDIANEIRA MANUAL DO ALMOXARIFADO CÂMPUS MEDIANEIRA MANUAL DO ALMOXARIFADO Medianeira 2012 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 Orienta os órgãos da Administração Direta do Poder Executivo Estadual sobre os procedimentos a serem aplicados no controle patrimonial de bens móveis, em conformidade

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

TESTE RÁPIDO (ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS)

TESTE RÁPIDO (ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS) TESTE RÁPIDO (ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS) ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem. 1 - ( CESPE / ANS / 2013 / TÉCNICO

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING Há quem diga que praticar o 5S é praticar "bons hábitos" ou "Bom senso". Apesar da simplicidade dos conceitos e da facilidade de aplicação na prática, a sua

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como criar um Arquivo Público Municipal Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

LOGISMATER QUEM SOMOS?

LOGISMATER QUEM SOMOS? CADASTRE E CONTROLE DE FORMA PADRONIZADA LOGISMATER QUEM SOMOS? Empresa voltada para soluções práticas na Área de Materiais. Possui um quadro de colaboradores com larga experiência em alinhamento de processos

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DE RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS Rev 02 1/5 1. Objetivo Este manual tem por objetivo orientar os usuários / clientes quanto aos itens a serem

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

(O computador não educa, ensina - Revista Veja, maio, 2007, Texto adaptado.)

(O computador não educa, ensina - Revista Veja, maio, 2007, Texto adaptado.) 2 CONHECIMENTOS BÁSICOS NAS QUESTÕES NUMERADAS DE 01 A 10, ASSINALE A ÚNICA ALTERNATIVA QUE RESPONDE CORRETAMENTE AO ENUNCIADO. LÍNGUA PORTUGUESA LEIA O TEXTO ABAIXO PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES NUMERADAS

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, o Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 003/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 003/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 003/2015. DISPÕE SOBRE O PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE, QUANTO AO RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM, ENVIO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Logística Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Logística. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa Nome: Data: / /. Dia da Semana: Horário de Aula das : ás :. Nome do Professor: Carlos Roberto Mettitier Esta avaliação teórica tem o peso de 10 pontos. Instruções para realização da avaliação: 1. A avaliação

Leia mais

A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem.

A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Prof. Vinicius Motta A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem. 1 - ( CESPE / ANS / 2013 / TÉCNICO ADMINISTRATIVO ) Nos dias atuais,

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Controle da Qualidade do Almoxarifado 1/15

Controle da Qualidade do Almoxarifado 1/15 Controle da Qualidade do Almoxarifado 1/15 Indicadores de desempenho na Gestão de Materiais Estabelecimento de padrões: Para avaliar indicadores, é necessário ter padrões. Na fase de implantação pode haver

Leia mais

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Sistemas de Processamento de Transações Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Evolução dos sistemas de informação Os dispositivos de computação passaram dos tubos a vácuo, nos anos 50

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação Apresentação A amostragem de grãos constitui se, em nível de armazenagem, na primeira preocupação a ser considerada por estar relacionada à identificação ou diagnóstico dos eventuais serviços necessários

Leia mais

Operações de Rotina. 4.13 Arrumação da Loja

Operações de Rotina. 4.13 Arrumação da Loja 4.13 Arrumação da Loja Operações de Rotina O bem-estar na loja depende de muitos fatores. Um dos mais importantes é a arrumação, pois propicia uma boa impressão, tanto aos clientes quanto aos colaboradores.

Leia mais

PREFEITURA lv\unicipal'de OURO PRETO PATRIMÔNIO CIDADÃO

PREFEITURA lv\unicipal'de OURO PRETO PATRIMÔNIO CIDADÃO rrefeitlira nr OURO PRFTO Pilar Ouro Preto MG 35400'000 PREFEITURA lv\unicipal'de OURO PRETO PATRIMÔNIO DECRETO N 922, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2007. Estabelece nonnas que disciplinam a Administração de Materiais

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DE ALMOXARIFADO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Por: ROSELI RIBEIRO MOTTA DE ALMEIDA Orientador Profª. MARY

Leia mais

- A necessidade de um maior controle estatístico e operacional das cargas movimentadas pelo Porto de Paranaguá;

- A necessidade de um maior controle estatístico e operacional das cargas movimentadas pelo Porto de Paranaguá; ORDEM DE SERVIÇO Nº 046/2006 ARMAZENAGEM O Superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, no uso de suas atribuições conferidas pelos itens V e X do artigo 16 do Regulamento aprovado

Leia mais

Catálogo Geral de Materiais e Serviços. Perguntas mais freqüentes. Página 1 de 18

Catálogo Geral de Materiais e Serviços. Perguntas mais freqüentes. Página 1 de 18 Catálogo Geral de Materiais e Serviços Perguntas mais freqüentes 2006 Página 1 de 18 Bahia, Secretaria da Administração Catálogo Geral de Materiais e Serviços: perguntas mais freqüentes Salvador: SAB /

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística de recebimento, armazenagem e expedição do fornecedor DANA SCB e DANA NAKATA

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: O foi desenvolvido com o objetivo de simplificar e agilizar o processo de aquisição de materiais e serviços, atendendo as exigências

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

WMSL Warehouse Management System Lite

WMSL Warehouse Management System Lite WMSL Warehouse Management System Lite Tela Inicial Esta é a tela inicial do sistema WMSL (Warehouse Management System - Lite) da Logistock. Cadastro Administrativo Pesquisa Movimentação Encerrar Cadastro

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS 10.108 - REGULAMENTO SIMPLIFICADO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DATA DE APROVAÇÃO: 12/08/1993 - DATA DE ALTERAÇÃO: 20/09/1995 ÍNDICE PÁGINAS CAPÍTULO

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste teste pode ser reproduzida por meio algum

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Piauí

Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Piauí P R O C E D I M E N T O S A S E R E M O B S E R V A D O S Q U A N T O A O C O N T R O L E I N T E R N O M A R I A V A L É R I A S A N T O S L E A L A U D I T O R A

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS O Conselho de Administração do Instituto de Gestão em Saúde - Instituto Gerir, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

A Bolsa de Materiais como instrumento de gestão da logistica de materiais na. administração pública.

A Bolsa de Materiais como instrumento de gestão da logistica de materiais na. administração pública. A Bolsa de Materiais como instrumento de gestão da logistica de materiais na administração pública Manuela Senna Martinez Aristides Julio Da Silva Gomes Introdução Durante décadas, a administração pública

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Parametrização Básica WMS

Parametrização Básica WMS Parametrização Básica WMS Sumário Definindo Parâmetros Gerais... 4 Parâmetros... 5 Conferência... 6 Integração... 7 Pick / Pack... 8 Tarefa... 10 Etiqueta... 11 Produção... 12 Integração do Produto...

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo principal informar à cadeia de fornecedores os procedimentos e processos internos operacionais que viabilizam a avaliação de desempenho dos

Leia mais