INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO"

Transcrição

1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO 1. Esta Instrução tem por objetivo disciplinar o recebimento e registro de bens permanentes, no âmbito do Ministério Público. DO RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES 2. Bem permanente é todo item ou conjunto que, concomitantemente, tenha durabilidade prevista superior a dois anos, não perca sua identidade física ou autonomia de funcionamento em razão de uso, mesmo quando incorporado ou adicionado a outro bem e cujo valor unitário seja superior ao estabelecido para pagamento de despesas miúdas de qualquer natureza, assim entendidas aquelas que se situarem dentro do limite de 0,3% (três décimos percentuais) do valor estabelecido para dispensa de licitação para compra e serviços que não sejam os de engenharia. Inclui, ainda, independentemente do valor, mobiliário em geral, acervo bibliográfico, objetos de arte e históricos, peças para coleções de bibliotecas, discotecas, mapotecas, filmotecas, museus e assemelhados. 3. Para efeito do disposto nesta Instrução Normativa, entende-se por: 3.1. Aquisição centralizada a compra de bens com o uso de recursos de custeio do Ministério Público, realizada exclusivamente pela Coordenação de Suprimento, unidade vinculada à Diretoria Administrativa da Superintendência de Gestão Administrativa, de acordo com regras e limites previstos na legislação Aquisição descentralizada a compra de bens com o uso de recursos vinculados a projetos orçamentários do Ministério Público, realizada por órgãos e unidades gestores de sua execução, de acordo com regras e limites previstos na legislação. 4. Todo recebimento de bem permanente adquirido por compra, doação, cessão, permuta, incorporação, reintegração, reposição, transferência, devolução, convênio e fabricação própria será registrado e cadastrado pela Coordenação de Patrimônio, unidade vinculada à Diretoria Administrativa da Superintendência de Gestão Administrativa, de acordo com os procedimentos definidos nesta Instrução Normativa. 5. O recebimento de bens permanentes será realizado da seguinte forma:

2 5.1. Pela Coordenação de Patrimônio sendo que, no caso de aquisição descentralizada, conjuntamente com o órgão/unidade do Ministério Público gestor do projeto orçamentário ao qual estão vinculados os recursos utilizados para sua aquisição, sem prejuízo do disposto no item Bens permanentes da área de informática, nos termos do item 5.1, com a participação da Diretoria de Tecnologia da Informação, unidade vinculada à Superintendência de Gestão Administrativa, sem prejuízo do disposto no item Nos casos em que o valor do objeto seja superior ao limite estabelecido para a modalidade de convite, o recebimento dos bens permanentes terá a participação de comissão de servidores especialmente instituída para esse fim. 6. A Coordenação de Patrimônio efetuará o controle sistemático do prazo de permanência dos bens permanentes cedidos pelo Ministério Público e cedidos ao Ministério Público, e da sua respectiva devolução. 7. A Coordenação de Patrimônio, ao receber o bem permanente, nos termos do item 5, seja decorrente de compra, seja decorrente de doação, procederá aos registros no Sistema Central de Solicitações/Módulo Patrimônio, disponibilizando seus respectivos relatórios gerenciais. 8. A Coordenação de Patrimônio procederá ao controle dos bens patrimoniais, gerindo o Sistema Central de Solicitações/Módulo Patrimônio, de forma a assegurar as ações necessárias à sua operacionalização e aperfeiçoamento. 9. O recebimento de bens permanentes será atestado na respectiva Nota Fiscal, por meio da conferencia documental, quantitativa e qualitativa, conforme as especificações constantes na documentação especifica. 10. A Coordenação de Patrimônio e os órgãos/unidades gestores de projetos orçamentários deverão acompanhar os prazos de entrega dos bens sob sua responsabilidade, de forma a evitar eventuais atrasos que prejudiquem a eficiência administrativa. 11. A Coordenação de Patrimônio e os órgãos/unidades gestores de projetos orçamentários deverão manter a Coordenação de Suprimento informada acerca de descumprimentos de prazos ou atrasos na entrega. 12. A Coordenação de Suprimento procederá ao registro das informações e ao acompanhamento do desempenho dos fornecedores do Ministério Público, especialmente quanto a prazo de entrega e qualidade do material fornecido. PROCEDIMENTOS PARA O RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES

3 13.O recebimento e registro de bens permanentes adquiridos por meio de compra obedecerão ao disposto no item 5 desta Instrução Normativa, seguindo os procedimentos definidos a seguir: Conferir e atestar os bens recebidos, conforme especificações e quantidades descritas para a aquisição e integridade física e funcional, realizando os testes, quando necessário; Promover, junto com a Coordenação de Suprimento ou o órgão/unidade gestor de projeto orçamentário, a devolução ao fornecedor dos bens que estejam fora das especificações, para fins de regularização do fornecimento Confrontar a Nota Fiscal com a documentação específica, na forma a seguir: a) com o formulário Autorização de Fornecimento AFM, no caso de compra mediante registro de preço. b) com o contrato ou, na sua inexistência, com a proposta vencedora, no caso de compra realizada por meio de licitação. c) com o contrato ou, na sua inexistência, com o orçamento do proponente vencedor ou do fornecedor exclusivo, no caso de compra realizada por meio de dispensa ou inexigibilidade de licitação, respectivamente Conferir, no caso de compra, as certidões especificas (de regularidade com o FGTS, negativa de débitos junto ao INSS, negativas de débitos junto às Fazendas Federal, Estadual e Municipal e de regularidades trabalhistas), comunicando à Coordenação de Suprimento ou ao órgão/unidade gestor de projeto orçamentário as eventuais irregularidades identificadas e anexando ao processo de compra do bem a Nota Fiscal e a Nota Fiscal Eletrônica Nota Legal Proceder ao respectivo registro e cadastro do bem no Sistema Central de Solicitações/Módulo Patrimônio, assim como o respectivo tombamento patrimonial, no caso de bens permanentes, com a geração do número de identificação Declarar, na Nota Fiscal, por meio de carimbo específico, que os bens recebidos e aceitos foram devidamente registrados Emitir, por meio do Sistema Central de Solicitações/Módulo Patrimônio, as etiquetas de identificação (ou de tombo), contendo a logomarca do Ministério Público, número de identificação patrimonial, código de barra e descrição resumida do bem Promover a afixação nos bens permanentes, em local de fácil visibilidade, das etiquetas de identificação ou providenciar o seu acompanhamento junto com os

4 bens permanentes que, por sua estrutura física, não permitam sua afixação, bem como a distribuição, após seu tombamento, de acordo com procedimentos específicos, Emitir TERMO DE RESPONSABILIDADE dos bens permanentes, por meio do Sistema Central de Solicitações/Módulo Patrimônio, recolhendo a assinatura do responsável pela guarda e manutenção do bem Promover, quando for o caso, a guarda provisória dos bens permanentes em Encaminhar o processo de compra, com vistas à liquidação e pagamento. 14.O recebimento e registro de bens permanentes adquiridos por meio de doação serão realizados, após a assinatura do Termo de Doação, pela Coordenação de Patrimônio, de acordo com os procedimentos definidos a seguir: Receber, juntamente com o órgão/unidade responsável pelo processo de doação, o bem permanente, e o respectivo processo de doação com a relação de bens Conferir e atestar os bens recebidos, conforme especificações e quantidades constantes no processo de doação e sua integridade física e funcional, realizando os testes, quando necessário Proceder ao respectivo registro, cadastro e tombamento do bem no Sistema Central de Solicitações/ Módulo Patrimônio, com a geração do número de identificação patrimonial, declarando no respectivo Termo de Doação, mediante carimbo específico, que o bem foi devidamente registrado Emitir, por meio do Sistema Central de Solicitações/ Módulo Patrimônio, as etiquetas de identificação (ou de tombo), contendo a logomarca do Ministério Público, número de identificação patrimonial, código de barra e descrição resumida do bem Promover a afixação nos bens permanentes, em local de fácil visibilidade, das etiquetas de identificação ou providenciar o seu acompanhamento junto com os bens permanentes que, por sua estrutura física, não permitam sua afixação Emitir TERMO DE RESPONSABILIDADE, por meio do Sistema Central de Solicitações/Módulo Patrimônio, recolhendo a assinatura do responsável pela guarda e manutenção do bem Encaminhar o processo de doação para a Superintendência de Gestão Administrativa, mantendo arquivada a relação de bens doados, acompanhando e controlando as condições e critérios estabelecidos.

5 14.8. Promover, quando for o caso, a guarda provisória dos bens permanentes em 15.O recebimento e registro de bens permanentes adquiridos por meio de cessão serão realizados pela Coordenação de Patrimônio, de acordo com os procedimentos definidos a seguir: Receber o bem permanente, junto com o respectivo processo de cessão com a relação de bens Conferir e atestar os bens recebidos, conforme especificações e quantidades constantes no processo de cessão e sua integridade física e funcional, realizando os testes, quando necessário Proceder ao respectivo registro dos bens permanentes cedidos Encaminhar o processo de cessão para a Superintendência de Gestão Administrativa, mantendo arquivada a relação de bens cedidos, acompanhando e controlando as condições e critérios estabelecidos, até a devolução do bem ao órgão cedente Promover, quando for o caso, a guarda provisória dos bens permanentes em 16.O recebimento e registro de bens permanentes decorrentes de permuta, incorporação, reintegração, reposição, transferência, devolução, convênio e fabricação própria serão realizados conforme procedimento específico. 17. Esta Instrução Normativa entrará em vigor na data de sua publicação, ficando revogada a Instrução Normativa nº 006/2006. SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA, em 17 de outubro de MARIA LÚCIA DULTRA CINTRA Superintendente

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 Orienta os órgãos da Administração Direta do Poder Executivo Estadual sobre os procedimentos a serem aplicados no controle patrimonial de bens móveis, em conformidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso PORTARIA Nº 005, DE 06 DE JANEIRO DE 2014. O Vereador WELITON ÚNGARO DUARTE, Presidente da Câmara Municipal de Tangará da Serra, Estado de Mato Grosso, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA NACIONAIS NO ÂMBITO DA FIOCRUZ BAHIA. Órgão Gestor

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA NACIONAIS NO ÂMBITO DA FIOCRUZ BAHIA. Órgão Gestor 18/11/2009 Órgão Elaborador 13:35 Núcleo de Planejamento Órgão Gestor Núcleo de Planejamento Órgão Aprovador Diretoria REVISÃO 00 DATA: SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Siglas Utilizadas 4.

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína CNPJ 04.709.778/000-25 SCI - 007/203 3/05/203 /8 ) DOS OBJETIVOS:.) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Patrimônio;.2) Regulamentar o fluxo operacional de movimentação patrimonial móveis

Leia mais

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1.1) CONTROLE DE ACERVO BIBLIOGRÁFICO Os livros, periódicos e demais acervos considerados gráficos (discos, fitas, slides, etc) serão registrados e tombados na

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015 O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO, da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL, no uso das suas atribuições e considerando o disposto na Instrução

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. VRADM - Superintendência Administrativa. Patrimônio Mobiliário. Normas e Procedimentos

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. VRADM - Superintendência Administrativa. Patrimônio Mobiliário. Normas e Procedimentos Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro VRADM - Superintendência Administrativa Patrimônio Mobiliário Normas e Procedimentos Definições: A PUC não possui um órgão centralizado para o controle

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 DE 22 DE SETEMBRO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 DE 22 DE SETEMBRO DE 2006 Revogada pela Instrução Normativa Nº 004/2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 DE 22 DE SETEMBRO DE 2006 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: SOLICITAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE BENS DE CONSUMO E PERMANENTES E SOLICITAÇÃO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA CNPJ 15.061.773/0001-55

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA CNPJ 15.061.773/0001-55 PORTARIA N.º 012/GP/2010 DE 01 DE SETEMBRO DE 2.010. Dispõe sobre o controle e a baixa do material permanente e de consumo no âmbito do Poder Legislativo e nomeia a Comissão de Reavaliação, Baixa, Registro,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS O Conselho de Administração do Instituto de Gestão em Saúde - Instituto Gerir, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL- Nº. 002/2013- Versão 02 Unidade Responsável: Secretaria Legislativa de Administração Unidade Executora: Setor de Material e Patrimônio Aprovação em: 24/01/13 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO 1 - INTRODUÇÃO O Setor de Patrimônio do Campus Timóteo é uma extensão da Divisão de

Leia mais

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop.

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP PARANÁ. CONSELHO ADMINISTRATIVO SESCOOP PARANÁ RESOLUÇÃO No. 06 de 14 de fevereiro de 2000 ORIENTA E NORMATIZA O CONTROLE DE BENS PERMANENTES

Leia mais

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE ÍNDICE 00 FOLHA 01 05/98 ASSUNTO FOLHA GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/01 SOLICITAÇÃO DE BENS MÓVEIS 03 01/01 CADASTRAMENTO E TOMBAMENTO DE BENS MÓVEIS 04 01/02 CONTROLE DA MOVIMENTAÇÃO DE BENS

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SGA Nº. 007/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, REGISTRO, TRAMITAÇÃO, CONTROLE E EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS NA. Versão: 01 Aprovação: 13/06/2011 Ato de aprovação: 13/06/2011

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROVIMENTO Nº 001 /98 Estabelece normas e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais existentes na Universidade. O CONSELHO DE CURADORES, no uso de sua competência, atribuída através do artigo

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB Fixa normas e procedimentos administrativos relativos ao controle patrimonial do ativo imobilizado da FFFCMPA. O Diretor da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

EMPENHO. O pagamento de despesas através de empenho é composto de etapas esplanadas no fluxograma anexo.

EMPENHO. O pagamento de despesas através de empenho é composto de etapas esplanadas no fluxograma anexo. EMPENHO O empenho da despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição (Art 58 da Lei 4.320/64). Nos comentários à

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

PORTARIA nº 649/2005

PORTARIA nº 649/2005 PORTARIA nº 649/2005 O SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DO SALVADOR, no uso de suas atribuições, com base na Lei 4.320/64, e em cumprimento ao disposto no Decreto Municipal nº 16.126 de 10 de novembro

Leia mais

ACERP Diretoria Administrativa e Financeira Gerência de Logística Núcleo de Suprimento Norma de Suprimentos

ACERP Diretoria Administrativa e Financeira Gerência de Logística Núcleo de Suprimento Norma de Suprimentos ACERP Diretoria Administrativa e Financeira Gerência de Logística Núcleo de Suprimento Norma de Suprimentos OBJETIVO Estabelecer Normas e Procedimentos sobre a aquisição de Bens e Serviços visando assegurar

Leia mais

Câmara Municipal dos Barreiros

Câmara Municipal dos Barreiros Barreiros, 30 de Abril de 2010 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ofício nº 006/2010 SCI EXMO. SR. JOSÉ GERALDO DE SOUZA LEÃO M.D. Presidente da Câmara de Vereadores dos Barreiros NESTA O Coordenador do Sistema

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo 1 de 10 Glossário de Termos e Siglas CATMAT Sistema de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES Versão: 02 Aprovação em: 23/12/2014 Ato de aprovação:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno SISTEMA DE CONTROLE INTERNO - SCI INSTRUÇÕES NORMATIVAS SABS Nº 004/2010-1 Aprovação em: 20/07/2010 Versão: 001 Ato de Aprovação: IN SABS Nº 004/2010-1 Unidade Responsável: Sistema de Aquisição de Bens

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Instrução Normativa nº 02/CI/2013

Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Dispõe sobre os procedimentos de recebimento, armazenagem, distribuição e controle de entradas e saídas de materiais de consumo e permanentes no Almoxarifado da Administração

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 31/07/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para conferir processos de pagamento.

Estabelecer critérios e procedimentos para conferir processos de pagamento. CONFERIR PROCESSOS DE PAGAMENTO SEM RETENÇÃO DE TRIBUTOS Proposto por: Diretor da Divisão de Conferência e Liquidação da Despesa (DILID) Analisado por: Diretor do Departamento Financeiro (DEFIN) Aprovado

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência Administrativa do Tribunal de Justiça e estabelece seu Regulamento. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

DECRETO MUNICIPAL Nº 008/2013

DECRETO MUNICIPAL Nº 008/2013 DECRETO MUNICIPAL Nº 008/2013 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO DE BENS MÓVEIS PERMANEN- TES E DÁ OUTRAS PROVI- DÊNCIAS. 0 PREFEITO MUNICIPAL DE EMAS, Estado da Paraíba, usando das atribuições que lhe

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Processo Universidade Federal da Bahia Coordenação de Material e Patrimônio Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Nº de folhas 1 de 5 Glossário de Siglas e Termos

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 023/2008

ATO NORMATIVO Nº 023/2008 EDIÇÃO Nº: 4600 DATA DE PUBLICAÇÃO:1/11/2008 SEXTA-FEIRA ANO:18 ATO NORMATIVO Nº 023/2008 Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas do Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES... 1 3. PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO... 2 3.1. FORNECEDORES

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS

REGULAMENTO DE COMPRAS REGULAMENTO DE COMPRAS A SPDM /PAIS Associação Paulista Para O Desenvolvimento da Medicina, vem por meio deste dar publicidade ao Regulamento Próprio utilizado contendo os procedimentos que adotará para

Leia mais

PARECER&DE&AVALIAÇÃO&TÉCNICA&

PARECER&DE&AVALIAÇÃO&TÉCNICA& moduloc PARECER&DE&AVALIAÇÃO&TÉCNICA& Revisão&de&s&ISO9001& & & &referencia:& v1.1 Elaborador:& IsmailinSchrotter Resultado&da&avaliação:& APROVADO DadooatualníveldematuridadedoSGQ,oprocessoemreferenciaatendeaos

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 5. SIGLAS 6. CONDIÇÕES GERAIS 7. RESPONSABILIDADES 8. ANEXOS 1. OBJETIVO Este procedimento é estabelecido e mantido para uniformizar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 "Estabelece normas de controle para o Patrimônio do Poder Executivo Municipal." A Unidade Central de Controle Interno, no uso de suas atribuições, conforme determina o

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2013 SISTEMA: ADMINISTRATIVO ASSUNTO: CONCESSÃO DE DIÁRIAS E INDENIZAÇÃO POR DESPESAS DE TRANSPORTE

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2013 SISTEMA: ADMINISTRATIVO ASSUNTO: CONCESSÃO DE DIÁRIAS E INDENIZAÇÃO POR DESPESAS DE TRANSPORTE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2013 SISTEMA: ADMINISTRATIVO ASSUNTO: CONCESSÃO DE DIÁRIAS E INDENIZAÇÃO POR DESPESAS DE TRANSPORTE 1. Esta Instrução tem por objetivo estabelecer orientações e procedimentos

Leia mais

Diretoria de Patrimônio - DPA

Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Finalidade Coordenar, supervisionar, controlar e executar as atividades relativas a administração patrimonial do Estado. (Decreto Estadual nº

Leia mais

Não há documentação de referência para o processo.

Não há documentação de referência para o processo. Código: MAN-SADM-004 Versão: 00 Data de Aprovação: 24/05/2010 Elaborado por: Coordenadoria de Serviços Gerais Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 799/2007. (publicada no DOE nº 230, de 05 de dezembro de 2007) Regulamenta a administração dos

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 8 Nível: Médio Reporte: Coordenador Sumário Executar atividades administrativas de apoio às diversas áreas da empresa. Atividades Arquivar documentos Arquivar documentos, classificando-os em pastas específicas,

Leia mais

INCORPORAÇÃO PATRIMONIAL 1 OBJETIVO

INCORPORAÇÃO PATRIMONIAL 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe do Serviço de Cadastro e Fiscalização de Materiais Permanentes (SECAM) Analisado por: Diretor do Departamento de Patrimônio e Material (DEPAM) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA Art. 1º Este regulamento fixa normas e procedimentos para o serviço circulação das coleções pertencentes às bibliotecas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA - SPA Nº 005/2013. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO E CONTROLE DE ENTRADAS E SAÍDAS DE MATERIAIS DE CONSUMO NO ALMOXARIFADO. Versão: 01 Aprovação

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial

Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial 1) Como fazer uma doação de um Bem para o Instituto Federal do Paraná Câmpus Curitiba, adquirido com recursos de Projetos de Pesquisa? Deverá comunicar o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Consulta Pública nº 34, de 28 de junho de 2011. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe confere o inciso IV do art. 11 e o art. 35 do Regulamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

ANEXO X ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Pregão para Registro de Preços nº 004/2015

ANEXO X ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Pregão para Registro de Preços nº 004/2015 ANEXO X ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Pregão para Registro de Preços nº 004/2015 1) DO OBJETO Constitui objeto desta especificação a contratação de empresa para o fornecimento de peças originais de reposição de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos CIRCULAR CAIXA Nº 351, DE 04 DE ABRIL DE 2005 - DOU

Leia mais

PROJETO BÁSICO 1. OBJETO

PROJETO BÁSICO 1. OBJETO PROJETO BÁSICO 1. OBJETO O presente Projeto tem por objeto a aquisição e instalação de um aparelho de ar condicionado para a Delegacia de Polícia Federal na cidade de Araguaína/TO. 2. ESPECIFICAÇÃO DO

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

INTRUÇÃO Nº 03/2005 - Previmpa

INTRUÇÃO Nº 03/2005 - Previmpa P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E P O R T O A L E G R E DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE - PREVIMPA INTRUÇÃO Nº 03/2005 - Previmpa Fixa

Leia mais

PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2014 COMPRA DIRETA POR DISPENSA DE LICITAÇÃO EDITAL Nº 011/2014

PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2014 COMPRA DIRETA POR DISPENSA DE LICITAÇÃO EDITAL Nº 011/2014 PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2014 COMPRA DIRETA POR DISPENSA DE LICITAÇÃO EDITAL Nº 011/2014 1. DA LICITAÇÃO O Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Paranaguá, PARANAGUÁ PREVIDÊNCIA, por

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Convite nº 081/2007 Fls.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Convite nº 081/2007 Fls. Convite nº 081/2007 Fls. 1 CARTA CONVITE Processo nº 11784/05 Convite nº 081/2007 Entrega Envelopes até o dia: 15 de junho de 2007, às 14h00. Abertura Envelopes dia: 15 de junho de 2007, às 14h30. A COMISSÃO

Leia mais

NOR - PRO - 503 ACRÉSCIMO DE BENS MÓVEIS ADQUIRIDOS ATRAVÉS DE DOAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DIRETA

NOR - PRO - 503 ACRÉSCIMO DE BENS MÓVEIS ADQUIRIDOS ATRAVÉS DE DOAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DIRETA DOAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer normas e procedimentos para o acréscimo de bens móveis ao patrimônio de um ente deste Município, pela aquisição através de doação. 2. AMPLITUDE 2.1. No âmbito da Administração

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, o Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

SAN.P.IN.PT 392. Art. 2º Para efeito desta Portaria são definidos os seguintes termos:

SAN.P.IN.PT 392. Art. 2º Para efeito desta Portaria são definidos os seguintes termos: Caso necessário, solicitar cópia junto ao Setor da Qualidade. SAN.P.IN.PT 392 ISO 91 1 / 6 Data da Dir. Administrativa Dir. Comercial Dir. Financeira e de Rel. c/ Investidores Dir. Técnica ARLY DE LARA

Leia mais

O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? Como posso emitir meu Certificado de Registro Cadastral CRC homologado?

O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? Como posso emitir meu Certificado de Registro Cadastral CRC homologado? O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? O Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado CADFOR é o registro cadastral de interessados em fornecer produtos, serviço e/ou obras para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 522/2007 (Alterada pela Resolução nº 579/2008)

RESOLUÇÃO Nº 522/2007 (Alterada pela Resolução nº 579/2008) Publicação: 10/01/07 RESOLUÇÃO Nº 522/2007 (Alterada pela Resolução nº 579/2008) Revoga as Resoluções nº 424/2003 e nº 425/2003 e dispõe sobre a Superintendência Administrativa. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

PORTARIA Nº 488, DE 22 DE MAIO DE 2012

PORTARIA Nº 488, DE 22 DE MAIO DE 2012 PORTARIA Nº 488, DE 22 DE MAIO DE 2012 Business Online Comunicação de Dados Disciplina a distribuição da competência para licitação e contratação entre a Administração Central e as respectivas Superintendências

Leia mais

Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF. MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro)

Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF. MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro) Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro) Diretoria de Auditoria Geral DIAG Gerência de Auditoria de Recursos Antecipados -

Leia mais

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 #Estabelece procedimentos para registro, no SICONV, de informações referentes a Convênios com OBTV. O Coordenador da Administração Geral, no uso de suas atribuições,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 31 DE OUTUBRO DE 2007 (D.O.U. de 12 de novembro de 2007)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 31 DE OUTUBRO DE 2007 (D.O.U. de 12 de novembro de 2007) REPÚBLICAFEDERATIVADOBRASIL 15deNovembro de 1889 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 31 DE OUTUBRO DE 2007 (D.O.U. de 12 de novembro de 2007) Disciplina os procedimentos relativos ao registro das Conformidades

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS 1 - OBJETIVO A Auditoria de Bens Patrimoniais tem por objetivo examinar os controles administrativos e contábeis, a situação e condições, bem como a verificação

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Se sua empresa deseja Patrocinar um dos projeto culturais, aprovados pelo Ministério da Cultura por meio por da Lei Rouanet. Isso significa que como

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA PORTARIA Nº. 006/2014 Dispõe sobre a nomeação de comissão especial de inventário físico, contábil e baixa do patrimônio público no âmbito da Câmara Municipal de Jangada MT. O Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL

OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL OBJETIVO Estabelecer os procedimentos necessários para administração do patrimônio imobilizado da empresa. CONCEITOS Constitui

Leia mais