Começamos relembrando o conceito de base de um espaço vetorial. x = λ 1 x λ r x r. (1.1)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Começamos relembrando o conceito de base de um espaço vetorial. x = λ 1 x λ r x r. (1.1)"

Transcrição

1 CAPÍTULO 1 Espaços Normados Em princípio, os espaços que consideraremos neste texto são espaços de funções. Isso significa que quase todos os nossos exemplos serão espaços vetoriais de dimensão infinita. Nesses espaços, muitas vezes a estrutura algébrica é insuficiente para a obtenção de resultados fortes, sendo necessária a inserção de uma estrutura topológica. Mas, ao contrário do caso de espaços vetoriais de dimensão finita, não existe qualquer isomorfismo natural que permita a introdução da topologia e, em muitos casos importantes, não é possível obter estrutura topológica conveniente gerada por produto interno. Estudaremos espaços normados, isto é, espaços vetoriais nos quais existe a noção de norma de um vetor. Nosso objetivo neste capítulo não é apresentar estudo aprofundado das propriedades de tais espaços, mas sim contrastá-los com espaços nos quais a topologia é gerada por um produto interno, espaços esses que serão introduzidos no Capítulo 2. Assim, grande parte de nossa exposição reduz-se à topologia básica dos espaços normados e à introdução de exemplos importantes. Denotaremos por N o conjunto {1, 2,...}, por R + o intervalo real [0, ) e por K o corpo dos reais ou o corpo dos complexos. Resultado básicos da Álgebra Linear são referenciados ao texto [5], que será citado como [AL]. 1.1 Espaços Vetoriais Começamos relembrando o conceito de base de um espaço vetorial. Definição 1.1 Sejam X um espaço vetorial sobre o corpo K e B um subconjunto de X. Um elemento x X é combinação linear dos elementos de B se existir uma quantidade finita de vetores x 1,..., x r B e escalares λ 1,..., λ r K, tais que x = λ 1 x λ r x r. (1.1) O conjunto de todas as combinações lineares de elementos de B é o espaço gerado por B, denotado por < B >. Dizemos que B gera o espaço X, se todo elemento x X for combinação linear de elementos de B. Se, ao tomarmos x = 0 na equação (1.1), só existir a solução λ 1 =... = λ r = 0 para quaisquer vetores x 1,..., x r B e r N, dizemos que B é linearmente independente. 1

2 2 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Um conjunto B é uma base de X (ou base de Hamel), se ele for linearmente independente e gerar X. O espaço vetorial X tem dimensão finita, se existir uma base B com um número finito de elementos ou se X = {0}. Caso contrário, ele tem dimensão infinita. Um espaço vetorial X sobre o corpo R será chamado de espaço real; sobre o corpo C, de espaço complexo. É fácil verificar que, qualquer que seja o conjunto B =, < B > sempre é um espaço vetorial. Quando B gera o espaço X, o número r N de elementos x i B utilizados numa combinação linear de elementos de B pode variar. Se B for uma base, cada elemento x X escreve-se de maneira única como combinação linear de elementos de B. (Veja o Exercício 1.) Salientamos que uma base B não precisa ser um conjunto enumerável. Pode-se verificar que, no caso de um espaço vetorial de dimensão finita X = {0}, todas as bases têm o mesmo número de elementos; esse número comum é chamado então de dimensão do espaço X. Se X = {0}, dizemos que X tem dimensão igual a zero. (Veja [AL], Teorema 1.12). Na prática, raramente verificamos que um espaço vetorial tem dimensão infinita exibindo uma de suas bases. Na verdade, muito raramente podemos exibir uma base de um espaço X de dimensão infinita, se bem que todo espaço vetorial possui uma base (de Hamel): veja o Teorema??. A maioria dos exemplos de base em espaços de dimensão infinita ocorre em espaços de sequências. 1 Muitas vezes, para mostrarmos que um espaço tem dimensão infinita, exibimos um subespaço que sabemos ter dimensão infinita. Para isso, frequentemente utilizamos os subespaços que introduziremos nos Exemplos 1.5 e 1.6. Exemplo 1.2 No espaço K n = {(x 1,..., x n ) : x i K} a base canônica é formada pelos vetores e 1 = (1, 0,..., 0), e 2 = (0, 1, 0,..., ),..., e n = (0,..., 0, 1). O espaço K n é um espaço vetorial de dimensão n sobre o corpo K. Usualmente denotaremos os elementos de K n por meio de matrizes coluna: x = x 1 x 2. x n = (x 1 x 2... x n ) t. (Estamos denotando por x t a transposta da matriz coluna que representa x.) Exemplo 1.3 Seja X um conjunto não vazio arbitrário. O conjunto de todas as funções f : X K é um espaço vetorial com as definições habituais da soma de funções e do produto de função por escalar. Esse espaço tem dimensão infinita, se X for um conjunto com infinitos elementos (veja o Exercício 3). Em geral, não é possível exibir uma base do espaço { f : X R}, se X tiver infinitos elementos. Exemplo 1.4 Seja l o conjunto de todas as seqüências (x n ) de elementos do corpo K. Esse espaço vetorial de dimensão infinita é um caso particular do exemplo anterior, uma vez que uma seqüência nada mais é do que uma aplicação com domínio igual ao conjunto dos naturais. Algumas vezes denota-se esse espaço por K, ao invés de l. 1 Uma seqüência é uma aplicação x : N X, com x(i) denotado por x i.

3 1.2. ESPAÇOS NORMADOS 3 Exemplo 1.5 Seja K[t] o conjunto de todos os polinômios com coeficientes em K, na incógnita t. Esse é um espaço vetorial de dimensão infinita com a soma de polinômios e a multiplicação de um polinômio por um escalar definidas como habitualmente. Uma base para K[t] é dada por B = {1, t, t 2,..., t n,...}. Exemplo 1.6 Seja l 0 o subespaço de l (veja o Exemplo 1.4) formado por todas as seqüências (x i ) tais que x i = 0, exceto talvez para um número finito de índices i. Podemos exibir facilmente uma base do espaço l 0 : ela é dada por {e 1,..., e n,...}, em que e i denota a seqüência cujos termos são todos iguais a 0, exceto o i-ésimo, que é igual a 1. Verifique que l 0 é isomorfo ao espaço K[t], isto é, existe uma bijeção linear T : K[t] l Espaços Normados Definição 1.7 Seja X um espaço vetorial sobre o corpo K. Uma norma em X é uma função : X R + que satisfaz (i) x = 0 x = 0; (ii) λx = λ x para todo x X e todo λ K; (iii) x + y x + y para quaisquer x, y X (desigualdade triangular). Um espaço normado é um espaço vetorial X considerado com uma norma. Para ressaltarmos a norma utilizada no espaço X, algumas vezes empregaremos a notação ( X, ). Uma pergunta natural é se todo espaço vetorial X possui uma norma. Embora possamos provar sua existência, raramente essa norma tem utilidade prática. No próximo Capítulo discutiremos mais essa situação: veja o Exemplo??. Exemplo 1.8 No espaço K n, se x = (x 1,..., x n ), podemos considerar as normas x = x 1 x x n x n, x s = x x n, x = max 1 i n x i. O conjugado do número complexo x está sendo denotado por x. (Se x for real, então x = x.) Nas normas s e, denotamos o valor absoluto por. Lembramos que, se K = C e z = x + iy, então z = z z = x 2 + y 2. Essas são as normas habituais do K n. Se n = 1, é usual considerar a norma dada pelo valor absoluto: veja o Exercício 4. A norma é chamada norma euclidiana no espaço K n. A verificação de que é uma norma usualmente é feita utilizando-se a desigualdade de Cauchy-Schwarz, que recordaremos posteriormente no Capítulo?? (ou então veja [AL], Proposição 8.6). Esse fato também segue-se do Teorema 1.74, que mostraremos ainda neste Capítulo. Mais geralmente, sejam uma norma arbitrária em K n e B = {x 1,..., x n } uma base de um espaço de dimensão finita X. Para x = α 1 x α n x n, definimos Ix = (α 1... α n ) t K n. É fácil ver que I é uma bijeção linear e que x X = Ix

4 4 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS define uma norma em X, chamada norma induzida pela norma de K n. É usual denotar (α 1... α n ) t K n por [x] B e chamar esse vetor de representação de x na base B. Dessa forma, podemos imitar as normas habituais do espaço K n e considerar as normas habituais, s e do espaço de dimensão finita X (com respeito à base B). Observe que o Exemplo 1.8 mostra que todo espaço vetorial de dimensão finita torna-se um espaço normado, uma vez fixada uma de suas bases. Definição 1.9 Seja X um espaço normado. Um subconjunto A é limitado, se existir M > 0 tal que a M para todo a A. Exemplo 1.10 Seja X = um conjunto arbitrário. Defina B(X, K) = { f : X K : f (X) é limitado}. Esse conjunto é um subespaço do espaço das funções f : X K, apresentado no Exemplo 1.3. As funções em B(X, K) são as funções limitadas. Em B(X, K) definimos f = sup f (x). x X É fácil verificar que é uma norma nesse espaço (veja o Exercício 7). Em particular, se X = N (veja o Exemplo 1.4), é usual denotar o espaço B(N, K) por l, o espaço de todas as seqüências limitadas: (x n ) = sup x n. n N Exemplo 1.11 Sejam a, b R, com a < b. Consideremos o espaço vetorial de dimensão infinita C 1( [a, b], K ) = { f : [a, b] K : f C 1 }. Uma vez que toda função contínua definida em [a, b] atinge máximo nesse conjunto (veja, em caso de dúvidas, o Corolário 1.26), podemos considerar a norma f C 1 = max f (t) + max f (t) = f + f. t [a,b] t [a,b] Você seria capaz de definir outras normas nesse espaço? Podemos facilmente generalizar esse exemplo e considerar o espaço normado C k( [a, b], K ), com k = 0, 1,... (Qual é a adaptação da norma C 1 para esses espaços?) É usual denotar o espaço C 0( [a, b], K ) simplesmente por C ( [a, b], K ). Note que o espaço C ( [a, b], K ) é um subespaço do espaço B ( [a, b], K ), introduzido no Exemplo Conjuntos Abertos e Fechados Sejam X um espaço normado, x X e r > 0. Definimos a bola aberta B r (x), a bola fechada B r (x) e a esfera S r (x), respectivamente, por B r (x) = {y X : y x < r} B r (x) = {y X : y x r} S r (x) = {y X : y x = r}

5 1.3. CONJUNTOS ABERTOS E FECHADOS 5 Em cada caso, x é o centro e r > 0 é o raio. Um subconjunto A X é aberto se, para todo a A, existir r > 0 tal que B r (a) A. Um subconjunto F X é fechado, se X \ F = F c = F for um conjunto aberto. O próximo resultado, cuja demonstração é simples (veja o Exercício 10), exibe propriedades básicas de conjuntos abertos e fechados: Proposição 1.12 Seja X um espaço normado. São válidas as afirmativas: (i) uma união arbitrária de conjuntos abertos é um conjunto aberto; (ii) uma interseção finita de conjuntos abertos é um conjunto aberto; (iii) uma união finita de conjuntos fechados é um conjunto fechado; (iv) uma interseção arbitrária de conjuntos fechados é um conjunto fechado. Note que X e são conjuntos que são, simultaneamente, abertos e fechados no espaço normado X. Definição 1.13 Sejam X um espaço normado e (x n ) uma sequência em X. Dizemos que a sequência (x n ) converge a x X, ou que x é o limite da sequência (x n ), denotado por x n x ou lim x n = x, se, para todo ɛ > 0 dado, existir n 0 N tal que n n 0 implica x n x < ɛ. n Equivalentemente, x n x x n x 0. Assim, a convergência em um espaço normado é o mesmo que a convergência da sequência numérica ( x n x ). Uma caracterização alternativa de um conjunto fechado é oferecida pelo seguinte resultado: Teorema 1.14 Seja X um espaço normado. Um subconjunto F é fechado se, e somente se, qualquer sequência convergente (x n ) de elementos de F possuir seu limite em F. Demonstração: Suponhamos que (x n ) convirja para x F. Como X \ F é aberto, existe r > 0 tal que B r (x) X \ F. Como (x n ) converge para x, temos que x n B r (x) para n suficientemente grande. Mas isso é uma contradição, pois x n F para todo n N. Por outro lado, se F não for fechado, então o conjunto X \ F não é aberto. Assim, existe x X \ F tal que B r (x) contém elementos de F para todo r > 0. Escolhendo r = 1/n para todo natural n 1, construímos uma seqüência (x n ) tal que x n x e x n F. Mas, por hipótese, isso implica x F, contradizendo x X \ F. Sejam X um espaço normado e W um subconjunto qualquer. Definimos o fecho de W como sendo o conjunto W caracterizado por x W (x n ) W : x n x. O relacionamento entre o fecho e conjuntos fechados é dado pelo seguinte resultado, que decorre imediatamente do Teorema 1.14: Corolário 1.15 Seja X um espaço normado. Um subconjunto F é fechado se, e somente se, F = F.

6 6 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Em algumas situações precisamos de um conceito mais geral de conjuntos abertos e fechados: Definição 1.16 Sejam X um espaço normado e U um subconjunto qualquer de X. Um subconjunto A U é aberto em U se, para todo a A, existir r > 0 tal que B r (a) U A. Um subconjunto F U é fechado em U, se U \ F for um conjunto aberto em U. É fácil verificar que um conjunto A U é aberto se, e somente se, existir um aberto V X tal que A = V U. Da mesma forma, F U é fechado, se e somente se, existir um fechado H X tal que F = H U. (Veja o Exercício 11). Por exemplo, (1/2, 1] é aberto em [0, 1] R (pois (1/2, 1] = (1/2, 2) [0, 1]), enquanto (0, 1/2] é fechado em (0, 1) R (pois (0, 1/2] = [ 1, 1/2] (0, 1)). Definição 1.17 Um subconjunto S de um espaço normado X é denso em X, se S = X. S é separável, se possuir um subconjunto enumerável denso em S. O conjunto dos racionais é denso em R. No decorrer deste curso teremos a oportunidade de trabalhar com vários conjuntos que são densos em espaços normados. 1.4 Aplicações Contínuas Definição 1.18 Sejam X, Y espaços normados e A = um subconjunto de X. Uma aplicação f : A X Y é contínua no ponto a A se, para todo ɛ > 0 dado, existir δ > 0 tal que x A e x a < δ f (x) f (a) < ɛ. Quer dizer, dado ɛ > 0, existe uma bola aberta B δ (a) tal que f (B δ (a) A) B ɛ ( f (a)). Se f for contínua em todos os pontos a A, dizemos que f é contínua em A ou, simplesmente, que f é contínua. Uma caracterização da continuidade de uma aplicação é dada por: Teorema 1.19 Sejam X, Y espaços normados. Uma aplicação f : A X Y é contínua no ponto a A se, e somente se, toda seqüência (x k ) A com x k a satisfizer f (x k ) f (a). Demonstração: Dado ɛ > 0, a continuidade de f em a garante a existência de δ > 0 tal que f (B δ (a) A) B ɛ ( f (a)). Como x k a, existe n 0 N tal que n n 0 implica x n B δ (a). Decorre daí que f (x k ) B ɛ ( f (a)) para todo n n 0, provando que f (x k ) f (a). Reciprocamente, se f for descontínua no ponto a, existem ɛ > 0 e x n B 1/n (a) A tais que f (x n ) f (a) > ɛ, para todo n N suficientemente grande. A seqüência assim construída converge para a, mas f (x n ) não converge para f (a). Caracterizações alternativas da continuidade de uma aplicação são dadas pelo seguinte resultado: Teorema 1.20 Sejam X, Y espaços normados e f : A X Y uma aplicação. São equivalentes: (i) f é contínua; (ii) a imagem inversa f 1 (U) de todo conjunto aberto U Y for um conjunto aberto em A;

7 1.5. CONJUNTOS COMPACTOS 7 (iii) a imagem inversa f 1 (F) de todo conjunto fechado F Y for um conjunto fechado em A. Demonstração: Suponhamos que f seja contínua e tomemos arbitrariamente x f 1 (U). Isso quer dizer que f (x) U. Como U é aberto, existe ɛ > 0 tal que B ɛ ( f (x)) U. Como f é contínua, existe δ > 0 tal que f (B δ (x) A) B ɛ ( f (x)) U. Isso quer dizer que B δ (x) A f 1 (U), mostrando que f 1 (U) é aberto e provando que (i) implica (ii). Supondo (ii), dados x A e ɛ > 0, considere o aberto U = B ɛ ( f (x)) Y. Como f 1 (U) é aberto, esse conjunto tem a forma V A, em que V X é um aberto, com x V A. Como V é aberto, existe δ > 0 tal que B δ (x) A V A. Assim, f (B δ (x) A) B ɛ ( f (x)), mostrando a continuidade de f no ponto x A. Como esse ponto é arbitrário, completamos a prova de (i). Assim, as duas primeiras afirmações são equivalentes. Tomando o complementar de A \ F, verificamos a equivalência entre (ii) e (iii). Note que, se A = X, as imagens inversas dos itens (ii) e (iii) do Teorema 1.20 são, respectivamente, conjuntos abertos e fechados no espaço normado X. No caso especial B Y for um conjunto com um único elemento x, denotamos f 1 (B) = f 1( {x} ) simplesmente por f 1 (x). A demonstração do próximo resultado é imediata (veja o Exercício 14). Proposição 1.21 Sejam X, Y e Z espaços normados. Se as aplicações f : A X Y e g : B Y Z forem contínuas nos pontos a A e f (a) B, então g f : A Z é contínua no ponto a. Em particular, se f (A) B e se f e g forem contínuas, então g f é contínua. 1.5 Conjuntos Compactos Definição 1.22 Seja X um espaço normado. Um conjunto K X é compacto, 2 se toda seqüência (x n ) de elementos de K possuir uma subseqüência que converge para um elemento de K. Um conjunto R é relativamente compacto se R for compacto. O próximo resultado tem demonstração imediata (veja o Exercício 10): Proposição 1.23 Um subconjunto fechado de um conjunto compacto é compacto. Mostraremos agora um resultado fundamental: Teorema 1.24 Sejam X um espaço normado e K X um conjunto compacto. Então K é limitado e fechado. Demonstração: De acordo com o Teorema 1.14, para provarmos que K é fechado, basta mostrar que toda seqüência convergente (x n ) K possui seu limite x em K. Mas, por hipótese, existe uma subseqüência (x nj ) tal que x nj y K. A unicidade do limite de (x n ) garante que x n y. Mas isso implica que x = y e, portanto, x K. Suponhamos, agora, que K não seja limitado. Isso quer dizer que existe uma seqüência (x n ) K tal 2 Mais precisamente, estamos definindo o que é um conjunto sequencialmente compacto. Veja a Definição 1.80 para a noção de compacto definida por meio de coberturas e o Exercício 49 para a equivalência entre as duas definições.

8 8 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS que x n n para todo n N. Essa seqüência não possui subseqüência convergente e, portanto, K não pode ser compacto. O próximo resultado tem consequências muito importantes: Teorema 1.25 Sejam X, Y espaços normados. A imagem de um conjunto compacto K A por uma aplicação contínua f : A X Y é um conjunto compacto. Demonstração: Dada uma seqüência (y k ) f (K), para todo k N existe x k K tal que f (x k ) = y k. Como K é compacto, a seqüência (x k ) possui subseqüência convergente: x kj x 0 K. Em virtude do Teorema 1.19, temos que (y kj ) = ( f (x kj )) converge para f (x 0 ). Corolário 1.26 Sejam X um espaço normado e f : A X R uma função contínua. Se K A for compacto, então f assume máximo e mínimo em K. Ou seja, existem x m, x M K tais que f (x m ) f (x) f (x M ), x K. Demonstração: Como f (K) é limitado e fechado, os números sup R são atingidos em pontos x M K e x m K, respectivamente. x K f (x) R e inf x K f (x) Em muitas situações, consideramos a restrição de uma aplicação contínua a um subconjunto compacto. Aplicações contínuas definidas em compactos tem um comportamento muito especial, como veremos. Definição 1.27 Sejam X, Y espaços normados. Uma aplicação f : A X Y é uniformemente contínua no conjunto A se, para todo ɛ > 0 dado, existir δ > 0 tal que x y < δ f (x) f (y) < ɛ, para quaisquer x, y A. Se existir uma constante λ > 0 tal que f (x) f (y) λ x y, então dizemos que f é lipschitziana com constante de Lipschitz λ. Compare com a definição de continuidade da aplicação f : A Y, que se dá numa vizinhança de cada ponto x A: para cada ɛ > 0 e x A, existe δ = δ(x) tal que y x < δ e y A implicam f (y) f (x) < ɛ. A noção de continuidade uniforme é um conceito global, pois nos informa sobre o comportamento de f em todos os pontos de A: para cada ɛ > 0, o valor de δ independe do ponto x A. Note que toda aplicação lipschitziana é uniformemente contínua. Exemplo 1.28 No espaço normado X, uma norma : X R é lipschitziana. De fato, x y x y. Teorema 1.29 Sejam X, Y espaços normados e K X um conjunto compacto. Toda aplicação contínua f : K X Y é uniformemente contínua.

9 1.6. CONVERGÊNCIAS PONTUAL E UNIFORME 9 Demonstração: Suponhamos que f não seja uniformemente contínua. Então existiriam ɛ > 0 e pontos x n, y n A tais que x n y n < 1 n e f (x n) f (y n ) ɛ. Passando a uma subsequência, se necessário, podemos supor que x n x K, pois x n pertence ao compacto K. Daí, concluímos (para essa subsequência) que y n x. A continuidade de f no ponto x garante, então, que (veja o Exemplo 1.28) lim f (x ( n) f (y n ) = lim f (xn ) f (y n ) ) = f (x) f (x) = 0, n n o que é uma contradição com f (x n ) f (y n ) ɛ para todo n N. Assim, f é uniformemente contínua. Nas condições do Teorema 1.29 e com A K arbitrário, podemos concluir que a restrição f : A Y é uniformemente contínua. O Teorema 1.29 também é utilizado em combinação com a Desigualdade do Valor Médio (veja [21] ou [24]). 1.6 Convergências Pontual e Uniforme Como os espaços considerados neste texto são, em geral, espaços de funções, é importante considerarmos e compararmos diferentes noções de convergência neles. Definição 1.30 Sejam A um conjunto qualquer e Y um espaço normado. Uma seqüência ( f n ) de aplicações f n : A Y converge pontualmente para a aplicação f : A Y se, para todo x A, tem-se f n (x) f (x). A seqüência ( f n ) converge uniformemente para f se, dado ɛ > 0, existe n 0 N tal que n n 0 f n (x) f (x) < ɛ, x A. A convergência uniforme de uma seqüência de funções será denotada por f n f uniformemente ou f n f. Na convergência pontual, dado ɛ > 0 e fixado x A, existe n 0 N tal que n n 0 implica f n (x) f (x) < ɛ. Mas esse valor de n 0 pode depender do ponto x A. Essa dependência não existe no caso da convergência uniforme. (Note que a convergência uniforme implica a convergência pontual.) R f.t/c f n.t/ f.t/ f.t/ a Figura 1.1: Uma seqüência f n : [a, b] R converge uniformemente para f : [a, b] R se, dado ɛ > 0, existir n 0 N tal que n n 0 implica f n (t) f (t) < ɛ para todo t [a, b]. b R

10 10 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Observe que as definições de convergência pontual e uniforme utilizam apenas a norma do espaço Y. Uma vez que F = { f : A Y} é um espaço vetorial, é natural perguntar se podemos definir uma norma em F de forma que a convergência nessa norma seja equivalente às convergências pontual e uniforme. Exemplo 1.31 Consideremos o espaço normado C ( [a, b], R ), mencionado no Exemplo 1.11, com sua norma f = sup f (t). t [a,b] Vale f n f f n f 0, pois f n f ɛ se, e somente se, f n (t) f (t) ɛ para todo t [a, b]. Por esse motivo, é chamada norma da convergência uniforme. Uma outra notação usual para é sup. Exemplo 1.32 No mesmo espaço C ( [a, b], R ) tratado no Exemplo anterior, consideremos a questão: existe alguma norma nesse espaço que produza a convergência pontual, isto é, existe tal que f n f 0 f n (t) f (t), t [a, b]? Para responder a essa pergunta, consideremos [a, b] = [0, 1] e a seqüência de funções g n : [0, 1] R definida por 2 n t, se 0 t 2 n, g n (t) = 2 2 n t, se 2 n t 2 1 n, 0, nos demais casos. g n.t/ n Figura 1.2: A seqüência g n : [0, 1] R converge pontualmente para g 0. Para todo t [0, 1] temos que g n (t) 0. De fato, se t > 0, temos que g n (t) = 0 sempre que 2 1 n < t. Assim, g n (t) 0 para todo t > 0. Por outro lado, g n (0) = 0 para todo n, o que completa a prova de nossa afirmação. Consideremos então essa norma arbitrária em C ( [0, 1], R ). Como g n = 0 para todo n N, temos g n = c n > 0. Definimos então f n = g n / g n. A função f n tem gráfico semelhante ao da função g n, de modo que f n (x) 0 para todo x [0, 1]. Claramente f n = 1, de modo que f n não converge na norma para a função 0. Isso mostra que não existe uma norma em C ( [0, 1], R ) para a qual a convergência seja o mesmo que convergência pontual. t

11 1.7. ESPAÇOS DE BANACH 11 Teorema 1.33 Sejam X, Y espaços normados e f n : A X Y. Se f n convergir uniformemente para f, e se as aplicações f n forem todas contínuas no ponto a A, então f é contínua no ponto a. Em particular, se as aplicações f n forem contínuas, a aplicação f é contínua. Demonstração: Dado ɛ > 0, tome n 0 N tal que f n (x) f (x) < ɛ/3 para todo n n 0 e x A. Como f n é contínua no ponto a A, existe δ > 0 tal que x A e x a < δ f n (x) f n (a) < ɛ 3. Logo, se x A e x a < δ, vale f (x) f (a) f (x) f n (x) + f n (x) f n (a) + f n (a) f (a) < ɛ 3 + ɛ 3 + ɛ 3 = ɛ, desde que tomemos n n 0. Exemplo 1.34 Considere a seqüência f n (t) = t n, com t [0, 1]. Claramente f n (t) 0 para todo t [0, 1) e f n (1) = 1. Assim, f n converge pontualmente para a função f (t) = { 0, se t [0, 1); 1, se t = 1. Logo, f n não converge uniformemente para f, pois cada f n é contínua, enquanto f é descontínua em t = Espaços de Banach Definição 1.35 Uma seqüência (x n ) num espaço normado X é de Cauchy se, para todo ɛ > 0 dado, existir n 0 N tal que m, n n 0 x m x n < ɛ. Não é difícil mostrar que toda seqüência convergente é de Cauchy. Além disso, toda seqüência de Cauchy é limitada e, se uma seqüência de Cauchy admitir uma subseqüência convergente, então a própria seqüência é convergente, convergindo para o mesmo limite da subsequência. (Veja o Exercício 18.) Proposição 1.36 Sejam X, Y espaços normados e f : A X Y uma aplicação uniformemente contínua. Então, se (x n ) A for uma seqüência de Cauchy, ( f (x n )) Y é de Cauchy. Demonstração: Seja (x n ) uma seqüência de Cauchy em A. Dado ɛ > 0, o fato de f ser uniformemente contínua garante a existência de δ > 0 tal que, se x, y A e x y < δ, então f (x) f (y) < ɛ. Como (x n ) é de Cauchy, existe n 0 N tal que m, n n 0 implica x m x n < δ. Portanto, n, m n 0 f (x m ) f (x n ) < ɛ.

12 12 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Definição 1.37 Seja X um espaço normado. Um subconjunto F X é completo, se toda seqüência de Cauchy de elementos de F convergir para um elemento de F. Um espaço normado completo é chamado espaço de Banach. Exemplo 1.38 A reta real ( R, ) é um espaço normado completo, como sabemos de um curso de Análise na Reta. Passando às coordenadas de uma seqüência de Cauchy no R n com qualquer de suas normas habituais (introduzidas no Exemplo 1.8), verificamos que esse espaço é completo, pois essas coordenadas também são seqüências de Cauchy. A identificação de (x, y) R 2 com x + iy C nos permite concluir que ( C, ) é completo e, como no caso do R n, vemos que C n é completo com qualquer das normas do Exemplo 1.8. Assim, para todo n N, concluímos que K n é completo com qualquer de suas normas habituais. Observação 1.39 Considerando uma seqüência (x n ) em K n com uma norma arbitrária, (ainda) não podemos concluir que cada uma das coordenadas de (x n ) também é uma seqüência de Cauchy. Por esse motivo, o Exemplo 1.38 exige que a norma considerada em K n seja uma das normas habituais. Exemplo 1.40 Todo subespaço fechado F de um espaço de Banach X é, por si, um espaço de Banach. De fato, se (x n ) F for uma seqüência de Cauchy, (x n ) converge para x 0 X. Como F é fechado, x 0 F. 1.8 Aplicações Lineares Contínuas Se X e Y forem espaços normados, nem toda aplicação linear T : X Y é contínua. Para mostrarmos esse fato, começamos caracterizando a continuidade de aplicações lineares: 3 Teorema 1.41 Sejam X e Y espaços normados e T : X Y uma aplicação linear. equivalentes as propriedades: São (i) existe M > 0 tal que Tx M x para todo x X; (ii) T é lipschitziana: Tx Ty M x y ; (iii) T é contínua na origem; (iv) T é limitada: sup Tx = M <. x 1 Demonstração: Como Tx Ty = T(x y) M x y, vemos que (i) implica (ii). É claro que (ii) implica (iii). Se T for contínua na origem, existe δ > 0 tal que Ty 1, para y δ. Se x 1, então δx δ e, portanto, T(δx) 1. Isso garante que Tx (1/δ), provando (iv). Finalmente, se x = 0, então x/ x tem norma 1 e, portanto, T (x/ x ) M. Daí segue-se que Tx M x para todo x, mostrando que (iv) implica (i). 3 Em geral, representaremos uma aplicação linear por uma letra latina maiúscula: R, S, T etc. Contudo, funcionais lineares, isto é, aplicações lineares de X em K, geralmente serão representadas por letras minúsculas: f, g, α etc. No caso de aplicações lineares, usualmente denotaremos T(x) por Tx, reservando o uso de parênteses para situações que puderem suscitar dúvidas. Contudo, manteremos o uso de parênteses no caso de funcionais lineares: f (x), γ(y) etc.

13 1.9. NORMAS EQUIVALENTES 13 Observação 1.42 Note que a definição de uma aplicação linear limitada é diferente daquela de uma aplicação (não linear) limitada, de acordo com o Exemplo Exemplo 1.43 Consideremos o espaço R[t], abordado no Exemplo 1.5. Definimos, para p R[t], p = sup t [0,1/2] p(t). O Teorema Fundamental da Álgebra garante que é uma norma em R[t]. Definimos agora α : (R[t], ) (R, ) por α(p) = p(1). Claramente α é linear. Mas α é descontínua no polinômio p = 0. De fato, tomando ɛ = 1, consideremos o polinômio p n (t) = t n. (Compare com o Exemplo 1.34.) Claramente p n 0 = 1/2 n, enquanto α(p n ) 0 = 1 para todo n N. Corolário 1.44 Seja T : X Y uma aplicação linear sobrejetora. Então, T é um homeomorfismo 4 linear (isto é, uma bijeção linear contínua com inversa contínua) se, e somente se, existirem constantes κ > 0 e λ > 0 tais que κ x Tx λ x. Demonstração: Se T for um homeomorfismo linear, existem λ > 0 e µ > 0 tais que Tx λ x e T 1 y µ y. Mas Tx = y se, e somente se, x = T 1 y. Assim, a última desigualdade é o mesmo que κ x Tx, com κ = µ 1. Reciprocamente, a desigualdade Tx λ x garante que a aplicação linear T é contínua. Mas κ x Tx garante que T é injetora. Como T é sobrejetora, existe T 1 : Y X. Assim, κ x Tx se, e somente se, T 1 y κ 1 y, mostrando que T 1 é contínua. Compare o Corolário 1.44 com o Exercício?? do Capítulo??. Exemplo 1.45 Seja X um espaço de dimensão finita, B = {x 1,..., x n } uma base de X e uma norma em K n. Consideremos, como no Exemplo 1.8, a aplicação I : ( ) ( X, X K n, ) definida por Ix = [x] B K n, em que X denota a norma ( induzida ) ( por. A aplicação I é um homeomorfismo linear entre os espaços X, X e K n, ), pois Ix = x X. 1.9 Normas Equivalentes Algumas vezes, um espaço vetorial X é espaço normado com diferentes escolhas de normas (veja o Exemplo 1.8). Cada uma dessas normas define, em princípio, diferentes topologias, isto é, diferentes conceitos do que seja um conjunto aberto. 5 Pode ser importante saber se um conjunto aberto em uma topologia também é aberto na outra topologia. É o que agora tratamos. 4 O significado da palavra isomorfismo depende do contexto considerado. Assim, na Álgebra Linear, designa simplesmente uma bijeção linear T : X Y. No contexto de espaços vetoriais normados, adicionalmente exige que T e T 1 sejam contínuas. Para não causar dúvidas, evitaremos a utilização da palavra isomorfismo. 5 Note que conceitos como conjunto limitado, fechado, aplicação contínua etc, são todos dependentes da topologia considerada.

14 14 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Definição 1.46 Duas normas 0 e 1 num espaço X são equivalentes, se a aplicação identidade I: (X, 0 ) (X, 1 ) for um homeomorfismo. Em outras palavras, quando existirem constantes κ > 0 e λ > 0 de modo que κ x 0 < x 1 λ x 0. Resulta dessa definição que um conjunto aberto na topologia gerada pela norma 0 é um conjunto aberto na topologia gerada pela norma 1, e vice-versa. Assim, as duas topologias definem os mesmos conjuntos abertos. (Veja o Exercício 19.) Exemplo 1.47 Sejam X, Y espaços normados. É fácil verificar que o produto cartesiano X Y é um espaço vetorial. Podemos imitar as normas definidas no espaço K n (veja o Exemplo 1.8) e introduzir diferentes normas em X Y. De fato, (x, y) = x 2 + y 2, (x, y) s = x + y, (x, y) = max { x, y }, são normas em X Y, como verificamos facilmente. (A desigualdade triangular, no caso da norma, pode ser provada utilizando-se a desigualdade de Cauchy-Schwarz veja o Capítulo?? ou ser obtida como conseqüência do Teorema 1.74.) Conforme o Exercício 20, temos (x, y) (x, y) (x, y) s 2 (x, y), mostrando que essas normas são equivalentes. Com qualquer dessas normas, dizemos que X Y está munido da topologia produto. Esse exemplo generaliza-se para o produto cartesiano X 1 X n de n espaços normados. Como consequência, as normas habituais do espaço K n, definidas no Exemplo 1.8, são todas equivalentes. (Veja o Exercício 21.) 1.10 Espaços Normados de Dimensão Finita Nesta seção estudaremos propriedades que caracterizam os espaços normados de dimensão finita. Se X tiver dimensão finita, vamos mostrar que todas as normas em X são equivalentes e que toda aplicação linear T : X Y entre espaços normados é contínua. Começamos recordando um resultado básico, cuja demonstração omitimos: seqüências limitadas de números reais possuem subseqüências convergentes. Esse resultado continua válido em ( C, ) : dada uma seqüência limitada (z k ) C, identificamos z k = (x k, y k ). A seqüência real (x k ) é limitada 6 e possui, portanto, uma subseqüência convergente (x kj ). Por sua vez, a subseqüência real (y kj ) também é limitada e possui, assim, uma subseqüência convergente (y kjl ). Logo, (z kjl ) = ((x kjl, y kjl )) é uma subseqüência convergente. Escolhida uma base do espaço de dimensão finita X, podemos generalizar esse resultado para X com qualquer de suas normas habituais (introduzidas no Exemplo 1.8): passamos sucessivamente, como no caso de K = C, a subseqüências convergentes de cada uma das coordenadas da representação 6 De acordo com o Exercício 4.

15 1.10. ESPAÇOS NORMADOS DE DIMENSÃO FINITA 15 na base B de uma seqüência limitada em X. (Veja o Exercício 22.) Além disso, conjuntos limitados e fechados K X são compactos: dada uma seqüência (x n ) em K, ela possui uma subseqüência convergente (x nj ). Como K é fechado, x nj x K. Temos, assim: Teorema 1.48 (Bolzano-Weierstraß - Versão Preliminar) Seja X um espaço de dimensão finita com qualquer de suas normas habituais. Então toda seqüência limitada possui uma subseqüência convergente. Em particular, se K X for limitado e fechado, então K é compacto. Observação 1.49 Note que (ainda) não sabemos que, com relação a uma norma arbitrária no espaço de dimensão finita X, as coordenadas de uma seqüência limitada em X também formam seqüências limitadas! Teorema 1.50 Todas as normas em um espaço X de dimensão finita são equivalentes. Demonstração: Seja uma norma arbitrária no espaço X. Escolha uma base B = {x 1,..., x n } em X e considere x = α 1 x α n x n X. Como já vimos no Exemplo 1.8, x s = i=1 n α i define uma norma em X. Vamos mostrar que as normas e s são equivalentes. Temos que x = n i=1 α i x i n α i x i max x i i=1 1 i n n i=1 α i = λ x s, (1.2) em que λ = max x i. Essa desigualdade mostra que a aplicação identidade 1 i n I: ( ) ( ) X, s X, é contínua. Resta mostrar que κ x s x para algum κ > 0. Suponhamos que essa desigualdade não se verifique. Então, para cada n N, poderíamos encontrar x n X tal que x n s > n x n e, definindo u n = x n / x n s, teríamos que (u n ) é uma seqüência tal que u n s = 1. De acordo com o Teorema de Bolzano-Weierstraß (versão preliminar), existiria uma subseqüência (u nj ) que convergiria para u em ( ) X, s. Como u nj s = 1, teríamos que u s = 1. Por outro lado, com relação à norma, valeria u n = x n / x n s < 1/n e, portanto, u u u nj + u nj λ u u nj s + 1 n j. O lado direito da desigualdade tende a zero quando j, o que implica que u = 0 e, portanto, u = 0. Isso é uma contradição, pois u s = 1. Corolário 1.51 Todo espaço normado de dimensão finita é completo. Demonstração: De fato, normas equivalentes geram as mesmas sequências de Cauchy. Assim, se x n x 0 em uma norma, então x n x 0 na outra norma. Como já vimos que K n é completo com qualquer norma das normas definidas no Exemplo 1.8, ele também é completo com uma norma arbitrária. Tendo em vista o Exemplo 1.45, isso significa que (X, X ) é completo. Mas, como todas as normas em X são equivalentes, o espaço X é completo com uma norma arbitrária.

16 16 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Corolário 1.52 (Bolzano-Weierstraß) Conjuntos limitados e fechados de um espaço normado de dimensão finita X são compactos. Demonstração: Considerado com qualquer de suas normas habituais, o Teorema de Bolzano-Weierstraß 1.48 garante que qualquer conjunto K X limitado e fechado é compacto. Como todas as normas em X são equivalentes, o resultado decorre. Exemplo 1.53 Conjuntos limitados e fechados de um espaço normado de dimensão infinita não são, necessariamente, compactos. Consideremos, por exemplo, o espaço C ( [0, 1], R ) com a norma, tal qual no Exemplo A bola B 1 (0) C ( [0, 1], R ) é um conjunto limitado e fechado, mas não é compacto. Com efeito, considere a seqüência ( f n ) B 1 (0), em que f n (t) = t n. Como a convergência em C ( [0, 1], R ) é uniforme, o Teorema 1.33 garante que ( f n ) não possui subseqüência convergente. Compare o que fizemos aqui com o Exemplo Corolário 1.54 Sejam X, Y espaços normados sobre o corpo K. Se X tiver dimensão finita, então toda aplicação linear T : X Y é contínua. Demonstração: Considere x = α 1 x α n x n, em que {x 1,..., x n } é uma base de X. Então n n Tx = α i x i max Tx i α i = λ x s, i=1 1 i n em que λ = max 1 i n Tx i e x s = i=1 n α i é uma norma em X. Como todas as normas em X são equivalentes, o resultado está provado. i=1 Definição 1.55 Seja X um espaço normado e A X um subconjunto não vazio arbitrário. Definimos a distância do ponto x 0 X ao conjunto A, denotada dist (x 0, A), por { dist (x 0, A) = inf x0 a : a A }. a A Teorema 1.56 (F. Riesz) Seja Y X um subespaço fechado de um espaço normado X, com Y = X. Então, dado 0 < ɛ < 1, existe x ɛ X, com x ɛ = 1, tal que dist (x ɛ, Y) > 1 ɛ. Demonstração: Escolha arbitrariamente x X tal que x Y. Seja δ = dist (x, Y). De acordo com o Exercício 24, temos δ > 0. Dado ɛ > 0, escolha y 0 Y tal que δ x y 0 δ(1 + ɛ). Definimos então Vale x ɛ = 1 e, para todo y Y, y x ɛ = x ɛ = x y 0 x y 0. y + y 0 x x y 0 = 1 x y 0 y x y 0 + y 0 x δ x y 0 δ δ(1 + ɛ) > 1 ɛ.

17 1.11. O TEOREMA DE ARZELÀ-ASCOLI 17 (A primeira desigualdade é conseqüência de y x y 0 + y 0 Y e dist (x, Y) δ; a última, de propriedade da série geométrica.) O Exercício 26 pede que se mostre que, se X tiver dimensão finita, então podemos tomar ɛ = 0. Diferindo bastante de nossa concepção usual do espaço K n, o mesmo pode não acontecer em um espaço normado de dimensão infinita: dado um subespaço fechado Y de um espaço de Banach X, pode não existir um ponto x B 1 (0) X tal que d(x, Y) = 1 (veja o Exercício 27). Corolário 1.57 Seja X um espaço normado. Conjuntos limitados e fechados de X são compactos se, e somente se, X tiver dimensão finita. Demonstração: Suponhamos que X não tenha dimensão finita. Tome 0 < ɛ < 1. A aplicação do Teorema 1.56 garante então a existência de uma seqüência x n X, com x n = 1 e x n x m > 1 ɛ para m = n. De fato, escolha x 1 com norma unitária e, supondo escolhidos indutivamente x 2,..., x n, defina Y como o espaço vetorial de dimensão finita gerado por x 1,..., x n. Como Y é fechado, podemos tomar um vetor unitário x n+1 X com dist (x n+1, Y) > 1 ɛ. Então x n+1 x m dist (x n+1, Y) > 1 ɛ para m = 1,..., n. A seqüência assim escolhida é limitada, mas não possui subseqüência convergente. Por outro lado, se dim X = n, então o Corolário 1.52 garante que conjuntos limitados e fechados são compactos. Observação 1.58 Seja X um espaço normado. Corolário 1.57 são os seguintes: Enunciados equivalentes para o (i) toda seqüência limitada em X possui subseqüência convergente se, e somente se, dim X < ; (ii) se r > 0, a bola B r (0) em X é compacta se, e somente se, dim X <. Uma conseqüência importante do Corolário 1.57 é que, em um espaço de dimensão infinita, conjuntos compactos sempre têm interior vazio. (Veja os Exercícios 30 e 31.) 1.11 O Teorema de Arzelà-Ascoli Como vimos, em espaços de dimensão infinita a caracterização de subconjuntos compactos exige mais do conjunto do que ele ser limitado e fechado. Mas conjuntos compactos são fundamentais: neles, sequências possuem subsequências convergentes, o que é uma propriedade importante em muitas aplicações. Em certos espaços de funções temos um critério alternativo para mostrar a compacidade de subconjuntos. O principal desses resultados é o Teorema de Arzelà-Ascoli, que apresentaremos nesta seção. Sejam X um espaço normado, S X um compacto e Y um espaço de Banach. No enunciado do Teorema de Arzelà-Ascoli lidamos com o espaço de Banach 7 C(S, Y) = { f : S Y : f é contínua }. 7 Veja os Exercícios 35 e 36.

18 18 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Observação 1.59 Com a norma de C(S, Y), a aplicação v x : C(S, Y) Y, definida por v x ( f ) = f (x) satisfaz f g sup < δ v x ( f ) v x (g) = f (x) g(x) < δ. Definição 1.60 Um subconjunto A C(S, Y) é equicontínuo em um ponto x 0 S se, dado ɛ > 0 existir δ > 0 tal que x S, x x 0 < δ f (x) f (x 0 ) ɛ, f A. O subconjunto A é equicontínuo, se for equicontínuo em cada um de seus pontos. O conjunto A é uniformemente equicontínuo se, dado ɛ > 0, existir δ > 0 tal que x, y S, x y < δ f (x) f (y) < ɛ, f A. Lema 1.61 Seja A C(S, Y) um subconjunto equicontínuo. equicontínuo. Então A é uniformemente Demonstração: Caso contrário, existiriam ɛ > 0, sequências (x j ), (y j ) S, com x j y j 1/n e uma sequência ( f j ) em A, tais que f j (x j ) f j (y j ) ɛ. Como S é compacto, passando a uma subsequência, podemos supor que x j x 0 e, portanto, y j x 0. Mas então ɛ f j (x j ) f j (x 0 ) + f j (x 0 ) f j (y j ), o que contradiz a equicontinuidade de A no ponto x 0. (Note que não estamos supondo que ( f j ) convirja!) Definição 1.62 Um subconjunto A de um normado X é totalmente limitado se, para todo ɛ > 0 dado, existirem pontos x 1,..., x m A tais que A m B ɛ (x i ). i=1 Lema 1.63 Seja K um conjunto compacto de um espaço normado X. Então K é completo e totalmente limitado. Demonstração: Uma vez que toda sequência de Cauchy em K converge para um ponto de K (pois possui uma subseqüência convergente), vemos que K é completo. Se K não fosse totalmente limitado, existiriam ɛ > 0 e uma seqüência (x n ) em K com x i x j ɛ para i = j. Essa seqüência não admite subseqüência convergente, o que contradiz a hipótese. Observação 1.64 Em um espaço normado X, um subconjunto A X é compacto se, e somente se, A for completo e totalmente limitado. Veja o Exercício 49. Lema 1.65 Todo conjunto totalmente limitado T é separável.

19 1.11. O TEOREMA DE ARZELÀ-ASCOLI 19 Demonstração: Para cada n N e x T, existe um conjunto finito F n T tal que sup y Fn x y < 1/n. Seja F = n N F n. Então F é enumerável e denso em T. Teorema 1.66 (Arzelà-Ascoli) Um subconjunto E C(S, Y) é relativamente compacto se, e somente se, E for equicontínuo e, para cada x X, E(x) = { f (x) : f E} for relativamente compacto em Y. Demonstração: Suponhamos que E seja relativamente compacto. Como a aplicação v x : C(S, Y) Y definida por v x ( f ) = f (x) é contínua, temos que v x (Ē) é compacto. Uma vez que v x (E) v x (Ē), concluímos que E(x) é relativamente compacto. Como E é totalmente limitado (Lema 1.63), dado ɛ > 0, existem funções f i tais que E n ɛ i=1 Assim, para todo f E, existe i tal que B ɛ/3 ( f i ). e, para todos x, x 0 S, temos f f i sup < ɛ 3 f (x) f (x 0 ) f (x) f i (x) + f i (x) f i (x 0 ) + f i (x 0 ) f (x 0 ) 2 ɛ 3 + max 1 i n ɛ f i (x) f i (x 0 ). Como cada função f i é uniformemente contínua, existe δ > 0 tal que x x 0 < δ implica f i (x) f i (x 0 ) < ɛ/3 para todo 1 i n ɛ, o que garante que E é equicontínuo. Reciprocamente, seja R 1 = { f 11, f 12,..., f 1n,...} uma sequência arbitrária em E. De acordo com o Lema 1.65, existe um conjunto D = {x 1,..., x n,...} S denso em S. Por hipótese, o conjunto R 1 (x 1 ) = { f 11 (x 1 ),..., f 1n (x 1 ),...} é relativamente compacto em Y. Assim, existe uma subseqüência R 2 = { f 21, f 22,..., f 2n,...} de R 1 tal que ( f 2n (x 1 )) converge em Y. Consideremos então a seqüência R 2 (x 2 ) = { f 21 (x 2 ), f 22 (x 2 ),..., f 2n (x 2 ),...}. Como antes, nossa hipótese garante a existência de uma subseqüência R 3 = { f 31,..., f 3n,...} de R 2 tal que ( f 3n (x 2 )) converge. Continuando dessa maneira, obtemos, para todo k N, uma subsequência R k de R k 1 tal que ( f kn (x k 1 )) converge em Y. Definimos então a seqüência R = ( f k ) por f k = f kk. (Esse é o método diagonal de Cantor.) Então, para todo x D, f k (x) converge. Para concluir a demonstração, mostraremos que ( f k ) é uma seqüência de Cauchy no espaço C(S, Y). Quer dizer, dado ɛ > 0, queremos mostrar a existência de n 0 N tal que f m f n sup ɛ para quaisquer m, n n 0. Seja y S arbitrário. De acordo com o Lema 1.61, ( f k ) é uniformemente equicontínua em S. Assim, existe δ > 0 tal que x, y S, y x < δ f (y) f (x) < ɛ/3, f E.

20 20 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS Tome x D tal que x y < δ. Como ( f k (x)) é de Cauchy, existe n 0 tal que Logo, m, n n 0 f m (x) f n (x) < ɛ/3. f m (y) f n (y) f m (y) f m (x) + f m (x) f n (x) + f n (x) f n (y) Consequentemente, < ɛ 3 + ɛ 3 + ɛ 3 = ɛ. f m f n sup = sup f m (y) f n (y) ɛ, y S como queríamos demonstrar. Corolário 1.67 Se dim Y <, então E C(S, Y) é relativamente compacto se, e somente se, E for equicontínuo e limitado. Demonstração: A afirmação direta decorre do Teorema Por outro lado, se E for limitado, então E(x) é limitado para todo x X. Pelo Teorema de Bolzano-Weierstraß (Corolário 1.52), podemos aplicar o Teorema de Arzelà-Ascoli O Completamento Definição 1.68 Seja ( X, ) um espaço normado. Definimos o completamento ( X, T ) de X como um par consistindo de um espaço de Banach ( X, 0 ) e uma aplicação linear T : X X que preserva a norma, isto é, e tal que T(X) é denso em X. Tx 0 = x, x X, Teorema 1.69 Todo espaço normado (X, ) possui um completamento. Heuristicamente, nada é mais natural do que pensar que o completamento de X será o próprio espaço X unido ao conjunto dos pontos que são limites das seqüências de Cauchy. O problema é que estes pontos limites ainda não estão definidos! Para defini-los, temos que considerar uma seqüência de Cauchy como algo intrinsecamente ligado ao ponto para o qual ela vai convergir. Mas isto coloca um outro problema, de fácil resolução: podemos ter duas seqüências convergindo para o mesmo ponto! Igualamos estas seqüências ao definirmos uma relação de equivalência: duas seqüências pertencem à mesma classe se seus elementos aproximam-se arbitrariamente - isto é, se convergem para o mesmo ponto. Tal procedimento permite pensar em cada ponto como uma seqüência de Cauchy, e vice-versa. É o que faremos na demonstração seguinte.

21 1.12. O COMPLETAMENTO 21 Demonstração: Definimos X = { ξ = (x j ) : (x j ) é uma seqüência de Cauchy em X }. Em X, consideramos a relação de equivalência: (x j ) (y j ) lim j x j y j = 0. (No contexto da Análise Matemática, é usual denotar a relação por =). Tomamos então o espaço quociente X = X /. Em outras palavras, consideramos a partição de X gerada por essa relação de equivalência. Denotamos por [ξ] a classe de equivalência de ξ = (x k ). Assim, se (y k ) e (z k ) são dois representantes da classe [ξ], então lim k y k z k = 0. O conjunto X é o conjunto das classes de equivalência (disjuntas) de X. Em X, se (x j ) e (y j ) são representantes de [ξ] e [η], respectivamente, definimos [ξ] + [η] = [x j + y j ] e c[ξ] = [cx j ]. É fácil verificar que essas operações estão bem definidas e que, com elas, X é um espaço vetorial. O espaço X torna-se um espaço normado ao definirmos [ξ] 0 = lim x j. (1.3) j Como a aplicação : X R é uniformemente contínua (veja o Exemplo 1.28), a Proposição 1.36 garante que ( x j ) é uma seqüência de Cauchy em R. Portanto, o limite em (1.3) existe. É fácil verificar que [ξ] 0 independe do representante escolhido de [ξ]; assim, 0 está bem definida. É claro que 0 define uma norma em X. Seja T : X X definida por Tx = [(x)], em que (x) designa a seqüência cujos termos são todos iguais a x. A aplicação T é linear e preserva normas. Afirmamos que T(X) é denso em X. De fato, seja [ξ] X e (x n ) um representante de [ξ]. Como (x n ) é de Cauchy, dado ɛ > 0, existe n 0 tal que x n x n0 < ɛ, para todo n n 0. Assim, [ξ] Tx n0 0 = [x n x n0 ] 0 = lim n x n x n0 ɛ, provando o afirmado. Resta provar que X é completo. Para isto, dado ɛ > 0, consideremos uma seqüência de Cauchy ([ξ] n ) de elementos de X. Fixado n, cada elemento [ξ] n é representado por uma seqüência de Cauchy (x n i ) de elementos de X e, para este valor de n, existe y n X tal que [ξ] n Ty n 0 < ɛ/3,pois T(X) é denso em X. Afirmamos que a seqüência (y n ) assim formada é uma seqüência de Cauchy em X. De fato, temos y n y m = Ty n Ty m 0 Tyn [ξ] n 0 + [ξ] n [ξ] m 0 + [ξ] m Ty m 0. Como ([ξ] n ) é de Cauchy, existe n 0 tal que m, n n 0 implica [ξ] n [ξ] m 0 < ɛ/3. Daí segue-se o afirmado. Seja ξ = (y n ). Afirmamos que ([ξ] n ) converge a [ξ] em ( X, 0 ). De fato, dado ε > 0, temos [ξ] n [ξ] 0 = [ξ] n Ty n 0,

22 22 CAPÍTULO 1. ESPAÇOS NORMADOS que tende a zero quando n tende a infinito. Espaços de Banach são muitas vezes construídos por meio do Teorema 1.69 e uma das construções usuais do conjunto dos números reais também é feita por esse processo. Os espaços L p da teoria da integração (veja a próxima seção) podem ser obtidos assim. A grande dificuldade na utilização do Teorema 1.69 na construção dos espaços L p consiste em identificar os elementos do completamento (que são, em última instância, seqüências de Cauchy) com verdadeiras funções. Para ilustrar esse tipo de construção dos espaços L p, veja, por exemplo, [2] e [21] Exemplos de Espaços de Banach Espaços de Aplicações Lineares Contínuas Sejam X, Y espaços normados. Denotamos por L(X, Y) o espaço das aplicações lineares contínuas de X para Y. Nesse conjunto, dado T L(X, Y), definimos T = sup Tx. x =1 Assim, como conseqüência da prova do Teorema 1.41, temos que Tx T x para todo x X. Verifica-se facilmente que L(X, Y) é um espaço normado. Denotamos por X = L(X, K) o espaço dual 8 de X e L(X, X) por L(X). Afirmamos que, se Y for um espaço completo, então L(X, Y) é um espaço de Banach. Com efeito, consideremos uma seqüência de Cauchy (T n ) em L(X, Y). Logo, dado ɛ > 0, existe n 0 tal que m, n n 0 implica T n T m ɛ. Daí segue-se que, para todo x X, T n x T m x = (T n T m ) x T n T m x, mostrando que (T n x) é uma seqüência de Cauchy no espaço completo Y. Assim, está bem definido lim n T n x. Definimos, para todo x X, T : X Y por Tx = lim n T n x. Vamos mostrar que T L(X, Y). A linearidade de T decorre de propriedades do limite. Portanto, para garantir que T L(X, Y), basta provar que T é limitada. Como (T n ) é de Cauchy, existe M tal que T n M para todo n. Daí segue-se que T n x M x. Tomando o limite quando n nessa desigualdade, concluímos que Tx M x. Agora vamos mostrar que T n T em L(X, Y), isto é, que T n T 0 quando n. Dado ɛ > 0 e escolhido n 0 como acima, temos T n x T m x ɛ x para m, n n 0. Tomando o limite quando n nessa última desigualdade, vem Tx T m x ɛ x. Assim, para todo m > n 0 temos T T m ɛ, completando a demonstração de nossa afirmação. 8 Alguns autores denotam o dual de X por X. Notamos que estamos tratando do espaço dual topológico, isto é, aquele dos funcionais lineares contínuos, enquanto o dual algébrico é constituído por todos os funcionais lineares, independentemente de continuidade.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X. 1. Redes Quando trabalhamos no R n, podemos testar várias propriedades de um conjunto A usando seqüências. Por exemplo: se A = A, se A é compacto, ou se a função f : R n R m é contínua. Mas, em espaços

Leia mais

Convergência em espaços normados

Convergência em espaços normados Chapter 1 Convergência em espaços normados Neste capítulo vamos abordar diferentes tipos de convergência em espaços normados. Já sabemos da análise matemática e não só, de diferentes tipos de convergência

Leia mais

Fabio Augusto Camargo

Fabio Augusto Camargo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Introdução à Topologia Autor: Fabio Augusto Camargo Orientador: Prof. Dr. Márcio de Jesus Soares

Leia mais

ANÁLISE E TOPOLOGIA. 1 o semestre. Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas,

ANÁLISE E TOPOLOGIA. 1 o semestre. Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas, ANÁLISE E TOPOLOGIA 1 o semestre Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas, séries e integrais. 1. Espaços topológicos e métricos Todos estes

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Leandro F. Aurichi de novembro de Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação - Universidade de São Paulo, São Carlos, SP

Leandro F. Aurichi de novembro de Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação - Universidade de São Paulo, São Carlos, SP Espaços Métricos Leandro F. Aurichi 1 30 de novembro de 2010 1 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação - Universidade de São Paulo, São Carlos, SP 2 Sumário 1 Conceitos básicos 5 1.1 Métricas...........................................

Leia mais

Introduzir os conceitos de base e dimensão de um espaço vetorial. distinguir entre espaços vetoriais de dimensão fnita e infinita;

Introduzir os conceitos de base e dimensão de um espaço vetorial. distinguir entre espaços vetoriais de dimensão fnita e infinita; META Introduzir os conceitos de base e dimensão de um espaço vetorial. OBJETIVOS Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: distinguir entre espaços vetoriais de dimensão fnita e infinita; determinar

Leia mais

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Giselle Moraes Resende Pereira Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação Tutorial

Leia mais

[À funç~ao d chama-se métrica e aos elementos de X pontos do espaço métrico; a condiç~ao (3) designa-se por desigualdade triangular.

[À funç~ao d chama-se métrica e aos elementos de X pontos do espaço métrico; a condiç~ao (3) designa-se por desigualdade triangular. Aula I - Topologia e Análise Linear 1 Espaços Métricos ESPAÇO MÉTRICO Um par (X, d) diz-se um espaço métrico se X for um conjunto e d : X X R + for uma aplicação que verifica as seguintes condições, quaisquer

Leia mais

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Agosto de 001 Sumário 1 Exercícios Resolvidos Uma Revisão 5 Mais Exercícios Resolvidos Sobre Transformações Lineares 13 3 4 SUMA RIO Capítulo 1 Exercícios Resolvidos

Leia mais

Notas de Aula. Análise Funcional

Notas de Aula. Análise Funcional Notas de Aula Análise Funcional Rodney Josué Biezuner 1 Departamento de Matemática Instituto de Ciências Exatas (ICEx) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Notas de aula do curso Análise Funcional

Leia mais

Construção dos Números Reais

Construção dos Números Reais 1 Universidade de Brasília Departamento de Matemática Construção dos Números Reais Célio W. Manzi Alvarenga Sumário 1 Seqüências de números racionais 1 2 Pares de Cauchy 2 3 Um problema 4 4 Comparação

Leia mais

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 MAT 317 - Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 1 Nome : Número USP : Assinatura : Professor : Severino Toscano do Rêgo Melo 2 3 4 5 Total Podem tentar fazer todas as questões.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA. Medida e Probabilidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA. Medida e Probabilidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Medida e Probabilidade Aluno: Daniel Cassimiro Carneiro da Cunha Professor: Andre Toom 1 Resumo Este trabalho contem um resumo dos principais

Leia mais

Noções de Álgebra Linear

Noções de Álgebra Linear Noções de Álgebra Linear 1. Espaços vetoriais lineares 1.1. Coordenadas 2. Operadores lineares 3. Subespaços fundamentais 4. Espaços normados 5. Espaços métricos 6. Espaços de Banach 7. Espaços de Hilbert

Leia mais

Enumerabilidade. Capítulo 6

Enumerabilidade. Capítulo 6 Capítulo 6 Enumerabilidade No capítulo anterior, vimos uma propriedade que distingue o corpo ordenado dos números racionais do corpo ordenado dos números reais: R é completo, enquanto Q não é. Neste novo

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Combinação Linear, Subespaços Gerados, Dependência e Independência Linear. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Combinação Linear, Subespaços Gerados, Dependência e Independência Linear. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Combinação Linear, Subespaços Gerados, Dependência e Prof. Susie C. Keller Combinação Linear Sejam os vetores v 1, v 2,..., v n do espaço vetorial V e os escalares a 1, a 2,..., a n. Qualquer

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis O Corpo dos Números Reais Prof. Doherty Andrade 2005/Agosto/20 Vamos rever algumas coisas que já sabemos sobre o corpo dos números reais. Por corpo entendemos

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

) a sucessão definida por y n

) a sucessão definida por y n aula 05 Sucessões 5.1 Sucessões Uma sucessão de números reais é simplesmente uma função x N R. É conveniente visualizar uma sucessão como uma sequência infinita: (x(), x(), x(), ). Neste contexto é usual

Leia mais

x B A x X B B A τ x B 3 B 1 B 2

x B A x X B B A τ x B 3 B 1 B 2 1. Definição e exemplos. Bases. Dar uma topologia num conjunto X é especificar quais dos subconjuntos de X são abertos: Definição 1.1. Um espaço topológico é um par (X, τ) em que τ é uma colecção de subconjuntos

Leia mais

3 Espaços com Produto Interno

3 Espaços com Produto Interno 3 Espaços com Produto Interno 3.1 Produtos Internos em Espaços Vetoriais Seja V um espaço vetorial. Um produto interno em V é uma função, : V V R que satisfaz P1) = v, u para todos u, v V ; P2) u, v +

Leia mais

Ado Raimundo Dalla Costa. Teorema de Hahn-Banach

Ado Raimundo Dalla Costa. Teorema de Hahn-Banach Ado Raimundo Dalla Costa Teorema de Hahn-Banach Florianópolis 2014 Ado Raimundo Dalla Costa Teorema de Hahn-Banach Trabalho de conclusão de curso apresentado na Universidade Federal de Santa Catarina para

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Base e Dimensão de um Espaço Vetorial. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Base e Dimensão de um Espaço Vetorial. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Base e Dimensão de um Espaço Vetorial Prof. Susie C. Keller Base de um Espaço Vetorial Um conjunto B = {v 1,..., v n } V é uma base do espaço vetorial V se: I) B é LI II) B gera V Base de

Leia mais

Quinta lista de Exercícios - Análise Funcional, período Professor: João Marcos do Ó. { 0 se j = 1 y j = (j 1) 1 x j 1 se j 2.

Quinta lista de Exercícios - Análise Funcional, período Professor: João Marcos do Ó. { 0 se j = 1 y j = (j 1) 1 x j 1 se j 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA Quinta lista de Exercícios - Análise Funcional, período 2009.2. Professor:

Leia mais

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk Notas Para o Curso de Medida e Integração Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Medida de Lebesgue e Espaços de Medida... 1 1.1. Aritmética na Reta Estendida... 1 1.2. O Problema da Medida... 6 1.3. Volume

Leia mais

2 APLICAÇÕES DIFERENCIÁVEIS

2 APLICAÇÕES DIFERENCIÁVEIS Sumário 1 ESPAÇOS NORMADOS 1 1.1 PRODUTO INTERNO................................... 1 1.2 NORMA.......................................... 1 1.3 APLICAÇÕES LINEARES CONTÍNUAS......................... 4

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

Topologia Geral. Ofelia Alas Lúcia Junqueira Marcelo Dias Passos Artur Tomita

Topologia Geral. Ofelia Alas Lúcia Junqueira Marcelo Dias Passos Artur Tomita Topologia Geral Ofelia Alas Lúcia Junqueira Marcelo Dias Passos Artur Tomita Sumário Capítulo 1. Alguns conceitos básicos 5 Capítulo 2. Espaços topológicos 9 1. Espaços topológicos. Conjuntos abertos

Leia mais

σ-álgebras, geradores e independência

σ-álgebras, geradores e independência σ-álgebras, geradores e independência Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 15 de Março de 2009 Resumo Notas sobre a σ-álgebra gerada por uma variável aleatória X e sobre as condições de independência de

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

A forma canônica de Jordan

A forma canônica de Jordan A forma canônica de Jordan 1 Matrizes e espaços vetoriais Definição: Sejam A e B matrizes quadradas de orden n sobre um corpo arbitrário X. Dizemos que A é semelhante a B em X (A B) se existe uma matriz

Leia mais

O espaço das Ordens de um Corpo

O espaço das Ordens de um Corpo O espaço das Ordens de um Corpo Clotilzio Moreira dos Santos Resumo O objetivo deste trabalho é exibir corpos com infinitas ordens e exibir uma estrutura topológica ao conjunto das ordens de um corpo.

Leia mais

Análise III (Análise no IR n )

Análise III (Análise no IR n ) Análise III (Análise no IR n ) Notas de aulas André Arbex Hallack Agosto/2008 Índice 1 Noções Topológicas no IR n 1 1.1 O espaço vetorial IR n................................ 1 1.2 Seqüências......................................

Leia mais

Capítulo 2. Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt. Curso: Licenciatura em Matemática

Capítulo 2. Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt. Curso: Licenciatura em Matemática Capítulo 2 Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt Curso: Licenciatura em Matemática Professor-autor: Danilo Felizardo Barboza Wilberclay Gonçalves de Melo Disciplina: Álgebra Linear II Unidade II Aula

Leia mais

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos Capítulo 2 Conjuntos Infinitos Não é raro encontrarmos exemplos equivocados de conjuntos infinitos, como a quantidade de grãos de areia na praia ou a quantidade de estrelas no céu. Acontece que essas quantidades,

Leia mais

Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II Monitor: Diego Santiago

Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II Monitor: Diego Santiago Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II - 2012 Monitor: Diego Santiago EPGE/FGV Introdução matemática 1 Introdução Esta introdução visa familiarizar o aluno com ferramentas matemáticas

Leia mais

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n 1. Descrição do método e alguns exemplos Colocamos o seguinte problema: dado um conjunto finito: A = {a 1, a 2,...,

Leia mais

= f(0) D2 f 0 (x, x) + o( x 2 )

= f(0) D2 f 0 (x, x) + o( x 2 ) 6 a aula, 26-04-2007 Formas Quadráticas Suponhamos que 0 é um ponto crítico duma função suave f : U R definida sobre um aberto U R n. O desenvolvimento de Taylor de segunda ordem da função f em 0 permite-nos

Leia mais

APLICAÇÃO DO TEOREMA DO PONTO FIXO DE BANACH A UM PROBLEMA EM PROBABILIDADE 1

APLICAÇÃO DO TEOREMA DO PONTO FIXO DE BANACH A UM PROBLEMA EM PROBABILIDADE 1 Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Exatas, S. Maria, v.2, n.1, p.59-68, 2001 59 APLICAÇÃO DO TEOREMA DO PONTO FIXO DE BANACH A UM PROBLEMA EM PROBABILIDADE 1 APPLICATION OF BANACH FIXED POINT THEOREM

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Análise I. Notas de Aula 1. Alex Farah Pereira de Agosto de 2017

Análise I. Notas de Aula 1. Alex Farah Pereira de Agosto de 2017 Análise I Notas de Aula 1 Alex Farah Pereira 2 3 23 de Agosto de 2017 1 Turma de Matemática. 2 Departamento de Análise-IME-UFF 3 http://alexfarah.weebly.com ii Conteúdo 1 Conjuntos 1 1.1 Números Naturais........................

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG 1 Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos Ana Cristina Vieira Departamento de Matemática - ICEx - UFMG - 2011 1. Representações de Grupos Finitos 1.1. Fatos iniciais Consideremos

Leia mais

1.3 Conjuntos de medida nula

1.3 Conjuntos de medida nula 1.3 Conjuntos de medida nula Seja (X, F, µ) um espaço de medida. Um subconjunto A X é um conjunto de medida nula se existir B F tal que A B e µ(b) = 0. Do ponto de vista da teoria da medida, os conjuntos

Leia mais

Teoria espectral de operadores lineares limitados

Teoria espectral de operadores lineares limitados Capítulo 8 Teoria espectral de operadores lineares limitados A teoria espectral é um dos ramos principais da análise funcional moderna e suas aplicações. Essencialmente consiste no inverso de certos operadores,

Leia mais

1 Conjuntos enumeráveis

1 Conjuntos enumeráveis Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales de maio de 007. Conjuntos enumeráveis Denotamos por Q os numeros racionais, logo [0, ] Q, são os números racionais

Leia mais

OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO)

OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO) ! #" $ %$!&'%($$ OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO) Neste texto apresentaremos dois teoremas de estrutura para módulos que são artinianos e noetherianos simultaneamente. Seja

Leia mais

Notações e revisão de álgebra linear

Notações e revisão de álgebra linear Notações e revisão de álgebra linear Marina Andretta ICMC-USP 17 de agosto de 2016 Baseado no livro Introduction to Linear Optimization, de D. Bertsimas e J. N. Tsitsiklis. Marina Andretta (ICMC-USP) sme0211

Leia mais

Alexandre L. Madureira. Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: alm

Alexandre L. Madureira. Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL:  alm Introdução à Análise Real 1 Alexandre L. Madureira Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: http://www.lncc.br/ alm 1 06 de outubro de 2008 Prefácio. Estas notas de aula são relativas

Leia mais

Análise Real. IF Sudeste de Minas Gerais. Primeiro semestre de Prof: Marcos Pavani de Carvalho. Marcos Pavani de Carvalho

Análise Real. IF Sudeste de Minas Gerais. Primeiro semestre de Prof: Marcos Pavani de Carvalho. Marcos Pavani de Carvalho IF Sudeste de Minas Gerais Prof: Primeiro semestre de 2014 Proposição: É uma afirmação que pode ser classificada em verdadeira ou falsa, mas que faça sentido. Exemplo: Sejam as proposições: A: A soma dos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO INRODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBRA LINERAR CAPÍULO 7 ISOMORFISMO A pergunta inicial que se faz neste capítulo e que o motiva é: dada uma transformação linear : V W é possível definir uma transformação linear

Leia mais

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear MÓDULO 1 - AULA 3 Aula 3 A Reta e a Dependência Linear Objetivos Determinar a equação paramétrica de uma reta no plano. Compreender o paralelismo entre retas e vetores. Entender a noção de dependência

Leia mais

Nota: Turma: MA 327 Álgebra Linear. Segunda Prova. Primeiro Semestre de T o t a l

Nota: Turma: MA 327 Álgebra Linear. Segunda Prova. Primeiro Semestre de T o t a l Turma: Nota: MA 327 Álgebra Linear Primeiro Semestre de 2006 Segunda Prova Nome: RA: Questões Pontos Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Questão 5 T o t a l Questão 1. A matriz de mudança da base ordenada

Leia mais

ESPAÇOS VETORIAIS EUCLIDIANOS

ESPAÇOS VETORIAIS EUCLIDIANOS ESPAÇOS VETORIAIS EUCLIDIANOS Produto interno em espaços vetoriais Estamos interessados em formalizar os conceitos de comprimento de um vetor e ângulos entre dois vetores. Esses conceitos permitirão uma

Leia mais

Espaços com Produto Interno

Espaços com Produto Interno CAPÍTULO 2 Espaços com Produto Interno Espaços com produto interno foram introduzidos em um curso de Álgebra Linear. 1 Algumas propriedades de um espaço com produto interno independem de sua dimensão ser

Leia mais

Alexandre L. Madureira

Alexandre L. Madureira Introdução à Análise Real 1 Alexandre L. Madureira Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: http://www.lncc.br/ alm Fundação Getúlio Vargas FGV, Brasil 1 04 de junho de 2014 Prefácio.

Leia mais

Alexandre L. Madureira

Alexandre L. Madureira Introdução à Análise Real 1 Alexandre L. Madureira Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: http://www.lncc.br/ alm Fundação Getúlio Vargas FGV, Brasil 1 04 de junho de 2014 Prefácio.

Leia mais

Notas do Curso de SMA-333 Cálculo III. Prof. Wagner Vieira Leite Nunes. São Carlos 1.o semestre de 2007

Notas do Curso de SMA-333 Cálculo III. Prof. Wagner Vieira Leite Nunes. São Carlos 1.o semestre de 2007 Notas do Curso de SMA-333 Cálculo III Prof. Wagner Vieira Leite Nunes São Carlos.o semestre de 7 Sumário Introdução 5 Seqüências Numéricas 7. Definições.................................... 7. Operações

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

. (1) Se S é o espaço vetorial gerado pelos vetores 1 e,0,1

. (1) Se S é o espaço vetorial gerado pelos vetores 1 e,0,1 QUESTÕES ANPEC ÁLGEBRA LINEAR QUESTÃO 0 Assinale V (verdadeiro) ou F (falso): (0) Os vetores (,, ) (,,) e (, 0,) formam uma base de,, o espaço vetorial gerado por,, e,, passa pela origem na direção de,,

Leia mais

Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru

Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru 1 Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru Neste capítulo vamos considerar espaços vetoriais sobre K, onde K = R ou K = C, ou seja, os espaços vetoriais podem ser reais

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Revisão Básica de Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior Universidade Federal de Alfenas 26 de novembro de 2014 Revisão de Definição 1 (Espaço Vetorial) Um conjunto V é um espaço vetorial sobre R, se em

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 2 Norma. Distância. Bola. R n = R R R

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 2 Norma. Distância. Bola. R n = R R R Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 1 Notação R n = R R R x R n : x = (x 1, x 2,, x n ) ; x

Leia mais

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS.

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. SANDRO MARCOS GUZZO RESUMO. A construção dos conjuntos numéricos é um assunto clássico na matemática, bem como o estudo das propriedades das operações

Leia mais

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0 Lista de exercícios. AL. 1 sem. 2015 Prof. Fabiano Borges da Silva 1 Matrizes Notações: 0 para matriz nula; I para matriz identidade; 1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC calcule A(B + C) B t A

Leia mais

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Questão 1. Sejam X, X conjuntos e φ : X X uma função. (a) (valor 1,25 pontos) Mostre que se A é uma σ-álgebra

Leia mais

Sistemas de equações lineares

Sistemas de equações lineares DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Sistema de Equações Lineares 1 Sistema de Equações Lineares 2 com pivoteamento parcial 3 Método de Jacobi Método Gauss-Seidel Sistema de Equações Lineares n equações

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago Capítulo 1 Os Números Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago 1.1 Notação Números naturais: Neste texto, N = {0, 1, 2, 3,...} e N + = {1, 2, 3, }. Mas existem vários autores considerando

Leia mais

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I 1 MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I GEOMETRIA ANALÍTICA Coordenadas de pontos no plano cartesiano Distâncias entre pontos Sejam e dois pontos no plano cartesiano A distância entre e é dada pela expressão

Leia mais

Algebra Linear S ergio Lu ıs Zani

Algebra Linear S ergio Lu ıs Zani Álgebra Linear Sérgio Luís Zani 2 Sumário 1 Espaços Vetoriais 7 1.1 Introdução e Exemplos.......................... 7 1.2 Propriedades............................... 12 1.3 Exercícios.................................

Leia mais

Álgebra Linear - 2 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho

Álgebra Linear - 2 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho Álgebra Linear - 2 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho 1 - Verifique que os conjuntos V abaixo com as operações dadas não são espaços vetoriais explicitando a falha em alguma das propriedades.

Leia mais

Análise na Reta - Verão UFPA 1a lista - Números naturais; Corpos ordenados

Análise na Reta - Verão UFPA 1a lista - Números naturais; Corpos ordenados Análise na Reta - Verão UFPA 1a lista - Números naturais; Corpos ordenados A lista abaixo é formada por um subconjunto dos exercícios dos seguintes livros: Djairo G. de Figueiredo, Análise na reta Júlio

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades; DISCIPLINA: ELEMENTOS DE MATEMÁTICA AVANÇADA UNIDADE 3: ÁLGEBRA LINEAR. OPERADORES OBJETIVOS: Ao final desta unidade você deverá: - identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

Leia mais

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Notação. Usaremos Nat para representar o conjunto dos números naturais; Int para representar o conjunto dos números inteiros. Para cada n Nat, [n] representa o

Leia mais

ALGA I. Bases, coordenadas e dimensão

ALGA I. Bases, coordenadas e dimensão Módulo 5 ALGA I. Bases, coordenadas e dimensão Contents 5.1 Bases, coordenadas e dimensão............. 58 5.2 Cálculos com coordenadas. Problemas......... 65 5.3 Mudanças de base e de coordenadas..........

Leia mais

Topologia e espaços métricos

Topologia e espaços métricos Topologia e espaços métricos Roberto Imbuzeiro Oliveira 7 de Fevereiro de 2014 Conteúdo 1 Preliminares sobre conjuntos 2 2 Introdução aos espaços métricos 3 2.1 Definição............................. 3

Leia mais

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso)

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Roberto Imbuzeiro Oliveira 8 de Janeiro de 2014 1 Conjuntos e funções Neste curso procuraremos fundamentar de forma precisa os fundamentos

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear MÓDULO 1 - AULA 4 Objetivos Compreender os conceitos de independência e dependência linear. Estabelecer condições para determinar quando uma coleção

Leia mais

GABRIEL BUJOKAS

GABRIEL BUJOKAS APLICAÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR À COMBINATÓRIA GABRIEL BUJOKAS (GBUJOKAS@MIT.EDU) A gente vai discutir algumas das aplicações clássicas de álgebra linear à combinatória. Vamos começar relembrando alguns conceitos

Leia mais

a = bq + r e 0 r < b.

a = bq + r e 0 r < b. 1 Aritmética dos Inteiros 1.1 Lema da Divisão e o Algoritmo de Euclides Recorde-se que a, o módulo ou valor absoluto de a, designa a se a N a = a se a / N Dados a, b, c Z denotamos por a b : a divide b

Leia mais

Questão 4 (2,0 pontos). Defina função convexa (0,5 pontos). Seja f : I R uma função convexa no intervalo aberto I. Dado c I (qualquer)

Questão 4 (2,0 pontos). Defina função convexa (0,5 pontos). Seja f : I R uma função convexa no intervalo aberto I. Dado c I (qualquer) DM IMECC UNICAMP, Análise I, Prof. Marcelo M. Santos Exame Final, 15/07/2009 Aluno: RA: Ass.: Observações: Tempo de prova: 100min; Justifique sucintamente todas as suas afirmações; Disponha as suas resoluções

Leia mais

Álgebra Linear. Determinantes, Valores e Vectores Próprios. Jorge Orestes Cerdeira Instituto Superior de Agronomia

Álgebra Linear. Determinantes, Valores e Vectores Próprios. Jorge Orestes Cerdeira Instituto Superior de Agronomia Álgebra Linear Determinantes, Valores e Vectores Próprios Jorge Orestes Cerdeira Instituto Superior de Agronomia - 200 - ISA/UTL Álgebra Linear 200/ 2 Conteúdo Determinantes 5 2 Valores e vectores próprios

Leia mais

Versão geométrica do teorema de Hahn-Banach

Versão geométrica do teorema de Hahn-Banach Versão geométrica do teorema de Hahn-Banach Eduardo Marques de Sá Centro de Matemática da Universidade de Coimbra Outubro 2013 Convexos e Funcionais de Minkowski V é um espaço vetorial sobre R. Dado um

Leia mais

GEOMETRIAS NÃO- EUCLIDIANAS E SUAS MÉTRICAS

GEOMETRIAS NÃO- EUCLIDIANAS E SUAS MÉTRICAS GEOMETRIAS NÃO- EUCLIDIANAS E SUAS MÉTRICAS Fernando da Costa Gomes (bolsista do PIBIC/UFPI), Newton Luís Santos (Orientador, Depto. de Matemática UFPI) RESUMO Neste trabalho, exibimos os modelos clássicos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano CAMPO MOURÃO 203 Capítulo Conjuntos e Funções Neste capítulo vamos fazer uma breve

Leia mais

Capítulo Topologia e sucessões. 7.1 Considere o subconjunto de R 2 : D = {(x, y) : xy > 1}.

Capítulo Topologia e sucessões. 7.1 Considere o subconjunto de R 2 : D = {(x, y) : xy > 1}. Capítulo 7 Introdução à Análise em R n 7. Topologia e sucessões 7. Considere o subconjunto de R 2 : D = {(x, y) : > }.. Indique um ponto interior, um ponto fronteiro e um ponto exterior ao conjunto D e

Leia mais

(x 1 + iy 1 ) + (x 2 + iy 2 ) = x 1 + x 2 + i(y 1 + y 2 ) a(x + iy) = ax + i(ay)

(x 1 + iy 1 ) + (x 2 + iy 2 ) = x 1 + x 2 + i(y 1 + y 2 ) a(x + iy) = ax + i(ay) Espaços Vetoriais Definição. Um espaço vetorial sobre R é um conjunto V no qual se tem definida uma adição e uma multiplicação de seus elementos por escalares (isto é, por números reais), ou seja, dados

Leia mais

O TEOREMA ESPECTRAL PARA OPERADORES AUTO-ADJUNTOS

O TEOREMA ESPECTRAL PARA OPERADORES AUTO-ADJUNTOS O TEOEMA ESPECTAL PAA OPEADOES AUTO-ADJUNTOS Mariane Pigossi, oberto de A. Prado, Depto. de Matemática e Computação, FCT, UNESP, 19060-900, Presidente Prudente, SP E-mail: marianepigossi@gmail.com, robertoprado@fct.unesp.br

Leia mais

Variável Complexa

Variável Complexa Variável Complexa 2015.2 Aula1 Utilizamos o símbolo C para denotar o plano real R 2 equipado com as seguintes operações: z 1 + z 2 = (x 1 + x 2, y 1 + y 2 ) adição z 1 z 2 = (x 1 x 2 y 1 y 2,, x 1 y 2

Leia mais

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto -

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - MÓDULO 2 - AULA 10 Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - Aplicações II Objetivos Estudar as posições relativas entre retas no espaço. Obter as expressões para calcular distância entre retas. Continuando

Leia mais

Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: alm URL: alm/cursos/analise06lncc.

Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL:  alm URL:  alm/cursos/analise06lncc. Introdução à Análise Real Pós-graduação do LNCC 1 Alexandre L. Madureira Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: http://www.lncc.br/ alm URL: http://www.lncc.br/ alm/cursos/analise06lncc.html

Leia mais

Alexandre L. Madureira. Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: alm

Alexandre L. Madureira. Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL:  alm Introdução à Análise Real 1 Alexandre L. Madureira Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: http://www.lncc.br/ alm 1 19 de janeiro de 2011 Prefácio. Estas notas de aula são relativas

Leia mais

OPERADORES LINEARES ESPECIAIS: CARACTERIZAÇÃO EM ESPAÇOS DE DIMENSÃO DOIS*

OPERADORES LINEARES ESPECIAIS: CARACTERIZAÇÃO EM ESPAÇOS DE DIMENSÃO DOIS* OPERADORES LINEARES ESPECIAIS: CARACTERIZAÇÃO EM ESPAÇOS DE DIMENSÃO DOIS* FABIANA BARBOSA DA SILVA, ALINE MOTA DE MESQUITA ASSIS, JOSÉ EDER SALVADOR DE VASCONCELOS Resumo: o objetivo deste artigo é apresentar

Leia mais

FUNCIONAIS LINEARES: ESPAÇO DUAL E ANULADORES

FUNCIONAIS LINEARES: ESPAÇO DUAL E ANULADORES FUNCIONAIS LINEARES: ESPAÇO DUAL E ANULADORES Eduardo de Souza Böer - eduardoboer04@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria, Campus Camobi, 97105-900-Santa Maria, RS, Brasil Saradia Sturza Della

Leia mais

da Teoria do conjuntos

da Teoria do conjuntos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET Departamento de Matemática Topologia do ponto de vista da Teoria do conjuntos Aluna: Natalia de Barros Gonçalves Orientador:

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Matemática Curso de Verão Lista 2. Sequências de Números Reais

Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Matemática Curso de Verão Lista 2. Sequências de Números Reais Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Matemática Curso de Verão 0 Lista Sequências de Números Reais. Dê o termo geral de cada uma das seguintes sequências: a,, 3, 4,... b, 4, 9, 6,... c,,

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais