Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:"

Transcrição

1 Boletim da O SARESP ANTONIO DEVISATE ETE / Município: MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos da Educação Básica da. Os resultados apresentados neste Boletim permitem à escola analisar seu desempenho e, com o apoio da Secretaria de Estado da Educação, melhorar a qualidade da aprendizagem dos seus alunos e da gestão escolar. PARTICIPANTES DO SARESP ª EF 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM TOTAL ESTADO REDE ESTADUAL DIRETORIA DE ENSINO ESCOLAS DO CENTRO PAULA SOUZA ESCOLA Referência: de acordo com o maior número de alunos presentes no 1º ou 2º dia de avaliação. MÉDIAS DO SARESP 2009 Língua Portuguesa Matemática 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM REDE ESTADUAL 190,4 215,7 236,3 274,6 201,4 214,4 251,5 269,4 187,1 211,8 231,9 272,1 197,2 209,8 245,9 264,4 197,2 219,5 240,6 276,7 210,0 218,9 256,9 273,7 DIRETORIA DE ENSINO ESCOLAS DO CENTRO PAULA SOUZA* 211,6 218,7 240,2 269,7 329,2 226,2 221,5 258,3 265,8 340,7 ESCOLA 337,3 336,9 * Média das escolas do Centro (84 escolas) PROVA BRASIL E SAEB 2007 Média das escolas estaduais do Brasil Média das escolas estaduais de São Paulo Língua Portuguesa Matemática 4ª EF 8ª EF 3ª EM 4ª EF 8ª EF 3ª EM 175,9 230,0 253,5 192,9 241,6 262,9 176,7 231,9 261,4 193,8 242,5 269,4

2 Língua Portuguesa ANTONIO DEVISATE ETE CLASSIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA Abaixo do básico os alunos neste nível demonstram domínio insuficiente dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. Básico os alunos neste nível demonstram domínio mínimo dos conteúdos, competências e habilidades, mas possuem as estruturas necessárias para interagir com a proposta curricular na série subsequente. Adequado os alunos neste nível demonstram domínio pleno dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. os alunos neste nível demonstram conhecimentos e domínio dos conteúdos, competências e habilidades acima do requerido para a série escolar em que se encontram. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ALUNOS NOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA s do Centro Abaixo do Básico 20,9 22,8 17,0 10,2 Básico 37,2 38,1 35,3 29,1 Adequado 31,6 30,4 34,2 40,4 Básico + Adequado 68,8 68,5 69,5 69,5 10,3 8,8 13,5 20,3 s do Centro Abaixo do Básico 18,0 20,5 15,6 16,8 Básico 40,2 41,1 39,2 37,9 Adequado 33,4 31,3 35,3 35,6 Básico + Adequado 73,6 72,4 74,5 73,5 8,4 7,0 9,8 9,8 s do Centro Abaixo do Básico 22,5 25,6 19,6 20,6 Básico 57,0 56,7 57,3 55,8 Adequado 18,1 15,8 20,3 20,8 Básico + Adequado 75,1 72,5 77,6 76,6 2,3 1,9 2,8 2,8 s do Centro Abaixo do Básico 29,5 31,7 27,6 33,4 4,4 Básico 40,6 40,2 41,0 39,7 15,0 Adequado 29,2 27,5 30,6 26,1 71,0 Básico + Adequado 69,8 67,7 71,6 65,8 86,0 0,7 0,6 0,8 0,7 9,6 0,0 73,7 86,9

3 Matemática ANTONIO DEVISATE ETE CLASSIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA Abaixo do básico os alunos neste nível demonstram domínio insuficiente dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. Básico os alunos neste nível demonstram domínio mínimo dos conteúdos, competências e habilidades, mas possuem as estruturas necessárias para interagir com a proposta curricular na série subsequente. Adequado os alunos neste nível demonstram domínio pleno dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. os alunos neste nível demonstram conhecimentos e domínio dos conteúdos, competências e habilidades acima do requerido para a série escolar em que se encontram. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ALUNOS NOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA s do Centro Abaixo do Básico 30,3 33,0 24,7 14,7 Básico 39,3 40,1 37,7 34,8 Adequado 24,0 22,1 28,1 35,5 Básico + Adequado 63,3 62,2 65,8 70,3 6,3 4,8 9,5 15,1 s do Centro Abaixo do Básico 36,6 40,8 32,5 30,8 Básico 44,8 43,9 45,6 43,7 Adequado 17,0 14,2 19,8 22,9 Básico + Adequado 61,8 58,1 65,4 66,6 1,6 1,1 2,1 2,7 23,7 58,3 s do Centro Abaixo do Básico 27,6 31,7 23,7 Básico 59,5 58,7 60,2 Adequado 11,7 8,9 14,4 16,1 Básico + Adequado 71,2 67,6 74,6 74,4 1,2 0,8 1,7 1,9 s do Centro Abaixo do Básico 58,3 62,8 54,4 61,4 12,9 Básico 36,8 33,5 39,6 34,3 41,2 Adequado 4,4 3,3 5,3 3,9 31,7 Básico + Adequado 41,2 36,8 44,9 38,2 72,9 0,5 0,4 0,7 0,4 14,2 50,0 26,3 76,3 10,5

4 Redação ANTONIO DEVISATE ETE CLASSIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO Abaixo do básico os alunos neste nível demonstram domínio insuficiente das competências e habilidades escritoras desejáveis para a série escolar em que se encontram. < 50 Básico os alunos neste nível demonstram desenvolvimento mínimo das competências e habilidades escritoras, mas possuem as estruturas necessárias para interagir com a proposta curricular na série subsequente. 50 a < 65 Adequado os alunos neste nível demonstram domínio pleno das competências e habilidades escritoras desejáveis para a série escolar em que se encontram. 65 a < 90 os alunos neste nível demonstram conhecimentos e domínio das competências e habilidades escritoras acima do requerido para a série escolar em que se encontram. 90 a 100 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ALUNOS NOS NÍVEIS DE DESEMPENHO Abaixo do Básico 10,1 Básico 17,0 Adequado 32,5 Básico + Adequado 49,5 40,4 s do Centro 10,7 8,9 9,2 17,7 15,4 12,2 32,6 32,4 27,0 50,3 47,8 39,2 39,0 43,3 51,6 Abaixo do Básico 18,3 Básico 23,2 Adequado 33,4 Básico + Adequado 56,6 25,1 s do Centro 20,1 16,6 18,5 24,4 22,1 24,0 32,6 34,1 31,6 57,0 56,2 55,6 22,9 27,1 25,9 Abaixo do Básico 14,2 Básico 32,4 Adequado 34,7 Básico + Adequado 67,1 18,6 14,8 33,2 34,7 67,9 17,3 13,6 31,7 34,8 66,5 19,9 19,5 32,2 30,6 62,8 17,7 s do Centro Abaixo do Básico 11,9 Básico 25,0 Adequado 39,3 Básico + Adequado 64,3 23,8 12,1 25,6 39,6 65,2 22,7 11,8 24,6 39,0 63,6 24,7 15,4 26,4 34,3 60,7 23,9 s do Centro 4,2 14,9 44,8 59,7 36,1 0,0 26,3 52,6 78,9 21,1

5 Níveis de Proficiência ANTONIO DEVISATE ETE Os níveis foram definidos pelo agrupamento de pontos das escalas de proficiência utilizadas na Prova Brasil e SAEB e pela sua adequação à Proposta Curricular do Estado de São Paulo. Consultar a interpretação pedagógica da escala de proficiência. Língua Portuguesa 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM Abaixo do Básico < 150 < 175 < 200 < 250 Básico 150 a < a < a < a < 300 Adequado 200 a < a < a < a < Distribuição percentual dos alunos nos níveis da escala da Prova Brasil e SAEB: 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM 26,3 23,7 23,7 10,5 2,6 0,0 5,3 7,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0, Matemática 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM Abaixo do Básico < 175 < 200 < 225 < 275 Básico 175 a < a < a < a < 350 Adequado 225 a < a < a < a < Distribuição percentual dos alunos nos níveis da escala da Prova Brasil e SAEB: 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM 0,0 0,0 0,0 0,0 2,6 2,6 7,9 10,5 2,6 36,8 18,4 7,9 10,

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009 Boletim da O SARESP 2009 012063 ALFREDO REIS VIEGAS DR / : SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental 2.900.000 Ensino Médio 1.500.000 EJA 600.000

Leia mais

Bonificação por Desempenho

Bonificação por Desempenho Bonificação por Desempenho Sistema Educacional do Estado de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª a 3ª séries) 1.500.000 EJA 700.000 Total 5.100.000

Leia mais

SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DA REDE ESTADUAL

SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DA REDE ESTADUAL SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DA REDE ESTADUAL SARESP 2013 Participação dos Alunos da Rede Estadual INSTÂNCIAS 2º 3º TOTAL REDE ESTADUAL 122.931 128.537 101.790 362.098 410.971 327.217 1.453.544 REGIÃO

Leia mais

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual. SARESP Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo Avaliação de Aprendizagem em Processo

Leia mais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1

FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1 FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1 Plataforma Foco Aprendizagem Inovação na devolutiva dos resultados das avaliações de desempenho na Rede Estadual 01 02 03 04 Introdução Contexto Plataforma Foco Resultados

Leia mais

Três Gerações de Avaliação da Educação Básica. Bonamino & Souza (2012)

Três Gerações de Avaliação da Educação Básica. Bonamino & Souza (2012) Três Gerações de Avaliação da Educação Básica Bonamino & Souza (2012) Três gerações de avaliação da educação básica A classificação das avaliações é um recurso analítico As gerações convivem no tempo,

Leia mais

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ /

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ / 89 Objetivos ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/1998 2000/2001 2002 2003 2004 2005 Em 2000: Obter Em 2002 2 : Em 2003 4 : Obter indicadores informações que diagnosticar o Promover uma educacionais

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal UFJF Abril 2012 MSI Tech Support (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 12 Realização

Leia mais

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços DESAFIOS NEM SEMPRE ATUAIS PROFA. DRA. MARIA INÊS FINI Currículo (implícito ou explícito) Brasil Avaliação da Educação Básica Prova Série Regularidade Foco Resultados

Leia mais

SisPAE 2015 BREVES METODOLOGIA E PROCEDIMENTOS OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DO SISPAE 2015

SisPAE 2015 BREVES METODOLOGIA E PROCEDIMENTOS OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DO SISPAE 2015 SisPAE 2015 OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DO SISPAE 2015 METODOLOGIA E PROCEDIMENTOS BREVES SisPAE: Sistema Paraense de Avaliação Educacional Avaliação externa da Educação Básica. Fornece informações

Leia mais

Oficina de Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental Profª Ana Letícia Duin Tavares

Oficina de Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental Profª Ana Letícia Duin Tavares Oficina de Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental Profª Ana Letícia Duin Tavares O que sabem as crianças ao final do Ciclo Inicial de Alfabetização? Por que essa é uma questão importante? Os resultados

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES 2014 Língua Portuguesa Momentos de formação 1º Momento: Avaliação Externa e em Larga Escala. 2º Momento: Resultados. 2 1º Momento Avaliação

Leia mais

CONVERSANDO SOBRE AVALIAÇÃO...

CONVERSANDO SOBRE AVALIAÇÃO... CONVERSANDO SOBRE AVALIAÇÃO... Sandra Zákia Sousa UNICID\set.\2010 ESTRUTURA DA EXPOSIÇÃO Definição de avaliação Campo da avaliação educacional Iniciativas do governo federal de avaliação da educação básica

Leia mais

O CAEd está organizado em cinco unidades:

O CAEd está organizado em cinco unidades: O Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (CAEd), da Universidade Federal de Juiz de Fora, é uma instituição que operacionaliza (elabora e desenvolve) programas estaduais e municipais destinados

Leia mais

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2012 SARESP

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2012 SARESP RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2012 SARESP 500 475 450 425 400 375 350 325 300 275 250 225 200 175 150 125 100 75 50 MATEMÁTICA 25 I II APRESENTAÇÃO Caros Professores e Gestores da Educação, A realização de avaliações

Leia mais

Oficina de divulgação. Educacional do Estado de Goiás. Mirian Carvalho

Oficina de divulgação. Educacional do Estado de Goiás. Mirian Carvalho Oficina de divulgação de resultados do Sistema de Avaliação Educacional do Estado de Goiás Mirian Carvalho O CAEd CAEd - O Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de

Leia mais

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Maria Conceição Conholato Instrumentais AVALIAÇÃO Cadernos de Prova

Leia mais

Roteiro para consulta aos indicadores educacionais

Roteiro para consulta aos indicadores educacionais Universidade Federal De Minas Gerais Faculdade De Educação Departamento De Ciências Aplicadas À Educação (Decae) Formação Complementar: Administração de Sistemas e Instituições Educacionais Disciplina:

Leia mais

Refletindo com os professores de Matemática os resultados da Avaliação da Aprendizagem em Processo e SARESP

Refletindo com os professores de Matemática os resultados da Avaliação da Aprendizagem em Processo e SARESP Refletindo com os professores de Matemática os resultados da Avaliação da Aprendizagem em Processo e SARESP Escala de Proficiência Pauta Como fazer um melhor planejamento das aulas? Como proceder na aplicação

Leia mais

PROVAS DE AFERIÇÃO 2006/2007 RESULTADOS NACIONAIS

PROVAS DE AFERIÇÃO 2006/2007 RESULTADOS NACIONAIS PROVAS DE AFERIÇÃO 2006/2007 RESULTADOS NACIONAIS 26 de Outubro de 2007 NOTA INTRODUTÓRIA Os dados deste relatório resultam da análise dos resultados das provas de aferição realizadas pelos alunos dos

Leia mais

Orientação Técnica História Diretoria Regional de Ensino de Diadema Núcleo Pedagógico

Orientação Técnica História Diretoria Regional de Ensino de Diadema Núcleo Pedagógico Orientação Técnica História 2016 Professora Coordenadora do N úcleo Pedagógico Maria Aparecida Cirilo OBJETIVOS Desenvolver habilidades de leitura e escrita visando a interpretação e compreensão de texto

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 ESCOLA: NOME: TURMA:

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Apresentação do Plano de Ação do ETAPA Núcleo Pedagógico aos Supervisores Reunião com Diretores e Professores ETAPA Coordenadores ETAPA COM OS PROFESSORES Refletir

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA ALFABETIZAÇÃO REALIZAÇÕES E DESAFIOS

A AVALIAÇÃO DA ALFABETIZAÇÃO REALIZAÇÕES E DESAFIOS A AVALIAÇÃO DA ALFABETIZAÇÃO REALIZAÇÕES E DESAFIOS Contexto, políticas e avaliação A partir de 1995, o SAEB retrata dificuldade na promoção de avanço sustentável nos resultados de Leitura e Matemática.

Leia mais

ANEXO II COMO INSERIR AS NOTAS NO SISTEMA DE INSCRIÇÃO

ANEXO II COMO INSERIR AS NOTAS NO SISTEMA DE INSCRIÇÃO ANEXO II COMO INSERIR AS NOTAS NO SISTEMA DE INSCRIÇÃO Como as convocações para matrícula serão baseadas na classificação obtida por meio da análise do histórico escolar, para auxiliar o preenchimento

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

Divulgação de Resultados

Divulgação de Resultados Oficina Divulgação de Resultados Língua Portuguesa Professor Luís Cláudio R. Carvalho Objetivos da oficina Apresentar a Matriz de Referência, analisando os descritores que norteiam a elaboração dos itens

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio Prezado(a) diretor(a) e coordenador(a), São Paulo, janeiro de 2017. Comunicamos que, em 2017, o Sistema Mackenzie de Ensino disponibilizará às escolas parceiras os materiais didáticos que servirão de apoio

Leia mais

Avaliação em Larga Escala. Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília

Avaliação em Larga Escala. Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília Avaliação em Larga Escala Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília O CONTEXTO BRASILEIRO grandes desafios - A Educação Superior brasileira Quantidade de IES no Brasil -

Leia mais

PROPOSTA DE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO CONSED E POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO COM O GOVERNO FEDERAL

PROPOSTA DE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO CONSED E POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO COM O GOVERNO FEDERAL PROPOSTA DE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO CONSED E POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO COM O GOVERNO FEDERAL Professora Doutora Maria Inês Fini Presidente do Inep Brasília-DF Outubro 2017 LEGISLAÇÃO Os currículos da

Leia mais

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES 3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) é o indicador nacional que reflete a situação da unidade escolar a partir do resultado de dois componentes:

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG Estrutura da Apresentação Cenário das Avaliações em larga escala, no Brasil, implementadas pela União, no contexto da

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2

SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2 SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2 SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2 Em cada trimestre o aluno será avaliado através dos seguintes instrumentos: 1. AVALIAÇÃO FORMATIVA (AVF) Consiste na avaliação

Leia mais

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP VAMOS FALAR DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO? Falar de qualidade da educação é falar de IDEB ...o que

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA 1 - RESULTADOS DO ENEM 2015 AGREGADOS POR ESCOLA Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) auxiliam estudantes, pais, professores, diretores das escolas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE GESTÃO E EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE GESTÃO E EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SÃO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE GESTÃO E EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO 2013 Professores, Nesse encontro, as temáticas

Leia mais

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2008 SARESP LÍNGUA PORTUGUESA

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2008 SARESP LÍNGUA PORTUGUESA RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2008 SARESP 500 475 450 425 400 375 350 325 300 275 250 225 200 175 LÍNGUA PORTUGUESA 150 125 100 75 50 25 EXECUÇÃO Coordenação Geral Maria Inês Fini GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Competências leitoras e escritoras no ensino da Geografia 22/09/2016

Competências leitoras e escritoras no ensino da Geografia 22/09/2016 Competências leitoras e escritoras no ensino da Geografia 22/09/2016 Professor do Núcleo Pedagógico de Geografia- Marco Antonio Bolotario PAUTA 1º Momento Objetivos gerais; Objetivo da Geografia e o saber

Leia mais

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO PÁGINA: 1 INGRESSOS DE 20041 161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 NÚMERO MÁXIMO DE PERÍODOS 9 CARGA HORÁRIA 3640 1 132 FUNDAMENTOS ÉTICOS DE EDUCAÇÃO 30 OBRIGATORIA

Leia mais

SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DAS REDES MUNICIPAIS

SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DAS REDES MUNICIPAIS SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DAS REDES MUNICIPAIS SARESP 2013 Participação dos Alunos das Redes Municipais Ano/Série Nº de Alunos % de Participação 2º EF 179.705 90,1 3º EF 181.160 90,2 Nº Escolas Nº

Leia mais

DIFICULDADES RECORRENTES EM MATEMÁTICA DOS ALUNOS DA 4ª SERIE/5ºANO EM TRÊS CICLOS AVALIATIVOS

DIFICULDADES RECORRENTES EM MATEMÁTICA DOS ALUNOS DA 4ª SERIE/5ºANO EM TRÊS CICLOS AVALIATIVOS DIFICULDADES RECORRENTES EM MATEMÁTICA DOS ALUNOS Resumo DA 4ª SERIE/5ºANO EM TRÊS CICLOS AVALIATIVOS SOUSA, Clarilza Prado de PUCSP clarilza.prado@uol.com.br OLIVEIRA, Clayton Jose da Silva PUCSP clayton.ef@hotmail.com

Leia mais

FE UNESP GUARATINGUETÁ

FE UNESP GUARATINGUETÁ A MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO SARESP, AS NOVAS ORIENTAÇÕES CURRICULARES E AS EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA O CICLO I DO ENSINO FUNDAMENTAL Rodrigo de Souza Bortolucci Fundação

Leia mais

O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO

O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO RELATO SOBRE UM GRUPO DE ESTUDOS Mestranda : Vera Mônica Ribeiro Orientadora: Nielce Lobo da Costa Copyright RIBEIRO, Vera M.; LOBO da COSTA,

Leia mais

Pereira Barreto, 21 de maio de 2010 Ilona Becskeházy

Pereira Barreto, 21 de maio de 2010 Ilona Becskeházy Pereira Barreto, 21 de maio de 2010 Ilona Becskeházy Em 2007 o PIB de São Paulo foi de R$902 bi (US$ 463 bi): 34 % do PIB do Brasil Só é menor que o PIB de 26 países no mundo É maior que o PIB dos seguintes

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

Dificuldades recorrentes em matemática dos alunos da 4ª serie/5ºano 2003/2005/2008

Dificuldades recorrentes em matemática dos alunos da 4ª serie/5ºano 2003/2005/2008 Dificuldades recorrentes em matemática dos alunos da 4ª serie/5ºano 2003/2005/ Clarilza Prado de Sousa Antonio Vanderlei Tavares Clayton Jose da Silva Oliveira Ivo Ribeiro de Sá Leila Yuri Sugahara Maria

Leia mais

Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB. 23/03/ h30 17h30

Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB. 23/03/ h30 17h30 Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB 23/03/2015 15h30 17h30 Roteiro 1. Apresentação: Projeto Aventuras Currículo+ 2. Apresentação: diretrizes

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIONAL NORTE 2 CURSO FOCO APRENDIZAGEM PLANO DE INTERVENÇÃO DER NORTE 2 FOCO APRENDIZAGEM

DIRETORIA DE ENSINO REGIONAL NORTE 2 CURSO FOCO APRENDIZAGEM PLANO DE INTERVENÇÃO DER NORTE 2 FOCO APRENDIZAGEM DIRETORIA DE ENSINO REGIONAL NORTE 2 CURSO FOCO APRENDIZAGEM PLANO DE INTERVENÇÃO DER NORTE 2 (...) para ser democrática, a escola tem de ser igualmente acessível a todos, diversa no tratamento a cada

Leia mais

ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI. CAEd/UFJF (32)

ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI. CAEd/UFJF (32) MEDIDAS EDUCACIONAIS ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI CME COORDENAÇÃO DE MEDIDAS EDUCACIONAIS C COO Ç O S UC C O S CAEd/UFJF (32)4009 2071 Wellington@caed.ufjf.br Fundamentos da TRI O que são itens? São os elementos

Leia mais

II Jornada Administrativa Módulo I Documentos Escolares

II Jornada Administrativa Módulo I Documentos Escolares 2010 Coordenação de Inspeção Escolar Equipe de Acompanhamento e Avaliação Coordenadoria Regional da Região Metropolitana V Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei 4.024/1961 Lei 5.692/1971 Lei

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO DE 2017/2018 PORTUGUÊS

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG PAUTA Apresentação geral. Concepções de alfabetização e letramento. Detalhamento dos procedimentos avaliativos. Análise

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

BANDA DRUM CORPS PIRRÓ Programa Mais Educação. Sala 2 Interdisciplinar EF I. E.E Profa. Flávia Vizibelli Pirró

BANDA DRUM CORPS PIRRÓ Programa Mais Educação. Sala 2 Interdisciplinar EF I. E.E Profa. Flávia Vizibelli Pirró BANDA DRUM CORPS PIRRÓ Programa Mais Educação Sala 2 Interdisciplinar EF I E.E Profa. Flávia Vizibelli Pirró Professor (es) Apresentador (es): Renata Betareli Realização: Justificativa Oferta, aos alunos,

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P., n.º 1/2017

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P., n.º 1/2017 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P., n.º 1/2017 A avaliação das aprendizagens dos alunos integra, de acordo com os normativos em vigor, a realização de provas de aferição, de

Leia mais

ANEXO I - DEFICIENCIA INTELECTUAL- AVALIAÇÃO INICIAL

ANEXO I - DEFICIENCIA INTELECTUAL- AVALIAÇÃO INICIAL ANEXO I - DEFICIENCIA INTELECTUAL- AVALIAÇÃO INICIAL I- Dados Gerais 1- Mês e Ano: /. 2-Nome do aluno: 3- Data de nascimento: / /. 4- Endereço residencial: 5- Telefone de contato da família: / / 6- Escola:

Leia mais

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará Política Educacional: A experiência de Sobral/CE Sobral - Ceará Ponto de partida Resultado da avaliação de leitura com alunos de 2ª série Final de 2000 48% não liam textos, frases e nem palavras 48,0%

Leia mais

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Cada segmento tem sua característica Educação Infantil: - desenvolvimento dos padrões de aprendizagem. Ensino Fundamental: - domínio de conceitos essenciais

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Alfabetização Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito

Leia mais

LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO

LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO Definição Podemos definir o livro didático como um material impresso, intencionalmente produzido para ser utilizado em um processo de ensino

Leia mais

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa : Melhorar a competência de números e cálculo dos alunos no fim do 5º ano Taxa de insucesso na avaliação interna Taxa

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências

Leia mais

A. CONDIÇÕES DE INGRESSO AOS CURSOS TÉCNICO SUPERIORES PROFISSIONAIS /2017

A. CONDIÇÕES DE INGRESSO AOS CURSOS TÉCNICO SUPERIORES PROFISSIONAIS /2017 A. CONDIÇÕES DE INGRESSO AOS CURSOS TÉCNICO SUPERIORES PROFISSIONAIS - 2016/2017 1. CURSOS TÉCNICO SUPERIORES E PROFISSIONAIS 1.1. DESTINATÁRIOS Titulares de um curso de ensino secundário ou de habilitação

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE INFORMAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO DA REDE ESCOLAR

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE INFORMAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO DA REDE ESCOLAR DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE INFORMAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO DA REDE ESCOLAR ORIENTAÇÃO SOBRE CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS A inclusão da Reclassificação no Sistema

Leia mais

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini 0 Currículo e Avaliação Com quase 20 anos de implantação de uma cultura estruturada de avaliação, sabemos avaliar. Com mais de 20

Leia mais

1. Introdução. Ariane Luzia dos Santos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho-UNESP

1. Introdução. Ariane Luzia dos Santos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho-UNESP Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES: EM ANÁLISE O DESEMPENHO EM

Leia mais

Quais os principais desafios. do contexto atual. Juventude

Quais os principais desafios. do contexto atual. Juventude Novo Ensino Médio Novo Ensino Médio Como o Novo EM garante uma educação que promova o pleno desenvolvimento, o preparo para o exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho previstos na CF/88

Leia mais

GOVERNADOR CAMILO SOBREIRA DE SANTANA VICE-GOVERNADOR MARIA IZOLDA CELA DE ARRUDA COELHO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO ANTONIO IDILVAN DE LIMA ALENCAR

GOVERNADOR CAMILO SOBREIRA DE SANTANA VICE-GOVERNADOR MARIA IZOLDA CELA DE ARRUDA COELHO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO ANTONIO IDILVAN DE LIMA ALENCAR GOVERNADOR CAMILO SOBREIRA DE SANTANA VICE-GOVERNADOR MARIA IZOLDA CELA DE ARRUDA COELHO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO ANTONIO IDILVAN DE LIMA ALENCAR SECRETÁRIA ADJUNTA DA EDUCAÇÃO MÁRCIA OLIVEIRA CAVALCANTE

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira SALA DE ESTUDO Coordenadora: Maria da Glória Machado Polónia

Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira SALA DE ESTUDO Coordenadora: Maria da Glória Machado Polónia Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira SALA DE ESTUDO 2013-2017 Coordenadora: Maria da Glória Machado Polónia 1 Para responder aos desafios de uma sociedade em transformação, é necessário

Leia mais

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE As normas de transição para os anos não terminais de ciclo constituem normas

Leia mais

Cronograma do Projeto de Iniciação Científica 6º ano do EF

Cronograma do Projeto de Iniciação Científica 6º ano do EF Cronograma do Projeto de Iniciação Científica 6º Entrega dos slides de apresentação do préprojeto no Bancas do pré-projeto dos Anos Finais do EF e EM - 30 de abril Entrega do pré-projeto escrito - 8 de

Leia mais

Análise e procedimentos da Avaliação de Aprendizagem em Processo por docentes1. Matemática e Língua Portuguesa

Análise e procedimentos da Avaliação de Aprendizagem em Processo por docentes1. Matemática e Língua Portuguesa Análise e procedimentos da Avaliação de Aprendizagem em Processo por docentes1 Matemática e Língua Portuguesa Introdução: Objetivos Apoiar as ações de planejamento escolar previstas para o início de 2014

Leia mais

Resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica Ideb 2015 na cidade de Campinas-SP

Resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica Ideb 2015 na cidade de Campinas-SP Resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica 2015 na cidade de Campinas-SP sumário sumário sumário sumário Maria Inês Fini Presidente do Inep Brasília 12 de setembro 2016 Um pouco sobre Campinas

Leia mais

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 s Educacionais As 5 s do Todos Pela Educação Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 Construção das metas Pesquisa do meio copo cheio : consensos para avançar Documento de mobilização inicial Entrevistas e

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores UMA DISCUSSÃO META-ANALÍTICA DO DESEMPENHO EM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO BASEADO NOS RESULTADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO E CURRÍCULOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO E CURRÍCULOS UNIVRSIDAD FDRAL DO PARÁ PRÓ-RITORIA D NSINO D GRADUAÇÃO DIRTORIA D NSINO COORDNADORIA D AVALIAÇÃO CURRÍCULOS PROGRAMA D AVALIAÇÃO ACOMPANHMNTO DO NSINO D GRADUAÇÃO 1 PLANILHA D OPRACIONALIZAÇÃO DA FUNÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

Nos primeiros e segundos anos das séries iniciais não haverá reprovação, observando os aspectos qualitativos obtidos durante o ano letivo.

Nos primeiros e segundos anos das séries iniciais não haverá reprovação, observando os aspectos qualitativos obtidos durante o ano letivo. Metodologia de Avaliação Ensino Fundamental 1º ao 5º ano 1 Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental A avaliação do processo de aprendizagem no Ensino Fundamental terá o aproveitamento

Leia mais

Processo de Composição da Prova SARESP do 5º EF de Matemática

Processo de Composição da Prova SARESP do 5º EF de Matemática Processo de Composição da Prova SARESP do 5º EF de Matemática The Process of Composition of Mathematics test SARESP to the 5th Year of Elementary School Rodrigo de Souza Bortolucci Mestre em Educação Matemática,

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE: DESAFIOS DE UM CONJUNTO DE MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO OESTE CATARINENSE

INDICADORES DE QUALIDADE: DESAFIOS DE UM CONJUNTO DE MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO OESTE CATARINENSE INDICADORES DE QUALIDADE: DESAFIOS DE UM CONJUNTO DE MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO OESTE CATARINENSE Camila Regina Rostirola - Instituição Resumo: O estudo insere-se no campo das políticas públicas em educação

Leia mais

II Feira de Ciências das Escolas da Diretoria de Ensino - Região Mogi das Cruzes

II Feira de Ciências das Escolas da Diretoria de Ensino - Região Mogi das Cruzes GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO MOGI DAS CRUZES Rua Dr. Antônio Cândido Vieira, 451, Centro Mogi das Cruzes / SP Telefone: (11) 4728-5621 / Fax

Leia mais

MT GO SP PR SULMATOGROSSENSES 1. A população total de Mato Grosso do Sul, segundo o IBGE(projeção 2015) é de 2.651.235 pessoas. 2. Do ano de 2010 até o ano de 2015, a população do estado cresceu 6,63%.

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (1º E 2º CICLO) 2016 QUAIS AS CONDIÇÕES DE APROVAÇÃO? No final do 1º ciclo do ensino básico o aluno obtém a menção de Aprovado

Leia mais

Diretoria Regional de Ensino de Diadema Núcleo Pedagógico

Diretoria Regional de Ensino de Diadema Núcleo Pedagógico Pauta - Manhã Objetivos do encontro; Resultados da AAP; Análise de questões; Competência Leitora; SED e Foco Aprendizagem; Resolução 40. Objetivos Buscar caminhos para a melhoria do desempenho escolar;

Leia mais

Avaliação em Políticas Públicas e em Educação

Avaliação em Políticas Públicas e em Educação Avaliação em Políticas Públicas e em Educação Claudia Costin Requisitos para uma política pública eficaz Capacidade de formulação, a partir de problemas que a realidade apresenta. Fixação de metas mensuráveis,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa e Matemática 5º ano do Ensino Fundamental

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa e Matemática 5º ano do Ensino Fundamental Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES 2014 Língua Portuguesa e Matemática 5º ano do Ensino Fundamental Momentos de formação 1º Momento: Avaliação Externa e em Larga Escala. 2º Momento:

Leia mais