Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:"

Transcrição

1 Boletim da O SARESP ANTONIO DEVISATE ETE / Município: MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos da Educação Básica da. Os resultados apresentados neste Boletim permitem à escola analisar seu desempenho e, com o apoio da Secretaria de Estado da Educação, melhorar a qualidade da aprendizagem dos seus alunos e da gestão escolar. PARTICIPANTES DO SARESP ª EF 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM TOTAL ESTADO REDE ESTADUAL DIRETORIA DE ENSINO ESCOLAS DO CENTRO PAULA SOUZA ESCOLA Referência: de acordo com o maior número de alunos presentes no 1º ou 2º dia de avaliação. MÉDIAS DO SARESP 2009 Língua Portuguesa Matemática 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM REDE ESTADUAL 190,4 215,7 236,3 274,6 201,4 214,4 251,5 269,4 187,1 211,8 231,9 272,1 197,2 209,8 245,9 264,4 197,2 219,5 240,6 276,7 210,0 218,9 256,9 273,7 DIRETORIA DE ENSINO ESCOLAS DO CENTRO PAULA SOUZA* 211,6 218,7 240,2 269,7 329,2 226,2 221,5 258,3 265,8 340,7 ESCOLA 337,3 336,9 * Média das escolas do Centro (84 escolas) PROVA BRASIL E SAEB 2007 Média das escolas estaduais do Brasil Média das escolas estaduais de São Paulo Língua Portuguesa Matemática 4ª EF 8ª EF 3ª EM 4ª EF 8ª EF 3ª EM 175,9 230,0 253,5 192,9 241,6 262,9 176,7 231,9 261,4 193,8 242,5 269,4

2 Língua Portuguesa ANTONIO DEVISATE ETE CLASSIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA Abaixo do básico os alunos neste nível demonstram domínio insuficiente dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. Básico os alunos neste nível demonstram domínio mínimo dos conteúdos, competências e habilidades, mas possuem as estruturas necessárias para interagir com a proposta curricular na série subsequente. Adequado os alunos neste nível demonstram domínio pleno dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. os alunos neste nível demonstram conhecimentos e domínio dos conteúdos, competências e habilidades acima do requerido para a série escolar em que se encontram. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ALUNOS NOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA s do Centro Abaixo do Básico 20,9 22,8 17,0 10,2 Básico 37,2 38,1 35,3 29,1 Adequado 31,6 30,4 34,2 40,4 Básico + Adequado 68,8 68,5 69,5 69,5 10,3 8,8 13,5 20,3 s do Centro Abaixo do Básico 18,0 20,5 15,6 16,8 Básico 40,2 41,1 39,2 37,9 Adequado 33,4 31,3 35,3 35,6 Básico + Adequado 73,6 72,4 74,5 73,5 8,4 7,0 9,8 9,8 s do Centro Abaixo do Básico 22,5 25,6 19,6 20,6 Básico 57,0 56,7 57,3 55,8 Adequado 18,1 15,8 20,3 20,8 Básico + Adequado 75,1 72,5 77,6 76,6 2,3 1,9 2,8 2,8 s do Centro Abaixo do Básico 29,5 31,7 27,6 33,4 4,4 Básico 40,6 40,2 41,0 39,7 15,0 Adequado 29,2 27,5 30,6 26,1 71,0 Básico + Adequado 69,8 67,7 71,6 65,8 86,0 0,7 0,6 0,8 0,7 9,6 0,0 73,7 86,9

3 Matemática ANTONIO DEVISATE ETE CLASSIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA Abaixo do básico os alunos neste nível demonstram domínio insuficiente dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. Básico os alunos neste nível demonstram domínio mínimo dos conteúdos, competências e habilidades, mas possuem as estruturas necessárias para interagir com a proposta curricular na série subsequente. Adequado os alunos neste nível demonstram domínio pleno dos conteúdos, competências e habilidades desejáveis para a série escolar em que se encontram. os alunos neste nível demonstram conhecimentos e domínio dos conteúdos, competências e habilidades acima do requerido para a série escolar em que se encontram. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ALUNOS NOS NÍVEIS DE PROFICIÊNCIA s do Centro Abaixo do Básico 30,3 33,0 24,7 14,7 Básico 39,3 40,1 37,7 34,8 Adequado 24,0 22,1 28,1 35,5 Básico + Adequado 63,3 62,2 65,8 70,3 6,3 4,8 9,5 15,1 s do Centro Abaixo do Básico 36,6 40,8 32,5 30,8 Básico 44,8 43,9 45,6 43,7 Adequado 17,0 14,2 19,8 22,9 Básico + Adequado 61,8 58,1 65,4 66,6 1,6 1,1 2,1 2,7 23,7 58,3 s do Centro Abaixo do Básico 27,6 31,7 23,7 Básico 59,5 58,7 60,2 Adequado 11,7 8,9 14,4 16,1 Básico + Adequado 71,2 67,6 74,6 74,4 1,2 0,8 1,7 1,9 s do Centro Abaixo do Básico 58,3 62,8 54,4 61,4 12,9 Básico 36,8 33,5 39,6 34,3 41,2 Adequado 4,4 3,3 5,3 3,9 31,7 Básico + Adequado 41,2 36,8 44,9 38,2 72,9 0,5 0,4 0,7 0,4 14,2 50,0 26,3 76,3 10,5

4 Redação ANTONIO DEVISATE ETE CLASSIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO Abaixo do básico os alunos neste nível demonstram domínio insuficiente das competências e habilidades escritoras desejáveis para a série escolar em que se encontram. < 50 Básico os alunos neste nível demonstram desenvolvimento mínimo das competências e habilidades escritoras, mas possuem as estruturas necessárias para interagir com a proposta curricular na série subsequente. 50 a < 65 Adequado os alunos neste nível demonstram domínio pleno das competências e habilidades escritoras desejáveis para a série escolar em que se encontram. 65 a < 90 os alunos neste nível demonstram conhecimentos e domínio das competências e habilidades escritoras acima do requerido para a série escolar em que se encontram. 90 a 100 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ALUNOS NOS NÍVEIS DE DESEMPENHO Abaixo do Básico 10,1 Básico 17,0 Adequado 32,5 Básico + Adequado 49,5 40,4 s do Centro 10,7 8,9 9,2 17,7 15,4 12,2 32,6 32,4 27,0 50,3 47,8 39,2 39,0 43,3 51,6 Abaixo do Básico 18,3 Básico 23,2 Adequado 33,4 Básico + Adequado 56,6 25,1 s do Centro 20,1 16,6 18,5 24,4 22,1 24,0 32,6 34,1 31,6 57,0 56,2 55,6 22,9 27,1 25,9 Abaixo do Básico 14,2 Básico 32,4 Adequado 34,7 Básico + Adequado 67,1 18,6 14,8 33,2 34,7 67,9 17,3 13,6 31,7 34,8 66,5 19,9 19,5 32,2 30,6 62,8 17,7 s do Centro Abaixo do Básico 11,9 Básico 25,0 Adequado 39,3 Básico + Adequado 64,3 23,8 12,1 25,6 39,6 65,2 22,7 11,8 24,6 39,0 63,6 24,7 15,4 26,4 34,3 60,7 23,9 s do Centro 4,2 14,9 44,8 59,7 36,1 0,0 26,3 52,6 78,9 21,1

5 Níveis de Proficiência ANTONIO DEVISATE ETE Os níveis foram definidos pelo agrupamento de pontos das escalas de proficiência utilizadas na Prova Brasil e SAEB e pela sua adequação à Proposta Curricular do Estado de São Paulo. Consultar a interpretação pedagógica da escala de proficiência. Língua Portuguesa 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM Abaixo do Básico < 150 < 175 < 200 < 250 Básico 150 a < a < a < a < 300 Adequado 200 a < a < a < a < Distribuição percentual dos alunos nos níveis da escala da Prova Brasil e SAEB: 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM 26,3 23,7 23,7 10,5 2,6 0,0 5,3 7,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0, Matemática 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM Abaixo do Básico < 175 < 200 < 225 < 275 Básico 175 a < a < a < a < 350 Adequado 225 a < a < a < a < Distribuição percentual dos alunos nos níveis da escala da Prova Brasil e SAEB: 4ª EF 6ª EF 8ª EF 3ª EM 0,0 0,0 0,0 0,0 2,6 2,6 7,9 10,5 2,6 36,8 18,4 7,9 10,

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 ESCOLA: NOME: TURMA:

Leia mais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1

FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1 FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1 Plataforma Foco Aprendizagem Inovação na devolutiva dos resultados das avaliações de desempenho na Rede Estadual 01 02 03 04 Introdução Contexto Plataforma Foco Resultados

Leia mais

Oficina de divulgação. Educacional do Estado de Goiás. Mirian Carvalho

Oficina de divulgação. Educacional do Estado de Goiás. Mirian Carvalho Oficina de divulgação de resultados do Sistema de Avaliação Educacional do Estado de Goiás Mirian Carvalho O CAEd CAEd - O Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal UFJF Abril 2012 MSI Tech Support (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 12 Realização

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES 2014 Língua Portuguesa Momentos de formação 1º Momento: Avaliação Externa e em Larga Escala. 2º Momento: Resultados. 2 1º Momento Avaliação

Leia mais

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços DESAFIOS NEM SEMPRE ATUAIS PROFA. DRA. MARIA INÊS FINI Currículo (implícito ou explícito) Brasil Avaliação da Educação Básica Prova Série Regularidade Foco Resultados

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG Estrutura da Apresentação Cenário das Avaliações em larga escala, no Brasil, implementadas pela União, no contexto da

Leia mais

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Maria Conceição Conholato Instrumentais AVALIAÇÃO Cadernos de Prova

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará Política Educacional: A experiência de Sobral/CE Sobral - Ceará Ponto de partida Resultado da avaliação de leitura com alunos de 2ª série Final de 2000 48% não liam textos, frases e nem palavras 48,0%

Leia mais

O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO

O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO RELATO SOBRE UM GRUPO DE ESTUDOS Mestranda : Vera Mônica Ribeiro Orientadora: Nielce Lobo da Costa Copyright RIBEIRO, Vera M.; LOBO da COSTA,

Leia mais

Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB. 23/03/ h30 17h30

Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB. 23/03/ h30 17h30 Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB 23/03/2015 15h30 17h30 Roteiro 1. Apresentação: Projeto Aventuras Currículo+ 2. Apresentação: diretrizes

Leia mais

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Cada segmento tem sua característica Educação Infantil: - desenvolvimento dos padrões de aprendizagem. Ensino Fundamental: - domínio de conceitos essenciais

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO PÁGINA: 1 INGRESSOS DE 20041 161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 NÚMERO MÁXIMO DE PERÍODOS 9 CARGA HORÁRIA 3640 1 132 FUNDAMENTOS ÉTICOS DE EDUCAÇÃO 30 OBRIGATORIA

Leia mais

SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DAS REDES MUNICIPAIS

SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DAS REDES MUNICIPAIS SARESP 2013 RESULTADOS GERAIS DAS REDES MUNICIPAIS SARESP 2013 Participação dos Alunos das Redes Municipais Ano/Série Nº de Alunos % de Participação 2º EF 179.705 90,1 3º EF 181.160 90,2 Nº Escolas Nº

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências

Leia mais

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Apresentação do Plano de Ação do ETAPA Núcleo Pedagógico aos Supervisores Reunião com Diretores e Professores ETAPA Coordenadores ETAPA COM OS PROFESSORES Refletir

Leia mais

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta NOTA TÉCNICA N. 0011/2013 Brasília, 08 de março de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta REFERÊNCIA: PORTARIA Nº 152, DE 31 DE MAIO DE 2012

Leia mais

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES 3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) é o indicador nacional que reflete a situação da unidade escolar a partir do resultado de dois componentes:

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

BANDA DRUM CORPS PIRRÓ Programa Mais Educação. Sala 2 Interdisciplinar EF I. E.E Profa. Flávia Vizibelli Pirró

BANDA DRUM CORPS PIRRÓ Programa Mais Educação. Sala 2 Interdisciplinar EF I. E.E Profa. Flávia Vizibelli Pirró BANDA DRUM CORPS PIRRÓ Programa Mais Educação Sala 2 Interdisciplinar EF I E.E Profa. Flávia Vizibelli Pirró Professor (es) Apresentador (es): Renata Betareli Realização: Justificativa Oferta, aos alunos,

Leia mais

ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI. CAEd/UFJF (32)

ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI. CAEd/UFJF (32) MEDIDAS EDUCACIONAIS ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI CME COORDENAÇÃO DE MEDIDAS EDUCACIONAIS C COO Ç O S UC C O S CAEd/UFJF (32)4009 2071 Wellington@caed.ufjf.br Fundamentos da TRI O que são itens? São os elementos

Leia mais

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP VAMOS FALAR DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO? Falar de qualidade da educação é falar de IDEB ...o que

Leia mais

Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio. 16 de Outubro de Brasília

Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio. 16 de Outubro de Brasília Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio 16 de Outubro de 2013 - Brasília Sistema da Educação Básica Saeb O Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) tem como principal objetivo avaliar

Leia mais

PISA João Marôco, Ph. D. Conceição Gonçalves, M. Sc. Apresentação do PISA 2015 às Escolas Nacionais

PISA João Marôco, Ph. D. Conceição Gonçalves, M. Sc. Apresentação do PISA 2015 às Escolas Nacionais PISA 2015 João Marôco, Ph. D. Conceição Gonçalves, M. Sc. Apresentação do PISA 2015 às Escolas Nacionais Imagem gráfica do PISA 2015 Convite a Escolas com Ensino Artístico 70 propostas de alunos Proposta

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores UMA DISCUSSÃO META-ANALÍTICA DO DESEMPENHO EM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO BASEADO NOS RESULTADOS

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 s Educacionais As 5 s do Todos Pela Educação Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 Construção das metas Pesquisa do meio copo cheio : consensos para avançar Documento de mobilização inicial Entrevistas e

Leia mais

Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de

Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de 6 7 2009 Dispõe sobre a Terminalidade Escolar Específica de alunos com necessidades educacionais especiais na área da deficiência mental, das escolas da rede estadual

Leia mais

REUNIÃO DE CONSELHO. 30 de março de 2016

REUNIÃO DE CONSELHO. 30 de março de 2016 REUNIÃO DE CONSELHO 30 de março de 2016 INSTITUTO UNIBANCO 2 JOVEM DE FUTURO 3ª GERAÇÃO Jovem de Futuro 3ª geração - Circuito de Gestão Jovem de Futuro 3ª geração - Ações Oficina 1 Curso Módulo 1 Oficina

Leia mais

Avaliação em Políticas Públicas e em Educação

Avaliação em Políticas Públicas e em Educação Avaliação em Políticas Públicas e em Educação Claudia Costin Requisitos para uma política pública eficaz Capacidade de formulação, a partir de problemas que a realidade apresenta. Fixação de metas mensuráveis,

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (1º E 2º CICLO) 2016 QUAIS AS CONDIÇÕES DE APROVAÇÃO? No final do 1º ciclo do ensino básico o aluno obtém a menção de Aprovado

Leia mais

Colégio Lemos de Castro Calendário das Avaliações diversificadas e/ou testes do 2º Bimestre 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 601

Colégio Lemos de Castro Calendário das Avaliações diversificadas e/ou testes do 2º Bimestre 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 601 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 601 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 603 20 DE MAIO 6ª PORTUGUÊS (INTERPRETAÇÃO E GRAMÁTICA) 1. A nota das avaliações diversificadas de Educação Artística do

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal Abril 2012 UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 10 Introdução Sistema de Avaliação

Leia mais

Edital Unidades Tijuca

Edital Unidades Tijuca Edital 2017 Unidades Tijuca PROCESSO ADMISSIONAL 2017 Com metodologia pedagógica consagrada desde 1973, o Mopi é uma escola diferente, onde o ensino e os ambientes são pensados para transformar o futuro

Leia mais

PROVA ESCRITA E PRÁTICA (Despacho normativo n.º 5/2013, de 8 de abril)

PROVA ESCRITA E PRÁTICA (Despacho normativo n.º 5/2013, de 8 de abril) DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 DEPARTAMENTO

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

Diagnóstico da Educação Básica no Ceará Secretaria de Estado da Educação

Diagnóstico da Educação Básica no Ceará Secretaria de Estado da Educação Diagnóstico da Educação Básica no Ceará Secretaria de Estado da Educação Armando Simões Secretário Adjunto Fortaleza, 09 de Junho de 2015 Plano Nacional de Educação O Plano Nacional de Educação, aprovado

Leia mais

II Feira de Ciências das Escolas da Diretoria de Ensino - Região Mogi das Cruzes

II Feira de Ciências das Escolas da Diretoria de Ensino - Região Mogi das Cruzes GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO MOGI DAS CRUZES Rua Dr. Antônio Cândido Vieira, 451, Centro Mogi das Cruzes / SP Telefone: (11) 4728-5621 / Fax

Leia mais

Resultados de provas e exames nacionais Língua Portuguesa e Matemática

Resultados de provas e exames nacionais Língua Portuguesa e Matemática Resultados de provas e exames nacionais Língua Portuguesa e Matemática Avalia a progressão entre os resultados das provas de aferição e dos exames nacionais do ensino básico e secundário entre anos consecutivos,

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

INSTRUMENTO Ensino Secundário

INSTRUMENTO Ensino Secundário INSTRUMENTO Ensino Secundário 6.º grau ao 8.º grau Página 1 de 8 Diretor Pedagógico, Prof. Antero Leite Coordenadora do Departamento Curricular Instrumento Prof.ª Ana Moreira Setembro 2015 Página 2 de

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Processo de Composição da Prova SARESP do 5º EF de Matemática

Processo de Composição da Prova SARESP do 5º EF de Matemática Processo de Composição da Prova SARESP do 5º EF de Matemática The Process of Composition of Mathematics test SARESP to the 5th Year of Elementary School Rodrigo de Souza Bortolucci Mestre em Educação Matemática,

Leia mais

Documento de critérios de avaliação

Documento de critérios de avaliação Disciplina - PORTUGUÊS Metas curriculares (Despacho n.º 5122/2013, de 16 de abril) As Metas Curriculares identificam a aprendizagem essencial a realizar, tendo por base os conteúdos do programa em vigor.

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD.

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 1 DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 145348 ESCOLA SECUNDÁRIA C/3.º CICLO DE VILA REAL DE SANTO

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA 1 - RESULTADOS DO ENEM 2015 AGREGADOS POR ESCOLA Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) auxiliam estudantes, pais, professores, diretores das escolas

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ensino Básico

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO MAGALHÃES INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2015 Ensino Básico Disciplina: Educação Física Ano: 6º Código da Prova: 28 Modalidade: Teórica e Prática 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

Aprende a descodificar o teu mundo

Aprende a descodificar o teu mundo Concurso de Ideias Aprende a descodificar o teu mundo Mês Internacional das Bibliotecas Escolares 2016 Dados da Ideia Inovadora 1. Nome da Ideia Realidade Virtual nas escolas 2. Nome do(a) professor(a)

Leia mais

EMENTA SEQUÊNCIA DIDÁTICA

EMENTA SEQUÊNCIA DIDÁTICA Disciplina: Estágio Supervisionado IV Curso: História Carga horária: 120h Número de Créditos: Professora: Zélia Almeida de Oliveira Obrigatória: Sim ( ) Nâo ( ) EMENTA 6 EMENTA: Planejamento, execução

Leia mais

Governador de Pernambuco Paulo Câmara. Vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Secretário de Educação Frederico Amancio

Governador de Pernambuco Paulo Câmara. Vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Secretário de Educação Frederico Amancio Governador de Pernambuco Paulo Câmara Vice-governador de Pernambuco Raul Henry Secretário de Educação Frederico Amancio Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação Ana Selva Secretário Executivo

Leia mais

Rede Municipal de Bibliotecas Escolares

Rede Municipal de Bibliotecas Escolares Rede Municipal de Bibliotecas Escolares Indicadores Educacionais Comparados Variável BRASIL PARANÁ CURITIBA (1) Anos de Estudo 6,6 7,0 7,9 Taxa de Freqüência (2) 0 a 6 anos 40,3 40,35 45,4 7 a 14 anos

Leia mais

Formação Descentralizada para Professores de Educação Física e Arte nos Polos

Formação Descentralizada para Professores de Educação Física e Arte nos Polos SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Educação Escola de Formação de Professores PAULO RENATO COSTA SOUZA Formação Descentralizada para Professores

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

A PROVA BRASIL EM QUESTÃO

A PROVA BRASIL EM QUESTÃO A PROVA BRASIL EM QUESTÃO Jane Eire Rigoldi dos Santos 1 Elma Júlia Gonçalves Carvalho RESUMO: Este trabalho é parte integrante de uma pesquisa em andamento que investigará a política de avaliação no Brasil

Leia mais

Resultados do Ideb 2015

Resultados do Ideb 2015 Resultados do Ideb 2015 1. Introdução 1. Introdução O que é o Ideb? O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado pelo Ministério da Educação em 2007 com a finalidade de mensurar e avaliar

Leia mais

BRINCAR PARA LETRAR: A LUDICIDADE DO CURRÍCULO DAS CRIANÇAS NO PRIMEIRO CICLO

BRINCAR PARA LETRAR: A LUDICIDADE DO CURRÍCULO DAS CRIANÇAS NO PRIMEIRO CICLO BRINCAR PARA LETRAR: A LUDICIDADE DO CURRÍCULO DAS CRIANÇAS NO PRIMEIRO CICLO D ANDREA, Crystina Di Santo - SMED/PMPA -crysdandrea@ibest.com.br GARCEZ, Sabrina SMED/PMPA sasagarcez@gmail.com Eixo Temático:

Leia mais

EnsinoTécnicoIntegrado ao Médio.

EnsinoTécnicoIntegrado ao Médio. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 EnsinoTécnicoIntegrado ao Médio. Código: 262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Operação de Software e Aplicativos Série: 1

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALENTEJO Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Milfontes, Odemira CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO 2016/2017 1 CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

Análise Internacional Comparada de Políticas Curriculares. Paula Louzano Universidade de São Paulo

Análise Internacional Comparada de Políticas Curriculares. Paula Louzano Universidade de São Paulo Análise Internacional Comparada de Políticas Curriculares Paula Louzano Universidade de São Paulo Comissão de Educação do Senado Federal, Brasília, 03/12/2014 Perguntas da Pesquisa Como diferentes países

Leia mais

LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO EDITAL

LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO EDITAL LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO 2014-2015 EDITAL António M. Cunha, Reitor da Universidade do Minho, faz saber que se encontram abertas as candidaturas ao Concurso Local para

Leia mais

Secretariado de Exames

Secretariado de Exames REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 2012 Secretariado de Exames Despacho Normativo nº 14/2011, de 18 de Novembro Despacho nº 1942/2012, de 10 de Fevereiro Norma 01 /JNE / 2012, de 23 de Fevereiro Para

Leia mais

Cronograma do Projeto de Iniciação Científica 6º ano do EF

Cronograma do Projeto de Iniciação Científica 6º ano do EF Cronograma do Projeto de Iniciação Científica 6º Entrega dos slides de apresentação do préprojeto no Bancas do pré-projeto dos Anos Finais do EF e EM - 30 de abril Entrega do pré-projeto escrito - 8 de

Leia mais

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano)

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano) DE FINAL DE ANO (6.º ano) As competências essenciais deverão estar desenvolvidas. INTERNA A avaliação sumativa interna corresponde à avaliação de final de ano letivo EFEITOS DA INTERNA Condições de admissão

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHOS 2012 PROJETO REDAÇÃO FOLHA DIRIGIDA

REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHOS 2012 PROJETO REDAÇÃO FOLHA DIRIGIDA REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHOS 2012 PROJETO REDAÇÃO FOLHA DIRIGIDA I II - DO CONCURSO - DOS OBJETIVOS III - DOS PARTICIPANTES IV - DA COORDENAÇÃO V - DOS PRAZOS VI DAS REDAÇÕES VII - DO JÚRI E DA

Leia mais

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014.

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 Informação n.º 01 /2014 Prova 16 / 2014 Prova de

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

Agenda Início do ano letivo

Agenda Início do ano letivo Agenda Início do ano letivo 2016 / 2017 Período de funcionamento das aulas de acordo com o horário normal 1º Período Início : 16 de (Pré-escolar e 1º Ciclo) 19 de (2º e 3º Ciclos e E.S) Termo : 16 de dezembro

Leia mais

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação Cep: 37200000 Pedagogia Matriz Curricular 1 (entrada no mês de Fevereiro) Nivelamentos Leitura e Produção de textos 60 Gramática 60 Carga Horária Total 120 Educação a Distância: Primeiras Aproximações

Leia mais

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Habilitação: Licenciatura em LC101 Leitura e produção textual 30-10 40 2 - LC102 Informática e sociedade 30-10 40 2 - LC103 Inglês básico 50-10 60 3-1º LC104

Leia mais

Avaliação do Projeto Jovem de Futuro: resultados preliminares do segundo ano do programa

Avaliação do Projeto Jovem de Futuro: resultados preliminares do segundo ano do programa Avaliação do Projeto Jovem de Futuro: resultados preliminares do segundo ano do programa Ricardo Barros IPEA Mirela de Carvalho IETS Samuel Franco IETS Andrezza Rosalém - IETS Rio de Janeiro, Abril de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital - SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

ANEXO V CÁLCULO DE OBTENÇÃO DA NOTA FINAL NO PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 2017/1

ANEXO V CÁLCULO DE OBTENÇÃO DA NOTA FINAL NO PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 2017/1 ANEXO V CÁLCULO DE OBTENÇÃO DA NO PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 2017/1 A classificação será de acordo com o subitem nº 7 do Edital nº 140, de 10/10/2016. Apresentamos a seguir, exemplos (simulações) de cálculo

Leia mais

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES Ano Letivo 2016 1º Bimestre 2º Bimestre RP MB RP DISCIPLINAS P1 P2 C1 B1 P3 P4 C2 B2 1 1 2 L. PORT/LIT. BRAS./RED. MB 2 MS 1 3º Bimestre 4º Bimestre RP MB C RP P5 P6 C3 B3 P7

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

D.O.E. DE 15 DE JANEIRO DE 2015

D.O.E. DE 15 DE JANEIRO DE 2015 D.O.E. DE 15 DE JANEIRO DE 2015 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Instrução, de 14-1-2015 A Coordenadora da Coordenadoria de Gestão da Educação Básica, considerando a necessidade de estabelecer

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Eixo Tecnológico: Produção

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009

O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009 R E S E N H A D E C O N J U N T U R A O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009 Em 2009, o Espírito Santo aparece na 6ª posição no Programa Internacional

Leia mais

Secretariado de Exames

Secretariado de Exames REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 2012 Secretariado de Exames Despacho Normativo nº 14/2011, de 18 de Novembro Despacho nº 1942/2012, de 10 de Fevereiro Norma 01 /JNE / 2012, de 23 de Fevereiro Para

Leia mais

DISCIPLINA: INGLÊS CÓDIGO DA PROVA: 367. Ensino Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º

DISCIPLINA: INGLÊS CÓDIGO DA PROVA: 367. Ensino Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º DISCIPLINA: INGLÊS CÓDIGO DA PROVA: 367 Ensino Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do ensino secundário da disciplina

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática. FORMA/GRAU: ( )integrado ( )subsequente ( )concomitante ( )bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação. Guiomar Namo de Mello 06 de outubro de 2009

Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação. Guiomar Namo de Mello 06 de outubro de 2009 Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação Guiomar Namo de Mello 06 de outubro de 2009 CURRÍCULO: O ALINHAMENTO NECESSÁRIO 1 A educação escolar básica como política

Leia mais

ANO LETIVO 2015/2016 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ESCOLARES 1.º PERÍODO

ANO LETIVO 2015/2016 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ESCOLARES 1.º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA DOS OLIVAIS - 12 ANO LETIVO 20/2016 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ESCOLARES 1.º PERÍODO 4 h Reunião da Direção/Coordenadores de Estabelecimento h Reunião da Direção

Leia mais