Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação"

Transcrição

1

2 Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

3 Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala de aula, a serem definidas pelas escolas envolvidas no processo de avaliação.

4 AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade, a partir de dados e informações, e emitir um julgamentoque possibilite uma ação.

5 Por que avaliar um sistema educacional Obter informações sobre o nível de desenvolvimento das habilidades dos estudantes com vistas a implementação de políticas públicas e a organização dos processos de ensino e de aprendizagem.

6

7 Matriz de Referência para Avaliação Aspectos a serem considerados em uma Matriz Constitui um parâmetro de orientação; Constitui um parâmetro de orientação; Apresenta o objeto da avaliação; Caráter de universalidade; Orientação na elaboração de itens.

8 - competências e habilidades cognitivas. - modalidades estruturais da inteligência, isto é, ações e operações que utilizamos para estabelecer relações com e entre objetos, pessoas, fenômenos e situações. - operações mentais: identificar, localizar comparar, classificar, ordenar, estabelecer relações, interpretar, analisar, inferir, resolver, dentre outras.

9 É bom ressaltar que as matrizes de referência não englobam todo o currículo escolar. É feito um recorte com base no que é possível aferir por meio do tipo de instrumento de medida utilizado na avaliação e que, ao mesmo tempo, é representativo do que está contemplado nos currículos. Vejamos um exemplo:

10

11 Em Matemática, as competências englobam três níveis. Veja um exemplo em Geometria. 1)Firmar conceitos e reconhecer figuras geométricas planas ou espaciais. Conceituação 2)Mobilizar conceitos e propriedades geométricas para estabelecer relações ou efetuar cálculos envolvendo elementos de uma figura. Manipulação 3) Utilizar conceitos e propriedades geométricas para resolver problemas. Aplicação

12 A Matriz de Matemática está estruturada em tópicos ou temas: I Espaçoeforma; II Grandezas e medidas; III Números e operações / álgebra e funções; IV Tratamento da informação.

13 MATRIZ DE REFERÊNCIA Conjunto de descritores Descritores originados do cruzamento entre conteúdos programáticos e as habilidades e competências cognitivas que lhes são próprias. Nível de operação mental necessário para a aprendizagem

14 A função dos descritores é, portanto, indicar as habilidades que serão objeto de avaliação, no conjunto de itens que compõe o teste em cada período de escolaridade. Os descritores: -- pretendem indicar quais as habilidades que se espera que os estudantes tenham desenvolvido; --constituem a referência para a elaboração dos itens que devem compor o teste de desempenho. É a matéria-prima para elaboração dos itens.

15 Das Matrizes aos itens dos testes de proficiência Agrupa as habilidades passíveis de avaliação em um teste de proficiência. Matriz Tema Tópico Representa uma subdivisão de acordo com o conteúdo, competências de área e habilidades. Item Descritor Avalia apenas uma única habilidade Descreve cada uma das habilidades da Matriz

16 O QUE É UM ITEM? Éumaquestãodotestedelargaescala. Avalia uma única habilidade, portanto o item é unidimensional. Obtém um resultado por estudante, que permite avaliar as hipóteses levantadas por ele.

17 Considerar Grau de Dificuldade diz respeito à adequação entre a formulação do item e a capacidade de resposta do estudante. Discriminação capacidade do item de distinguir estudantes com diferentes níveis de habilidade.

18

19 Um bom item deve... - enfocar uma única situação-problema; - incluir no enunciado uma figura, um recorte de jornal ou revista, uma fotografia,na elaboração; - redigir o enunciado de forma direta e afirmativa; - utilizar vocabulário adequado ao nível de escolaridade do estudante;

20 - excluir qualquer referência discriminatória quanto a etnia; religião, gênero ou orientação sexual; - observar as normas da ABNT na apresentação de textos e figuras; - não utilizar pegadinhas nem dicas ; - não utilizar termos como sempre, nunca, todo, totalmente.

21 estar diretamente relacionada a um único descritor da Matriz de Referência; formular de maneira positiva; a tarefa desejada em conexão com o problema proposto.

22 Quanto à Redação Enunciado: deve ser claro, preciso e conciso. Gabarito: exclusivamente um. Distratores: devem ser plausíveis. Suportes: devem conter informações relevantes.

23

24

25

26

27

28

29 70,0 60,0 57,3 56,4 50,0 40,0 30,0 20,0 50,4 24,8 41,3 38,5 39,5 30,5 22,2 22,4 43,4 10,0 0,0 D01 D02 D03 D04 D05 D06 D07 D08 D09 D10 D11 GEOMETRIA

30 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 40,9 34,1 30,1 24,5 D12 D13 D14 D15 GRANDEZAS E MEDIDAS

31 90,0 80,0 75,6 76,3 70,0 60,0 64,5 66,6 60,3 50,0 40,0 30,0 38,7 45,3 32,8 28,3 27,4 42,2 32,7 46,1 43,5 33,3 33,9 24,1 35,7 20,0 16,2 10,0 0,0 D16 D17 D18 D19 D20 D21 D22 D23 D24 D25 D26 D27 D28 D29 D30 D31 D32 D33 D34 NÚMEROS E OPERAÇÕES

32 70,0 60,0 62,2 50,0 40,0 30,0 34,9 29,3 22,8 20,0 10,0 0,0 D35 D36 D37 D38 TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO

33 50,4 57,3 56,4 41,3 38,5 39,5 43,4 40,9,1 64,5 75,6 38,7 66,6 45,3 8 76,3 42,2 60,3 7 46,1 43,5,3,9 5,7 4,9 62,2 43,2 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 24,8 22,2 30,5 22,4 34, 30,1 24,5 28,3 32,8 27,4 32,7 16,2 33, 33, 24, ,3 22,8 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 D01 D02 D03 D04 D05 D06 D07 D08 D09 D10 D11 D12 D13 D14 D15 D16 D17 D18 D19 D20 D21 D22 D23 D24 D25 D26 D27 D28 D29 D30 D31 D32 D33 D34 D35 D36 D37 D38 Total

34

35 PARTICIPAÇÃO REDE ESTADUAL

36 RESULTADOS GERAIS DE PARTICIPAÇÃO Etapa de Escolaridade N de Estudantes Previstos N de Estudantes Avaliados Participação (%) 5º ANO ,2 9º ANO ,3 3ª SÉRIE EM ,4

37 Oficina de Apropriação de Resultado SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DA PARAÍBA 2012 Oficina de Apropriação de Resultados AVALIA BH 2011 Proficiência Média médias comparadas Vamos observar a escala... Vamos localizar as proficiências médias na Escala de Proficiência? Como você interpreta a posição de sua escola?

38 ITABAIANA SAEB/PROVA BRASIL 2011 Proficiência média estadual 9EF

39 Oficina de Apropriação de Resultados AVALIA BH 2011 Participação Oficina de Apropriação de Resultado SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DA PARAÍBA 2012 O que significa cada um desses dados numéricos? Como você interpreta a participação do Município e de sua Escola?

40 Oficina de Apropriação de Resultados AVALIA BH 2011 Participação Oficina de Apropriação de Resultado SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DA PARAÍBA 2012 De que forma você acha que a participação pode interferir nos resultados de nossa escola? Pense em aspectos positivos e negativos!

41

42

43

44 Grau de realização das ações educacionais Caracterização do desempenho escolar Políticas públicas voltadas à promoção da equidade Estabelecimento e monitoramento das metas de qualidade educacional Padrões de desempenho estudantil Identificação do percentual de alunos em risco pedagógico (evasão, reprovação ou abandono)

45 Importância de interpretação dos Padrões

46

47

48 "A verdadeira educação consiste em pôr a descoberto ou fazer atualizar o melhor de uma pessoa. Que livro melhor que o livro da humanidade? Mahatma Gandhi

49 Obrigada!!!

Oficina de divulgação. Educacional do Estado de Goiás. Mirian Carvalho

Oficina de divulgação. Educacional do Estado de Goiás. Mirian Carvalho Oficina de divulgação de resultados do Sistema de Avaliação Educacional do Estado de Goiás Mirian Carvalho O CAEd CAEd - O Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Alfabetização Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito

Leia mais

Oficina de divulgação e apropriação. Educacional do Estado de Goiás. Carolina Augusta Assumpção Gouveia Analista de Avaliação do CAEd

Oficina de divulgação e apropriação. Educacional do Estado de Goiás. Carolina Augusta Assumpção Gouveia Analista de Avaliação do CAEd Oficina de divulgação e apropriação de resultado do Sistema de Avaliação Educacional do Estado de Goiás Carolina Augusta Assumpção Gouveia Analista de Avaliação do CAEd Escala de Proficiência Objetivos

Leia mais

por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática

por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática Objetivos da Oficina Realizar a análise pedagógica dos resultados das avaliações de desempenho, aplicada no estado do Alagoas AREAL, para o (re)

Leia mais

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual. SARESP Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo Avaliação de Aprendizagem em Processo

Leia mais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES 2014 Língua Portuguesa Momentos de formação 1º Momento: Avaliação Externa e em Larga Escala. 2º Momento: Resultados. 2 1º Momento Avaliação

Leia mais

MATEMÁTICA 3º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Currículo Paulo VI. Números naturais. Relações numéricas Múltiplos e divisores

MATEMÁTICA 3º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Currículo Paulo VI. Números naturais. Relações numéricas Múltiplos e divisores MATEMÁTICA 3º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Tópicos Números naturais Relações numéricas Múltiplos e divisores Novo programa de matemática Objetivos específicos Realizar contagens progressivas e regressivas a

Leia mais

Oficina de Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental Profª Ana Letícia Duin Tavares

Oficina de Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental Profª Ana Letícia Duin Tavares Oficina de Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental Profª Ana Letícia Duin Tavares O que sabem as crianças ao final do Ciclo Inicial de Alfabetização? Por que essa é uma questão importante? Os resultados

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 2ª Rosemeire Meinicke /Gustavo Lopes 6º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade COMPETÊNCIA 2 Foco: Os conjuntos numéricos Construir significados para os números naturais, inteiros,

Leia mais

SAEGO O CAEd. Fundação Oi Futuro.

SAEGO O CAEd. Fundação Oi Futuro. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO SAEGO 2011 SAEGO 2011 O CAEd O Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd UFJF) éumainstituição que: elabora e desenvolve

Leia mais

APROXIMAÇÕES ENTRE O PISA E SAEB

APROXIMAÇÕES ENTRE O PISA E SAEB APROXIMAÇÕES ENTRE O PISA E SAEB PISA Breve histórico Educação comparada: antiga área de investigação Sputinik, 1957 IEA: International Association for the Evaluation of Educational Achievement, 1958 1960:

Leia mais

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Fundamental

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Fundamental Matemática EF Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Fundamental C1 Utilizar o conhecimento numérico para operar e construir argumentos ao interpretar situações que envolvam informações quantitativas.

Leia mais

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP VAMOS FALAR DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO? Falar de qualidade da educação é falar de IDEB ...o que

Leia mais

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município: Boletim da O SARESP 2009 033583 ANTONIO DEVISATE ETE / Município: MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROFESSORA NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias Componente

Leia mais

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 3ª Eduardo e Ana 8 Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 3 Foco: Espaço e Forma Utilizar o conhecimento geométrico para realizar a leitura e a representação da realidade

Leia mais

M A T E M Á T I C A Desenho Curricular por Área

M A T E M Á T I C A Desenho Curricular por Área M A T E M Á T I C A Desenho Curricular por Área Módulo 1 Conteúdo... Habilidades e Competências... 10 unidades... Matemáticas Módulo 2 Conteúdo... Habilidades e Competências... 10 unidades... Módulo 3

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 6.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LECTIVO 2012/2013 Compreender a noção de volume. VOLUMES Reconhecer

Leia mais

Avaliação no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa PNAIC

Avaliação no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa PNAIC Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Avaliação no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa PNAIC Coordenação Geral de Concepções e Análises

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 6.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LECTIVO 2011/2012 Compreender a noção de volume. VOLUMES Reconhecer

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Ler e representar números até ao milhão.

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Ler e representar números até ao milhão. ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLAS do 1.ºCICLO: N.º1 de Abrantes, Alvega, Alvega/Concavada, Bemposta, Carvalhal, Mouriscas, Maria Lucília Moita, Pego e Rossio ao Sul do Tejo

Leia mais

Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática Eduardo 3ª 8 Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 2 Foco: Os conjuntos numéricos Construir significados para os números naturais, inteiros, racionais e reais. Competência

Leia mais

PNAIC/2016. Módulo I Analisando o Boletim da ANA

PNAIC/2016. Módulo I Analisando o Boletim da ANA PNAIC/2016 Módulo I Analisando o Boletim da ANA Objetivos: Compreender o papel da Avaliação Nacional da Alfabetização ANA no contexto das avaliações de aprendizagem no ciclo da alfabetização; Conhecer

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas Curriculares de Matemática 1º CICLO MATEMÁTICA 4º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 3ª Rosemeire Meinicke/Gustavo Lopes 6º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade H47- Resolver problemas que envolvam potenciação de números naturais. 1. Números naturais (N) 1.4-

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC)

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) Análise da segunda versão ANÁLISE GERAL Principais pontos de atenção nas etapas e componentes curriculares foco no essencial O documento está muito extenso, com excesso

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia Planejamento Anual Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: 2016 Professor(s): Eni e Patrícia OBJETIVO GERAL Desenvolver e aprimorar estruturas cognitivas de interpretação, análise, síntese,

Leia mais

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa PLANO DE ENSINO 2016 Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa Competências e Habilidades Gerais da Disciplina Desenvolver a responsabilidade e o gosto pelo trabalho em equipe; Relacionar

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG PAUTA Apresentação geral. Concepções de alfabetização e letramento. Detalhamento dos procedimentos avaliativos. Análise

Leia mais

LUZIANE ROSA ANALISTA PEDAGÓGICA AGOS/2011. A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo, uma vez possuído. Confúcio

LUZIANE ROSA ANALISTA PEDAGÓGICA AGOS/2011. A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo, uma vez possuído. Confúcio LUZIANE ROSA ANALISTA PEDAGÓGICA AGOS/2011 A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo, uma vez possuído. Confúcio CBC MATEMÁTICA Apresentação Estabelecer os conhecimentos, as habilidades e competências

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES Planificação Trimestral - 1.º Ano /2016 Matemática 1.º Período 65 dias letivos

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES Planificação Trimestral - 1.º Ano /2016 Matemática 1.º Período 65 dias letivos Números naturais Correspondências um a um e comparação do número de elementos de dois conjuntos; Contagens de até vinte objetos; O conjunto vazio e o número zero; Números naturais até 9; contagens progressivas

Leia mais

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS SECRETÁRIO ADJUNTO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ANTÔNIO CARLOS RAMOS PEREIRA CHEFE DE GABINETE

Leia mais

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009 Boletim da O SARESP 2009 012063 ALFREDO REIS VIEGAS DR / : SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Médio

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Médio Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Médio C1 Utilizar o conhecimento sobre números e suas representações em situações relacionadas a operações matemáticas, grandezas e unidades de medidas.

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O Prova Anglo P-02 Tipo D8-08/200 G A B A R I T O 0. C 07. D 3. C 9. A 02. B 08. A 4. A 20. C 03. D 09. C 5. B 2. B 04. B 0. C 6. C 22. B 05. A. A 7. A 00 06. D 2. B 8. D DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação Matemática 2º Ciclo - 6.º Ano de Escolaridade Despacho Normativo

Leia mais

5º ano do Ensino Fundamental 1º BIMESTRE EIXO: NÚMEROS E OPERAÇÕES

5º ano do Ensino Fundamental 1º BIMESTRE EIXO: NÚMEROS E OPERAÇÕES 5º ano do Ensino Fundamental 1º BIMESTRE Compor e decompor números naturais e racionais na forma decimal. Reconhecer ordens e classes numa escrita numérica. Arredondar números na precisão desejada. Ordenar

Leia mais

MATEMÁTICA 4º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Ler e representar números, pelo menos até ao milhão.

MATEMÁTICA 4º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Ler e representar números, pelo menos até ao milhão. MATEMÁTICA 4º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Números naturais Relações numéricas Múltiplos e divisores Realizar contagens progressivas e regressivas a partir de números dados. Comparar números e ordená-los em

Leia mais

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa. Competências Habilidades Conteúdos. I Etapa

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa. Competências Habilidades Conteúdos. I Etapa PLANO DE ENSINO 2015 Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa I Etapa Competências Habilidades Conteúdos Revisão (breve) de conteúdos trabalhados anteriormente Construir significados

Leia mais

DESCRITORES EVIDENCIADOS NA RESOLUÇÃO DE ESTUDANTES EM QUESTÃO SIMILAR A DA PROVA BRASIL

DESCRITORES EVIDENCIADOS NA RESOLUÇÃO DE ESTUDANTES EM QUESTÃO SIMILAR A DA PROVA BRASIL DESCRITORES EVIDENCIADOS NA RESOLUÇÃO DE ESTUDANTES EM QUESTÃO SIMILAR A DA PROVA BRASIL Suzana Lovos Trindade Universidade Estadual de Londrina suzanatrindade@hotmail.com Renata Karoline Fernandes Universidade

Leia mais

ANEXO I PROVA INTEGRADA DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Introdução

ANEXO I PROVA INTEGRADA DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Introdução ANEXO I PROVA INTEGRADA DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Introdução A criação da Prova integrada ABRIL EDUCAÇÃO teve por objetivo oferecer subsídios para avaliação interdisciplinar das estruturas de inteligência,

Leia mais

1º ANO PROPOSTA PEDAGÓGICA. Nas relações as pequenas coisas são as grandes.

1º ANO PROPOSTA PEDAGÓGICA. Nas relações as pequenas coisas são as grandes. Processo Admissão 1º ANO PROPOSTA PEDAGÓGICA Nas relações as pequenas coisas são as grandes. (Covey) Vemos a educação da criança como um processo educativo que possibilita a vivência da cidadania, das

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

Programa de Matemática 4º ano

Programa de Matemática 4º ano Programa de Matemática 4º ano Introdução: A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS ESCOLA E.B. /3 DE PEDROUÇOS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA º CICLO PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA 6º ANO Ano

Leia mais

Algumas sugestões para a gestão curricular do Programa e Metas curriculares de Matemática do 3º ciclo

Algumas sugestões para a gestão curricular do Programa e Metas curriculares de Matemática do 3º ciclo Algumas sugestões para a gestão curricular do Programa e Metas curriculares de Matemática do 3º ciclo No seguimento da análise das Orientações de Gestão Curricular para o Programa e Metas Curriculares

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ITENS E QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ITENS E QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ITENS E QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA Resumo esquemático do Guia de Elaboração e Revisão de Questões e Itens de Múltipla Escolha, da Secretaria de Estado de Educação de Minas

Leia mais

Informação - Ficha de Avaliação Global de Matemática 3.º ano. 1.º Ciclo do Ensino Básico maio de 2016

Informação - Ficha de Avaliação Global de Matemática 3.º ano. 1.º Ciclo do Ensino Básico maio de 2016 Agrupamento de Escolas de Marrazes Cód. 1609 Informação - Ficha de Avaliação Global de Matemática.º ano 1.º Ciclo do Ensino Básico maio de 2016 O presente documento divulga informação relativa à ficha

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico Unidade Curricular Didáctica da Matemática Algumas Tarefas 2008 / 2009

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE HISTÓRIA 2016 9º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139 / 2012, DE 5 DE JULHO)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática 8º ano Ano letivo 2016/2017 Início

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Matemática 5º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Matemática 5º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Matemática 5º Ano OBJETIVOS ESPECÍFICOS TÓPICOS SUB-TÓPICOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período Compreender as propriedades das operações e usá-las no cálculo. Interpretar uma

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA

INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO 4.º ANO DE ESCOLARIDADE / MATEMÁTICA INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA INTRODUÇÃO O presente documento divulga informação relativa à prova final a nível

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES 1.º CEB PLANIFICAÇÃO MENSAL - Matemática 2.º Ano /2016

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES 1.º CEB PLANIFICAÇÃO MENSAL - Matemática 2.º Ano /2016 Domínio: Geometria e Medida - NO2 Localização e orientação no espaço Direções no espaço relativamente a um observador. Voltas inteiras, meias voltas, quartos de volta, viragens à direita e à esquerda.

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL 00604 Resumo A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL Célia Aparecida Bettiol Arliete Socorro Da Silva Neves O presente texto faz parte de um trabalho em andamento e se constitui em pesquisa documental,

Leia mais

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340 DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência

Leia mais

MATEMÁTICA - 2º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos

MATEMÁTICA - 2º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos MATEMÁTICA - 2º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Números naturais Noção de número natural Relações numéricas Sistema de numeração decimal Classificar e ordenar de acordo com um dado critério. Realizar contagens

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 2ª AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2012 MATEMÁTICA

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA

INFORMAÇÃO - PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES D. S. R. Alentejo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE TORRÃO, Alcácer do Sal - 1501443 Sede do A. E. : Escola Básica Bernardim Ribeiro, Alcácer do Sal - 135343 Escola

Leia mais

Legenda 0 à 25% de Acertos Baixo De 26 à 50% de Acertos Intermediário De 51 à 75% de Acertos Adequado De 76 à 100% de Acertos Avançado

Legenda 0 à 25% de Acertos Baixo De 26 à 50% de Acertos Intermediário De 51 à 75% de Acertos Adequado De 76 à 100% de Acertos Avançado Relação de Descritores que apresentam os erros mais frequentes cometidos pelos estudantes nas Avaliações Diagnósticas de 2012 do ProEMI/JF no estado do Ceará Em 2012 foram aplicadas Avaliações Diagnósticas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

QUESTÕES PARA O 5º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTRE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA O 5º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTRE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA O 5º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTRE QUESTÃO 01 SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES Descritor 27 Ler informações e dados apresentados em tabelas. COMENTÁRIOS Avalia-se, por meio de itens

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04 /10 /2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16 Aula 1 Planejamento Lilian R. Rios 18/02/16 Planejamento de Ensino É um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B. 2,3 Dr. António Chora Barroso. Matemática 6º ano. Planificação a Longo Prazo

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B. 2,3 Dr. António Chora Barroso. Matemática 6º ano. Planificação a Longo Prazo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B. 2,3 Dr. António Chora Barroso Matemática 6º ano Planificação a Longo Prazo 2013/2014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

PADRÕES DE DESEMPENHO ESTUDANTIL. O que são Padrões de Desempenho? ABAIXO DO BÁSICO Até 150 pontos. BÁSICO De 150 até 200 pontos

PADRÕES DE DESEMPENHO ESTUDANTIL. O que são Padrões de Desempenho? ABAIXO DO BÁSICO Até 150 pontos. BÁSICO De 150 até 200 pontos PADRÕES DE DESEMPENHO ESTUDANTIL O que são Padrões de Desempenho? Os Padrões de Desempenho constituem uma caracterização das competências e habilidades desenvolvidas pelos alunos de determinada etapa de

Leia mais

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática Ano: 7º Carga

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE ITENS DE MÚLTIPLA ESCOLHA. A elaboração de itens requer que se considerem os seguintes procedimentos:

TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE ITENS DE MÚLTIPLA ESCOLHA. A elaboração de itens requer que se considerem os seguintes procedimentos: TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE ITENS DE MÚLTIPLA ESCOLHA Angela Corrêa da silva A elaboração de itens requer que se considerem os seguintes procedimentos: - tipo de item adequado ao objetivo. - Técnica de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CASTRO DAIRE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CASTRO DAIRE 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CASTRO DAIRE Escola Secundária de Castro Daire Escola Básica N.º2 de Castro Daire Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano letivo

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Orientações sobre a Estrutura da Avaliação da Aprendizagem em Processo Língua Portuguesa

Orientações sobre a Estrutura da Avaliação da Aprendizagem em Processo Língua Portuguesa Orientações sobre a Estrutura da Avaliação da Aprendizagem em Processo Língua Portuguesa A Avaliação da Aprendizagem em Processo - AAP, em sua 15ª edição, tem o intuito de apoiar o trabalho do professor

Leia mais

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini 0 Currículo e Avaliação Com quase 20 anos de implantação de uma cultura estruturada de avaliação, sabemos avaliar. Com mais de 20

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 500 Planificação Anual / Critérios de Avaliação Disciplina: Matemática _ 9.º ano 2016 / 2017 Início Fim

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 2ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2015/2016 5º Ano de escolaridade

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2015/2016 5º Ano de escolaridade Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 05/06 5º Ano de escolaridade

Leia mais

Novo Programa de Matemática - 2.º Ciclo. Matemática 5ºANO

Novo Programa de Matemática - 2.º Ciclo. Matemática 5ºANO Propósito principal de ensino: Desenvolver nos alunos o sentido de número, a compreensão dos números e das operações, e a capacidade de cálculo mental e escrito, bem como a de utilizar estes conhecimentos

Leia mais

PLANEJAMENTO Disciplina: Matemática Série: 7º Ano Ensino: Fundamental Prof.:

PLANEJAMENTO Disciplina: Matemática Série: 7º Ano Ensino: Fundamental Prof.: Disciplina: Matemática Série: 7º Ano Ensino: Fundamental Prof.: II ) Compreensão de fenômenos 1ª UNIDADE Números inteiros (Z) 1. Números positivos e números negativos 2. Representação geométrica 3. Relação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 5.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LETIVO 2011/2012 Planificação Global 5º Ano 2011-2012 1/7 NÚMEROS

Leia mais

ÁREA DO CONHECIMENTO: RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO 3º ANO EF

ÁREA DO CONHECIMENTO: RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO 3º ANO EF Compras com Real Aula Multimídia MT - Interface 1 - Pág. 43 Naturais e Sistema de Numeração Decimal OB001 OB002 OB003 OB004 OB005 Reconhecer e aplicar os números em diversos contextos e situaçõesproblema.

Leia mais

1ª Ana e Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

1ª Ana e Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 1ª Ana e Eduardo 8º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 1 Foco: Leitura Compreender e utilizar textos, selecionando dados, tirando conclusões, estabelecendo relações,

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O SISTEMA ANGLO DE ENSINO Prova Anglo P-02 Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O 01. B 07. B 13. D 19. D 02. D 08. D 14. C 20. D 03. A 09. C 15. D 21. D 04. C 10. A 16. B 22. B 05. C 11. C 17. C 00 06. D 12. A

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 2º ANO

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 2º ANO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 2º ANO ESCOLA ANO LETIVO PROFESSOR(A) DATA: / / NÚMERO E OPERAÇÕES identificar conceitos espaciais. Identificar a localização de pessoas e/ou objeto tendo:

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação. Provinha: Já sei ler READ Conference Dezembro, 2012

República de Moçambique Ministério da Educação. Provinha: Já sei ler READ Conference Dezembro, 2012 República de Moçambique Ministério da Educação Provinha: Já sei ler READ Conference Dezembro, 2012 Conteúdo da Apresentação Definição do Instrumento; Estrutura do Instrumento; Descrição de cada componente

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO Matemática 1º ano Capítulo 1 Noções e conceitos Comparar e diferenciar grandezas e medidas (comprimento, massa, capacidade, tempo), estabelecendo

Leia mais

Profa. Dra. Maria Inês Fini

Profa. Dra. Maria Inês Fini Profa. Dra. Maria Inês Fini 1 Um dos maiores desafios a serem enfrentados pelas escolas de educação básica na última década é o estabelecimento de uma política para a educação básica formal no Brasil para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática _ 7º ano 2016/2017 Início Fim

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 OBJETO DE AVALIAÇÃO O Exame de Equivalência à Frequência de História tem por referência o Programa de História em

Leia mais