SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2"

Transcrição

1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2

2 SISTEMA DE AVALIAÇÃO 6º AO 8º ANO EF2 Em cada trimestre o aluno será avaliado através dos seguintes instrumentos: 1. AVALIAÇÃO FORMATIVA (AVF) Consiste na avaliação dos aspectos cognitivos: produção escrita e oral, sinalizada, artística, posicionamento crítico e socioformativos: convivência com as diferenças, sensibilidade para com o outro, abertura para diálogo na aprendizagem. A confecção de tarefas de casa, dos trabalhos em grupo e individuais., a participação e o interesse nas aulas, a organização e a apresentação do material escolar e todas as atividades compreendidas na Produção Integrada ao Conteúdo, também são considerados no desempenho geral do aluno. 2. AVALIAÇÃO SEMANAL (AVS) Referem-se à avaliação dos saberes necessários, relativos aos conteúdos conceituais das diversas áreas de conhecimentos nos respectivos trimestres. 3. AVALIAÇÃO GERAL (AVG) Tem como objetivo estimar a construção dos saberes necessários, competências e habilidades previstas relativos aos conteúdos conceituais cumulativos das diversas áreas de conhecimentos ao final de cada trimestre. 4. SIMULADO A pontuação adquirida em cada área de conhecimento no trimestre será acrescida à média do aluno como bônus nas respectivas disciplinas que compõe as áreas avaliadas, por exemplo, Ciências Humanas: história, geografia, filosofia e sociologia. Verificar com a Coordenação Pedagógica os critérios de pontuação de acordo com o desempenho. OBSERVAÇÃO: 1- Procuramos diversificar as formas de avaliação aplicadas no Colégio, atendendo às mais recentes discussões pedagógicas sobre o assunto. Assim, poderão ser propostas aos alunos outras atividades. 2- Ocorrendo aplicação de uma ou mais avaliações da mesma modalidade no trimestre, será considerada a média aritmética das notas obtidas em cada uma delas. VERSÃO /04/2013 2

3 DA VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR Na avaliação do desempenho escolar do aluno do Ensino Fundamental ll ( 6º ao 8º ano) é adotado o Sistema de Pontuação Cumulativa, num total de 100 ( cem ) pontos em cada disciplina ou conteúdo, distribuídos ao longo do ano letivo em três trimestres, da seguinte forma: - 1º trimestre 30 pontos peso 3-2º trimestre - 30 pontos peso 3-3º trimestre - 40 pontos peso 4 Totalizando 100 pontos CÁLCULO DOS PONTOS NO ANO LETIVO Para o cômputo do total de pontos acumulados durante o ano letivo, cada média trimestral deverá ser multiplicada por seu respectivo peso, ou seja: Total Geral de Pontos (TGP) (TGP) = (média do 1º tri x 3 ) + (média do 2º tri x 3) + (média do 3º tri x 4). Para ser aprovado ao final do ano letivo, o aluno deverá obter a pontuação mínima acumulada de 60 (sessenta) pontos, em cada disciplina ou área de estudo, o que representa a média acumulada de 6,0 (seis inteiros ). EXEMPLO : Ao final do ano letivo, um aluno obteve em uma determinada disciplina as seguintes média: MÉDIAS - 1º Trimestre 6,0 TOTAL DE PONTOS - TGP - 2º Trimestre 6,0-3º Trimestre 6,0 TGP = (6,0 x 3) + (6,0 x3) + (6,0 x 4) TGP = 18,0 + 18,0 + 24,0 = TP = 60 pontos O aluno será considerado aprovado nesta disciplina CÁLCULO DO PROCESSO AVALIATIVO NO TRIMESTRE Em cada trimestre, será atribuída ao aluno uma média ponderada em cada componente curricular das avaliações ocorridas no período, expressa em notas na escala de 0,0 (zero) a 10,0 (dez inteiros) com intervalos de 0,1(um décimo). VERSÃO /04/2013 3

4 TIPOS DE AVALIAÇÕES NO TRIMESTRE: 1ª AVALIAÇÃO SEMANAL - (1ªAVS) - NOTAS DE 0 A 10 2ª AVALIAÇÃO SEMANAL - (2ªAVS) - NOTAS DE 0 A 10 AVALIAÇÃO GERAL (AVG) - NOTAS DE 0 A 10 AVALIAÇÃO FORMATIVA (AVF) - NOTAS DE 0 A 10 CÁLCULO DA MÉDIA DO TRIMESTRE (MT) : 1- MATEMÁTICA, PORTUGUÊS e REDAÇÃO - MT = (1ªAVS+ 2ªAVS + AVG)x0,9 + (AVF)x0,1 3 2 CIÊNCIAS, HISTÓRIA GEOGRAFIA, LÍNGUA ESTRANG. FILOSOFIA, ARTE MT = (1ªAVS+ 2ªAVS + AVG)x0,8 +(AVF)x0,2 3 EXEMPLO : Um aluno obteve, em matemática, as seguintes notas no trimestre: NOTAS 1ª AVS = 6,5 Média do Trimestre (MT) - Matemática 2ª AVS = 7,5 3ª AVG = 7,0 MT = (6,5 + 7,5 + 7,0) x 0,9 + (6,0 )x 0,1 3 AV F = 6,0 MT = (21)x 0,9 + (6,0 x 0,1) 3 MT = (7 x 0,9) + ( 6,0 x 0,1 ) MT = 6,9 O aluno será considerado aprovado em matemática no trimestre CÁLCULO DA MÉDIA ACUMULADA A Média Acumulada (MA) Média mínima 6,0 (seis inteiros), serve como referência de acompanhamento no Boletim Escolar, da evolução da pontuação mínima necessária no(s) trimestre(s), para a aprovação ao final do ano letivo. O cálculo da Média Acumulada (MA) é o Total Geral de Pontos (TGP) obtido pelo aluno dividido pela somatória dos pesos dos trimestres envolvidos, ou seja: VERSÃO /04/2013 4

5 MA do 1º trimestre = TGP/3 MA do 2º trimestre = TGP/ ( 3+3) MA do 3º trimestre = TGP / (3+3+4) 2ª CHAMADA DE AVALIAÇÕES Os alunos que não comparecerem às Avaliações previamente estabelecidas, poderão realizar 2.ª Chamada, mediante as seguintes justificativas: DAS NORMAS PARA A 2ª CHAMADA DE AVALIAÇÕES Só terá direito a 2ª Chamada o aluno que por motivo de saúde mediante apresentação de atestado médico ou, ou outra justificativa devidamente aprovada pela Direção da Escola, se sinta comprovadamente impossibilitado de comparecer ao Colégio no dia da realização da atividade. O prazo para requisição da 2ª Chamada será de até 48 horas após a realização da atividade, mediante apresentação de atestado médico. A 2ª Chamada de avaliações parciais ou finais de trimestre deverá ser requerida pelos pais ou responsáveis e devidamente autorizadas pela Direção Pedagógica. Ao requerer a 2ª Chamada, o aluno deverá pagar a taxa de serviços extras 10% (dez por cento), por disciplina conforme Contrato de Prestação de Serviços Educacionais. A apresentação do Atestado Médico não dispensa o pagamento da taxa de serviços extras para a avaliação de 2ª Chamada. OBS.: As Avaliações Finais do Trimestre III, assim como as Avaliações de Atividades de Recuperação não terão a 2ª Chamada. REVISÃO DE PROVAS/NOTAS Exceto as avaliações de Recuperação Final, que são arquivadas após revisão, as demais provas serão devolvidas aos alunos. Lembramos que as provas e todas as outras atividades de verificação do ensino/aprendizagem são subsídios para a avaliação dos alunos por parte dos Professores, Conselhos de Classe e da Escola. Eventuais erros de correção, críticas e sugestões deverão ser apontados por escrito e entregues ao professor da disciplina em questão ou à Coordenação de Série. 1. O aluno terá até 48 horas após o conhecimento do resultado para reclamar junto à Coordenação qualquer erro constatado na nota das avaliações parciais ou finais de trimestre. 2. Não será aceita reclamação referente aos trimestres anteriores. VERSÃO /04/2013 5

6 DA RECUPERAÇÃO PARALELA Ao final do 1º e 2º trimestre, há estudos de Recuperação Paralela dos saberes estruturantes em cada disciplina do currículo escolar aplicáveis aos alunos que obtiverem menos da média, 6,0 (seis) em cada trimestre, podendo o aluno alcançar após a recuperação a nota máxima de 6,0 (seis) prevalecendo até este limite a maior nota entre a do trimestre e da recuperação. Os estudos de Recuperação Paralela são instituídos de forma obrigatória para a escola e de modo facultativo para os alunos. Ao requerer estudos de Recuperação Paralela, o responsável deverá pagar na Tesouraria a taxa de serviços extras, conforme Contrato de Prestação de Serviços. DA RECUPERAÇÃO FINAL - Ao final do ano letivo o aluno que não conseguir 60 (sessenta) pontos após avaliação do Conselho de Classe em qualquer disciplina, haverá estudos de RECUPERAÇÃO FINAL. O total de pontos a ser alcançado para aprovação, depois dos estudos de Recuperação, é 60 (sessenta) pontos, considerando-se as potencialidades do aluno e seus aspectos qualitativos o que corresponde à média mínima de 6,0 (seis), podendo o aluno alcançar após a recuperação final a nota máxima de 6,0 (seis inteiros) ou 60 (sessenta) pontos. - Conceder-se-á recuperação mediante requerimento ao Diretor, entregue à Secretaria do Colégio até 48 horas após a divulgação dos resultados finais dos trimestres. - O período da realização dos estudos de recuperação será fixado exclusivamente pela Direção do Colégio no decorrer do ano, após cada trimestre letivo. Revisão de Provas de Recuperação O aluno terá direito à revisão das provas de recuperação até 48 horas após a entrega do boletim da recuperação. Para solicitar a revisão, os pais e/ou responsáveis deverão procurar a Coordenação, fazer o requerimento de próprio punho, quando, então, a revisão será agendada. BOLETIM ESCOLAR 1. Os resultados das avaliações de desempenho e frequência do aluno serão registrados no Boletim Escolar, e ao final de cada trimestre, entregues na data prevista ao aluno e seus responsáveis, para que tomem conhecimento. 2. Solicitamos a máxima atenção e valorização dos mesmos, a fim de que se evitem mal entendidos e outras consequências no final do ano. As dúvidas em relação ao Boletim Escolar devem ser sanadas, logo após a sua divulgação, com os professores e Coordenadores de Séries. 3. As ausências do aluno, em cada disciplina, serão lançadas no Boletim Escolar ao final de cada Trimestre Letivo. FREQUÊNCIA O controle de frequência do Colégio é feito através da chamada que o professor faz no 2º horário de aulas. VERSÃO /04/2013 6

7 CRITÉRIOS PARA PROMOÇÃO QUANTO AO DESEMPENHO Estará aprovado o aluno que alcançar, ao final do ano letivo, o mínimo de 60(sessenta) pontos, acumulados em cada disciplina ou conteúdo específico. Será reprovado o aluno que obtiver ao final do ano letivo, após a recuperação final, o total inferior a 60 pontos em qualquer disciplina ou conteúdo constante na grade curricular. QUANTO À ASSIDUIDADE Será considerado aprovado o aluno que tiver frequência igual ou superior a 75% do total global das horas letivas previstas. Observações: O Conselho de Classe decidirá, em última instância, sobre a aprovação dos alunos, levando em consideração, além dos aspectos cognitivos, as dimensões cultural, social, biológica e afetiva enquanto parte do processo. VERSÃO /04/2013 7

8 FIM VERSÃO /04/2013 8

Educação Infantil. Currículo. Horário de 2ª a 6ª feira. Calendário Escolar

Educação Infantil. Currículo. Horário de 2ª a 6ª feira. Calendário Escolar Educação Infantil Currículo Disciplina Maternal Grupo I Grupo II Diferentes Linguagens X X X Pensamento Lógico Matemático X X X Natureza e Sociedade X X X Movimento X X X Arte * X X X Inglês X X X Musicalização

Leia mais

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES - 7 ANO - EF2 2º TRIMESTRE (MATUTINO) 1ª AVALIAÇÃO AVS

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES - 7 ANO - EF2 2º TRIMESTRE (MATUTINO) 1ª AVALIAÇÃO AVS 7º ANO EF2 CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES - 7 ANO - EF2 2º TRIMESTRE - 201 (MATUTINO) 1ª AVALIAÇÃO AVS 27/05 Segunda-feira Ciências 0/06 Segunda-feira Geografia 05/06 Quarta-feira Redação 07/06 Sexta-feira História

Leia mais

Projeto de Avaliação e Recuperação Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) Ano Letivo 2017

Projeto de Avaliação e Recuperação Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) Ano Letivo 2017 COLÉGIO RESSURREIÇÃO DIOCESANO Mantenedora: Associação Assistencial, Promocional e Educacional Ressurreição APER Rua Paranaíba, 120 Centro Itumbiara(GO) CEP: 75.530-020 Fone: (64) 3431-2643 CNPJ 47.073.911/0035-51

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO SISTEMA DE AVALIAÇÃO PROCESSO DE AVALIAÇÃO A avaliação para o Ensino Fundamental se pauta em: Observação, registro e reflexão acerca do pensamento e da ação do educando. Uso de vários instrumentos de avaliação

Leia mais

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES Ano Letivo 2016 1º Bimestre 2º Bimestre RP MB RP DISCIPLINAS P1 P2 C1 B1 P3 P4 C2 B2 1 1 2 L. PORT/LIT. BRAS./RED. MB 2 MS 1 3º Bimestre 4º Bimestre RP MB C RP P5 P6 C3 B3 P7

Leia mais

Nos primeiros e segundos anos das séries iniciais não haverá reprovação, observando os aspectos qualitativos obtidos durante o ano letivo.

Nos primeiros e segundos anos das séries iniciais não haverá reprovação, observando os aspectos qualitativos obtidos durante o ano letivo. Metodologia de Avaliação Ensino Fundamental 1º ao 5º ano 1 Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental A avaliação do processo de aprendizagem no Ensino Fundamental terá o aproveitamento

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO. 2º ao 5º ANO EF1

SISTEMA DE AVALIAÇÃO. 2º ao 5º ANO EF1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO 2º ao 5º ANO EF1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO A avaliação é a prática pedagógica que tem como objetivo o diagnóstico e o acompanhamento contínuo e reflexivo do desenvolvimento do currículo

Leia mais

PORTARIA N 799 DE 26 DE MAIO DE 2011

PORTARIA N 799 DE 26 DE MAIO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 799 DE 26 DE MAIO DE 2011 Estabelece a Diretriz de Avaliação do Ensino nº 07/ PROEJA, que regula o processo de ensino-aprendizagem dos alunos integrantes

Leia mais

ATIVIDADES PARCIAIS I 16 A 27 DE MARÇO/2015. Manhã Atividade Parcial I Literatura 8,0 4,8. Manhã Atividade Parcial I Química 8,0 4,8

ATIVIDADES PARCIAIS I 16 A 27 DE MARÇO/2015. Manhã Atividade Parcial I Literatura 8,0 4,8. Manhã Atividade Parcial I Química 8,0 4,8 Prezado(a) aluno(a), Você está recebendo o Calendário de Provas da 1ª Etapa. Este instrumento será um guia para VOCÊ e sua família acompanharem seu desempenho escolar. ESTUDO, DISCIPLINA E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CALENDÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2017

CALENDÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2017 1º Período 4/4 5/4 7/4 10/4 (segunda-feira) 11/4 12/4 AVALIAÇÕES DO 1º PERÍODO Língua Portuguesa Língua Portuguesa Língua Portuguesa Língua Portuguesa ------------ ------------ Matemática Matemática Matemática

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO 2º AO 5º ANO EF1

SISTEMA DE AVALIAÇÃO 2º AO 5º ANO EF1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO 2º AO 5º ANO EF1 Em cada trimestre o aluno será avaliado através dos seguintes instrumentos: 1. AVALIAÇÃO FORMATIVA (AVF) Consiste na avaliação dos aspectos cognitivos: produção escrita

Leia mais

ASSUNTO: SEGUNDA CHAMADA DE PROVA GLOBAL. Para fazer a prova em outra data e no contraturno, o aluno deverá, nesta ordem:

ASSUNTO: SEGUNDA CHAMADA DE PROVA GLOBAL. Para fazer a prova em outra data e no contraturno, o aluno deverá, nesta ordem: ASSUNTO: SEGUNDA CHAMADA DE PROVA GLOBAL Para fazer a prova em outra data e no contraturno, o aluno deverá, nesta ordem: 1. Apresentar justificativa (atestado médico) às Monitoras de alunos Samantha (6º

Leia mais

CONSIDERANDO o sistema e critérios de avaliação de aprendizagem dos alunos dos cursos de graduação presencial da Universidade Anhanguera-UNIDERP;

CONSIDERANDO o sistema e critérios de avaliação de aprendizagem dos alunos dos cursos de graduação presencial da Universidade Anhanguera-UNIDERP; RESOLUÇÃO Nº 047/CONEPE/2016 Aprova as disposições regulamentais com vistas à melhoria do Processo de Avaliação da Aprendizagem Discente dos cursos de graduação da Universidade Anhanguera- UNIDERP, a partir

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 02. A Diretora Geral da Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais, ouvido o Conselho Superior,

INSTRUÇÃO NORMATIVA 02. A Diretora Geral da Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais, ouvido o Conselho Superior, INSTRUÇÃO NORMATIVA 02 A Diretora Geral da Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais, ouvido o Conselho Superior, RESOLVE: Regulamentar o Sistema de Avaliação Discente dos cursos de Graduação

Leia mais

NOVA GESTÃO ACADÊMICA NOVO PORTAL UMA NOVA FABAVI,

NOVA GESTÃO ACADÊMICA NOVO PORTAL UMA NOVA FABAVI, 1 NOVA GESTÃO ACADÊMICA NOVO PORTAL UMA NOVA FABAVI, focada no mérito acadêmico e no compromisso social MANUAL DO ALUNO Conheça o que preparamos para que você tenha um ensino comprometido com a qualidade.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÕES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS TÍTULO I DA AVALIAÇÃO E DA APROVAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÕES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS TÍTULO I DA AVALIAÇÃO E DA APROVAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÕES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS TÍTULO I DA AVALIAÇÃO E DA APROVAÇÃO - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO. A avaliação do desempenho acadêmico é feita

Leia mais

DESENHO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA (COMPLEMENTAÇÃO) PARA ATENDER A DEMANDA VIZIVALI

DESENHO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA (COMPLEMENTAÇÃO) PARA ATENDER A DEMANDA VIZIVALI DESENHO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA (COMPLEMENTAÇÃO) PARA ATENDER A DEMANDA VIZIVALI PROFESSORA ZULEIKA APARECIDA CLARO PIASSA (COORDENADORA DO CURSO) A OFERTA VIZIVALI QUEM PÔDE PARTICIPAR? Professores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 05/2011 Regulamenta o Sistema de Avaliação do Processo

Leia mais

HORÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2016

HORÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2016 OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO 1) Solicitamos aos alunos que estejam na sala 10 minutos antes do horário marcado para o início das avaliações e que não a deixem sem assinar a lista, que

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CORDA-MA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CORDA-MA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CORDA-MA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SISTEMÁTICA DE AVALIAÇÃO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ANOS INICIAIS (4º E 5º ANOS) E ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 019 /2000 Dispõe sobre os critérios de Avaliação de Rendimento Escolar do CAp/UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribuiu o artigo 11,

Leia mais

M.A.P.A Manual de Apoio aos Pais e Alunos

M.A.P.A Manual de Apoio aos Pais e Alunos M.A.P.A. 2017 Manual de Apoio aos Pais e Alunos Ensino Fundamental I Organização Curricular Língua Portuguesa Matemática Ciências História Geografia Ciências Sociais Arte Educação Física Inglês Espanhol

Leia mais

As aulas acontecem de segunda a sexta-feira.

As aulas acontecem de segunda a sexta-feira. ORIENTAÇÕES EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ensino Médio e Técnico NOTURNO 2016 1 Caro Aluno, Seja bem-vindo! Neste manual, você encontrará informações importantes para o dia-a-dia no colégio: calendário, distribuições

Leia mais

AVALIAÇÕES ENSINO MEDIO E 9º ANO

AVALIAÇÕES ENSINO MEDIO E 9º ANO AVALIAÇÕES ENSINO MEDIO E 9º ANO ORIENTAÇÕES 2017 (1º trimestre) Taguatinga Sul e Riacho Fundo I REDE ISAAC NEWTON CRONOGRAMA DE AVALIAÇÃO 2017 9º ANO e ENSINO MÉDIO 1º TRIMESTRE AVALIAÇÃO 01 PREPARA (9º,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL NO ACRE PROGRAMA EDUCAÇÃO

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL NO ACRE PROGRAMA EDUCAÇÃO SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL NO ACRE PROGRAMA EDUCAÇÃO SÍNTESE DO REGIMENTO ESCOLAR ESCOLA SESC- UNIDADE EDUCACIONAL SESC CENTRO EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO ENSINO MÉDIO RIO BRANCO

Leia mais

PORTARIA N 414 DE 23 DE MARÇO DE 2004

PORTARIA N 414 DE 23 DE MARÇO DE 2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 414 DE 23 DE MARÇO DE 2004 Estabelece a Diretriz de Avaliação do Ensino n 04/9394/UEs II e III Ensino Fundamental e Médio, que regula o processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO INTEGRALIZAÇÃO DE DISCIPLINAS EM CARÁTER ESPECIAL

REGULAMENTO INTEGRALIZAÇÃO DE DISCIPLINAS EM CARÁTER ESPECIAL REGULAMENTO INTEGRALIZAÇÃO DE DISCIPLINAS EM CARÁTER ESPECIAL Recife / PE, 2013 Institui as normas para integralização de disciplinas dos cursos de graduação em caráter especial CAPÍTULO I - DAS NORMAS

Leia mais

SISTEMÁTICA DA AVALIAÇÃO DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM PROPOSTA PARA DISCUSSÃO GERAL EM 24 E 25 DE MAIO DE 2010

SISTEMÁTICA DA AVALIAÇÃO DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM PROPOSTA PARA DISCUSSÃO GERAL EM 24 E 25 DE MAIO DE 2010 SISTEMÁTICA DA AVALIAÇÃO DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM PROPOSTA PARA DISCUSSÃO GERAL EM 24 E 25 DE MAIO DE 2010 Art. A avaliação do ensino e da aprendizagem, como processo intencional, formal e informal,

Leia mais

PAUTA DA REUNIÃO DE PAIS DO 8º e 9º ANOS 15/02/2017

PAUTA DA REUNIÃO DE PAIS DO 8º e 9º ANOS 15/02/2017 COMUNICADO 13/2017 OBJETIVOS DA REUNIÃO PAUTA DA REUNIÃO DE PAIS DO 8º e 9º S 15/02/2017 Orientações sobre o trabalho pedagógico e a rotina escolar de 2017. Estabelecimento de parceria Escola-Família.

Leia mais

M.A.P.A ENSINO FUNDAMENTAL II (6º ao 9º ano)

M.A.P.A ENSINO FUNDAMENTAL II (6º ao 9º ano) M.A.P.A. 2015 MANUAL DE APOIO A PAIS E ALUNOS ENSINO FUNDAMENTAL II (6º ao 9º ano) Organização Curricular Língua Portuguesa Matemática Ciências História Geografia Ciências Sociais Arte Educação Física

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA BOLETIM DE SERVIÇO UNIDADE: Campus Avançado Cristalina Nº: 03/2016 DATA: 31/03/2016 2016 MINISTRO DA EDUCAÇÃO Aloizio Mercadante

Leia mais

Conheça o seu colégio. Ensino Fundamental I

Conheça o seu colégio. Ensino Fundamental I Conheça o seu colégio Ensino Fundamental I Ano letivo 2014 Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas. Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do voo. Pássaros

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO - SEC COLÉGIO ESTADUAL POLIVALENTE DE ITAMBÉ

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO - SEC COLÉGIO ESTADUAL POLIVALENTE DE ITAMBÉ 1. SISTEMÁTICA DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM A avaliação é uma etapa fundamental que envolve a comunidade escolar em momentos de reflexão crítica sobre as práticas e as aprendizagens desenvolvidas. Neste

Leia mais

5ª aula 10h55 11h40 6ª aula 11h40 12h25

5ª aula 10h55 11h40 6ª aula 11h40 12h25 INFORMAÇÕES E NORMAS SOBRE O ENSINO MÉDIO - 2016 01 GRADE CURRICULAR ENSINO MÉDIO Componentes Curriculares A U L A S 1ª série 2ª série 3ª série Artes 1 1 Biologia 4 4 4 Educação Física 2 2 2 Espanhol 1

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS ENSINO MÉDIO -1º E 2º ANOS Compromisso Família e Escola

REUNIÃO DE PAIS ENSINO MÉDIO -1º E 2º ANOS Compromisso Família e Escola REUNIÃO DE PAIS ENSINO MÉDIO -1º E 2º ANOS Compromisso Família e Escola Visão Vamos oferecer uma educação apaixonante, que marque o coração e a mente dos que passam pela Escola Marista, de tal forma que

Leia mais

Sumário 1) CALENDÁRIO ESCOLAR...4 2) HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO ) COMUNICAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA ) SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Sumário 1) CALENDÁRIO ESCOLAR...4 2) HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO ) COMUNICAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA ) SISTEMA DE AVALIAÇÃO 2 Sumário 1) CALENDÁRIO ESCOLAR.....4 2) HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO... 4 3) COMUNICAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA... 5 4) SISTEMA DE AVALIAÇÃO... 5 4.1 Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROET Nº 3 DE 20 DE ABRIL DE Assunto: Recuperação Paralela

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROET Nº 3 DE 20 DE ABRIL DE Assunto: Recuperação Paralela Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico INSTRUÇÃO NORMATIVA PROET Nº 3 DE 20 DE ABRIL DE

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL NO ACRE PROGRAMA EDUCAÇÃO

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL NO ACRE PROGRAMA EDUCAÇÃO SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL NO ACRE PROGRAMA EDUCAÇÃO REGIMENTO DA ESCOLA SESC EDUCAÇÃO INFANTIL e ENSINO FUNDAMENTAL I RIO BRANCO AC, 2016 1 Horário de funcionamento das aulas: Segunda

Leia mais

MANUAL DE INFORMAÇÕES GERAIS

MANUAL DE INFORMAÇÕES GERAIS ACESSE NOSSO SITE: MANUAL DE INFORMAÇÕES GERAIS Colégio Anglo Jacareí Os princípios definidos pelas Diretrizes Curriculares Nacionais assumem relevância nos fundamentos norteadores da prática educativa

Leia mais

NORMATIVA DE AVALIAÇÃO NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IF CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO ENSINO

NORMATIVA DE AVALIAÇÃO NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IF CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NORMATIVA DE AVALIAÇÃO NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IF CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI Estabelece e regulamenta o processo de avaliação nos Cursos Técnicos de Nível Médio nas formas Integrado e Subsequente

Leia mais

Sistema Anglo de Ensino Aula dada/aula estudada

Sistema Anglo de Ensino Aula dada/aula estudada Sistema Anglo de Ensino Aula dada/aula estudada Coleção de Inglês do Fund. II GOT IT da OXFORD Projeto de Vida Material da OPEE Sistema Anglo de Ensino Material Bienal - 1ºs e 2ºs Anos Revisanglo 3ºs Anos

Leia mais

Colégio Stella Maris Laguna SC EMENTA DA DISCIPLINA DE REDAÇÃO 9º ano 2º Trimestre Professora Eveline Silveira

Colégio Stella Maris Laguna SC EMENTA DA DISCIPLINA DE REDAÇÃO 9º ano 2º Trimestre Professora Eveline Silveira Colégio Stella Maris Laguna SC EMENTA DA DISCIPLINA DE REDAÇÃO 9º ano 2º Trimestre Professora Eveline Silveira DATA CONTEÚDOS 30/05 Gênero textual: relatos de memória. Produção textual. 06/06 Interpretação

Leia mais

2 Manual de Monitoria

2 Manual de Monitoria MANUAL DE MONITORIA 1 Manual de Monitoria 2 3 INTRODUÇÃO O presente manual visa proporcionar aos professores orientadores de alunosmonitores das FIPMoc informações sobre a MONITORIA, entendida como possibilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 15/2017

RESOLUÇÃO CONSEPE 15/2017 RESOLUÇÃO CONSEPE 15/2017 Regulamenta o sistema de avaliação do processo de ensino-aprendizagem para os cursos de graduação da Faculdade Guanambi. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa

Leia mais

NORMA Nº 001, de 11 de julho de 2013.

NORMA Nº 001, de 11 de julho de 2013. NORMA Nº 001 de 11 de julho de 2013. Estabelece Normas Referentes à Avaliação do Rendimento Escolar dos alunos do Curso de Medicina O COLEGIADO DO CURSO DE MEDICINA DO CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU DA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

5ª aula 10h55 11h40 6ª aula 11h40 12h25

5ª aula 10h55 11h40 6ª aula 11h40 12h25 01 GRADE CURRICULAR ENSINO MÉDIO Componentes Curriculares INFORMAÇÕES E NORMAS SOBRE O ENSINO MÉDIO 2ª SÉRIE - 2017 Professores Aulas por semana Artes Alexandre, Thaís e 2 Renato Leitura e Produção de

Leia mais

M.A.P.A ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado

M.A.P.A ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado M.A.P.A. 2015 MANUAL DE APOIO A PAIS E ALUNOS 1ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado Descrição O Ensino Médio Integrado é o projeto do COC em que os conteúdos programáticos do Ensino Médio são trabalhados

Leia mais

EDITAL Nº 03/2016 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AOS MÓDULOS DE NIVELAMENTO DA FACULDADE DE QUATRO MARCO - FQM

EDITAL Nº 03/2016 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AOS MÓDULOS DE NIVELAMENTO DA FACULDADE DE QUATRO MARCO - FQM EDITAL Nº 03/2016 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AOS MÓDULOS DE NIVELAMENTO DA FACULDADE DE QUATRO MARCO - FQM 1. ABERTURA A Faculdade de Quatro Marcos FQM, em São José dos Quatro Marcos MT, credenciada pela Portaria

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO REGIME DE AVALIAÇÃO

CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO REGIME DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO 2013-2014 REGIME DE AVALIAÇÃO OBJETO E FINALIDADES 1 - A avaliação incide: a) Sobre as aprendizagens previstas no programa das disciplinas de todas as componentes de formação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02/14 - CEPE De julho de 2014.

RESOLUÇÃO N 02/14 - CEPE De julho de 2014. FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA RESOLUÇÃO N 02/14 - CEPE De julho de 2014. APROVA ALTERAÇÕES NAS NORMAS ACADÊMICAS PARA AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR O Diretor Geral da Faculdade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-metodológicos

Leia mais

Sumário 1) CALENDÁRIO ESCOLAR ) HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO ) COMUNICAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA ) SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Sumário 1) CALENDÁRIO ESCOLAR ) HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO ) COMUNICAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA ) SISTEMA DE AVALIAÇÃO 2 Sumário 1) CALENDÁRIO ESCOLAR... 4 2) HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO... 4 3) COMUNICAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA... 5 4) SISTEMA DE AVALIAÇÃO... 5 4.1 Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1 ao

Leia mais

SISTEMÁTICA DA AVALIAÇÃO DO ENSINO E APRENDIZAGEM NA APRENDIZAGEM. VERSÃO de PARA NOVA DISCUSSÃO EM

SISTEMÁTICA DA AVALIAÇÃO DO ENSINO E APRENDIZAGEM NA APRENDIZAGEM. VERSÃO de PARA NOVA DISCUSSÃO EM SISTEMÁTICA DA AVALIAÇÃO DO ENSINO E APRENDIZAGEM NA APRENDIZAGEM VERSÃO de 14.06.2010 PARA NOVA DISCUSSÃO EM 28.06.2010 Art. A avaliação do ensino e da aprendizagem, como processo intencional, formal

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA UNCISAL

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA UNCISAL PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA UNCISAL No quadro abaixo estão perguntas e respostas sobre possíveis dúvidas encontradas por docentes e discentes, diante da compreensão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Coordenação do Curso de Graduação em Letras Inglês Modalidade à Distância

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Coordenação do Curso de Graduação em Letras Inglês Modalidade à Distância REGULAMENTO DE CURSO Dispõe sobre o Regulamento do Curso de Licenciatura em Letras Inglês na modalidade a distância, tendo como base as discussões e resoluções em reuniões de seu colegiado. A vida acadêmica

Leia mais

INFORMAÇÕES E NORMAS SOBRE O ENSINO FUNDAMENTAL II - 9º ANO

INFORMAÇÕES E NORMAS SOBRE O ENSINO FUNDAMENTAL II - 9º ANO INFORMAÇÕES E NORMAS SOBRE O ENSINO FUNDAMENTAL II - 9º ANO - 2016 NECESSIDADE DE REGRAS Para organização e convivência em qualquer segmento da sociedade se faz necessário a construção de regras que assegurem

Leia mais

Escola Virgem de Lourdes Anos de Educação e Inovação para a Vida

Escola Virgem de Lourdes Anos de Educação e Inovação para a Vida Escola Virgem de Lourdes 2016 63 Anos de Educação e Inovação para a Vida DESEMPENHO DAS 3ª SÉRIES DO ENSINO MÉDIO NO 1º SEMESTRE PLANTÃO PEDAGÓGICO 29 DE AGOSTO DE 2016 Comparações dos resultados entre

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR ADENDO DE ACRÉSCIMO E ALTERAÇÃO nº 02

REGIMENTO ESCOLAR ADENDO DE ACRÉSCIMO E ALTERAÇÃO nº 02 COLÉGIO PAROQUIAL NOSSA SENHORA DO CARMO Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Antônio Felipe, 780 Fone/Fax (44) 3421-8250 Paranavaí PR e-mail: paroquial@colegioparoquial.com.br REGIMENTO ESCOLAR

Leia mais

Calendário o e 2 o Ensino Médio

Calendário o e 2 o Ensino Médio Calendário 2016-1 o e 2 o Ensino Médio Janeiro 28 - Reunião de formatura 1 E.M. 10h 29 - Reunião de apresentação - 2 e 3 E.M 10h Fevereiro 01 - Início das aulas 01 a 05 - Período de sondagem 05 - Último

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente

Avaliação do Desempenho Docente Manuel Pina, Diretor do CFAECIVOB Maio de 2013 Avaliação do Desempenho Docente Autoavaliação e outras questões Notas prévias: Esta apresentação serviu de base a sessões de formação realizadas nas escolas

Leia mais

REGULAMENTO BOLSÃO PRE-ENEM/VEST COLÉGIO CRISTO REI REGULAMENTO N 03, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2016

REGULAMENTO BOLSÃO PRE-ENEM/VEST COLÉGIO CRISTO REI REGULAMENTO N 03, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2016 COLÉGIO CRISTO REI REGULAMENTO BOLSÃO PRE-ENEM/VEST COLÉGIO CRISTO REI - 2017 REGULAMENTO N 03, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2016 Estabelece as normas e diretrizes que regulamentam o Bolsão 2017 para estudantes

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Curso de Teologia. Associação Educacional Batista Pioneira

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Curso de Teologia. Associação Educacional Batista Pioneira REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Teologia Associação Educacional Batista Pioneira 2011 CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é uma disciplina

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA ANO LETIVO DE 2017 2018 PORTUGUÊS

Leia mais

Colégio Militar Dom Pedro II. Ensino Médio ALUNO. Calendário Interno do Ensino Médio

Colégio Militar Dom Pedro II. Ensino Médio ALUNO. Calendário Interno do Ensino Médio Colégio Militar Dom Pedro II JANEIRO 01 0 03 04 05 06 07 08 09 10 11 1 13 14 15 16 17 18 19 0 1 3 4 5 6 7 8 9 30 31 1- Confraternização universal Calendário Interno do Ensino Médio 013 FEVEREIRO 01 0 4

Leia mais

PLANO DE ENSINO Dados da Unidade Curricular

PLANO DE ENSINO Dados da Unidade Curricular PLANO DE ENSINO Dados da Unidade Curricular Unidade Curricular: Sociologia e Filosofia V Curso: CTI em Mecânica Módulo: V Semestre: 2017-2 Forma/Nível: (X) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante (

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO Capítulo I Das disposições preliminares Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade regulamentar

Leia mais

M.A.P.A ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado

M.A.P.A ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado M.A.P.A. 2014 MANUAL DE APOIO A PAIS E ALUNOS 1ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado Descrição O Ensino Médio Integrado é o projeto do COC em que os conteúdos programáticos do Ensino Médio são trabalhados

Leia mais

M.A.P.A MANUAL DE APOIO A PAIS E ALUNOS. 1ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado

M.A.P.A MANUAL DE APOIO A PAIS E ALUNOS. 1ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado M.A.P.A. 2017 MANUAL DE APOIO A PAIS E ALUNOS 1ª e 2ª séries Ensino Médio Integrado Descrição O Ensino Médio Integrado é o projeto do COC em que os conteúdos programáticos do Ensino Médio são trabalhados

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROGRAMA DE MONITORIA Agosto/2010 2 1. O QUE É MONITORIA A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem,

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Reunião de apresentação Ensino Médio I- Filosofia da Instituição Saber, Honra e Disciplina o Construção do saber integral com disciplina e honra; o O lema saber, honra e disciplina

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

AVALIAÇÃO ESCOLAR QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO AVALIAÇÃO ESCOLAR 01. A avaliação entendida como fornecedora de informações, com o objetivo de orientar a prática pedagógica durante o processo de aprendizagem dos estudantes, expressa uma concepção de

Leia mais

ROTINAS ACADÊMICAS REGULAMENTO DA GRADUAÇÃO:

ROTINAS ACADÊMICAS REGULAMENTO DA GRADUAÇÃO: ROTINAS ACADÊMICAS REGULAMENTO DA GRADUAÇÃO: Normas e Procedimentos 1 de 24 AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR DEVOLUÇÃO, INUTILIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO E EXAME FINAL 2 de 24 BASE LEGAL AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Bacharel em Ciências Contábeis. Programas do curso de demais componentes curriculares 1º Período Português Instrumental. Matemática Aplicada II

Bacharel em Ciências Contábeis. Programas do curso de demais componentes curriculares 1º Período Português Instrumental. Matemática Aplicada II Bacharel em Ciências Contábeis Programas do curso de demais componentes curriculares 1º Período Português Instrumental Matemática Aplicada I Teoria Geral da Contabilidade Contabilidade I Responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP PREÂMBULO Este documento tem por objetivo regulamentar o modo de avaliação das unidades curriculares dos primeiros ciclos, dos ciclos de estudos

Leia mais

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município: Boletim da O SARESP 2009 033583 ANTONIO DEVISATE ETE / Município: MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

Tecnólogo em Recursos Humanos

Tecnólogo em Recursos Humanos Tecnólogo em Recursos Humanos Programas do curso de demais componentes curriculares 1º Período Comunicação Empresarial 40 Ética e Cultura Organizacional 40 Empreendedorismo 80 Comportamento Organizacional

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM MODELAGEM DO VESTUÁRIO DO IFRS - CAMPUS ERECHIM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM MODELAGEM DO VESTUÁRIO DO IFRS - CAMPUS ERECHIM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul /Campus Erechim Conselho de Campus

Leia mais

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino Resolução SME nº 13/2012 de 26 de novembro de 2012 Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino ARACIANA ROVAI CARDOSO DALFRÉ, Secretária Municipal da Educação, NO EXERCÍCIO

Leia mais

EDITAL Nº 39, de Agosto de 2013.

EDITAL Nº 39, de Agosto de 2013. EDITAL Nº 39, de Agosto de 2013. ABRE PROCESSO PARA APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO NA MODALIDADE SUBSEQÜENTE E PARA O CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA A Direção de Ensino

Leia mais

Bacharel em Teologia

Bacharel em Teologia Bacharel em Teologia Programas do curso de demais componentes curriculares 1º Período INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA 40 INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 80 CIÊNCIAS DAS RELIGIÕES 80 INTRODUÇÃO Á TEOLOGIA 40 FUNDAMENTOS

Leia mais

Escola de Direito de Brasília GRADUAÇÃO

Escola de Direito de Brasília GRADUAÇÃO Instituto Brasiliense de Direito Público Escola de Direito de Brasília GRADUAÇÃO Instituto Brasiliense de Direito Público Escola de Direito de Brasília Visite o nosso site: www.idp.edu.br GRADUAÇÃO Direito

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2016 Direção de Ensino EXAME DE PROFICIÊNCIA

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2016 Direção de Ensino EXAME DE PROFICIÊNCIA Serviço Público Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Câmpus Urutaí ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2016 Direção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA. Estágio Eletivo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA. Estágio Eletivo Estágio Eletivo UBERLÂNDIA-MG 2015 ESTÁGIO ELETIVO O Estágio Supervisionado Eletivo poderá direcionar o aprendizado para atualização e aprimoramento individual em especialidades médicas ou área específica

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: FORMA/GRAU:( x)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: (x) Presencial

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

Calendário do 3º trimestre 2017

Calendário do 3º trimestre 2017 6º ANO 11/09 14/09 18/09 20/09 Matemática Português Produção de Texto História 05/10 10/10 17/10 19/10 Ed. física Espanhol Filosofia Geografia O Teste de Ciências será substituído por apresentações de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO DE 2017/2018 PORTUGUÊS

Leia mais

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009 Boletim da O SARESP 2009 012063 ALFREDO REIS VIEGAS DR / : SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS

CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS 2017 - CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE LETRAS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FACULDADE LS ATUALIZA O SEU PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL (PPI), O SEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) E REVITALIZA SUA MISSÃO, VISÃO E VALORES. DESSE MODO,

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

Resumo dos Principais Pontos do Regimento, do Calendário, do Plano Escolar e da Matriz Curricular do Ensino Fundamental Ciclo I

Resumo dos Principais Pontos do Regimento, do Calendário, do Plano Escolar e da Matriz Curricular do Ensino Fundamental Ciclo I Resumo dos Principais Pontos do Regimento, do Calendário, do Plano Escolar e da Matriz Curricular do Ensino Fundamental Ciclo I 1. ENTRADA DOS ALUNOS NA ESCOLA O(a) aluno(a) deverá estar na escola no horário

Leia mais

O Diretor Geral do Instituto Federal Catarinense Câmpus Rio do Sul, no uso das suas atribuições,

O Diretor Geral do Instituto Federal Catarinense Câmpus Rio do Sul, no uso das suas atribuições, INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Nº 01/2012 Dispõe sobre as normas para elaboração, trâmite, análise e aprovação dos Planos de Ensino dos Cursos de Educação Profissional Técnica de Nível

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JOSÉ DOMINGUES DOS SANTOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JOSÉ DOMINGUES DOS SANTOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação enquanto elemento integrante da prática letiva deve basear-se na seleção de objetivos e competências definidas por disciplina e ano curricular que, orientarão

Leia mais