CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços"

Transcrição

1

2 CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: Poucos Avanços DESAFIOS NEM SEMPRE ATUAIS PROFA. DRA. MARIA INÊS FINI

3 Currículo (implícito ou explícito) Brasil Avaliação da Educação Básica Prova Série Regularidade Foco Resultados Lista de conteúdos indicado pelas SEE estaduais em 1996 como currículo SAEB ANEB 5ª, 9ª (EF) 3ª (EM) Cada 2 anos Início 1995 L. Portuguesa (leitura) Matemática SISTEMAS Idem ao SAEB Prova Brasil ANRESC Matriz divulgada 5ª, 9ª (EF) 9 ( EF) ANA Cada 2 anos Início 2005 Experimental em 2013 Amostral em 2012 Universal em 2013 L. Portuguesa (leitura) Matemática Ciências Alfabetização ESCOLAS Escolas Princípios da LDB e disciplinas fundamentais do currículo do ensino médio ENEM 3ª (EM) egressos Anual Início 1998 Multidisciplinar Redação Indivíduo Escolas desde 2005 Competências de áreas indicadas nas diretrizes do fundamental e médio ENCCEJA EF e EM 2002, 2006, 2007, 2008 Todas as áreas Certificação individual de nível de ensino Habilidades reduzidas das matrizes das áreas do ENCCEJA ensino médio mais lista de conteúdos das disciplinas NOVO ENEM (ENEM + ENCCEJA) 3ª (EM) egressos 2009, 2010, 2011,... Todas as áreas (disciplinas) EM Indivíduo Certificação Universidades Avaliação das escolas de EM Referencial próprio de habilidades para suporte à resolução de problemas nas áreas especificas PISA (OECD) 15 anos 2000, 2003, 2006, 2009,... Letramento em Leitura, Matemática, Ciências, Resolução de problemas Sistema Nacional

4 Currículo nacional para a educação básica Dilemas antigos e ainda atuais 1 Deve haver um currículo nacional? 2 Quem o define? 3 O acesso a uma base comum de conhecimentos, valores e habilidades, pode ser válido para sociedades altamente heterogêneas como a nossa? 4 Qual é o tamanho ideal do currículo? Deve ser exaustivo? Como selecionar? 5 O Currículo deve ser fechado, meio aberto ou totalmente aberto? 6 Qual é o modelo de organização curricular mais adequado? 7 Qual é o ponto de partida para repensar o currículo nacional?

5 Como São Paulo enfrentou esses dilemas a partir de 2007

6 SÃO PAULO 2007: REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR Dentro do plano das 10 metas: Apoio aos professores para enfrentar o problema do desempenho insuficiente dos alunos. Construir ou reconstruir a Proposta Curricular do Estado de São Paulo

7 Currículo da Educação Básica Todos os referenciais estão dados pela LDB, Parâmetros e Diretrizes Nacionais. Cada sistema tem o dever de propor o seu currículo, e as escolas dentro de cada sistema, a sua proposta pedagógica. Anunciar claramente à sociedade quais são as expectativas de aprendizagem desejáveis em cada série, ciclo e disciplina.

8 PROJETOS LER E ESCREVER - 1 ao 5 SÃO PAULO FAZ ESCOLA - 6º ao 9º ano e Ensino Médio Princípios da organização curricular Currículo é cultura. Currículo referido a competências. Currículo que tem como prioridade a competência leitora e escritora. Currículo que articula as competências para aprender. Currículo contextualizado no mundo do trabalho.

9 ESTRUTURA DOS MATERIAIS DE APOIO Propostas Curriculares (13 cadernos) Cadernos do Gestor (8 cadernos, 3 por ano) Cadernos do Professor (268 cadernos por ano,13 cadernos x 4 volumes x séries) Cadernos do Aluno (268 cadernos por ano, 13 cadernos x 4 volumes x séries) Cadernos de Recuperação Intensiva e Paralela (5 jornais e 10 revistas em 2008 e 10 cadernos em 2009)

10 ESTRUTURA DOS MATERIAIS DE APOIO 542 originais para impressão para professores e gestores, totalizando mais de páginas. 268 vídeos para orientação do trabalho docente, por bimestre/disciplina disponíveis por streaming. 04 conjuntos de CDs/DVDs com textos, imagens e áudios para apoio ao trabalho docente. 1 site interativo e informativo (http://www.saopaulofazesola.sp.gov.br) Aplicativo para registro de experiências de gestão do currículo (escola e sala de aula);ferramentas de trabalho colaborativo entre as equipes; ferramentas de pesquisa junto à rede.

11 IMPLEMENTAÇÃO: principais ações de apoio Criação de funções de coordenadores pedagógicos. Grande mobilização de professores, diretores, dirigentes, PcOPs e professores coordenadores, em Seminários, Encontros de Capacitação presenciais e à distancia pela Rede do Saber, Minicursos no Programa A Rede Aprende com a Rede, etc. Diversificação curricular do ensino médio com os Programas: Apoio à Continuidade de Estudos e PEP Programa de Educação Profissional. Criação do Programa de Especialização da Formação Docente REDEFOR, em parceria com as universidades públicas paulistas. Criação do IDESP e da política de bônus por desempenho para valorização do professor. Realização de concursos para a valorização do professor por mérito. Criação da Escola do Professor. Adequação do SARESP.

12 SARESP Avaliação externa da Educação Básica, realizada desde A partir de 2007, articulação expicita com o currículo os resultados da avaliação do Saresp em Língua Portuguesa e em Matemática são passíveis de comparação com aqueles da avaliação nacional. (Saeb/Prova Brasil) e aos resultados do próprio Saresp ano após ano. Itens pré-testados; Provas calibradas; Habilidades comuns às do SAEB; Questionários sobre fatores associados. Desde 2009 as redes municipais e particulares puderam aderir ao SARESP. Anualmente, avaliação em Língua Portuguesa e Matemática para compor o programa de Gestão por Resultados, com alternância entre as disciplinas das áreas de Ciências da Natureza e Ciências Humanas, nas 2ª, 4ª, 6ª e 8ª séries do EF e na 3ª série do EM. Correção externa de amostra das redações e de questões abertas em Matemática. Matrizes de Referência para a Avaliação (5 volumes) Documentos com exemplos comentados de itens de medem todas as habilidades. Relatórios pedagógicos (6 volumes, sendo 3 por ano) VALIDAÇÃO, CAPACITAÇÃO, DIA DO SARESP NA ESCOLA.

13 Em São Paulo, a partir de 2007, o desempenho insuficiente dos alunos foi inserido como problema a ser enfrentado: ao nível central das políticas públicas, ao nível centralizado de gestão da rede, de gestão da escola, de coordenação e supervisão pedagógica, e ao nível da gestão da aprendizagem pelo professor e da sala de aula. Entretanto, a evolução do desempenho dos alunos de São Paulo ainda não é significativa.

14 Onde falhou? Os esforços para criação e implantação do currículo não foram adequados? Ou suficientes? O tempo pedagógico de implementação deveria ser maior? A ênfase nas politicas curriculares não tiveram continuidade? A quebra de concentração dos esforços nas ações de implementação é uma das responsáveis?

15 São características próprias da organização do sistema? ou São as características da sociedade do conhecimento que impactam no modelo de escola que temos?

16 Contexto: Vivemos numa cultura digital, num oceano de informações, num sistema muito heterogêneo, com as redes interativas de comunicação, em sistemas abertos e dinâmicos, acessíveis a qualquer momento e em qualquer lugar. A educação passa a estar ao alcance de todos num espaço aberto e contínuo e num tempo flexível e não linear. O que fazer para não perder o locus da escola formal?

17 Uma mudança radical se impõe desde sua organização física até seus tempos e espaços curriculares. Muitos pensadores modernos afirmam que deveríamos ter uma organização curricular comum para todas as escolas que precisariam ter a autonomia para complementa-la, enriquecendo-a com suas possibilidades, a partir de projetos compartilhados com a comunidade, onde os saberes constituídos apoiariam seus desenvolvimentos, numa aprendizagem personalizada e cooperativa, que permitissem aos alunos desenvolver as estruturas para aprender a aprender, sempre, depois da escola. Ensinar passaria a ser a organização e a regência de condições facilitadoras do desenvolvimento dos alunos.

18 Já se aceita, felizmente, que o currículo deve comprometer-se para além da transmissão de conteúdos. Espera-se que as propostas curriculares superem a divisão estanque das disciplinas, anunciem claramente o que está previsto nas trajetórias curriculares dos alunos; englobem o monitoramento do desenvolvimento de competências cognitivas e também as sociais e de comunicação, como formalizadas nas discussões mais modernas das Cross curricular competences ou competências transcurriculares.

19 Dilema Novo e Atual: Quem deve comandar a construção de um currículo nacional e a necessária adequação dos sistemas de avaliação a esse currículo?

20 Obrigada,

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini

CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini CURRÍCULO E AVALIAÇÃO: O QUE AINDA FALTA DIZER E FAZER? Maria Inês Fini 0 Currículo e Avaliação Com quase 20 anos de implantação de uma cultura estruturada de avaliação, sabemos avaliar. Com mais de 20

Leia mais

Profa. Dra. Maria Inês Fini

Profa. Dra. Maria Inês Fini Profa. Dra. Maria Inês Fini 1 Um dos maiores desafios a serem enfrentados pelas escolas de educação básica na última década é o estabelecimento de uma política para a educação básica formal no Brasil para

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental 2.900.000 Ensino Médio 1.500.000 EJA 600.000

Leia mais

Bonificação por Desempenho

Bonificação por Desempenho Bonificação por Desempenho Sistema Educacional do Estado de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª a 3ª séries) 1.500.000 EJA 700.000 Total 5.100.000

Leia mais

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município: Boletim da O SARESP 2009 033583 ANTONIO DEVISATE ETE / Município: MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual. SARESP Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo Avaliação de Aprendizagem em Processo

Leia mais

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Maria Conceição Conholato Instrumentais AVALIAÇÃO Cadernos de Prova

Leia mais

Uma renovação curricular muito além do currículo

Uma renovação curricular muito além do currículo Artigo Uma renovação curricular muito além do currículo Maria Helena Guimarães de Castro Maria Inês Fini A Diversificação do Currículo do Ensino Médio na rede pública de São Paulo é uma proposta para apoiar

Leia mais

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ /

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ / 89 Objetivos ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/1998 2000/2001 2002 2003 2004 2005 Em 2000: Obter Em 2002 2 : Em 2003 4 : Obter indicadores informações que diagnosticar o Promover uma educacionais

Leia mais

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009

Boletim da Escola ALFREDO REIS VIEGAS DR Diretoria de Ensino / Município: SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: CEI O SARESP 2009 Boletim da O SARESP 2009 012063 ALFREDO REIS VIEGAS DR / : SAO VICENTE / PRAIA GRANDE Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG PAUTA Apresentação geral. Concepções de alfabetização e letramento. Detalhamento dos procedimentos avaliativos. Análise

Leia mais

Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB. 23/03/ h30 17h30

Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB. 23/03/ h30 17h30 Videoconferência Apresentação do Projeto Aventuras Currículo+ aos Diretores Escolares CETEC/CGEB 23/03/2015 15h30 17h30 Roteiro 1. Apresentação: Projeto Aventuras Currículo+ 2. Apresentação: diretrizes

Leia mais

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas EQUIPE Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas Estudos & Pesquisas Fundação Victor Civita (FVC) 2007-2012 18 estudos Formatos: relatório,

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG Estrutura da Apresentação Cenário das Avaliações em larga escala, no Brasil, implementadas pela União, no contexto da

Leia mais

Características Educação SESI

Características Educação SESI EDUCAÇÃO SESI Características Educação SESI Atendimento prioritário ao Trabalhador da indústria e seus dependentes Gratuidade nos cursos EJA Atuação nas 27 Unidades Federativas 32% de evasão na EJA Cenário

Leia mais

Formação Descentralizada para Professores de Educação Física e Arte nos Polos

Formação Descentralizada para Professores de Educação Física e Arte nos Polos SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Educação Escola de Formação de Professores PAULO RENATO COSTA SOUZA Formação Descentralizada para Professores

Leia mais

O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO

O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO O ESTUDO DE FUNÇÕES NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM PROCESSO RELATO SOBRE UM GRUPO DE ESTUDOS Mestranda : Vera Mônica Ribeiro Orientadora: Nielce Lobo da Costa Copyright RIBEIRO, Vera M.; LOBO da COSTA,

Leia mais

Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação. Guiomar Namo de Mello 06 de outubro de 2009

Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação. Guiomar Namo de Mello 06 de outubro de 2009 Líderes em Gestão Escolar 2º seminário Currículo, padrões educacionais e legislação Guiomar Namo de Mello 06 de outubro de 2009 CURRÍCULO: O ALINHAMENTO NECESSÁRIO 1 A educação escolar básica como política

Leia mais

A Educação Profissional Técnica e sua forma de oferecimento integrada ao Ensino Médio

A Educação Profissional Técnica e sua forma de oferecimento integrada ao Ensino Médio A Educação Profissional Técnica e sua forma de oferecimento integrada ao Ensino Médio Seminário Desafios Curriculares do Ensino Médio Fernanda Mello Demai Diretora de Departamento Grupo de Formulação e

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

Atividades no COINES 2016 O INES de Portas Abertas

Atividades no COINES 2016 O INES de Portas Abertas Atividades no COINES 2016 O INES de Portas Abertas TURNO TÍTULO Vagas para sorteio externo OFICINA: O INTÉRPRETE DE LIBRAS NO TEATRO. 12 MINICURSO: LITERATURA SURDA: ESTRATÉGIAS TRADUTÓRIAS DE INCORPORAÇÃO

Leia mais

Diretoria de Ensino Região de São Bernardo do Campo Núcleo Pedagógico

Diretoria de Ensino Região de São Bernardo do Campo Núcleo Pedagógico Equipe Melhor Gestão Melhor Ensino Ciências da Natureza SBC Encontros Presenciais Charlene Profª de Ciências/Química PC do EM da EE Pe. Alexandre Grigoli Erica Prof. de Ciências/Química PCNP de Ciências

Leia mais

Teste Cognitivo do Programa Brasil Alfabetizado (Leitura, escrita e matemática)

Teste Cognitivo do Programa Brasil Alfabetizado (Leitura, escrita e matemática) Teste Cognitivo do Programa Brasil Alfabetizado (Leitura, escrita e matemática) Congreso Iberoamericano de Educación Permanente y técnico profisional Asunción, Paraguay 27 y 28 de setiembre de 2011 Dra.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015 DESCRIÇÃO DOS MATERIAIS 2015 Caderno de apresentação. Caderno para gestores e equipe pedagógica

Leia mais

Avaliação Nacional da Alfabetização ANA

Avaliação Nacional da Alfabetização ANA Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Avaliação Nacional da Alfabetização ANA Diretoria de Avaliaçaõ da Educação Básica CGEC DAEB - INEP Maio de

Leia mais

Avaliação em Políticas Públicas e em Educação

Avaliação em Políticas Públicas e em Educação Avaliação em Políticas Públicas e em Educação Claudia Costin Requisitos para uma política pública eficaz Capacidade de formulação, a partir de problemas que a realidade apresenta. Fixação de metas mensuráveis,

Leia mais

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará Política Educacional: A experiência de Sobral/CE Sobral - Ceará Ponto de partida Resultado da avaliação de leitura com alunos de 2ª série Final de 2000 48% não liam textos, frases e nem palavras 48,0%

Leia mais

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas Avaliação da Educação Básica no Brasil Maria Inês Fini Slide 1 Avaliação Educacional no Brasil Década de 90 Estruturação e Desenvolvimento dos Sistemas de Avaliação e de Informação da Educação Básica e

Leia mais

Educação no Brasil para o século XXI. Claudia Costin

Educação no Brasil para o século XXI. Claudia Costin Educação no Brasil para o século XXI Claudia Costin Avanços e Desafios Brasil é a 6ª economia no mundo, mas apenas a 53ª em Educação (PISA 2009) Por que? Alguns dados sobre a Educação no Brasil Brasil

Leia mais

Projetos educacionais inovadores com metodologias ativas. José Moran www2.eca.usp.br/moran

Projetos educacionais inovadores com metodologias ativas. José Moran www2.eca.usp.br/moran Projetos educacionais inovadores com metodologias ativas José Moran www2.eca.usp.br/moran moran10@gmail.com www2.eca.usp.br/moran Educação Inovadora www2.eca.usp.br/moran/?page_id=29 Universidades defasadas

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Expectativas de aprendizagem: transposição do currículo prescrito para a prática docente Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Professor(es) Apresentador(es): ALEX SILVIO DE

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

Caderno de apoio. Gestores Escolares

Caderno de apoio. Gestores Escolares Caderno de apoio Gestores Escolares 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Escola Digital e os Gestores Escolares... 4 AÇÕES DO DIRETOR ESCOLAR Navegue pela plataforma... 4 Analise resultados e escolha projetos pedagógicos...

Leia mais

Da Educação Infantil ao Simulados Pré-vestibular, o Sistema de Ensino Poliedro oferece coleções de livros didáticos elaborados por autores

Da Educação Infantil ao Simulados Pré-vestibular, o Sistema de Ensino Poliedro oferece coleções de livros didáticos elaborados por autores Da Educação Infantil ao Pré-vestibular, o Sistema de Ensino Poliedro oferece coleções de livros didáticos elaborados por autores especialistas e com experiência em sala de aula, o que possibilita o desenvolvimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Educação SECRETARIA DA DA EDUCAÇÃO Contextualização EDUCAÇÃO COMPROMISSO DE SÃO PAULO Programa Educação - Compromisso de São Paulo Institui 5 pilares para a

Leia mais

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes Maria Beatriz Mandelert Padovani

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes Maria Beatriz Mandelert Padovani NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes Maria Beatriz Mandelert Padovani Construção da Política Nacional Curricular MOMENTO ATUAL Fundamentos

Leia mais

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Apresentação do Plano de Ação do ETAPA Núcleo Pedagógico aos Supervisores Reunião com Diretores e Professores ETAPA Coordenadores ETAPA COM OS PROFESSORES Refletir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Proposta: unificação dos processos seletivos das Instituições Federais de Ensino Superior a partir da reestruturação

Leia mais

Escola Virgem de Lourdes Anos de Educação e Inovação para a Vida

Escola Virgem de Lourdes Anos de Educação e Inovação para a Vida Escola Virgem de Lourdes 2016 63 Anos de Educação e Inovação para a Vida DESEMPENHO DAS 3ª SÉRIES DO ENSINO MÉDIO NO 1º SEMESTRE PLANTÃO PEDAGÓGICO 29 DE AGOSTO DE 2016 Comparações dos resultados entre

Leia mais

COOPERAÇÃO EM REDE E PARCERIAS INTERNACIONAIS INOVADORAS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO E APRENDIZAGEM DE PESSOAS ADULTOS

COOPERAÇÃO EM REDE E PARCERIAS INTERNACIONAIS INOVADORAS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO E APRENDIZAGEM DE PESSOAS ADULTOS COOPERAÇÃO EM REDE E PARCERIAS INTERNACIONAIS INOVADORAS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO E APRENDIZAGEM DE PESSOAS ADULTOS Cooperação triangular Canárias, Cabo Verde e Guiné-Bissau, através da Formação a Distância

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases

Lei de Diretrizes e Bases Lei de Diretrizes e Bases 01. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases, a avaliação do desempenho do aluno deverá ser contínua e cumulativa, considerando-se a: a) prevalência dos aspectos quantitativos sobre

Leia mais

Disponibiliza para todos os alunos da 3ª Série do Ensino Médio, a plataforma Hora do Enem.

Disponibiliza para todos os alunos da 3ª Série do Ensino Médio, a plataforma Hora do Enem. Em parceria com o MEC Disponibiliza para todos os alunos da 3ª Série do Ensino Médio, a plataforma Hora do Enem. /2*2 REUNIÃO CONSED 14 DE ABRIL 2016 LOGO O QUE É HORA DO ENEM? PROGRAMA NACIONAL DE PREPARAÇÃO

Leia mais

Gestão da política educacional: o caso do município do Rio

Gestão da política educacional: o caso do município do Rio Gestão da política educacional: o caso do município do Rio Claudia Costin Diagnóstico da rede do Rio de Janeiro em 2009 IDEB bom, mas notas da Prova Brasil em queda Professores de bom nível mas insuficientes

Leia mais

FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1

FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1 FOCO APRENDIZAGEM TUNEDUC < 1 Plataforma Foco Aprendizagem Inovação na devolutiva dos resultados das avaliações de desempenho na Rede Estadual 01 02 03 04 Introdução Contexto Plataforma Foco Resultados

Leia mais

SEMANA DO SARESP/SAEB

SEMANA DO SARESP/SAEB SEMANA DO SARESP/SAEB Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional CIMA Departamento de Avaliação Educacional DAVED GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO em parceria com Coordenadoria de

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

Seminário Políticas Públicas de Educação Integral no Ensino Médio. São Paulo, 02 de Agosto de 2016

Seminário Políticas Públicas de Educação Integral no Ensino Médio. São Paulo, 02 de Agosto de 2016 Seminário Políticas Públicas de Educação Integral no Ensino Médio São Paulo, 02 de Agosto de 2016 Um Modelo de Escola em Tempo Integral para o Brasil Concepção dos Princípios e Metodologias PROJETO ESCOLAR

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

Trajetórias Educacionais no Brasil e o Novo Enem. Reynaldo Fernandes INEP/MEC

Trajetórias Educacionais no Brasil e o Novo Enem. Reynaldo Fernandes INEP/MEC Trajetórias Educacionais no Brasil e o Novo Enem Reynaldo Fernandes INEP/MEC São Paulo - SP - 2009 Sistema de Ensino Desenho Todo sistema educacional maduro se inicia com letramento e numeramento e finaliza

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio. 16 de Outubro de Brasília

Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio. 16 de Outubro de Brasília Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio 16 de Outubro de 2013 - Brasília Sistema da Educação Básica Saeb O Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) tem como principal objetivo avaliar

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

ARTICULAÇÃO CURRICULAR E TRABALHO COLABORATIVO

ARTICULAÇÃO CURRICULAR E TRABALHO COLABORATIVO ARTICULAÇÃO CURRICULAR E TRABALHO COLABORATIVO PONTES PARA UMA PROFISSIONALIDADE DOCENTE MAIS PARTILHADA Carla Guilherme e Filipe Cardoso Universidade Católica Portuguesa Porto 27 de junho de 2012 Resumo

Leia mais

Carta de princípios. O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe:

Carta de princípios. O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe: Carta de princípios O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe: Um Novo Modelo de Ensino Médio a ser adotado por todas os sistemas de ensino e que considera trajetórias flexíveis na formação do

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

TRÊS GERAÇÕES DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL INTERFACES COM O CURRÍCULO DA/NA ESCOLA

TRÊS GERAÇÕES DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL INTERFACES COM O CURRÍCULO DA/NA ESCOLA TRÊS GERAÇÕES DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL INTERFACES COM O CURRÍCULO DA/NA ESCOLA BONAMINO, Alícia; SOUZA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 Instrumento para avaliação do curso de graduação em Ciências Econômicas por parte dos docentes que nele ministraram alguma disciplina durante o ano letivo

Leia mais

DEPA Setor de Educação de Adultos. Explorando o Portal Área do Educador

DEPA Setor de Educação de Adultos. Explorando o Portal Área do Educador DEPA Setor de Educação de Adultos Explorando o Portal EJ@: Área do Educador Pauta do dia: Retomando a visão geral do Portal Explorando a Área do Educador Participação interativa Dúvidas gerais Portal EJ@

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº / Praça Cel. Zeca Leite, nº. 415 Centro CEP: Brumado-BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº / Praça Cel. Zeca Leite, nº. 415 Centro CEP: Brumado-BA PROJETO DE LEI Nº 012/2010. Dispõe sobre a alteração do Sistema Municipal de de Brumado para a implantação do de 9 (nove) anos, a partir de 2010 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUMADO,

Leia mais

Avaliação no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa PNAIC

Avaliação no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa PNAIC Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Avaliação no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa PNAIC Coordenação Geral de Concepções e Análises

Leia mais

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS ATUAÇÃO DA CPA Avaliação do ensino superior Roteiro Avaliação do Ensino Superior Legislação SINAES Autoavaliação Institucional Dimensões Autoavaliação na UFMS Instrumentos AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

NOVIDADE SM. para o Ensino Fundamental I. SM, a melhor. Um guia completo para você, educador, entender as coleções integradas e disciplinares.

NOVIDADE SM. para o Ensino Fundamental I. SM, a melhor. Um guia completo para você, educador, entender as coleções integradas e disciplinares. NOVIDADE SM para o Ensino Fundamental I Um guia completo para você, educador, entender as coleções integradas e disciplinares. SM, a melhor O s anos de 2004 e 2005 foram marcantes para a definição, o planejamento

Leia mais

UM PROCESSO FORMATIVO PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO SOBRE AVALIAÇÃO: POSSIBILIDADES PARA REFLEXÕES

UM PROCESSO FORMATIVO PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO SOBRE AVALIAÇÃO: POSSIBILIDADES PARA REFLEXÕES Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades UM PROCESSO FORMATIVO PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO SOBRE AVALIAÇÃO: POSSIBILIDADES PARA REFLEXÕES Vera Mônica Ribeiro Universidade

Leia mais

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Cada segmento tem sua característica Educação Infantil: - desenvolvimento dos padrões de aprendizagem. Ensino Fundamental: - domínio de conceitos essenciais

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC)

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) Análise da segunda versão ANÁLISE GERAL Principais pontos de atenção nas etapas e componentes curriculares foco no essencial O documento está muito extenso, com excesso

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal UFJF Abril 2012 MSI Tech Support (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 12 Realização

Leia mais

CURSO: ACOMPANHAMENTO DA PRÁTICA EDUCATIVA

CURSO: ACOMPANHAMENTO DA PRÁTICA EDUCATIVA CURSO: ACOMPANHAMENTO DA PRÁTICA EDUCATIVA Introdução Uma pesquisa realizada pela Fundação Carlos Chagas indica que a maioria dos coordenadores pedagógicos deixam de fazer o acompanhamento da prática educativa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

Quais os principais desafios. do contexto atual. Juventude

Quais os principais desafios. do contexto atual. Juventude Novo Ensino Médio Novo Ensino Médio Como o Novo EM garante uma educação que promova o pleno desenvolvimento, o preparo para o exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho previstos na CF/88

Leia mais

José Alexandre Cavalcanti Vasco Superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores Comissão de Valores Mobiliários

José Alexandre Cavalcanti Vasco Superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores Comissão de Valores Mobiliários José Alexandre Cavalcanti Vasco Superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores Comissão de Valores Mobiliários Origem e escolhas Origem: Deliberação COREMEC nº 3 de 31 de maio de 2007 Escolhas:

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

LATIM ORIGEM E ABRANGÊNCIA CURSO, PERCURSO, ATO DE CORRER

LATIM ORIGEM E ABRANGÊNCIA CURSO, PERCURSO, ATO DE CORRER O CURRÍCULO O que é currículo? Etimologicamente o termo currículo encontra a sua raiz na palavra latina curriculum, derivada do verbo currere, que significa caminho ou percurso a seguir. CURRICULUM = LATIM

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIONAL NORTE 2 CURSO FOCO APRENDIZAGEM PLANO DE INTERVENÇÃO DER NORTE 2 FOCO APRENDIZAGEM

DIRETORIA DE ENSINO REGIONAL NORTE 2 CURSO FOCO APRENDIZAGEM PLANO DE INTERVENÇÃO DER NORTE 2 FOCO APRENDIZAGEM DIRETORIA DE ENSINO REGIONAL NORTE 2 CURSO FOCO APRENDIZAGEM PLANO DE INTERVENÇÃO DER NORTE 2 (...) para ser democrática, a escola tem de ser igualmente acessível a todos, diversa no tratamento a cada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROFESSORA NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias Componente

Leia mais

Edição Mirna França da Silva de Araújo Coordenação de Formação de Professores DAGE/SEB/MEC

Edição Mirna França da Silva de Araújo Coordenação de Formação de Professores DAGE/SEB/MEC Edição 2015 Mirna França da Silva de Araújo Coordenação de Formação de Professores DAGE/SEB/MEC PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS GERAIS PARA ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL DE 2015 O Programa Pacto Nacional pela Alfabetização

Leia mais

CICLO DE Aprendizagem DESAFIOS E PERSPECTIVAS

CICLO DE Aprendizagem DESAFIOS E PERSPECTIVAS CICLO DE Aprendizagem DESAFIOS E PERSPECTIVAS O QUE É CICLO? Utiliza-se na Educação brasileira a palavra ciclo para designar cada um dos níveis em que se divide o tempo do ensino público. Orientase pela

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais

PROJETO TUTOR UNIVERSITÁRIO. 1. Objetivo e escopo do projeto-piloto

PROJETO TUTOR UNIVERSITÁRIO. 1. Objetivo e escopo do projeto-piloto PROJETO TUTOR UNIVERSITÁRIO 1. Objetivo e escopo do projeto-piloto O Tutor Universitário é um programa-piloto proposto pelo Fórum das Entidades Representantes do Ensino Superior, para desenvolver o conhecimento

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial NOME DO CURSO: O Ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para estudantes surdos e/ou com deficiência auditiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código

Leia mais

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio Prezado(a) diretor(a) e coordenador(a), São Paulo, janeiro de 2017. Comunicamos que, em 2017, o Sistema Mackenzie de Ensino disponibilizará às escolas parceiras os materiais didáticos que servirão de apoio

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO O trabalho desenvolvido na disciplina de,, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências linguística-comunicativas s domínios do oral e do escrito, competências de

Leia mais

F1.51.C4: uma experiência a partir do Ensino Híbrido EE Comendador Emílio Romi

F1.51.C4: uma experiência a partir do Ensino Híbrido EE Comendador Emílio Romi e-du.c@ç@o F1.51.C4: uma experiência a partir do Ensino Híbrido EE Comendador Emílio Romi Professor(es) Apresentador(es): Rodrigo Fukugauti Realização: Foco do Projeto Este projeto é uma iniciativa pessoal

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

Diretoria Regional de Ensino de Diadema Núcleo Pedagógico

Diretoria Regional de Ensino de Diadema Núcleo Pedagógico Pauta - Manhã Objetivos do encontro; Resultados da AAP; Análise de questões; Competência Leitora; SED e Foco Aprendizagem; Resolução 40. Objetivos Buscar caminhos para a melhoria do desempenho escolar;

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

Educação por Competências. Dezembro de 2014

Educação por Competências. Dezembro de 2014 Educação por Competências Dezembro de 2014 Vale a pena ser ensinado (na escola) tudo o que une e tudo o que liberta. Tudo o que une, isto é, tudo o que integra cada indivíduo num espaço de cultura e de

Leia mais

Situar as relações entre o ensino de língua portuguesa e a PROVA BRASIL.

Situar as relações entre o ensino de língua portuguesa e a PROVA BRASIL. Roteiro original elaborado por Magda Soares para a sua palestra no SEMINÁRIO APROVA BRASIL, realizado em Belo Horizonte, MG, no dia 11 de maio de 2010. 1 FUNDAÇÃO SANTILLANA EDITORA MODERNA A PROVA BRASIL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

Início da aprendizagem bilíngue 2 professoras em sala - línguas alemã e portuguesa

Início da aprendizagem bilíngue 2 professoras em sala - línguas alemã e portuguesa 2014-2027 Nós preparamos os alunos para a vida em uma sociedade globalizada, caracterizada pela competitividade. O ensino de línguas e o encontro com outras culturas, principalmente a divulgação da língua

Leia mais

Quanto à estrutura, os projetos deverão ser elaborados baseados nos itens abaixo destacados:

Quanto à estrutura, os projetos deverão ser elaborados baseados nos itens abaixo destacados: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO VICENTE Rua: João Ramalho, 378 Centro São Vicente/SP CEP 11310-050 Telefone (13) 3569-1813 COMUNICADO

Leia mais