Anexo 1 As principais Teorias de Aprendizagem e Instrução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 1 As principais Teorias de Aprendizagem e Instrução"

Transcrição

1 Anexo 1 As principais Teorias de Aprendizagem e Instrução ACT* (J. Anderson) - Adult Learning Theory (P. Cross) - Algo-Heuristic Theory (L. Landa) - Andragogy (M. Knowles) - Anchored Instruction (J. Bransford & the CTGV) - Aptitude-Treatment Interaction (L. Cronbach & R. Snow) - Attribution Theory (B. Weiner) - Cognitive Dissonance Theory (L. Festinger) - Cognitive Flexibility Theory (R. Spiro) - Cognitive Load Theory (J. Sweller) - Component Display Theory (M.D. Merrill) - Conditions of Learning (R. Gagne) - Connectionism (E. Thorndike) - Constructivist Theory (J. Bruner) - Contiguity Theory (E. Guthrie) - Conversation Theory (G. Pask) - Criterion Referenced Instruction (R. Mager) - Double Loop Learning (C. Argyris) - Drive Reduction Theory (C. Hull) - Dual Coding Theory (A. Paivio) - Elaboration Theory (C. Reigeluth) - Experiential Learning (C. Rogers) - Functional Context Theory (T. Sticht) - Genetic Epistemology (J. Piaget)

2 Gestalt Theory (M. Wertheimer) - GOMS (Card, Moran & Newell) - GPS (A. Newell & H. Simon) - Information Pickup Theory (J.J. Gibson) - Information Processing Theory (G.A. Miller) - Lateral Thinking (E. DeBono) - Levels of Processing (Craik & Lockhart) - Mathematical Learning Theory (R.C. Atkinson) - Mathematical Problem Solving (A. Schoenfeld) - Minimalism (J. M. Carroll) - Model Centered Instruction and Design Layering (A.Gibbons) - Modes of Learning (D. Rumelhart & D. Norman) - Multiple Intelligences (H. Gardner) - Operant Conditioning (B.F. Skinner) - Originality (I. Maltzman) - Phenomenography (F. Marton & N. Entwistle) - Repair Theory (K. VanLehn) - Script Theory (R. Schank) - Sign Theory (E. Tolman) - Situated Learning (J. Lave) - Soar (A. Newell et al.) - Social Development (L. Vygotsky) - Social Learning Theory (A. Bandura) - Stimulus Sampling Theory (W. Estes) - Structural Learning Theory (J. Scandura) - Structure of Intellect (J. Guilford) - Subsumption Theory (D. Ausubel)

3 Symbol Systems (G. Salomon) - Triarchic Theory (R. Sternberg)

4 Anexo 2 Principais Conceitos Relacionados com Aprendizagem e Instrução HAnxiety H HArousal H HAttention H HAttitudes H HCognitive/Learning Styles H HCreativity H HFeedback/Reinforcement H HImagery H HLearning Strategies H HMastery H HMemory H HMental Models H HMetacognition H HMotivation H HProductions H HSchema H HSequencing of Instruction H HTaxonomiesH 621

5 Anexo 3 Principais Domínios de Aprendizagem e Instrução HAviation H Science HComputers H HConcepts H HDecision Making H HEngineering H HLanguage H HManagement H HMathematics H HMedicine H HMilitary H HPerception H HProblem Solving H HProcedures H HReading H HReasoning H HSales H HSensory-Motor H HTroubleshooting H 622

6 ANEXO 4 Alguns Curricula CTS SISCON (Science In Social Context) Âmbito: Ciência Geral Nível: 3º Ciclo do Ensino Básico e também Ensino Secundário (Key Stage 3 e 4) Movimento originado no Ensino Terciário nos anos 70 e a que se seguiu um SISCON-IN-SCHOOLS Série de tópicos e de sugestões de projectos Materiais em opúsculos de formato A5 escritos pela Profª Joan Solomon (1 guia do professor + 8 guias dos tópicos) Edição: The Association for Science Education, 1983 Tipo: 7 (vide fig. 7.9) Tópicos SISCON: Guia do professor Maneiras de viver Como Podemos ter a certeza? Tecnologia, Invenção e indústria Evolução A bomba atómica Energia Saúde, alimentos e população Espaço, cosmologia e fantasia SATIS (USUcience UAUnd UTUechnology UIUn USUociety) Âmbito: Ciência Geral Nível: Ensino Secundário (GCSE, Key stage 4) Série de tópicos e de sugestões de projectos no total 25 unidades com bastante incidência na tecnologia 623

7 Materiais em folhas destacáveis de cores diferentes conforme a sua função Folhas sobre: Condução geral, Guia de estudo, Páginas de informação, Comentário Especificação de actividades e das Ciências intervenientes Edição de The Association for Science Education, 1990 Tipo: 2 (vide fig. 7.9) Tópicos SATIS (25 UNIDADES) O Julgamento de Galileu Esvaziando o balde Precisamos duma tomada europeia? I & D na MUPCorp Direitos e defeitos dos animais Identificação pelo DNA Transplantes de rins Problemas com embriões Gado e produtos químicos O problema de Quelea Sementes - será que germinam? Sarilho com os CFCs O alumínio na água da torneira William Perkin - fundador da indústria de corantes O problema de tingir Drogas ao balcão A aspirina Riscos vulcânicos O terramoto do México Fornecendo energia a uma aldeia Índia Energia a partir do vento Perspectivas para a energia eólica Cola ou escorrega? (stick or slip?) Raios X e doentes Porquê 50Hz? 624

8 SCIENCE FOCUS THE SALTERS APPROACH Âmbito: Ciência Geral Nível: 3º Ciclo do Ensino Básico (Key Stage 3) Série de tópicos em 3 estágios correspondentes aos 3 anos Estágio 1 (7º ano) tem um livro de introdução (correspondente ao 1º período) Todos os estágios têm um livro colorido (Olhando para a Ciência), outro a preto e branco (Trabalhando com a Ciência), para os alunos e um Guia do Professor e um Pacote de Avaliação para este. Edição Heinemann, 1993 Tipo: 5 (vide fig. 7.9) Tópicos do SCIENCE FOCUS THE SALTERS APPROACH Unidade de introdução Cadeia do papel Fora deste mundo Arrancando (switching on) Fundo na pele Usar inteligentemente as TI Ter bebés Vizinhos Música e ruído Ver a luz Cheio de feijões Cuidado do corpo Usar e cortar (wear & tear) Brincadeira de criança Condições para a vida On the rocks Fogo, amigo ou inimigo? Alimentos Seguro como as casas Crescendo 625

9 Boa viagem (safe journey) Pensamento corrente Máquina verde Bebidas Observação do Mundo Metais Vendo Estrelas SCIENCE THE SALTERS APPROACH Âmbito: Ciência Geral Nível: Ensino Secundário (GCSE, Key stage 4) Materiais diferenciados para professor e aluno mas em ambos os casos flexíveis Livros de texto para alunos (4 ou 2, conforme a edição) com as várias unidades repartidas por cinco secções chave: Introdução, Olhando para, Em resumo, Pensando acerca e Coisas a fazer Guias das unidades que fornecem o esquema em torno do qual o professor pode planear e adaptar as suas lições, em 4 pacotes fotocopiáveis e 1 pacote de avaliação Edição Heinemann 1991 em 4 volumes e 1996 em 2 Tipo: 6 (vide fig. 7.9) Tópicos do SCIENCE THE SALTERS APPROACH Assuntos de energia Mantendo-se saudável Transportando produtos químicos Materiais de construção Deslocando-nos Alimento para o pensamento Terra sem descanso A Atmosfera Electricidade em casa Mineração e minerais 626

10 PT Balanço dos processos Comunicando informação Vendo dentro do corpo Controlando a mudança Usando o petróleo Reprodução do som Não gasta, não quer A Terra no espaço Evolução Ciência do desporto Queimando e ligando Energia, hoje e amanhã SALTERS ADVANCED CHEMISTRY Âmbito: Química Nível: Ensino Secundário (Advanced Level) Materiais diferenciados para professor e aluno mas em ambos os casos flexíveis Os alunos têm dois livros com organizações diferentes, um intitulado Histórias QuímicasTP e outro Ideias QuímicasTP PT, sendo o primeiro o ponto de partida para várias excursões ao segundo e às actividades fornecidas pelo professor. Os professores têm um pacote de Actividades e Avaliação relacionado com o livro das Histórias Químicas e ainda um Guia do Professor que especifica os requisitos práticos e fornece as respostas às questões nos outros componentes. Edição Heinemann Chemical Storylines Chemical Ideas 627

11 Tipo: 4 (vide fig. 7.9) Tópicos do livro Histórias Químicas Os elementos da vida Desenvolvendo combustíveis Dos minerais aos elementos A atmosfera A revolução dos polímeros O que é que está num remédio? Usando a luz solar Engenharia de proteínas A história do aço Aspectos da agricultura Côr por design Os oceanos Remédios por design Visitando a indústria química Tópicos do livro Ideias Químicas Medindo quantidades de substância Estrutura atómica Ligação, formas e tamanhos Variações de energia e reacções químicas Estrutura e propriedades Radiação e matéria Equilíbrio em Química Ácidos e bases Oxidação redução Velocidades das reacções A tabela periódica Química Orgânica: estruturas Química Orgânica: modificadores (grupos funcionais) Síntese Orgânica 628

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

Identificar os reagentes, produtos e processos básicos da fotossíntese e da respiração celular.

Identificar os reagentes, produtos e processos básicos da fotossíntese e da respiração celular. 1 D1 (B) Identificar os reagentes, produtos e processos básicos da fotossíntese e da respiração celular. D2 (b) Explicar a inter-relação entre fotossíntese e respiração celular nas células dos organismos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital-SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

Principais Teorias da Aprendizagem

Principais Teorias da Aprendizagem Universidade Federal de Santa Maria Unidade de Apoio Pedagógico Principais Teorias da Aprendizagem Venice T. Grings vgrings@hotmail.com Para compreender como se dá o processo de aprendizagem faz-se necessário

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA Prof. Salomão profsalomao@gmail.com PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM Sem Mês Início Término CH 1ª FEV 7 11 3 ASSUNTO: ASPECTOS

Leia mais

Aprender Ciências a Brincar

Aprender Ciências a Brincar Aprender Ciências a Brincar Os conhecimentos serão transmitidos recorrendo à exploração do meio e através de experiências simples, com materiais de uso corrente. A realização de experiências permitirá

Leia mais

Como se aprende? Estratégias, estilos e cognição

Como se aprende? Estratégias, estilos e cognição Ciências & Cognição 2010; Vol 15 (2): 239-241 Ciências & Cognição Submetido em 14/06/2010 Aceito em 14/07/2010 ISSN 1806-5821 Publicado on line em 15 de agosto de 2010

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch? 12º Ano Esc. Sec. José Saramago - Mafra O que é a? Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?v=9ith8us-uju 2 1 O que é a? Orgânica Física Inorgânica Bioquímica Analítica... 3 O que é a?

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Multidisciplinar A Ecologia é complexa, e envolve:

Leia mais

AULA 5. A herança da Revolução Industrial: o problema atual.

AULA 5. A herança da Revolução Industrial: o problema atual. AULA 5 A herança da Revolução Industrial: o problema atual. Roberto queria ir até Londres e Sofia concordou porque queria conhecer o lugar onde começou o progresso da nossa civilização com a Revolução

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Currículo Nacional do Ensino Básico Competências essenciais 2º CICLO CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

TRIZ (Theory of Inventive Problem Solving)

TRIZ (Theory of Inventive Problem Solving) TRIZ (Theory of Inventive Problem Solving) Helena V. G. Navas hvgn@fct.unl.pt 09 Outubro 2013 Teoria da Resolução Inventiva de Problemas, mais conhecida pelo seu acrónimo TRIZ, foi desenvolvida por Genrich

Leia mais

AULA 6. A herança da Revolução Industrial: o problema atual.

AULA 6. A herança da Revolução Industrial: o problema atual. AULA 6 A herança da Revolução Industrial: o problema atual. Roberto olhou para a máquina que parecia mais uma carroça de ferro do que uma locomotiva e pensou como o mundo ficou mudado com as invenções

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

SALA 1(6ºA) TÉRREO. ENGENHOCAS Infantil e Infanto-Juvenil. HORÁRIO: 8:30 h as 9:30 h. EXPERIMENTOS Infantil HORÁRIO: 9:40 h as 10:40 h

SALA 1(6ºA) TÉRREO. ENGENHOCAS Infantil e Infanto-Juvenil. HORÁRIO: 8:30 h as 9:30 h. EXPERIMENTOS Infantil HORÁRIO: 9:40 h as 10:40 h SALA 1(6ºA) TÉRREO ENGENHOCAS Infantil e Infanto- HORÁRIO: 8:30 h as 9:30 h 7ºD Guindaste hidráulico. 7ºE Turbina eólica 8ºA BARCO RECICLÁVEL. 8ºC O olho em nossas mãos. 8ºD Latinha elétrica 9ºB Microscópio

Leia mais

Ano: 8 Turma: 81 / 82

Ano: 8 Turma: 81 / 82 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2012 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 8 Turma: 81 / 82 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DA PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2015/2016

INFORMAÇÃO EXAME DA PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2015/2016 INFORMAÇÃO EXAME DA PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2015/2016 Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) Componente Específica de

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano Água Água é vida A água é para o Homem, para os animais e para as plantas um elemento de primeira necessidade, É essencial à vida! É indispensável

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Banco de questões n.º1

Banco de questões n.º1 Banco de questões n.º1 Tema Terra em transformação Energia Lê o texto seguinte 1 : Introdução A grande diferença entre a nossa civilização e as anteriores é a capacidade de transformar e utilizar energia

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 QUESTÕES DE REVISÃO NOTA PRÉVIA: POR FAVOR LEIA COM ATENÇÃO A listagem seguinte constitui uma primeira versão,

Leia mais

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL O que é Ecologia? Algumas definições: 1.Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente (Haeckel, 1866).

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

INTRODUÇÃO DA QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO

INTRODUÇÃO DA QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO VI Encontro da Divisão de Ensino e Divulgação da INTRODUÇÃO DA QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO TÂNIA C. M. PIRES 1,2, J. R. M. PINTO 1,2, M. G. T. C. RIBEIRO 1,2,

Leia mais

Doenças do ciclo da ureia e acidúrias orgânicas Para jovens

Doenças do ciclo da ureia e acidúrias orgânicas Para jovens Doenças do ciclo da ureia e acidúrias orgânicas Para jovens www.e-imd.org O que é uma doença do ciclo da ureia/acidúria orgânica? A comida que ingerimos é fragmentada pelo corpo com a ajuda de milhares

Leia mais

Seleção de módulos do Sistema de Ensino Ser 2014

Seleção de módulos do Sistema de Ensino Ser 2014 ABEU COLÉGIOS Disciplina: Ciências Série: 1 ano / Fundamental I Seleção de módulos do Sistema de Ensino Ser 2014 1 Caderno 1 O tempo passa - Os seres vivos se modificam - você não é mais um bebê Papais

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

AMONIACO. O Refrigerante Testado pelo Tempo. Segurança, Ventilacao e Emergencias. PHI ENGINEERING, Consultores de Engenharia. Walter Gameiro, PhD ME.

AMONIACO. O Refrigerante Testado pelo Tempo. Segurança, Ventilacao e Emergencias. PHI ENGINEERING, Consultores de Engenharia. Walter Gameiro, PhD ME. AMONIACO O Refrigerante Testado pelo Tempo. Segurança, Ventilacao e Emergencias Walter Gameiro, PhD ME. PHI ENGINEERING, Consultores de Engenharia Fort Worth, Texas - USA Amoniaco... O Refrigerante mais

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos?

Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos? Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos? Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Água e vida / o caminho cíclico dos materiais no ambiente / a reprodução e a ocupação de novos ambientes

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

Ciência e Tecnologia para a rentabilização dos Recursos Naturais

Ciência e Tecnologia para a rentabilização dos Recursos Naturais Em 2014, visando incentivar a conceção de projetos multidisciplinares cujas ideias tenham potencial valor económico e utilidade pública, a Fundação Ilídio Pinho, em parceria com os Ministérios da Educação

Leia mais

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo?

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? 07/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não

Leia mais

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno)

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) SEMESTRE 1 - Obrigatórias FAP0151 Fundamentos de Mecânica FAP0152 Introdução às Medidas em Física FEP0151 Fundamentos de Mecanica FEP0152

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Guia de Referência do Formulário Online

Guia de Referência do Formulário Online 08 de Junho de 2009 Guia de Referência do Formulário Online Versão 2.0 Índice Introdução Glossário Que equipamento devo ter? Como aceder ao Formulário? Quais os dados que devo saber para preencher o formulário?

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

A origem da vida: não tente fazer isto em casa

A origem da vida: não tente fazer isto em casa A origem da vida: não tente fazer isto em casa Na sua obra magistral, A Origem das Espécies (ou, usando o título completo, Sobre a Origem das Espécies através da Selecção Natural, ou a Preservação das

Leia mais

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO JOSÉ GOLDEMBERG LUZ DONDERO VILLANUEVA Arqª Simara Callegari INTRODUÇÃO O PROBLEMA Consumo diferenciado de energia Classes sociais Degradação do meio ambiente PNB

Leia mais

COGNIÇÃO E APRENDIZAGEM SITUADA: DA ASSOCIAÇÃO À APRENDIZAGEM POR REESTRUTURAÇÃO

COGNIÇÃO E APRENDIZAGEM SITUADA: DA ASSOCIAÇÃO À APRENDIZAGEM POR REESTRUTURAÇÃO COGNIÇÃO E APRENDIZAGEM SITUADA: DA ASSOCIAÇÃO À APRENDIZAGEM POR REESTRUTURAÇÃO COGNITION AND SITUATED LEARNING: FROM ASSOCIATION TOLEARNING BY RESTRUCTURING COGNICIÓN Y APRENDIZAJE SITUADO: ASOCIACIÓN

Leia mais

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água?

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? 16 Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? E16-1 o que necessitas coador holofote com uma potência de 500 w filtros de café frasco com água salgada (do mar ou de qualquer compartimento da

Leia mais

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO Visionarium Centro de Ciência do Europarque 4520 153 Santa Maria da Feira Tel. 256 370 605/9 Fax. 256 370 608 E-mail. Info.visionarium@aeportugal.com

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

Bases Psicológicas, Teoria de Sistemas e de Comunicação para a Tecnologia da Educação. aquiles-2003 pea5900 1

Bases Psicológicas, Teoria de Sistemas e de Comunicação para a Tecnologia da Educação. aquiles-2003 pea5900 1 Bases Psicológicas, Teoria de Sistemas e de Comunicação para a Tecnologia da Educação aquiles-2003 pea5900 1 Teoria do Conexionismo - Thorndike Conexão : Estimulo Resposta Experiência gatos, cachorros

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO Ciências Naturais Código 10 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram

Leia mais

Sistemas de Informações IF660 - Aula 1 - Princípios. Jorge Henrique Cabral Fernandes 30 de Março de 1999

Sistemas de Informações IF660 - Aula 1 - Princípios. Jorge Henrique Cabral Fernandes 30 de Março de 1999 Sistemas de Informações IF660 - Aula 1 - Princípios Jorge Henrique Cabral Fernandes 30 de Março de 1999 Sistemas e Informação O que é Informação? O que é um Sistema? O que é um Sistema de Informações?

Leia mais

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição

Leia mais

UMA TEMÁTICA PARA O FUTURO

UMA TEMÁTICA PARA O FUTURO UMA TEMÁTICA PARA O FUTURO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO Eng. Júlio Maia 1 - Um pouco de história... A história da humanidade confunde-se com a história da energia, uma vez que a primeira forma de energia

Leia mais

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Harry Potter e a Engenharia Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Turmas em conflito num mundo virtual A outra realidade! Aqui também temos turmas em conflito! Como superar isso? A crise

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Refletindo sobre a digestão

Refletindo sobre a digestão Atividade de Aprendizagem 6 Refletindo sobre a digestão Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Ser humano e saúde Tema Obtenção, transformação e utilização de energia pelos seres vivos Conteúdos Sistema

Leia mais

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA ccdr-n.pt/norte2020 24 DE MAIO DE 2013 VIANA DO CASTELO Principais Conceitos A competitividade das regiões deve

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

Ciências da Natureza. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências da Natureza. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências da Natureza baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Elementary School 2 K5 Meu corpo Meu corpo. Higiene do corpo. Órgãos

Leia mais

Matéria e Energia no Ecossistema

Matéria e Energia no Ecossistema Matéria e Energia no Ecossistema Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidade) de uma área determinada, interagindo com o ambiente físico, formando uma corrente de energia que conduza

Leia mais

PERSPECTIVAS DA SEGURANÇA EM ELETRICIDADE NAS INDÚSTRIAS: UMA VISÃO DO SETOR DE ENSINO ESTON, S. M. ; BARRICO, J.J.

PERSPECTIVAS DA SEGURANÇA EM ELETRICIDADE NAS INDÚSTRIAS: UMA VISÃO DO SETOR DE ENSINO ESTON, S. M. ; BARRICO, J.J. PERSPECTIVAS DA SEGURANÇA EM ELETRICIDADE NAS INDÚSTRIAS: UMA VISÃO DO SETOR DE ENSINO ESTON, S. M. ; BARRICO, J.J. 1. Introdução 2. Grade curricular de graduação e pós graduação 3. Disciplinas de atualização

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

QUESTÕES AMBIENTAIS ASSOCIADAS A URBANIZAÇÃO

QUESTÕES AMBIENTAIS ASSOCIADAS A URBANIZAÇÃO QUESTÕES AMBIENTAIS ASSOCIADAS A URBANIZAÇÃO AMBIENTE NATURAL Constitui-se como o território que não passou por transformações significativas pelo homem e é capaz de manter autonomamente seus aspectos

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA Selma Maria

Leia mais

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de:

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de: Lição N o 3 Água como solvente Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Mencionar as propriedades físicas da água. Descrever a composição química da água. Material de apoio

Leia mais

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos;

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos; Universidade Federal de São Del Rei - Campus Sete Lagoas Engenharia Agronômica Impactos de xenobióticos e metais pesados na microbiota do solo Heider Lopes Rayssa Simão Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável;

Leia mais

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Conteúdo de Recuperação

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

Disciplina: Ciências Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. PLANEJAMENTO ANUAL - 2013 CONTEÚDOS

Disciplina: Ciências Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. PLANEJAMENTO ANUAL - 2013 CONTEÚDOS PLANEJAMENTO ANUAL - 2013 Unidade 1 Os sentidos Os sentidos: o tato. Os sentidos: a visão e audição. Os sentidos: o olfato e a gustação. Disciplina: Ciências Período: 1º Reconhecer que usamos os sentidos

Leia mais

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Introdução Ao longo deste trabalho, vamos falar de um gravíssimo problema ambiental, A NIVEL MUNDIAL! que poucos ou quase ninguém

Leia mais

"Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira -

Economia Verde: Serviços Ambientais - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - "Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Palavras-chave: CTS, currículo CTS, livro didático de Química.

Palavras-chave: CTS, currículo CTS, livro didático de Química. Um Modelo Curricular de Introdução de Temas CTS em Livro Didático de Química: Uma Aproximação de Currículo CTS com Currículo Clássico 1 A Curricular Model of Introduction STS Themes in Chemistry Textbook:

Leia mais