Apresentação do Courseware Sere.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação do Courseware Sere."

Transcrição

1 Apresentação do Courseware Sere. 1. Porquê este Courseware? As Nações Unidas proclamaram a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (DEDS). Segundo a UNESCO, Organização Internacional responsável pela dinamização da DEDS, é fundamental apostar na reorganização das práticas educativas dos professores através do recurso a uma diversidade metodológica, suportada por meios didácticos adequados ao público-alvo/alunos e aos conteúdos a trabalhar, assente numa perspectiva inter, multi e transdisciplinar, promotora de abordagens holísticas das problemáticas actuais. O Ensino das Ciências, com orientação da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS), e as potencialidades das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) surgem, neste contexto, como mais-valias, dado potenciarem o desenvolvimento, pelos alunos, de competências necessárias para avaliar criticamente situações ligadas ao uso insustentável dos recursos naturais pelo Ser Humano, através da procura de respostas a questões- -problema relacionadas com o meio social, económico e ambiental. A falta de recursos didácticos informatizados (software e/ou hardware com fins educativos) de qualidade para a aprendizagem das Ciências no 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico (1º/2º CEB), concebidos no âmbito da EDS, determinou o desenvolvimento do Courseware Sere - O Ser Humano e os Recursos Naturais. O Courseware Sere foi desenvolvido por elementos da Universidade de Aveiro (investigadores em Didáctica das Ciências (DC) e em Tecnologia Educativa (TE)) em parceria com a empresa Ludomedia (gestão de projecto e design) e Esfera Crítica (programação e animação).

2 2. Qual o público-alvo? O Courseware Sere foi concebido para a utilização, em sala de aula, por alunos e professores do 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico (a partir dos 8 anos), particularmente do 3º, 4º, 5º e 6º anos de escolaridade, bem como em outros contextos. 3. Quais os objectivos do recurso? 1) promover a compreensão e análise do impacte que a actividade humana tem nos recursos naturais; 2) consciencializar de que o futuro da Humanidade passará pela adopção de atitudes e comportamentos mais conscientes e responsáveis, nomeadamente no que respeita às fontes de energia utilizadas. 4. Quais são os seus elementos? Do conjunto de recursos do Courseware Sere fazem parte: - Um software educativo (versão em CD-ROM e online), os Guiões de Exploração Didáctica - Professor, os Guiões de Registo - Aluno/Utilizador e o Manual do Utilizador. A versão do software online possibilita o acesso a outros recursos que se indicam em seguida. No Manual do Utilizador encontram-se informações relacionadas com a navegação e os ícones utilizados no software. Relativamente à versão online dá-se indicações sobre os procedimentos de registo e como se poderá ter acesso ao software. 4

3 4.1 Guiões de Exploração Didáctica e de Registos O Courseware Sere é constituído por dois tipos de guiões de exploração didáctica: Guiões de Exploração Didáctica - Professor e Guiões de Registos -Aluno/Utilizador. Ambos os guiões foram desenvolvidos para servir de base à exploração do software. Figura 1 - Guiões de Exploração Didáctica No Guião de Exploração Didáctica - Professor propõem-se diferentes actividades, estruturadas da seguinte forma: 1) Finalidades da Actividade; 2) Contexto de Exploração; 3) Metodologia de Exploração. Cada actividade servirá para explorar um ou mais ecrãs do software. Os guiões destinados aos/às alunos(as) são compostos fundamentalmente por folhas de registos. 5

4 4.2 Acesso a ferramentas online e à mediateca A página web de apoio à exploração do Courseware Sere possibilitará: O acesso à informação e recursos relacionados com o tema do Courseware, disponíveis na mediateca; A socialização entre os vários utilizadores do recurso didáctico (através de fóruns e outras ferramentas de comunicação online), bem como a discussão em torno das actividades, a criação de diários de bordo, entre outros. As finalidades da página web são: Promover o desenvolvimento das competências dos(as) alunos(as)/utilizadores(as) não só ao nível do tema, como também, ao nível da utilização das TIC. Combater o isolamento dos utilizadores (professores(as) e alunos(as) através da partilha de recursos didácticos, ideias, histórias, problemas, experiências, entre outros aspectos de interesse mútuo, e construção conjunta de soluções. Atenção: a versão online do software será actualizada regularmente, sendo as actualizações de acesso gratuito. Estas actualizações apenas estarão disponíveis na versão do software online que se encontra em 6

5 5. Cenário de exploração do Courseware Sere A exploração do Courseware Sere foi idealizado numa lógica de jogos de representação de papéis. Consequentemente os(as) utilizadores(as) assumem o papel de exploradores tendo como missão compreender os problemas da exploração dos recursos naturais de forma insustentada e a procura de soluções para esses problemas. A escolha dos exploradores (ver tabela 1) foi feita com base na divisão mundial adoptada pela UNESCO (2003), bem como vários relatórios relativos à demografia mundial. Encontram-se diferenciados por grupo de países/regiões desenvolvidos(as) (América do Norte, Europa, Japão, Nova Zelândia & Austrália) e países/regiões menos desenvolvidos(as) (África, Ásia (excepto o Japão), América latina & Caribe). O papel dos diferentes exploradores deverá ser representativo (através do seu aspecto físico, locais a explorar, ) das principais diferenças entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento, e cada grupo de alunos/aluno individual será acompanhado pelo explorador que escolher. A apresentação da identidade de cada um dos exploradores é feita através da disponibilização do Bilhete de Identidade (nome, pais e idade). Cada utilizador(a) individual/grupo, poderá escolher no terceiro ecrã do software o explorador que o acompanhará durante a execução das actividades (o explorador pode ser alterado no decorrer da utilização do software). Os Presidentes da Organização Mundial para a Protecção do Planeta - POMPP (os orientadores da exploração/professores/educadores) aparecem a narrar a animação inicial, a que alude abaixo, e têm o papel de organizadores de processos de partilha, interacção e reflexão crítica, 7

6 Tabela 1 - Presidentes e Presidentes América do Norte Celine Quebéc - Canadá 9 anos Europa João Aveiro - Portugal 10 anos Oceânia Truganini Hobart - Tasmânia 8 anos África Nelson Zulu Cidade do Cabo - África do Sul 11 anos Ásia (Excepto o Japão) Xao Lin Vientiane - Laos 9 anos América do Sul Dedé Manaus Amazonas - Brasil 12 anos 8

7 promovendo o debate de situações problemáticas, fomentando o envolvimento dos exploradores (alunos(as)), etc.. Propõe-se que a utilização do Courseware Sere se inicie com a visualização da animação inserida no software, cujo contexto consiste na exibição de duas situações problemáticas para o Ser Humano: o esgotamento de um recurso natural não renovável, o petróleo, e a combustão da biomassa florestal como fonte de energia alternativa. A visualização da animação servirá como ponto de partida, para incitar uma fase de problematização com os(as) alunos(as)/utilizadores(as) que será, posteriormente, orientadora do trabalho de pesquisa por parte dos mesmos, no que diz respeito: ao uso de recursos naturais energéticos (petróleo, biomassa florestal); à exploração de modelizações e simulações sobre o impacte que o aumento da população e dos níveis e padrões de consumo de petróleo poderão ter no acesso aos recursos naturais; à simulação de cenários onde a utilização de fontes de energia mais sustentáveis/renováveis para o Ser Humano sejam possíveis. Posteriormente, os Presidentes da Organização Mundial para a Protecção do Planeta - POMPP, os narradores da animação, informam que os países em desenvolvimento reivindicam o direito ao aumento dos níveis de consumo de petróleo. Os países desenvolvidos, por seu lado, não o querem permitir, pois este aumento implica o gasto das reservas que restam. Pretende-se, a partir da apresentação do contexto inicial, motivar os/as alunos(as)/utilizadores(as) para a procura do motivo pelo qual a disputa pelo uso do petróleo está a acontecer. 9

DA IDEIA AOS PRIMEIROS PASSOS: DESENVOLVIMENTO DO COURSEWARE SeRe O SER HUMANO E OS RECURSOS NATURAIS

DA IDEIA AOS PRIMEIROS PASSOS: DESENVOLVIMENTO DO COURSEWARE SeRe O SER HUMANO E OS RECURSOS NATURAIS DA IDEIA AOS PRIMEIROS PASSOS: DESENVOLVIMENTO DO COURSEWARE SeRe O SER HUMANO E OS RECURSOS NATURAIS Patrícia Sá; Cecília Guerra; P. Isabel Martins; Maria João Loureiro; Rui Marques Vieira Centro de Investigação

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas,

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, pois este é um dos meios de socialização e da aquisição das primeiras competências

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade.

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade. Conteúdos Introdução Objectivos Projecto O camião O circuito Os veículos Descrição da Acção O jogo da Educação Rodoviária Conclusão Equipamento e serviços Introdução Introdução Sendo as crianças um dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

Terra: O Planeta que queremos ter!

Terra: O Planeta que queremos ter! Terra: O Planeta que queremos ter! 1. Localização da Acção: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro (Grande Auditório) 2. Data de realização da Acção: 22 e 23 de Abril de 2008 3. Descrição e objectivos

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

SEMANA DOS DIREITOS HUMANOS

SEMANA DOS DIREITOS HUMANOS APRESENTAÇÃO DO PROJECTO SEMANA DOS DIREITOS HUMANOS 3 a 21 de Dezembro de 2007 Índice 1 Campanha MOÇANGOLA 2 Palestras sobre Direitos Humanos e Objectivos de Desenvolvimento do Milénio 3 Exposição Itinerante

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Missão UP Unidos pelo Planeta

Missão UP Unidos pelo Planeta Missão UP Unidos pelo Planeta 1 Missão UP Unidos pelo Planeta A Galp Energia pretende contribuir para uma mudança dos comportamentos relacionados com a eficiência no consumo de energia, através de um projeto

Leia mais

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012 Projecto de Empreendedorismo nas Escolas ano lectivo 2011/2012 As Fases do Projecto ANO LECTIVO 2011/2012 Fase a fase Formação de Professores Disseminação do projecto Ateliers de Criatividade 4 acções

Leia mais

Sessão de informação. Janeiro de 2007

Sessão de informação. Janeiro de 2007 Sessão de informação Janeiro de 2007 Agenda Agenda 03 1. Enquadramento do tema Contexto do consumo energético em Portugal Protocolo de Quioto Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável 2. Apresentação

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

João Paiva e Carla Morais

João Paiva e Carla Morais João Paiva e Carla Morais Generalidades sobre WebQuests WebQuest Definição A WebQuest is an inquiryoriented activity in which some or all of the information that learners interact with comes from resources

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Índice. Quem somos... 3. Comunicação... 4. Parcerias e eventos... 5. Contactos... 6

Índice. Quem somos... 3. Comunicação... 4. Parcerias e eventos... 5. Contactos... 6 MARKETING SOLUTIONS Índice Quem somos... 3 Comunicação... 4 Parcerias e eventos... 5 Contactos... 6 2 Quem somos AGAINSTIME é uma empresa de consultoria de serviços em Marketing, que surge no mercado numa

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

IX Encontro A escola no mundo e o mundo na escola Desafios da sociedade, contribuições da Educação para a Cidadania Global

IX Encontro A escola no mundo e o mundo na escola Desafios da sociedade, contribuições da Educação para a Cidadania Global IX Encontro A escola no mundo e o mundo na escola Desafios da sociedade, contribuições da Educação para a Cidadania Global Integração Curricular da ECG com a Geografia e as orientações curriculares do

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

6º CICLO DO FÓRUM NACIONAL

6º CICLO DO FÓRUM NACIONAL 6º CICLO DO FÓRUM NACIONAL DE CAMINHEIROS E COMPANHEIROS 6º Ciclo de Cenáculo Autor Distribuição Equipa Projecto do 6º Ciclo Participantes do 6º Ciclo do Cenáculo e Juntas Regionais e de Núcleo Data de

Leia mais

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra!

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! 1 Exmo. Diretor-Geral da Educação, em representação do

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Regulamento 1. Introdução O presente concurso destina-se à criação da Mascote da Eficiência Energética, que estará associada à COGEN Portugal, e que será

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Análise de produtos concorrentes

Análise de produtos concorrentes Análise de produtos concorrentes Na nossa pesquisa encontrámos muitos e variados programas para PC e para Leitor de DVD e um programa online. Analisamos aqui dois DVDs (um deles infantil), um programa

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires 2014- Doutoramento em Ecologia Coordenação Científica Profª Iva Pires Guia do Curso Ano Académico 2014/ Coordenação Científica Profª Iva Pires im.pires@fcsh.unl.pt pires.iva.fcsh@gmail.com Para mais informações

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

João Samartinho Departamento de Informática e Métodos Quantitativos. Jorge Faria Departamento de Ciências Sociais e Organizacionais

João Samartinho Departamento de Informática e Métodos Quantitativos. Jorge Faria Departamento de Ciências Sociais e Organizacionais A e-liderança nos Projectos em Empresas de Inserção (EI) de Economia Social Enquanto Potenciadora da Construção de Pontes para a Estratégia de Emprego e Inclusão Social João Samartinho Departamento de

Leia mais

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Conhecer e partilhar para inovar na Educação Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Missão da escola Não perdendo de vista o contexto da sociedade actual em constante

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

plano anual de educação ambiental

plano anual de educação ambiental plano anual de educação ambiental 2009/2010 complexo de educação ambiental da quinta da gruta PROGRAMA FAMÍLIAS Grelha Resumo por Sector Sector Rios/Espaços Verdes Animais Dias comemorativos Férias Datas

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Semana Aberta da Propriedade Industrial na Universidade de Aveiro

Semana Aberta da Propriedade Industrial na Universidade de Aveiro A UATEC Unidade de Transferência de Tecnologia da, através do GAPI Gabinete de Apoio à Promoção da Propriedade Industrial, e em parceria com o INPI Instituto Nacional da Propriedade Industrial promovem

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

O que farias? pretendem servir de apoio à dinamização de sessões de trabalho

O que farias? pretendem servir de apoio à dinamização de sessões de trabalho Indicações para o professor Introdução Os ALER TAS O que farias? pretendem servir de apoio à dinamização de sessões de trabalho sobre segurança na Internet, promovendo a discussão entre os alunos, em torno

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2015/2016 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

PROJET D'ECOMUSEES ET DE CENTRE DE RESSOURCES EDUCATIVES AUTOUR DU PARC NATIONAL DE GORONGOSA (MOZAMBIQUE) Baldeu Arquechande

PROJET D'ECOMUSEES ET DE CENTRE DE RESSOURCES EDUCATIVES AUTOUR DU PARC NATIONAL DE GORONGOSA (MOZAMBIQUE) Baldeu Arquechande CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 207 PROJET D'ECOMUSEES ET DE CENTRE DE RESSOURCES EDUCATIVES AUTOUR DU PARC NATIONAL DE GORONGOSA (MOZAMBIQUE) Baldeu Arquechande RESUMO DO PROJECTO As acções deste Projecto

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

20000 Lead Auditor. Certified. ANSI Accredited Program. Bringing value to you! FORMAÇÃO EM GESTÃO DE SERVIÇOS

20000 Lead Auditor. Certified. ANSI Accredited Program. Bringing value to you! FORMAÇÃO EM GESTÃO DE SERVIÇOS ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead Auditor AUDITAR SISTEMAS DE GESTÃO DA SERVIÇOS (SGS) BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de cinco dias, permite aos participantes

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁCTICOS INFORMATIZADOS NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. O EXEMPLO DO COURSEWARE SeR e

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁCTICOS INFORMATIZADOS NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. O EXEMPLO DO COURSEWARE SeR e Rev. Eureka Enseñ. Divul. Cien., 2010, 7, Nº Extraordinario, pp. 330-345 INNOVACIONES Y EXPERIENCIAS [12] DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁCTICOS INFORMATIZADOS NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

As principais conclusões foram as seguintes:

As principais conclusões foram as seguintes: A REABILITAÇÃO EXIGE PROJETO IN SITU Vasco Peixoto de Freitas Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Diretor do Laboratório de Física das Construções * Nesta sessão foi

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE MANUEL DA FONSECA Curso Profissional: Técnico de Gestão e Equipamentos Informáticos PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS GRUPO 550 CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 ANO LECTIVO 2012/2013 DISCIPLINA:

Leia mais

e-learning e Qualificação de Formadores

e-learning e Qualificação de Formadores e-learning e Qualificação de Formadores Rede de Centros de Recursos em Conhecimento 11 de Maio de 2011 Instituto do Emprego e Formação Profissional Lisboa Paulo Mendes pmendes@citeve.pt Criação OBJECTIVOS

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Data países

Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Data países Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Links Financiador Tema Questões chave Data Montantes países importantes Notas 1 Gates Advocacy Melhorar o apoio da opinião pública

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

DESAFIOS DO E-LEARNING: DO CONCEITO ÀS PRÁTICAS. Maria João Gomes Universidade do Minho mjgomes@iep.uminho.pt

DESAFIOS DO E-LEARNING: DO CONCEITO ÀS PRÁTICAS. Maria João Gomes Universidade do Minho mjgomes@iep.uminho.pt DESAFIOS DO E-LEARNING: DO CONCEITO ÀS PRÁTICAS Maria João Gomes Universidade do Minho mjgomes@iep.uminho.pt 1. Introdução As tecnologias da informação e comunicação (TIC) são utilizadas na educação em

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil Contexto Não é claro, nem na Convenção Europeia sobre os Direitos Humanos nem na Declaração Universal dos Direitos Humanos, como é que a participação (juvenil) na sociedade civil é assegurada como Direito

Leia mais

Tecnologias e sociedade I simpósio Marista de Tecnologia, Educação e Linguagem. Silvia Fichmann - silviafich@gmail.

Tecnologias e sociedade I simpósio Marista de Tecnologia, Educação e Linguagem. Silvia Fichmann - silviafich@gmail. Tecnologias e sociedade I simpósio Marista de Tecnologia, Educação e Linguagem Silvia Fichmann - silviafich@gmail.com setembro/2015 - Tecnologias na Educação Brasileira Tecnologias e Aprendizagem/ Aprendência

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA Um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente de saúde em mudança constante. O programa de Liderança Para a Mudança teve o apoio

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Plano de Actividades do CEA para 2006

Plano de Actividades do CEA para 2006 Plano de Actividades do CEA para 2006 A Direcção do CEA propõe-se preparar as condições para atingir diferentes objectivos e procurar apoios para a sua realização. 1. Objectivos Prioritários 1.1 Redesenhar

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Guião da Atividade Tendências Globais

Guião da Atividade Tendências Globais Guião da Atividade Tendências Globais 1. INTRODUÇÃO No âmbito do projeto Twist A tua energia faz a diferença e com o objetivo de promover a tomada de compromisso individual e coletivo em torno das temáticas

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais