Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -"

Transcrição

1 Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 -

2 Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente requerido nem promovido [no ensino secundário]. Os obstáculos residem na falta de material didáctico, na falta de motivação e de formação específica dos docentes Comissão Europeia (2004), Relatório Final do Grupo de Peritos: «Educação para o Desenvolvimento do Espírito Empresarial» Fomentar a promoção das atitudes e competências empresariais no ensino básico e secundário

3 O Projecto O QUE É? Projecto de Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas PARA QUEM? Alunos do Ensino Básico, Ensino Secundário e Ensino Profissional O QUE ENGLOBA? Desenvolvimento de um Programa integrado de actividades de educação ambiental, tendo como elo central a adaptação do programa de Empreendedorismo nas Escolas

4 O Projecto PARA QUÊ? Criar uma cultura empreendedora Demonstrar que ser empreendedor é uma atitude perante a vida Desmistificar o conceito de empreendedorismo Promover o espírito de iniciativa, de cooperação e criatividade Proporcionar o estabelecimento de novos horizontes aos jovens Facultar um maior contacto com o mundo real Incentivar o desenvolvimento local Consciencialização para oportunidades de emprego verde ;

5 O Projecto PORQUÊ? Cabe à Educação preparar os jovens para a vida em sociedade e para a inserção no mercado de trabalho, permitindo-lhes desenvolver competências para se adaptarem ao contexto actual. A educação em empreendedorismo e gestão de resíduos não pretende incentivar a criação de negócios, mas sim desenvolver nos jovens uma nova atitude face à vida. Sensibilizar a população escolar para os problemas do meio ambiente e para a criação de novos hábitos de consumo que conduzam à redução da produção de resíduos.

6 Os Programas da GesEntrepreneur 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL MAX Empreende Contigo CAE Crescer a Reciclar PV Percurso Verde JE Jornada Empreendedora 1º a 4º anos 5º ano 7º anos 1ª participação no projecto APE A Pegada Ecológica 6º ano PAD Planeta a Defender 8º ano GOR Gerir os Resíduos 2ª participação no projecto LCV Lixo com Valor EPS Empreender pela Sustentabilidade 9º ano Área Projecto do 12º ano

7 Os Programas DINÂMICOS Assentam na metodologia learning by doing CONTÍNUOS Traduzem-se num processo evolutivo ao longo dos níveis de ensino OS NOSSOS PROGRAMAS SÃO COLABORATIVOS Promovem o desenvolvimento de actividades em grupo INTEGRADOS Desenvolvem competências básicas do empreendedor INTERACTIVOS Facilitam a cooperação entre o aluno e o professor, tornando o primeiro o gerador do conhecimento

8 Max, Empreende Contigo Max,o Emprendedog é um projecto de iniciação ao empreendedorismo adaptado e concebido para o 1º Ciclo do Ensino Básico. 1º a 4º ano (1º ciclo) O Max é o personagem central do Programa. É um animado e empreendedor cão que representa e transmite os valores e competências que importam desenvolver para que o futuro seja mais feliz. Esta personagem anima as actividades e dá visibilidade aos comportamentos responsáveis e empreendedores ajudando a desenvolvê-los nos mais pequenos que levarão para casa os conhecimentos e as experiências que o Max lhe proporcionará.

9 Crescer a Reciclar SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO 1. O que é o empreendedorismo? 2. Quem são os empreendedores? 3. Para que serve o empreendedorismo? 4. Actividades de criatividade 5º ano (2º ciclo) Definição de um projecto / objectivo de turma SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO Trabalho de equipa e estratégias de trabalho Mini-Feira Empreendedora

10 Pegada Ecológica SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO 1. O que é o empreendedorismo? 2. Quem são os empreendedores? 3. Para que serve o empreendedorismo? 4. Desenvolvimento da criatividade 5. Consciência ambiental Agricultura 6º ano (2º ciclo) QUINTA DO CONHECIMENTO Jogo Interactivo Ambiente Resíduos Visita de Estudo Temática Empreendedorismo

11 Percurso Verde SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO 1. O que é o empreendedorismo? 2. Os empreendedores na sociedade 3. Criatividade / Inovação 7º ano (3º ciclo) Definição de um projecto / objectivo de turma SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO 1. Geração de Ideias 2. Empreendedor por um dia Divisão em grupos e definição de estratégias SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO 1. Introdução ao estudo de mercado 2. Comunicação com o cliente 3. Apoio aos projectos Aplicação do dinheiro: como e onde? Preparação do objectivo Concretização do objectivo

12 Planeta a Defender SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO 8º ano (3º ciclo) 1. O que é o empreendedorismo? 2. A Globalização e o empreendedorismo 3. Criatividade / Inovação 4. ideias Verdes no mundo APLICAÇÃO PRÁTICA 1. Geração de Ideias 2. Novas soluções para os resíduos EMPREENDEDORISMO VERDE 1. O empreendedorismo Sustentável 2. Desenvolvimento de projectos 3. Exposição dos projectos

13 Lixo com Valor SESSÕES DE EMPREENDEDORISMO 1. O que é o empreendedorismo? 2. Os empreendedores na sociedade 3. Criatividade / Inovação 4. O que são ideias Verdes 9º ano (3º ciclo) APLICAÇÃO PRÁTICA 1. Geração de Ideias 2. Empreendedor por um dia EMPREENDEDORISMO VERDE 1. O empreendedorismo Sustentável 2. Comunicação com o cliente 3. Apoio aos projectos Este programa pretende ajudar os alunos a equacionarem o futuro com consciência ambiental. Hoje começam a surgir um conjunto de ideias brilhantes que conjugam criatividade e sustentabilidade ambiental.

14 Jornada Empreendedora 10º / 11º / 12º anos 1ª participação (Ens. Secundário) Concurso de Ideias Verdes Processos e formas de inovação Formas de valorizar resíduos Características empreendedoras O que é o empreendedorismo Apresentação Pública dos Projectos e das Ideias de Negócio

15 Gerir os Resíduos 11º / 12º anos 2ª participação (Ens. Secundário) O papel dos resíduos Novas possibilidades empreendedoras Um percurso de futuro rumo à sustentabilidade Apresentação Pública dos Projectos e das Ideias de Negócio

16 Empreender pela Sustentabilidade Este programa pretende ser uma resposta para a disciplina de área projecto. Este projecto tem como objectivo essencial aproveitar este espaço lectivo que privilegia o trabalho de projecto aliado a uma metodologia activa de aprendizagem (learning by doing). 12º anos 1ª participação Área de Projecto Este é um projecto que tem um tronco comum de execução obrigatória e terá também 3 áreas temáticas em que serão trabalhados diversos temas. Estas possibilidades do projecto deverão ser equacionadas pelos docentes, em articulação com os alunos, pois dependendo dos objectivos/projectos de cada turma assim poderão ser feitas as melhores escolhas. 10 aulas Apresentação Pública dos Projectos e das Ideias de Negócio

17 As Fases do Projecto ANO LECTIVO 2010 / 2011

18 Fase a fase Formação de Professores Aulas de Empreendedorismo Empreendedor por um dia Concurso de Ideias Em que consiste a Formação dos Professores? Encontros e Sessões Públicas de Apresentação do Projecto Numa acção de formação sobre Educação em Empreendedorismo, baseada numa nova abordagem pedagógica, destinada aos professores das escolas seleccionadas Os professores tomam contacto com as diversas ferramentas e técnicas de motivar os alunos para o empreendedorismo Finalidades da Formação Sensibilizar os professores para a pertinência do tema Empreendedorismo na sociedade actual. Preparar os professores para a implementação das aulas de empreendedorismo. Cerimónia de Encerramento Qual a duração da formação? 25 horas

19 Fase a fase Formação de Professores Em que consiste? Aulas práticas e dinâmicas, baseadas na metodologia learning by doing Aulas de Empreendedorismo Empreendedor por um dia Objectivo da componente lectiva Promover o empreendedorismo no sistema educativo, para que os alunos desde muito cedo mantenham uma ligação com o mercado de trabalho e desenvolvam atitudes empreendedoras. Quais as competências-chave desenvolvidas nestas aulas? Concurso de Ideias Cerimónia de Encerramento Criatividade Autonomia Flexibilidade Responsabilidade Trabalho de equipa Relações interpessoais Inovação Entre outras

20 Fase a fase Formação de Professores Aulas de Empreendedorismo Em que consiste? Experiência prática que consiste no desenvolvimento de um mini-negócio em contexto real, onde os alunos terão a oportunidade de serem empreendedores Actividade em que os alunos tomam todas as decisões referentes ao seu negócio (desde a escolha da ideia até à implementação da mesma) Empreendedor por um dia Qual a duração da actividade? 3 a 4 horas Concurso de Ideias Cerimónia de Encerramento

21 Fase a fase Formação de Professores Aulas de Empreendedorismo Empreendedor por um dia Concurso de Ideias Cerimónia de Encerramento Em que consiste? Desenvolvimento de uma ideia de negócio com vista a colmatar um problema local Competição que apela à criatividade dos alunos Quais as etapas do concurso? Escolher uma ideia (em grupo ou individualmente) e idealizá-la Preencher um formulário de candidatura, no qual se expõe a ideia de forma detalhada Entregar os formulários de candidatura (facultativo juntar documentação complementar, como Plano de Negócios, Apresentações em PowerPoint, entre outros) Selecção das melhores ideias de negócio

22 Fase a fase Formação de Professores Aulas de Empreendedorismo Empreendedor por um dia Em que consiste? Organização de um evento com todos os alunos e professores envolvidos no projecto Final do Concurso de Ideias (apresentação das ideias seleccionadas e escolha do vencedor) Partilha dos melhores momentos do projecto e apresentação de alguns dos trabalhos e das actividades realizadas pelos alunos Momento propício ao balanço de todo o projecto Concurso de Ideias Cerimónia de Encerramento

23 Para reflectir «A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, se transformam em oportunidades.» Maxwell Maltz NOV.2010

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012 Projecto de Empreendedorismo nas Escolas ano lectivo 2011/2012 As Fases do Projecto ANO LECTIVO 2011/2012 Fase a fase Formação de Professores Disseminação do projecto Ateliers de Criatividade 4 acções

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

PROJETO DE EMPREENDEDORISMO NAS ESCOLAS. Comunidade Intermunicipal do Baixo Mondego

PROJETO DE EMPREENDEDORISMO NAS ESCOLAS. Comunidade Intermunicipal do Baixo Mondego PROJETO DE EMPREENDEDORISMO NAS ESCOLAS Comunidade Intermunicipal do Baixo Mondego outubro 2013 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA A necessidade A Estratégia EU2020 refere que deve ser colocada ênfase em áreas prioritárias

Leia mais

ESCOLAS EMPREENDEDORAS DA CIM VISEU DÃO LAFÕES

ESCOLAS EMPREENDEDORAS DA CIM VISEU DÃO LAFÕES ESCOLAS EMPREENDEDORAS DA 2013/2014 Tondela, 23 de Outubro de 2013 Objetivos do projeto Criar uma cultura empreendedora; Promover o espírito de iniciativa, de cooperação e criatividade; Partilhar experiências

Leia mais

Departamento: Ciências 2

Departamento: Ciências 2 Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS 2 Ano Letivo: 2013/14 PLANIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES A CONSTAR DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Departamento:

Leia mais

Programa de Educação em Empreendedorismo. 2.º e 3.º Ciclo. Ensino Secundário e Profissional. Trabalhar comportamentos e atitudes.

Programa de Educação em Empreendedorismo. 2.º e 3.º Ciclo. Ensino Secundário e Profissional. Trabalhar comportamentos e atitudes. 1 ÂMBITO Programa de Educação em Empreendedorismo. Através dos Professores para os Alunos. 2.º e 3.º Ciclo. Ensino Secundário e Profissional. Trabalhar comportamentos e atitudes. Alargar horizontes sociais

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO ECONOMIA VERDE REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO ECONOMIA VERDE REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO ECONOMIA VERDE REGULAMENTO A Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos, o Centro de Juventude de São Lourenço dos Órgãos, a Direção Nacional do Ambiente MAHOT e a Agência

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Regulamento do concurso Fora da Caixa

Regulamento do concurso Fora da Caixa Regulamento do concurso Fora da Caixa Artigo 1 - Enquadramento O Concurso de Ideias de Negócio denominado Fora da Caixa é uma iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia da República de Moçambique

Leia mais

EDITAL EM PROTUGUÊS DO CONCURSO DE CADERNO DE EXERCÍCIOS DO PROGRAMA DE FOMENTO DO EMPREEDEDORISMO E INOVAÇÃO NAS FACULDADES DE ENGENHARIA

EDITAL EM PROTUGUÊS DO CONCURSO DE CADERNO DE EXERCÍCIOS DO PROGRAMA DE FOMENTO DO EMPREEDEDORISMO E INOVAÇÃO NAS FACULDADES DE ENGENHARIA EDITAL EM PROTUGUÊS DO CONCURSO DE CADERNO DE EXERCÍCIOS DO PROGRAMA DE FOMENTO DO EMPREEDEDORISMO E INOVAÇÃO NAS FACULDADES DE ENGENHARIA PROGRAMA REGIONAL DE EMPRENDEDORISMO E INOVAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE PENELA

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE PENELA REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE Preâmbulo O concurso de Ideias do Concelho de Penela é uma iniciativa da Câmara Municipal de Penela. O presente documento visa regular o Concurso Empreendedorismo

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

Educação e Sensibilização Ambiental

Educação e Sensibilização Ambiental Educação e Sensibilização Ambiental Plano de Actividades LIPOR 2006/2007 Gabinete de Informação Lipor Objectivos Incentivar a participação nas actividades e projectos desenvolvidos pela LIPOR; Proporcionar

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS Artigos: 1º OBJECTIVOS São objectivos do Concurso : a) Estimular o empreendedorismo qualificado e inovador junto da comunidade empresarial e académica da região Norte, Centro

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio»

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» Regulamento «Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» 1. Promotor O Projecto de apoio a implementação do Programa Nacional de Voluntariado de Cabo Verde (PNV), executado

Leia mais

Plano de Transição 2012

Plano de Transição 2012 Plano de Transição 2012 A transição entre ciclos de ensino é hoje reconhecida por todos como um dos pontos críticos dos sistemas educativos, não só em virtude de envolver a transição de alunos de uma escola

Leia mais

Ser empreendedor em Portugal é ser:

Ser empreendedor em Portugal é ser: Ser empreendedor em Portugal é ser: Um pouco louco; Muito curioso; Muito persistente; Capaz de arriscar de forma sustentada; É ter noção das limitações do mercado nacional e das potencialidades do mercado

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros Página1 REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros 1. Apresentação O presente concurso é uma iniciativa promovida pela, no âmbito do Ano Europeu das Actividades Voluntárias que promovam uma Cidadania Activa

Leia mais

EMPREENDER NA ESCOLA

EMPREENDER NA ESCOLA PROGRAMA para o APRESENTAÇÃO O O programa Empreender na Escola Metodologia Programa Didático - Manuais Implementação do projeto Cronograma de atividades Formação e Acompanhamento Prémios 2 O PROJETO A

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de Empreendedorismo

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11 «CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO 9ª Edição 2010/11 REGULAMENTO PRÉMIO FUNDAÇÃO ILÍDIO PINHO "CIÊNCIA NA ESCOLA CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1. A e o Ministério da Educação celebraram

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (cursos EFA) são um instrumento fundamental para a qualificação da população adulta. Os Cursos EFA são destinados a

Leia mais

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade.

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade. Conteúdos Introdução Objectivos Projecto O camião O circuito Os veículos Descrição da Acção O jogo da Educação Rodoviária Conclusão Equipamento e serviços Introdução Introdução Sendo as crianças um dos

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

PROPOSTA. Termo de Referência

PROPOSTA. Termo de Referência PROPOSTA Termo de Referência Título: Revisão e Actualização do Manual do Formador da formação Pedagogica de Formadores Data limite para apresentação da proposta técnica de consultoria: 25 de Setembro Data

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor Kit do Professor A Associação High Play pretende proporcionar a crianças e jovens um Projecto Educativo preenchido de experiências positivas que permitam o desenvolvimento de competências transversais

Leia mais

REGULAMENTO DA INICIATIVA PONTES PARA O FUTURO PREÂMBULO

REGULAMENTO DA INICIATIVA PONTES PARA O FUTURO PREÂMBULO REGULAMENTO DA INICIATIVA PONTES PARA O FUTURO PREÂMBULO No âmbito da sua atividade de promoção do empreendedorismo e da inovação social, a Fundação Porto Social em parceria com a ESLider, promove a iniciativa

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação Maria José Madeira Silva 1, Jorge Simões 2, Gastão Sousa

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO O Prémio do Jovem Empreendedor é um projecto da Câmara Municipal da Boa Vista, em parceria com a Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação

Leia mais

CATÁLOGO DE ATIVIDADES

CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2015 CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2 1 1 Fotografia da Capa: Architectural Concepts By Roman Vlasov com Wendy F. Strange In 3dfirstaid Visual Architecture INTRODUÇÃO A SENTIDO DIRECTO desenvolve, de forma sistemática,

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO DE CIDADANIA (7º)

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO DE CIDADANIA (7º) ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO DE CIDADANIA (7º) 1º Período (26 Aulas) Identidade Pessoal As minhas principais qualidades e como se revelam importantes - Os meus

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA APRESENTAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL PARCEIROS: UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA CONFEDERAÇÃO DE EMPRESÁRIOS DE PONTEVEDRA

Leia mais

Projecto. Normas de Participação

Projecto. Normas de Participação Projecto Normas de Participação PREÂMBULO Num momento em que o mundo global está cada vez mais presente na vida das crianças e jovens, consideraram os Municípios da Comunidade Intermunicipal da Lezíria

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES A intervenção do Psicólogo na escola baseia-se num modelo relacional e construtivista, que fundamenta uma prática psicológica

Leia mais

ERP Portugal. Fevereiro 2013

ERP Portugal. Fevereiro 2013 ERP Portugal Fevereiro 2013 1 1 Objetivos Reconhecer e premiar um projeto académico, que se destaque no âmbito da Inovação no Sector da Gestão de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE)

Leia mais

CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Reflexões sobre o Empreendedorismo na Escola Manuela Malheiro Ferreira manuelamalheirof@gmail.com Universidade Aberta CEMRI

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Conhecer, sentir e viver a Floresta

Conhecer, sentir e viver a Floresta Projeto de Sensibilização e Educação da População Escolar Conhecer, sentir e viver a Floresta 2011-12 Floresta, Fonte de Vida Guia das Atividades - - Dia de S. Martinho, Castanhas e Castanheiros - Dia

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA

Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA Álvaro Fernandes Maria José Leite Leonor Gaspar Pinto Paulo Silva César Ferreira Setembro 20091 Programa de Promoção

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DA NAZARÈ

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DA NAZARÈ REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DA NAZARÈ Preâmbulo O concurso de Ideias do Concelho da Nazaré é uma iniciativa da Câmara Municipal da Nazaré. O presente documento visa regular o Concurso

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º

REGULAMENTO DO PRÉMIO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º REGULAMENTO DO PRÉMIO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1.A Fundação Ilídio Pinho, o Ministério da Educação e Ciência e Ministério da Economia celebraram um Protocolo com vista à instituição de

Leia mais