PERCEPÇÃO DO «VALOR» DAS VACINAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERCEPÇÃO DO «VALOR» DAS VACINAS"

Transcrição

1 GfK Metris GfK. Growth from Knowledge 2012 Pre launch Eklira Genuair Para: Almirall ll Data: 18 Janeiro 2012 Ã Proposta nº: 034 / 2012 Account Cliente: APIFARMA Manager: Rita Caldeira com) PERCEPÇÃO DO «VALOR» DAS VACINAS Data: 09 Março 2012 Projeto nº: 240 / 2011 Account Manager: Rita Caldeira Project Manager: Cláudia Vieira Your Business Innovation Partner

2 Índice Enquadramento 03 11Obj 1.1 Objectivos Metodologia 06 Key Findings 10 Análise Caracterização da População relativamente aos filhos Experiência clínica percepção sobre vacinas Notoriedade de vacinas Plano Nacional de Vacinação (PNV) Extra Plano Nacional de Vacinação (PNV) Caracterização da Amostra 59

3 1. E NQUADRAMENTO

4 1.1 O BJECTIVOS

5 Objectivos 5 A vacinação é considerada, entre todas as medidas de saúde pública, a que melhor relação custo efectividade tem evidenciado. A aplicação sistematizada de vacinas, sob a forma do Programa Nacional de Vacinação (PNV), ao longo de décadas, contribuiu para melhorar o panorama da saúde no âmbito das doenças infecciosas. O PNV é um programa universal, gratuito e acessível a todas as pessoas presentes em Portugal. Para que o PNV continue a ser um êxito é necessário manter as elevadas coberturas vacinais atingidas para todas as vacinas do Programa. Somente taxas de cobertura vacinal muito elevadas, de cerca de 95%, permitem obter imunidade de grupo. Perante a um cenário onde a taxa de cobertura vacinal possa ter recentemente sofrido um decréscimo, a APIFARMA contactou a GfK Metris tendo em vista a realização de um projeto de investigação de mercado junto de a) população em geral e b) médicos, que visou essencialmente aferir qual apercepção existente it t acerca do valor das vacinas junto destes dois públicos alvo. l De uma forma mais específica destacam se os seguintes objetivos: População em geral: notoriedade de vacinas, cumprimento do PNV, disposição para a toma de vacinas extra PNV, situação do próprio e filhos com menos de 13 anos face à vacinação. Médicos: notoriedade dd de vacinas, infecções mais preocupantes que afectam as crianças, hábitos de comunicação com os doentes sobre vacinação, satisfação com o PNV e respectivas janelas de oportunidade, recomendação para a toma de vacinas extra PNV.

6 1.2 M ETODOLOGIA

7 Metodologia População 7 Targets: O target fundamental do presente estudo incidiu sobre os indivíduos com filhos até aos 13 anos, idade aproximada até à qual as crianças deverão receber as últimas inoculações. Segundo os dados obtidos por intermédio das vagas do GfK Bus ocorridas entre Julho e Outubro de 2011 existe, em média, uma amostra de cerca de 280 indivíduos por mês com filhos até aos 13 anos de idade. Em termos de sexo, este número é composto por aproximadamente 60% de mulheres e 40% de homens. Assim, com o objetivo de obter aproximadamente uma amostra de 560 entrevistas neste segmento (amostra que, considerando o universo finito, apresenta uma margem de erro de ±4,1% para um nível de confiança de 95%), o presente estudo foi realizado em duas vagas do GfK Bus. Desta forma, foi ainda possível recolher informações adicionais junto de cerca de indivíduos acerca das suas atitudes e comportamentos perante as vacinas. Universo: O Universo é constituído pela população com 18 a 64 anos, residente em Portugal Continental. Amostra: A Amostra global é composta por entrevistas, com a seguinte distribuição por Target & Região GfK Metris: COM FILHOS 13 ANOS RESTO POPULAÇÃO GLOBAL REGIÃO GfK Metris N % N % N % LEGENDA Norte Litoral Grande Porto Interior Centro Litoral Grande Lisboa Alentejo Algarve TOTAL

8 Metodologia População 8 Recolha da Informação: Os lares foram seleccionados aleatoriamente a partir de uma matriz de estratificação que compreendeu a Região e o Habitat/Dimensão dos agregados populacionais e os respondentes foram seleccionados através do método de quotas, com base numa matriz que cruzou as variáveis Sexo e Idade. O cruzamento destas variáveis garantiu uma distribuição proporcional da amostra em relação à população Portuguesa. As quotas foram definidas com base nas estimativas do Instituto Nacional de Estatística (I.N.E.) de 2006 baseadas nos dados do Recenseamento Geral da População (2001). A informação foi recolhida através de entrevista directa e pessoal na residência dos dos inquiridos, em total privacidade. Os trabalhos de campo decorreram entre 13 e 24 de Janeiro de 2012 e entre 10 e 22 de Fevereiro de 2012.

9 Metodologia Médicos 9 Universo: O Universo é constituído por médicos de Clínica Geral, que observam mensalmente 15 ou mais crianças com idade igual ou inferior a 13 anos e por médicos de Pediatria, a exercer a sua prática clínica em Portugal,constantesde listagemconstituída parao efeito. Amostra: A Amostra é composta por 200 médicos com a seguinte distribuição por Especialidade e Região: ESPECIALIDADE REGIÃO Clínica Geral Pediatria Norte Centro Sul TOTAL Recolha da Informação: A informação foi recolhida através de entrevista telefónica, pelo sistema CATI (Computer Assisted Telephone Interviewing), com base em questionário elaborado pela GfK Metris, a partir dos objetivos enumerados, tendo o Cliente aprovado a sua formulação final. Os trabalhos de campo decorreram entre os dias 02 e 20 de Fevereiro de 2012, e foram realizados por entrevistadores com experiência em estudos idênticos (área médica), recrutadose treinadospela GfK Metris.

10 2. K EY FINDINGS

11 Key Findings 11 Qual a percepção que os Targets têm das Vacinas? Os Targets Médicos e População partilham a opinião que têm relativamente às Vacinas tendem a concordar, de forma globalmente semelhante, acerca aos seguintes aspectos: as vacinas são uma área da saúde importante, têm contribuído para a erradicação de doenças a nível mundial, deveriam ser gratuitas para crianças e grupos de maior risco e a investigação em novas vacinas é muito importante para a saúde pública. No entanto, revela se alguma discordância no que diz respeito à importância e eficácia das vacinas: enquanto que a População tende a concordar com estas características das vacinas, já junto dos Médicos o nível de concordância relativamente a estes 2 aspectos não é tão elevado como o observado junto da População. Por outro lado ainda, a População tende a revelar igualmente a ideia que «Hoje em dia já não é tão importante a vacinação porque há doenças que já estão a desaparecer» e que «Há vacinas que podem trazer mais riscos que beneficios». Assim, muito embora o reconhecimento da importância das vacinas nas suas várias vertentes seja amplamente partilhado pelos Targets, nota se junto da População alguma tendência para começar a desvalorizar as vacinas atuais «porque há doenças que estão a desaparecer», assim como algum receio relativamente à relação risco benefício de algumas vacinas. As vacinas são globalmente percepcionadas como uma área da saúde importante, têm contribuído para a erradicação de doenças a nível mundial, deveriam ser gratuitas para crianças e grupos de maior risco e a investigação em novas vacinas é muito importante para a saúde pública

12 Key Findings 12 Quais as Vacinas mais conhecidas dos Targets? Target Médico: Os Pediatras tendem a referir mais frequentemente qualquer uma das vacinas em estudo do que os Clínicos Gerais. As vacinas contra o Tétano, HPV, Hepatite B, Doença Meningocócia e Sarampo são as vacinas PNV espontaneamente mais referidas por mais de metade dos médicos. As vacinas contra a Doença Pneumocócica, Varicela, Rotavírus e Hepatite A são as vacinas Extra PNV mais identificadas por este Target, também de forma espontânea, atingindo mesmo níveis de notoriedade semelhantes às das vacinas PNV. Target População: As vacinas do Tétano, Varicela, Gripe, Hepatite B e Pneumonia/ Meningite são as mais referidas pela População, quer seja de forma espontânea ou de forma sugerida. De destacar que a vacina da Pneumonia/ Meningite obtém 53% de notoriedade total junto da população com filhos 13 anos. PNV: Tétano, Hepatite B, Doença Meningocócica, HPV (+ médicos), Sarampo EXTRA PNV: Doença Pneumocócica/ Pneumonia/ Meningite, Varicela, Rotavírus (+ médicos), Gripe (+ população) C. GERAL PEDIATRIA Os níveis de notoriedade das vacinas Extra PNV Doença Pneumocócica e Rotavírus junto dos médicos poderáestar relacionadacomas doenças/infeções que este Target considera que mais provavelmente surgem nas crianças até aos 13 anos. Pneumonia (36%) Bronquiolite (54%) Rotavírus Otite (25%) Otite (35%) Bronquiolite Pneumonia (44%) Rotavírus (30%)

13 Key Findings 13 Qual o nível de conhecimento/envolvimento da População Portuguesa com o PNV? Cerca de 1/3 da população portuguesa não sabe/ não responde em que consiste o PNV, assim como revela não saber se o PNV é gratuito, nem conhecem o calendário do PNV. Aproximadamente 1/4 da população portuguesa não sabe/ não responde qual a última vacina que tomou e cerca de 10% refere não saber se tem ou mesmo não ter todas as vacinas em dia (alegando sobretudo devido a falta de preocupação e descuido relativamente a esta questão). A maior parte dos pais portugueses com filhos menores de 13 anos não sabe/ não responde qual a última vacina tomada pelos seus filhos, não sabe/ não responde qual ou quais as próximas vacinas a tomar pelos seus filhos, nem em que idades. Não obstante este desconhecimento manifesto, a quase totalidade dos pais de crianças até aos 13 anos referem que de certeza que os seus filhos têm todas as vacinas em dia e que desde o nascimento até à data foram sempre rigorosos com o histórico de vacinação dos seus filhos. Nível de conhecimento/ envolvimento baixo, não só em relação ao próprio como em relação aos filhos menores de 13 anos (quando eistem) existem) Este nível de desconhecimento não implica o não cumprimento do calendáriodevacinaçãodosfilhos;tantoospaiscomoosmédicos referem com segurança que as crianças cumprem o calendário do PNV, o que poderá estar relacionado com a frequência de consultas nasidadesmaisjovenserespectiva comunicação do profissional de saúde (+ Clínica Geral) com os pais relativamente ao cumprimento do calendário. Apesar de serem das vacinas extra PNV mais recomendadas pelos médicos, as vacinas contra a Doença Pnenumocócia e Roratvius praticamente não têm notoriedade junto da população, pelo menos com esta designação/ terminologia. i De facto, considerando d as elevadas referências da população à vacina contra a Meningite/ Pneumonia e Prevenar, poder se á inferir que este target associa a Prevenar à meningite/ pneumonia, enquanto que o target médico a recomenda tendo em mente a Doença Pneumocócica.

14 Key Findings 14 Quais as Unmet Needs do PNV? A percentagem de médicos francamente satisfeitos com as vacinas atualmente previstas no PNV é de 65% na Clínica Geral e 54% na Pediatria, o que revela espaço para inclusão de outras vacinas, para além das já previstas que são consideradas decisivamente importantes. Esta área de oportunidade é sobretudo premente na Pediatria na medida em que 1/3 dos Clínicos Gerais referem que não adicionariam nenhuma vacina ao PNV; nenhuma das respostas obtidas na Pediatria se insere nesta categoria. Não obstante, a quase totalidade dos médicos considera que o PNV é um programa de sucesso. Recomendação de vacinação Extra PNV: Por outro lado, estas lacunas do PNV sentidas pelos médicos refletem se ainda na recomendação de vacinas Extra PNV: Os Pediatras tendem a recomendar, em média, a 86% dos seus doentes e a Clínica Geral apenas a cerca de 50% dos seus doentes. Numa 1ª linha são recomendadas as vacinas contra a Doença Pneumocócica e Rotavírus e, numa 2º linha as vacinas contra a Varicela e Hepatite A junto dos Pediatras e contra o HPV e a Gripe junto dos Clínicos Gerais. Inclusão de vacinas: Doença Pneumocócica, Rotavírus (+ Pediatria) e HPV (+ Clínica Geral) Alargamento a outros grupos: HPV a rapazes e idade de vacinação e grupos de risco (+ Clínica Geral) Denotam se preocupações diferentes por parte da Clínica Geral, o que poderá estar relacionado com o tipo de doentes que observam e suas faixas etárias: não sendo apenas crianças e lidando com grupos de risco, estas preocupações refletem se nas vacinas Extra PNV recomendadas por esta Especialidade (Gripe e HPV). Estas preocupações revelam se ainda ao nível dos grupos a quem estes médicos alargariam o PNV (idade de vacinação do HPV e grupos de risco).

15 Key Findings 15 Qual a situação das crianças portuguesas até aos 13 anos relativamente a vacinação PNV vs. Extra PNV? 20% de crianças até aos 13 anos foram vacinadas com vacinas Extra PNV. As vacinas contra a Meningite (++), o Rotavírus e a Prevenar foram, segundo os pais, as vacinas Extra PNV mais tomadas pelos seus filhos até aos 13 anos. Esta vacinação ocorreu por recomendação do Pediatra ou do Médico de Família. A maioria das crianças portuguesas até aos 13 anos (60%) está vacinada apenas com vacinas PNV Qual o principal obstáculo à vacinação Extra PNV? O preço surge comooprincipal p motivo junto dos médicos para nem sempre aconselharem ou não aconselharem a todos os seus doentes a vacinação Extra PNV. Muito embora a maior parte da População revele disposição para comprar vacinas Extra PNV, tanto para si como para os seus filhos menores de 14 anos, se recomendadas pelo médicos, o preço surge como o principal motivo identificado junto de quem não revela esta disposição. Preço Vacinação não adequada a todos os doentes (Clínica Geral)

16 3. A NÁLISE

17 Nota Metodológica 17 No Target População sempre que as bases das variáveis em análise sejam inferiores a 30 indivíduos e no Target Médico sempre que sejam inferiores a 10, estão assinaladas a vermelho e com um asterisco *. Assim, nestes casos a leitura dos slides e respectivos valores deve ser feita com precaução e a título meramente indicativo.

18 3.1 C ARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO RELATIVAMENTE AOS FILHOS

19 Caracterização da População relativamente aos filhos POPULAÇÃO 19 TEM FILHOS? COM FILHOS 13 ANOS 31% do total da amostra BASE: (627) QUANTOS? Mais de 3 Filhos 6% 3 Filhos Não 11% 37% 1 Filho 41% Sim 63% BASE: TOTAL DE INQUIRIDOS (POPULAÇÃO 1.994) 2 Filhos 41% Em média 1.9 Filhos BASE: INQUIRIDOS QUE TÊM FILHOS (1.264) IDADE? 14 e + anos 50% SEM FILHOS 13 ANOS 69% do total t lda amostra Até 13 anos 50% BASE: (1.367) P1A Para começar gostaria de lhe perguntar se tem filhos? / P1B Referiu me que tem filhos, quantos filhos tem? / P1C Que idades têm os seus filhos?

20 3.2 E XPERIÊNCIA CLÍNICA

21 Nº médiodecriançasatéaos13anosobservadasmensalmente& de até aos anos observadas mensalmente Principais doenças ou infeções que ocorrem até aos 13 anos MÉDICOS 21 Nº MÉDIO DE CRIANÇAS ATÉ AOS 13 ANOS OBSERVADAS MENSALMENTE CLÍNICA GERAL 40 crianças PEDIATRIA 164 crianças 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% PRINCIPAIS (>20%) DOENÇAS OU INFEÇÕES QUE OCORREM ATÉ AOS 13 ANOS (Espontâneo) As que têm maior probabilidade de As que mais preocupamp afetar as crianças desde o nascimento até aos 13 anos Meningite Pneumonia Bronquiolite Respiratórias % 70% 70% 60% 60% 54 60% 50% 50% % 40% 40% % 30 30% 30% % 20% 20% % 10% 10% 10% 0% 0% 0% Otite Rotavírus Meningite Pneumonia Bronquiolite B Respiratórias R Otite Rotavírus CLÍNICA GERAL TOTAL CLÍNICA GERAL TOM PEDIATRIA TOTAL PEDIATRIA TOM TOM Notoriedade espontânea Top of Mind TOTAL Total lde referênciasespontâneas BASE:TOTAL DE INQUIRIDOS (CLÍNICA GERAL 120 / PEDIATRIA 80) P1 CG & PED Sr.(a) Dr.(a), gostaria de começar por lhe perguntar quantas crianças até aos 13 anos de idade observa num mês normal de prática clínica? / P2 CG & PED Considerando a sua experiência, das doenças ou infecções que ocorrem até aos 13 anos de idade, quais são as que mais o preocupam? / P3 CG & PED E quais são as doenças ou infecções que, na sua opinião, têm maior probabilidade de afectar as crianças desde o nascimento até aos 13 anos de idade?

22 Doenças ou infecções que ocorrem até aos 13 anos MÉDICOS 22 As que mais preocupam As que têm maior probabilidade de afetar as crianças desde o nascimento até aos 13 anos As que mais preocupam As que têm maior probabilidade de afetar as crianças desde o nascimento até aos 13 anos CLÍNICA GERAL PEDIATRIA CLÍNICA GERAL PEDIATRIA CLÍNICA GERAL PEDIATRIA CLÍNICA GERAL PEDIATRIA TOM TOTAL TOM TOTAL TOM TOTAL TOM TOTAL TOM TOTAL TOM TOTAL TOM TOTAL TOM TOTAL MENINGITE PNEUMONIA BRONQUIOLITE ROTAVÍRUS OTITE RESPIRATÓRIAS SEPTICEMIA URINÁRIA TÉTANO DIFTERIA HEPATITE B RUBÉOLA VARICELA TUBERCULOSE POLIOMIELITE SARAMPO 25% 34% 45% 59% 21% 54% 21% 54% 22% 53% 8% 25% 2% 8% 4% 10% 6% 18% 1% 9% 7% 13% 10% 14% 4% 19% 7% 13% 1% 3% 2% 1% 1% 1% 1% 4% 1% 3% 3% 3% 4% 1% 4% 17% 5% 13% 16% 36% 23% 44% 23% 54% 19% 44% 12% 25% 6% 30% 8% 25% 10% 35% 9% 12% 20% 24% 1% 4% 4% 11% 3% 9% 1% 1% 1% 1% 1% 2% 3% 1% 4% 16% 3% 2% 2% 1% TOSSE CONV. GRIPE PAPEIRA HEPATITE A VIRAIS AMIGDALITE ALERGIAS FARINGITE PULMONARES ASMA GASTROINT. ESCARLATINA HERPES OUTRAS NS NR 3% 6% 3% 1% 1% 1% 1% 7% 1% 4% 1% 3% 1% 1% 1% 3% 1% 3% 1% 1% 1% 1% 5% 11% 1% 5% 1% 1% 3% 1% 6% 13% 3% 10% 2% 1% 1% 1% 3% 4% 6% 4% 13% 9% 1% 3% 2% 4% 1% 4% 2% 3% 5% 1% 2% 4% 1% 1% 4% 9% 3% 8% 1% TOM Notoriedade espontânea Top of Mind TOTAL Total de referências espontâneas BASE:TOTAL DE INQUIRIDOS (CLÍNICA GERAL 120 / PEDIATRIA 80) P2 CG & PED Considerando a sua experiência, das doenças ou infecções que ocorrem até aos 13 anos de idade, quais são as que mais o preocupam? / P3 CG & PED E quais são as doenças ou infecções que, na sua opinião, têm maior probabilidade de afectar as crianças desde o nascimento até aos 13 anos de idade?

23 Experiência clínica Principais conclusões 23 AMeningite, Pneumonia e Bronquiolite sãoasprincipaisdoençasouinfecçõesque ocorrem até aos 13 anos de idade e que mais preocupam tanto os médicos de Clínica Geral como de Pediatria embora as duas Especialidades lhes atribuam níveis de preocupação diferentes: C. Geral: 1) Pneumonia 2) Bronquiolite 3) Meningite Pediatria: 1) Meningite 2) Pneumonia 3) Bronquiolite Para além de preocupantes, a Pneumonia e Bronquiolite têm também elevada probabilidade de afetar as crianças desde o nascimento até aos 13 anos. Igualmentecom elevada probabilidadede ocorrência são ainda referidos o Rotavírus e as Otites (+ Pediatria). Assim, muito embora a Meningite seja a maior fonte de preocupação para os Pediatras, não parece que esta preocupação esteja diretamente relacionada com a probabilidade de afetar as crianças. As que mais preocupam As mais prováveis C. GERAL PEDIATRIA C. GERAL PEDIATRIA Bronquiolite (53%) Pneumonia (54%) Meningite (34%) Pneumonia (54%) Meningite (59%) Bronquiolite (25%) Pneumonia (36%) Bronquiolite (54%) Rotavírus Otite (25%) Otite (35%) Bronquiolite Pneumonia (44%) Rotavírus (30%)

24 3.3 P ERCEPÇÃO SOBRE VACINAS

25 Percepção sobre vacinas Grau de concordância* com algumas frases: Top 2 Box MÉDICOS POPULAÇÃO 25 Valores de Top 2 Box (%9+10) 0% 10% 20% CLÍNICA GERAL PEDIATRIA SEM FILHOS 13 ANOS 1) As vacinas são uma área da saúde a que dou muita importância 71% 87% 67% 80% 6) As vacinas têm contribuido tib id para a erradicação de doenças a nível mundial 83% 91% 64% 70% 7) As vacinas deveriam ser gratuitas para crianças e grupos de maior risco, como idosos ou portadores de doenças crónicas 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% COM FILHOS 13 ANOS 59% 89% 80% 83% 11) A investigação em novas vacinas é muito importante para a saúde pública 78% 88% 70% 75% 5) Há cada vez mais doenças que podem ser prevenidas com o uso de vacinas 48% 55% 60% 68% 8) Mesmo quando a protecção conferida pela vacina não é total, quem está vacinado tem maior resistência à doença do que quem não está vacinado 58% 64% 62% 69% 10) As vacinas são a melhor forma de prevenir doenças 48% 61% 56% 61% 4) As vacinas são todas igualmente importantes 25% 13% 55% 64% 2) As vacinas são todas igualmente eficazes na prevenção da doença 15% 11% 53% 58% 9) Há vacinas que podem trazer mais riscos que benefícios 8% 4% 12% 13% 3) Hoje em dia já não é tão importante a vacinação porque há doenças que já estão a desaparecer 6% 5% 18% 24% *Escala de Concordância 1 «Não concordo nada» a 10 «Concordo totalmente» Ponto Médio CLÍNICA GERAL PEDIATRIA POP. SEM FILHOS 13 ANOS POP. COM FILHOS 13 ANOS BASE: TOTAL DE INQUIRIDOS (CLÍNICA GERAL 120 / PEDIATRIA 80 / POP. SEM FILHOS 13 ANOS / POP. COM FILHOS 13 ANOS 627) P2 POP / P4 CG & PED Sr.(a) Dr.(a) vou agora ler lhe um conjunto de frases. Para cada uma delas gostaria que me dissesse qual o seu grau de concordância utilizando a seguinte escala de 1 a 10, em que 1 significa que «Não concordo nada» e 10 significa «Concordo totalmente».

26 Percepção sobre vacinas Grau de concordância* com algumas frases: Valores Médios MÉDICOS POPULAÇÃO 26 Valores Médios CLÍNICA GERAL PEDIATRIA SEM FILHOS 13 ANOS 1) As vacinas são uma área da saúde a que dou muita importância ) As vacinas têm contribuido tib id para a erradicação de doenças a nível mundial ) As vacinas deveriam ser gratuitas para crianças e grupos de maior risco, como idosos ou portadores de doenças crónicas COM FILHOS 13 ANOS ) A investigação em novas vacinas é muito importante para a saúde pública ) Há cada vez mais doenças que podem ser prevenidas com o uso de vacinas ) Mesmo quando a protecção conferida pela vacina não é total, quem está vacinado tem maior resistência à doença do que quem não está vacinado ) As vacinas são a melhor forma de prevenir doenças ) As vacinas são todas igualmente importantes ) As vacinas são todas igualmente eficazes na prevenção da doença ) Há vacinas que podem trazer mais riscos que benefícios ) Hoje em dia já não é tão importante a vacinação porque há doenças que já estão a desaparecer *Escala de Concordância 1 «Não concordo nada» a 10 «Concordo totalmente» Ponto Médio CLÍNICA GERAL PEDIATRIA POP. SEM FILHOS 13 ANOS POP. COM FILHOS 13 ANOS BASE: TOTAL DE INQUIRIDOS (CLÍNICA GERAL 120 / PEDIATRIA 80 / POP. SEM FILHOS 13 ANOS / POP. COM FILHOS 13 ANOS 627) P2 POP / P4 CG & PED Sr.(a) Dr.(a) vou agora ler lhe um conjunto de frases. Para cada uma delas gostaria que me dissesse qual o seu grau de concordância utilizando a seguinte escala de 1 a 10, em que 1 significa que «Não concordo nada» e 10 significa «Concordo totalmente».

27 Percepção sobre vacinas Detalhe das frases de menor grau de concordância MÉDICOS POPULAÇÃO 27 Concorda Mais com Indiferente Concorda Mais com Diferença ( ) ( ) Oposto CG PED S/ FILHOS C/ FILHOS 11%4%8%6%11% 10% 14% 21% 6% 9% 9% 11% 10% 9% 13% 10% 15% 13% 5%6% 0% 1%7%7% 14% 16% 14% 39% 1%5%6% 12% 16% 14% 45% 21% 0% 80% 84% 2) As vacinas são todas igualmente almenteeficazes es na prevenção da doença Oposto Oposto Oposto CG 34% 17% 8% 7% 8%4%8% 9%3%3% 42% PED 53% 19% 8%1%5%3%4%4%4%1% 67% 6% S/ FILHOS 25% 8% 7%5%11% 7% 8% 9% 6%12% 10% C/ FILHOS 28% 8% 7%3%9%5%8% 6%10% 14% 7% CG 6%5%5%4% 15% 9% 9% 22% 8% 17% 36% PED 11% 8% 11%1% 16% 6% 18% 16% 3%10% 15% S/ FILHOS 0% 1%5%6% 12% 18% 13% 42% 82% C/ FILHOS 1%3%6%11% 13% 15% 50% 85% CG 14% 14% 11% 13% 19% 6%8%7%5%3% 30% PED 44% 19% 11%3%8%4%5%4%3%1% 64% S/ FILHOS 18% 11% 8% 7% 17% 8% 8%6%5%7% 19% C/ FILHOS 22% 9% 8%6% 15% 7% 9% 7%5%8% 16% 3) Hoje em dia já não é tãoimportante a vacinação porque há doenças que estão a desaparecer 4) As vacinas são todas igualmente importantes 9) Há vacinas que podem trazer mais riscos que benefícios BASE: TOTAL DE INQUIRIDOS (CLÍNICA GERAL 120 / PEDIATRIA 80 / POP. SEM FILHOS 13 ANOS / POP. COM FILHOS 13 ANOS 627) P2 POP / P4 CG & PED Sr.(a) Dr.(a) vou agora ler lhe um conjunto de frases. Para cada uma delas gostaria que me dissesse qual o seu grau de concordância utilizando a seguinte escala de 1 a 10, em que 1 significa que «Não concordo nada» e 10 significa «Concordo totalmente».

28 Percepção sobre vacinas Principais conclusões 28 De uma forma geral, e com exceção de «As vacinas são todas igualmente eficazes na prevenção da doença» e «As vacinas são todas igualmente importantes», a Pediatria tende a concordar mais com cada uma das frases que a Clínica Geral. Os mesmo se observa entre a População com filhos, independentemente da idade dos mesmos, que também tende a concordar mais com cada uma das frases que a População sem filhos. Por outro lado, a percepção dos Médicos e da População não apresenta diferenças substanciais: de facto, com exceção das 2 frases já referidas, onde a População tende a concordar mais que os Médicos com cada uma delas, globalmente todos os targets estão de acordo relativamente à percepção que têm das vacinas: a importância das vacinas enquanto uma área da saúde, enquanto contributo para a irradicação de doenças a nível mundial, a investigação em novas vacinas e a opinião de que deveriam ser gratuitas para as crianças e grupos de maior risco são as frases com que os targets mais tendem a concordar. Ao invés, os Médicos tendem a discordar de que «As vacinas são todas igualmente eficazes na prevenção da doença», com «Há vacinas que podem trazer mais riscos que benefícios» e com «Hoje em dia já não é tão importante a vacinação porque há doenças que já estão a desaparecer». De salientar que muito embora a População considere que «As vacinas são todas igualmente eficazes na prevenção da doença» e que «As vacinas são todas igualmente importantes» (+ que o Target Médico), por outro lado existe igualmente a ideia que «Hoje em dia já não é tão importante a vacinação porque há doenças que já estão a desaparecer» e que «Há vacinas que podem trazer mais riscos que beníficos». Valores de Top 2 Box (%9+10) CLÍNICA SEM FILHOS COM FILHOS PEDIATRIA GERAL 13 ANOS 13 ANOS As vacinas sãouma áreada saúde a que dou muita importância 71% 87% 67% 80% As vacinas têm contribuido para a erradicação de doenças a nível mundial 83% 91% 64% 70% As vacinas deveriam ser gratuitas para crianças e grupos de maior risco, como idosos ou portadores de doenças crónicas 59% 89% 80% 83% A investigação em novas vacinas é muito importante para a saúde pública 78% 88% 70% 75% Há cada vez mais doenças que podem ser prevenidas com o uso de vacinas 48% 55% 60% 68% Mesmo qdo a protecção conferida pela vacina n/ é total, quem está vacinado tem > resistência à doença do que quem n/ está vacinado 58% 64% 62% 69% As vacinas sãoa melhor forma de prevenir doenças 48% 61% 56% 61% As vacinas são todas igualmente importantes 25% 13% 55% 64% As vacinas são todas igualmente eficazes na prevenção da doença 15% 11% 53% 58% Há vacinas que podem trazer mais riscos que benefícios 8% 4% 12% 13% Hoje em dia já não é tão importante a vacinação porque há doenças que já estão a desaparecer 6% 5% 18% 24%

29 3.4 N OTORIEDADE DE VACINAS

30 PNV: Esquema Cronológico de Vacinação Recomendado até ao final de Diferenças no Calendário após 2012 VACINA IDADE 0 7 dias 2 meses 3 meses 4 meses 5 meses 6 meses 12 meses 15 meses 18 meses 5 6 anos anos Toda a vida Tuberculose BCG 1 Hepatite B VHB 1 VHB 2 VHB 3 VHB a (1 2 3) Poliomielite VIP 1 VIP 2 VIP 3 VIP 4 Difteria, Tétano e Tosse convulsa DTP1 DTP2 DTP3 DTP4 DTP5 Haemophilus influenzae b Hib 1 Hib 2 Hib 3 Hib 4 Meningococo C MenC 1 MenC 2 MenC 1 MenC 3 Papiloma Humano VPH c (1 2 3) Sarampo, Rubéola e Papeira VASPR 1 VASPR 1 VASPR b 2 Tétano e Difteria Td Td (10 10 anos) (a) Só para os nascidos até 1999 (esquema de vacinação: 0, 1 e 6 meses) (b) Nos nascidos em 1993 a VASPR 2 deve ser administrada aos 13 anos (c) Em serão vacinadas as coortes de raparigas que atinjam 17 anos (nascidas em )

31 Notoriedade espontânea de vacinas MÉDICOS POPULAÇÃO 31 PRINCIPAIS VACINAS 100% VACINAS PNV OUTRAS VACINAS 100% 80% 60% 40% 20% 0% % 60% 40% 20% 0% Tétan no HP PV Hepatite B Doença Meningocóci ca Saramp po Difter ria Doença Pneumocócic Pneumonia/ Meningite / a/ Grip pe Varice ela Rotavíru us Hepatite A CLÍNICA GERAL TOTAL PEDIATRIA TOTAL SEM FILHOS 13 ANOS TOTAL COM FILHOS 13 ANOS TOTAL CLÍNICA GERAL TOM PEDIATRIA TOM SEM FILHOS 13 ANOS TOM COM FILHOS 13 ANOS TOM TOM Notoriedade espontânea Top of Mind TOTAL Total de referências espontâneas BASE: TOTAL DE INQUIRIDOS (CLÍNICA GERAL 120 / PEDIATRIA 80 / POP. SEM FILHOS 13 ANOS / POP. COM FILHOS 13 ANOS 627) P3 POP / P5 CG & PED Gostaria agora de lhe pedir que me dissesse quais as vacinas que conhece ou já ouviu falar? Mais alguma?

32 Notoriedade de vacinas do PNV MÉDICOS POPULAÇÃO 32 CLÍNICA GERAL PEDIATRIA SEM FILHOS 13 ANOS COM FILHOS 13 ANOS ESPONTÂNEA SUGE ESPONTÂNEA SUGE ESPONTÂNEA SUGE ESPONTÂNEA TOTAL TOTAL TOTAL TOM TOTAL RIDA TOM TOTAL RIDA TOM TOTAL RIDA TOM TOTAL TUBERCULOSE 7% 41% 49% 90% 26% 53% 46% 99% 2% 20% 15% 35% 4% 23% 16% 39% HEPATITE B 4% 53% 39% 92% 4% 55% 44% 99% 4% 27% 11% 38% 6% 30% 12% 42% POLIOMIELITE 2% 37% 54% 91% 4% 43% 56% 99% 1% 5% 9% 14% 1% 6% 10% 16% DIFTERIA 1% 38% 52% 89% 9% 56% 43% 99% 2% 6% 8% 14% 3% 7% 10% 17% TÉTANO 24% 61% 32% 93% 15% 68% 31% 99% 53% 75% 11% 86% 51% 73% 12% 85% TOSSE CONVULSA 23% 65% 88% 3% 50% 49% 99% 0.1% 4% 11% 15% 0.2% 4% 12% 16% HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B 13% 71% 83% 1% 34% 64% 98% DOENÇA MENINGOCÓCICA 8% 52% 40% 92% 3% 50% 49% 99% HPV 8% 57% 35% 92% 3% 61% 38% 99% 2% 14% 7% 21% 2% 13% 10% 23% SARAMPO 6% 50% 43% 93% 1% 63% 36% 99% 3% 25% 21% 46% 3% 27% 22% 49% RUBÉOLA 5% 39% 52% 91% 3 % 48% 51% 99% 1% 14% 19% 33% 1% 17% 19% 36% PAPEIRA 18% 69% 88% 39% 60% 99% 0.4% 6% 13% 19% 5% 11% 16% OUTRAS VACINAS 3% 10% 1% 6% 03% 0.3% 2% 2% 3% 03% 0.3% 2% 2% 2% NS NR 3% 8% 2% 1% 1% 1% 9% 4% 6% 7% 2% 5% SUGE RIDA TOTAL ESPONTÂNEA TOM Notoriedade espontânea Top of Mind / ESPONTÂNEA TOTAL Total de referências espontâneas / TOTAL Total de referências espontâneas+sugeridas BASE: TOTAL DE INQUIRIDOS (CLÍNICA GERAL 120 / PEDIATRIA 80 / POP. SEM FILHOS 13 ANOS / POP. COM FILHOS 13 ANOS 627) P3 POP / P5 CG & PED Gostaria agora de lhe pedir que me dissesse quais as vacinas que conhece ou já ouviu falar? Mais alguma? / P7 POP Tanto quanto sabe, qual ou quais das seguintes vacinas estão incluídas no Programa Nacional de Vacinação (PNV)? / P6 CG & PED Ediga me, por favor, se conhece ou já ouviu falar de cada uma das vacinas que lhe vou ler?

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV;

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV; Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Boletins Individuais de Saúde, Fichas Individuais de Vacinação, Mapas para recolha de dados

Leia mais

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas { Idade } recém-nascido 2 meses { Vacinas e respectivas doenças } DTPa = 1.ª dose (Difteria, Tétano, Tosse Convulsa) : regularmente ao longo da infância*; tensão arterial: periodicamente ao longo da infância*;

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

NOTA. preveníveis. parte da. doenças colocam. doenças. Vacinação (PNV). como o. o PNV bem. vacinação. da sua. em saúde

NOTA. preveníveis. parte da. doenças colocam. doenças. Vacinação (PNV). como o. o PNV bem. vacinação. da sua. em saúde NOTA INFORMATIVA A implementação generalizada de programas de vacinação nas últimas décadas permitiu atingir ganhos notáveis no controlo das doenças preveníveis por vacinação. Contudo, este controlo tem

Leia mais

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Managing Director _ Executive Researcher_ António Gomes [antonio.gomes@gfk.com] João Costa [joao.costa@gfk.com] Contexto O estudo foi desenvolvido no âmbito do

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO...

PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO... ASSUNTO PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO... 1. A QUESTÃO COLOCADA... tendo as vacinas efeitos secundários e contra indções que legitimidade tem um enfermeiro...para vacinar a criança sem

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis Automatos celulares Em Modelação de Doenças Transmissíveis Portugal 2004 & 2008 Doenças de Notificação Obrigatória (8 a 10 mil casos/ano) Número de notificações por ano Varicela: 100 120 mil casos / ano?

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de:

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de: EVENTOS DE SURF 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 7 1. Caracterização da amostra 8 2. Satisfação 15 4. Regressar e recomendar 20 3 Metodologia 23 Contextualização do Projecto

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

[cover] Depois de a sua criança ser vacinada

[cover] Depois de a sua criança ser vacinada [cover] Depois de a sua criança ser vacinada Vacinar a sua criança significa que tomou uma decisão importante para a proteger contra uma ou mais doenças infecciosas. Para que saiba o que esperar depois

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública)

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Execução e responsabilidade técnica: Direcção Científica: Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Patrocinador: Resultados Estudo Barómetro e-health Inovação em Portugal 2012 Apoios: (1ª

Leia mais

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA)

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA) IDENTIFICAÇÃO BOLETIM MENSAL DE S APLICADAS SI - API VERSÃO 10 MÊS ANO CÓDIGO DA UNIDADE NOME DA UNIDADE UF REGIONAL CÓDIGO DO MUNICÍPIO NOME DO MUNICÍPIO BCG ROTINA MENOR DE 1 ANO 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

Carla TG Barreto Andrey M Cardoso Felipe FG Tavares Carlos EA Coimbra Jr. Departamento de Endemias ENSP/FIOCRUZ

Carla TG Barreto Andrey M Cardoso Felipe FG Tavares Carlos EA Coimbra Jr. Departamento de Endemias ENSP/FIOCRUZ Estado vacinal como fator protetor para Infecção Respiratória Aguda em crianças indígenas Guarani menores de 5 anos hospitalizadas no Sul e Sudeste do Brasil: um Estudo Caso-Controle Carla TG Barreto Andrey

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez

Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez Módulo I Infecções, Viagens & Gravidez Moderadores: Clara Soares & Fernando Maltez 2º Curso

Leia mais

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 I. Directivas relativas às doenças transmissíveis colectivas crèches 1. Critérios de notificação crèche Quando as crianças

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde Atualizado em Abril 2015 PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO O conteúdo desta página é meramente informativo

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner Estudo de Satisfação de Turistas Your Business Innovation Partner Índice Enquadramento 3 1.1 Objectivos 4 1.2 Metodologia 6 Síntese 9 Análise 16 3.1 Caracterização da Amostra 18 3.2 Caracterização das

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015 Avaliação de Planos de Saúde Maio de 2015 Índice OBJETIVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O Mercado de plano de saúde Perfil do beneficiário vs Não beneficiário Beneficiários Satisfação, Recomendação, Continuidade

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Outubro de 2015 2 Índice 1 Objetivos e Metodologia

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

Teenage Immunisations (Portuguese) [cover page] Vacinas no ensino secundário. vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança

Teenage Immunisations (Portuguese) [cover page] Vacinas no ensino secundário. vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança [cover page] Vacinas no ensino secundário vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança [page 2] As duas intervenções de saúde pública que tiveram o maior impacto na saúde mundial são a água

Leia mais

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Portuguese translation of Immunisation for babies just after their first birthday Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Introdução Este folheto contém fatos sobre a primeira vacina VASPR

Leia mais

O QUE PENSAM OS PORTUGUESES SOBRE O ESTADO SOCIAL? Resultados de um inquérito por questionário

O QUE PENSAM OS PORTUGUESES SOBRE O ESTADO SOCIAL? Resultados de um inquérito por questionário O QUE PENSAM OS PORTUGUESES SOBRE O ESTADO SOCIAL? Resultados de um inquérito por questionário O Inquérito Este inquérito analisa atitudes sociais sobre o Estado Social em Portugal. A informação recolhida

Leia mais

95-100 80-85 65-70 50-55 35-40 20-25 5-10. [Fonte: INE] Sexo Masculino Sexo Feminino. Espanha 7445 14147 22334 27400 França 10461 18022 26652 31048

95-100 80-85 65-70 50-55 35-40 20-25 5-10. [Fonte: INE] Sexo Masculino Sexo Feminino. Espanha 7445 14147 22334 27400 França 10461 18022 26652 31048 Pirâmide etária (1979/27) 95-1 8-85 65-7 5-55 35-4 2-25 5-1 [Fonte: INE] 1979 Sexo Masculino 27 Sexo Feminino 1989 1991 21 24 PORTUGAL 91,6 85,8 8, 74,8 Espanha 8, 78,2 59,7 54,6 França 5, 49,2 36,1 34,7

Leia mais

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais.

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um Sistema

Leia mais

Um guia para as vacinas na infância para bebés até aos 13 meses de idade

Um guia para as vacinas na infância para bebés até aos 13 meses de idade [cover page] Um guia para as vacinas na infância para bebés até aos 13 meses de idade Vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança [page 2] As duas intervenções de saúde pública que tiveram

Leia mais

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA Índice 2 11 Enquadramento 3 2 Amostra 7 3 Resultados 9 3 1 Enquadramento Objetivos 4 No âmbito da parceria entre a APAV e a INTERCAMPUS,

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

IMPFDIENST. Brochura informativa para Pais e Alunos

IMPFDIENST. Brochura informativa para Pais e Alunos IMPFDIENST Brochura informativa para Pais e Alunos Serviço de Vacinação Exmos. Pais e Encarregados de Educação Caros alunos Em colaboração com os médicos escolares e o Serviço de Medicina Cantonal (Departamento

Leia mais

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008 A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito 2 de Abril de 2008 Caracterização dos inquiridos Sexo 37% 63% Feminino Masculino Idade 12% 18-25 anos 18% 26-35 anos 36-45 anos 54% 16% > de 45 anos

Leia mais

Avaliação dos planos e seguros saúde

Avaliação dos planos e seguros saúde 1 Avaliação dos planos e seguros saúde Estado de São Paulo Agosto/2012 Objetivo 2 Conhecer a opinião dos usuários de planos ou seguros de saúde do Estado de São Paulo, investigando a utilização dos serviços

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Vacinação dos bebés até aos 12 meses

Vacinação dos bebés até aos 12 meses Portuguese translation of Immunisation for babies up to a year old Vacinação dos bebés até aos 12 meses Introdução Este guia destina-se a pais de bebés até 12 meses de idade. Fornece informações sobre

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO - 2017

PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO - 2017 PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO - 2017 Edward Jenner (1749-1823) AGENDA HISTÓRIA AVALIAÇÃO e RESULTADOS PNV 2017 1965-2015 Coberturas vacinais Doenças Principais alterações Coordenação DGS Centros de saúde

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO. Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO. Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO O conteúdo desta página é meramente informativo e educativo, e não

Leia mais

Cadernos IVP nº4. Março 2003. Serviço de Estudos

Cadernos IVP nº4. Março 2003. Serviço de Estudos Cadernos IVP nº4 Março 2003 Serviço de Estudos O Vinho do Porto sempre foi maioritariamente exportado, com o mercado nacional a ganhar dimensão apenas na época mais recente da vida de um produto que entrou

Leia mais

Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal

Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal Apresentação de resultados do estudo Porto, 8 de Março de 2005 Objectivos Objectivo principal O objectivo principal deste estudo é a

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade.

Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade. [cover] Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade. vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança [page 2] As duas intervenções de saúde pública que tiveram

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

Sexualidade União estável para casais do mesmo sexo. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO +55 62 3541.6556 www.institutoverus.com.

Sexualidade União estável para casais do mesmo sexo. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO +55 62 3541.6556 www.institutoverus.com. Sexualidade União estável para casais do mesmo sexo Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO +55 62 3541.6556 www.institutoverus.com.br 1 1 Pesquisa de opinião Pesquisa Quantitativa Instituto Verus Assessoria

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

A Televisão na Sociedade em Rede

A Televisão na Sociedade em Rede A Sociedade em Rede Portugal 2010 A Televisão na Sociedade em Rede Setembro de 2011 flash report Março 2009 0 Índice Introdução... 4 Sumário Executivo... 5 Perfis e caracterização do consumo de Televisão,

Leia mais

Vacinação para bebés até ao primeiro ano de idade

Vacinação para bebés até ao primeiro ano de idade Portuguese translation of Immunisation for babies up to a year old Vacinação para bebés até ao primeiro ano de idade Introdução Este é um guia para pais com bebés até ao primeiro ano de idade. Disponibiliza

Leia mais

Barómetro Político Marktest: Sondagem Legislativas 2015

Barómetro Político Marktest: Sondagem Legislativas 2015 Barómetro Político Marktest: Sondagem Legislativas 3 Setembro de Marktest Dir.Estudos Sectoriais 3-9- I. Ficha Técnica da Sondagem A presente sondagem é da responsabilidade da seguinte entidade: Marktest,

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Perceção de valor das análises clínicas

Perceção de valor das análises clínicas Perceção de valor das análises clínicas Maio Abril 2013 OBJETIVOS DA INVESTIGAÇÃO» Grau de preocupação com os cuidados de saúde;» Hábitos/ comportamentos de procura de informação sobre saúde;» Hábitos

Leia mais

Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família. Introdução

Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família. Introdução Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família Introdução O programa Janela Aberta à Família (website em www.janela-aberta-familia.org) teve início no Algarve

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014 Circular 565/2014 São Paulo, 20 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) "CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO" PARA OS PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17

Leia mais

Região Administrativa Especial de Macau. /2004 (proposta de lei) Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis

Região Administrativa Especial de Macau. /2004 (proposta de lei) Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis Região Administrativa Especial de Macau Lei n. o /2004 (proposta de lei) Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea 1) do artigo

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas.

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES Julianne Melo dos Santos 1, Auleliano Adonias dos Santos 1, Rosa Maria Nunes Galdino 2 Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. Introdução

Leia mais

A guide to childhood immunisations for babies up to 13 months of age. (PORTUGUESE)

A guide to childhood immunisations for babies up to 13 months of age. (PORTUGUESE) A guide to childhood immunisations for babies up to 13 months of age. (PORTUGUESE) [p.1] Guia de vacinação para bebés até 13 meses de idade Vacinação a melhor forma de proteger o seu filho [p.2] As duas

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Programa Nacional de Vacinação (PNV) Introdução da vacina contra infecções por Vírus do Papiloma Humano Nº: 22/DSCS/DPCD DATA: 17/10/08 Para: Contacto na DGS: Médicos e enfermeiros dos Centros

Leia mais

Semana Europeia da Vacinação

Semana Europeia da Vacinação Diverte-te com esta Sopa de Letras sobre Vacinação: N A J I X S E B I G D F P O U M E R L H F S Q B I K R C W U O T A B H I G I E N E Y SAÚDE VACINA PREVENÇÃO BACTÉRIA IMUNIDADE CONTÁGIO HIGIENE INFEÇÃO

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro

Calendário de Vacinação do Prematuro Calendário de Vacinação do Prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 RECOMENDAÇÕES, E CUIDADOS ESPECIAIS BCG ID (1) Deverá ser aplicada, preferencialmente ainda na

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

A Sociedade em Rede em Portugal 2008 - Internet...4!

A Sociedade em Rede em Portugal 2008 - Internet...4! A Sociedade em Rede em Portugal 2008 - Internet...4! Taxa de utilização de Internet... 4! Taxa de utilização de Internet por género... 5! Taxa de utilização de Internet por escalão etário... 6! Posse de

Leia mais

ASSUNTO: Ponto de Situação da Gripe A (H1N1) em Portugal

ASSUNTO: Ponto de Situação da Gripe A (H1N1) em Portugal Lisboa, 27 de Julho de 2009 CIRCULAR Nº 59/2009 (SF) RF/MS/RC ASSUNTO: Ponto de Situação da Gripe A (H1N1) em Portugal Caro Associado, Junto enviamos memorandum elaborado no seguimento da reunião do Conselho

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

Cumprimento dos programas de saúde obrigatórios por famílias de elevada vulnerabilidade social: Um estudo no concelho de Aveiro 1

Cumprimento dos programas de saúde obrigatórios por famílias de elevada vulnerabilidade social: Um estudo no concelho de Aveiro 1 Cumprimento dos programas de saúde obrigatórios por famílias de elevada vulnerabilidade social: Um estudo no concelho de Aveiro 1 Tânia Costa, Daniela Figueiredo, Susana Pires Cláudia Ribeiro, Liliana

Leia mais