Perceção de valor das análises clínicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perceção de valor das análises clínicas"

Transcrição

1 Perceção de valor das análises clínicas Maio Abril 2013

2 OBJETIVOS DA INVESTIGAÇÃO» Grau de preocupação com os cuidados de saúde;» Hábitos/ comportamentos de procura de informação sobre saúde;» Hábitos de consulta;» Avaliação dos profissionais de Saúde;» Hábitos/comportamentos relacionados com prevenção;» Perceções face às análises Clínicas;» Expetativas futuras.

3 » Ficha Técnica

4 QUEM FOI OUVIDO, QUANDO E COMO? SEGMENTOS UNIVERSO AMOSTRA ERRO AMOSTRAL DATA DE CAMPO MÉTODO DE RECOLHA Administradores Entre 600 e 700 (1) 20 ±21,6% Entre 7 e 21 de jan 13 Face to Face Clínicos Gerais (2) 50 ±13,8% Entre 7 e 21 de jan 13 Web-CAWI Especialistas (2) 50 ±13,8% Entre 7 e 21 de jan 13 Web-CAWI Responsáveis de Laboratório (3) 40 ±13,3% Entre 7 e 21 de jan 13 Face to Face População (4) 653 ±3,9% Entre 7 e 21 de jan 13 Telefónica- CATI (1) O universo não está perfeitamente apurado. Estima-se que existam cerca de 600 a 700 Administradores Hospitalares (2) Fonte: Base de dados Onekey da CEGEDIM PORTUGAL (3) Fonte: Páginas amarelas de Portugal (4) Fonte: INE Censos 2011 (residentes em Portugal Continental com idades entre os 20 e os 70 anos) 4

5 » Preocupação com a saúde em geral

6 Na lista das preocupações dos portugueses, surgem os cuidados de saúde, logo a seguir ao desemprego 6

7 A preocupação com cuidados de saúde é referida por mais de metade da população inquirida Desemprego 76,9 Cuidados com a Saúde Pobreza e desigualdade social 46,4 53,9 Impostos Educação Criminalidade e violência Corrupção e escândalos financeiros ou políticos Crise económica Outras 25,0 21,4 16,5 14,5 10,4 11,5 POPULAÇÃO Resposta múltipla Q1- Neste momento, quais são para si as maiores preocupações a nível geral? 7

8 Esta preocupação é tanto mais relevante quanto maior a expectativa futura de que os serviços de saúde vão piorar 8

9 Para os profissionais de saúde é consensual a opinião de que os utentes estão mais exigentes face aos cuidados de saúde

10 Exigência dos utentes face aos cuidados de saúde (%) Mais Exigentes 80,0 78,0 70,0 67,5 Igual 18,0 20,0 25,0 30,0 Menos Exigentes 2,0 2,0 5,0 2,5

11 O profissionalismo e atendimento são os dois pontos mais relevantes dessa exigência

12 mas, cerca de um terço dos Clínicos Gerais consideram que o maior pedido de realização de MCD é também um indicador dessa atitude

13 Onde é sentida maior exigência dos Utentes (%) Maior pedido de realização de MCD 32,5 20,5 7,1 3,7 Profissionalismo dos Profissionais de Saúde 25,0 41,0 71,4 18,5 Atendimento 25,0 35,9 85,7 66,7

14 » Hábitos/ comportamentos de procura de informação

15 Os profissionais de saúde são unânimes em concluir que a população está mais conhecedora sobre temas relacionados com saúde 15

16 Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Mais conhecedora de temas relacionados com saúde Igualmente conhecedora de temas relacionados com saúde Menos conhecedora de temas relacionados com saúde Ns/Nr 16

17 Este facto é confirmado por cerca de um terço da população que diz ter o hábito de procurar informação sobre saúde 17

18 Costuma procurar informação sobre saúde (%) Não costuma Costuma 71,1 28,9 Tipo de informação que procura Médicos de especialidade 48,1 Clínicas de especialidade para realização tratamentos/consultas 29,1 Informações sobre Doenças 22,2 Um pouco de tudo 13,2 Outras informações 15,3 Ns/Nr 1,6 POPULAÇÃO Resposta múltipla Base: 189 inquiridos que costumam informações sobre saúde 18

19 A internet é a fonte de informação privilegiada pela população que procura informação sobre saúde 19

20 Internet 64,0 84,0 98,0 95,0 90,0 Centros de Saúde / USF 15,9 52,0 12,0 45,0 47,5 Literatura especializada 15,3 6,0 2,0 20,0 25,0 Hospitais 12,2 16,0 22,0 20,0 30,0 Farmácias 10,6 32,0 14,0 75,0 67,5 Jornais / Revistas 14,3 30,0 24,0 10,0 30,0 Televisão 6,0 2,0 2,5 Associações 10,0 4,0 5,0 15,0 Familiares e amigos 2,0 2,0 20

21 Mas, no que se refere à qualidade de informação, são as farmácias a fonte mais pontuada 21

22 QUALIDADE média dos MEIOS / FONTES de informação utilizados POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Base: 653 Base: 20 Base: 50 Base: 50 Base: 40 Hospitais 7,0 8,8 7,0 7,1 7,6 Centros de saúde/usf 6,9 8,7 8,4 6,5 8,3 Farmácias 7,5 7,9 5,5 5,0 7,7 Associações 6,2 7,7 5,9 5,9 6,7 Literatura especializada 7,1 7,9 6,9 6,6 8,6 Jornais/ revistas 6,3 5,2 4,7 4,8 5,0 Internet 7,3 5,3 5,4 4,6 4,6 0 Pouca qualidade 10 Muita qualidade 22

23 Em termos de fiabilidade da informação os Centros de Saúde e Hospitais, têm pontuações muito positivas 23

24 FIABILIDADE média dos MEIOS / FONTES de informação utilizados POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Base: 653 Base: 20 Base: 50 Base: 50 Base: 40 Hospitais 8,0 9,6 8,3 7,1 8,1 Centros de saúde/usf 7,8 9,4 8,7 7,3 8,8 Farmácias 7,8 8,2 5,8 5,6 8,0 Associações 6,8 7,7 6,0 6,0 7,5 Literatura especializada 7,5 8,6 7,6 6,7 7,5 Jornais/ revistas 6,5 5,0 4,4 4,5 4,6 Internet 6,9 5,1 5,0 4,8 4,8 0 Pouco fiável 10 Muito Fiável 24

25 Assim, é de sublinhar que em termos de qualidade e fiabilidade, a internet perde importância como fonte de informação dos cuidados de saúde 25

26 » Hábitos de consulta

27 A realização de consultas de rotina é a principal razão referida para a visita ao médico 27

28 Contudo, realizar/mostrar resultados de análises é a segunda razão apontada pelas pessoas para irem ao médico 28

29 Motivos que levam a marcar consulta (%): Consultas de rotina 72,3 Realizar / mostrar resultados de análises Quando tem algum sintoma ou sinal de doença 49,2 47,9 Pedido de exames 19,4 17,2 Pedido de Receitas médicas Doença crónica Tratamento ou monitorização Questões legais Comportamentos de risco 12,6 7,5 6,0 1,8 1,7 Q8.1 Quais os motivos que o levam a marcar uma consulta com o seu médico? Universo: Indivíduos residentes em Portugal Continental com idades entre os 20 e 70 anos residentes FONTE INE Censos Amostra: 653 Inquéritos

30 A importância de realizar análises resulta de as pessoas considerarem que as AC são importantes para a deteção precoce de determinadas patologias 30

31 Porque vai realizar/ mostrar análises (%): São importantes para a deteção precoce de uma doença 80,4 Para realizar o acompanhamento de uma patologia 43,3 Para confirmar um determinado diagnóstico 37,1 Outros motivos 3,7 Base:321 inquiridos que visitam o médico para realizar/ mostrar análises Q8.2 Reparo que os motivos que o levam ao médico não são realizar/ mostrar análises clínicas? Porquê? Universo: Indivíduos residentes em Portugal Continental com idades entre os 20 e 70 anos residentes FONTE INE Censos Amostra: 653 Inquéritos

32 Quanto à frequência das consultas face ao passado, e a previsão da evolução futura, as perceções são diferentes para os targets questionados 32

33 A população considera que a regularidade de consultas é igual face ao passado e assim se manterá no futuro 33

34 Os clínicos gerais mencionam que as consultas estão a aumentar e que a tendência se manterá no futuro 34

35 Razões para esta tendência de aumento percecionada: Maiores cuidados de saúde Aumento dos seguros de saúde Envelhecimento da população 35

36 Os restantes profissionais de saúde consideram que existe e se manterá uma redução das consultas 36

37 Razões para esta tendência de diminuição percecionada: Questões financeiras Aumento das taxas moderadoras Fim das isenções 37

38 A regularidade de visita ao médico face ao PASSADO é (%): Base: 653 inquiridos Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Menor Igual Maior Ns/Nr 38

39 A regularidade de visita ao médico face ao FUTURO é (%): Base: 653 inquiridos Base: 11 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Menor Igual Maior Ns/Nr 39

40 » Sobre os profissionais de Saúde

41 É consensual a opinião que um bom médico deve ter bom senso, ser conciso e dar segurança 41

42 Como define um BOM MÉDICO? ESPECIALISTAS Com bom senso 88,0% Base: 20 administradores ADMINISTRADORES Com bom senso 80,0% Bom psicólogo 80,0% Conciso e eficaz 75,0% CLÍNICOS GERAIS Base: 50 Médicos Especialistas Dá segurança 78,0% Admitem dúvidas, confirmam certezas 72,0% RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Ouve ao paciente 65,0% Conciso e eficaz 60,0% Com bom senso 78,0% Dá segurança 68,0% Ouve ao paciente 66,0% Base: 40 Responsáveis de Laboratório Dá segurança 47,5% POPULAÇÃO Base: 50 Clínicos Gerais Resposta múltipla Base: 653 inquiridos Conciso e eficaz 51,8% Que não receiam as questões 51,0% Dá segurança 46,1% 42

43 A segurança do médico define-se pelo seu conhecimento do histórico e problemas do doente 43

44 Como define um MÉDICO DE CONFIANÇA? ESPECIALISTAS Conhece os problemas do utente 84,0% Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais ADMINISTRADORES Conhece histórico do utente 85,0% Conhece os problemas do utente 60,0% Conhece as doenças do utente em criança CLÍNICOS GERAIS 35,0% Conhece os problemas do utente 82,0% Conhece histórico do utente 56,0% Conhece as doenças do utente em 14,0% criança Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório Conhece histórico do utente 58,0% Conhece as doenças do utente em criança RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO 18,0% Conhece histórico do utente 95,0% Conhece os problemas do utente Conhece as doenças do utente em criança POPULAÇÃO 37,5% 37,5% Conhece histórico do utente 79,4% Conhece problemas do utente 50,9% Resposta múltipla Base: 653 inquiridos Conhece as doenças do utente em criança 14,3% 44

45 » Hábitos/comportamentos relacionados com prevenção

46 No que toca à prevenção, a população, os clínicos gerais e administradores hospitalares dão maior relevo à alimentação e exercício físico 46

47 Por sua vez, os médicos especialistas e responsáveis de laboratório dão maior importância aos exames e consultas de rotina 47

48 Hábitos/ Comportamentos relacionados com PREVENÇÃO Valorização (Médias) POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Hábitos relacionados com alimentação 8,4 8,9 8,8 7,9 7,3 Hábitos relacionados com exercício físico 8,0 8,5 8,7 7,2 7,2 Hábitos relacionados com sono 7,9 8,1 8,2 6,8 7,8 Realização de exames de rotina 7,6 9,0 6,2 8,8 8,7 Realização de consultas de rotina 7,5 7,6 7,1 8,4 8,5 Hábitos relacionados com o consumo de tabaco/drogas Base: 653 Base: 20 Base: 50 Base: 50 Base: 40 5,3 7,0 9,1 6,6 8,9 Rastreios oncológicos ,0 --- Comportamento sexual de risco ,0 --- Auto exame físico , Não valorizo nada 10 Valorizo muito 48

49 » Análises Clínicas

50 Nas diferentes indicações médicas, a importância da prescrição de análises clínicas foi esmagadoramente selecionada por todos os targets 50

51 Importância das INDICAÇÕES MÉDICAS (%) A prescrição de Análises Clínicas A prescrição de RM A prescrição de TAC's 3 7 A prescrição de ECOG A prescrição de RX População Administradores Clínicos Gerais Especialistas Responsáveis Laboratório Base: 653 Base: 20 Base: 50 Base: 50 Base: 40 51

52 Esta importância está associada ao papel das análises na deteção e controlo de patologias 52

53 Importância da prescrição de ANÁLISES CLÍNICAS (%) Base: 645 inquiridos Base: 20 administradores Base: 47 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Deteção/medição 75,2 Deteção/medição 80,0 Avaliação/controlo 48,9 Deteção/medição 44,0 Deteção/medição 50,0 Avaliação/controlo 50,2 Avaliação/controlo 60,0 Deteção/medição 31,9 Avaliação/controlo 44,0 Avaliação/controlo 37,5 Avaliação médica do paciente isoladamente 27,3 Avaliação médica do paciente isoladamente 30,0 Avaliação médica do paciente isoladamente 8,5 Avaliação médica do paciente isoladamente 6,0 Complemento de outros MCD 7,5 53

54 Talvez pela importância que têm na deteção e controlo de patologias, sejam mais valorizadas na fase de diagnóstico 54

55 Importância média das ANÁLISES CLÍNICAS em cada fase do processo clínico POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Base: 653 Base: 20 Base: 50 Base: 50 Base: 40 PREDIÇÃO 8,3 10,0 6,1 4,7 6,9 PREVENÇÃO 8,7 8,0 6,8 6,4 8,4 DIAGNÓSTICO 8,7 9,0 8,3 8,6 8,8 TRATAMENTO 8,5 8,0 7,5 6,9 8,0 MONITORIZAÇÃO 8,3 8,0 7,9 7,3 8,5 0 Nada importante 10 Muito importante 55

56 Os Responsáveis de Laboratórios consideram que a realização de análises clínicas tem diminuído fruto da racionalização da prescrição 56

57 Os restantes targets consideram que tem-se mantido, devido à pressão dos utentes e por serem mais económicas do que outros MCD 57

58 REALIZAÇÃO de ANÁLISES CLÍNICAS (%) Base: 653 inquiridos Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Tem realizado MENOS análises clínicas Tem mantido Tem realizado MAIS análises clínicas Ns/Nr

59 Os MOTIVOS apontados para a eventual DIMINUIÇÃO (%) POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS Já não peço ao médico O médico racionaliza a prescrição Base: 85 inquiridos Não existir sintomatologia 24,7 14,1 12,9 Base: 4 administradores Base: 17 Clínicos Gerais Base: 5 Médicos Especialistas Base: 18 Responsáveis de Laboratório O médico racionaliza a prescrição Utentes pedem para não prescrever Apelo à racionalização e bom senso 100,0 50,0 25,0 Não existir sintomatologia Apelo à racionalização e bom senso Racionalização da prescrição 52,9 52,9 47,1 Racionalização da prescrição Não existir sintomatologia Prescrição eletrónica reforça prescrição mínima 40,0 40,0 20,0 RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Racionalização da prescrição Utentes pedem para não prescrever Prescrição eletrónica reforça prescrição mínima 61,1 38,9 11,1 59

60 Os MOTIVOS apontados para o eventual AUMENTO (%) Base: 82 inquiridos Base: 4 administradores Base: 6 Clínicos Gerais Base: 3 Médicos Especialistas Base: 3 Responsáveis de Laboratório POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS É um direito e exijo prescrição 22,0 Controlo 18,2 Idade 15,9 São mais baratas que outros MCD Menos invasivas que outros MCD Servem de referência para outros MCD 100,0 50,0 25,0 Pressão dos utentes São mais baratas que outros MCD Servem de referência para outros MCD 50,0 33,3 33,3 Servem de referência para outros MCD São mais baratas que outros MCD Menos invasivas que outros MCD 67,0 33,0 33,0 RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Servem de referência para outros MCD São mais baratas que outros MCD Menos invasivas que outros MCD 100,0 33,3 33,3 60

61 Contudo, todos os targets consideram que as restrições financeiras têm restringido a prescrição das AC 61

62 Impacto das RESTRIÇÕES FINANCEIRAS na realização de análises (%) Base: 653 inquiridos Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Tem restringido a prescrição de Análises Clínicas Não tem restringido Ns/Nr 62

63 A razão apontada prendese com a perceção de que a classe médica tem cada vez mais em conta o custo da prescrição para o Estado 63

64 A classe médica tem em consideração o CUSTO para o estado da PRESCRIÇÃO de ANÁLISES CLÍNICAS?(%) Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Sim Não Ns/Nr 64

65 No entanto, é consensual a opinião de que o incremento do diagnóstico por AC pode diminuir o custo do tratamento 65

66 O incremento do diagnóstico por análises clínicas pode diminuir o custo do tratamento? (%) Base: 653 inquiridos Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório POPULAÇÃO ADMINISTRADORES CLÍNICOS GERAIS ESPECIALISTAS RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Sim Não Ns/Nr 66

67 » Expetativas futuras

68 A principal preocupação de todos os targets para o futuro é a acessibilidade / sustentabilidade do SNS 68

69 Esta expectativa é muito forte em todos os profissionais de saúde, mas assume maior relevância nos Administradores Hospitalares 69

70 A população evidencia várias preocupações, embora 29% refira igualmente o financiamento do SNS 70

71 PREOCUPAÇÕES em relação ao FUTURO (%) Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais ADMINISTRADORES Acessibilidade ao SNS 45,0% Sustentabilidade do SNS 25,0% Que seja descuidada a atenção à prevenção CLÍNICOS GERAIS 5,0% Diminuição da qualidade 24,0% Acessibilidade ao SNS 18,0% Desemprego nos profissionais de saúde 12,0% Base: 50 Médicos Especialistas Base: 40 Responsáveis de Laboratório ESPECIALISTAS Falta de dinheiro para os cuidados de saúde 26,0% Diminuição da qualidade 18,0% Acessibilidade ao SNS 14,0% RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Sustentabilidade do SNS 25,0% Falta de dinheiro para os cuidados de saúde 25,0% Acessibilidade ao SNS 25,0% POPULAÇÃO Diminuição de financiamento 18,1% Acessibilidade ao SNS 11,0% Base: 653 inquiridos Falta de dinheiro para os cuidados de saúde 9,8% 71

72 Por essa razão, o controlo de custos e a deterioração dos serviços do SNS são as expectativas mais sublinhadas 72

73 EXPECTATIVAS face as mudanças no SNS (%) ESPECIALISTAS Vai piorar 26,0% ADMINISTRADORES Maior controlo de custos 20,0% Base: 50 Médicos Especialistas Maior controlo de custos 14,0% Aumento de eficácia do SNS 8,0% Base: 20 administradores Base: 50 Clínicos Gerais Vai piorar 10,0% Perda de qualidade 5,0% CLÍNICOS GERAIS Vai piorar 36,0% Nenhuma expetativa 8,0% Que se mantenha a qualidade 8,0% Base: 40 Responsáveis de Laboratório RESPONSÁVEIS LABORATÓRIO Maior controlo de custos 20,0% Vai piorar 17,5% Que não haja o devido acompanhamento do doente POPULAÇÃO 10,0% Vai piorar 39,5% Vai melhorar 9,3% Base: 653 inquiridos Nenhuma expetativa 8,4% 73

74 Assim, 39,5% da População considera que os serviços de saúde vão piorar, sendo este resultado acompanhado muito de perto pelos Clínicos Gerais 74

75 Perceção de valores de Análises clínicas - APIFARMA Marisa Pereira

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993

1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993 1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993 "O S.N.S. engloba um conjunto de instituições e serviços que dependem do Ministério da

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama www.laco.pt O Cancro da Mama em Portugal 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal Surgem 5000 novos casos por ano Mas. Com a deteção

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Outubro de 2015 2 Índice 1 Objetivos e Metodologia

Leia mais

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Managing Director _ Executive Researcher_ António Gomes [antonio.gomes@gfk.com] João Costa [joao.costa@gfk.com] Contexto O estudo foi desenvolvido no âmbito do

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do heli 1 28-06-2012 Revista de Imprensa 28-06-2012 1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Enfermeiros contra fim

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

A Saúde dos Portugueses que caminhos?

A Saúde dos Portugueses que caminhos? A Saúde dos Portugueses que caminhos? APRESENTAÇÃO Universidade A da [CLIENTE] Beira Interior Covilhã, 19.Maio.2007 PAGE 1 AGENDA Serviço Nacional de Saúde Financiamento privado: o caso MultiCare MultiCare

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética. Estudo de mercado Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética

Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética. Estudo de mercado Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética Estudo de mercado Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética 28 setembro 2011 Agenda Objectivo Metodologia Áreas temáticas Distribuição

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre Stalking, Cyberstalking, Bullying e Cyberbullying Preparado para: Associação

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre Stalking, Cyberstalking, Bullying e Cyberbullying Preparado para: Associação 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre Stalking, Cyberstalking, Bullying e Cyberbullying Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Junho de 2013 2 Índice 2 Metodologia

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Estudo Empresas Darwin em Portugal

Estudo Empresas Darwin em Portugal Estudo Empresas Darwin em Portugal Introdução Num mercado muito competitivo em que os mais pequenos pormenores fazem a diferença, as empresas procuram diariamente ferramentas que lhes permitam manter-se

Leia mais

4. CONCLUSÕES. 4.1 - Principais conclusões.

4. CONCLUSÕES. 4.1 - Principais conclusões. 4. CONCLUSÕES Neste último Capítulo da nossa investigação iremos apresentar as principais conclusões deste estudo, como também as suas limitações e sugestões para futuras investigações. 4.1 - Principais

Leia mais

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de:

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de: EVENTOS DE SURF 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 7 1. Caracterização da amostra 8 2. Satisfação 15 4. Regressar e recomendar 20 3 Metodologia 23 Contextualização do Projecto

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008 A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito 2 de Abril de 2008 Caracterização dos inquiridos Sexo 37% 63% Feminino Masculino Idade 12% 18-25 anos 18% 26-35 anos 36-45 anos 54% 16% > de 45 anos

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%.

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%. Ficha Técnica: e-health: Inovação em Portugal 2012 Universo: Totalidade de Médicos, Farmacêuticos e Enfermeiros a exercer actividade profissional em Portugal; Amostra: 1.507 questionários (foram realizados

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ACES PINHAL INTERIOR NORTE 1

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ACES PINHAL INTERIOR NORTE 1 MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ACES PINHAL INTERIOR NORTE 1 MARÇO/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. CS ARGANIL 4 2. CS GÓIS.. 7 3. CS LOUSÃ 10 4. CS MIRANDA DO CORVO. 13 5. CS OLIVEIRA DO HOSPITAL..

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública)

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Execução e responsabilidade técnica: Direcção Científica: Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Patrocinador: Resultados Estudo Barómetro e-health Inovação em Portugal 2012 Apoios: (1ª

Leia mais

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015 TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015 CONTEÚDO 1. Como estamos até agora? 2. O que vem por aí... 3. Prioridades do RH para 2015 4. Nossa visão de 2015 01 COMO ESTAMOS ATÉ AGORA? PERFIL DOS PARTICIPANTES

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde I FORUM DE AVALIAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA VULNERÁVEIS: IDOSOS E PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL ABM 05.12.2015

Leia mais

Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as

Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as condições socioeoconomicoculturais destas são determinantes

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

(' / (' / (' / (' / //// '''' *) *) *) *) (' (' (' (' DC > DC DC 7[ > DC 7[ DC DC L I DC ` > 7[ DC L I ` JI 7[ Db ;< 7[ Db L= ; : G DC BA? ; :II W c Y 00 0 0 && & &.& ( (((,, ---- + + + + &&&& %&!! $ #"

Leia mais

FANTÁSTICO E JORNAL NACIONAL DENUNCIAM ESQUEMA QUE TRANSFORMA SAÚDE EM BALCÃO DE NEGÓCIOS

FANTÁSTICO E JORNAL NACIONAL DENUNCIAM ESQUEMA QUE TRANSFORMA SAÚDE EM BALCÃO DE NEGÓCIOS FANTÁSTICO E JORNAL NACIONAL DENUNCIAM ESQUEMA QUE TRANSFORMA SAÚDE EM BALCÃO DE NEGÓCIOS A reportagem veiculada no programa Fantástico, da Rede Globo, no domingo (04/01), trouxe à tona um drama que assola

Leia mais

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe Conta Satélite da Saúde 21-212Pe 21 de junho de 213 Em 212 a despesa corrente em saúde voltou a diminuir Em 212, a despesa corrente em saúde voltou a diminuir significativamente (-5,5), após ter registado

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Deloitte apresenta pesquisa inédita sobre o sistema de saúde no Brasil

Deloitte apresenta pesquisa inédita sobre o sistema de saúde no Brasil Deloitte apresenta pesquisa inédita sobre o sistema de saúde no Brasil Apesar de se mostrarem críticos, 56% dos 1000 brasileiros entrevistados, enxergam possibilidades de melhoria da qualidade e de redução

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Índice de Saúde Sustentável. Conferência TSF 8 de Março de 2016

Índice de Saúde Sustentável. Conferência TSF 8 de Março de 2016 Índice de Saúde Sustentável Conferência TSF 8 de Março de 2016 1 Índice 1. Enquadramento Projeto Saúde Sustentável - Passado, Presente e Futuro 2. Metodologia e Resultados do Estudo 2016 - Notas Metodológicas

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

CLOUD HEALTHCARE Vida Única. Como a Tecnologia da Informação vai revolucionar o cuidado com o PACIENTE

CLOUD HEALTHCARE Vida Única. Como a Tecnologia da Informação vai revolucionar o cuidado com o PACIENTE Vida Única Como a Tecnologia da Informação vai revolucionar o cuidado com o PACIENTE SOMOS... 2 Problemas com a Gestão da Saúde no Brasil Atualmente são 2 médicos por cada mil brasileiros. 55% estão vinculados

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL 1. Sustentabilidade económica A linha estratégica seguida em 2011 e que continuará em 2012 passa por tomada de ações que

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde O Escritório de Projetos de Humanização do ICESP desenvolveu esta cartilha para orientar os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

Farmacoeconomia: Introdução, conceitos basicos, métodos e aplicações

Farmacoeconomia: Introdução, conceitos basicos, métodos e aplicações 2A SEMANA DA FARMACIA ANGOLANA HCTA-Luanda, 06-07 DE SET 2015 Farmacoeconomia: Introdução, conceitos basicos, métodos e aplicações Dr. Gaparayi Patrick Farmacêutico, Mestre em Economia de Saúde e Farmacoeconomia

Leia mais

Reforço da sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde: Modelos de Financiamento e Alternativas

Reforço da sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde: Modelos de Financiamento e Alternativas Reforço da sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde: Modelos de Financiamento e Alternativas Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa http://ppbarros.fe.unl.pt Outra vez?

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Equipa de investigação: Ana Escoval (Coordenação) Ana Isabel Santos Rafaela Sousa Susana Moreira Com a colaboração de: Ana Rita Pedro Patrícia Barbosa

Leia mais

Resultados dos Inquéritos de Satisfação aos Utentes das Unidades de Cuidados Continuados Integrados

Resultados dos Inquéritos de Satisfação aos Utentes das Unidades de Cuidados Continuados Integrados 0 Inquérito à Satisfação dos Utentes das Resultados dos Inquéritos de Satisfação aos Utentes das Unidades de Cuidados Continuados Integrados Março de 2008 Enquadramento A Unidade de Missão para os Cuidados

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico Número Zero - Avaliação Cruzada MoniQuOr Política de Prescrição Ao ler o número zero da Revista "Qualidade em Saúde" verifico que no artigo sobre os resultados da avaliação cruzada do projecto MoniQuOr,

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

3. Academia Nacional de Medicina pede atenção do governo federal aos hospitais universitários

3. Academia Nacional de Medicina pede atenção do governo federal aos hospitais universitários (http://www.jornaldaciencia.org.br) TERÇA FEIRA, 10 DE NOVEMBRO DE 2015 Publicação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência pesquisar pesquisar (http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br) (http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br)

Leia mais

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Instituto de Infectologia Emílio Ribas Referência em doenças infecciosas, com 230 leitos (60% para

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

DESLOCAÇÃO DE DOENTES. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Senhores Deputados Senhores Membros do Governo

DESLOCAÇÃO DE DOENTES. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Senhores Deputados Senhores Membros do Governo DESLOCAÇÃO DE DOENTES Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores No ano 2000, a Organização Mundial de Saúde, ao publicar o relatório sobre a Saúde Mundial, possibilitou

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. 10 de 0utubro - DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Portugal um país à Beira do abismo

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. 10 de 0utubro - DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Portugal um país à Beira do abismo SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES SEDE: Av. 24 de Jul ho, 132-1350-346 Li sboa - Tel ef.: 213920350 - Fax: 213968202 Geral: E- mail: sede @sep. pt - sit e: www.sep. org. pt - CDI: E- mail: cdi @sep.

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Brasília, 03/08/2012 A 112ª Pesquisa CNT de Opinião, realizada de 18 a 26 de Julho de 2012 e divulgada hoje (03 de Agosto de 2012) pela Confederação Nacional

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG 22-06-2016 1. O PASSADO Os problemas A urgência como forma de acesso em primeira linha A combinação público-privado

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE Versão 1-09-2014 1 Conteúdo CONVENÇÃO SAMSPICS - ADSE... 3 O que é a Convenção ADSE?... 3 UNIDADES COM CONVENÇÃO COM A ADSE... 4 Acesso aos beneficiários ADSE...

Leia mais

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO 1.AMBULATÓRIO DO CTQ Atendimento ao paciente e familiares, garantindo a permanência de um acompanhante como apoio

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015. www.acss.min-saude.pt

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015. www.acss.min-saude.pt Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA Índice 2 11 Enquadramento 3 2 Amostra 7 3 Resultados 9 3 1 Enquadramento Objetivos 4 No âmbito da parceria entre a APAV e a INTERCAMPUS,

Leia mais

Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 2006 - Principais resultados -

Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 2006 - Principais resultados - http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=231582 Data de publicação - 1.2.27 Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 26 - Principais resultados - Ligação à Internet e tecnologia de acesso

Leia mais

GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS. SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL

GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS. SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL Introdução GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL Este será um novo instrumento de consulta que irá permitir reforçar e tornar mais acessível um suporte de informação

Leia mais

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação.

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação. Discurso do Ministro da Saúde na tomada de posse do Bastonário e Órgãos Nacionais da Ordem dos Farmacêuticos 11 de janeiro de 2013, Palacete Hotel Tivoli, Lisboa É com satisfação que, na pessoa do Sr.

Leia mais

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Ciências da Comunicação: Jornalismo, Assessoria e Multimédia O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Metodologia da Investigaça

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE Comisionada de la CNPD Novas Tecnologias na Saúde Perigos potenciais do uso da tecnologia: Enorme quantidade de informação sensível agregada Aumenta a pressão económica

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais