O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09"

Transcrição

1 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

2 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e graficamente, o comportamento de uma economia constituída por três mercados: bens e serviços, monetário e títulos. O modelo estabelece a ligação entre os três mercados através de duas variáveis endógenas, o produto ou rendimento (Y) e a taxa de juro (i), mantendo-se o pressuposto Keynesiano da rigidez dos preços. Como tal, o modelo revela-se apropriado para uma análise conjuntural de curto prazo, onde a oferta de bens e serviços se ajusta passivamente à procura. Para além da análise de uma economia fechada propriamente dita, este modelo também é adequado para a análise de uma grande economia aberta, onde é natural que a maior parte das relações económicas e financeiras se processem dentro das próprias fronteiras, sendo as relações com o exterior relativamente pouco relevantes. Desta forma podemos admitir que o equilíbrio geral destas grandes economias abertas (e.g., E.U.A., Área Euro) acaba por coincidir com o equilíbrio interno. O MERCADO DE BENS E SERVIÇOS Com excepção da função investimento, as características do mercado de bens e serviços são idênticas às apresentadas no modelo Keynesiano simples, passando a ser consideradas as variáveis representativas da procura externa: exportações (X) e importações (Q), as quais desempenham um papel claramente secundário nesta versão mais simples do modelo. A Nova Função Investimento A modificação introduzida pelo modelo IS-LM, ao nível do mercado de bens e serviços, consiste numa nova especificação da equação do investimento: I = I b i, b > 0 Como podemos verificar, o investimento deixa de ser exclusivamente autónomo, passando a depender da nova variável taxa de juro (i). A relação entre taxa de juro e investimento é negativa, sendo traduzida pelo coeficiente b, a sensibilidade do investimento à taxa de juro. 2

3 Que justificações teóricas estão subjacentes a esta relação negativa? por um lado, a taxa de juro traduz o custo efectivamente suportado pelo investidor que necessita de recorrer a capitais alheios. Quanto maior a taxa de juro, maior o custo financeiro suportado e, portanto, menor a atractividade do investimento; por outro lado, mesmo que não recorra a capitais alheios, o investidor tem que confrontar a rentabilidade prevista do seu investimento na actividade produtiva com a rentabilidade de aplicações financeiras alternativas (a taxa de juro inerente a estas aplicações funciona como um custo de oportunidade para quem investe na actividade produtiva). Assim, quanto maior a taxa de juro, menores as hipóteses do investimento produtivo ser comparativamente rentável e, portanto, menor a atractividade do investimento. O Equilíbrio no Mercado de Bens e Serviços Retomando o comportamento dos agentes económicos relativamente à procura de bens e serviços, C = C + c Yd, 0 < c < 1 G = G I = I b i, b 0 T = T + t Y, 0 < t < 1 Tr = Tr X = X Q = Q + q Y, q > 0 (propensão marginal à importação) a nova estrutura da procura de bens e serviços será, D = C + G + I + X Q 3

4 D = C + c (Y - T - t Y + Tr) + G + I - b i + X - Q - q Y Em equilíbrio, Y = D, Y = C + c (Y - T - t Y + Tr) + G + I - b i + X - Q - q Y Y = [(C - c T + c Tr + G + I + X - Q)/(1-c(1-t)+q)] - [b/(1-c(1-t)+q)] i Fazendo, 1/(1-c(1-t)+q) = α e C - c T + c Tr + G + I + X - Q = A Podemos concluir que: Isto é: Y = α (A b i) i = A/b Y/(α b) Esta última expressão designa-se por curva IS, a qual representa o lugar geométrico de todas as combinações entre Y e i que garantem o equilíbrio do mercado de bens e serviços. O nome IS significa Investment=Saving, e provém do facto de, à semelhança do modelo Keynesiano simples, o equilíbrio no mercado de bens e serviços ter subjacente a igualdade entre poupança e investimento, I = S. A Forma da Curva IS Figura nº 1: A curva IS 4

5 Tal como podemos verificar pela expressão analítica, a curva IS tem uma inclinação negativa e equivalente a [ 1 / (α b)]. Como se explica, à luz da teoria inerente ao modelo, este declive negativo da IS? Imaginemos que o mercado de bens e serviços está em equilíbrio considere-se um aumento da taxa de juro (i) isso implicaria uma diminuição do investimento e uma consequente diminuição da procura de bens e serviços passaria a existir um excesso de oferta de bens e serviços (Y > D) acumulação involuntária de stocks nos produtores os produtores reduzem a produção de bens e serviços diminuição do produto (Y) logo, por forma a garantir o equilíbrio do mercado de bens e serviços, um aumento da i conduz a uma diminuição do Y a IS tem inclinação negativa. De que depende a inclinação da IS? - do multiplicador do modelo keynesiano simples, α = 1/(1- c (1 - t)+q); - da sensibilidade do investimento à taxa de juro, b. Quanto menos inclinada a IS, dada uma mesma variação da taxa de juro, maior a variação necessária do produto para restabelecer o equilíbrio no mercado de bens e serviços. Isto implica que, quanto mais elevados os valores de c e de b e quanto mais baixos os valores de t e q menor a inclinação da IS, ou seja, maior a sua elasticidade. No limite, tendemos a considerar dois casos extremos: b=0, que origina uma IS vertical (inclinação máxima) e b= que origina uma IS horizontal. 5

6 Figura nº 2: Inclinações extremas da IS b = 0 b = E a posição da IS? - da parte autónoma da procura (A = C - c T + c Tr + G + I + X - Q) ; - da sensibilidade do investimento à taxa de juro, b. A posição da IS depende e as suas deslocações podem resultar, portanto, de alterações ao nível da política orçamental, de alterações nas expectativas ou nos níveis de confiança dos agentes económicos ou, por exemplo, de oscilações nas cotações bolsistas. A título de exemplo, no que respeita à política orçamental, uma política expansionista (aumento de gastos ou transferências ou diminuição de impostos) gera uma deslocação da IS para a direita. Conjugando tudo o que acabámos de referir podemos concluir que: - uma alteração numa qualquer componente da procura autónoma implica uma deslocação paralela da IS; - uma alteração na taxa marginal de imposto (t) ou na propensão marginal à importação (q) implica uma alteração da inclinação da IS, mantendo-se a ordenada na origem; 6

7 - uma alteração na propensão marginal ao consumo (c) ou na sensibilidade do investimento à taxa de juro (b) implica uma alteração quer da inclinação, quer da posição da IS. Figura nº 3: Deslocações da IS + de G ou Tr ou de T + de T ou de G ou Tr t + t Note-se que não devemos confundir deslocações da curva IS com deslocações ao longo da curva IS. Estas últimas acontecem quando consideramos alterações apenas nas variáveis endógenas do modelo, isto é, em Y e i. 7

8 O Desequilíbrio no Mercado de Bens e Serviços Representando a IS o conjunto de pontos de equilíbrio do mercado de bens e serviços, qualquer ponto situado fora da IS será um ponto onde o mercado está desequilibrado, ou seja, será um ponto onde existirá excesso de procura ou excesso de oferta de bens e serviços. Vamos verificar graficamente estas situações (figura nº 4) e explicá-las à luz do modelo: Figura nº 4: Desequilíbrios no mercado de bens e serviços Nos pontos A e B da figura nº 4 o mercado de bens e serviços não está em equilíbrio, contrariamente ao que acontece no ponto E. Mas que tipo de desequilíbrio existe em A e B? - Ponto A: apresenta um nível de rendimento (oferta) semelhante ao do ponto E (equilíbrio), mas a taxa de juro é superior isto implica que, relativamente a E, o investimento seja inferior e portanto que a procura também o seja logo existe um excesso de oferta de bens e serviços, tal como em todos os pontos à direita da IS; - Ponto B: apresenta um nível de rendimento (oferta) semelhante ao do ponto E (equilíbrio), mas a taxa de juro é inferior isto implica que, relativamente a E, o investimento seja superior e portanto que a procura também o seja logo existe um excesso de procura de bens e serviços, tal como em todos os pontos à esquerda da IS. 8

9 O MERCADO MONETÁRIO O Mercado Monetário e o Mercado de Títulos O modelo IS-LM, para além da componente real, introduz o aspecto monetário na análise. Para o efeito, o modelo considera dois novos mercados, pretendendo analisar o seu equilíbrio: o mercado monetário e o mercado de títulos. Uma das escolhas que os particulares terão de efectuar será entre deter moeda propriamente dita ou colocar essa moeda em aplicações financeiras, ou seja, comprar títulos. Estes títulos surgem-nos na forma de obrigações, sendo emitidos pelo Governo ou pelas Empresas (títulos sem risco). A ligação entre estes dois mercados é realizada via taxa de juro. A detenção de um título dá direito à percepção de um juro, enquanto deter moeda, cuja remuneração assumimos como nula, proporciona a liquidez necessária para efectuar transacções. É do jogo entre a remuneração dos títulos e a liquidez da moeda que deriva o equilíbrio no mercado monetário. Por exemplo, se a taxa de juro aumenta, torna-se relativamente mais atractivo deter títulos em vez de moeda, o que implicará um aumento da procura de títulos e, consequentemente, uma diminuição da procura de moeda. Definindo a constituição da riqueza (W) como o somatório do stock existente de moeda (M S ) e do total de títulos que existem no mercado (B S ), também podemos concluir que essa riqueza nasce através da procura relativa entre os dois tipos de activos, ou seja, a riqueza também pode ser definida como o somatório da procura de moeda (L) e da procura total de títulos (B D ). Assim, W = M S + B S mas, por outro lado, W = L + B D logo, M S + B S = L + B D ou seja, 9

10 M S L = B D B S esta expressão muito simples permite-nos afirmar que o que se passa num destes mercados será exactamente o espelho daquilo que se passa no outro, isto é: - o equilíbrio num mercado implicará, obrigatoriamente, o equilíbrio no outro e viceversa, dado que quando M S = L (mercado monetário equilibrado), B D = B S (mercado do títulos equilibrado); - quando um dos mercados está desequilibrado, o outro também o estará, sendo estes desequilíbrios contrários, isto é, quando M S > L (excesso de oferta de moeda), B D > B S (excesso de procura de títulos) e quando M S < L (excesso de procura de moeda), B D < B S (excesso de oferta de títulos). Assim, devido à reciprocidade inerente à relação dos dois mercados, o modelo considera apenas o mercado monetário, omitindo o que acontece no mercado de títulos. O Funcionamento do Mercado Monetário: a Procura Real de Moeda O modelo explica a procura real de moeda por duas razões fundamentais: - por um lado, tal como já foi acima referido, a procura de moeda está relacionada com a taxa de juro. Sendo esta entendida como a remuneração dos títulos, quanto maior for o seu valor, maior o custo de oportunidade de deter moeda e, portanto, menor tenderá a ser a procura de moeda esta relação negativa entre a procura de moeda e a taxa de juro costuma-se designar por procura de moeda pelo motivo de especulação, e enfatiza a função da moeda enquanto reserva de valor; - por outro lado, também podemos estabelecer uma relação entre a procura de moeda e o nível de rendimento ou produto da economia (Y). Como sabemos a moeda é algo que facilita as transacções, ou seja, é generalizadamente aceite e, devido à sua elevada liquidez, é também um meio imediato (ou quase imediato) de pagamento. Logo, se aumenta o produto da economia, tenderá a aumentar o número de transacções de bens e serviços e existirá uma necessidade acrescida de moeda para as efectuar. Como tal, 10

11 tende a existir uma relação positiva entre rendimento e procura de moeda esta relação costuma designar-se por procura de moeda pelo motivo de transacções, e enfatiza a função da moeda enquanto meio de troca. Especificando a função procura real de moeda: (+) (-) L = f(y, i) = L + k Y h i, k > 0; h 0 onde L representa a procura de moeda autónoma (independente de Y e i), k a sensibilidade da procura de moeda ao rendimento (motivo de transacções) e h a sensibilidade da procura de moeda à taxa de juro (motivo de especulação). O equilíbrio no Mercado Monetário O equilíbrio no mercado monetário, como em qualquer mercado, obtém-se igualando a oferta à procura, neste caso a oferta de moeda à procura de moeda. A procura de moeda é definida pela função acima especificada. No que respeita à oferta de moeda, esta será considerada como exógena ao modelo: a oferta nominal de moeda é controlada pela autoridade monetária (geralmente o Banco Central). Uma das formas mais usuais da autoridade monetária introduzir/retirar moeda do mercado (aumentar/diminuir a oferta de moeda) são as chamadas operações no mercado aberto, através das quais a autoridade monetária compra/vende títulos às outras instituições monetárias. A liquidação (pagamento) dessa operação implicará um aumento/diminuição da base monetária (operações de cedência/absorção de liquidez) e, via multiplicador monetário, da moeda em circulação. Assim, a oferta nominal de moeda pode representar-se pela seguinte função: M S = M 11

12 Porém, note-se que a função procura é uma função de procura real de moeda. Como tal, teremos que transformar a oferta nominal de moeda numa oferta real, introduzindo o nível de preços, considerado constante neste modelo: M S /P = M/P Neste momento podemos derivar o equilíbrio no mercado monetário: M S /P = L M/P = L + k Y h i Daqui podemos concluir que: i = (1 / h) (L M/P) + (k / h) Y Esta é a expressão da curva LM, a qual nos indica o conjunto de combinações entre Y e i que garantem o equilíbrio do mercado monetário. LM significa Liquidity = Money supply, ou seja, procura real de moeda igual à oferta real de moeda. A Forma da Curva LM Figura nº 5: A curva LM Tal como podemos verificar pela expressão analítica, a curva LM tem uma inclinação positiva e igual a [k / h]. 12

13 Como se explica, à luz do modelo, este declive positivo da LM? Imaginemos que o mercado monetário está em equilíbrio Consideremos uma diminuição do produto (Y) diminuição da procura de moeda pelo motivo de transacções mantendo-se constante a oferta real de moeda, passa a existir um excesso de oferta de moeda diminuição da taxa de juro aumento da procura de moeda pelo motivo de especulação explica a inclinação positiva da LM. De que depende a inclinação da LM? - da sensibilidade da procura de moeda ao rendimento, k; - da sensibilidade da procura de moeda à taxa de juro, h. Quanto mais inclinada a LM, dada uma mesma variação do produto, maior a variação necessária da taxa de juro para restabelecer o equilíbrio no mercado monetário. Isto implica que, quanto mais elevado k e mais reduzido h maior a inclinação da LM. No limite, podemos considerar dois casos extremos: h=0, que origina uma LM vertical (inclinação máxima) e h=, que origina uma LM horizontal. Figura nº 6: Inclinações extremas da LM h = 0 h = E a posição da LM? - da oferta real de moeda (M/P) e da procura autónoma de moeda (L); 13

14 - da sensibilidade da procura de moeda à taxa de juro, h. A posição da LM depende e as suas eventuais deslocações podem resultar, portanto, de alterações ao nível da política monetária, de alterações do nível geral de preços ou, por exemplo, de alterações dos custos de transacção que afectam a procura de moeda. A título de exemplo, no que respeita à política monetária, uma política expansionista (aumento da oferta de moeda) gera uma deslocação da LM para a direita. Conjugando tudo o que acabámos de referir podemos concluir que: - uma alteração na oferta real de moeda e/ou na procura autónoma de moeda implica uma deslocação paralela da LM; - uma alteração na sensibilidade da procura de moeda ao rendimento (k) implica uma alteração da inclinação da LM, mantendo-se a ordenada na origem; - uma alteração da sensibilidade da procura de moeda à taxa de juro (h) implica uma alteração quer na inclinação quer na posição da LM. Figura nº 7: Deslocações da LM (M/P) + (M/P) Mais uma vez, não devemos confundir deslocações da curva LM com deslocações ao longo da curva LM. Estas últimas acontecem apenas quando consideramos alterações das variáveis endógenas do modelo, isto é, de Y e i. 14

15 O Desequilíbrio no Mercado Monetário Representando a LM o conjunto de pontos de equilíbrio do mercado monetário, qualquer ponto situado fora da LM será um ponto onde o mercado está desequilibrado, ou seja, será um ponto onde existirá um excesso de procura ou um excesso de oferta de moeda. Vamos verificar graficamente estas situações (figura nº 8) e explicá-las de acordo com o modelo: Figura nº 8: Desequilíbrios no mercado monetário Com base na figura nº 8, podemos verificar que nos pontos A e B o mercado monetário não está em equilíbrio, contrariamente ao que acontece no ponto E. Mas que tipo de desequilíbrio existe em A e B? - Ponto A: apresenta um nível de rendimento semelhante ao do ponto E (equilíbrio), mas a taxa de juro é superior isto implica que, relativamente a E, a procura de moeda seja inferior (motivo de especulação) logo, existe um excesso de oferta moeda, tal como em todos os pontos à esquerda da LM; - Ponto B: apresenta um nível de rendimento semelhante ao do ponto E (equilíbrio), mas a taxa de juro é inferior isto implica que, relativamente a E, a procura de moeda seja superior logo, existe um excesso de procura de moeda, tal como em todos os pontos à direita da LM. 15

16 O EQUILÍBRIO GERAL DA ECONOMIA Dedução do Rendimento de Equilíbrio Existirá equilíbrio geral numa economia quando todos os mercados se encontram simultaneamente em equilíbrio. Assim, o equilíbrio global no modelo IS/LM em economia fechada corresponderá aquele ponto que garante o equilíbrio simultâneo dos três mercados considerados: bens e serviços, monetário e títulos. Se nos lembrarmos que o equilíbrio do mercado monetário implica o do mercado de títulos, podemos concluir que o equilíbrio geral acontecerá quando os mercados de bens e serviços e monetário se encontrarem, simultaneamente, equilibrados, ou seja, quando as curvas IS e LM se interceptam. Figura nº 9: Equilíbrio geral no modelo IS/LM IS: i = (A / b) Y / (α b) LM: i = (1 / h) (L M/P) + (k / h) Y logo, (A / b) Y / (α b) = (1 / h) (L M/P) + (k / h) Y ou seja (substituindo α e A pelas respectivas expressões), 16

17 Y = [C c T + c Tr + I + G + X Q + (b / h) (M/P L)] / [1 c (1 t) + q + (b k / h)] Os Multiplicadores Aplicando a técnica já apresentada no estudo do modelo Keynesiano simples, e tendo em atenção que as variáveis endógenas do modelo são agora duas (Y e i), é possível derivar alguns multiplicadores no modelo IS-LM em economia fechada, à semelhança do que foi feito no modelo Keynesiano simples. Exemplificando: dy / d G = 1 / [1 c (1 t) + q + (b k / h)] dy / dt = c / [1 c (1 t) + q + (b k / h)] dy / d (M/P) = (b / h) / [1 c (1 t) + q + (b k / h)] Note-se que a introdução do mercado monetário na análise tem implicações sobre os multiplicadores da despesa autónoma, diminuindo o seu valor relativamente ao do modelo Keynesiano simples. A causa directa desta situação reside no facto de um aumento da despesa autónoma gerar um aumento da procura de moeda (motivo de transacções), o qual é anulado por um aumento da taxa de juro que acaba por gerar uma diminuição do investimento (e, eventualmente, do consumo privado). O resultado final é um aumento do produto inferior ao que acontecia no modelo Keynesiano simples, traduzindo-se num valor inferior para o multiplicador: existe o chamado efeito crowding-out da despesa privada. Em termos correctos, só devemos falar no efeito crowding-out na sequência do aumento da despesa autónoma originado por uma política orçamental expansionista. Na sequência de uma política orçamental restritiva encontramos um fenómeno semelhante que costuma ser designado por crowding-in: refere-se ao aumento da despesa privada, nomeadamente do investimento privado, que se segue a uma política orçamental restritiva. 17

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE 1.Discuta a diferença entre os seguintes conceitos? (a) Produto Interno Bruto - Produto Interno Líquido; (b) Produto Nacional

Leia mais

ESCOLA DE ECONOMIA E GESTÃO

ESCOLA DE ECONOMIA E GESTÃO MACROECONOMIA I ESCOLA DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE DO MINHO - - 1 CAPÍTULO V MODELO IS/LM (MODELO HICKSIANO) EM ECONOMIA FECHADA - - 2 INTRODUÇÃO E HIPÓTESES DO MODELO No quadro do pensamento keynesiano

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global João Sousa Andrade 18 de Novembro de 2004 Faculdade de Economia - Mestrado de Economia Ano Lectivo de 2004/05 Texto com carácter provisório para acompanhamento

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução.

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução. CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS Introdução. Neste capítulo construímos o segundo e terceiro blocos do nosso modelo de uma macroeconomia aberta: os mercados da moeda e câmbios. No capítulo 14 exploramos o impacte

Leia mais

Economia II. A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007

Economia II. A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007 Economia II A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes Setembro 2007 1 A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS Equações de Comportamento

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

5. Moeda e Política Monetária

5. Moeda e Política Monetária 5. Moeda e Política Monetária 5.1. Introdução 5.3. Procura de Moeda 5.4. Equilíbrio de curto Prazo no Mercado Monetário Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 9 Nota: A secção 5.2. é muito abreviada, porque

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

1. Funções do gestor financeiro

1. Funções do gestor financeiro 1. Funções do gestor financeiro Depois de termos identificado as principais funções do Gestor em sentido amplo, vamo-nos agora restringir às funções do Gestor Financeiro. Uma abordagem possível é centrarmo-nos

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Ao olharmos só para uma árvore podemos ignorar a floresta OBJECTIVOS Distinguir e caracterizar cada um dos diferentes tipos de avaliação de projectos Enquadrar cada tipo

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA712/C/11 Págs. Duração

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Défice Orçamental e Dívida Pública

Défice Orçamental e Dívida Pública MACROECONOMIA I Aula 4.Nov.2003 > A restrição orçamental do Governo > Visualização gráfica (apenas gráfica) dos efeitos de financiamentos por emissão de moeda dos défices orçamentais. >Défices e Dívida

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo IS-LM Introdução Introdução MKS: nível de produto/rendimento é um múltiplo do nível

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Grupo I Perguntas de resposta rápida (1 valor cada)

Grupo I Perguntas de resposta rápida (1 valor cada) ISCTE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO de LISBOA Mestrado de Economia Mestrado de Economia Monetária e Financeira MACROECONOMIA e ANÁLISE da CONJUNTURA Teste Exemplo 4 Dezembro 2009 Duração: 2.00 h SOLUÇÕES Grupo

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais

Aula 7: A Macroeconomia Keynesiana

Aula 7: A Macroeconomia Keynesiana 1 Aula 7: A Macroeconomia Keynesiana Nesta nossa 7ª aula, nós estaremos entrando no cerne da macroeconomia propriamente dita, introduzindo a chamada teoria macroeconômica keynesiana cuja principal característica

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Poupança, acumulação de capital e CAPÍTULO 11 2006 Pearson Education Macroeconomics, 4/e Olivier Blanchard Poupança, Os efeitos da taxa de poupança a razão entre a poupança

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro.

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro. Tópico complementar 5. Valor temporal do dinheiro Objectivo específico: No final deste capítulo, o leitor deverá estar apto a: - Conhecer o significado e o modo de utilização da taxa de actualização (medida

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 8 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni Senhores, é com imenso prazer que concluo essa que foi a última prova da FGV na área fiscal deste ano... Façam bom proveito! E meus sinceros votos de sucesso no concurso!! 51 Com relação à mensuração do

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que BLOCO 10 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Balanço e Conta de Exploração PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Os Balanços sucessivos dos anos n-2, n-1 e n referem-se a outra exploração agrícola

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais