INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos

2 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples 1. * A curva da função consumo representa a relação entre: a) a propensão para consumir e a propensão para investir b) a propensão para consumir e os impostos c) o consumo privado e o rendimento disponível das famílias d) investimento e poupança 2. A função de consumo keynesiana descreve a relação entre consumo privado e: a) rendimento disponível permanente b) poupança privada c) rendimento disponível corrente d) a) e c) 3. Variações no rendimento disponível das famílias provocam: a) movimentos ao longo da função de consumo b) alterações da função de consumo c) alterações da função de poupança d) b) e c) e) a) e c) 4. * A propensão marginal para o consumo representa: a) a variação no consumo por unidade de variação do rendimento disponível b) o rácio entre o consumo e o rendimento c) a fracção de consumo extra que provém do salário d) a fracção de consumo extra que provém de juros e dividendos 5. A propensão marginal a consumir é dada pelo quociente entre: a) consumo e rendimento b) variação na poupança e variação no rendimento c) variação no consumo e variação no rendimento d) variação no consumo e variação na poupança 1

3 6. Numa economia fechada sem Estado e com investimento exógeno, a propensão marginal a consumir é dada pelo declive: a) da função investimento b) da linha dos 45º c) da função consumo d) da função despesa agregada e) c) e d) 7. Uma alteração na propensão marginal a consumir numa determinada economia provoca: a) um movimento ao longo da função de poupança dessa economia b) uma alteração na função de consumo dessa economia c) um movimento ao longo da função de consumo dessa economia d) a) e c) e) b) e c) 8. Se o consumo for 9000 e o rendimento 10000, a propensão marginal a consumir é: a) 0,10 b) 0,90 c) 9 1 d) Indeterminada 9. * O consumo autónomo é: a) o consumo extra pela obtenção de um euro adicional no rendimento b) o rácio entre o consumo e o rendimento disponível c) a parte do consumo que não depende do rendimento disponível d) a poupança extra que provém de um euro adicional de rendimento 10. Podemos definir a parte autónoma da função keynesiana de consumo com: a) a parcela do rendimento disponível que não é consumida b) o montante pelo qual o consumo privado aumenta quando o rendimento disponível aumenta uma unidade c) a parcela do consumo privado que não depende do rendimento disponível d) o valor do consumo privado por cada unidade de rendimento disponível 2

4 11. A propensão marginal a poupar é: a) o montante de poupança por cada unidade de rendimento disponível b) a parte autónoma da função de poupança c) a parcela do rendimento disponível que não é consumida d) o montante pelo qual a poupança privada varia quando o rendimento disponível varia uma unidade e) b) e c). 12. Num gráfico representativo da função keynesiana de consumo em que os eixos horizontal e vertical têm exactamente a mesma escala, se traçarmos uma linha que passe pela origem e com 45º de inclinação, dizemos que existe poupança sempre que: a) a linha representativa da função de consumo está acima daquela linha b) a linha representativa da função de consumo está abaixo daquela linha c) a linha representativa da função intercepta aquela linha d) b) e c) 13. A função poupança keynesiana: a) é dada pela distância vertical entre a função consumo e a função despesa agregada b) diminui quando o rendimento disponível aumenta c) tem como principal determinante a taxa de juro d) é dada pela distância vertical entre a linha dos 45º e a função consumo 14. * Numa dada economia, se a propensão marginal para consumir (PMC) for 0.6, independentemente do rendimento disponível, então a propensão marginal para poupar (PMP) será: a) 0,6 b) 1 c) 0,4 d) a informação é insuficiente 15. Para uma função consumo agregado C = ,8 Y, a correspondente função poupança seria: a) S = ,2 Y b) S = ,2Y c) S = 50 0,2Y d) S = ,8 Y 3

5 16. * No cálculo da despesa agregada, qual das seguintes rubricas não é incluída nas despesas de investimento: a) Compras de novos bens de capital b) Compras de novas máquinas para uma indústria c) Compras de bens de capital usados d) Compras de novas habitações e) Nenhuma das anteriores 17. As componentes da despesa agregada no modelo keynesiano simples sem Estado são: a) o consumo privado e o investimento b) o consumo e a poupança c) o consumo privado e o consumo público d) o consumo privado menos os impostos e o investimento 18. Numa dada economia sem Estado e sem relações com o exterior, o comportamento do consumo privado é dado pela função C = C + cy e o do investimento por I = I. Representando graficamente a despesa interna, qual das seguintes ocorrências não modifica a curva que a representa: a) o rendimento aumenta b) o consumo passa a depender apenas do rendimento c) a propensão marginal a consumir diminui d) o investimento aumenta em resultado da melhoria das expectativas dos empresários e) a propensão marginal passa a ser nula 19. O nível de produto interno de uma economia, segundo o modelo keynesiano sem Estado e considerando a economia fechada, depende: a) do nível de consumo autónomo b) do nível de investimento c) da propensão marginal a poupar d) da propensão marginal a consumir e) de todos os anteriores 20. No modelo simples keynesiano sem Estado: a) o rendimento real é determinado pelo nível de procura agregada b) à medida que o investimento aumenta, o nível de rendimento de equilíbrio diminui c) o aumento do investimento provoca uma redução do consumo d) nenhuma das afirmações anteriores é verdadeira 4

6 21. No modelo simples keynesiano sem Estado, um acréscimo da propensão marginal a consumir, ceteris paribus, origina: a) um aumento da poupança b) uma diminuição da poupança c) não ocorrem modificações na poupança d) não existe informação suficiente para responder e) uma redução do produto 22. No modelo simples keynesiano sem Estado, um aumento do consumo provoca: a) um aumento da poupança b) uma redução da poupança c) nenhuma alteração na poupança d) os elementos fornecidos não são suficientes para responder à questão 23. *À medida que o rendimento aumenta, a despesa agregada: a) aumenta b) diminui c) mantém-se igual d) aumenta ou diminui, dependendo da variação de preços dos produtos e) aumenta ou diminui, dependendo dos acontecimentos no mercado de capitais 24. Tendo em conta o gráfico seguinte, a despesa autónoma é de: D Gráfico º D Y a) 8 milhões b) Não pode ser calculada a partir do gráfico c) 5 milhões d) 13 milhões 5

7 25. Tendo por base o gráfico anterior, e assumindo que só o consumo e a poupança são induzidos pelo rendimento, a propensão marginal a consumir é de: a) 0,375 b) 1 c) 0,625 d) 0,5 26. No modelo keynesiano a noção de multiplicador refere-se: a) ao impacto de alterações de agregados endógenos nos valores de equilíbrio de agregados exógenos b) ao impacto de alterações de agregados exógenos nos valores de equilíbrio de agregados endógenos c) à natureza múltipla da medida de produto agregado d) a) e c) 27. *Quanto maior for a propensão marginal a consumir: a) maior será o valor do multiplicador b) menor será o valor do multiplicador c) maior será a propensão marginal a poupar d) menor será a propensão marginal a poupar e) alíneas a) e d) 28. No modelo keynesiano simples a noção de multiplicador do investimento refere-se a) ao impacto de alterações do investimento exógeno no rendimento b) ao impacto de alterações do rendimento no investimento exógeno c) nenhuma das anteriores d) a) e b) estão correctas 29. Num modelo keynesiano simples sem Estado, um aumento do consumo autónomo em X u.m./ano: a) aumenta o valor do multiplicador na proporção de X b) aumenta o produto pelo mesmo valor que este aumentaria caso tivesse sido o investimento exógeno a aumentar X u.m./ano c) tem como consequência um aumento do consumo total em X u.m./ano d) faz crescer o investimento numa proporção inferior e) b) e c) 6

8 30. Num modelo keynesiano simples, as flutuações no produto resultantes de modificações no investimento: a) não existem se o multiplicador for igual a 1 b) dependem apenas da dimensão das modificações do investimento c) serão tanto maiores quanto menor for a propensão marginal a poupar d) diminuem se a função de consumo simultaneamente se desloca para cima e) serão menores se a poupança diminui quando aumenta o investimento 31. Em determinada economia keynesiana fechada e sem Estado, a função consumo é dada pela seguinte expressão: C = C + cy, em que C > 0 e 0 < c < 1. a) Qual a diferença de comportamento experimentada pela propensão marginal a consumir e a propensão média a consumir na hipótese de uma i. variação positiva do rendimento; ii. variação negativa do rendimento? b) Que condições devem verificar-se para que a propensão marginal iguale a propensão média a consumir? c) Atendendo a que a parte do rendimento que não é consumida é poupada, escreva a expressão analítica da função poupança. C S d) Explique porque é que em qualquer caso + = 1. Y Y 32. Considere uma economia keynesiana fechada e sem Estado, em que o consumo privado é dado por C = C + cy e o investimento por I = I a) Faça a representação gráfica deste modelo no espaço produto-despesa. b) Ilustre, na representação gráfica efectuada, as seguintes situações: i. o consumo passa a depender apenas do rendimento; ii. a propensão marginal a consumir reduz-se; iii. um aumento do investimento. 33. Admita uma situação em que todo o rendimento é consumido, qualquer que seja o seu nível. Represente graficamente as funções consumo privado e poupança e explicite os valores das respectivas propensões médias. 34. *Considere que a função consumo é dada pela seguinte expressão: C = ,8 Y. a) Qual é o valor do consumo autónomo? b) Determine o valor do consumo se o rendimento for de c) Determine o valor da poupança se o rendimento for de

9 35. *A tabela seguinte relaciona níveis de rendimento com despesa em consumo: Rendimento Consumo a) Determine o valor da propensão marginal a consumir. b) Determine o valor da propensão marginal a poupar. c) Determine a propensão média a consumir e analise como varia à medida que o rendimento aumenta. 36. *Considere o gráfico seguinte, representativo da função consumo privado: D Gráfico Y a) Qual o nível de consumo autónomo? b) Determine a propensão marginal a consumir. c) Determine a propensão marginal a poupar. 37. Determine a função representativa do consumo de uma economia em relação à qual se sabe que: As intenções de consumo das famílias caracterizam-se por uma dependência linear em relação ao seu rendimento. Quando o rendimento é de 8925, o consumo é Um aumento de 10 no rendimento corresponde a um aumento de 7 no consumo. Interprete o significado dos parâmetros que encontrou. 8

10 38. Considere a seguinte informação sobre uma dada economia onde o consumo apresenta uma dependência linear do rendimento das famílias: Quando a poupança é nula, o rendimento é 455. Um aumento de 10 no rendimento corresponde a um aumento de 8 no consumo. a) Determine a expressão da função consumo desta economia e interprete o significado dos seus parâmetros. b) Determine a expressão da função poupança, interprete o significado dos seus parâmetros e relacione-os com os da função calculada na alínea anterior. c) Determine a expressão da propensão média a consumir e prove, matematicamente, que o valor desta é sempre maior que o da correspondente propensão marginal. 39. *Considere a informação apresentada na tabela seguinte: Rendimento Consumo Poupança a) Com base nos dados da tabela, determine o valor da propensão marginal ao consumo. Qual o valor da propensão marginal à poupança? b) Qual o valor do consumo autónomo? c) Determine o valor do consumo quando o rendimento é igual a Qual o valor da poupança para esse nível de rendimento? 40. *Num país onde não existe Estado nem relações com o exterior, a função consumo é dada por C = ,8 Y. a) Determine a propensão marginal à poupança. b) Se o investimento planeado for igual a 100, qual será o rendimento de equilíbrio? 41. *Considere que, num modelo de dois sectores, a função consumo de uma economia é dada pela expressão C = ,8 Y e que o investimento autónomo é igual a 80. a) Determine o rendimento de equilíbrio. b) Em equilíbrio, qual o valor da poupança? c) Determine o valor da procura agregada neste modelo. d) Se o investimento subir para 150, qual o efeito no rendimento de equilíbrio? Explique esse efeito. 9

11 42. *Considere a seguinte informação referente a uma economia: C = ,6Y I = 300 a) Determine os valores de equilíbrio do rendimento, consumo e poupança. b) Determine o valor da procura agregada num modelo de dois sectores. c) Se o investimento aumentar em 60 unidades, qual será o aumento no rendimento de equilíbrio? Porquê? Faça a representação gráfica da situação inicial e final de equilíbrio. d) Considere que a propensão marginal ao consumo aumenta para 0,75. Determine o novo rendimento de equilíbrio. Faça a representação gráfica da situação inicial e final de equilíbrio e explique a variação ocorrida. 43. *Considere a seguinte função consumo para uma dada economia onde não existem impostos nem despesas do governo: C = ,8 Y. a) Se o rendimento nacional for de , qual o valor do consumo? Qual o valor da poupança para o mesmo nível de rendimento? b) Determine o rendimento para o qual a poupança é nula. c) Se o investimento for igual a , qual o nível de equilíbrio do rendimento? 44. Considere a seguinte informação referente a uma economia: C = ,75Y I = 250 a) Calcule os valores de equilíbrio do rendimento, consumo e poupança. b) As famílias, por cada unidade adicional de rendimento, resolvem poupar menos 5% do que o faziam anteriormente. Quais são os novos valores para o rendimento, consumo e poupança de equilíbrio? Interprete os resultados obtidos. c) Se o investimento aumentar para 260 (e com a propensão marginal ao consumo inicial), quais são os novos valores de equilíbrio para o rendimento e o consumo? d) Se, e em relação à alínea anterior, a produção fosse igual a 1500, quais seriam os valores do investimento planeado e do investimento efectivo? 45. Considere uma economia fechada e sem Estado descrita pelo seguinte modelo: C = ,8Y e I = I a) Sabendo que o investimento é igual a 5, calcule a despesa agregada, o rendimento, o consumo e a poupança de equilíbrio. Explique como se relacionam as variáveis macroeconómicas que calculou. b) Indique o valor da propensão marginal a consumir, da propensão marginal a poupar e a expressão da propensão média a consumir. 10

12 c) A propensão marginal à poupança passa a ser 0,3. Qual o efeito dessa alteração sobre o rendimento e sobre a poupança (considere o nível de investimento referido em a))? d) Retome o modelo inicialmente apresentado. Explique, sem recorrer a cálculos, as consequências sobre o produto de um aumento do investimento de 5 para 10. Quantifique as consequências sobre o produto e o consumo dessa variação. e) O que é o multiplicador do investimento? Qual a hipótese admitida quando da descrição do mecanismo do multiplicador? f) Considerando o nível de investimento referido em a), quantifique as consequências sobre o produto, o consumo, o investimento e a poupança decorrentes de um aumento do consumo autónomo para

13 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.2. Introdução do Estado 46. Quando o Estado é adicionado ao modelo keynesiano simples, o equilíbrio no mercado de bens ocorre quando a) C + I + G + T = Y b) S + T G = I c) S + C = I + G d) S = I ( G + T) 47. Numa economia fechada e com investimento exógeno, se o Estado aumentar os seus gastos e diminuir as transferências no mesmo montante, como varia o produto de equilíbrio? a) Aumenta. b) Diminui. c) Não varia. d) Os elementos fornecidos não são suficientes para responder à questão. 48. Se o multiplicador do orçamento equilibrado for igual a 1, isto quer dizer que: a) aumentando os impostos autónomos numa quantidade igual à soma dos aumentos dos gastos e das transferências, o rendimento de equilíbrio vem acrescido dessa quantidade b) aumentando os impostos autónomos numa quantidade igual à soma dos aumentos dos gastos e das transferências, o rendimento vem diminuído dessa quantidade c) aumentando os impostos autónomos de tal maneira que o aumento no total arrecadado de impostos é igual à soma dos aumentos dos gastos e das transferências, o rendimento de equilíbrio vem aumentado numa quantidade igual ao aumento dos gastos d) aumentando os impostos autónomos de tal maneira que o aumento no total arrecadado de impostos é igual à soma dos aumentos dos gastos e das transferências, o rendimento de equilíbrio vem diminuído numa quantidade igual ao aumento dos gastos. e) nenhuma das frases anteriores é verdadeira 12

14 49. Suponha que o aumento de impostos totais originado por um aumento da taxa marginal de imposto foi contrabalançado por um aumento dos gastos de igual montante. Se na situação inicial existia orçamento equilibrado, na nova situação: a) passa a existir um défice b) passa a existir um superavit c) o rendimento de equilíbrio aumenta d) não há elementos suficientes para averiguar da veracidade das afirmações anteriores e) nenhuma das afirmações anteriores é verdadeira 50. Um aumento nos impostos autónomos: a) aumenta a despesa autónoma na mesma quantidade b) aumenta o consumo nessa quantidade vezes a propensão marginal a consumir c) diminui a poupança nessa quantidade vezes a propensão marginal a poupar d) melhora o saldo orçamental nessa quantidade e) nenhuma das afirmações anteriores é verdadeira 51. Aumentando os gastos no mesmo montante dos impostos autónomos: a) o saldo orçamental não varia b) o saldo orçamental aumenta c) o saldo orçamental diminui d) os elementos fornecidos não são suficientes para responder à questão 52. Aumentando as transferências no mesmo montante dos impostos autónomos: a) o rendimento de equilíbrio e o saldo orçamental aumentam b) o rendimento de equilíbrio aumenta e o saldo orçamental mantém-se constante c) o rendimento de equilíbrio e o saldo orçamental mantêm-se constantes d) o rendimento de equilíbrio diminui e o saldo orçamental mantém-se constante e) Nenhuma das anteriores 53. Para aumentar o consumo privado é preferível: a) aumentar os gastos do Estado em vez de aumentar as transferências no mesmo montante b) diminuir os impostos autónomos em vez de aumentar as transferências no mesmo montante c) as duas afirmações anteriores são verdadeiras d) nenhuma das afirmações anteriores é verdadeira 13

15 54. O rendimento de equilíbrio aumenta se: a) a propensão marginal a consumir aumenta b) os impostos autónomos diminuem c) o investimento autónomo aumenta d) todas as anteriores 55. Chama-se keynesiano ao modelo de determinação do rendimento desenvolvido neste ponto. O que é que o torna keynesiano, por oposição a clássico? 56. Explique por que razão os governos podem usar a política orçamental para estabilizar a economia. Por que razão seria efectivo o aumento do produto através da política orçamental numa economia keynesiana, mas não numa economia clássica? 57. Por que razão designamos os mecanismo como os impostos proporcionais sobre o rendimento e a segurança social como estabilizadores automáticos? Explique cuidadosamente como e porque afectam cada um destes mecanismos as flutuações do produto. 58. Admita que determinada economia é caracterizada pelas seguintes relações: C = ,75Y d G = 300 I = 200 t = 20% Trf = 100 a) Determine a expressão analítica da função procura. b) Determine, analítica e graficamente, o rendimento de equilíbrio. c) O Estado aumenta os seus gastos em 100. qual o efeito desta decisão sobre o nível de actividade económica? d) Se, alternativamente, a decisão tivesse sido a de aumentar as transferências no mesmo montante, o impacto sobre o rendimento seria maior, menor ou igual que o da alínea anterior? 14

16 59. Numa dada economia verificam-se as seguintes relações: C = ,8Y d I = 20 G = 40 T = 30 a) Deduza a forma reduzida do modelo. Qual a expressão do multiplicador da despesa agregada autónoma? Represente graficamente os resultados obtidos. b) Calcule o valor do multiplicador dos gastos públicos. c) Calcule o valor do multiplicador dos impostos. Compare e comente o resultado obtido com o da alínea b). d) Indague o efeito no rendimento de equilíbrio resultante de um acréscimo simultâneo nos gastos públicos, G = 8 e nos impostos T = Considere uma economia cujas equações de comportamento são as seguintes: C = ,75Y d I = 250 G = 200 T = 0,2Y Trf = 80 a) Determine os valores de equilíbrio do rendimento e do saldo orçamental. b) Se o rendimento de pleno emprego for Y p = 1500, e se se pretender atingi-lo através de uma variação dos gastos, qual deverá ser essa variação? c) Calcule a repercussão que a medida adoptada na alínea anterior terá no saldo orçamental, utilizando o multiplicador relevante. d) Suponha agora que se pretendia atingir o rendimento de pleno emprego mantendo o orçamento equilibrado. Só se admitem variações dos gastos e das transferências. A que deverão ser iguais essas variações? 61. Admita uma economia em que o rendimento de pleno emprego é As equações de comportamento da economia são as seguintes: C = I = 210 T = 0,25Y 0,8Y d ( Y) G = d Yp com d = 0, 24 Trf = 300 zy com z = 0, 2 a) Ache a forma reduzida do modelo em relação a Y. b) Existem estabilizadores automáticos nesta economia? Quais? Justifique. 15

17 c) Calcule o valor do rendimento de equilíbrio e do saldo orçamental, bem como os multiplicadores dos gastos e das transferências em relação ao rendimento. d) A que é igual o saldo orçamental de pleno emprego? e) Confira a condição de equilíbrio nesta economia: S + T Trf = I + G. Desdobre a poupança total em privada e pública. f) É possível melhorar o saldo orçamental diminuindo os gastos autónomos no mesmo montante do aumento das transferências autónomas? Justifique. 62. Considere as seguintes relações verificadas numa dada economia: o consumo é proporcional ao rendimento disponível, representando 90% do mesmo. o investimento é constante e igual a 50 milhões de euros. os impostos representam 20% do rendimento as despesas do Estado são fixadas por forma a equilibrar o orçamento. a) Com base nas informações dadas, deduza o modelo macroeconómico desta economia. b) Calcule o valor do rendimento de equilíbrio e represente-o graficamente. c) Calcule o valor do multiplicador do investimento. d) Mantendo a restrição de saldo orçamental equilibrado, como pode o Governo alterar o rendimento de equilíbrio? 63. Considere uma economia fechada onde o consumo é uma função linear do rendimento disponível se observou a seguinte relação entre a propensão média ao consumo e o rendimento disponível: PMC = 3, 5 se Y d = 100 e PMC = 2 se Y d = 200 as despesas públicas são exógenas e ascendem ao valor de 300. os impostos directos são insensíveis às variações do rendimento e ascendem a 200. o investimento tem uma parte autónoma igual a 200, sendo a propensão marginal a investir igual a 0,25. a) Apresente as expressões analíticas que descrevem esta economia. b) Defina o conceito de poupança. Qual a sua expressão analítica? c) Determine o rendimento de equilíbrio. d) Decidiu adoptar-se um nível de despesas que equilibre o saldo orçamental. Que nível é esse? Qual o novo rendimento de equilíbrio? e) Calcule o multiplicador dos impostos. Interprete o resultado obtido. 64. Numa dada economia fechada verificam-se as seguintes relações: O consumo é uma função linear do rendimento disponível onde: elemento autónomo = 50; propensão marginal ao consumo = 0,8 Os impostos são representados por uma função linear do rendimento global onde: elemento autónomo = 20; imposto sobre o rendimento = 15% 16

18 O investimento é uma função do rendimento total e representa 15% do mesmo As despesas do Estado são fixas e iguais a 200. a) Elabore o modelo representativo da referida economia. b) Determine o rendimento de equilíbrio. Represente graficamente os resultados obtidos. c) Suponha que o governo pretende alcançar o rendimento de i. De que instrumentos dispõe para atingir o seu objectivo? ii. Quantifique os valores assumidos pelos instrumentos indicados na alínea anterior. iii. Que problemas económicos poderão surgir ao prosseguir este objectivo? 65. Considere o seguinte modelo económico: C = 20 + I = I = 150 0,75Y d G = G = 100 T = Trf + G Trf = Trf a) Quais os valores de equilíbrio dos diferentes agregados desta economia? b) Calcule os multiplicadores do investimento e das despesas públicas. Comente os seus valores. 66. Suponha que a propensão marginal a consumir é de 0,8, que o rendimento de equilíbrio é Y = 1000, e que: T = 20 ; Trf = 10 ; t = 0, 25 e G = 310. a) Calcule o saldo orçamental e os multiplicadores das despesas públicas e dos impostos autónomos. b) Se o objectivo for o equilíbrio orçamental exclusivamente através de uma variação de T, qual a variação necessária? c) Nas condições da alínea a), explique detalhadamente porque é que a variação necessária de G (como único instrumento) para atingir o equilíbrio orçamental não poderia ser igual ao valor que encontrou na alínea b). 17

19 2. MOEDA 67. *Das funções do dinheiro, a mais importante é ser: a) uma reserva de valor b) uma unidade de conta c) um meio de troca d) todas as anteriores 68. *Quais dos seguintes componentes não fazem parte M1? a) Dinheiro em circulação. b) Depósitos à ordem. c) Cheques de viagem. d) Moedas. e) Todos fazem parte de M *A definição técnica de M2 inclui: a) M1 b) depósitos de curta duração c) dinheiro em circulação d) todas as anteriores 70. *Moeda fiduciária: a) é o mesmo que moeda mercadoria b) é equivalente a ouro c) é moeda porque a lei assim o determina d) não é aceite socialmente e) todas as anteriores 71. *Os depósitos à ordem: a) são considerados parte da oferta de moeda b) não são considerados parte da oferta de moeda c) não são parte da definição de M2 d) são o mesmo que depósitos de poupança 18

20 72. *Os cartões de crédito são diferentes dos de débito porque: a) os cartões de crédito são considerados como dinheiro e os cartões de débito não o são b) os cartões de débito são considerados como dinheiro e os cartões de crédito não o são c) os cartões de débito servem como meio de troca e os de crédito não d) é possível comprar com um cartão de crédito não havendo saldo na conta à ordem, o que não sucede com o de débito 73. *Quais das seguintes entidades não representam intermediários financeiros? a) Bancos. b) Fundos mútuos do mercado monetário. c) Companhias de seguros de vida. d) Fundos de pensões. e) Todos representam intermediários financeiros. 74. *Os bancos centrais: a) estão localizados na parte central de um país b) funcionam como emprestadores de último recurso para os bancos privados e controlam a oferta de moeda c) têm pouca influência sobre a oferta de moeda d) a) e b) 75. *A taxa de desconto é: a) a taxa de juro cobrada pelo banco central pelo empréstimo a outros bancos b) a taxa de juro paga pelo banco central pelos depósitos efectuados c) a diferença entre a taxa de juro do banco central e a taxa de juro do mercado d) a diferença entre a taxa de juro cobrada pelo empréstimo a consumidores e a taxa de juro cobrada pelo banco central no empréstimo a outros bancos 76. *Quando um banco faz um empréstimo, a quantidade de dinheiro na economia: a) aumenta apenas enquanto os fundos se mantiverem em depósitos à ordem b) aumenta c) diminui d) manter-se-á igual, independentemente dos fundos se manterem ou não em depósitos à ordem 19

21 77. *Os bancos comerciais criam dinheiro: a) imprimindo notas b) fazendo empréstimos c) pedindo empréstimos ao banco central d) trocando as suas reservas no banco central por dinheiro e) todas as anteriores 78. *O multiplicador da oferta de moeda é igual a: a) b) c) d) 1 PMC 1 PMP 1 rácio de reservas legais 1 reservas legais excesso de reservas 79. Ceteris paribus, uma diminuição da taxa de reservas legais leva a: a) um aumento do multiplicador monetário b) uma diminuição do multiplicador monetário c) uma diminuição da oferta nominal de moeda d) um aumento da procura real de moeda 80. *Se o rácio de reservas legais for 20%, o multiplicador da oferta de moeda é: a) 2 b) 5 c) 10 d) *Considere que algumas remessas de emigrantes levaram a um acréscimo de depósitos no sistema bancário no valor de Um potencial de criação de moeda no valor de pressupõe uma taxa de reserva de: a) 10% b) 100% c) 0% d) 80% e) 12,5% 20

22 82. *O valor do dinheiro: a) pode aumentar ou diminuir à medida que o nível de preços aumenta b) diminui na proporção inversa ao aumento do nível de preços c) aumenta na proporção do aumento do nível de preços d) diminui, mas não proporcionalmente, quando o nível de preços aumenta 83. A procura de moeda está relacionada com o rendimento e relacionada com a taxa de juro. a) inversamente, positivamente b) positivamente, inversamente c) inversamente, inversamente d) positivamente, positivamente 84. Um aumento do rendimento desloca para a direita, o que leva a que a taxa de juro de equilíbrio. a) a curva da oferta de moeda, diminua b) a curva da procura de moeda, diminua c) a curva da procura de moeda, aumente d) a curva da oferta de moeda, aumente 85. A procura de moeda pelo motivo de especulação aumenta quando a) os títulos descem de valor b) o banco central compra títulos c) os excedentes de reservas legais diminuem d) a oferta de moeda aumenta 86. Defina M1 e M2. O que está incluído em M1? O que se inclui em M2 e não em M1? Estabeleça a relação entre as componentes de M2 e os factores que estão subjacentes à procura de moeda. 87. Com base na função de procura L = ,5Y 5i, explique quais os motivos que explicam a procura de moeda. 88. Considere cada um dos seguintes itens em relação ao seu uso potencial como meio de troca, reserva de valor e/ou unidade de conta: a) uma nota de 10 ; b) um cartão Multibanco; 21

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE 1.Discuta a diferença entre os seguintes conceitos? (a) Produto Interno Bruto - Produto Interno Líquido; (b) Produto Nacional

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 8 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução.

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução. CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS Introdução. Neste capítulo construímos o segundo e terceiro blocos do nosso modelo de uma macroeconomia aberta: os mercados da moeda e câmbios. No capítulo 14 exploramos o impacte

Leia mais

ESCOLA DE ECONOMIA E GESTÃO

ESCOLA DE ECONOMIA E GESTÃO MACROECONOMIA I ESCOLA DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE DO MINHO - - 1 CAPÍTULO V MODELO IS/LM (MODELO HICKSIANO) EM ECONOMIA FECHADA - - 2 INTRODUÇÃO E HIPÓTESES DO MODELO No quadro do pensamento keynesiano

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE PROCURA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

EXERCÍCIOS SOBRE PROCURA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO EERCÍCIOS SOBRE PROCURA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO Exercício 1 1 Antes de proceder ao lançamento no mercado do bem, uma empresa encarregou um consultor de investigar as características da procura

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 9 de Junho de 2003 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Questões de Exames Passados. Escolha Múltipla Escolha uma entre as cinco alternativas para cada questão.

Questões de Exames Passados. Escolha Múltipla Escolha uma entre as cinco alternativas para cada questão. Faculdade de Economia, Universidade Nova de Lisboa Introdução à Macroeconomia André C. Silva Questões de Exames Passados Escolha Múltipla Escolha uma entre as cinco alternativas para cada questão. 1. Uma

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto Versão Preliminar Produção em período curto caso discreto 1 - Suponha que a ojinha de Hamburgers Caseiros com a actual dimensão definida por 1 sala com 60 m, mesas e cadeiras, grelhadores, 1 frigorífico

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo

3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo 3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo Apresentação do papel do sistema monetário no comportamento do nível de preços, da taxa de inflação e de outras variáveis nominais Introdução Inflação é o crescimento

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

CAPÍTULO 14 - O MERCADO DE BENS E SERVIÇOS EM ECONOMIA ABERTA

CAPÍTULO 14 - O MERCADO DE BENS E SERVIÇOS EM ECONOMIA ABERTA CAPÍTULO 14 - O MERCADO DE BENS E SERVIÇOS EM ECONOMIA ABERTA INTRODUÇÃO Até agora, examinamos o mercado de câmbios e a balança de pagamentos, isoladamente de outras variáveis macro-económicas. Nos próximos

Leia mais

CURSO AGENTE DA POLICIA FEDERAL E ESCRIVÃO Disciplina: Noções de Economia Tema: Macroeconomia Prof.: Carlos Ramos Aula 29.05.09

CURSO AGENTE DA POLICIA FEDERAL E ESCRIVÃO Disciplina: Noções de Economia Tema: Macroeconomia Prof.: Carlos Ramos Aula 29.05.09 MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Noções de Economia Módulo III 8. Conceitos Fundamentais de Macroeconomia A Macroeconomia trata do estudo dos agregados econômicos, de seus comportamentos e das

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 010 Exame de Economia Tempo para realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

LISTA 4 ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 4 Introdução à Economia 1

LISTA 4 ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 4 Introdução à Economia 1 LISTA 4 Conceitos importantes: 1) Moeda: histórico e funções 2) O multiplicador bancário 3) Instrumentos de política monetária: a fixação de encaixes mínimos, as operações de mercado aberto e a fixação

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais 3.1. Aspectos conceptuais - antecipação do futuro, informação e expectativas racionais 3.2. A restrição orçamental intertemporal das famílias 3.3. Teoria

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

LISTA 5B GABARITO. Será que agora vai mesmo? Como?

LISTA 5B GABARITO. Será que agora vai mesmo? Como? 1 LISTA 5B GABARITO Conceitos importantes: 1) Macroeconomia keynesiana 2) Desemprego: modalidades e interpretações 3) Demanda agregada: consumo, poupança e gastos autônomos 4) Propensão Marginal a Consumir

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

LISTA 5B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 5B Introdução à Economia 1

LISTA 5B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 5B Introdução à Economia 1 LISTA 5B GABARITO Conceitos importantes: 1) Macroeconomia keynesiana 2) Desemprego: modalidades e interpretações 3) Demanda agregada: consumo, poupança e gastos autônomos 4) Propensão Marginal a Consumir

Leia mais

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni Senhores, é com imenso prazer que concluo essa que foi a última prova da FGV na área fiscal deste ano... Façam bom proveito! E meus sinceros votos de sucesso no concurso!! 51 Com relação à mensuração do

Leia mais

Investimentos e Mercados Financeiros

Investimentos e Mercados Financeiros MESTRADO EM CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS 1º SEMESTRE 2007/2008 Investimentos e Mercados Financeiros Caderno de Exercícios nº3 Escolha da Carteira Óptima Raquel M. Gaspar 1 Teoria

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2 4.1 Introdução Moedas e bancos Capítulo IV Estudar a moeda é uma atividade que tem fascinado os homens desde a Antigüidade. Nossa sociedade é inconcebível sem a moeda, pois seu papel informacional e eliminador

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

CAPITULO 4. Comércio e Moedas

CAPITULO 4. Comércio e Moedas CAPITULO 4 Comércio e Moedas Comércio noção e tipos A evolução da moeda formas e funções A moeda portuguesa O Euro O preço de um bem noção e componentes A inflação noção e medida A inflação em Portugal

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais