Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares"

Transcrição

1 Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa ou serviço que satisfaz uma necessidade e que existe em quantidades limitadas. Para que um bem seja considerado como bem económico tem que satisfazer em simultâneo as duas condições anteriores: satisfazer necessidades e existir em quantidades limitadas. Os bens e serviços produzidos são escassos face à natureza ilimitada das necessidades humanas. Ou seja, os bens e serviços são produzidos com a utilização de factores de produção que existem em quantidades limitadas. Por outro lado, destinamse a satisfazer necessidades virtualmente ilimitadas. Assim, recursos limitados e necessidades ilimitadas em conjunto conferem a característica de escassez aos bens económicos. Questão 2 O problema da escassez existe porque os recursos de uma economia são limitados face à natureza ilimitada das necessidades humanas. Esta é então uma característica de todas as economias independentemente do seu nível de desenvolvimento. O que distingue os dois tipos de economias é o tipo de bens relativamente aos quais mais se faz sentir o problema da escassez. Assim, nos países menos desenvolvidos são escassos os bens de primeira necessidade, ou seja, para a maioria da população as necessidades básicas como a alimentação, o vestuário, habitação, não estão em geral satisfeitas. Já nos países mais desenvolvidos os bens escassos são os chamados bens de luxo (que não satisfazem necessidades básicas), ou seja, para a maioria da população as necessidades básicas estão satisfeitas, mas não necessidades secundárias, como ter um carro, fazer férias no estrangeiro, ir ao teatro, ler um livro.

2 Questão Uma vez que com recursos escassos não é possível satisfazer todas as necessidades humanas é necessário fazer opções em termos dos bens que se quer produzir e qual a quantidade desses bens que se vai produzir. Estas opções determinam também a quantidade de recursos a utilizar na produção de cada tipo de bem. Cada combinação de bens a produzir corresponde à utilização de diferentes quantidades de recursos nas respectivas produções, pelo que este problema é também conhecido por problema da afectação de recursos. Mas a opção entre diferentes combinações de produção só faz sentido se os recursos disponíveis puderem ser utilizadas na produção de mais do que bem, ou seja se tiverem usos alternativos Se cada input ao dispor de uma economia só puder ser utilizado na produção de um bem deixa de se colocar o problema de O que produzir e em que quantidades?. Neste caso diz-se que os inputs são específicos por oposição aos inputs com usos alternativos. Não há neste caso opções a fazer. Os bens a produzir e respectivas quantidades são determinados pelo tipo de utilização que se pode fazer desses inputs específicos, ou seja, há apenas uma combinação de produção pois os recursos não podem ser transferidos de uma produção para outra. Questão 4 A questão de como produzir ou quais os métodos ou técnicas de produção que devem ser escolhidos para a produção de cada bem coloca-se porque existem em geral diferentes métodos de produção (ou técnicas de produção) para a obtenção de cada bem. Os diferentes métodos de produção podem ser classificados de acordo com a maior ou menor quantidade de trabalho que utilizam relativamente ao capital. Questão 5 Para quem produzir? ou repartição de rendimentos é um dos problemas económicos fundamentais e trata-se da questão da repartição da produção entre os indivíduos da sociedade. Neste caso procura-se saber porque é que, por exemplo, em alguns países 10% da população se apropria de 80% do rendimento gerado pela produção. Exercícios Resolvidos Marta Simões 2

3 Questão 6 Quando produzir? ou problema da escolha intertemporal do consumo prende-se com as opções de produção em termos de bens de consumo (que satisfazem directamente necessidades) e bens de investimento (utilizados na produção de outros bens). Se no presente uma economia optar pela produção de uma quantidade relativamente maior de bens do consumo então a economia está a privilegiar o consumo presente. Se no presente uma economia optar pela produção de uma quantidade relativamente maior de bens de investimento então a economia está a privilegiar o consumo futuro (e a sacrificar o consumo presente). Não satisfaz imediatamente as suas necessidades mas abre a possibilidade de no futuro consumir mais pois os bens de investimento produzidos no presente vão aumentar o stock de capital da economia, ou seja, vão aumentar a disponibilidade de recursos. Questão 7 A fronteira de possibilidades de produção (FPP) dá-nos as combinações máximas de produção que podem ser obtidas por uma economia dados os conhecimento tecnológicos e a quantidade de factores de produção disponíveis. Estamos assim a supor pleno emprego dos factores e conhecimento tecnológico constante. Questão 8 Com esta questão pretende-se ilustrar através da FPP possíveis respostas às questões fundamentais colocadas pela ciência económica resultantes do problema da escassez e da escolha Para representar graficamente a FPP temos que saber que pares de bens são produzidos. Nos eixos do gráfico representam-se então as quantidades físicas produzidas de cada bem. É indiferente a escolha dos eixos para cada bem. Neste caso os bens produzidos são máquinas, medidas por exemplo em unidades, e comida, medida por exemplo em toneladas. Exercícios Resolvidos Marta Simões 3

4 ( H1 ) ( H2 ) Máquinas Comida Comida Máquinas Vamos optar pela primeira representação. A legenda da FPP é então: - eixo horizontal ou eixo das abcissas - quantidade produzida de comida; - eixo vertical ou eixo das ordenadas - quantidade produzida de máquinas. As FPP que vamos estudar é sempre decrescente e tem sempre a mesma forma côncava que explicaremos mais adiante. Sabendo isto podemos representar sempre uma FPP genérica sem necessidade de conhecer pontos concretos da mesma Cada ponto da FPP representa uma combinação de produção possível face aos recursos e tecnologia disponíveis na economia. Ou seja, cada ponto da FPP constitui uma resposta possível ao problema de "O que produzir e em que quantidades?". Máquinas A D 70 C B Comida Por exemplo, no ponto A a sociedade decide produzir 180 máquinas e 400 toneladas de comida. Já no ponto B a sociedade decide produzir 70 máquinas e 980 toneladas. Exercícios Resolvidos Marta Simões 4

5 O problema da escassez está aqui patente uma vez que não é possível produzir combinações de produção que estão no exterior da FPP (por exemplo D) e, sendo a FPP uma curva com inclinação negativa e representando as combinações máximas de produção, então o aumento da produção de um bem implica uma diminuição da produção do outro. Se a sociedade optasse em primeiro lugar pelo ponto A e depois decidisse pelo ponto B, ao aumentar a quantidade produzida de comida tem que diminuir quantidade produzida de máquinas pois estando sobre a fronteira já estava a utilizar plenamente os recursos. Para produzir mais comida tem que retirar recursos à produção de máquinas de onde resulta uma diminuição da mesma O problema de Como produzir? diz respeito às técnicas de produção a utilizar para obter os bens. O objectivo é utilizar a técnica mais eficiente, ou seja, a combinação de factores de produção que permita obter a máxima produção de ambos os bens com os recursos disponíveis. Para sabermos se as técnicas de produção utilizadas são eficientes a primeira coisa a fazer é saber o que se entende por eficiência económica. Está-se numa situação de eficiência económica se, para aumentar a produção de um bem, isso só é possível se se diminuir a quantidade produzida do outro bem. Ora como vimos na alínea anterior, se nos situarmos num ponto sobre a FPP para aumentarmos a produção de um bem temos que reduzir a produção do outro. Isto significa que os pontos da FPP correspondem implicitamente à utilização das técnicas de produção mais eficientes. Já os pontos no interior da FPP, tal como o ponto C, são pontos ineficientes no sentido em que é possível aumentar a produção de um bem sem diminuir a produção do outro. Podemos estar no interior da FPP ou porque não estamos a utilizar plenamente os recursos de que dispomos, ou porque não estamos a utilizar a técnica de produção mais eficiente. Estas combinações podem ser produzidas mas não são eficientes. Exercícios Resolvidos Marta Simões 5

6 8.4. Poderíamos também ilustrar o problema de "Quando produzir?" através desta FPP já que as máquinas são bens de investimento e a comida bens de consumo. Assim, a escolha de uma combinação de produção como A equivale a privilegiar o consumo futuro pois produz-se uma quantidade relativamente maior de máquinas (bens de investimento). Ao contrário, a escolha de uma combinação como a B corresponde a privilegiar o consumo presente pois produz-se uma quantidade relativamente maior de comida (bens de consumo). Questão 9 Ao compararmos as possibilidades de produção de países ricos e de países pobres no que respeita à produção de bens de primeira necessidade e de bens de luxo temos que comparar dois aspectos, as FPP respectivas e as combinações escolhidas. Bens de luxo País pobre País rico Bens de 1ª necessidade Em relação às FPP, tendo os países ricos uma maior disponibilidade de factores a sua FPP será exterior à dos países pobres pois podem produzir maiores quantidades de ambos os bens. Note-se que é comum ouvirmos que os países pobres são muito ricos em termos de recursos naturais. Contudo, se estes estão por explorar não têm valor económico, i.é., não podem ser utilizados directamente no processo produtivo pelo que não são considerados na representação da FPP. Por outro lado, os países ricos são mais avançados em termos tecnológicos e dispõem de mão-de-obra qualificada pelo que os seus recursos são mais produtivos. Em relação às combinações escolhidas por cada tipo de países verificamos que os países ricos podem não só produzir bens de primeira necessidade para satisfazer as Exercícios Resolvidos Marta Simões 6

7 necessidades básicas da maioria da população como também produzem uma maior quantidade de bens de luxo para satisfazer as necessidades secundárias. Questão 10 Deslocamentos da FPP para o exterior equivalem a alterações das quantidades máximas que é possível produzir numa economia. Isto só vai ser possível se se verificar: - um aumento da disponibilidade de factores de produção; - avanços tecnológicos (técnicas de produção mais eficientes). Questão 11 Para ilustrar os deslocamentos da FPP na sequência da alteração de um dos factores referidos na questão anterior é conveniente raciocinarmos com base nos pontos de intersecção da FPP com os eixos. Assim, o ponto de intersecção com o eixo das ordenadas corresponde à utilização da totalidade dos recursos na produção do bem A e o ponto de intersecção com o eixo das abcissas à utilização da totalidade dos recursos na produção do bem B Os aumentos de produtividade equivalem a dizer que com os mesmos recursos é possível obter uma maior produção. Bem A Bem B Pensando nos efeitos dos aumentos de produtividade em termos dos pontos de intersecção, se a totalidade dos recursos for empregue na produção do bem B esta aumenta em relação à situação inicial devido à inovação tecnológica: para a mesma quantidade de recursos utilizada na produção do bem B aumenta a quantidade produzida. Assim, o ponto de intersecção com o eixo das abcissas desloca-se para a direita. Exercícios Resolvidos Marta Simões 7

8 Se a totalidade dos recursos for utilizada na produção do bem A então não haverá alteração da quantidade produzida pois a inovação tecnológica só provocou aumentos de produtividade na produção do bem B. Assim, o ponto de intersecção com o eixo das ordenadas não se altera. Em relação à FPP inicial há apenas um ponto comum o correspondente à utilização de todos os recursos na produção de bem A pois não houve inovação tecnológica na sua produção nem alteração na disponibilidade de recursos. Nos restante pontos da FPP, a cada quantidade inicialmente produzida de A corresponde agora uma maior quantidade produzida de B Agora a inovação tecnológica provoca aumentos de produtividade nas duas produções. Bem A Bem B Se utilizarmos a totalidade dos recursos na produção do bem A obtemos uma maior produção e o mesmo acontece para o bem B, ou seja, o ponto de intersecção com o eixo das ordenadas desloca-se para cima e o ponto de intersecção com o eixo das abcissas desloca-se para a direita. A nova FPP não tem agora pontos em comum com a anterior e o seu deslocamento é paralelo uma vez que os aumento de produtividade foram uniformes Agora o factor que provoca o deslocamento da FPP é a alteração da disponibilidade de um recurso, utilizado apenas na produção do bem A. Vamos representar a situação em que se esgota apenas parte do recurso e não a totalidade. Exercícios Resolvidos Marta Simões 8

9 Bem A Bem B Se utilizarmos a totalidade dos recursos na produção de A, o esgotamento do recurso natural provoca uma diminuição da quantidade produzida deste bem. O ponto de intersecção com o eixo das ordenadas desloca-se para baixo. Se utilizarmos a totalidade dos recursos na produção de B, a quantidade produzida não se altera pois não utiliza o recurso natural. O ponto de intersecção com o eixo das abcissas não sofre alteração. A nova FPP tem apenas um ponto em comum com a inicial, o ponto de intersecção com o eixo das abcissas. No caso do total esgotamento do recurso natural a FPP resumir-se-ia a um ponto, o ponto de intersecção com o eixo das abcissas pois o bem A deixa de poder ser produzido O enunciado descreve a situação das economias nas datas 1 e 3 e queremos saber que opções de produção realizou a economia X na data 2, opções essas que lhe permitem situar-se numa FPP exterior à inicial na data 3. Exercícios Resolvidos Marta Simões 9

10 Devemos então começar por representar as situações das datas 1 e 3. Máquinas 180 C (data 3) 120 B(data2) 50 A(data 1) Alimentação Na data 1 a FPP é a mesma para as duas economias e situam-se também no mesmo ponto sobre a FPP (a preto). Vamos supor que na data 1 ambas as economias produzem 900 toneladas de alimentos e 50 máquinas. Sabemos também que estas 50 máquinas são apenas suficientes para substituir outras 50 que deixaram de poder ser utilizadas, pelo que não vão alterar a disponibilidade do recurso capital nas datas seguintes, quando passam a ser utilizadas no processo produtivos. Na data 3 a economia X situa-se numa FPP exterior à da data 1 (a vermelho) o que terá que ser consequência de um aumento da disponibilidade de recursos ou da inovação tecnológica. Como nada nos é dito acerca da alteração dos recursos Terra e Trabalho nem sobre uma eventual inovação tecnológica, o único recurso cuja disponibilidade poderá ter aumentado é o capital. Repare-se que as combinações de produção desta economia se referem a bens de consumo (alimentação) e a bens de investimento (máquinas), pelo que as suas escolhas de produção vão influenciar a disponibilidade do recurso capital. Assim, na data 2 (a verde) a economia X terá que ter privilegiado a produção de bens de investimento sacrificando o seu consumo presente. Se decidir produzir 120 máquinas terá que reduzir a produção de alimentos para 400 toneladas. Das 120 máquinas produzidas, 50 voltam a ter como destino a substituição de outras tantas que vão para a sucata, mas agora dispõe de mais 70 máquinas do que na data 1 para serem utilizadas na produção na data 3. Exercícios Resolvidos Marta Simões 10

11 Na data 3 o país X situa-se então numa nova FPP exterior à inicial porque dispõe de mais recursos (mais capital). Além disso, pode situar-se numa combinação que corresponde a uma maior produção de ambos os bens (1500 toneladas de alimentos e 180 máquinas), mais do que poderia produzir nas datas 1 e 2 mesmo se utilizasse a totalidade dos seus recursos numa das produções. O país Y permanece na FPP inicial e na mesma combinação Entendendo-se por crescimento económico um aumento da capacidade de produção de uma economia ou um aumento do seu produto potencial, então não é possível haver crescimento económico sem aumento da disponibilidade de recursos ou progresso tecnológico. Graficamente, a existência de crescimento económico traduz-se por um deslocamento para a direita da FPP o que, por definição, só é possível se houver um aumento da disponibilidade de recursos ou progresso tecnológico. Questão Lei dos rendimentos decrescentes: utilizando a produção pelos menos um factor fixo, a partir de determinado nível de utilização do factor variável, a acréscimos sucessivos e iguais deste último, estarão associados acréscimos cada vez menores da produção. É condição necessária para a verificação desta lei que pelo menos um dos factores de produção esteja fixo Para saber quando é que se começam a verificar os rendimentos decrescentes temos que calcular os acréscimos de produção dos dois bens associados a cada acréscimo de 10 trabalhadores. acréscimo nº Nº trabs Prod A Var A por 10Trabs acrésc nº Nº trabs Prod B Var B por 10Trabs º =30 1º =28 2º =70 2º =24 3º =80 3º =23 4º =100 4º =20 5º =90 5º =19 6º =85 6º =15 7º =60 7º =13 8º =50 8º =10 9º =40 9º =8 10º =25 10º =3 Exercícios Resolvidos Marta Simões 11

12 Os rendimentos decrescentes verificam-se pela primeira vez na produção de A quando se passa da utilização de 40 para 50 trabalhadores, ou seja, a partir da produção de 280 unidades do bem A. Na produção de B surgem pela primeira vez quando se passa da utilização de 10 para 20 trabalhadores, ou seja, a partir da produção de 28 unidades do bem B. Note que a produção cresce sempre. O que decresce são os acréscimos de produção Os rendimentos decrescentes ocorrem em ambas as produções porque ambas utilizam um factor fixo, o capital, condição necessária para a existência de rendimentos decrescentes As combinações de produção são eficientes se não é possível aumentar a produção de um bem sem diminuir a do outro, o que acontece quando se está a utilizar plenamente os factores. O pleno emprego do factor trabalho corresponde à utilização de 100 trabalhadores nas duas produções pelo que as combinações eficientes são as que correspondem à utilização deste número de trabalhadores no somatório das duas produções. Nºtotal Trabs Trabs Combinações Trabs empregues empregues eficientes Empregue em A em B Prod A Prod B A FPP é composta por todas as combinações de produção eficientes, ou seja, as combinações que calculámos na alínea anterior são pontos da FPP. Vamos então traçar no gráfico essas combinações e unir os vários pontos para obter a FPP. Exercícios Resolvidos Marta Simões 12

13 Produção B Produção A Questão 13 Custo de oportunidade: custo de uma dada escolha medido em termos da melhor alternativa a que se teve que prescindir. Em termos da FPP corresponde a medir o custo do aumento da produção de um bem em termos da produção do outro bem a que se tem que renunciar. Consideremos novamente a nossa economia que produz apenas máquinas e comida e o seguinte exemplo. Fronteira de Possibilidades de Produção comida A 9 B 8 7 C D E máquinas Se a economia decidir aumentar a produção de máquinas em 2 unidades (passar de B para D) o custo de oportunidade deste aumento são as 5 unidades de comida a que se tem que prescindir. Custo de oportunidade +2 unidades Máquinas = 5 unidades de Comida Graficamente o custo de oportunidade destas 2 unidades de máquinas é representado pelo segmento de recta descendente que corresponde à diminuição da produção de comida correspondente. Exercícios Resolvidos Marta Simões 13

14 Questão 14 A FPP é uma curva decrescente porque os recursos são escassos. Para produzir mais de um bem têm que se retirar recursos à produção do outro, logo diminui a respectiva quantidade produzida. A inclinação da FPP está então directamente relacionada com o conceito de custo de oportunidade. Mas a pergunta não diz respeito à inclinação da curva e sim à sua forma côncava. A FFP é uma curva côncava devido à lei dos custos de oportunidade crescentes, ou seja, devido ao comportamento dos custos de oportunidade à medida que se aumenta a produção de um bem. À medida que a produção de máquinas aumenta, os custos de oportunidade de acréscimos adicionais são cada vez maiores. Consideremos o seguinte exemplo. Uma economia produz apenas comida e máquinas, pertencendo as seguintes combinações de produção à sua FPP: Combinação Máquinas Comida Custo Oportunidade +1 unidade de máquinas A 0 10 B unidade de comida C unidades de comida D unidades de comida E unidades de comida Cada nova unidade de máquinas produzida obriga a renunciar a uma quantidade cada vez maior de comida, ou seja, os custos de oportunidade são crescentes. Se representarmos graficamente esta FPP verificamos que é côncava e podemos identificar, por intermédio de segmentos de recta, os custos de oportunidade de cada nova unidade de máquinas. Fronteira de Possibilidades de Produção comida A B C D E máquinas Como podemos constatar, à medida que aumenta a produção de máquinas, o comprimento do segmento de recta que corresponde à quantidade de comida a que se renuncia é cada vez maior, ou seja, os custos de oportunidade são crescentes. Exercícios Resolvidos Marta Simões 14

15 Podemos assim enunciar a lei dos custos de oportunidade ou relativos crescentes: a acréscimos sucessivos e iguais da produção de um bem estão associados decréscimos cada vez maiores da produção do outro bem, ou seja, os custos de oportunidade da produção de um bem são crescentes. Questão 15 A lei dos custos relativos crescentes relaciona o custo de produção de um bem com a produção do outro bem a que se renuncia. Lei dos custos crescentes: à medida que se aumenta a produção de um bem, o custo de produção de quantidades adicionais desse bem aumenta em termos da produção do outro bem a que se renuncia. Esta lei, como analisado na questão 14, tem a sua expressão gráfica na forma côncava da FPP. Questão 16 A lei dos rendimentos decrescentes mede o custo da produção adicional de um bem em termos do input adicional necessário para obter essa produção. A lei dos custos crescentes mede o custo de produção de um bem em termos da produção alternativa a que se renuncia. A lei dos rendimentos decrescentes é uma das causas dos custos relativos crescentes. Se a mesma quantidade adicional do factor variável permite obter acréscimos cada vez menores de produção então, cada nova unidade produzida de um bem exige a utilização de uma quantidade cada vez maior do factor. Ora este factor é retirado à produção do outro bem, logo os decréscimos da sua produção serão cada vez maiores. Consideremos o exemplo que temos vindo a seguir. Lei dos rendimentos decrescentes Acréscimos iguais do factor variável => Acréscimos decrescentes da produção de Máquinas Lei dos custos de oportunidade crescentes Acréscimos iguais Decréscimos crescentes => da produção de Máquinas da produção de Comida Se acrescermos o factor variável utilizado na produção de máquinas sempre no mesmo montante, a lei dos rendimentos decrescentes diz-nos que vamos obter acréscimos cada vez menores da produção deste bem. Exercícios Resolvidos Marta Simões 15

16 Ora, a lei dos custos crescentes relaciona iguais acréscimos da produção de máquinas com decréscimos da produção de comida. Face à lei dos rendimentos decrescentes, para obtermos acréscimos iguais de máquinas temos que utilizar quantidades cada vez maiores do factor variável. Mas como este factor é retirado da produção de comida, então os decréscimos da respectiva produção são cada vez maiores pois são-lhe retirados cada vez mais recursos. Nota: A lei dos rendimentos decrescentes é condição suficiente mas não necessária para que se verifique a lei dos custos de oportunidade crescentes. Para que esta se verifique basta que nas duas produções os factores comuns sejam utilizados em diferentes proporções, o que vai originar também rendimentos decrescentes uma vez que há sempre um factor que é relativamente mais escasso. Exercícios Resolvidos Marta Simões 16

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS Teoria do Consumidor Questões ráticas (Versão rovisória) TEOIA DO CONSUMIDO EECÍCIOS Exercício. estrição orçamental e efeitos da variação dos preços e do rendimento Suponha que um consumidor gasta a totalidade

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS Após a realização de um experimento, deseja-se estabelecer a função matemática que relaciona as variáveis do fenómeno físico estudado. Nos nossos experimentos

Leia mais

Os Problemas de Natureza Econômica

Os Problemas de Natureza Econômica Os Problemas de Natureza Econômica 1 O PROBLEMA FUNDAMENTAL DA ECONOMIA Como já foi visto, a atividade económica numa sociedade é realizada com o propósito de produzir bens e serviços que se destinem à

Leia mais

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto Versão Preliminar Produção em período curto caso discreto 1 - Suponha que a ojinha de Hamburgers Caseiros com a actual dimensão definida por 1 sala com 60 m, mesas e cadeiras, grelhadores, 1 frigorífico

Leia mais

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES Prof. ANTONIO ROBERTO GONÇALVES Aprendizagem de Conceitos Se você precisa encontrar o volume de um silo de milho, a distância percorrida por um carro

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA. Economia e Gestão. Teoria da Produção

ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA. Economia e Gestão. Teoria da Produção ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA Economia e Gestão Teoria da Produção Traduzido e adaptado de: Doll, J.P., Orazem, F. (984). Production Economics Theory with Applications. New ork. John Wiley &

Leia mais

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução.

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução. CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS Introdução. Neste capítulo construímos o segundo e terceiro blocos do nosso modelo de uma macroeconomia aberta: os mercados da moeda e câmbios. No capítulo 14 exploramos o impacte

Leia mais

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 010 ExercíciosProgramados1e VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Esses exercícios abrangem a matéria das primeiras semanas de aula (Aula 1) Os alunos

Leia mais

Introdução à Economia da Gestão Florestal

Introdução à Economia da Gestão Florestal ECONOMIA AMBIENTAL RECURSOS RENOVÁVEIS Introdução à Economia da Gestão Florestal PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE PESCAS E FLORESTAS As florestas são um recurso que se renova no recurso terra, enquanto que

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Aluno(a): Nº: Data: / /2014 INTRODUÇÃO: a) Se você pudesse escolher

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI Sumário Teoria da utilidade Bens complementares Bens substitutos Vimos que os agentes económicos Confrontam-se com cabazes E que dos seus gostos/preferências resulta uma função de utilidade u: Se A f B

Leia mais

A ciência apenas explica, não aplaude nem condena

A ciência apenas explica, não aplaude nem condena Universidade Autónoma de Lisboa Curso do professor dr. Arlindo Donário Notas de A.Filipe Garcez José - aluno n 20021078 Notas pessoais, passíveis de eventuais erros «Errare humanum est» Fundamento deste

Leia mais

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 1. (alternativa C) Os números 0,01 e 0,119 são menores que 0,12. Por outro lado, 0,1 e 0,7 são maiores que 0,. Finalmente, 0,29 é maior que 0,12 e menor

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2).

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2). MAT1157 Cálculo a uma Variável A - 2014.1 Lista de Exercícios 7 PUC-Rio Função afim: 1. (a) Qual é a inclinação de uma reta horizontal (paralela ao eixo-x)? (b) Qual é a expressão da função cujo gráfico

Leia mais

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte):

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte): MESTRADO INTEGRADO DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: TRANSPORTES Prof. Responsável: José Manuel Viegas Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte): Geração e 2010 / 2011 1/17 MODELOS GLOBAIS (I) Para além

Leia mais

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) Neste ponto, são abordados os módulos de planeamento da produção do software BaaN. Este software dispõe dos seguintes três módulos complementares de planeamento: MPS

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Aula 00-150 questões comentadas de economia para Analista em Economia da Defensoria Pública do Estado de Rondônia

Aula 00-150 questões comentadas de economia para Analista em Economia da Defensoria Pública do Estado de Rondônia Aula 00-150 questões comentadas de economia para Analista em Economia da Defensoria Pública do Estado de Rondônia - Professores: AULA 00: Demonstrativa Sumário Sumário... 2 1. Apresentação.... 4 1.1. A

Leia mais

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência:

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: FUNÇÃO DO 1º GRAU Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: Correspondência: é qualquer conjunto de pares ordenados onde o primeiro elemento pertence ao primeiro

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROBLEMA 3.1

CAPÍTULO 3 PROBLEMA 3.1 PÍTULO 3 PROLM 3.1 onsidere a placa em forma de L, que faz parte da fundação em ensoleiramento geral de um edifício, e que está sujeita às cargas indicadas. etermine o módulo, a direcção, o sentido e o

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 1 Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 (1 Passo) Vamos digitar os dados na planilha. Para isso temos três banco de dados (Dados 1, Dados 2 e Dados 3), no qual irão gerar três Boxplot. Figura 1

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM ETERMINAÇÃO A ISTÂNCIA FOCAL E UMA LENTE E ESTUO A FORMAÇÃO E IMAGEM. Objectivo eterminação da distância focal de uma lente convergente e de uma associação de lentes, e estudo da formação de imagem. 2.

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla Layouts Balanceamento de Linhas Maria Antónia Carravilla Abril 1998 1. Layouts... 1 1.1 Definição, tipos de layouts... 1 1.1.1 Definição... 1 1.1.2 Factores determinantes para a construção de um layout...

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B 1 QUESTÃO 1 Marcos tem 10 0,25 = 2,50 reais em moedas de 25 centavos. Logo ele tem 4,30 2,50 = 1,80 reais em moedas de 10 centavos, ou seja, ele tem 1,80 0,10 = 18 moedas de 10 centavos. Outra maneira

Leia mais

QUESTÕES DE EQUIDADE NA APLICAÇÃO DE SISTEMAS FINANCEIROS AOS RECURSOS HÍDRICOS. António José SÁ ( 1 )

QUESTÕES DE EQUIDADE NA APLICAÇÃO DE SISTEMAS FINANCEIROS AOS RECURSOS HÍDRICOS. António José SÁ ( 1 ) QUESTÕES DE EQUIDADE NA APLICAÇÃO DE SISTEMAS FINANCEIROS AOS RECURSOS HÍDRICOS António José SÁ ( 1 ) RESUMO Em termos económicos, os recursos hídricos são classificados como bens públicos, pelo que não

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

CAPÍTULO IV PREÇOS DO PRODUTO E PREÇOS DOS FACTORES O TEOREMA DE STOLPER-SAMUELSON

CAPÍTULO IV PREÇOS DO PRODUTO E PREÇOS DOS FACTORES O TEOREMA DE STOLPER-SAMUELSON CAPÍTULO IV Vamos agora ao ponto fulcral da teoria do comércio internacional. Sob o ponto de vista teórico vamos analisar a contribuição da teoria do comércio internacional para a teoria do equilíbrio

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T3 Física Experimental I - 2007/08 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA 1. Objectivo Verificar a conservação da energia mecânica de

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo Análise Combinatória Prof. Thiago Figueiredo (Escola Naval) Um tapete de 8 faixas deve ser pintado com cores azul, preta e branca. A quantidade de maneiras que podemos pintar esse tapete de modo que as

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

5ta Aula de Relatividade e Cosmologia. Horacio Dottori. 1.11- A contração espacial. Porto Alegre 12 de setembro de 2004

5ta Aula de Relatividade e Cosmologia. Horacio Dottori. 1.11- A contração espacial. Porto Alegre 12 de setembro de 2004 Porto Alegre 12 de setembro de 2004 5ta Aula de Relatividade e Cosmologia Horacio Dottori 1.11- A contração espacial Veremos então este efeito relativistico de 3 pontos de vista diferentes: a- como visto

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

Custos da empresa. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência

Custos da empresa. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Custos da empresa Como vimos, a óptima para a empresa depende da receita, mas depende

Leia mais

Os primeiros passos com a TI-Nspire

Os primeiros passos com a TI-Nspire Os primeiros passos com a TI-Nspire 1. Cria um novo documento: pressiona a tecla HOME, c, e selecciona 6:New Doc pressionando 6 ou quando o ícone estiver seleccionado. Se tiveres outro documento aberto,

Leia mais

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES Mecânica plicada Engenharia iomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇS INERES Versão 0.2 Setembro de 2008 1. Peça linear Uma peça linear é um corpo que se pode considerar gerado por uma figura plana cujo centro

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROBLEMA DE SEMÁFORO

ANÁLISE DE UM PROBLEMA DE SEMÁFORO ANÁLISE DE UM PROBLEMA DE SEMÁFORO O jogo usualmente designado por Traffic Lights (em português, Semáforo) foi inventado por Alan Parr em 1998. Engane-se o leitor que pense que é apenas uma versão ligeiramente

Leia mais

A OFERTA ESTRUTURA DE CUSTOS NO CURTO PRAZO E NO LONGO PRAZOS

A OFERTA ESTRUTURA DE CUSTOS NO CURTO PRAZO E NO LONGO PRAZOS CAPÍTULO 7 A OFERTA ESTRUTURA DE CUSTOS NO CURTO PRAZO E NO LONGO PRAZOS Introdução Um objectivo central da microeconomia é compreender o funcionamento dos mercados. Para isso precisamos de compreender

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

Introdução à Economia

Introdução à Economia c a p í t u l o 1 Introdução à Economia 1.1 Introdução Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como: aumentos de preços; períodos de

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Quais são as quatro premissas básicas sobre as preferências individuais? Explique

Leia mais

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*)

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) Rafael Domingos G Luís Universidade da Madeira/Escola Básica /3 São Roque Departamento de Matemática Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) A difusão de calculadoras gráficas tem levado

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

O Método Simplex para

O Método Simplex para O Método Simplex para Programação Linear Formas de Programas Lineares O problema de Programação Matemática consiste na determinação do valor de n variáveis x 1, x 2,, x n que tornam mínimo ou máximo o

Leia mais

QUADRADO MÁGICO - ORDEM 4

QUADRADO MÁGICO - ORDEM 4 CONCEITO Partindo da definição original, os QUADRADOS MÁGICOS devem satisfazer três condições: a) tabela ou matriz quadrada (número de igual ao número de ); b) domínio: com elementos assumindo valores

Leia mais

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV1 &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV Å 1Ro}HV *HUDLV Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. [\ [\ É fácil verificar

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 01 O PROBLEMA ECONÔMICO Recursos Limitados versus Necessidades Ilimitadas A Economia é a área

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

Introdução. 1 Sistema de Contas Nacionais 2002 2006.

Introdução. 1 Sistema de Contas Nacionais 2002 2006. Introdução O setor educacional privado, por meio da Federação Nacional das Escolas Particulares FENEP, solicitou à Fundação Getulio Vargas que estudasse e propusesse alternativas à tributação da folha

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: II A Representação da Economia e a Contabilidade Nacional

Exercícios Resolvidos sobre: II A Representação da Economia e a Contabilidade Nacional Exercícios Resolvidos sobre: II A Representação da Economia e a Contabilidade Nacional Contabilidade Nacional Questão 6 O nosso objectivo é conhecer o valor da produção da economia ou PIB. Se as empresas

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

Lógica Computacional. Argumentos válidos e sólidos. Métodos de Demonstração. Demonstrações formais. Regras de Inferência Igualdade

Lógica Computacional. Argumentos válidos e sólidos. Métodos de Demonstração. Demonstrações formais. Regras de Inferência Igualdade Lógica Computacional Argumentos válidos e sólidos Métodos de Demonstração Demonstrações formais Regras de Inferência Igualdade Não-consequências lógicas 6 Março 2013 Lógica Computacional 1 Argumentos Exemplo:

Leia mais

Equipe de Matemática MATEMÁTICA

Equipe de Matemática MATEMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Matemática Data: MATEMÁTICA Função Afim Um vendedor recebe, mensalmente, um salário que é composto por uma parte fixa de R$ 3.000,00 e uma

Leia mais

Ferramenta de Testagem IECL Orientações para o Aluno (PT)

Ferramenta de Testagem IECL Orientações para o Aluno (PT) Ferramenta de Testagem IECL Orientações para o Aluno (PT) Índice 1 INTRODUÇÃO 3 2 REALIZAÇÃO DOS TESTES 3 2.1 Login 3 2.2 Verificação do áudio para o teste de Audição 5 2.3 Realização de um teste 5 3 Informação

Leia mais