ORDEM DOS ADVOGADOS Orçamento Consolidado para o ano de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORDEM DOS ADVOGADOS Orçamento Consolidado para o ano de 2012"

Transcrição

1 ORDEM DOS ADVOGADOS Orçamento Consolidado para o ano de 2012 Introdução A proposta de orçamento consolidado da Ordem dos Advogados foi preparada a partir dos orçamentos dos Conselhos Distritais e da proposta de orçamento do Conselho Geral. Os orçamentos dos Conselhos Distritais incluem os orçamentos dos Conselhos de Deontologia, bem como os orçamentos das Delegações e dos Agrupamentos de Delegações. Os orçamentos individuais de cada um destes órgãos, bem como os agregados de cada um dos Conselhos Distritais foram preparados a partir dos elementos fornecidos pelos Conselhos Distritais. A consolidação foi precedida das correções e dos necessários ajustamentos com vista à harmonização de rubricas e critérios. Com relevância para o orçamento consolidado, destacam-se os seguintes reajustamentos: 1. Conselho Distrital do Porto a. Sendo o orçamento da Ordem dos Advogados um orçamento de receitas e despesas, não são considerados os gastos não desembolsáveis, como as imparidades ou a depreciação do activo fixo tangível. Deste modo, foi eliminada a rubrica de dívidas em quotizações, no orçamento de despesas correntes, no montante de ,75 ; b. Sendo a prática, considerarmos as quotizações pelo valor líquido dos descontos concedidos pelo recebimento anual e semestral antecipado, considerou-se esse valor líquido, eliminando os descontos do orçamento de despesas. Ao contrário da correção do ponto anterior, este ajustamento não tem qualquer impacto no orçamento do CDP, neste caso, nas receitas correntes. 2. Conselho Distrital da Madeira a. Foi corrigido o valor das quotizações de ,00, para ,25, com efeito favorável no orçamento respetivo, no montante de ,25. 39

2 3. Conselho Distrital Faro a. Foi eliminada a verba de ,00, em despesas de capital, para investimentos em curso, bem como a verba de ,00 ; a primeira por já ter sido orçamentada anteriormente, estando cativos os fundos para o respectivo financiamento; a segunda por se tratar de fundos disponíveis e não de receita orçamental do período, destinando-se a financiar os referidos investimentos em curso. b. Esclarece-se que os investimentos em curso respeitam a obras de adaptação e equipamento das instalações oportunamente adquiridas para o Conselho Distrital de Faro. Acresce relatar que o Conselho Distrital do Porto, a exemplo do ano anterior, não apresentou os orçamentos individuais das Delegações da sua área territorial, pelo que não foi possível efectuar a verificação do respectivo orçamento integrado. Em anexo encontram-se os diversos desenvolvimentos, sendo o seguinte o resumo da proposta de orçamento consolidado: RECEITAS TOTAIS ,00 EXCEDENTE GERADO ,36 DESPESAS CORRENTES TOTAIS ,64 DESPESAS DE CAPITAL ,54 Saldo orçamental final ,18 O saldo orçamental teve a seguinte origem: Conselho Geral ,11 Conselhos Distritais ,18 Conselhos de Deontologia ,78 Delegações e Agrupamentos de Delegações ,31 Subtotal ,18 Correcções e reajustamentos ,00 Saldo final orçamental final ,18 40

3 O Orçamento consolidado Descrição DESPESAS CORRENTES Serviços especializados , ,06 Trabalhos especializados , ,09 Honorários , ,68 Comissões , ,92 Conservação e reparação - contratos de assistência técnica , ,53 Conservação e reparação - serviços de manutenção , ,00 Materiais , ,24 Material de escritório e consumíveis de informática , ,94 Energia e fluidos , ,26 Eletricidade , ,49 Combustíveis , ,78 Deslocações, estadas e transportes , ,26 Deslocações e estadas de pessoal , ,41 Deslocações e estadas de membros de órgãos da OA , ,87 Serviços diversos , ,91 Rendas e alugueres de instalações , ,23 Comunicação , ,00 Seguros , ,04 Gastos com pessoal , ,88 Remunerações e encargos membros órgãos sociais ,20 0,00 Remunerações do pessoal e benefícios , ,74 Ordenados e salários , ,88 Indemnizações e compensações por rescisão ou denúncia de contratos , ,00 Encargos sobre remunerações , ,85 Seguro de acidentes de trabalho e doenças profissionais , ,67 Seguro de saúde grupo , ,93 Medicina, higiene e segurança , ,80 Formação profissional , ,00 Outros gastos e perdas , ,24 Quotizações , ,65 Comissões, Institutos e atividades , ,00 DESPESAS CORRENTES TOTAIS , ,85 41

4 O Orçamento consolidado Descrição Receitas Estatutárias , ,89 das quais: Quotizações estatutárias , ,14 Taxas de inscrição de advogados , ,00 Receitas do Estágio , ,83 Taxas de inscrição de advogados estagiários , ,00 Receita da Procuradoria e das taxas de justiça , ,00 Receitas da Formação Contínua , ,41 Subsídios , ,78 Outras receitas , ,90 das quais: Vendas de mercadorias e prestação de serviços , ,90 Serviços de apoio a advogados , ,00 Juros obtidos e outros rendimentos financeiros , ,00 Publicidade , ,00 Patrocínios , ,00 Recuperação de encargos (AJ) ,00 RECEITAS CORRENTES TOTAIS , ,57 EXCEDENTE GERADO , ,29 DESPESAS DE CAPITAL Equipamento de informática , ,00 Programas de informática , ,00 Mobiliário , ,00 Equipamento diverso , ,00 Biblioteca , ,00 Grandes reparações ,00 0,00 Certificados digitais , ,00 Rendas de locação financeira 3.731,40 Serviço de dívida , ,45 DESPESAS DE CAPITAL TOTAIS , ,85 SALDO FINAL , ,14 42

5 A proposta de orçamento consolidado apresenta um excedente positivo significativo e que contrasta com o deficit do ano anterior. Contribui para esta variação face à proposta de orçamento do ano anterior, um aumento das receitas e uma diminuição das despesas. O aumento das primeiras tem a sua origem no aumento das receitas estatutárias. Desde logo, no aumento das taxas de inscrição de advogados estagiários, decorrente do aumento do preço respectivo e das quotizações, em virtude do aumento do número de advogados inscritos previstos. A diminuição das despesas face à proposta de orçamento, resulta da diminuição de diversas rubricas, pese embora algumas delas terem sofrido aumento. Estão no primeiro caso, os gastos com pessoal, os trabalhos especializados e os honorários e material de escritório. Estão no segundo caso, conservação e reparação, eletricidade e gastos com atividades, comissões e institutos. As despesas de capital não influenciam significativamente o saldo final orçamental, na medida em que os montantes globais não divergem de um período para o outro. As diferenças identificam-se apenas entre rubricas e que já se encontram explicadas no relatório da proposta de orçamento do Conselho Geral, realçando-se por um lado a redução nos certificados digitais, por virtude da negociação dos preços e o investimento na plataforma para gestão documental da OA. Remete-se para as demonstrações dos orçamentos individuais, em anexo, bem como para os relatórios dos Conselhos Distritais e dos Conselhos de Deontologia, para melhor análise de detalhe. Nos quadros seguintes apresenta-se o resumo das referidas demonstrações, bem como a síntese da origem do saldo orçamental consolidado: 43

6 Resumo dos orçamentos individuais dos Conselhos Distritais Descrição Receitas Despesas Excedente Capital Saldo CDL , , , , ,92 CDP , , , , ,54 (a) CDC , , , , ,25 CDE , , , , ,35 CDF , , , , ,44 (b) CDA , , ,51 0, ,51 CDM , , , , ,73 (c) Subtotal , , , , ,18 Resumo dos orçamentos integrados das Delegações Descrição Receitas Despesas Excedente Capital Saldo CDL , , , , ,56 CDP , , , , ,50 CDC , , , , ,47 CDE , , , , ,45 CDF , , ,13 0, ,13 CDA , , ,22 0, ,22 CDM 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Subtotal , , , , ,31 Resumo dos orçamentos individuais dos Conselhos de Deontologia Descrição Receitas Despesas Excedente Capital Saldo CDL 500, , , , ,43 CDP 450, , , , ,08 CDC 250, , , , ,11 CDE 0, , ,40 0, ,40 CDF 0, , ,50 0, ,50 CDA 0, , ,00 0, ,00 CDM 0, , ,27 0, ,27 Subtotal 1.200, , , , ,78 (a) Saldo superior em ,75 ao constante no orçamento do CDP, em virtude da correção referida na nota introdutória (b) - Saldo superior em ,25 ao constante no orçamento do CDM, em virtude da correção referida na nota introdutória (c) - Saldo inferior em ,00 ao constante no orçamento do CDF, em virtude da correção referida na nota introdutória 44

7 Resumo dos orçamentos integrados dos Conselhos Distritais Descrição Receitas Despesas Excedente Capital Saldo CDL , , , , ,06 CDP , , , , ,97 (a) CDC , , , , ,89 CDE , , , , ,20 CDF , , , , ,81(b) CDA , , ,29 0, ,29 CDM , , , , ,00(c) Total Geral , , , , ,28 (a) Saldo superior em ,75 ao constante no orçamento do CDP, em virtude da correção referida na nota introdutória (b) - Saldo superior em ,25 ao constante no orçamento do CDM, em virtude da correção referida na nota introdutória (c) - Saldo inferior em ,00 ao constante no orçamento do CDF, em virtude da correção referida na nota introdutória Saldo consolidado dos Conselhos Distritais ,28 Saldo do Conselho Geral ,11 Saldo consolidado ,18 Anulação das operações internas (líquido) ,00 Saldo orçamental consolidado ,18 Com excepção do Conselho Distrital do Porto, todos os demais Conselhos Distritais apresentam os seus orçamentos integrados com saldo negativo; Quanto aos orçamentos individuais, além do Conselho Distrital do Porto, apenas o Conselho Distrital de Lisboa apresenta saldo positivo. Relativamente aos orçamentos integrados das Delegações e Agrupamentos de Delegações, apenas os da área territorial do Conselho Distrital de Lisboa e do Conselho Distrital de Évora apresentam saldo negativo. Todas as demais apresentam saldo positivo. Ainda assim, e relativamente ao Conselho Distrital de Évora, como não foi enviado o orçamento das Delegações que compõem o Agrupamento de Delegações de Évora, a análise do saldo integrado fica prejudicada (ver orçamentos individuais das Delegações e, em concreto, a página 95. No que respeita aos Conselhos de Deontologia, que funcionam junto dos respectivos Conselhos Distritais, não dispõem praticamente de receitas, pelo 45

8 que, relativamente a estes órgãos, estamos na presença de orçamento de despesas, pelo que o seu saldo não pode deixar de ser negativo. No quadro seguinte destacam-se as principais rubricas, com relevância no Conselho Geral e em cada um dos Conselhos Distritais. O detalhe por cada um dos órgãos (orçamentos individuais) consta nos quadros da página 60 e seguintes. Descrição Serviços especializados Trabalhos especializados Gastos CG CDL CDP CDC CDE CDF CDA CDM TOTAL CD s TOTAL OA HONORÁRIOS Conservação e reparação Materiais Energia e fluidos Electricidade Deslocações, estadas e transportes Deslocações e estadas de membros de órgãos da OA Serviços diversos Rendas e alugueres de instalações Comunicação Seguros Despesas de representação Limpeza, higiene e conforto Águas, cafés e outros Gastos gerais Gastos com pessoal

9 Do quadro precedente retiram-se os seguintes indicadores: Descrição Resumo dos gastos e indicadores CG CDL CDP CDC CDE CDF CDA CDM TOTAL CD s TOTAL OA Gastos gerais Gastos com pessoal Gastos com pessoal - peso no orçamento consolidado Restantes gastos - peso no orçamento consolidado 29% 34% 20% 8% 5% 2% 1% 1% 71% 100% 59% 16% 12% 6% 2% 2% 1% 2% 41% 100% Relação em cada um dos órgãos Gastos com pessoal 25% 60% 53% 47% 59% 41% 55% 35% 54% 41% Restantes gastos 75% 40% 47% 53% 41% 59% 45% 65% 46% 59% Realça-se que os gastos com pessoal não incluem os gastos com a totalidade dos recursos humanos que prestam serviço na OA, estando, portanto, excluídos os prestadores de serviços. CONCLUSÃO A conclusão imediata a tirar da análise da proposta de orçamento consolidado da OA, é que o saldo final orçamental, embora permaneça deficitário, tende a aproximar-se do saldo nulo o que se traduz expectativas positivas. Contudo, torna-se necessário um maior esforço no sentido de os orçamentos futuros deixarem de ser deficitários. O quadro e gráfico seguintes ilustram esta evolução: Saldo orçamental consolidado

10 O quadro e gráfico seguintes ilustram a evolução operada nos orçamentos dos Conselhos Distritais, identificando-se uma diminuição dos gastos, em termos globais, de 2010 para 2011 e para Contudo, esta diminuição mostra-se insuficiente para equilibrar os orçamentos respectivos. Aliás, não fora o aumento das receitas com origem fundamentalmente nas taxas de inscrição de advogados estagiários e o saldo deficitário não teria sido tão atenuado. Descrição Propostas de orçamento de 2010 Propostas de orçamento de 2011 Propostas de orçamento de 2012 Receitas correntes Despesas correntes Excedente gerado Despesas de capital Saldo orçamental

11 Nas figuras seguintes ilustra-se a estrutura das receitas e das despesas consolidadas: ESTRUTURA DAS DESPESAS Trabalhos especializados 9% Honorários 9% Conservação e reparação 1% Material de escritório e consumíveis de informática 1% Eletricidade 1% Deslocações e estadas de membros de órgãos da OA 3% Rendas e alugueres de instalações 4% Comunicação 5% Seguros 16% Gastos com pessoal 41% Comissões, Institutos e atividades 4% Restantes despesas 7% DESPESAS CORRENTES TOTAIS Gráfico 1 49

12 ESTRUTURA DAS RECEITAS Quotizações estatutárias 77% Taxas de inscrição de advogados 2% Receitas do estágio 1% Taxas de inscrição de advogados estagiários 5% Receita da Procuradoria e das taxas de justiça 10% Receitas da formação contínua 1% Restantes receitas 4% RECEITAS CORRENTES TOTAIS Gráfico 2 50

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2016 DESPESAS CORRENTES Serviços especializados 0,00 Trabalhos especializados Publicidade e propaganda (divulgação

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS Orçamento da Ordem dos Advogados (consolidado) para o ano de 2016

ORDEM DOS ADVOGADOS Orçamento da Ordem dos Advogados (consolidado) para o ano de 2016 ORDEM DOS ADVOGADOS Orçamento da Ordem dos Advogados (consolidado) para o ano de 2016 Introdução Nos termos do disposto na alínea q) do nº 1 do artigo 46º do Estatuto da Ordem dos Advogados, aprovado pela

Leia mais

Relatório Análise da execução orçamental 2009

Relatório Análise da execução orçamental 2009 Relatório Análise da execução orçamental 2009 Considerações prévias Este documento pretende-se avaliar o desempenho ao nível das receitas e das despesas em função do projectado no orçamento aprovado para

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2018

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2018 PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2018 PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO 2018 Nota informativa: O Conselho de Deontologia de Lisboa não possuindo receitas próprias, com exceção de algumas que residualmente lhe

Leia mais

Proposta de Orçamento para 2017

Proposta de Orçamento para 2017 Proposta de Orçamento para 2017 Introdução A presente proposta de orçamento para o ano de 2017, respeita numa primeira parte ao Conselho Regional do Porto, numa segunda parte às Delegações, e numa terceira

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS Introdução 1. A contabilidade do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados encontra-se organizada de acordo com o POC, adaptado à especificidade da Ordem dos Advogados, e respeitando as orientações

Leia mais

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO Lar Luísa Canavarro NIPC 502050411 NISS 20004445167 MORADA DA SEDE Rua de S. Brás, nº 293, 4000-495 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO 2017 VERSÃO Inicial PARECER DO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO NIPC MORADA DA SEDE ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO 501893326 NISS 20004479611 Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * 4100-354 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO

Leia mais

Associação Social e Cultural Paradense - NIF:

Associação Social e Cultural Paradense - NIF: Conta Saldo 11. Caixa 12. Depósitos à Ordem 13. Outros Depósitos Bancários Total Da Classe 1 687,51 D 19.428,20 D 200.000,00 D 220.115,71 D 21. Clientes 22. Fornecedores 23. Pessoal 24. Estado e Outros

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2013 DO CONSELHO DE DEONTOLOGIA DO PORTO

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2013 DO CONSELHO DE DEONTOLOGIA DO PORTO PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2013 DO CONSELHO DE DEONTOLOGIA DO PORTO A. Pressupostos relativos às Receitas/Proveitos do Conselho de Deontologia do Porto Receitas Próprias O Conselho de Deontologia

Leia mais

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual Revisão Orçamental

Leia mais

ORÇAMENTO RECTIFICATIVO PARA 2002

ORÇAMENTO RECTIFICATIVO PARA 2002 ORÇAMENTO RECTIFICATIVO PARA 2002 Caros(as) Colegas, Decorrido algum tempo sobre o inicio do mandato dos actuais membros do Conselho Distrital de Lisboa, verificou-se a necessidade de se proceder a um

Leia mais

1.º Orçamento anual. Revisão Orçamental. Natureza Jurídica IPSS. Resposta Social. 110 Casa de Repouso de Donim Casa de Repouso de S.

1.º Orçamento anual. Revisão Orçamental. Natureza Jurídica IPSS. Resposta Social. 110 Casa de Repouso de Donim Casa de Repouso de S. CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual ANO 2016 Revisão Orçamental NISS 20007607253 DADOS INSTITUIÇÃO Nome SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE GUIMARÃES NIPC 500 839

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2012 DO CONSELHO DE DEONTOLOGIA DO PORTO

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2012 DO CONSELHO DE DEONTOLOGIA DO PORTO PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2012 DO CONSELHO DE DEONTOLOGIA DO PORTO A. Pressupostos relativos às Receitas/Proveitos do Conselho de Deontologia do Porto Receitas Próprias O Conselho de Deontologia

Leia mais

erasa Relatório de Execução Orçamental

erasa Relatório de Execução Orçamental erasa Relatório de Execução Orçamental 2011 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Análise da Execução Orçamental... 3 2.1 Execução da Receita por Rubricas... 4 2.2 Execução da Despesa por Rubricas... 6 3.

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Relatório de Execução Orçamental Ano I. INTRODUÇÃO E NOTAS PRÉVIAS A Ordem dos Advogados é, nos termos estatutariamente previstos, uma associação pública representativa dos Advogados que tem por missão

Leia mais

Proposta de Orçamento do Conselho Regional. Évora. Orçamento. Consolidado

Proposta de Orçamento do Conselho Regional. Évora. Orçamento. Consolidado Proposta de Orçamento do Conselho Regional de Évora Proposta de Orçamento do Conselho Regional Proposta de Orçamento do Conselho de Deontologia Proposta de Orçamento dos Agrupamentos de Delegações de :

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2018

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2018 PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2018 RELATÓRIO PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2018 Introdução A presente proposta de orçamento para o ano 2018, respeita apenas ao Conselho Regional de Lisboa, sendo que as propostas

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2016 AGRUPAMENTO DE DELEGAÇÕES DE SANTARÉM AGRUPAMENTO DE DELEGAÇÕES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2016 AGRUPAMENTO DE DELEGAÇÕES DE SANTARÉM AGRUPAMENTO DE DELEGAÇÕES RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2016 AGRUPAMENTO DE DELEGAÇÕES DE SANTARÉM AGRUPAMENTO DE DELEGAÇÕES SANTAREM ALMEIRIM CARTAXO CORUCHE Presidente Dr. Ramiro Matos Vogal Tesoureiro Dra. Teresa Pinto Ferreira Vogal

Leia mais

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas "INVESTIMENTOS", "GASTOS" e "RENDIMENTOS"

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas INVESTIMENTOS, GASTOS e RENDIMENTOS Presidência do Conselho de Ministros Secretaria de Estado do Desporto e Juventude Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação

Leia mais

APROSE ORÇAMENTO 2017

APROSE ORÇAMENTO 2017 PROPOSTA DE ORÇAMENTO APROSE 2017 1. CRITÉRIOS Na constituição do orçamento de 2017 utilizou-se a seguinte metodologia de análise quantitativa: Conta exploração real a 31/09/2016; Constituição da conta

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO Despesas de fundos próprios: Saldo da gerência anterior: Dotações orçamentais (OE): Execução orçamental - Fundos próprios: Correntes: De dotações orçamentais (OE) 137.351,67 137.351,67 De receitas próprias:

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e nove do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De Relatório e Contas Referente Ao exercício económico De 2015 1 1 Demonstração Resultados 2 - Demonstração Resultados por Valências 3 Balanço 4 Demonstração Fluxos Caixa 5 Anexo ao Balanço 2 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2014 INFORMAÇÃO GERAL

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2014 INFORMAÇÃO GERAL RELATÓRIO CONTAS DO EXERCÍCIO 2014 RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2014 INFORMAÇÃO GERAL O Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados é um órgão da Ordem dos Advogados e corresponde, nos termos

Leia mais

Educação e Ciência UL - Estádio Universitário de Lisboa

Educação e Ciência UL - Estádio Universitário de Lisboa Código Recebimentos Saldo da gerência anterior De Dotações orçamentais Dotações Orçamentais do Programa 014 -Medida 019 -Fonte Financiamento 313 -Actividade 239 do Programa 014 -Medida 019 -Fonte Financiamento

Leia mais

1. Introdução Análise de resultados Estrutura de Gastos Fornecimentos e Serviços Externos... 3

1. Introdução Análise de resultados Estrutura de Gastos Fornecimentos e Serviços Externos... 3 Índice 1. Introdução... 2 2. Análise de resultados... 3 2.1. Estrutura de Gastos... 3 2.1.1. Fornecimentos e Serviços Externos... 3 2.1.2. Gastos com o Pessoal... 4 2.1.3. Gastos por Depreciações e Amortizações...

Leia mais

Instituto Politécnico de Castelo Branco. Gerência de a Recebimentos. De dotações orçamentais (OE) ,

Instituto Politécnico de Castelo Branco. Gerência de a Recebimentos. De dotações orçamentais (OE) , Instituto Politécnico de Castelo Branco Gerência de 01-01-2011 a 31-12-2011 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental - Fundos Próprios 1.408.401,59 De dotações orçamentais

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e seis, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2016/01/01 A 2016/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2016/01/01 A 2016/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO Despesas de fundos próprios: Saldo da gerência anterior: Dotações orçamentais (OE): Execução orçamental - Fundos próprios: Correntes: De dotações orçamentais (OE) 6,55 6,55 De receitas próprias: 01 01

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Relatório da Proposta de Orçamento para 2016

Relatório da Proposta de Orçamento para 2016 Relatório da Proposta de Orçamento para 2016 Introdução Nos termos do disposto na alínea i) do n.º1 do Art.50.º e na alínea c) do Art.54.º, ambos do EOA, compete ao Conselho Distrital e ao Conselho de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e oito do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

Educação e Ciência. Universidade de Lisboa (UL) - Reitoria

Educação e Ciência. Universidade de Lisboa (UL) - Reitoria Educação e Ciência Universidade de Lisboa (UL) - Reitoria Mapa de fluxos de caixa em 31/12/2014 Valores em euros Ano: 2014 Código Recebimentos Importâncias Parcial Total Saldo da gerência anterior De Dotações

Leia mais

SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE) , ,72

SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE) , ,72 5858 - DGPC Página: 1 Código Recebimentos SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE)................ 25.430,72 25.430,72 DE RECEITAS PRÓPRIAS: NA POSSE DO SERVIÇO..................

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2014 INFORMAÇÃO GERAL O Conselho Geral da Ordem dos Advogados é um órgão da Ordem dos Advogados, conforme o disposto no nº 2 do artº 9º do Estatuto da Ordem dos Advogados.

Leia mais

Educação e Ciência UL- Faculdade de Medicina Dentária

Educação e Ciência UL- Faculdade de Medicina Dentária Código Recebimentos Saldo da gerência anterior De Dotações orçamentais Dotações Orçamentais do Programa 014 -Medida 018 -Fonte Financiamento 311 -Actividade 193 do Programa 014 -Medida 018 -Fonte Financiamento

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

Relatório da Execução Orçamental de 2014

Relatório da Execução Orçamental de 2014 Relatório da Execução Orçamental de 2014 Considerações prévias A análise à execução orçamental adopta como referência o orçamento do Conselho Distrital dos Açores com a integração do Conselho de Deontologia

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS ANEXOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 3 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Económica 4 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Orgânica 6

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA. (Assinaturas) Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Secretaria de Estado do Ensino Superior

FLUXOS DE CAIXA. (Assinaturas) Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Secretaria de Estado do Ensino Superior Saldo da gerência anterior: Despesas de fundos próprios: Dotações orçamentais 155 253,93 Despesas orçamentais (OE) Funcionamento 23 528,16 Correntes 311 - Estado - RG não afectas a projectos co-financiados

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 Índice Assuntos Pág. 1 Demonstração de Resultados Previsionais para 2017 2 2 Investimentos 2 3 Memória justificativa 4 3.1 Custos

Leia mais

XIV RELATÓRIO DE CONTAS

XIV RELATÓRIO DE CONTAS XIV RELATÓRIO DE CONTAS RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS As contas do Conselho Geral da Ordem dos Advogados estão organizadas de acordo com o POC, adaptado à especificidade da Instituição, e respeitando as orientações

Leia mais

Relatório. Proposta de Orçamento para 2014

Relatório. Proposta de Orçamento para 2014 Relatório Proposta de Orçamento para 2014 Introdução A presente proposta de orçamento para o ano 2014, respeita apenas ao Conselho Distrital de Lisboa, sendo que as propostas de orçamento respeitantes

Leia mais

Balancete Geral Resultados / 2014

Balancete Geral Resultados / 2014 1 de 6 11 Caixa 12.203,83 10.203,15 2.000,68 111 Caixa - Sede 12.203,83 10.203,15 2.000,68 12 Depósitos à ordem 1.376.542,59 1.226.212,03 150.330,56 121 Caixa Geral de Depositos 472693029 1.249.720,44

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2018 DO

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2018 DO PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2018 DO A. Pressupostos relativos às Receitas/Proveitos do Conselho de Deontologia do Porto Receitas Próprias O Conselho de Deontologia não dispõe de outras receitas

Leia mais

Instituição: Instituto do Vinho do Douro e Porto,I.P. Ano: 2008 Mapa: Fluxos de Caixa

Instituição: Instituto do Vinho do Douro e Porto,I.P. Ano: 2008 Mapa: Fluxos de Caixa Recebimentos SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR Execução Orçamental - Fundos Próprios 16 01 01 De dotações orçamentais (OE ou OE...) 0,00 0,00 De receitas próprias Na posse do serviço 10.302.904,47 10.302.904,47

Leia mais

Fluxos de Caixa SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR ,12 RECEITAS ORÇAMENTAIS ,52 DESPESAS ORÇAMENTAIS ,29. Receitas Correntes

Fluxos de Caixa SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR ,12 RECEITAS ORÇAMENTAIS ,52 DESPESAS ORÇAMENTAIS ,29. Receitas Correntes SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR 34.139,12 Execução Orçamental 32.254,99 Operações de tesouraria 1.884,13 Pág.: 1 RECEITAS ORÇAMENTAIS 426.983,52 DESPESAS ORÇAMENTAIS 400.243,29 04 Taxas, multas e outras penalidades

Leia mais

ANÁLISE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL

ANÁLISE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL Considerações prévias O documento que aqui se apresenta tem o objectivo de apresentar uma análise das contas do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, numa óptica de tesouraria, não estando,

Leia mais

7.3. Mapa de Fluxos de Caixa. IMPORTÂNCIAS RECEBIMENTOS Capº Grupo Artigo PARCIAL TOTAL

7.3. Mapa de Fluxos de Caixa. IMPORTÂNCIAS RECEBIMENTOS Capº Grupo Artigo PARCIAL TOTAL Período da Gerência : Ano 2013 Código RECEBIMENTOS Capº Grupo Artigo PARCIAL TOTAL Saldo da gerência anterior: Execução orçamental - Fundos próprios: De dotações orçamentais (OE ou OE-...) 311 - Estado

Leia mais

Recebimentos Saldos de RP transitados 0, Feder - PO Fatores de Competitividade 0,00

Recebimentos Saldos de RP transitados 0, Feder - PO Fatores de Competitividade 0,00 Direção-Geral da Saúde Gerência de 01-01-2015 a 31-12-2015 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior 857.255,31 Execução Orçamental De dotações orçamentais (OE) 111 - RG não afetas a projetos

Leia mais

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria)

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) Anexo III Taxonomia M - SNC (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) 1 11 Caixa 2 12 Depósitos à ordem 3 13 Outros depósitos bancários 4 14 Outros 5 211 Clientes - Clientes c/c 6 212 Clientes

Leia mais

Conta de Exploração Previsional para o ano de 2017 Memoria Justificativa

Conta de Exploração Previsional para o ano de 2017 Memoria Justificativa 2017 Conta de Exploração Previsional para o ano de 2017 Memoria Justificativa O Bem Estar Associação de Solidariedade Social de Gondar Rua dos Tabulados n.º 60 4600-642 Gondar Amarante E- mail: geral.bemestar@gmail.com

Leia mais

I - Total do saldo da gerência na posse do serviço ,13

I - Total do saldo da gerência na posse do serviço ,13 Saldo da gerência anterior (*): Dotações orçamentais 4.983.387,27 Estado Receitas Gerais 4.446.911,41 Funcionamento 313 P13 - Estado-Saldos de RG não afectas a projectos cofin-medida 16 77.461,25 313 P13

Leia mais

INFORMAÇÃO GERAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

INFORMAÇÃO GERAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2011 INFORMAÇÃO GERAL O Conselho Geral da Ordem dos Advogados é um órgão da Ordem dos Advogados, conforme o disposto no nº 2 do artº 9º do Estatuto da Ordem dos Advogados.

Leia mais

Relatório. Proposta de Orçamento para 2017

Relatório. Proposta de Orçamento para 2017 Relatório Proposta de Orçamento para 2017 Introdução A presente proposta de orçamento para o ano 2017, respeita apenas ao Conselho Regional de Lisboa, sendo que as propostas de orçamento respeitantes aos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho geral

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho geral ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho geral Proposta de Orçamento para o ano de 2016 Nota introdutória Nos termos do disposto na alínea q) do nº 1 do artigo 46º do Estatuto da Ordem dos Advogados, aprovado pela

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2015 INFORMAÇÃO GERAL

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2015 INFORMAÇÃO GERAL RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2015 INFORMAÇÃO GERAL A Ordem dos Advogados é uma pessoa coletiva pública, de natureza associativa, representativa dos licenciados em direito que, em conformidade com os

Leia mais

FREGUESIA DE SINES FLUXOS DE CAIXA. Despesas Orçamentais. Data inicial : Data final : 31/12/2015. (unidade EUR) Ano: 2015 PAGAMENTOS

FREGUESIA DE SINES FLUXOS DE CAIXA. Despesas Orçamentais. Data inicial : Data final : 31/12/2015. (unidade EUR) Ano: 2015 PAGAMENTOS Despesas Orçamentais 503.189,41 Correntes 459.808,63 010000.0101110000 Representação 5.865,96 010000.0101130000 Subsidio de refeição 010000.0102130200 Outros 010000.0103090200 Seguros de saúde 010000.0201150000

Leia mais

DESCRIÇÃO RECEITAS DESPESAS SALDO

DESCRIÇÃO RECEITAS DESPESAS SALDO ANO DE 2015 1. RECEITAS E DESPESAS DESCRIÇÃO RECEITAS DESPESAS SALDO Quota 2015 - sócio individual 1.720,00-1.720,00 Quota 2015 - sócio institucional 450,00-450,00 Conferência Anual (2015) 3.345,00 1.556,54

Leia mais

Freguesia de Norte Pequeno

Freguesia de Norte Pequeno Mapa do Orçamento de Receita (Inicial) Ano de 2016 Orçamento de Receita - Previsões Iniciais Data: 29-10-2016 Ano: 2016 (unidade: euros) 01.... 01.02... Código Designação Montante Receitas Correntes Impostos

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 4 236.628,46 246.515,69

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2296 Diário da República, 1.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n.º 47/2015 Primeiro orçamento suplementar da Assembleia da República para 2015

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública

Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública Rua Nova da Trindade, 2-2º 1249-250 LISBOA Tel.: + 351 213 224 870 - Fax: + 351 213 224 885 direccao@afl.pt www.afl.pt AVISO CONVOCATÓRIO

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto )

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) 2 0 14 ORÇAMENTO PREVISIONAL EXERCICIO DE 2014 Senhores Acionistas Excelentíssima Câmara Municipal de Olhão Nos termos

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2016/01/01 A 2016/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2016/01/01 A 2016/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO Despesas de fundos próprios: Saldo da gerência anterior: Dotações orçamentais (OE): Execução orçamental - Fundos próprios: Correntes: De dotações orçamentais (OE) 45,19 45,19 De receitas próprias: 01 02

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Código Saldo da gerência anterior Débitos Parcial Importâncias Total De Dotações orçamentais do Programa 001 -Medida 001 -Fonte Financiamento 311 do Programa 001 -Medida 001 -Fonte Financiamento 311 do

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

AISA - Associação Apoio Social Nossa Senhora Assunção

AISA - Associação Apoio Social Nossa Senhora Assunção AISA - Associação Apoio Social Nossa Senhora Assunção ORÇAMENTO ORDINÁRIO 2017 GASTOS E PERDAS Valores Valores Orçamento Código Descrição até até Ordinário Observ. 62 FORN. SERV. EXTERNOS 61211 Generos

Leia mais

Última alteração Página 1 de 8

Última alteração Página 1 de 8 01 Despesas com o pessoal * 01 01 Remunerações certas e permanentes * 01 01 01 01 01 02 Órgãos sociais * 01 01 03 Pessoal dos quadros - Regime de função pública * 01 01 04 Pessoal dos quadros - Regime

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Código Saldo da gerência anterior Débitos Parcial Importâncias Total De Dotações orçamentais do Programa 001 -Medida 001 -Fonte Financiamento 510 do Programa 001 -Medida 001 -Fonte Financiamento 510 do

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

Análise Económica e Financeira

Análise Económica e Financeira A n á l i s e e c o n ó m i Análise Económica e Financeira c a e f i n a n c e i r a Relatório e Contas 2012 Página 90 Síntese de resultados Página 91 Evolução da conta de exploração As demonstrações financeiras

Leia mais

Freguesia de Aradas. Mapa do Orçamento (Inicial) Ano de 2014

Freguesia de Aradas. Mapa do Orçamento (Inicial) Ano de 2014 Mapa do (Inicial) Ano de 2014 Copyright Globalsoft 1992-2014 Pag.: 1 04 04.01 04.01.23 Correntes Taxas, multas e outras penalidades Taxas Taxas especificas das autarquias locais Canídeos Cemitério TMCA

Leia mais

DESIGNAÇÃO DESPESAS CORRENTES. Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos autárquicos *

DESIGNAÇÃO DESPESAS CORRENTES. Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos autárquicos * DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal * 01 01 Remunerações certas e permanentes * 01 01 01 01 01 02 Órgãos sociais * Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos autárquicos * 01 01 03 Pessoal

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.231.528,49 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 13.229,65 Operações de Tesouraria 1.218.298,84 12.868.203,30 Receitas Correntes 8.648.917,76 04 Taxas,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Código Saldo da gerência anterior Débitos Parcial Importâncias Total De Dotações orçamentais Dotações Orçamentais Receitas do Estado Operações de tesouraria Receitas do Estado Operações de tesouraria Sendo

Leia mais

ORÇAMENTO DESPESA ANO DIVISA CÓD. ORÇ. PRIVATIVO CLASS. ORGÂNICA CLASSIFICAÇÃO FUNC. PROG./MED. F. F. ECONÓMICA AL / SAL DOTAÇÃO ORÇAMENTAL RUBRICAS

ORÇAMENTO DESPESA ANO DIVISA CÓD. ORÇ. PRIVATIVO CLASS. ORGÂNICA CLASSIFICAÇÃO FUNC. PROG./MED. F. F. ECONÓMICA AL / SAL DOTAÇÃO ORÇAMENTAL RUBRICAS 2054 002037 311 01 Despesas com o pessoal 7.507.733,00 2054 002037 311 0101 Remunerações certas e permanentes 5.928.712,00 2054 002037 311 010102 0000 Orgãos sociais 9.900,00 2054 002037 311 010103 0000

Leia mais

Anexo ao balanço consolidado e à demonstração dos resultados consolidados

Anexo ao balanço consolidado e à demonstração dos resultados consolidados Anexo ao balanço consolidado e à demonstração dos resultados consolidados As Demonstrações Financeiras e Anexos do Grupo Instituto Politécnico de Castelo Branco foram elaboradas de acordo com a legislação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DOS PROFESSORES

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DOS PROFESSORES ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DOS PROFESSORES PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANUAL DE DELEGAÇÕES E UNIDADES (contacto: j.a.machadooliveira@outlook.com) P L A N O D E A T I V I D A D E S E O R Ç A

Leia mais

Pressupostos Como pressupostos gerais para a elaboração do orçamento para 2015 e nomeadamente no que se refere aos custos foi considerado por um lado

Pressupostos Como pressupostos gerais para a elaboração do orçamento para 2015 e nomeadamente no que se refere aos custos foi considerado por um lado ORÇAMENTO PARA O ANO 2015 Contexto Atual São conhecidas as dificuldades que a economia atualmente atravessa, as empresas e as famílias têm, forçosamente, de definir constantemente as suas prioridades em

Leia mais

ORÇAMENTO DA DESPESA

ORÇAMENTO DA DESPESA 01 00 00 ADMINISTRAÇÃO AUTARQUICA 01 Despesas com o pessoal 512.162,38 01 01 Remunerações certas e permanentes 389.053,38 01 01 01 Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos autárquicos 23.000,00

Leia mais

CONTA DE GERÊNCIA ENCARGOS GERAIS DA NAÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Modelo nº 2-A. Ano Económico: Unidade: Euros

CONTA DE GERÊNCIA ENCARGOS GERAIS DA NAÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Modelo nº 2-A. Ano Económico: Unidade: Euros Saldo da gerência anterior: Despesas orçamentais: De dotações orçamentais - OE: Despesas correntes: Na posse do serviço 02 01 00 - -- De dotações orçamentais - PIDDAC: 01.01.01 Titulares de órgãos de soberania:

Leia mais

FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DA LUZ

FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DA LUZ FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DA LUZ MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE 24 Datas das Deliberações Junta de Freguesia / / Assembleia de Freguesia / / Órgão Executivo

Leia mais

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Centro Social e Paroquial de Perosinho Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Período findo em 31 de Dezembro de 2015 Rendimentos e

Leia mais

7.3 - Mapa de Fluxos de Caixa Data de lançamento até Código Recebimentos

7.3 - Mapa de Fluxos de Caixa Data de lançamento até Código Recebimentos Instituição: ARSLVT, IP Página: 1 Código Recebimentos SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL - FUNDOS PRÓPRIOS: DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE OU OE-...) 0,00 0,00 DE INVESTIMENTO DO PLANO 112.420,03

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros) Contas individuais 2016 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2016 E 31.12.2016... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2016 E 31.12.2015... 5 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

1. A sociedade X apresenta o seguinte Balanço a X (POC):

1. A sociedade X apresenta o seguinte Balanço a X (POC): GRUPO I No contexto de preparação do Balanço de Abertura de acordo com as NCRF (SNC) e considerando as contas apresentadas de acordo com o POC, e um utente das DFs que tem como principais informações financeiras

Leia mais

7.3D - MAPA DOS FLUXOS DE CAIXA - Despesa

7.3D - MAPA DOS FLUXOS DE CAIXA - Despesa 25 Agr S-Agr Rub DESPESAS COM PESSOAL: Remunerações certas e permanentes: Orgãos sociais... RCTFP - Por tempo indeterminado... Pessoal em regime cont individual trabalho. Pessoal além dos quadros... Pessoal

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 342.505,09 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 291.458,83 Operações de Tesouraria 51.046,26 13.407.175,15 Receitas Correntes 7.217.689,82 01 Impostos

Leia mais

1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141

1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

FREGUESIA DE PRAINHA MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE DO PICO FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE Datas das Deliberações / / / /

FREGUESIA DE PRAINHA MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE DO PICO FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE Datas das Deliberações / / / / FREGUESIA DE PRAINHA MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE DO PICO FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO ANO FINANCEIRO DE 2015 Datas das Deliberações Junta de Freguesia / / Assembleia de Freguesia / / Órgão Executivo Órgão Deliberativo

Leia mais