Câmara Municipal de Almeida CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL SETEMBRO DE Projecto Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Câmara Municipal de Almeida CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL SETEMBRO DE 2005. Projecto Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu"

Transcrição

1 Câmara Municipal de Almeida CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL SETEMBRO DE 2005 Projecto Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

2 DIAGNÓSTICO SOCIAL Conselho Local de Acção Social de Almeida Setembro de 2005

3 ÍNDICE Conclusões Gerais 4 PARTE I Síntese do Pré-Diagnóstico 8 PARTE II Problemáticas 18 CAPÍTULO 1 Envelhecimento e Desertificação Populacional 19 Swot Envelhecimento e Desertificação Populacional 24 CAPÍTULO 2 Dificuldade de Acesso a Serviços de Saúde 25 Swot Dificuldade de Acesso a Serviços de Saúde 29 CAPÍTULO 3 Fraco Dinamismo Económico 30 Swot Fraco Dinamismo Económico 44 CAPÍTULO 4 Dificuldade de Mobilidade no Interior do Concelho 45 Swot Dificuldade de Mobilidade no Interior do Concelho 55 CAPÍTULO 5 Equipamentos e Serviços de Apoio à Infância e Juventude Insuficientes 56 Swot - Equipamentos e Serviços de Apoio à Infância e Juventude Insuficientes 65 CAPÍTULO 6 Fraco Dinamismo Sócio-cultural Vertente Social Vertente Cultural O Associativismo no Concelho de Almeida 76 Swot Social 87 Swot Cultural 88 METODOLOGIA 89 BIBLIOGRAFIA 91 ANEXOS

4 Índice de Quadros Quadro nº1 Demografia 8 Quadro nº2 Evolução da População Residente no Concelho de Almeida por Freguesia 9 Quadro nº3 Acção Social 10 Quadro nº3.1 Instituições Particulares de Solidariedade Social e Respectivas Valências 11 Quadro nº3.2 Equipamentos Sociais de Iniciativa Pública 11 Quadro nº4 Educação 12 Quadro nº5 Emprego 14 Quadro nº6 Actividades Económicas 14 Quadro nº7 Saúde 15 Quadro nº8 Habitação 16 Quadro nº9 Turismo, Cultura e Associativismo 17 Quadro nº10 Índice de Demografia 22 Quadro nº11 Índice de Saúde e Assistência Social 28 Quadro nº12 Índice de Emprego e de Actividade Económica 32 Quadro nº13 Actividades Económicas por Freguesia 34 Quadro nº14 Natureza Jurídica do Produtor Agrícola no Concelho 36 Quadro nº15 Nível de Instrução do Produtor Singular 36 Quadro nº16 Formação Profissional Agrícola 37 Quadro nº17 Parque Industrial de Vilar Formoso 39 Quadro nº18 Feiras e Mercados do Concelho de Almeida 42 Quadro nº19 Síntese dos Transportes Públicos disponíveis no Concelho de Almeida 53 Quadro nº20 Indicadores da Educação 59 Quadro nº21 Equipamentos/Serviços nos Estabelecimentos do Ensino Básico 60 Quadro nº22 Equipamentos/Serviços nos Estabelecimentos do Ensino Secundário 61 Quadro nº23 Outros Equipamentos de Apoio à Infância / Juventude no Concelho 62 Quadro nº24 Piscinas Municipais de Almeida 63 Quadro nº25 Piscinas de Vilar Formoso 63 Quadro nº26 Festas e Romarias no Concelho de Almeida 71 Quadro nº27 Artesanato no Concelho de Almeida 73 Quadro nº28 Gastronomia nas Freguesias do Concelho 74 Quadro nº29 Dificuldades / Necessidades das Associações do Concelho 84

5 Índice de Gráficos Gráfico nº1 Tempo de Actividade Agrícola 38 Gráfico nº2 Frequência de Deslocação da População (%) 46 Gráfico nº3 Motivos da Deslocação (%) 47 Gráfico nº4 Meio de Transporte Utilizado (%) 47 Gráfico nº5 Avaliação da Oferta de Transportes Públicos (%) 48 Gráfico nº6 Principais Razões da Insatisfação (%) 48 Gráfico nº7 Área de Actuação das Associações 76 Gráfico nº8 Tipo de Associação 77 Gráfico nº9 Actividades / Valências das Associações 78 Gráfico nº10 Periodicidade de Funcionamento 79 Gráfico nº11 A Associação Possui Plano de Actividades Anual? 79 Gráfico nº12 Origem dos Fundos de que a Associação Dispõe 80 Gráfico nº13 Recursos Humanos ao Serviço nas Associações 80 Gráfico nº14 Propriedade das Instalações da Associação 81 Gráfico nº15 Instalações / Recursos Físicos ao dispor da Associação 82 Gráfico nº16 A Associação possui Veículo de Transporte Próprio? 83 Gráfico nº17 A Associação é Parceira ou Promotora de algum Programa Nacional ou Comunitário 83 Índice de Mapas Mapa nº1 Área de Abrangência da Sede do Centro de Saúde de Almeida e das Respectivas Extensões 27 Mapa nº2 Freguesias Abrangidas por Transportes Públicos 49 Mapa nº3 Freguesias que dispõem de Táxi 50 Mapa nº4 Freguesias servidas por Autocarro 51 Índice de Anexos Síntese dos Programas e Projectos em Curso no Concelho - Resultados das Sessões de Trabalho Participadas - Grupos das Sessões de Trabalho Participadas - Guião dos Programas - Inquérito às Associações -

6 CONCLUSÕES GERAIS O Programa Rede Social, através do Conselho Local de Acção Social, perspectiva a intervenção social num trabalho planeado, realizado em parceria, visando racionalizar e trazer maior eficácia à acção das entidades públicas e privadas que actuam no Concelho de Almeida. Após a conclusão do Pré-diagnóstico Social e respectiva aprovação na Sessão Plenária do Conselho Local de Acção Social realizada em 26/01/2005, seguiu-se a etapa de elaboração do Diagnóstico Social, onde se verificou a preocupação de promover a participação das entidades do concelho. O Diagnóstico Social tem como objectivo apresentar uma visão interpretativa da situação social, sistematizando as informações quantitativas e documentais recolhidas no Pré-Diagnóstico, de modo a que possamos obter uma visão multidisciplinar e intersectorial do concelho. Por outro lado, o Diagnóstico deverá apresentar uma utilidade prática, ou seja, é importante que os parceiros se revejam nas problemáticas identificadas, de modo a que também se motivem para a participação nas soluções. Neste sentido, na elaboração do Diagnóstico Social de Almeida procurou-se promover a participação da população, quer dos parceiros do CLAS quer de outras entidades que desenvolvem actividades relevantes no domínio social, pelo que foram constituídos no concelho seis grupos de trabalho organizados territorialmente. Estas sessões tiveram como objectivo auscultar os representantes das entidades relativamente à identificação dos problemas das freguesias, em particular, e do concelho em geral. Do balanço global das sessões de trabalho resultaram seis problemáticas, construídas a partir dos problemas apontados por cada grupo e da priorização que foi realizada. A Parte I do presente documento tem início com uma síntese estatística do Pré-Diagnóstico Social, de modo a que de forma rápida se possa aceder aos principais indicadores estatísticos por tema, contextualizando o concelho relativamente à Beira Interior Norte e à Região Centro. Na Parte II, o documento foi estruturado em seis capítulos de acordo com as principais problemáticas apontadas para o concelho: 1. Envelhecimento e Desertificação Populacional

7 2. Dificuldade de Acesso a Serviços de Saúde 3. Fraco Dinamismo Económico 4. Dificuldade de Mobilidade no Interior do Concelho 5. Equipamentos e Serviços de Apoio à Infância e Juventude Insuficientes 6. Fraco Dinamismo Sócio-cultural Os problemas relacionados com o envelhecimento e a desertificação populacional foram os mais referidos nas sessões trabalho participadas. Este tema surge-nos no Diagnóstico Social do Concelho de Almeida como a problemática central com reflexos noutras problemáticas descritas no presente documento. O aumento do número de pessoas idosas no concelho tem se verificado em detrimento do número de população jovem e da população em idade activa. A diminuição da taxa de natalidade e o êxodo da população jovem traduz-se numa assistência deficiente dos membros da família mais jovens aos mais idosos. Daí que o concelho possua elevadas taxas de cobertura de equipamentos de apoio a idosos, quando comparadas com a Beira Interior Norte e Região Centro. Por outro lado, sendo o concelho constituído por 29 freguesias e com quase metade da população concentrada em apenas 2 (Almeida e Vilar Formoso), verifica-se um isolamento das restantes 27 freguesias do concelho de Almeida. Deste isolamento resultam como principais vítimas os idosos e as poucas crianças que aí residem. Neste contexto, surge a problemática da dificuldade de acesso aos serviços de saúde, uma vez que resulta essencialmente das características demográficas do concelho, designadamente do envelhecimento populacional, da dispersão geográfica e consequentemente a escassa oferta de transportes públicos. Ainda em resultado do envelhecimento demográfico, verificamos também que no concelho a percentagem de pessoas com rendimentos de pensão /reforma é igual à de pessoas com rendimentos do trabalho. Considerando os valores das pensões e reformas da maioria da população (velhice, invalidez), constatamos a fragilidade económica do concelho. Por outro lado, a população jovem começa por ir estudar para grandes centros e dificilmente regressa ao concelho, o que se reflecte negativamente no nível de qualificação da população. Assim, constata-se que uma parcela considerável da população possui habilitações ao nível do primeiro ciclo. Esta situação reflecte-se na dificuldade de acesso ao emprego e da criação do próprio emprego. A

8 dificuldade de acesso ao emprego no concelho de Almeida tem um reflexo especial junto da população feminina. Por outro lado, o desemprego esconde frequentemente situações de actividade na agricultura ou outras actividades exercidas informalmente, proporcionando de uma maneira geral rendimentos escassos, mas suficientes para impedir situações de grande privação. Outra das problemáticas do concelho é a dificuldade de mobilidade, ou seja, a desertificação e a dispersão demográfica, que se constata por uma densidade populacional muito reduzida, impedem que os circuitos das empresas de transportes públicos sejam rentáveis. Assim, constata-se que as freguesias com menor número de população residente não têm qualquer tipo de transporte público e menos de metade das freguesias dispõem de Autocarro, mas apenas duas vezes por semana. Desta forma, o meio de transporte mais utilizado no concelho é o Táxi, uma vez que permite ao utilizador uma maior comodidade e flexibilidade de horários. No entanto, este é um serviço dispendioso, tornando-se apenas acessível se utilizado simultaneamente por várias pessoas. As dificuldades de locomoção têm reflexos a vários níveis, designadamente no acesso aos serviços (ex: saúde), ao emprego, ao lazer, etc.. A dispersão geográfica e a dificuldade em termos de transporte, também se reflectem negativamente na população mais jovem. As crianças e jovens do concelho sofrem algumas consequências por serem um grupo minoritário e as escolas do 1º CEB com baixos índices de frequência são um exemplo disso, uma vez que se considera prejudicial no processo de socialização das crianças o facto de haver escolas com 3 ou 4 alunos. Embora no concelho de Almeida muitas destas escolas já tenham sido encerradas, algumas ainda estão nestes limiares de frequência. Por outro lado, os equipamentos / serviços de apoio à infância / juventude existentes no concelho concentram-se quase exclusivamente em apenas duas freguesias. É no entanto de referir, o esforço que a Câmara tem realizado em articulação com as Escolas no sentido de proporcionar a todos os alunos das escolas do 1º CEB das aldeias actividades de complemento curricular (aulas de Inglês, Novas Tecnologias, Educação Física e Educação Musical) que têm lugar uma vez por semana nos dois Agrupamentos de Escolas existentes em Almeida e Vilar Formoso, experiência bastante enriquecedora quer do ponto de vista pedagógico quer de socialização. Por outro lado, novos equipamentos têm surgido (ex: Piscinas Municipais) e outros estão já em construção (ex. Biblioteca Municipal, Casa da Juventude), esperando-se que a curto prazo potenciem respostas e dinâmicas sócio-culturais e recreativas a estes públicos. No entanto, e em forma de síntese, não podemos deixar de constatar que à

9 medida que assistimos ao encerramento das escolas do 1º CEB, proliferam os Centros de Dia por várias freguesias do concelho. Por último, a problemática do fraco dinamismo sócio-cultural começa por ter expressão na fraca cultura de parceria, na insuficiente articulação entre entidades e pouca partilha de recursos. Esta situação é agravada precisamente pela escassez de recursos, daí que as respostas sociais e culturais não possam ser tão eficientes. Contudo, é de salientar a grande diversidade de associações com valências sociais e culturais, presentes em quase todas as freguesias do concelho. Muitas destas associações têm demonstrado preocupação em proporcionar respostas essencialmente sociais, que nos últimos anos se traduziu num aumento do número de equipamentos de apoio a idosos. Por outro lado, é de salientar que a riqueza do património histórico, arquitectónico e natural, assim como, o número considerável de turistas que visitam o concelho, poderão potenciar um maior dinamismo associativo no que diz respeito à sua vertente cultural, lúdica e recreativa. Em forma de síntese, e do balanço das problemáticas apresentadas neste Diagnóstico Social, podemos afirmar que as ameaças do concelho de Almeida estão directamente ligadas à desertificação e ao envelhecimento populacional. Contudo, o presente documento é resultado de uma primeira abordagem aos problemas que mais preocupam a população e os representantes de diferentes instituições do concelho. Este não é um Diagnóstico estático, é um documento que se pretende dinâmico e em permanente actualização.

10 PARTE I SÍNTESE DO PRÉ-DIAGNÓSTICO 1.1 Quadros Síntese Principais Indicadores por Tema Quadro nº1 Demografia ANO DEMOGRAFIA CONCELHO DE ALMEIDA BEIRA INTERIOR NORTE REGIÃO CENTRO 2001 População Total (nº) Pop Anos (nº - %) % ,5% % 2001 Pop Anos (nº - %) ,2% ,2% , Pop. 65 Anos (nº - %) ,8% ,4% ,5% 2001 Idosos em Famílias de 1 Pessoa (%) 21,4 22,2 19, Var. Pop. Residente (%) -16,1-2,7 3, Densidade Populacional (Hab./km2) 16,1 28,4 75, Índice de Envelhecimento (%) 270,9 188,6 129, Índice de Dependência Total (%) 68,9 63,5 52, Índice de Dependência de Jovens (%) 18,6 21,9 22, Índice de Dependência de Idosos (%) 50,3 41,5 29, Taxa de Natalidade ( ) 5 8 9, Taxa de Mortalidade ( ) 18 14,5 11, Taxa de Excedente de Vidas ( ) -13-6,5-2, Famílias com 1 Pessoa (%) 23, , Famílias com 2 pessoas, ambas ou pelo menos 1 com 65 ou + anos (%) Famílias com 1 pessoa do sexo masculino com 65 ou + anos (%) Famílias com 1 pessoa do sexo feminino com 65 ou + anos (%) Famílias Monoparentais face às Famílias Recenseadas (%) Famílias de Avô ou Avó com netos face às Famílias Recenseadas (%) 23,2 20,6 16,3 4,2 3,6 2,4 11,9 11,1 8,1 5, ,30 0,33 0, Estrangeiros na População Residente (%) 1,1 0,9 1, Famílias com 5 ou + pessoas (%) 5,8 6,4 8,3 Fonte: INE Censos 2001 e Anuário Estatístico 2003

11 Quadro nº2 Evolução da População Residente no Concelho de Almeida por Freguesia Freguesia Var.% Var.% Var.% Ade , ,6-40,2 Aldeia Nova , ,1-41,8 Almeida , ,9 0,2 Amoreira , ,1-23,6 Azinhal , ,9-41 Cabreira ,4-45,8 Castelo Bom , ,2-10,8 Castelo Mendo , ,2-43 Freineda , ,3-26,5 Freixo , ,1 2,8 Junça , ,6 Leomil , ,7-47,5 Malhada Sorda , ,4-26,9 Malpartida , ,3 Mesquitela ,5-50 Mido ,9-43,8 Miuzela , ,1-27,2 Monteperobolso , ,5-47,7 Nave de Haver , ,1-34,2 Naves , ,3-42,3 Parada , ,6-34,4 Peva , ,1-33,6 Porto de Ovelha S. Pedro do Rio Seco , , ,9-32,4 Senouras , ,4-36,7 Vale de Coelha , ,1-29,4 Vale da Mula , ,1-28 Valverde , ,5-35,8 Vilar Formoso ,4 0,7 Total do Concelho , ,1-20 Fonte: INE Recenseamentos Gerais da População

12 Quadro nº3 Acção Social ANO ACÇÃO SOCIAL CONCELHO DE ALMEIDA BEIRA INTERIO R NORTE REGIÃO CENTRO 2003 Pensionistas por Invalidez (%) 8,8 10,2 11, Pensionistas por Velhice (%) 67,5 66,7 64, Pensionistas por Sobrevivência (%) 23, , Pensionistas face à População Total (%) 34,1 33,9 28, Valores Médios das Pensões pagas pela Segurança Social (milhares de euros) Beneficiários de Prestações de Desemprego (nº) Homens Beneficiários de Prestações de Desemprego (%) 42,6 40,5 39, Mulheres Beneficiárias de Prestações de Desemprego (%) 57,4 59,5 60, Homens Beneficiários do RSI (%) 45,2 49,1 47, Mulheres Beneficiárias do RSI (%) 54,8 50,9 52, Percentagem dos Beneficiários do RSI face à população residente 2,1 2,7 2, Beneficiários com menos de 24 anos (%) 49,7 52,1 45, Beneficiários do RSI no concelho de Almeida, em 2004 (nº) Beneficiários com menos de 18 anos, em 2004 (%) 44, Taxa de Cobertura das Creches (0-2 anos) (%) 38,25 42, Taxa de Cobertura dos Jardins (3-5 anos) (%) 72,14 47, Taxa de Cobertura de ATL s (6-14 anos) (%) 24,45 22, Taxa de Cobertura de Centros de Dia (%) 10,56 7, Taxa de Cobertura de Lares de Idosos (%) 9,68 6, Taxa de Cobertura do Apoio Domiciliário 7,21 6,03 - Fonte: INE Anuário Estatístico 2003 e CDSS-Guarda, 2004/2005

13 Quadro nº3.1 - Instituições Particulares de Solidariedade Social e Respectivas Valências Instituição Valências Telefone Santa Casa da Misericórdia de Almeida Lar de Idosos; Apoio Domiciliário; Creche; Jardim-de-infância; ATL Associação Desportiva, Cultural e Social de Ade Centro de Dia Associação Desportiva, Cultural e Social de Aldeia de S. Sebastião Centro de Dia, Apoio Domiciliário Associação Social, Cultural, Desportiva e Recreativa da Amoreira ATL; Apoio Domiciliário Centro Social, Recreativo e Cultural de Castelo Bom Centro de Dia Comissão de Melhoramentos da Freineda Centro de Dia; Apoio Domiciliário Associação Desportiva, Cultural e Social de Leomil Centro de Dia Centro de Bem-estar Social da Malhada Sorda Centro de Dia; Lar de Idosos; Jardim-de-infância Associação para o Desenvolvimento da Acção Social de Malpartida Centro de Dia; Apoio Domiciliário Associação Cultural, Recreativa e Social de Mesquitela Centro de Dia; Apoio Domiciliário Associação Desportiva, Cultural e Social de Mido Centro de Dia Centro Social, Cultural e Desportivo Miuzelense Centro de Dia; Apoio Domiciliário; ATL Associação Social, Cultural e Recreativa de Monteperobolso Centro de Dia Centro Social, Paroquial Stº António de Nave de Haver Centro de Dia; Lar de Idosos Associação dos Amigos de Peva Centro de Dia; Lar de Idosos; Apoio Domiciliário; Apoio Domiciliário Integrado Centro Social do Rio Seco Centro de Dia; Apoio Domiciliário Associação Recreativa, Cultural e Social Valedamulense Centro de Dia; Apoio Domiciliário CAIS - Centro de Acolhimento e Integração Social de Vilar Centro de Dia; Lar de Idosos; Formoso Apoio Domiciliário Centro de Assistência Social e Infantil de Vilar Formoso Creche; Jardim-de-infância Centro Lúdico, Cultural e Social de Vilar Formoso ATL Fonte: Câmara Municipal de Almeida, 2005 Quadro nº3.2 Equipamentos Sociais de Iniciativa Pública Valências Localidade Telefone Jardim-de-infância Miuzela Nave de Haver Jardim-de-infância Itinerante S. Pedro do Rio Seco + Junça - Vale da Mula + Malpartida - ATL Almeida Fonte: Câmara Municipal de Almeida, 2005

14 Quadro nº4 Educação ANO EDUCAÇÃO CONCELHO DE ALMEIDA BEIRA INTERIOR NORTE REGIÃO CENTRO 2001 Taxa de Analfabetismo (%) 14,7 14,9 10, Pop. Sem Nenhum Nível de Ensino (%) 16,2 16,3 13, Pop. a frequentar o Ensino Pré-escolar(%) 0,9 1,6 1, Pop. Residente com instrução ao Nível do 1º Ciclo (%) 44,8 41,6 38, Pop. Residente com instrução ao Nível do 2º Ciclo (%) 10 10,3 12, Pop. Residente com instrução ao Nível do 3º Ciclo (%) 9,5 9,2 10, Pop. Residente com instrução ao Nível do Secundário (%) 10,8 11,7 13, Pop. Residente com instrução ao Nível do Ensino Médio (%) 0,7 0,6 0, Pop. Residente com instrução ao Nível do Bacharelato (%) 2,3 2,8 2, Pop. Residente com instrução ao Nível da Licenciatura (%) 4,5 5,6 6, Pop. Residente com instrução ao Nível do Mestrado (%) 0,1 0,3 0, Pop. Residente com instrução ao Nível do Doutoramento (%) 0,03 0,1 0,2 Fonte. Censos, 2001 Resultados Definitivos ANO EDUCAÇÃO (CONT.) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMEIDA VILAR FORMOSO 2004 Estabelecimentos do Pré-escolar Públicos (nº) Estabelecimentos do Pré-escolar Públicos Itinerantes (nº) Escolas do 1º CEB (nº) Estabelecimentos Públicos 2,3 CEB+S (nº) Alunos a Frequentar Jardins-de-Infância (Públicos) (nº) Alunos a Frequentar o 1º CEB (nº) Alunos a Frequentar o 2º CEB (nº) Alunos a Frequentar o 3º CEB (nº) Alunos a Frequentar o Secundário (nº) Encerramento de Escolas Primárias (nº) Professores Pré-escolar (nº) Professores 1º CEB (nº) Professores 2º, 3º CEB e Secundário (nº) Auxiliares de Acção Educativa Pré-escolar (nº) Auxiliares de Acção Educativa 1º Ciclo (nº) Auxiliares de Acção Educativa 2º, 3º e Secundário (nº) Fonte: CAE - Guarda e Agrupamentos de Escolas, 2004

15 ANO EDUCAÇÃO (CONT.) CONCELHO DE ALMEIDA BEIRA INTERIOR NORTE MÉDIA REGIÃO CENTRO MÉDIA NACIONAL 2001 Saída Antecipada do Sistema Escolar 18,8% 21,3% 22,4% 27,1% 2001 Abandono Escolar Precoce 1,3% 2,6% 2,2% 3,02% 2001 Saída Precoce 35,8% 40,1% 43,1% /2000 Retenção no Ensino Básico 13,1% 11,7% 11,8% /2000 Aproveitamento no Ensino Secundário 64,2% 62,4% 62,9% - Fonte: Ministério da Educação, 2001

16 Quadro nº5 Emprego ANO EMPREGO Concelho de Almeida Beira Interior Norte Região Centro 2001 Taxa de Actividade Total (%) 35,9 40,5 45, Taxa de Actividade Masculina (%) 42,8 47,5 52, Taxa de Actividade Feminina (%) 29,4 34,0 38, População com Rendimentos do Trabalho (%) 34,3 37,9 42, População com Rendimentos de Pensão / Reforma (%) 34,3 29,5 23,1 Taxa de Desemprego Total em 1991 (%) 3,5 4,0 5, Taxa de Desemprego Total em 2001 (%) 7,8 5,4 5, Taxa de Desemprego Feminina (%) 11,8 7,5 8, Taxa de Desemprego Masculina (%) 4,8 3,7 3,9 CENTRO DE EMPREGO DE PINHEL (*) CONCELHO DE ALMEIDA 2004 Desempregados Inscritos no Centro de Emprego de Pinhel (nº) Pedidos de Emprego no Centro de Emprego de Pinhel (nº) Ofertas de Emprego no Centro de Emprego de Pinhel (nº) Mulheres à Procura de Emprego (%) Homens à Procura de Emprego (%) 45 Fonte. Censos, 2001 Resultados Definitivos e Centro de Emprego de Pinhel, Dezembro 2004 (*) Os indicadores do Centro de Emprego de Pinhel reportam-se a 31/12/2004 Quadro nº6 Actividades Económicas ANO ACTIVIDADES ECONÓMICAS Concelho de Almeida Beira Interior Norte Região Centro 2002 Empresas sedeadas segundo CAE Rev. 2 (nº) Indústria Transformadora sedeada segundo CAE Rev. 2 (nº) Percentagem de Industrias no total de empresas (%) 5,9 8,2 10,1 Sociedades sedeadas segundo CAE Rev. 2 (nº) Sociedades do Sector Primário (%) 9,1 6 4,2 Sociedades do Sector Secundário (%) 16,4 23,8 30,4 Sociedades do Sector Terciário (%) 74,5 70,3 65, Percentagem de sociedades no total de empresas (%) 18,9 18,9 23, Sociedades da Indústria Transformadora sedeadas segundo CAE Rev. 2 (nº) Percentagem de sociedades industriais do total de industrias (%) 30, , Percentagem de sociedades industriais do total de sociedades (%) 9,7 13,8 16, Pessoal ao Serviço nas Sociedades sedeadas segundo CAE Rev. 2 (nº) Pessoal ao Serviço nas Sociedades da Indústria Transformadora (nº) Percentagem do Pessoal ao Serviço nas sociedades da indústria (%) 41, , Volume de Vendas das Sociedades sedeadas segundo a CAE Rev. 2 (milhares ) Sociedades Constituídas segundo a CAE Rev. 2 (nº) Fonte: INE Anuário Estatístico da Região Centro, 2003

17 Quadro nº7 Saúde ANO SAÚDE CONCELHO DE ALMEIDA BEIRA INTERIOR NORTE REGIÃO CENTRO 2004 Inscritos em Médico de Família (nº) Inscritos em Médico de Família do Sexo Feminino (%) Inscritos em Médico de Família com mais de 65 anos (%) 31, Inscritos em Médico de Família com mais de 75 anos (%) 16, Inscritos em Médico de Família na Sede de Almeida (nº) Inscritos em Médico de Família na Extensão de Vilar Formoso (nº) Inscritos em Médico de Família na Extensão de Monteperobolso (nº) Inscritos em Médico de Família na Extensão de Miuzela (nº) População Residente com Deficiência (%) 10,3 7,1 6, População deficiente sem grau de incapacidade atribuído (%) 44,9 51,6 54, Médicos / Hab. (nº) 1,4 1,8 2, Enfermeiros / Hab. (nº) 1,6 3,9 3, Farmácias por Hab. (nº) 2,5 2,9 2,8 Fonte: Centro de Saúde de Almeida, 2004; INE Censos 2001 e Anuário Estatístico, 2003

18 Quadro nº8 Habitação ANO HABITAÇÃO Concelho de Almeida Beira Interior Norte Região Centro 2001 Alojamentos Familiares Não Clássicos (nº) Alojamentos Familiares Vagos (%) 6 11,1 10, Alojamentos Familiares Ocupados de Uso Sazonal ou Secundário (%) 43 38,3 25, Alojamentos Familiares Ocupados de Residência Habitual (%) 57 61,7 74, Média de Divisões por Alojamento (nº) Média de Famílias por Alojamento (nº) Média de Pessoas por Alojamento (nº) Média de Pessoas por Divisões (nº) Freguesias com 0-40% alojamentos familiares de uso sazonal (%) 24, Freguesias com 40-60% alojamentos familiares de uso sazonal (%) 58, Freguesias com mais de 60% alojamentos familiares de uso sazonal (%) 17, Alojamentos Familiares com Aquecimento (%) 99 99,1 90, Alojamentos Familiares com Electricidade (%) 99,6 99,1 99, Alojamentos Familiares com Sistema de Esgotos (%) 97,6 96,7 97, Alojamentos Familiares com Instalações Sanitárias para uso exclusivo (%) 82 89,5 92, Alojamentos Familiares com Água Canalizada (%) 97 96,3 97,5 Fonte. Censos, 2001 Resultados Definitivos

19 Quadro nº9 Turismo, Cultural e Associativismo ANO TURISMO, CULTURA E ASSOCIATIVISMO CONCELHO DE ALMEIDA Taxa de Crescimento do Fluxo Turístico (%) 131, Procura Turística por Estrangeiros (%) 39, Turistas Portugueses que passaram pelo Posto de Turismo de Almeida (nº) Turistas Estrangeiros que passaram pelo Posto de Turismo de Almeida (nº) Representatividade dos turistas estrangeiros no fluxo turístico (%) 39, Representatividade dos turistas de nacionalidade espanhola relativamente à totalidade de turistas estrangeiros (%) 52,5 Fonte: Posto de Turismo da Câmara Municipal de Almeida, 2004

20 PARTE II PROBLEMÁTICAS Após a realização das sessões de trabalho participadas foram identificadas seis problemáticas, que de seguida se apresentam por ordem de prioridade atribuída pelos participantes: 1. Envelhecimento e Desertificação Populacional 2. Dificuldade de Acesso a Serviços de Saúde 3. Fraco Dinamismo Económico 4. Dificuldade de Mobilidade no Interior do Concelho 5. Equipamentos e Serviços de Apoio à Infância e Juventude Insuficientes 6. Fraco Dinamismo Sócio-cultural Cada problemática irá constituir um capítulo do presente Diagnóstico, onde serão apresentados alguns dos problemas indicados pelas entidades que participaram neste trabalho e, paralelamente, alguns indicadores que os justificam. Neste sentido, tentaremos analisar cada problemática de uma forma global, tentando verificar quais os grupos mais afectados e as principais causas dos problemas. Por último, através da análise Swot tentaremos elaborar uma síntese da problemática, onde identificaremos as suas forças e fraquezas e, por outro lado, suas oportunidades e ameaças.

21 Capítulo 1 Envelhecimento e Desertificação Populacional Problemas Prioritários Problemática Identificada Identificados nas Sessões de Trabalho Principais Manifestações/ Indicadores Fontes de Verificação Grupos mais Afectados Principais Causas - Inexistência de medidas de política Envelhecimento e Desertificação Populacional nacional que contribuam para a fixação de pessoas no interior - Necessidade de reforço e alargamento da valência de apoio domiciliário como alternativa à institucionalização dos idosos - Necessidade de apoio a idosos e a grandes dependentes (ADI) - Idosos sem retaguarda familiar que carecem de apoio e acompanhamento para aceder a bens e serviços - Necessidade de apoio às famílias que cuidam dos idosos em casa - Necessidade de um Lar para idosos muito dependentes - Inexistência de Mini-lares nas aldeias, como forma de evitar o desenraizamento do idoso - Índice de Envelhecimento: 270,9%; - Índice de Dependência de Idosos: 50,3% - Idosos em famílias de 1 pessoa: 21,4% - Pop. com idade 65 anos: 29,8% - Pop. com idade 75 anos: 13,6% - Pop. com idade 14 anos: 11% - Taxa de Mortalidade: 18 - Taxa de Natalidade: 5 - Taxa de Excedente de Vidas: Var. da Pop. Residente de 1991 para 2001: -16,1% - Densidade Populacional: 16 hab/km2 - Das 29 freguesias do concelho, duas (Almeida e Vilar Formoso) concentram: 47,2% da população total do concelho 56,5% de crianças dos 0-14 anos 61,9% de jovens dos anos - Sessões de Trabalho Participadas (Março e Abril de 2005) - INE, Censos CDSS Guarda, População Idosa - Familiares de Idosos - Crianças e Jovens - População em geral - Aumento da Esperança Média de Vida (cerca de 76 anos) - Diminuição da Taxa de Natalidade - Êxodo da população jovem - Taxa de Mortalidade elevada devido ao peso da população idosa Município de Almeida - CLAS,

3.1 A Escolaridade no Concelho de Almeida 56 3.2 Estabelecimentos (Públicos, Privados, IPSS s) por Nível de Escolaridade, no Concelho de Almeida 60

3.1 A Escolaridade no Concelho de Almeida 56 3.2 Estabelecimentos (Públicos, Privados, IPSS s) por Nível de Escolaridade, no Concelho de Almeida 60 Câmara Municipal de Almeida CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA DEZEMBRO DE 2004 Projecto Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu ÍNDICE CAPÍTULO I DEMOGRAFIA 2 1.1 O Concelho de Almeida

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

SUMÁRIO. Anexos (Grelhas de análise de conteúdo por concelho) Aguiar da Beira... 2. Almeida... 20. Celorico da Beira... 52

SUMÁRIO. Anexos (Grelhas de análise de conteúdo por concelho) Aguiar da Beira... 2. Almeida... 20. Celorico da Beira... 52 SUMÁRIO Anexos (Grelhas de análise de conteúdo por concelho) Aguiar da Beira... 2 Almeida... 20 Celorico da Beira... 52 Figueira de Castelo Rodrigo... 69 Fornos de Algodres... 84 Gouveia... 112 Guarda...

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Tânia Costa, Ana Rego, António Festa, Ana Taborda e Cristina Campos Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde

Leia mais

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 Índice Introdução Metodologia Pág. 1 I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 1. Caracterização Física e Administrativa 2. Património Histórico, Cultural e Natural do Concelho 2.1. Património

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) Projeto n.º 000350402011 PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Respostas sociais

Leia mais

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Outubro 2010 Nota Introdutória O presente documento é uma adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide. No âmbito do Programa

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 5. PONTA DO SOL O concelho de Ponta do Sol foi fundado no início do século XVI, em consequência do elevado desenvolvimento económico resultante da actividade açucareira. Com uma área de 43,80 Km2 e uma

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL MAIO DE 2006. Projecto Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Câmara Municipal de Almeida CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL MAIO DE 2006. Projecto Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Câmara Municipal de Almeida CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL MAIO DE 2006 Projecto Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu PDS PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Conselho Local de Acção Social

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

ACTIVIDADE 1. Relógio da População. TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS OBJECTIVO GERAL. Saber interpretar indicadores demográficos.

ACTIVIDADE 1. Relógio da População. TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS OBJECTIVO GERAL. Saber interpretar indicadores demográficos. TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS MODELOS DE URBANISMO E MOBILIDADE OBJECTIVO GERAL Saber interpretar indicadores demográficos. Zaida Roques OBJECTIVOS ESPECIFICOS Conhecer os diferentes indicadores demográficos

Leia mais

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o Mapa 1. Freguesia de Pinhal Novo Área 54,4 km 2 Fonte: DGT, CAOP 213 População 25.3 habitantes 211 Fonte: CMP, DRHO-SIG População e Famílias Quadro 1. População residente 1991 21 211 Variação (%) 43.857

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade 30 de maio de 2014 Dia Mundial da Criança 1 1 de junho Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Município de Moimenta da Beira

Município de Moimenta da Beira Município de Moimenta da Beira 2005, MOIMENTA DA BEIRA ÍNDICE GERAL CAPÍTULO I 1.1 Estrutura Espacial e Administrativa do 1.2 Breve Retrato SócioTerritoral e Familiar do Concelho 1.2.1 Evolução e variação

Leia mais

Território e Demografia

Território e Demografia Indicadores Sociais Moita Península de Setúbal Território e Demografia Concelho: Moita Território Superfície: 55,26 Km 2 Freguesias: 4 Distância Sede Concelho/Sede Distrito: Demografia População Residente:

Leia mais

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa Retrato da Cidade de Lisboa Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Pontos abordados na apresentação Análise de indicadores quantitativos - Peso do escalão etário dos 65+ - Índice de

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas Agosto/2015 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA 2008 ÍNDICE Considerações Gerais 3 PROJECTOS DO EIXO 1: Melhorar as Condições de Vida dos Idosos e sua Integração na Comunidade 1.1 PCHI Programa

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde. Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO A SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente RETRATO DE PORTUGAL Resumo de indicadores da sociedade portuguesa contemporânea. Números que contam a nossa história mais recente. Um convite à discussão sobre os factos. Data de última atualização: 30.03.2011

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Colóquio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.

Colóquio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn. Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Colóuio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade, Emprego e

Leia mais

DIAGNÓSTICO SÍNTESE. 1. Introdução

DIAGNÓSTICO SÍNTESE. 1. Introdução DIAGNÓSTICO SÍNTESE 1. Introdução O Diagnóstico Social é um instrumento dinâmico (de suporte ao desenvolvimento social local), sujeito a actualização periódica, resultante da participação dos diferentes

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Terceira Idade. V Acção Social. Rede Social de Pombal. 1.Caracterização da População com 65 e mais anos

Terceira Idade. V Acção Social. Rede Social de Pombal. 1.Caracterização da População com 65 e mais anos V Acção Social Terceira Idade 1.Caracterização da População com 65 e mais anos Fazendo a análise populacional por freguesia, em 2001, Pombal apresenta um número significativo de pessoas com 65 e mais anos

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

Será o Diagnóstico Social o instrumento de um bom plano, ao permitir uma

Será o Diagnóstico Social o instrumento de um bom plano, ao permitir uma Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de Lima Apresentação A intervenção social em rede exige um referencial de leitura e interpretação dos problemas existentes, numa perspectiva analítica comum, geradora

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

Breve olhar sobre a sustentabilidade social

Breve olhar sobre a sustentabilidade social Sustentabilidade na Saúde em Tempos de Mudança Breve olhar sobre a sustentabilidade social Luís A. Carvalho Rodrigues 8 de Novembro de 2012 Luís.acr@sapo.pt A sustentabilidade Sustentabilidade refere a

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança Parte 6.6.1 Caracterização da população toxicodependente no concelho de Bragança (Dados

Leia mais

Diagnóstico Social Concelhio

Diagnóstico Social Concelhio ANEXOS 1 C O N C E I T O S C O N C E I T O S Análise SWOT: Estratégia de articulação entre as forças internas do concelho e as possibilidades externas. Na análise das capacidades internas procura-se identificar

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Carta Educativa de Almeida. Câmara Municipal de Almeida

Carta Educativa de Almeida. Câmara Municipal de Almeida Carta Educativa de Almeida Câmara Municipal de Almeida Junho de 2007 FICHA TÉCNICA ENTIDADE PROMOTORA Associação de Municípios da Cova da Beira Gestor de Projecto: Carlos Santos ENTIDADE FORMADORA E CONSULTORA

Leia mais

INDIVÍDUOS. Freguesia

INDIVÍDUOS. Freguesia INDIVÍDUOS Total de Indivíduos Residentes, INE: Censos de 2011, CAOP 2013 Indivíduos Residentes Homens Mulheres Bucelas 4663 2243 2420 Fanhões 2801 1403 1398 Loures 26769 12787 13982 Lousa 3169 1511 1658

Leia mais

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS 11 Agosto 2015 Centro Cultural de Cascais Candidatura CLDS 3G Enquadramento Legal - CLDS Os Contratos Locais de Desenvolvimento Social de 3ª Geração (CLDS3G), atentos

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

O ESPAÇO RURAL DE ÉVORA: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS 1 RESUMO INTRODUÇÃO METODOLOGIA

O ESPAÇO RURAL DE ÉVORA: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS 1 RESUMO INTRODUÇÃO METODOLOGIA O ESPAÇO RURAL DE ÉVORA: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Marcos Olímpio Gomes dos Santos RESUMO Na comunicação dá-se a conhecer os antecedentes de estudo um estudo em curso, explicita-se quais foram as

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO 3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO Se o envelhecimento biológico é irreversível nos seres humanos, também o envelhecimento demográfico o é, num mundo em que a esperança de vida continua a aumentar e a taxa

Leia mais

Caracterização do Concelho de Lisboa. Lisboa, Maio 2007

Caracterização do Concelho de Lisboa. Lisboa, Maio 2007 Caracterização do Concelho de Lisboa Lisboa, Maio 2007 Enquadramento geográfico Lisboa é capital de Portugal Enquadra-se nas regiões: Sintra Odivelas Loures Distrito: Lisboa UT III: Grande Lisboa UT II:

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Índice. Introdução 1. Caracterização do Projecto..3. Recursos Humanos 4. Actividades a Desenvolver 5. Avaliação...7. Programa de Voluntariado.

Índice. Introdução 1. Caracterização do Projecto..3. Recursos Humanos 4. Actividades a Desenvolver 5. Avaliação...7. Programa de Voluntariado. Índice Introdução 1 Caracterização do Projecto..3 Recursos Humanos 4 Actividades a Desenvolver 5 Avaliação...7 Programa de Voluntariado.11 Parceiros do Projecto..13 Anexos..14 0 Introdução O projecto que

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo Perfil de Saúde e Seus Determinantes António Tavares, Ph.D., M.D. Delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo Diretor do da ARSLVT, IP Fevereiro NOTA METODOLÓGICA Enquadramento Organização para

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA

1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA 1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA INDICADORES DIAGNOSTICO SOCIAL 2010 Indicadores Periodicidade Fonte Alojamentos (n.º) Decenal INE Censos Alojamento segundo tipo de alojamento (%) Decenal INE Censos Alojamentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA GUIMARÃES CONCURSO SISTEMA DE IDENTIDADE CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO GUARDIZELA MARÇO 2012 Pag.1 1 QÊM SOMOS O Centro Social de Guardizela é uma

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais