Evolução do Número de Beneficiários do RSI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução do Número de Beneficiários do RSI"

Transcrição

1 Evolução do Número de Beneficiários do RSI Carlos Farinha Rodrigues De acordo com os dados do Instituto da Segurança Social (ISS), em Julho houve pessoas a receber o Rendimento Social de Inserção, contra os beneficiários desta prestação social no mês de Junho. Esta nova diminuição do número de beneficiários do RSI, ocorrida num período de forte estagnação económica, de aumento do desemprego e de forte contenção ou mesmo redução de salários e pensões implica uma profunda reflexão sobre os objectivos do RSI e sobre a sua evolução recente. O que é e para que serve o RSI O Rendimento Social de Inserção (RSI) foi criado em 1996, então com a designação de Rendimento Mínimo Garantido, como uma medida de política social activa visando assegurar uma maior coesão social na sociedade portuguesa. O objectivo desta medida era o de assegurar a todos os indivíduos os recursos necessários à satisfação das necessidades mínimas proporcionando, simultaneamente, a sua progressiva integração social e profissional. Constituía, assim, uma medida de resposta organizada e de âmbito nacional às situações de maior precariedade, constituindo-se como um direito dos indivíduos e das famílias que vivem em condições de extrema carência. Duas características estruturantes estão presentes no RSI desde o seu início. A primeira característica do RSI é o facto de esta medida assentar em dois pilares. Por um lado, o RSI consiste numa prestação social de natureza não contributiva que visa proporcionar a todos os indivíduos um montante (subsídio) que permita colmatar o diferencial entre os seus rendimentos e um valor mínimo de referência. Mas a insuficiência de recursos não é uma condição suficiente para se aceder ao programa. Os 1

2 beneficiários estão também obrigados a seguir um programa de inserção social que visa permitir-lhes o acesso à formação profissional, ao mercado de trabalho ou a outras formas de inserção social. Esta combinação entre o direito a receber um subsídio e a obrigação/dever de participação activa num programa de inclusão social constituí, assim, o elemento matriz definidor do RSI. Infelizmente, ao longo dos 17 anos de vigência do programa, nem sempre esta dualidade do RSI foi tida em conta pelas autoridades responsáveis pela implementação do mesmo. A ausência de critérios claros para os programas de inserção que tivessem em conta as características dos beneficiários e a existência de uma proporção significativa de famílias RSI sem programa definido foram factores que reduziram as potencialidades do programa e que, em alguns casos, explicam a permanência prolongada das famílias no RSI. A segunda característica estruturante do programa prende-se com os seus objectivos de redução das várias dimensões da pobreza. O RSI não foi concebido como um programa visando reduzir a taxa de pobreza em Portugal mas sim como um projecto de melhoria das condições de vida dos mais pobres entre os pobres. Dois dados objectivos permitem demonstrar a afirmação anterior quanto à natureza e ao papel do programa na luta contra a pobreza: em primeiro lugar, o montante de referência do RSI foi estabelecido sempre muito abaixo do limiar de pobreza. Se tomarmos como exemplo o último ano para o qual é conhecida a linha de pobreza (2011), vemos que o limiar do RSI (189,52 /mês) correspondia a cerca de 46% do valor do limiar de pobreza (416 /mês). Consequentemente, nenhuma família pobre o deixará de ser por receber o subsídio do RSI. Em segundo lugar, o número de beneficiários do RSI reflecte igualmente as intenções do programa no combate à pobreza. Apesar da incidência da pobreza em Portugal nunca ter descido abaixo dos 17% da população, o número de beneficiários do RSI nunca 2

3 ultrapassou os 5%. Os destinatários do RSI não são o conjunto da população pobre mas sim os mais pobres entre os pobres. E é precisamente pelos seus efeitos sobre os mais pobres entre os pobres que o RSI deve ser avaliado. Diversos estudos têm demonstrado que o RSI é um programa bastante eficaz na redução da intensidade da pobreza, isto é, na redução do défice de recursos da população pobre. Rodrigues (2009) 1 estimou que a redução do défice de recursos dos pobres gerada pelo RSI era superior a 25%. O apoio monetário do RSI, principalmente se conjugado com a efectivação do programa de reinserção, pode ser o início de um processo de afastamento da pobreza extrema ou mesmo da situação de pobreza. A evolução do número de beneficiários A figura nº 1 apresenta a evolução do número de beneficiários do RMG/RSI entre 1998 e Uma primeira leitura do gráfico, talvez a mais fácil, não pode deixar de associar a evolução do número de beneficiários com o ciclo político. O número de beneficiários do RSI parece evidenciar uma tendência para a subida nos governos do PS (A. Guterres / J. Sócrates) e uma manutenção ou mesmo descida nos governos de centro/centrodireita (D. Barroso / S. Lopes / P. Coelho). Esta aparente associação entre o número de beneficiários e os partidos no poder não pode deixar de reflectir diferentes prioridades no combate à pobreza e à exclusão social e quanto ao papel que nesse objectivo, desempenha o RSI. Esta associação não é, obviamente, imune aos condicionantes da política económica e orçamental, como se reflecte na forte descida do número de beneficiários em 2010, como resultado da alteração da lei de condição de recursos já motivada pelas políticas de austeridade. 1 Carlos Farinha Rodrigues. (2009) - Efficacy of Anti-poverty and Welfare Programs in Portugal: the Join Impact of the CSI and RSI. 3

4 Figura 1 Número de Beneficiários do RMG/RSI 600 Beneficiários do RMG/RSI (milhares) Fonte: Dados obtidos de em A evolução do número de beneficiários do RSI também não pode ser dissociável do comportamento dos principais indicadores de pobreza e, em particular, da intensidade de pobreza. Por exemplo, no período 2005 a 2009, a subida do número de beneficiários do RSI não pode ser vista como independente da redução da intensidade da pobreza em cerca de 8%. O RSI e as políticas de austeridade Desde 2010, assiste-se em Portugal a um claro recuo das políticas destinadas ao combate às situações de pobreza e de maior precariedade social. Este recuo tem como pano de fundo o esforço de contenção orçamental mas vai muito para além disso. Ninguém contesta o esforço de maior rigor orçamental que o país tem que fazer e de que as políticas sociais não se podem alhear. No entanto, aquilo que presenciamos actualmente é a introdução de cortes generalizadas nos benefícios, a estigmatização de algumas políticas como o RSI e a substituição progressiva de uma política social, 4

5 baseada no reconhecimento de direitos e de deveres, para uma política assistencialista que tende a desresponsabilizar o papel do Estado no combate à exclusão social. As alterações ocorridas no RSI com a modificação da Lei de Condição de Recursos em 2010 e com a Lei que modifica o regime jurídico do RSI em 2012 mudaram profundamente as condições de elegibilidade do programa, os montantes auferidos pelos beneficiários e a eficácia do RSI no combate às situações de pobreza extrema. Um exemplo muito simples permite ilustrar o âmbito dessas alterações. No início de 2010, um casal com 2 filhos menores era elegível para o RSI se auferisse um rendimento mensal inferior a 569 euros. Em Agosto de 2012, esse mesmo casal somente seria elegível para o RSI se dispusesse de um rendimento inferior a 398 euros. As consequências imediatas das alterações efectuadas são de dois tipos: a expulsão da medida de uma percentagem significativa de anteriores beneficiários; a redução dos montantes a receber por aquelas famílias que permanecem no programa. A evolução do número de beneficiários do RSI é elucidativa do impacto dessas alterações legislativas. Apesar da profunda crise económica que o país atravessa potenciar o incremento do número de beneficiários, quer por via do forte agravamento do desemprego quer pela redução dos rendimentos auferidos, este reduziu-se significativamente. De cerca de 400 mil em Janeiro de 2010 para cerca de 270 mil em Junho de A figura 2 ilustra a evolução mensal do número de beneficiários ao longo desse período, complementando a informação da figura 1, com o impacto da crise e das medidas de austeridade sobre os beneficiários do RSI. 5

6 Figura 2 Número mensal de Beneficiários do RSI ( ) Beneficiários do RSI (milhares) Fonte: Estatísticas da Segurança Social (Situação da base de dados 14/Agosto/2013) Perante os números anteriores não podemos deixar de nos questionar sobre o papel que as políticas sociais como o RSI devem desempenhar neste período de crise? Em primeiro lugar é necessário perceber que é precisamente em períodos de crise que as políticas sociais são mais necessárias, visto constituírem como que um estabilizador automático para a economia que, simultaneamente, garante um mínimo de coesão social, indispensável ao funcionamento da sociedade. Em segundo lugar, é necessário um rigor acrescido na sua atribuição de forma a obter-se ganhos de eficiência que não ponham em causa a sua eficácia no combate às situações de maior precariedade. Por último, é necessário que elas constituam efectivamente uma alavanca no processo de inclusão social dos indivíduos mais pobres na sociedade. Carlos Farinha Rodrigues 6

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa AULA ABERTA - ECONOMIA INTERNACIONAL 28/11/2012 28 de Novembro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 CRESCE O DESEMPREGO E O NUMERO DE DESEMPREGADOS SEM DIREITO A SUBSIDIO DE DESEMPREGO, E CONTINUAM A SER ELIMINADOS DOS FICHEIROS

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

Plano e Orçamento para 2015. Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade

Plano e Orçamento para 2015. Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade 1 Plano e Orçamento para 2015 Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade Senhora Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS

PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS Exposição de motivos O direito à segurança social e solidariedade

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado?

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? O trabalho não declarado é um flagelo aumenta o risco de pobreza dos trabalhadores e favorece condições de trabalho potencialmente perigosas.

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen PRUEBA DE ACCESO A LA 2012 Portugués BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR Examen Criterios de Corrección y Calificación Este exame tem duas opções. Deves responder a uma

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 90/XII/1.ª REINTRODUZ O PASSE SOCIAL INTERMODAL

PROJECTO DE LEI N.º 90/XII/1.ª REINTRODUZ O PASSE SOCIAL INTERMODAL Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 90/XII/1.ª REINTRODUZ O PASSE SOCIAL INTERMODAL Exposição de motivos Em Setembro deste ano o Governo instituiu, através da publicação da Portaria n.º 272/2011, de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 254/XII/1.ª ALTERA O REGIME JURÍDICO DE PROTEÇÃO NO DESEMPREGO TORNANDO OS PROGRAMAS OCUPACIONAIS VOLUNTÁRIOS E REMUNERADOS

PROJECTO DE LEI N.º 254/XII/1.ª ALTERA O REGIME JURÍDICO DE PROTEÇÃO NO DESEMPREGO TORNANDO OS PROGRAMAS OCUPACIONAIS VOLUNTÁRIOS E REMUNERADOS < Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 24/XII/1.ª ALTERA O REGIME JURÍDICO DE PROTEÇÃO NO DESEMPREGO TORNANDO OS PROGRAMAS OCUPACIONAIS VOLUNTÁRIOS E REMUNERADOS Exposição de motivos Regulando os programas

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO Portaria n.º130/2009, de 30 de Janeiro PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO INICIATIVAS LOCAIS DE EMPREGO Portaria

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014 Medidas Ativas de Emprego Leiria 19.09.2014 Formação em TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO Formação VIDA ATIVA GARANTIA JOVEM MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: Apoios à contratação Estágios Emprego Emprego Jovem

Leia mais

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1 Incentivos à CONTRATAÇÃO Abril 2015 I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Introdução... 4 1.1. Enquadramento... 4 1.2. Objetivos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE SANTA MARIA MAIOR PLANO DE ACÇÃO 2010

COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE SANTA MARIA MAIOR PLANO DE ACÇÃO 2010 INTRODUÇÃO Neste planeamento anual estão espelhados os projectos e as intervenções previstas para o ano de 2010 da Comissão Social de Freguesia de Santa Maria Maior, devidamente enquadradas nas estratégias

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS 2013-03-16 1 Alfredo Bruto da Costa Pontos de reflexão: 1.Desde o século XII, a sociedade portuguesa revela uma preocupação activa pelos pobres (em termos culturais,

Leia mais

PROGRAMA DO XVII GOVERNO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DO XVII GOVERNO CONSTITUCIONAL PROGRAMA DO XVII GOVERNO CONSTITUCIONAL Uma nova frente: combater a pobreza dos idosos ( ) Criação de uma Prestação Extraordinária de Combate à Pobreza dos Idosos, para que finalmente nenhum pensionista

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto

Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto A linha de actuação do Governo tem assumido como prioridade o combate à exclusão social bem como ao abandono escolar, nomeadamente através do apoio às famílias.

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 8 Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Colóquio Dinâmicas actuais da pobreza e da exclusão social. Conceptualizações, políticas e intervenções

Colóquio Dinâmicas actuais da pobreza e da exclusão social. Conceptualizações, políticas e intervenções Colóquio Dinâmicas actuais da pobreza e da exclusão social. Conceptualizações, políticas e intervenções Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 25 de Novembro de 2010 Associação Portuguesa de Sociologia

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente.

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Programa do Governo SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Como qualquer reforma sustentada, tem de se basear no justo equilíbrio entre criação

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa Produto a comercializar Perfil do Cliente alvo da solução O é um produto financeiro complexo que resulta da comercialização combinada de um depósito a prazo simples, denominado SDA, com um seguro de capitalização

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Rendimento e Condições de Vida 2013 16 de outubro de 2014 Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Por ocasião da comemoração do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza (17 de outubro), o INE apresenta

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Senhor Presidente. Senhor Presidente,

Senhor Presidente. Senhor Presidente, Intervenção proferida pelo Deputado Clélio Meneses aquando da discussão do Plano e Orçamento para 2012. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª Tributa as mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Gestores de Participações Sociais (SGPS), Sociedades de Capital

Leia mais

Sumário Executivo. Resultados Principais

Sumário Executivo. Resultados Principais Sumário Executivo Resultados Principais 01. A pobreza e a exclusão social são, na maioria dos países, os obstáculos principais ao cumprimento do objetivo da Europa 2020 de crescimento inclusivo. Embora

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Jorge Miguel Bravo Universidade Évora Economia & Universidade Nova Lisboa - ISEGI jbravo@uevora.pt / jbravo@isegi.unl.pt Fundação Calouste Gulbenkian, 7 de Outubro

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Justiça na economia Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Em % do PIB 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Crescimento

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

Projeto de resolução n.º 308/XII Recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Garantia ao Crédito à Habitação. Exposição de motivos

Projeto de resolução n.º 308/XII Recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Garantia ao Crédito à Habitação. Exposição de motivos Projeto de resolução n.º 308/XII Recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Garantia ao Crédito à Habitação Exposição de motivos Os últimos meses têm revelado um aumento preocupante e muito significativo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger SEM MAIS EMPREGO NÃO É POSSÍVEL A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA DO PAÍS Slides utilizados na intervenção que fiz

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil

Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil 12 Junho 2008 Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil 12 de Junho de 2008 O Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

Programa Urgente de Combate à Precariedade Laboral na Administração Pública

Programa Urgente de Combate à Precariedade Laboral na Administração Pública PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei nº 481/XII 3.ª Programa Urgente de Combate à Precariedade Laboral na Administração Pública Exposição de Motivos I O recurso ilegal à precariedade

Leia mais