Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?"

Transcrição

1 Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar

2 TÓPICOS DEFINIÇÕES ÚTEIS INDICADORES FÍSICOS E FINANCEIROS DAS PENSÕES RADIOGRAFIA AO ORÇAMENTO DA SEGURANÇA SOCIAL DESIQUILÍBRIOS FINANCEIROS, IMPACTOS SOCIAIS, OPÇÕES POLÍTICAS PRINCIPAIS MEDIDAS CONSTANTES DO ORÇAMENTO MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA PREVIDENCIAL DA SEGURANÇA SOCIAL POLÍTICAS DE SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL 2

3 Definições úteis Função Redistribuição Função Seguro Social Abrangência Cidadãos em geral Trabalhadores por conta de outrem, trabalhadores independentes, funcionários públicos admitidos depois de 2005 e os funcionários do sistema bancário depois de 2011 Objectivo Garantir prestações familiares em situação de falta ou insuficiência de recursos económicos das famílias no âmbito de objectivos de políticas públicas Natureza do regime Não contributivo Contributivo Substituir o rendimento do trabalho perante a perda desse rendimento, redução da incerteza em relação a rendimentos futuros Prestações Complementos sociais de pensões estatutárias, de regimes não contributivos e regimes especiais (ex. regime agrícola), abono de família, rendimento social de inserção, subsídio social de desemprego, complemento solidário para idosos Velhice (reforma), invalidez, morte, desemprego, doença, acidentes de trabalho e doenças profissionais, paternidade Modelo de financiamento Redistribuição através dos impostos Repartição, pay-as-you-go. As quotizações dos trabalhadores e as contribuições das entidades patronais financiam as prestações sociais, designadamente as pensões Condições de atribuição Obedece à condição de recursos e contratualização de obrigações, mas nem todas estão abrangidas Em função do esforço contributivo 3

4 Indicadores físicos e financeiros das pensões Nº Pensionistas, 2012 (milhares) RGSS CGA Bancários Total Velhice Invalidez Sobrevivência Outros Total Despesa, 2014 ( milhões ) RGSS CGA Bancários Total % PIB Velhice Invalidez Sobrevivência Outros Total ,4% Fontes: OE, CGA, SS 4

5 Radiografia ao Orçamento da Segurança Social ORÇAMENTO SEGURANÇA SOCIAL Variação Variação Rectific. Proposta 2013/ /2014 milhões Total Despesa Corrente ,9% ,6% PIB 13,5% 16,1% 14,8% Seguro Social-Sistema Previdencial Fontes Financiamento ,4% 954 6,5% Contribuições - TSU ,4% ,4% Transf. OE-Défice Sist.Previd ,7% (Transf. OE - FSE) ,5% ,3% Outras receitas correntes ,0% 28 2,7% Despesa ,2% ,5% Pensões ,3% 740 6,2% Subsídio Desemprego ,6% ,0% (Apoio Emprego) ,5% ,3% Subsídio Doença ,3% ,3% Fonte: OE 5

6 INDICADORES DO DESEMPREGO Variação 1º Trim. 3º Trim. População desempregada 688,9 838,6 149,7 Taxa desemprego 12,4% 15,6% Disponíveis - não procuram emprego ,7 81,7 Total 913,9 16,5% 1.145,3 21,2% 231,4 Sem cobertura subsídio desemprego 296,2 57,0% 392,8 53,2% Equivalente Contribuições (milhões ) 3.033, ,1 À procura primeiro emprego 72,6 104,1 31,5 Desemprego jovem 15 aos 24 anos 123,9 146,8 22,9 Longa duração > 12 meses 365,2 540,3 175,1 População empregada 4.866, ,6-312,4 População activa 5.554, ,2-162,6 A tempo parcial e subemprego 667,9 922,2 254,3 População inactiva 5.086, ,8 14,7 População total , ,0-148,0 Taxa emprego 53,9% 50,9% Fonte: INE 6

7 Radiografia ao Orçamento da Segurança Social milhões Variação Variação Rectific. Proposta 2013/ /2014 Redistribuição-Não Contributivo Fontes de Financiamento ,8% ,7% Transf. OE - Lei de Bases SS ,8% ,5% Transf. OE - PES+ASECE Despesa ,8% ,7% Pensões sociais, compl. sociais ,0% 133 5,2% Acção Social ,2% 140 9,0% Abono Família ,2% -15-2,2% Rendimento Social Inserção ,1% ,1% Complemento Social Idosos ,6% -13-4,8% Outros apoios sociais ,6% ,284 Fontes: OE, SS 7

8 INDICADORES FÍSICOS PRESTAÇÕES SOCIAIS Variação 1º Trim. 3º Trim. Abono Família 1.302, ,7-103,5 Rendimento Social Inserção 325,4 255,5-69,9 Complemento Social Idosos 237,0 226,0-11,0 8

9 Radiografia ao Orçamento da Segurança Social milhões Variação Variação Rectific. Proposta 2013/ /2014 Total Pensões ,1% 873 6,0% Regime Contributivo ,3% 740 6,2% Regime Não Contributivo ,0% 133 5,2% Total Transferências OE ,5% ,6% Transf. OE-Défice Sist.Previd ,7% Transf. OE - Lei de Bases SS ,8% ,5% Transf. OE - PES+ASECE Transf. OE - Pensões Bancários ,0% Transf. OE - IVA Social Tranf. OE - Outras ,7% Formação Profissional ,5% -40-2,9% Fontes: OE, SS 9

10 Principais medidas sobre pensões - RGSS e CGA Aplicação ao sistema da Função Pública 1. Convergência do regime de protecção social da função pública com o regime geral da segurança social (lei autónoma, com impacto no OE) corte de 10% nas pensões da CGA 2. Contribuições para a CGA aumento da taxa contributiva para as entidades patronais (Estado) 3. Carreiras longas perdem bonificação nas pensões Aplicação a ambos os sistemas - Função Pública e RGSS 1. Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) - manutenção da aplicação 2. Idade de Acesso à Pensão de Velhice aumento da idade e aplicação do factor de sustentabilidade 3. Pensões de Sobrevivência - introdução da condição de recursos 4. Pensão Unificada - alteração da fórmula de cálculo Outras medidas RGSS Manutenção da suspensão das reformas antecipadas Suspensão dos complementos de pensão em empresas do SEE Regime de actualização do IAS congelamento Regime de actualização das dos regimes contributivos - congelamento Regime de actualização das pensões dos regimes não contributivos e pensões mínimas Membros dos órgãos estatutários alterada a base de incidência contributiva Trabalhadores independentes alteração das regras de determinação do escalão de contribuição aplicável 10

11 Convergência do regime da CGA com o RGSS (lei autónoma, com impacto no OE) Corte de 10% nas pensões de aposentação e sobrevivência > 600 ; escalões em função da idade O corte acumula com o corte da convergência e com a CES. Como se aplica? Pensões de sobrevivência introdução condição de recursos Escalões de cortes/taxas em função do valor mensal global das pensões (reforma+sobrevivência) > O corte acumula com a CES. Como se aplica? CGA RGSS O corte da CES é diminuído do corte da convergência; não há dupla penalização Contribuição extraordinária de solidariedade (CES) Escalões de cortes/ taxas em função do valor mensal das pensões de reforma > O corte da CES é aplicado na íntegra No RGSS as pensões não obedecem a escalões de idade 11

12 Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Tem de trabalhar mais 5 meses para compensar a redução. Reforma aos 65 anos e cinco meses 4,78% Aplicação do Factor de Sustentabilidade 25,18% Tem de trabalhar mais 25 meses para compensar a redução. Reforma aos 67 anos *Para reforma aos 65 anos e 40 anos de contribuições Fontes: INE 12

13 MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL milhões % Medidas % PIB % Pensões Total das Medidas Consolidação Orçamental % 2,3 Total Prestações sociais + Contribuições Sociais % 0,6 4,42 Prestações sociais 891 Convergência fórmula cálculo pensões CGA com a SS 728 Não acumulação dos efeitos convergência pensões CGA com CES -340 Efeito conjugado 388 Ajuste idade acesso pensão velhice com base factor de sustentabilidade 205 Introdução da "condição de recursos" nas pensõeos de sobrevivência 100 Outras medidas sectoriais 198 Contribuições sociais 132 Alteração nas contribuições para ADSE, SAD e ADM 132 Fontes: OE, SS 13

14 Portugal será um dos países onde o risco do aumento da despesa com pensões ameaçar a sustentabilidade do sistema será menor. Este é um reflexo das medidas sobre os sistemas de pensões introduzidas anteriormente, como é o caso da reforma de 2007 que introduziu, entre outras medidas, o factor de sustentabilidade. ( ) Contudo, este ajustamento só é aplicável aos que se reformaram ou aposentaram a partir de E paralelo as regras de cálculo para as pensões atribuídas pela CGA passaram a considerar uma segunda parcela que segue as regras do regime geral da Segurança Social, mas apenas para a proporção de descontos nos anos subsequentes a No entanto, estas medidas dirigiram-se ao problema da sustentabilidade do sistema de pensões no longo prazo, não resolvendo o problema financeiro de curto e médio prazo. É de notar ainda que estas projecções tiveram por base 2010, quando as projeções demográficas e de crescimento económico eram mais favoráveis, com repercussões na evolução do peso da despesa em pensões no PIB. Fonte: OE

15 Relatórios de Sustentabilidade Financeira da Segurança Social Projecções dos saldos do Sistema Previdencial em % do PIB Fonte: OE 15

16 Fonte: OE

17 Políticas de Solidariedade e Segurança Social medidas apresentadas 1. Dar continuidade ao Programa de Emergência Social: i) respostas a famílias confrontadas com fenómenos de pobreza, ii) apoios a idosos com rendimentos degradados e consumo de saúde elevado, iii) inclusão de pessoas com deficiência e/ou incapacidade, iv) reconhecimento, incentivo e promoção do voluntariado, v) fortalecimento da relação com as instituições e contratualização de respostas 2. Reforçar a protecção e inclusão social das pessoas com deficiência (II Estratégia Nacional para a Deficiência) 3. Aprofundar um novo paradigma de resposta social, reforçando o trabalho de parceria entre as instituições responsáveis pelas políticas de solidariedade e as que têm responsabilidades ao nível das políticas de emprego, educação e formação e privilegiar o desenvolvimento de respostas integradas no domínio da formação e emprego (desempregados de longa duração e beneficiários do RSI) 4. Implementar a Rede Local de Intervenção Social (apoio técnico para acompanhamento das famílias em situação de vulnerável por via de uma resposta de proximidade) 5. Prosseguir com medidas específicas com vista ao reforço da sustentabilidade do sistema de segurança social, tais como o ajustamento do factor de sustentabilidade para cálculo da idade de acesso 6. Promover a natalidade e um envelhecimento activo com vista a mitigar os efeitos da evolução demográfica sentida, através de medidas e estruturas de apoio à conciliação familiar 7. Reforçar a resposta da acção social 8. Garantir a protecção social para os trabalhadores independentes que descontem 80% dos seus rendimentos para uma mesma entidade, bem como para os empresários em nome individual, comerciantes e pequenos empresários 17

18 Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger SEM MAIS EMPREGO NÃO É POSSÍVEL A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA DO PAÍS Slides utilizados na intervenção que fiz

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas Agosto/2015 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Jorge Miguel Bravo Universidade Évora Economia & Universidade Nova Lisboa - ISEGI jbravo@uevora.pt / jbravo@isegi.unl.pt Fundação Calouste Gulbenkian, 7 de Outubro

Leia mais

Há mais vida para além do Orçamento? Sustentabilidade das Prestações Sociais em Portugal

Há mais vida para além do Orçamento? Sustentabilidade das Prestações Sociais em Portugal SEMINÁRIO O Orçamento de Estado para 2015 Um OE amigo do Investimento, Crescimento e Emprego? Há mais vida para além do Orçamento? Sustentabilidade das Prestações Sociais em Portugal Jorge Miguel Bravo

Leia mais

Sistemas de Proteção Social. Apontamento do Conselho das Finanças Públicas n.º 2/2014

Sistemas de Proteção Social. Apontamento do Conselho das Finanças Públicas n.º 2/2014 Sistemas de Proteção Social Apontamento do Conselho das Finanças Públicas n.º 2/2014 outubro de 2014 A série de Apontamentos tem por objetivo apresentar curtos textos de divulgação sobre matérias ligadas

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa 2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL RS vs Stakeholders Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa Instituto Português de Corporate Governance 27 de Novembro de 2013, Lisboa

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

EUGÉNIO ROSA Economista edr2@netcabo.pt www.eugeniorosa.com

EUGÉNIO ROSA Economista edr2@netcabo.pt www.eugeniorosa.com A TRANSFERÊNCIA DE RENDIMENTOS DO TRABALHO PARA O CAPITAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA contexto, instrumentos utilizados e estimativa dos rendimentos transferidos Aumento da exploração dos trabalhadores da

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 312/XI

PROJECTO DE LEI N.º 312/XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 312/XI DEFINE O DIREITO À ANTECIPAÇÃO DA APOSENTAÇÃO E ATRIBUIÇÃO DA PENSÃO DE VELHICE A TRABALHADORES QUE TENHAM COMEÇADO A TRABALHAR ANTES DE COMPLETAREM 16 ANOS

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL DOS TRABALHADORES QUE EXERCEM FUNÇÕES PÚBLICAS. XXIX COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM Bragança Outubro 2009 Isabel Viseu - DGAEP

PROTECÇÃO SOCIAL DOS TRABALHADORES QUE EXERCEM FUNÇÕES PÚBLICAS. XXIX COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM Bragança Outubro 2009 Isabel Viseu - DGAEP PROTECÇÃO SOCIAL DOS TRABALHADORES QUE EXERCEM FUNÇÕES PÚBLICAS XXIX COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM Bragança Outubro 2009 Isabel Viseu - DGAEP PROTECÇÃO SOCIAL DIREITOS SOCIAIS - direitos constitucionais fundamentais

Leia mais

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde CENTR0 NACIONAL DE PENSÕES SOCIAIS, REPÚBLICA DE CABO VERDE As pensões sociais do regime não em Cabo Verde René Ferreira, Presidente do CNPS Breve contextualização do país Aspectos geogáficos; Dados demográficos;

Leia mais

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Cidadãos nacionais, e cidadãos estrangeiros ou apátridas residentes em Portugal há mais de um

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

Análise da Execução Orçamental da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações em 2014. Relatório do Conselho das Finanças Públicas. n.

Análise da Execução Orçamental da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações em 2014. Relatório do Conselho das Finanças Públicas. n. Análise da Execução Orçamental da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações em 2014 Relatório do Conselho das Finanças Públicas n.º 2/2015 fevereiro de 2015 O Conselho das Finanças Públicas é um

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Circular Informativa

Circular Informativa MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Geral Circular Informativa N.º 05 Data 30/03/2009 Para conhecimento de todos os serviços e organismos dependentes do Ministério da Saúde ASSUNTO: Protecção social dos trabalhadores

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE Manual de GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/16 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão por Velhice (7001 v4.04) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE ECONOMIA A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português Carlos M. Pereira da Silva Catedrático do ISEG 26 de Maio de 2006 1. Do Livro Branco da Segurança

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 11/2014, de 6 de março A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei estabelece mecanismos de convergência

Leia mais

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer?

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? 4 de junho de 2014 Auditório Adriano Moreira ISCSP PATRCINADORES PRATA Com a Colaboração Científica Patrocinadores Globais APDSI OS EVENTOS

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às redes de

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social AUTOR Instituto Nacional de Segurança Social MORADA Rua Cirílo da Conceição e Silva, 42,

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v 09) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Instituto

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Trabalho DATTA 1976-12-28. ASSSSUNTTO Regime Legal dos Mapas dos Quadros de Pessoal DATTA 1980-09-17

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Trabalho DATTA 1976-12-28. ASSSSUNTTO Regime Legal dos Mapas dos Quadros de Pessoal DATTA 1980-09-17 DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEmpprreeggoo ee FFoorrmaaççããoo DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Trabalho e Segurança Social ASSSSUNTTO Férias / Faltas IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto Lei

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v4.15) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas Taxas Contributivas CONTRIBUTIVAS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL Trabalhadores em geral 23,75% 34,75% Membros dos órgãos estatutários das pessoas coletivas: geral

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8818 Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de Dezembro de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 1457/2009 de 31 de Dezembro O

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Porteiros de Prédios Urbanos e Similares (2025 V4.12) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME ESPECIAL DE PROTEÇÃO NA INVALIDEZ (ESCLEROSE MÚLTIPLA, ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA), DOENÇA DE PARKINSON (DP), DOENÇA DE ALZHEIMER (DA), ENTRE OUTRAS). INSTITUTO DA SEGURANÇA

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

António Maria Aniceto de Carvalho

António Maria Aniceto de Carvalho Relatório Final Sistemas de Poupança Complementar para a Reforma em Portugal António Maria Aniceto de Carvalho Orientador: Prof. Doutor Jorge Bravo Universidade de Évora, 29 de Outubro de 2010 Sistemas

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS IMPACTO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS PÚBLICAS: ENCONTROS E DESENCONTROS

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS IMPACTO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS PÚBLICAS: ENCONTROS E DESENCONTROS 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS IMPACTO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS PÚBLICAS: ENCONTROS E DESENCONTROS Oscar Gaspar 9 de julho 2015 disclaimer Oscar Gaspar é desde outubro de 2014 Director

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013

APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013 APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013 AGENDA Redução Remuneratória Duodécimos Subsídio de Natal Faltas por Doença Subsídio de Férias IRS CES Horário de Trabalho Esclarecimentos Horário de Trabalho

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P Pág. 1/30 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Velhice (7001 v4. 35) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2015/janeiro/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2015

Leia mais

Avaliação Actuarial do Sistema Previdencial da Segurança Social

Avaliação Actuarial do Sistema Previdencial da Segurança Social Avaliação Actuarial do Sistema Previdencial da Segurança Social Sistema Previdencial GEP/MSESS JUNHO DE 2015 Índice 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 2. PROJECÇÃO DAS FONTES DE FINANCIAMENTO DO SISTEMA... 8 2.1

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente.

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Programa do Governo SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Como qualquer reforma sustentada, tem de se basear no justo equilíbrio entre criação

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO Portaria n.º130/2009, de 30 de Janeiro PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO INICIATIVAS LOCAIS DE EMPREGO Portaria

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

Relatório e Contas da Caixa Geral de Aposentações 2009 ÍNDICE

Relatório e Contas da Caixa Geral de Aposentações 2009 ÍNDICE Relatório e Contas 2009 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Quadro legislativo... 4 3. Actividade... 7 3.1. Inovação e automatização... 7 3.2. Actividade desenvolvida... 8 3.2.1. Atendimento...8 3.2.2. Pensões

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE20111- Um orçamento que vai destruir ainda mais a economia e agravar as desigualdades e as dificuldades

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO

DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO Sem Administração Publica não existem Funções Sociais do Estado (Educação, Saúde, Segurança Social, etc.) ENCONTRO / DEBATE ORGANIZADO PELA FRENTE COMUM DE SINDICATOS

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.12)

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE INVALIDEZ

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE INVALIDEZ Manual de GUIA PRÁTICO PENSÃO DE INVALIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Invalidez (7002 v4.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Conta da Segurança Social de 2005 Execução Orçamental Mapas - Lei de Bases do Sistema de Segurança Social Subsistema de Solidariedade

Conta da Segurança Social de 2005 Execução Orçamental Mapas - Lei de Bases do Sistema de Segurança Social Subsistema de Solidariedade Subsistema de Solidariedade RUBRICAS 2004 Revisto rubrica no total em Orçamental em percentagem Em valor absoluto Em Em valor absoluto Em Saldo do ano anterior sem aplicação em despesa 164.722.416,10 34.837.667,84

Leia mais

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO Manual de GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bolsa de Estudo (4010 v1.12) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 2 - Análise detalhada 2 2.1-Despesa total efetuada, em 2014, através das fontes de financiamento 2 2.2 - Despesa total efetuada, em 2014, pela fonte de

Leia mais

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES www.pepevargas.com.br dep.pepevargas@camara.gov.br AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE

Leia mais

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário Confederação Confederação Confederação Confederação Confederação da Agricultura e Nacional do Nacional da Nacional das Nacional do Pecuária do Brasil Comércio Indústria Instituições Transporte Financeiras

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Viuvez (7012 v4.14) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional de

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P Pág. 1/31 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Velhice (7001 v4.37) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Complemento por Dependência (7013 v4.23) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

Proposta de Regime de Previdência Central não Obrigatório. Fundo de Segurança Social

Proposta de Regime de Previdência Central não Obrigatório. Fundo de Segurança Social Proposta de Regime de Previdência Central não Obrigatório Fundo de Segurança Social 2014 1 1. Contexto da Proposta 2. Conteúdo da Proposta 3. Articulação entre os Planos Privados de Pensões e o Regime

Leia mais

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente RETRATO DE PORTUGAL Resumo de indicadores da sociedade portuguesa contemporânea. Números que contam a nossa história mais recente. Um convite à discussão sobre os factos. Data de última atualização: 30.03.2011

Leia mais

Decreto-Lei n.º 167-E/2013, de 31 de dezembro

Decreto-Lei n.º 167-E/2013, de 31 de dezembro Decreto-Lei n.º 167-E/2013, de 31 de dezembro A necessidade de contenção da despesa pública no longo prazo com caráter de definitividade obriga à redução da despesa no setor da segurança social, o que

Leia mais

O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015

O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015 O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015 Esta é uma proposta de Orçamento de fim de ciclo político e sem rumo, à

Leia mais

Orçamento da Segurança Social 2017

Orçamento da Segurança Social 2017 Orçamento da Segurança Social 2017 Prosseguir o reforço das políticas sociais, combater as desigualdades e a pobreza, sobretudo na primeira infância, promover a inclusão das pessoas com deficiência ou

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem de Segurança Social Trabalhadores por Conta de Outrem Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

CGTP-IN LANÇA INICIATIVAS EM DEFESA DA SEGURANÇA SOCIAL E SISTEMAS PÚBLICOS DE SAÚDE (SNS) E EDUCAÇÃO

CGTP-IN LANÇA INICIATIVAS EM DEFESA DA SEGURANÇA SOCIAL E SISTEMAS PÚBLICOS DE SAÚDE (SNS) E EDUCAÇÃO CGTP-IN LANÇA INICIATIVAS EM DEFESA DA SEGURANÇA SOCIAL E SISTEMAS PÚBLICOS DE SAÚDE (SNS) E EDUCAÇÃO Nos últimos dias acentuou-se a pressão do Governo PSD/CDS e das forças conservadoras que o apoiam no

Leia mais

Os sistemas de Segurança Social e da CGA utilizados pelo governo como instrumento orçamental

Os sistemas de Segurança Social e da CGA utilizados pelo governo como instrumento orçamental A MANIPULAÇÃO DO FATOR DE SUSTENTABILIDADE PELO GOVERNO, O AUMENTO TODOS OS ANOS DA IDADE DE REFORMA E DE APOSENTAÇÃO, E O DUPLO CORTE NA PENSÕES ANTECIPADAS Neste estudo vamos esclarecer cinco questões

Leia mais

Renovar a Esperança. Paulo Trigo Pereira, ISEG ULisboae IPP TJ-CS Luis Teles Morais, IPP TJ-CS

Renovar a Esperança. Paulo Trigo Pereira, ISEG ULisboae IPP TJ-CS Luis Teles Morais, IPP TJ-CS Renovar a Esperança Estratégia Orçamental para o crescimento e o emprego em Portugal no quadro do euro Paulo Trigo Pereira, ISEG ULisboae IPP TJ-CS Luis Teles Morais, IPP TJ-CS Conferência Gulbenkian 2014

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. em Portugal

Os seus direitos de segurança social. em Portugal Os seus direitos de segurança social em Portugal O presente guia foi redigido e atualizado em estrita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais