Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde."

Transcrição

1 Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de Santa Cruz, Cabo Verde Doutor Júlio Santos, Universidade do Minho, Braga Contextualização O Concelho de Santa Cruz fica situado na parte leste da Ilha de Santiago e ocupa uma superfície de Km ². Em termos populacionais é o quarto maior Concelho de Cabo Verde, com uma população bastante jovem e segundo os dados estatísticos do INE (Censo 2010) o Concelho possui habitantes, sendo residentes no meio rural e no meio urbano. Enquanto país insular, dotado de escassos recursos minerais, enfrentando forte pressão de um crescimento populacional e urbano acelerado, Cabo Verde é por isso também um país de enorme vulnerabilidade estrutural, principalmente nos domínios sociais, económicos e ambientais, situação que ameaça, seriamente, o desenvolvimento sustentado do arquipélago. Como consequência disso, segundo dados estatísticos de 2011, parte significativa da população cabo-verdiana (36%) vive em situação de pobreza e 17 % desse contingente em situação de pobreza absoluta. Actualmente as principais actividades económicas são: agricultura, pecuária, pesca, comércio e o turismo. Estatisticamente, Santa Cruz possui a maior área agrícola irrigada do país, ocupando um lugar importante na produção de produtos fruti-hortícolas, mas a falta de água e a aumento da salinização dos solos tem posto em risco a prática da agricultura. 1 Objectivos Apoiar no desenvolvimento de projetos e atividades, em três instituições do Município de Santa Cruz, identificados a nível local como relevantes. Proporcionar aos estudantes da UMinho uma experiência de internacionalização em Cabo Verde, que permita a realização de aprendizagens relacionadas com a sua área de formação, tendo em conta o contexto específico do voluntariado no Município de Santa Cruz.

2 Descrição das Acções Cada voluntário/a estará afecto a uma das acções seguidamente apresentadas: Acções Actividades previstas Instituição de acolhimento Acção 1 Animação sócio-comunitária Realização de atividades direccionadas à comunidade Oficinas de Verão para crianças e para jovens Dinamização de atividades com a Escola de Música Katchás/ Escola de Música Acção 2 Apoio à criação de uma televisão comunitária Apoio ao projecto para a criação de uma televisão comunitária associada à rádio comunitária Katchás Acção 3 Estudo de audiometria relativo ao funcionamento da Rádio Comunitária Elaboração e implementação de estudo, em parceria com técnicos locais, para aferir junto da comunidade qual a sua opinião sobre o funcionamento da rádio comunitária (programas, locutores, temas abordados, etc.) Katchás (Rádio Comunitária) 2 Acção 4 Orientação e apoio à reinserção de toxicodependentes Apoio psicológico e orientação/ reinserção social dos utentes das Tendas do El Shaddai JOCUM- Casa Resgate e Restauração, Tendas do El Shaddai (Casa de apoio à recuperação de toxicodependentes)

3 Acção 5: Educação Desenvolvimento de trabalho lúdico-pedagógico com as mães e as crianças Apoio noutras atividades ligadas à Educação (ex.: apoio às rotinas da casa; formação às mães, etc.) Casa Manuela Irgher- Casa de acolhimento de mães (e seus filhos) vítimas de gravidez precoce (AMSES onlus- Associazione Missionaria Solidarietà e Sviluppo) Acção 6: Cuidados materno-infantis Formação em cuidados maternoinfantis (saúde, bem-estar da criança e da mãe; higiene, primeiros socorros, etc) Apoio noutras atividades ligadas à Saúde e à Educação para a Saúde, incluindo Educação Sexual Casa Manuela Irgher - - Casa de acolhimento de mães (e seus filhos) vítimas de gravidez precoce (AMSES onlus- Associazione Missionaria Solidarietà e Sviluppo) Número médio de horas de trabalho voluntário semanais: 30 horas 3 Calendarização Permanência em Santa Cruz Acompanhamento à distância Preparação do projeto de voluntariado 2015/2016 Duração total Aproximadamente de 1 de agosto a 15 de setembro (flexível) 16 de setembro a 31 de janeiro 1 de fevereiro a 30 de junho 1 ano Parceiros Os parceiros deste projeto são: Centro de Recursos para a Cooperação e Desenvolvimento da UMinho (CRCD) Instituto das Comunidades Educativas (ICE) Câmara Municipal de Santa Cruz (CMSCZ), Cabo Verde Câmara Municipal de Braga, Portugal AMSES onlus- Associazione Missionaria Solidarietà e Sviluppo

4 Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) Conselho Municipal da Juventude, Braga Perfil do Voluntário Faixa etária: a partir dos 18 anos Formação académica: Acção 1: Áreas possíveis de formação: Educação Musical, Educação, Educação Básica, Outros cursos de Ensino, Associativismo e animação sócio-cultural Acção 2: Áreas possíveis de formação: Ciências da Comunicação /Tecnologias de Informação e Comunicação Acção 3: Áreas possíveis de formação: Ciências da Comunicação /Tecnologias de Informação e Comunicação Acção 4: Áreas possíveis de formação: Psicologia (preferencialmente Clínica e da Saúde) Acção 5: Áreas possíveis de formação: Educação, Pré-Escolar, Educação Básica, outros cursos de Ensino. Acção 6: Áreas possíveis de formação: Enfermagem Competências: Disponibilidade para novas aprendizagens, nomeadamente sobre e com o contexto no qual o voluntariado ocorrerá Sentido de responsabilidade e de compromisso Apetência para conviver e trabalhar em equipa e em ambientes culturais e económicos diferentes Saber gerir situações de conflito Capacidade de reflexão Criatividade 4 Recrutamento O Recrutamento será realizado através das seguintes etapas: 1-Divulgação com cartaz específico voluntariado : 9 de junho 2- Abertura das vagas para voluntários na UMinho : 9 de junho 3- Sessão de Esclarecimento: 15 de junho, 15h 4- Período para as candidaturas: 9 de junho a 18 de junho 5- Período para pré- seleção:19 a 25 de junho 6- Período de entrevistas: 29 de junho a 1 de julho 7- Período para a divulgação dos candidatos selecionados:2 de julho 8- Período para a formação dos voluntários: durante o mês de julho (datas a definir)

5 Contactos: Para mais informações, por favor, contactar: Sandra Fernandes Centro de Recursos para a Cooperação e Desenvolvimento Instituto de Educação da Universidade do Minho Gabinetes 2061 e 2062 Telefones: Nota: Este projeto está redigido sem o acordo ortográfico, por ter sido elaborado conjuntamente com os parceiros de Cabo Verde.

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

PROGRAMA VOCAÇÃO 2012

PROGRAMA VOCAÇÃO 2012 PROGRAMA VOCAÇÃO 2012 Preâmbulo A ocupação dos tempos livres dos jovens em tempo de aulas, através de actividades que contribuam significativamente para o enriquecimento da sua formação pessoal, funcionando

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

FÓRUM INTERNACIONAL DE JUVENTUDE UMA FORMA DE CIDADANIA ENCURTAR A DISTÂNCIA FORTALECER A CIDADANIA

FÓRUM INTERNACIONAL DE JUVENTUDE UMA FORMA DE CIDADANIA ENCURTAR A DISTÂNCIA FORTALECER A CIDADANIA CONVITE FÓRUM INTERNACIONAL DE JUVENTUDE UMA FORMA DE CIDADANIA ENCURTAR A DISTÂNCIA FORTALECER A CIDADANIA A Associação Chã de Matias e a FAJUDIS Federação de Associações Juvenis do Distrito de Santarém,

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

PROFISSIONAIS CURSOS. Oferta Formativa ANO LECTIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA

PROFISSIONAIS CURSOS. Oferta Formativa ANO LECTIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA CURSOS PROFISSIONAIS Oferta Formativa ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA CONTACTOS MORADA: AV. 25 DE ABRIL TORRE DA MARINHA 2840-400 SEIXAL TELEFONE: 21 227 63 60 FAX: 21 227 63 68 E-MAIL:ce@esars.pt

Leia mais

Conselho de Parceiros

Conselho de Parceiros Conselho de Parceiros 26 de Novembro de 2010 Centro Cultural e de Congressos de Aveiro 15 de Outubro de 2010 - Centro Cultural e de Congressos de Aveiro Acção 1 - Intervenção Psicossocial Acompanhamento

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio»

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» Regulamento «Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» 1. Promotor O Projecto de apoio a implementação do Programa Nacional de Voluntariado de Cabo Verde (PNV), executado

Leia mais

Plano de Atividades 2012

Plano de Atividades 2012 Plano de Atividades 2012 A Direção da rede ex aequo propõe o seguinte plano de atividades para o ano de 2012, tendo em conta oito áreas de intervenção consideradas prioritárias. 1. Área de Apoio 2. Área

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança As parcerias e as suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança O olhar da

Leia mais

Cada instituição tem que obrigatoriamente apresentar as facturas das respectivas despesas no âmbito do projecto candidatado.

Cada instituição tem que obrigatoriamente apresentar as facturas das respectivas despesas no âmbito do projecto candidatado. Programa de Educação Ambiental Círculo Mágico 2007/2008 O programa Círculo Mágico, ano lectivo 2007/2008, seguirá a seguinte metodologia: Abordará, no âmbito do apoio aos projectos candidatados pelas escolas,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007 Plano de Acção da CSIFCPS para Ao nível dos problemas da deestruturação Familiar nas Finalidade 1: Criar uma rede de trabalho articulada de Apoio às Famílias em risco Objectivo Geral 1: Dinamização das

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Instrumento de avaliação A. Projecto da escola A.1. Apresentação do Projecto da escola Caros colegas da Comissão, No âmbito do processo de monitorização,

Leia mais

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 25.122,75 53.500,00 53.500,00 55.105,00 51.456,00 53.001,00 238.184,75 1.1. Serviços gerais de 12.275,53 30.500,00 30.500,00 31.415,00 27.054,00 27.866,00 129.110,53 administração

Leia mais

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! ENQUADRAMENTO Nos termos da alínea b) do n.º 4 do art.º 64º da Lei das Autarquias Locais, aprovado pela Lei 169/99, em 18 de Setembro e alterado pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL Página 1 de 7 CAPITULO I Enquadramento O Projecto Emprego Jovem e Coesão Social enquadra-se no Programa Regional para a Coesão Social e o Emprego Jovem,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Viver Saudável

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Viver Saudável Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Viver Saudável 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Viver Saudável Promotor(es): Médicos do Mundo Sigla Viver Saudável Morada Avenida de Ceuta (Sul),

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projectos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009. Cursos Profissionais

Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009. Cursos Profissionais Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009 Cursos Profissionais O que são cursos profissionais? Os cursos profissionais têm uma duração de 3 anos, proporcionam o desenvolvimento de competências específicas

Leia mais

(anteprojecto / documento de trabalho) Mindelo Câmara Municipal de S. Vicente República de Cabo Verde 2008 Modelo Organizativo das Actividades do Museu: Um Museu para a Cultura e o Desenvolvimento de S.

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

O impacto do (Des) Emprego na Pobreza e Exclusão Social no Porto-Tâmega Pistas de Acção Estratégicas Medida 1.4 Valorização e Promoção Regional e Local OBJECTIVOS DO PROJECTO: Caracterizar as dinâmicas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projecto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde Equipa Coordenadora: Dr.ª Leonor

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV Entidade Promotora Entidade Co-Promotora e Co-Financiadora Entidade Co-Promotora e Co-Avaliadora Entidade Financiadora Entidade Co- Financiadora Enquadramento Geral Envelhecimento demográfico. Crescente

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 Cáritas Portuguesa Conselho Geral Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 PRIORIDADE ÀS CRIANÇAS A Cáritas em acção (Anteprojecto) Fundamentos «As crianças pobres, as desprovidas de enquadramento familiar adequado,

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO O Prémio do Jovem Empreendedor é um projecto da Câmara Municipal da Boa Vista, em parceria com a Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO)

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA (3ª ACTUALIZAÇÃO) (3ª Actualização JULHO/2008) 1 Mês: Abril/2008 ANULAR (Estava na 1ª versão sem data) ANULAR (estava na 2ª versão para o 3º

Leia mais

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 1 O Voluntariado é uma resposta necessária à realidade das nossas sociedades e um reconhecido veículo de desenvolvimento

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES A intervenção do Psicólogo na escola baseia-se num modelo relacional e construtivista, que fundamenta uma prática psicológica

Leia mais

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Estoril, 22 de Setembro de 2009 1 Aspectos a Abordar Porquê Comunicar?

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

Operacionalizar a Reabilitação Urbana Rui Moreira - Porto Vivo, SRU. 1 Porto Vivo, SRU, 2011

Operacionalizar a Reabilitação Urbana Rui Moreira - Porto Vivo, SRU. 1 Porto Vivo, SRU, 2011 Operacionalizar a Reabilitação Urbana Rui Moreira - Porto Vivo, SRU Conferência Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades, Dinamizar o País A Cidade enquanto motor da coesão social, da inovação,

Leia mais

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv Jornal Comunicar Administração Pública Governo de Cabo Verde Edição Gratuita Mensal nº18 Setembro de 2010 Edição Especial www.governo.cv www.governo.cv PAPA Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes Plano DOM Desafios, Oportunidades e Mudanças Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes De um Modelo Institucional, para um Modelo Especializado e Terapêutico. 29 de Setembro de 2008 2 Idade das crianças

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE ACTA Nº. 4 Ao dia nove de Setembro do ano dois mil e nove, nesta Vila de Castelo de Vide, reuniu na Biblioteca Municipal pelas 10,00 horas, o Conselho

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define o conjunto de normas a que deve obedecer o Programa Voluntariado Social e Jovem para a Freguesia de Macieira

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANIMAÇÃO 2D E 3D WWW.ESSR.NET ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS / RUA MAJOR DAVID MAGNO, 139 / 4000-191 PORTO

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANIMAÇÃO 2D E 3D WWW.ESSR.NET ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS / RUA MAJOR DAVID MAGNO, 139 / 4000-191 PORTO MATRÍCULA A inscrição no curso é realizada em impresso próprio, recolhido no sítio da escola, em www.essr.net, ou noutros locais de divulgação e entregue nos serviços administrativos da Escola Artística

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 A Redes da Maré seleciona tecedores para o Programa Criança Petrobras (PCP) na Maré. Antes de se candidatar, conheça bem os valores e atuação da instituição.

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL SER MAIS, SENDO UM BOM PROFISSIONAL NUM CONTEXTO CRÍTICO JOAQUIM AZEVEDO 1977 1989 2004 2007 2006 2009 1975 1980 1985 1990 1995 2000 2005 2010 Fim do Criação Ensino Início

Leia mais

atuarte jovens ativos na inclusão pela arte

atuarte jovens ativos na inclusão pela arte 2 Os TUB possuem um autocarro convertido num teatro que é um excelente recurso para levar aos bairros da periferia da cidade (Enguardas, Santa Tecla, Andorinhas, Parretas ou outros), oficinas de artes

Leia mais

Projecto. M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação. Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga

Projecto. M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação. Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga Projecto M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação 1. IDENTIFICAÇÃO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMÁTICA 3. PROPOSTA 4. OBJECTIVOS E RESULTADOS

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO 1) Objectivos a) A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) realiza a 1ª Edição da Escola de Verão com uma semana de ocupação para jovens

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

VOLUNTARIADO CÁRITAS EXCLUSÃO SOCIAL

VOLUNTARIADO CÁRITAS EXCLUSÃO SOCIAL EXS 01/2013 Acompanhamento do utente EXS 02/2013 Acompanhamento do utente EXS 03/2013 Acompanhamento/visita ao utente EXS 04/2013 Auxiliar de atividades externas EXS 05/2013 Animador EXS 06/2013 Animador/Dinamizador

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais