1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA"

Transcrição

1 1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA INDICADORES DIAGNOSTICO SOCIAL 2010 Indicadores Periodicidade Fonte Alojamentos (n.º) Decenal INE Censos Alojamento segundo tipo de alojamento (%) Decenal INE Censos Alojamentos familiares clássicos (n.º) Decenal INE Censos Alojamentos familiares clássicos segundo a forma de ocupação Decenal INE Censos (%) Alojamentos familiares clássicos propriedade do ocupante (%) Decenal INE Censos Alojamentos clássicos arrendados ou sub-arrendados (%) Decenal INE Censos Divisões por alojamento familiar clássico de residência habitual Decenal INE Censos (n.º) Alojamentos familiares sem infra-estruturas básicas (%) Decenal INE Censos Alojamentos sobrelotados (%) Decenal INE Censos Alojamentos sublotados (%) Decenal INE Censos Edifícios clássicos (n.º) Decenal INE Censos Edifícios clássicos segundo o tipo de utilização (%) Decenal INE Censos Edifícios clássicos segundo a época de construção (%) Decenal INE Censos Edifícios segundo as necessidades de reparação (%) Decenal INE Censos Edifícios acessíveis a pessoas com mobilidade condicionada (%) Decenal INE Censos Habitação Social Bairros de habitação social, por freguesia (n.º) 2011 CML DCSH/DH Fogos de habitação social (n.º) 2011 CML DCSH/DH Habitação social por tipologia (n.º) 2011 CML DCSH/DH Habitação social disponível para ocupação segundo tipologia e 2011 CML DCSH/DH localização (n.º) Pedidos de habitação social segundo sexo, grupo etário e local 2011 CML DCSH/DH de residência (n.º) Pedidos de habitação social, segundo o tempo de espera (n.º) 2011 CML DCSH/DH Contratos de Renda Social ou Apoiada (n.º) 2011 CML DCSH/DH População residente em bairros municipais (n.º) 2011 CML DCSH/DH População residente em bairros municipais por grupos etários 2011 CML DCSH/DH (%) População residente em bairros municipais por condição perante 2011 CML DCSH/DH o trabalho (%) Renda média anual por tipologia de fogos nos bairros municipais ( ) 2011 CML DCSH/DH 1

2 2. ATUALIZAÇÃO QUALITATIVA DADOS QUALITATIVOS DIAGNÓSTICO SOCIAL 2010 PROBLEMAS / DADOS JUSTIFICATIVOS ÁREA TEMÁTICA DA HABITAÇÃO EXISTÊNCIA DE HABITAÇÕES PRECÁRIAS Existência de Habitações Precárias (Núcleos de barracas) Precariedade e legalidade das habitações Falta de condições habitacionais: número significativo de habitações sem retrete, esgotos, água e banho A identificação dos défices habitacionais tem sido abordada com base em vários critérios (carências habitacionais quantitativas e qualitativas), sendo as mais usuais as seguintes: existência de alojamentos não clássicos; famílias que residem em regime de ocupação partilhada; famílias a viverem em alojamentos sobrelotados; famílias a residirem em alojamentos degradados que necessitam de reparação. É possível, neste sentido, que os fogos mais degradados e que necessitam de significativas reparações, também incluam registos de ocupação partilhada e simultaneamente de sobrelotação, o que acaba por dificultar a contabilização real das carências habitacionais. Constata-se a permanência de alojamentos não clássicos (abarracados e outros) no concelho de Loures num total de 857 alojamentos familiares. Apenas 7,6% dos alojamentos familiares de residência habitual não possuem infraestruturas básicas. MERCADO DE ARRENDAMENTO E COMPRA MUITO ELEVADO Habitação jovem, a custos controlados, a construir em terreno municipal Habitação para a população não inscrita em PER Falta de Habitação Social e necessidade de habitação a custos controlados para jovens 2

3 Problema elencado pelas CSF/CSIF, mas para o qual não existem dados comprovativos. PARQUE HABITACIONAL DEGRADADO Degradação do Bairro Municipal Quinta da Vitória (Portela) Existência de habitação degradada Envelhecimento e degradação habitacional do centro histórico Melhoramento das habitações sociais Verifica-se que 73,6% dos edifícios clássicos foram construídos no período de 1960 a 1985; Cerca de 50% dos edifícios que constituem o Parque Habitacional do concelho, construídos antes de 1919 e até 2001, necessitam de obras de reparação, ou seja, edifícios têm grande e muito grande necessidade de reparação, sobretudo nas respetivas coberturas. EXISTÊNCIA DE BARREIRAS ARQUITECTÓNICAS Edificado público não acessível a pessoas com deficiência Fraca acessibilidade ao edificado público e privado Dos edifícios do concelho, 35% (9 731) não estão munidos de rampas de acesso, o que impossibilita a acessibilidade por quem tem limitação, sendo apenas 57,3% dos edifícios, acessíveis, mas sem rampas de acesso. EXISTÊNCIA DE HABITAÇÕES SOBRELOTADAS 63,8% dos alojamentos são ocupados pelos respetivos proprietários e 30,3% por arrendatários. Relativamente à lotação dos alojamentos: (46%) dos alojamentos contêm divisões em excesso (sublocados); (20,8%) dos alojamentos contêm divisões em falta (sobrelotados). Não existem, no entanto, dados desagregados à freguesia. EXISTÊNCIA DE AUGI Problema elencado pelas CSF/CSIF, mas para o qual não existem dados comprovativos. 3

4 3. PRIORIZAÇÃO DOS PROBLEMAS ÁREA TEMÁTICA: Habitação 1. Mercado de Arrendamento e compra muito elevado. HABITAÇÃO/CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE Mercado de arrendamento e compra muito elevado (3,3) Existência de habitações precárias (3,0) Existência de barreiras arquitetónicas (3,0) Parque habitacional degradado (2,9) Existência de habitações sobrelotadas (2,2) Existência de AUGI (2,2) Problemas Média Global Área Mercado de arrendamento e compra muito elevado 3,3 Habitação Problemas Identificados Mercado de arrendamento e compra muito elevado 1 Dificuldades de arrendamento por parte de famílias monoparentais; Dificuldades de arrendamento por parte de famílias carenciadas; Fatores associados ao problema Dificuldades de arrendamento por parte de famílias separadas; Dificuldade de arrendamento por parte de quem deseja constituir família; Precariedade das habitações para arrendar; Arrendamentos ilegais. Pistas de Intervenção Diagnóstico/estudo sobre o mercado e as condições de arrendamento; Divulgação dos programas da Câmara Municipal de Loures com respostas habitacionais. 1 Necessidade de refletir sobre a inclusão deste problema no PDS, pela falta de capacidade de intervenção da rede social a este nível. 4

5 4. IDENTIFICAÇÃO DE RECURSOS NESTA ÁREA TEMÁTICA A IDENTIFICAR PELO GRUPO A TRABALHAR A PRESENTE TEMÁTICA. 5. PROJETOS INSCRITOS EM PDS PARA RESPONDER AOS PROBLEMAS INDENTIFICADOS COMO PRIORITÁRIOS Não foram desenvolvidos projetos em PDS nesta Área Temática. 5

Estratégia Nacional para a Habitação

Estratégia Nacional para a Habitação Estratégia Nacional para a Habitação 8 de maio de 2015 Estrutura do Documento O diagnóstico As oportunidades A articulação com outras políticas A visão, os pilares e os desafios As medidas e iniciativas

Leia mais

3 Panorama da Habitação

3 Panorama da Habitação 3 Habitação... 45 3.1 Famílias Clássicas, Alojamentos Familiares e Edifícios por freguesia... 45 3.1.1 Rácios alojamentos familiares/edifícios e Famílias/Alojamentos familiares... 46 3.1.2 Taxa de variação

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

URBANIZAÇÃO DAS MATAS 3.ª FASE

URBANIZAÇÃO DAS MATAS 3.ª FASE URBANIZAÇÃO DAS MATAS 3.ª FASE Dossier de imprensa CARACTERIZAÇÃO Obra da IHM Investimentos Habitacionais da Madeira, E.P.E. (IHM, EPE), com apoio do Governo Regional, no âmbito da política social de habitação,

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa Uma Experiência em Realojamentos Sociais XXXI Programa Iberoamericano de Formación Municipal de la UCCI L i s b o a, 30 de Junho de 2009 Índice de Apresentação 00 Estrutura da

Leia mais

Bairro Ourives. Lotes A, B, C e D. Setembro de 2014

Bairro Ourives. Lotes A, B, C e D. Setembro de 2014 Bairro Ourives Lotes A, B, C e D Setembro de 2014 OBJETIVO Com o objetivo de dar continuidade às ações desenvolvidas no âmbito do PIPARU - Programa de Investimento Prioritário em Ações de Reabilitação

Leia mais

NOME MORADA TELEFONE TELEMÓVEL E-MAIL DATA DE NASCIMENTO / / NATURALIDADE NACIONALIDADE Nº DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO (BI/CC) DATA DE VALIDADE / /

NOME MORADA TELEFONE TELEMÓVEL E-MAIL DATA DE NASCIMENTO / / NATURALIDADE NACIONALIDADE Nº DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO (BI/CC) DATA DE VALIDADE / / Página 1 de 5 MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS - SERVIÇO DE INTERVENÇÃO SOCIAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A HABITAÇÃO MUNICIPAL Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vendas Novas 1 - IDENTIFICAÇÃO DO/A

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador SIMULADOR DE CLASSIFICAÇÃO DO PEDIDO DE HABITAÇÃO NO ÂMBITO DO REGULAMENTO DE REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO MUNICIPAL

Documento de Apoio ao Utilizador SIMULADOR DE CLASSIFICAÇÃO DO PEDIDO DE HABITAÇÃO NO ÂMBITO DO REGULAMENTO DE REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO MUNICIPAL Documento de Apoio ao Utilizador SIMULADOR DE CLASSIFICAÇÃO DO PEDIDO DE HABITAÇÃO NO ÂMBITO DO REGULAMENTO DE REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO MUNICIPAL Aconselha-se que, o munícipe leia este documento com

Leia mais

QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso)

QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso) QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso) Número * NOTA IMPORTANTE: A este questionário deve responder-se com a maior exactidão, pois a prestação de falsas declarações determinará a exclusão

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.2: Habitação o

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.2: Habitação o REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.2: Habitação Parte 3.2 Habitação Neste capítulo iremos abordar a temática da habitação procurando caracterizar a situação do concelho face a indicadores como

Leia mais

Diagnóstico Social Santa Maria Maior. Documento realizado para a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior

Diagnóstico Social Santa Maria Maior. Documento realizado para a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior Santa Maria Maior Documento realizado para a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior Abril de 2015 Ficha Técnica Equipa de Investigação: Maria Inês Amaro (coord.) Lúcia Manata Miriam Costa Com a participação

Leia mais

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006 Câmara Municipal Habitação Social no Município de LAGOS Programa Global de Realojamento de 56 Famílias 27 de Janeiro de 2006 I. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias Breve Enquadramento Metodológico

Leia mais

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal 21 de novembro de 2014 REGULAMENTO DO PROJETO MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE (Deliberação da CMA de 29.10.2014) (Deliberação da AMA de 13.11.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA CÂMARA

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 Caracterização da Habitação Social em Portugal 2011 18 de julho de 2012 Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 O número de fogos de habitação social em Portugal registou um aumento de

Leia mais

Rede Social de Lousada

Rede Social de Lousada Rede Social de Lousada Pré-Diagnóstico Social ENTIDADE PROMOTORA: Câmara Municipal de Lousada Divisão de Acção Social PROGRAMA CO-FINANCIADO POR: Ficha Técnica Rede Social de Lousada Pré-diagnóstico Social

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 313/XI CRIA O PROGRAMA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA E A BOLSA DE HABITAÇÃO PARA ARRENDAMENTO

PROJECTO DE LEI N.º 313/XI CRIA O PROGRAMA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA E A BOLSA DE HABITAÇÃO PARA ARRENDAMENTO Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 313/XI CRIA O PROGRAMA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA E A BOLSA DE HABITAÇÃO PARA ARRENDAMENTO Exposição de motivos Como bem expressam os estudos de apoio à elaboração

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA HABITAÇÃO JOVEM NOS CENTROS HISTÓRICOS

CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA HABITAÇÃO JOVEM NOS CENTROS HISTÓRICOS CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA HABITAÇÃO JOVEM NOS CENTROS HISTÓRICOS Tendo como objetivo a revitalização dos Centros Históricos e Núcleos de Formação Histórica, a Câmara Municipal de Oeiras tem vindo a

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /XI CRIA O PROGRAMA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA E A BOLSA DE HABITAÇÃO PARA ARRENDAMENTO

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /XI CRIA O PROGRAMA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA E A BOLSA DE HABITAÇÃO PARA ARRENDAMENTO Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /XI CRIA O PROGRAMA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA E A BOLSA DE HABITAÇÃO PARA ARRENDAMENTO Como bem expressam os estudos de apoio à elaboração do Plano Estratégico

Leia mais

Uma Nova Politica de Habitação. Contributos para uma Cidade DMH/DGSPH DEPGR. Câmara Municipal de Lisboa. Para uma Cidade Rejuvenescida

Uma Nova Politica de Habitação. Contributos para uma Cidade DMH/DGSPH DEPGR. Câmara Municipal de Lisboa. Para uma Cidade Rejuvenescida Uma Nova Politica de Habitação Contributos para uma Cidade Para uma Cidade Rejuvenescida Rejuvenescida Câmara Municipal de Lisboa DMH/DGSPH DEPGR Uma Nova Politica de Habitação Contributos para uma Cidade

Leia mais

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM Dossier de imprensa CARACTERIZAÇÃO O Bairro da Palmeira, construído no início da década de 80 para resolver situações de gravíssima carência habitacional de famílias do centro de Câmara de Lobos, sobretudo

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Preâmbulo De acordo com o disposto no artigo 64.º, n.º 4, alínea c) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

REVISÃO DO PDM DE RIBEIRA BRAVA ESTUDOS SECTORIAIS DINÂMICA EDIFICATÓRIA ÍNDICE

REVISÃO DO PDM DE RIBEIRA BRAVA ESTUDOS SECTORIAIS DINÂMICA EDIFICATÓRIA ÍNDICE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. FAMÍLIAS 5 3. ALOJAMENTOS 9 4. EDIFICIOS 21 5. INDICADORES DE EVOLUÇÃO 25 6. ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EDIFICADO NAS VÁRIAS CATEGORIAS DO SOLO 30 7. DIAGNÓSTICO 35 8. HABITAÇÃO SOCIAL

Leia mais

8. CONTEXTOS DE EXCLUSÃO: O CASO PARTICULAR DA HABITAÇÃO

8. CONTEXTOS DE EXCLUSÃO: O CASO PARTICULAR DA HABITAÇÃO Diagnóstico Social do Concelho de Arcos de Valdevez 8. CONTEXTOS DE EXCLUSÃO: O CASO PARTICULAR DA HABITAÇÃO Fotografia 8.1.: Aspecto de uma situação de precariedade habitacional no concelho de Arcos de

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Análise dos resultados do(s) workshops do sector de Habitação

Análise dos resultados do(s) workshops do sector de Habitação Habitação Análise dos resultados do(s) workshops do sector de Habitação No que à temática da habitação diz respeito, encontramos, entre os principais problemas referenciados nos workshops : Reabilitação;

Leia mais

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa Retrato da Cidade de Lisboa Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Pontos abordados na apresentação Análise de indicadores quantitativos - Peso do escalão etário dos 65+ - Índice de

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Alenquer

Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Alenquer A questão da habitação apresenta-se em Portugal como um dos mais pesados problemas herdados de um passado recente, marcado pela quase total ausência de políticas promotoras da qualidade de vida. Na verdade,

Leia mais

Bairro Dr. Alfredo Bensaúde. Novembro de 2014

Bairro Dr. Alfredo Bensaúde. Novembro de 2014 Bairro Dr. Alfredo Bensaúde Novembro de 2014 OBJETIVO Com o objetivo de dar continuidade às ações desenvolvidas no âmbito do PIPARU - Programa de Investimento Prioritário em Ações de Reabilitação Urbana

Leia mais

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE Candidatura ao Programa PROHABITA Programa GPS Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade Convenção Sou de Peniche 12 de Junho de 2009 DIVISÃO DE ACÇÃO SOCIOCULTURAL Sector

Leia mais

HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE

HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE (agosto de 2013) FREGUESIA DE ALCABIDECHE ABUXARDA O bairro da Abuxarda foi construído em 1999 no âmbito do Programa PER - Programa

Leia mais

Seminário sobre o Novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial

Seminário sobre o Novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial Seminário sobre o Novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial Porto, 13 de Julho de 2015 2 Estrutura do documento O diagnóstico As oportunidades A articulação com outras políticas A visão,

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Programa RENDA CONVENCIONADA? O programa renda convencionada tem como objeto o arrendamento de fogos municipais em bom estado de conservação ou a necessitar de pequenas reparações

Leia mais

RESULTADOS DEFINITIVOS

RESULTADOS DEFINITIVOS CENSOS 20 XV recenseamento geral da população V recenseamento geral da habitação RESULTADOS DEFINITIVOS REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Instituto Nacional de Estatística Statistics Portugal FICA TÉCNICA Título

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

Fundo de Apoio a Famílias

Fundo de Apoio a Famílias gari Fundo de Apoio a Famílias Formulário de Candidatura Identificação do Requerente: Freguesia: N.º de Processo: Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Informação de Caráter Confidencial Sexo

Leia mais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Preâmbulo Uma habitação condigna representa um dos vectores fundamentais para a qualidade de vida do ser humano, sendo,

Leia mais

INDIVÍDUOS. Freguesia

INDIVÍDUOS. Freguesia INDIVÍDUOS Total de Indivíduos Residentes, INE: Censos de 2011, CAOP 2013 Indivíduos Residentes Homens Mulheres Bucelas 4663 2243 2420 Fanhões 2801 1403 1398 Loures 26769 12787 13982 Lousa 3169 1511 1658

Leia mais

Regulamento Municipal do Fundo de Solidariedade Social para a Área da Habitação. Preâmbulo

Regulamento Municipal do Fundo de Solidariedade Social para a Área da Habitação. Preâmbulo Regulamento Municipal do Fundo de Solidariedade Social para a Área da Habitação Preâmbulo Considerando que no Município, um significativo estrato da população, quer por motivos culturais, quer por motivos

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança Parte 6.6.1 Caracterização da população toxicodependente no concelho de Bragança (Dados

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO Revitalização do parque habitacional dos Açores: Programas de apoio promovidos pelo Governo

Leia mais

A Reabilitação Urbana como Oportunidade de Negócio 12 de novembro. paulo.lobo@aiccopn.pt

A Reabilitação Urbana como Oportunidade de Negócio 12 de novembro. paulo.lobo@aiccopn.pt A Reabilitação Urbana como Oportunidade de Negócio 12 de novembro paulo.lobo@aiccopn.pt Setor da Construção e Imobiliário Peso na Economia FILEIRA COM MAIS EMPRESAS 200 MIL EMPRESAS: 97 MIL SOCIEDADES

Leia mais

Estas seriam isentas de contribuição predial ou qualquer outra taxa camarária, durante os primeiros dez anos do período de amortização.

Estas seriam isentas de contribuição predial ou qualquer outra taxa camarária, durante os primeiros dez anos do período de amortização. «CASAS ECONÓMICAS» Desde há muito que se ouve falar no conceito de casas económicas, mas nem sempre o cidadão comum percebe o que realmente são e em que contexto elas apareceram, e, o que tem a Caixa Geral

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Câmara Municipal de Vizela

Câmara Municipal de Vizela Proposta de Regulamento do Serviço de Oficina Domiciliaria Nota Justificativa Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (I.N.E.), de 31 de Dezembro de 2008, para o Concelho de Vizela, estima-se

Leia mais

11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes:

11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes: 11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes: Principal metrópole de Portugal e terceira maior da Península Ibérica; Aglomeração de funções, equipamentos e infra-estruturas de apoio à internacionalização;

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013 Estatísticas da Construção e Habitação 213 9 de julho de 214 Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 213 De acordo com as Estimativas do Parque Habitacional, em 213 existiam em Portugal

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

Apresentação Pública 14/2/2007

Apresentação Pública 14/2/2007 Reinventar um Processo Básico na AP Casa na Hora Apresentação Pública 14/2/2007 Patrocínio Antecedentes dos Processos Básicos 12 Abril 2005 Uma ideia adiada 11 Julho 2003 Fevereiro 2007 Casa na Hora 2

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. Telel. 263730900. Fax 263711 504. e-mau: peral@cm-alenauer.ot i1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA NO MUNICÍPIO DE ALENQUER Proposta da Câmara

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Diagnóstico Social Rede Social de Caminha

Diagnóstico Social Rede Social de Caminha Página 1 de 85 1 - ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE SIGLAS.. 3 ÍNDICE MAPAS... 4 ÍNDICE GRÁFICOS.. 5 ÍNDICE TABELAS.... 6 2 INTRODUÇÃO... 8 3 SUMÁRIO EXECUTIVO... 9 4 METODOLOGIA... 11 5 CAPÍTULOS POR PROBLEMÁTICAS...

Leia mais

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO Objetivos específicos (1) Desenvolver métodos e técnicas para a recuperação e adaptação (para uso habitacional) de edificações existentes desocupadas.

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013)

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013) Reabilitação Urbana na Cidade do Porto: Incentivos e Oportunidades 21 de março de 2013 Porto Vivo, SRU (2013) Rui Ferreira de Espinheira Quelhas 2 1 1900-13% 1950-40% 2000-46,6% 2010-50,6% 2050-69,6% População

Leia mais

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo Perfil de Saúde e Seus Determinantes António Tavares, Ph.D., M.D. Delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo Diretor do da ARSLVT, IP Fevereiro NOTA METODOLÓGICA Enquadramento Organização para

Leia mais

Território e Demografia

Território e Demografia Indicadores Sociais Moita Península de Setúbal Território e Demografia Concelho: Moita Território Superfície: 55,26 Km 2 Freguesias: 4 Distância Sede Concelho/Sede Distrito: Demografia População Residente:

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Censos 2011 Resultados Pré-definitivos Momento Censitário 21 de março 2011 03 de fevereiro de 2012 Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Cerca de 12 da população

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

Carta dos BIP/ZIP: Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa. Apresentação à CML de 17 Novembro 2010

Carta dos BIP/ZIP: Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa. Apresentação à CML de 17 Novembro 2010 Apresentação à CML de 17 Novembro 2010 BIP/ZIP Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa Carta BIP/ZIP Final Relatório da Consulta Pública Novembro de 2010 Apresentação à CML 17 Novembro 2010

Leia mais

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É?

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É? O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social. Enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

REDE SOCIAL DE MIRANDA DO CORVO

REDE SOCIAL DE MIRANDA DO CORVO REDE SOCIAL DE MIRANDA DO CORVO Núcleo Executivo da Câmara Municipal de Miranda do Corvo Centro Distrital de Segurança Social de Miranda do Corvo - Serviço Local DREC Ensino Recorrente e Educação Extra-escolar

Leia mais

Estudos de Caracterização

Estudos de Caracterização Estudos de Caracterização Relatório do Parque Habitacional e Dinâmicas Construtivas Junho de 2013 II.4.7 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 1. CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO HABITACIONAL...4 1.1. NÚMERO DE HABITANTES POR

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL Nº 42/2006 CRIA O PROGRAMA JOVENS AO CENTRO

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL Nº 42/2006 CRIA O PROGRAMA JOVENS AO CENTRO DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL Nº 42/2006 CRIA O PROGRAMA JOVENS AO CENTRO Considerando que hoje os jovens sentem grandes dificuldades para se autonomizarem das suas famílias; Considerando que uma sociedade

Leia mais

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Informação à Comunicação Social 3 de Fevereiro de 2000 TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Introdução Este estudo procura caracterizar as estruturas territoriais na Área Metropolitana

Leia mais

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA Paula Morais mail@paulamorais.pt O REGIME LEGAL DA REABILITAÇÃO URBANA Alguns aspectos da sua evolução Decreto Lei n.º 307/2009, de 27 de Outubro Decreto Lei n.º

Leia mais

Parque de habitação social em Portugal

Parque de habitação social em Portugal Caracterização da Habitação Social em Portugal 2012 31 de julho de 2013 Parque de habitação social em Portugal Em 2012 existiam cerca de 118 mil fogos de habitação social (-0,2% face a 2011) distribuídos

Leia mais

Moradia semi-nova T3 grande em zona calma - 962

Moradia semi-nova T3 grande em zona calma - 962 Moradia semi-nova T3 grande em zona calma - 962 Preço 500,00 Tipologia T3 Área útil 200 m² 1 Tipo de anúncio: Arrendamento Condição: Usado Características: Acessibilidade a pessoas com mobilidade condicionada.

Leia mais

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 5. PONTA DO SOL O concelho de Ponta do Sol foi fundado no início do século XVI, em consequência do elevado desenvolvimento económico resultante da actividade açucareira. Com uma área de 43,80 Km2 e uma

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS INDÍCE Preâmbulo 1 Artigo 1º Âmbito Artigo º Objecto Artigo º Tipos de apoios Artigo 4º Valor e modalidade de apoios económico

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral

Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral Uma sociedade envelhecida exige definição de medidas de politicas específicas, no contexto de uma politica socialmente global,

Leia mais

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 Maria Júlia Ferreira 2 Resumo: Palavras-chave Estratégias habitacionais; territórios residenciais;

Leia mais

Diagnóstico Social do Concelho de Santarém 2014/2017

Diagnóstico Social do Concelho de Santarém 2014/2017 Diagnóstico Social do Concelho de 2014/2017 FICHA TÉCNICA Diagnóstico Social do Concelho de Dezembro 2013 Coordenação Divisão de Ação Social e Saúde / Câmara Municipal de Núcleo Executivo do CLASS ACES

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4)

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº XXX VÁLIDO ATÉ AAAA/MM/DD Contactos para resposta

Leia mais

Diagnóstico Social. Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima

Diagnóstico Social. Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima Diagnóstico Social Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima 2013 I ÍNDICE I INDICE... 2 II INTRODUÇÃO... 8 III METODOLOGIA... 11 IV ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO... 13 V CAPÍTULOS POR PROBLEMÁTICAS...

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

SESSÕES TÉCNICAS DE ESCLARECIMENTO Sobre o Novo Regime de Arrendamento Apoiado

SESSÕES TÉCNICAS DE ESCLARECIMENTO Sobre o Novo Regime de Arrendamento Apoiado SESSÕES TÉCNICAS DE ESCLARECIMENTO Sobre o Novo Regime de Arrendamento Apoiado Março e Abril de 2015 Índice da apresentação 2 1. BREVE HISTORIAL DAS RENDAS SOCIAIS Os regimes de renda do Estado Novo O

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÓMICA DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL CONCELHO DE VALONGO

CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÓMICA DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL CONCELHO DE VALONGO CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÓMICA DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL CONCELHO DE VALONGO FICHA TÉCNICA Título: Caracterização Socio-económica da População Residente nos Empreendimentos

Leia mais

PROTOCOLO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS E A MATOSINHOSHABIT - MH

PROTOCOLO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS E A MATOSINHOSHABIT - MH PROTOCOLO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS E A MATOSINHOSHABIT - MH Considerando que na sequência das deliberações da Câmara Municipal e Assembleia Municipal, de acordo com o n.º1 do artº

Leia mais

Gabinete da Provedoria

Gabinete da Provedoria Gabinete da Provedoria Objetivos Gerais Objetivos Atividades/Tarefas Recursos Humanos Específicos Contribuir para tornar a Lousã Acessível Promover a Integração Divulgar o Trabalho do Gabinete da Provedoria

Leia mais