Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal"

Transcrição

1 Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

2 Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e /07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros: - Livro Diário/Razão (RIR/1999 e NCC 2002) - Livro de Entradas (RIR/1999) - Livro de Saídas (Legislação do Estado e Convênios SINIEF) - Livro de Registro de Inventário (RIR/1999) - Livro de Apuração do ICMS (Legislação Estadual e Convênios SINIEF) - Livro de Apuração do Lucro Real (RIR/1999)

3 Livros Contábeis e Fiscais Em alguns estados a legislação admite, em substituição aos livros, a entrega dos arquivos de SPED Fiscal e/ou SPED Contábil. O CISSPoder disponibiliza os seguintes livros: -Livro Caixa -Livro Diário/Razão -Livro de Entradas P1/A -Livro de Saídas P2/A -Livro Inventário de Estoque -Livro de Apuração do CIAP Modelo C

4 Conferência de Livros É recomendável que todas as empresas adotem um procedimento periódico de conferência dos livros fiscais, tendo em vista manter as informações organizadas e corretas para os fechamentos mensais.

5 Conferência de Livros Livro de Entradas Ao conferir o Livro de Entradas, deve-se verificar principalmente: -Os dados do documento lançado, UF do fornecedor, CFOPs, números de documentos, etc. -Os valores totais das notas, bases de cálculo e valores de impostos; -Se não existem créditos em CFOPs com suspensão;

6 Conferência de Livros Livro de Saídas Ao conferir o Livro de Saídas, deve-se verificar principalmente: -Os dados dos documentos lançados, UF do fornecedor, CFOPs, números de documentos, etc. -Os valores contábeis, bases de cálculo e valores de impostos; -Os resumos diários das ECFs; -Existência de notas sem destaque devido de impostos.

7 Livro Apuração de CIAP Conferência de Livros A conferência do CIAP deve contemplar a verificação dos bens geradores de crédito e a questão da proporcionalidade à receita tributada (de acordo com a legislação de cada estado).

8 Conferência de Livros Livro Inventário de Estoque É de suma importância que haja conferência periódica, não só do livro, mas também do saldo físico de estoque, com vistas a: -Corrigir eventuais saldos negativos; -Ajustar o saldo do sistema ao saldo físico; -Lançar e contabilizar as perdas operacionais; -Conferir a consistência dos custos (médios);

9 Conferência de Livros Conferência de PIS e COFINS Apesar de não ser um livro, e não ter sua existência instituída na legislação, é importante também conferir as movimentações que geram créditos e débitos de PIS e COFINS. Recomenda-se a utilização do relatório 636 para conferência sintética, e do relatório 637 para conferência analítica.

10 Apuração de Impostos ICMS (Relatório ) O valor apurado de ICMS será informado no bloco E do SPED Fiscal, configurando registro obrigatório. É fortemente recomendada a conferência prévia dos livros e mapas ECF antes da geração/gravação da apuração de ICMS. Caso a empresa aproveite os créditos referentes a ativos imobilizados, é necessário fazer também a apuração de CIAP antes da apuração do ICMS.

11 Apuração de Impostos PIS/COFINS (Controladoria) O valor apurado de PIS e COFINS será informado no bloco M do SPED Contribuições, configurando registro obrigatório. Recomenda-se o processamento das movimentações, quando solicitado. É também sugerido a gravação dos movimentos financeiros e contábeis.

12 Controladoria Contábil Na controladoria contábil serão conferidos os Livros Razão e Diário e o Balancete, poderão ainda ser efetuados ajustes de lançamentos. Mensalmente deverá ser feita a apuração do CMV para que haja consistência nos números apresentados pelo Demonstrativo de Resultados. Por fim, poder-se-á gravar o LALUR e consultar o Balanço Patrimonial.

13 Controladoria Contábil Balancete O balancete ou balancete de verificação é um relatório útil na conferência das entradas, saídas e saldo de contas contábeis. Apresenta as informações por período, sendo de fácil compreensão e comparabilidade. Aliado ao método das partidas dobradas, o balancete dará uma ideia das possíveis distorções em lançamentos.

14 Controladoria Contábil Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Instituída pelo Art. 176 da Lei 6.404/76, a DRE evidenciará as movimentações das contas de resultado. Muito utilizada gerencialmente para comparar os resultados de diferentes períodos, analisar a evolução do faturamento, das despesas e do lucro contábil. Obs: Regime de competência.

15 Controladoria Contábil Livro de Apuração do Lucro Real LALUR Instituído pelo Decreto-Lei 1598/77, o LALUR é uma demonstração exclusivamente do regime não cumulativo, e evidencia a apuração do lucro fiscal da empresa. É composto por duas partes: Parte A: Destinada ao ajuste do lucro líquido (adições, exclusões e compensações). Parte B: Destinada ao controle de valores que não constem da escrituração comercial, mas que interfiram na apuração em períodos futuros.

16 Balanço Patrimonial Controladoria Contábil Instituído pelo Art. 176 da Lei 6.404/76 e alterado pela Lei /07, o balanço é uma fotografia da posição patrimonial da empresa. Evidencia todos os bens e direitos, à esquerda, e todas as obrigações com terceiros (e com sócios) à direita.

17 Controladoria Contábil Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados (DLPA) Instituída pelo Art. 176 da Lei 6.404/76, a DLPA evidenciará as movimentações no Patrimônio Líquido da empresa, referentes ao período consultado. A DPLA é obrigatória somente para empresas do Lucro Real, regime não cumulativo, de acordo com a mesma legislação.

18 Controladoria Contábil! Parte Prática: -Conferência de Livros -Apuração de CIAP -Apuração de impostos sobre faturamento -Conferência de balancete -Apuração de CMV -Demonstração de Resultados -LALUR -Balanço Patrimonial

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal - ECF

Escrituração Contábil Fiscal - ECF EMPRESAS LUCRO REAL As empresas que são tributadas pelo Lucro Real, pagam o IRPJ e a CSLL com base no lucro obtido em sua contabilidade, ajustado de receitas e despesas que não devem ser consideradas,

Leia mais

Como conferir o saldo credor de PIS e COFINS para utilizar em períodos futuros no EFD Contribuições?

Como conferir o saldo credor de PIS e COFINS para utilizar em períodos futuros no EFD Contribuições? Como conferir o saldo credor de PIS e COFINS para utilizar em períodos futuros no EFD Contribuições? É comum gerar dúvidas quanto ao valor do Saldo Credor de PIS e COFINS que é demonstrado no relatório

Leia mais

Funções contábeis: Técnicas contábeis: Campo de aplicação: Classificação geral: Áreas de atuação da contabilidade:

Funções contábeis: Técnicas contábeis: Campo de aplicação: Classificação geral: Áreas de atuação da contabilidade: Síntese Contábil Contabilidade: Contabilidade é a ciência que se ocupa do registro, por meio de técnicas próprias, dos atos e fatos da administração das entidades econômicofinanceiras, que possam ser

Leia mais

Como conferir o saldo credor de PIS e COFINS para utilizar em períodos futuros no EFD Contribuições?

Como conferir o saldo credor de PIS e COFINS para utilizar em períodos futuros no EFD Contribuições? Como conferir o saldo credor de PIS e COFINS para utilizar em períodos futuros no EFD Contribuições? É comum gerar dúvidas quanto ao valor do Saldo Credor de PIS e COFINS que é demonstrado no relatório

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

TUTORIAL Lucro Real BLOCO K

TUTORIAL Lucro Real BLOCO K TUTORIAL Lucro Real BLOCO K ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Para gerar o Bloco K e seus registros automaticamente, primeiro é necessário verificar a qualificação da pessoa jurídica que está selecionada

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de Planejamento Tributário Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 A constituição de Fundos de Investimentos Mobiliário é uma alternativa interessante

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003)

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) EVOLUÇÃO Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) Art. 37 da Constituição Federal... XXII as administrações tributárias da União dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,... e autuarão de forma

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 3 Área Administrativa e Financeira 7 Contabilidade 02 Fechamento e Relatórios Contábeis 01 Gestão

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal - Cadastro de Departamentos - Cadastro de COIs - Cadastro de Grupos de Patrimônios - Cadastro de Situação de Patrimônios - Cadastro de Localização de Patrimônios

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 19 CAPÍTULO I ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE... 21 1. Conceito de contabilidade... 21 2. Objeto... 22 3. Campo de aplicação... 23 4. Objetivos... 23 5.

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Sistema Fiscal. Integração via Chave de Acesso XML. Menu

Sistema Fiscal. Integração via Chave de Acesso XML. Menu Soluções Sistema Fiscal Integração via Chave de Acesso XML Sistema Fiscal Importação de XML em Lote Sistema Fiscal Integração via Portal XML-e Sistema Fiscal Mapa de Apuração / Fechamento Tratamento por

Leia mais

FORTES FISCAL ECONTÁBIL ECF LUCRO PRESUMIDO

FORTES FISCAL ECONTÁBIL ECF LUCRO PRESUMIDO FORTES FISCAL ECONTÁBIL ECF LUCRO PRESUMIDO Esse manual tem o objetivo de demonstrar como será realizada a geração da ECF de uma empresa optante pelo Lucro presumido no Fortes Fiscal. O que é a ECF? A

Leia mais

INFORMATIVO NÚMERO 048 SETEMBRO DE Informativo Mensal. Página 1 de 14

INFORMATIVO NÚMERO 048 SETEMBRO DE Informativo Mensal. Página 1 de 14 NÚMERO 048 SETEMBRO DE 2015 INFORMATIVO Página 1 de 14 ÍNDICE 1.... 3 1.1 SPED ECF... 3 1.1.1 LALUR/LACS... 3 1.1.2 BLOCO K... 3 1.1.3 BLOCO M... 4 1.1.4 BLOCO N... 4 1.1.5 APURAÇÃO IRPJ/CSLL... 4 2. NOTAS

Leia mais

FORTES CONTÁBIL E FISCAL ECF LUCRO REAL

FORTES CONTÁBIL E FISCAL ECF LUCRO REAL FORTES CONTÁBIL E FISCAL ECF LUCRO REAL Esse manual tem o objetivo de demonstrar como será realizada a geração da ECF de uma empresa optante pelo Lucro Real no Fortes Contábil. O que é a ECF? A Escrituração

Leia mais

OBS: Lucros Acumulados Prejuízos Acumulados Lucro do Período Prejuízo do Período OBS:

OBS: Lucros Acumulados Prejuízos Acumulados Lucro do Período Prejuízo do Período OBS: Erro SPED Contábil - Registro J210 - "A soma dos fatos contábeis (somatório do campo 03 dos registros J215 filhos) deve ser igual ao saldo final do código de aglutinação (campo 04 do registro J210) mais

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) O que é ECF? Escrituração Contábil Fiscal - (ECF) é uma obrigação imposta às Pessoas Jurídicas estabelecidas no Brasil exigidas pela RFB que substituiu a Declaração

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara X DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2017 Questões de Contabilidade Empresarial I Prof. Lauri Fries Questão nº 01 A Lei 6404/76 nos seus artigos 178º a 182º estabelece as condições para a

Leia mais

CÂMARA JAPONESA. Escrituração Contábil Fiscal (ECF IRPJ) Ricardo Bonfá Novembro 2014

CÂMARA JAPONESA. Escrituração Contábil Fiscal (ECF IRPJ) Ricardo Bonfá Novembro 2014 CÂMARA JAPONESA Escrituração Contábil Fiscal (ECF IRPJ) Ricardo Bonfá rjesus@kpmg.com.br Novembro 2014 Conteúdo Conteúdo O que é a ECF? 4 Fontes de informação 8 Desafios 9 Penalidades 11 2 O que é a ECF?

Leia mais

Sumário. Apresentação à 17ª Edição, XIII. Apresentação, XV. Parte I Ensino Focado no Usuário, 1

Sumário. Apresentação à 17ª Edição, XIII. Apresentação, XV. Parte I Ensino Focado no Usuário, 1 Sumário Apresentação à 17ª Edição, XIII Apresentação, XV Parte I Ensino Focado no Usuário, 1 1 A CONTABILIDADE E O CONTADOR, 3 1.1 Tomada de decisão, 3 1.2 Função do contador, 5 1.3 Objetivos da contabilidade,

Leia mais

Controladoria. Gestão contábil, fiscal e patrimonial SOLUÇÕES WK. Controladoria. Apuração de Impostos e as mais diversas obrigações acessórias.

Controladoria. Gestão contábil, fiscal e patrimonial SOLUÇÕES WK. Controladoria. Apuração de Impostos e as mais diversas obrigações acessórias. SOLUÇÕES WK Controladoria Gestão contábil, fiscal e patrimonial As Soluções WK para Gestão Contábil e Fiscal integram processos e informações de forma automatizada e de acordo com as normas Fiscais e das

Leia mais

OM Contabilidade Ltda Portfólio Corporativo, Brasil, 2016

OM Contabilidade Ltda Portfólio Corporativo, Brasil, 2016 OM Contabilidade Ltda Portfólio Corporativo, Brasil, 2016 Perfil e Histórico Empresa estabelecida no Rio de janeiro com mais de 25 anos de experiência no cenário financeiro brasileiro e na contabilidade

Leia mais

SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF) SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Este tutorial destina-se a empresas de Regime Lucro Real. A exportação para o SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF) no Sistema LedWin, deverá ser feita da seguinte

Leia mais

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 1. Uma empresa apurou em determinado período trimestral de 2003 um Lucro Real de R$ 27.000,00. As adições eram de R$ 5.000,00 e as exclusões de R$ 3.000,00. No Patrimônio

Leia mais

Como antecipar riscos através do cruzamentos de arquivos digitais?

Como antecipar riscos através do cruzamentos de arquivos digitais? Como antecipar riscos através do cruzamentos de arquivos digitais? Contexto Tributário Brasileiro A evolução da administração pública em gerir tributos UNIVERSO EMPRESARIAL* + de 4 MI Formais + de 2 MI

Leia mais

Sumário. 1. Atos e fatos administrativos Fatos permutativos ou compensativos Fatos modificativos Fatos mistos...

Sumário. 1. Atos e fatos administrativos Fatos permutativos ou compensativos Fatos modificativos Fatos mistos... Sumário Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 15 1. CONCEITO... 15 2. TÉCNICAS CONTÁBEIS... 15 2.1. Escrituração... 16 2.2. Demonstrações contábeis... 16 2.3. Análise de balanços... 16 2.4.

Leia mais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais Objetivos do Workshop 1 Conhecer e Atualizar os Conhecimentos acerca da Legislação Tributária e Fiscal Vigente 2 Adotar Procedimentos

Leia mais

Sumário. Capítulo Conceito Bens Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Estados Patrimoniais...

Sumário. Capítulo Conceito Bens Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Estados Patrimoniais... Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

Título: Como considerar os juros, multas e outras como receita financeira para o cálculo dos impostos PIS e COFINS?

Título: Como considerar os juros, multas e outras como receita financeira para o cálculo dos impostos PIS e COFINS? Título: Como considerar os juros, multas e outras como receita financeira para o cálculo dos impostos PIS e COFINS? 1 PARÂMETROS EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Clique no

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Manual de Plano de Contas do LALUR

Manual de Plano de Contas do LALUR Manual de Plano de Contas do LALUR Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo

Leia mais

Índice. Introdução...7. Capítulo Introdução a Contabilidade A Importância da Contabilidade O Patrimônio...

Índice. Introdução...7. Capítulo Introdução a Contabilidade A Importância da Contabilidade O Patrimônio... Contábil - MÓDULO 1 Índice Introdução...7 Capítulo 1...9 1.1 Introdução a Contabilidade...10 1.1.1 A Importância da Contabilidade...11 1.1.2 O Patrimônio...12 1.1.3 Aspecto qualitativo e quantitativo do

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes Curso de Contabilidade Básica Professor André Gomes Dispuseste todas as coisas, com peso, número e medida Livro da sabedoria, XI,21 CONCEITO Contabilidade é a ciência que estuda o patrimônio do ponto de

Leia mais

Em termos práticos, no Programa Validador e Assinador da entrada de dados do FCONT, devem ser informados os lançamentos que:

Em termos práticos, no Programa Validador e Assinador da entrada de dados do FCONT, devem ser informados os lançamentos que: FCONT Calendário 2010 1 Introdução Conforme disciplina da Instrução Normativa RFB nº 949/09, O FCONT é uma escrituração das contas patrimoniais e de resultado, em partidas dobradas, que considera os métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELAINE FERREIRA NOLAÇO ANÁPOLIS 2012 Lucro arbitrado ou presumido Lucro arbitrado é uma forma

Leia mais

2º Encontro de Usuários PW.SATI. Rio de Janeiro

2º Encontro de Usuários PW.SATI. Rio de Janeiro 2º Encontro de Usuários PW.SATI março de 10 Rio de Janeiro SPED Fiscal Bloco G VIGÊNCIA: Julho/2010 - ENTREGA: Agosto/2010 PREMISSAS: ERP SAP: Informações adicionais de Ativo (ZLFR062) Já disponível Plano

Leia mais

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9.

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9. Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Comercial I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira ESTADO DE MATO GROSSO Resolução de Atividades Extra: Lançamentos no Diário: 1 D: Compra de Mercadorias

Leia mais

SPED PIS/COFINS e Cordilheira Software Contábil

SPED PIS/COFINS e Cordilheira Software Contábil SPED PIS/COFINS e Cordilheira Software Contábil Bloco 0 Abertura do arquivo Operações de serviços Bloco A Operações de CTRC e outros serviços com ICMS Apuração dos valores dos impostos Fechamento do arquivo

Leia mais

Título: Como realizar a contabilização em SCP - Sociedades em Conta de Participação?

Título: Como realizar a contabilização em SCP - Sociedades em Conta de Participação? Título: Como realizar a contabilização em SCP - Sociedades em Conta de Participação? 1 PARÂMETROS EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Na guia GERAL, opção DEFINIÇÕES, no quadro

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade III CONTABILIDADE Objetivos Praticar os conceitos até aqui discutidos. Enxergar a aplicação da legislação vigente na prática. Exercício completo Vimos em unidades anteriores

Leia mais

Instrução Normativa nº 1.397/13: normas a serem observadas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao Regime Tributário de Transição.

Instrução Normativa nº 1.397/13: normas a serem observadas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao Regime Tributário de Transição. Tributário Instrução Normativa nº 1.397/13: normas a serem observadas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao Regime Tributário de Transição. Luciana I. Lira Aguiar * Foi publicada em 17 de setembro de 2013

Leia mais

Como configurar PIS e COFINS para cálculo de bebidas frias conforme art. 30, Decreto ?

Como configurar PIS e COFINS para cálculo de bebidas frias conforme art. 30, Decreto ? Como configurar PIS e COFINS para cálculo de bebidas frias conforme art. 30, Decreto 8.442-2015? Através desta solução, será possível configurar o cadastro de produtos para calcular os impostos PIS e COFINS,

Leia mais

GERAÇÃO DA ECF NO ERP SOLUTION

GERAÇÃO DA ECF NO ERP SOLUTION Carine Lena 21/08/2015 008.016.028 1/14 GERAÇÃO DA ECF NO ERP SOLUTION Sumário 1. Plano de Contas referencial... 2 2. Geração do SPED ECF no ERP Solution... 6 3. Importação do arquivo no validador... 10

Leia mais

Título: Configurando a empresa para calcular o PIS e COFINS Não Cumulativo por Código de Recolhimento.

Título: Configurando a empresa para calcular o PIS e COFINS Não Cumulativo por Código de Recolhimento. Título: Configurando a empresa para calcular o PIS e COFINS Não Cumulativo por Código de Recolhimento. Os impostos '140 PIS Não Cumulativo Código de Recolhimento e 141 COFINS Não Cumulativo Código de Recolhimento,

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CADERNO DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CADERNO DE EXERCÍCIOS Caderno de Exercícios de Contabilidade Tributária elaborado pelo Prof. Marcelo Gabriel, organização e diagramação feita pelo Prof. Olair Ferreira Nunes Marcelo

Leia mais

Blocos de composição da ECF

Blocos de composição da ECF Blocos de composição da ECF Bloco 0 - Abertura e Identificação Descrição do Bloco: Abre o arquivo, identifica a pessoa jurídica e referencia o período da ECF. Registro 0000: Abertura do Arquivo Digital

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

Sistema Público de. Próximos passos. São Paulo, 15 de julho de 2010.

Sistema Público de. Próximos passos. São Paulo, 15 de julho de 2010. Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Próximos passos São Paulo, 15 de julho de 2010. NOVOS PROJETOS AGENDA e-ciap (Bloco G do SPED Fiscal) e-lalur e FCONT SPED Fiscal de PIS e Cofins e-fopag

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

Manual de geração do Arquivo para o Sped ECF Escrituração Contábil Fiscal. Introdução

Manual de geração do Arquivo para o Sped ECF Escrituração Contábil Fiscal. Introdução Manual de geração do Arquivo para o Sped ECF Escrituração Contábil Fiscal Introdução A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substitui a Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ),

Leia mais

rios (a partir de 2008) Setembro 2009

rios (a partir de 2008) Setembro 2009 Inovação das Práticas Contábeis e Efeitos Tributários rios (a partir de 2008) Setembro 2009 LEI 11.941/2009 MP - Medida Provisória nº. 449 de 03.12.2008 Convertida na Lei nº 11.941, de 27.05.2009 Altera

Leia mais

Manual de Ativo Imobilizado

Manual de Ativo Imobilizado Manual de Ativo Imobilizado Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo de

Leia mais

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 Sumário Prefácio à Décima Edição, xxi Prefácio à Nona Edição, xxiii Prefácio à Oitava Edição, xxv Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 1.1 Objetivo e definição

Leia mais

SPED na Prá*ca. Caso Verdemar. Carlos Furia*

SPED na Prá*ca. Caso Verdemar. Carlos Furia* SPED na Prá*ca Caso Verdemar Carlos Furia* Apresentação Verdemar Contexto SPED Preparação Organizacional para sua Implantação O SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) passa a exigir das organizações

Leia mais

SPED PIS/Cofins. Escrita Fiscal Tutorial

SPED PIS/Cofins. Escrita Fiscal Tutorial 1 SPED PIS/Cofins Conforme Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010 (D.O.U. 7.7.2010), que institui a Escrituração Fiscal Digital do PIS/Pasep e da Cofins - EFD-PIS/Cofins (Alterada pela

Leia mais

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu

Leia mais

e-lalur: Empresas do Lucro Real

e-lalur: Empresas do Lucro Real e-lalur: Empresas do Lucro Real 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu Lucro Contábil do Período...

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

Título: Como configurar o sistema para utilizar o crédito de PIS e COFINS após o término do prazo decadencial?

Título: Como configurar o sistema para utilizar o crédito de PIS e COFINS após o término do prazo decadencial? Título: Como configurar o sistema para utilizar o crédito de PIS e COFINS após o término do prazo decadencial? 1 PARÂMETROS; 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Na guia GERAL, clique

Leia mais

FCONT- Controle Fiscal Contábil de Escrituração. Controladoria 2 CTB/ATF Novembro de 2009

FCONT- Controle Fiscal Contábil de Escrituração. Controladoria 2 CTB/ATF Novembro de 2009 1 FCONT- Controle Fiscal Contábil de Escrituração Controladoria 2 CTB/ATF Novembro de 2009 2 FCONT- Controle Fiscal Contábil de Transição ÍNDICE I) Regime Tributário de Transição - RTT II) FCONT Controle

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos 1) A Cia. Investidora adquiriu por $ 72.000, em 31-12-1, 60% das ações da Cia. Investida, cujo patrimônio líquido nessa data era de $ 120.000. Em 31-12-2, a Cia. Investida apurou

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara X DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2017 Questões de Contabilidade Internacional Prof. Oscar Scherer QUESTÃO 01 Uma Sociedade Empresária, no seu Balanço Patrimonial em 1º.1.2016, possui

Leia mais

13/06/2016 SPED ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL NOVIDADES Prof. Fellipe Guerra Ceará, 10 de Junho de 2016.

13/06/2016 SPED ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL NOVIDADES Prof. Fellipe Guerra Ceará, 10 de Junho de 2016. SPED ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL NOVIDADES 2016 Prof. Fellipe Guerra Ceará, 10 de Junho de 2016. 1 2 3 1.218.088 CONTABILIDADE NO BRASIL Lei 6.404/1976 Lei 12.973/2014 Decreto Lei 1.598/1977 Lei 11.941/2009

Leia mais

Maio/2017. MAPA ETÉCNICO FISCAL - facebook/mapaetecnicofiscal

Maio/2017. MAPA ETÉCNICO FISCAL  - facebook/mapaetecnicofiscal Maio/2017 Lei 11.638 28/12/07 CPC Lei 11.941 28/05/09 RTT IN RFB IN RFB LEI IN RFB 1.397 1.422 12.973 1.700 17/09/13 20/12/13 14/05/14 14/03/17 RTT ECF FIM RTT Lei 12.973/15 A Escrituração Contábil Fiscal

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

Neste bip. Como atualizar as tabelas no SEFIP? Você Sabia? Edição 71 Julho de 2016

Neste bip. Como atualizar as tabelas no SEFIP? Você Sabia? Edição 71 Julho de 2016 Neste bip Como atualizar as tabelas no SEFIP... 1 Depreciação... 2 Empresas Imunes e Isentas... 3 Notas explicativas... 3 Você Sabia? Como atualizar as tabelas no SEFIP? No nosso site de documentação on-line

Leia mais

Título: Como considerar descontos obtidos como receita financeira para cálculo do PIS e COFINS?

Título: Como considerar descontos obtidos como receita financeira para cálculo do PIS e COFINS? Título: Como considerar descontos obtidos como receita financeira para cálculo do PIS e COFINS? 1- PARÂMETROS 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Na guia GERAL, opção IMPOSTOS, verifique

Leia mais

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas Unidade IV Unidade IV 4 PARTIDAS DOBRADAS DÉBITO E CRÉDITO Método das partidas dobradas Em qualquer operação há um débito e um crédito de igual valor ou um débito (ou mais débitos) de valor idêntico a

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

FORTES FISCAL INVENTÁRIO

FORTES FISCAL INVENTÁRIO FORTES FISCAL INVENTÁRIO Esse manual tem por objetivo demonstrar as formas de inclusão do inventário no Fortes Fiscal, bem como a geração do mesmo no arquivo SPED Fiscal. Atualmente existem existem três

Leia mais

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE 2 SUMÁRIO. INTRODUÇÃO... 3 2. CRIANDO UMA NOVA DRE... 4 3. CONFIGURANDO UMA DRE... 5 4. VINCULANDO UMA CONTA DO BALANCETE/PLANO

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14 21/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Perguntas RFB... 3 2.2. Artigo Portal Tributário... 4 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Manual SPED...

Leia mais

Informativo Mensal NÚMERO 052 JANEIRO DE 2016 INFORMATIVO. Página 1 de 19. Copyright - Todos os direitos reservados R&D Research & Development

Informativo Mensal NÚMERO 052 JANEIRO DE 2016 INFORMATIVO. Página 1 de 19. Copyright - Todos os direitos reservados R&D Research & Development NÚMERO 052 JANEIRO DE 2016 INFORMATIVO Página 1 de 19 ÍNDICE 1.... 3 1.1 SPED FISCAL... 3 1.1.1 Bloco C... 3 1.1.2 Bloco D... 5 1.1.3 Tela Associação dos Ajustes... 7 1.1.4 Bloco E... 8 1.1.5 Bloco 0...

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17

SUMÁRIO. Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17 SUMÁRIO Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17 1. CONCEITO... 17 2. TÉCNICAS CONTÁBEIS... 18 2.1. Escrituração... 18 2.2. Demonstrações contábeis... 18 2.3. Análise de balanços... 18 2.4.

Leia mais

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu

Leia mais

SPED CONTÁBIL PREENCHIMENTO

SPED CONTÁBIL PREENCHIMENTO SPED CONTÁBIL PREENCHIMENTO Registro 0000 - Abertura do Arquivo Digital e Identificação do Empresário ou da Sociedade Empresária O registro 0000 é o registro de abertura do arquivo digital onde levará

Leia mais

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Auditoria Contábil Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Financeiro A auditoria desta área tem como objetivo geral verificar se os controles financeiros adotados pela empresa são

Leia mais

PEPC 2016 CAPACITADORA: 100 % AUDIT (PE-00028) CONTATO: EPC Auditores QTG BCB SUSEP. EPC Responsável Técnico.

PEPC 2016 CAPACITADORA: 100 % AUDIT (PE-00028) CONTATO: EPC Auditores QTG BCB SUSEP. EPC Responsável Técnico. CAPACITADORA: 100 % AUDIT (PE-00028) CONTATO: 3242-2406 COACH CONTÁBIL PE-01023 40h 40 40 40 0 CAPACITADORA: 4M TREINAMENTOS EMPRESARIAIS E ASESSORIA (PE-00022) CONTATO: 3465.7495 CREDITOS PIS/PASEP E

Leia mais

EDINO RIBEIRO GARCIA Contador, bacharel em direito, especialista em tributos diretos, contribuições para o PIS-Cofins e legislação societária,

EDINO RIBEIRO GARCIA Contador, bacharel em direito, especialista em tributos diretos, contribuições para o PIS-Cofins e legislação societária, EDINO RIBEIRO GARCIA Contador, bacharel em direito, especialista em tributos diretos, contribuições para o PIS-Cofins e legislação societária, professor e palestrante. Coautor de livros das áreas contábil

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004

CONTABILIDADE GERAL. Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004 CONTABILIDADE GERAL Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004 01. A Firma Varejista Ltda. efetuou as seguintes transações: Compra de máquinas por R$ 5.000,00, pagando entrada

Leia mais

ECF (Escrituração Contábil / Fiscal) x Saldo Negativo IRPJ/CSLL

ECF (Escrituração Contábil / Fiscal) x Saldo Negativo IRPJ/CSLL ECF (Escrituração Contábil / Fiscal) x Saldo Negativo IRPJ/CSLL 1. Da formação do Saldo Negativo. O saldo negativo de IRPJ e CSLL é formado quando, ao final do ano-calendário, a pessoa jurídica, apurar

Leia mais

PLANO DE ENSINO

PLANO DE ENSINO Fundamentos de Contabilidade Módulo A Ementa da disciplina: Conteúdo: Bibliografia Básica: Bibliografia Complementar: PLANO DE ENSINO 2015-1 Carga Horária: 100 h Introdução à Contabilidade, com o desenvolvimento

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa com Sociedade em Conta de Participação?

Título: Como configurar uma empresa com Sociedade em Conta de Participação? Título: Como configurar uma empresa com Sociedade em Conta de Participação? 1 PARÂMETROS EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Clique no botão [Nova Vigência]; 1.3 Na guia GERAL,

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Introdução A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substitui a Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ), a partir do ano-calendário 2014, com

Leia mais

Atualização/2017 6ª Edição A Reprodução deste material fica proibida sem o expresso consentimento da autora.

Atualização/2017 6ª Edição A Reprodução deste material fica proibida sem o expresso consentimento da autora. SORAIA CLEMENTE DE JESUS Contadora, Consultora, MBA em Gestão Estratégica de Negócios, Instrutora de Cursos e Palestras, Sócia-Diretora da Empresa Preserve Contabilidade Preventiva, Professora Autora Anima.

Leia mais

SPED ECF - Como importar as informações do registro U182 referente ao cálculo da CSLL para empresa Imune/ Isenta?

SPED ECF - Como importar as informações do registro U182 referente ao cálculo da CSLL para empresa Imune/ Isenta? SPED ECF - Como importar as informações do registro U182 referente ao cálculo da CSLL para empresa Imune/ Isenta? Esta opção estará disponível somente para empresas com forma de tributação de lucro: Imune/Isenta.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O MODULO FISCAL

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O MODULO FISCAL MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O MODULO FISCAL VITÓRIA 2016 SUMÁRIO CADASTROS GERAIS... 3 Cadastro de Empresas... 3 Cadastro de Autônomos e Sócios... 6 Cadastro de Participantes... 7 Cadastro de Itens (Produtos)...

Leia mais