Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]"

Transcrição

1 Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O Quê é Patrimônio. 4. Estudos dos Elementos que Compõem o Patrimônio. a) Bens. b) Direitos. c) Obrigações com terceiros. d) Obrigações com proprietários. 5. Classificação do Patrimônio a) Ativo. b) Passivo. c) Patrimônio líquido. 6. Sugestões Bibliográficas. 7. Acordo para os Treinamentos. 8. Exemplos. Exercício para Fixação nº 1. Exercício 3. Exercício 4. Exercício 5. Exercício 6. Exercício Aumento de Capital. 10. As Várias Configurações do Capital. Exercício Noções de Lucro e de Prejuízo Noção de Lucro Noção de Prejuízo. 12. Estática Patrimonial Equação Fundamental do Patrimônio Representação Gráfica dos Estados Patrimoniais. Bateria 2. CAPÍTULO II. Procedimentos Contábeis das Contas Patrimoniais Procedimentos Contábeis dos Contas Patrimoniais 1. Conta. 2. Razão. 3. Razonete. 4. Débito e Crédito. 5. Saldo de uma Conta. 6. Lançamento a Débito e a Crédito de uma Conta Natureza dos Saldos das Contas Mecanismo do Débito e Crédito Resumo do Mecanismo do Débito e Crédito Requisitos para o Lançamento Contábil. 7. Balancete de Verificação. 8. Balanço Patrimonial. 9. Exemplo. 10. Livro Diário 11. Método das Partidas Dobradas. 12. Partidas de Diário ou Partidas Contábeis 12.1.Partidas de Primeira Fórmula Partidas de Segunda Fórmula Partidas de Terceira Fórmula Partidas de Quarta Fórmula. Partidas de Diário

2 13. Plano de Contas Conceito Contabilidade Geral Contabilidade Pública Contabilidade do Sistema Financeiro. Exercício para Fixação nº 2. Bateria 3 Exercício 3. Exercício 4. Contas Retificadoras ou Redutoras. Bateria 3 Exercício 5. Exercício 6. Bateria 4. Tipos de Contas Contas Sintéticas. Contas Analíticas. CAPÍTULO III. Procedimentos Contábeis das Contas de Resultado Procedimentos Contábeis das Contas de Resultado 1. As Variações do Patrimônio Líquido. 2. Despesas. 3. Receitas. 4. Resultado do Exercício. 5. Lançamento a Débito e a Crédito das Contas de Resultado 5.1. Natureza dos Saldos das Contas Mecanismo do Débito e do Crédito Resumo Completo Mecanismo do Débito e Crédito. 6. Apuração do Resultado do Exercício. 7. Exercício Social. 8. Exemplo. Exercício para Fixação nº 4. Exercício Operações de 20X0. 9. Acréscimos Moratórios. 10. Compensação de Lucro com Prejuízos. 11. Desconto Financeiro ou Condicional. Exercício. Operações de 20X1. Exercício. Operações de 20X2. Exercício. Operações de 20X3. Bateria Atos e Fatos Administrativos Ato Administrativo Fato Administrativo. 13. Subscrição e Integralização de Capital Subscrição de Capital Integralização de Capital. Exercício para Fixação nº Fatos Administrativos Fato Permutativo Fato Modificativo Fato Misto. Bateria 6 CAPÍTULO IV. Noções de Direito Empresarial e de Direito Tributário Noções de Direito Empresarial. Parte 1 1. Inscrições Fiscais 1.1. A Competência Tributária dos Principais Impostos Inscrição Federal Inscrição Municipal Inscrição Distrital. 2. Profissional Autônomo 2.1. Requisitos.

3 2.2. Autônomo Estabelecido Autônomo Não Estabelecido. 3. Empresas. Até 10/1/2003 (antes do NCC) 3.1. Firma Individual Sociedades Comerciais Sociedades Civis. 4. Empresas. A partir de 11/1/ Empresário Individual Sociedades Empresárias Sociedades Simples. 5. Constituição de uma Empresa Instrumentos Constitutivos Procedimentos de Constituição de uma Empresa. Noções de Direito Empresarial. Parte 2 4. Sociedade Limitada Introdução Quanto aos Instrumento Constitutivo Quanto à Responsabilidade dos Sócios Quanto ao Nome das Sócios Quanto a Administração. 5. Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. EIRELI. 6. Sociedade Anônima ou Companhia Quanto ao Instrumento Constitutivo Quanto à Impessoalidade Quanto à Divisão e Representação do Capital Quanto ao Nome da Sociedade Quanto aos Tipos de Sociedades Anônimas Quanto à Estrutura de uma S/A Quanto às Assembléias Quanto aos Dividendos. 7. Sociedade Unipessoal de Advocacia. Noções de Direito Empresarial. Parte 3 1. Livros de Escrituração 1.1. Introdução Livro Diário Formalidades do Diário Quanto ao Descumprimento das Formalidades Lançamento Contábil Escrituração Métodos de Escrituração Quanto à exigência Legal. Conteúdo do Diário. SPED. Sistema Público de Escrituração Digital. Noções Livro Razão. Noções de Direito Empresarial. Parte 4 1. Falências Definição. Caracterização. Hipóteses de Decretação de Falência. Administrador Judicial. Massa Falida. Créditos Extra concursais. Créditos Concursais. 2. Recuperação Judicial. 3. Recuperação Extrajudicial. Noções de Legislação Tributária das Pessoas Jurídicas 1. Regimes de Tributação das PJ. 2. Simples Nacional x Regimes de Tributação Simples Nacional Antigos Regimes de Tributação. 3. Tributação, segundo Constituição Federal. 4. Quanto à Escrituração. 5. Disposições Gerais a) Novo Código Civil.

4 b) Legislação Tributária. 6. Exemplos Simples Nacional Lucro Presumido Lucro Real. 7. Regime de Tributação pelo Lucro Real Introdução/Exemplo Exercício Básico Fundamento Legal Base de Cálculo do IR Alíquotas Livro de Apuração do Lucro Real. LALUR Exemplo Completo. Exercício para Fixação nº 6 (Lucro Real). CAPÍTULO V. Critérios de Reconhecimento das Contas de Resultado e Lei nº 6.404/76 Critérios de Reconhecimento das Contas de Resultado 1. Regime de Caixa. 2. Regime de Competência de Exercícios (Introdução). O Regime de Caixa é Inútil?. 2. Regime de Competência de Exercícios (Continuação) Identificação dos Fatos Geradores Despesas a Pagar Receitas a Receber Gastos que se Transformarão em Despesas Consumo de Materiais. Exercício para Fixação nº Despesas Diferidas. Exercícios nº 1 ao nº Introdução à Norma Contábil Brasileira Critérios de Classificação do Ativo Critérios de Classificação do Passivo Estrutura do Balanço Patrimonial Classificação das Despesas Diferidas de acordo com à Lei 6.404/76. Exercício para Fixação nº 9 Nº 3. Exercício para Fixação nº Modo de Classificação dos Realizáveis e dos Exigíveis Exercício Social Regra Geral para a Classificação dos Realizáveis e Exigíveis. a) Ciclo Operacional. b) Exemplo Exceção à Regra Geral (Art. 179, II). a) Exemplos. b) Sociedades Coligadas. c) Sociedades Controladas. Exercício para Fixação nº 9 Nº 1. Nº 2. Nº 4. Bateria nº 7. Questões nº 1 a 5 Bateria nº 7. Questões nº 6 a Depreciação Modo de Classificação Conceito de Depreciação Métodos de Depreciação Depreciação, segundo a Legislação Fiscal Taxas de Depreciação Outras Informações Importantes Contabilização Nas Demonstrações Financeiras.0

5 Exemplo Depreciação Acelerada.0 Exercício para Fixação nº 11. Exercício. Operações de Exercício. Operações de Exercício. Operações de Depreciação de Bem Usado Venda de Bens Permanentes. a) Receita na Venda de Bem Permanente. b) Custo na Baixa de Bem Permanente. c) Resultado na Alienação de Bem Permanente. d) Procedimentos Contábeis na Alienação. e) Estrutura da DRE (até 31/12/2007). f) Estrutura da DRE (a partir de 1/1/2008). g) Exemplo. Exercício. Operações de Cia Depreciação. Exercício. Operações de Cia Depreciação. Exercício para Fixação nº O Processo de Convergência Contábil Internacional Contabilidade Internacional Contabilidade Brasileira Conceito e Filosofia Internacional de Ativo e Depreciação Econômica A Nova Depreciação Ativo Imobilizado (Norma Lega: Lei 6.404/76 com redação alterada pelas Leis /2007 e / Ativo Imobilizado (Norma Técnica: CPC 27) Legislação Tributária (Decreto.Lei 4.506/64) Exemplo. Exercício para Fixação nº Receitas Diferidas. a) Introdução. b) Exemplos de Contas que Representam Receitas Diferidas. c) Resumo. d) Conclusão. e) Exercícios Exercício para Fixação nº 14.

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e 11.638/07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros:

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

Sumário. Prefácio à 10ª Edição, xxi. Prefácio à 1ª Edição, xxiii. Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1

Sumário. Prefácio à 10ª Edição, xxi. Prefácio à 1ª Edição, xxiii. Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1 Sumário Prefácio à 10ª Edição, xxi Prefácio à 1ª Edição, xxiii Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1 1 Noções de Comércio e de Instituições Comerciais, 3 1.1 Conceito de comércio, 3 1.2 Origens

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes Curso de Contabilidade Básica Professor André Gomes Dispuseste todas as coisas, com peso, número e medida Livro da sabedoria, XI,21 CONCEITO Contabilidade é a ciência que estuda o patrimônio do ponto de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0550 -Contabilidade e Análise de Balanços de Seguradoras

FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0550 -Contabilidade e Análise de Balanços de Seguradoras FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0550 -Contabilidade e Análise de Balanços de Seguradoras TEMA 2. contabilização Parte 1 Legislação, Plano de Contas e Eventos e Transações

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

PERMANENTE

PERMANENTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2009 E 2008 A T I V O 30.06.2009 30.06.2008 ATIVO CIRCULANTE 62.969 46.291 DISPONIBILIDADES 46 47 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 13.419 593 APLICAÇÕES EM

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF 13.578.967/0001-05 NIRE 52.202.931.181 LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR MILENIUM CONSULTORIA CONTABIL SC LTDA., com sede na Rua

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 FORMALIDADES DA ESCRITURAÇÃO

Leia mais

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) O que é ECF? Escrituração Contábil Fiscal - (ECF) é uma obrigação imposta às Pessoas Jurídicas estabelecidas no Brasil exigidas pela RFB que substituiu a Declaração

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora:

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora: CONCEITO DE CONTABILIDADE O que vamos ver a seguir nos mostra que com o conhecimento do ciclo de vida da empresa, conseguimos tomar decisões que consistem em conduzi-la ao sucesso. Portanto, há duas preocupações

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores:

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª.: Márcia

Leia mais

Parte II Técnicas Contábeis

Parte II Técnicas Contábeis Parte II Técnicas Contábeis Técnicas Contábeis Funções da Contabilidade As principais funções da Contabilidade são: registrar, organizar, demonstrar, analisar e acompanhar as modificações do patrimônio

Leia mais

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006 Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 1 Tributação sobre o lucro (%) Lucro Real Lucro Presumido Lucro Arbitrado 2 Tributação sobre o lucro Lucro Real Obrigatoriedade:

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO TRIBUTÁRIA

PLANEJAMENTO E GESTÃO TRIBUTÁRIA EMENTA PLANEJAMENTO E GESTÃO TRIBUTÁRIA DISCIPLINA: Contabilidade Empresarial EMENTA: A disciplina enfoca a legislação e órgãos normatizadores, o balanço patrimonial, a demonstração do resultado do exercício,

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO 3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO O Balanço Orçamentário é a Demonstração sintética do confronto entre a Receita Prevista, a Despesa Fixada e o que foi realizado no exercício, tanto em receitas

Leia mais

Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº /14

Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº /14 Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº 12.973/14 Sergio André Rocha Professor de Direito Financeiro e Tributário da Uerj. Livre-Docente em Direito Tributário pela USP. Sócio Fundador de Sergio

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração:

Leia mais

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações IR: Lei 12.973/2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações Ricardo Antonio Carvalho Barbosa AFRFB/DRJ/FOR Ágio - Instrução CVM nº 01 de 1978 a) Ágio ou deságio

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Auditoria Contábil Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Financeiro A auditoria desta área tem como objetivo geral verificar se os controles financeiros adotados pela empresa são

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO ÍNDICE

DIREITO TRIBUTÁRIO ÍNDICE DIREITO TRIBUTÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO 01... 11 Conceito e Localização do Direito Tributário... 11 Tributo: Conceito, Espécies, Características e Classificações...11 Características...13 Classificações...16

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA

ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Um índice de liquidez geral de 1,3 indica que para garantir cada $ 1 de dívidas, a firma possui, na data do balanço: a. $ 1, de valores disponíveis e realizáveis

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 A T I V O 31.12.2009 31.12.2008 ATIVO CIRCULANTE 77.677 45.278 DISPONIBILIDADES 46 45 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 1.641 314 APLICAÇÕES EM

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

A Adoção Inicial da Lei nº /14 e a Ilegalidade da Tratativa às Diferenças de Taxas de Depreciação Exigidas pela Receita Federal do Brasil

A Adoção Inicial da Lei nº /14 e a Ilegalidade da Tratativa às Diferenças de Taxas de Depreciação Exigidas pela Receita Federal do Brasil A Adoção Inicial da Lei nº 12.973/14 e a Ilegalidade da Tratativa às Diferenças de Taxas de Depreciação Exigidas pela Receita Federal do Brasil Com o Professor J. Miguel Silva J.MiguelSilva Advogado e

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli Lei nº 12.973/14: a tributação dos juros sobre capital próprio Fernando Mombelli Conceito de JCP O art. 9º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 permite a dedutibilidade dos Juros sobre o Capital

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.8 IT.01 ENTIDADES COOPERATIVAS Esta Interpretação Técnica (IT) visa esclarecer critérios e procedimentos específicos de avaliação, de

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial.

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. O que é o IFRS? IFRS International Financial Reporting Standards São Normas Internacionais

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico EtecMONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

Analista e Auditor da Receita

Analista e Auditor da Receita Analista e Auditor da Receita Contabilidade Geral Básica Com o Professor Eugenio Montoto Site: www.eugenio.pro.br www.youtube.com/eugeniomontoto Email: professoreugeniomontoto@gmail.com 21/02/2016 1 Módulo

Leia mais

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP Teresina PI Laudo de Avaliação LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO DO BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A BEP EM 30 DE JUNHO DE 2008 GLOBAL AUDITORES INDEPENDENTES, sociedade

Leia mais

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis Na aula 2, foi preparado um balanço após a ocorrência de cada operação da empresa.

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS: FERRAMENTA DE SUPORTE A CONTABILIDADE

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS: FERRAMENTA DE SUPORTE A CONTABILIDADE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS: FERRAMENTA DE SUPORTE A CONTABILIDADE Dayse Christine Belizário ; Rafael Catarino Paschoal

Leia mais

ENTENDENDO A DOAR - DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÃO DE RECURSOS - PARTE 1

ENTENDENDO A DOAR - DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÃO DE RECURSOS - PARTE 1 1 ENTENDENDO A DOAR - DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÃO DE RECURSOS - PARTE 1 I. CONCEITOS A DOAR - Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos tem por objetivo explicar a variação do Capital Circulante

Leia mais

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014 www.pwc.com.br IN RFB 1.515/2014 Janeiro, 2015 Painel 1 Novo marco legal - geral: Extinção do RTT Novos CPCs Procedimentos de transição e adoção inicial Subcontas Mercado de capitais : Custos e despesas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA A ÁREA ADMINISTRATIVO- FINANCEIRA DO SINTAF. Edital nº 01/2017

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA A ÁREA ADMINISTRATIVO- FINANCEIRA DO SINTAF. Edital nº 01/2017 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA A ÁREA ADMINISTRATIVO- FINANCEIRA DO SINTAF Edital nº 01/2017 A Fundação Sintaf, por meio de sua Diretoria Executiva, torna pública a abertura do processo seletivo de

Leia mais

Sumário. cad_00.indd 13 05/01/ :29:31

Sumário. cad_00.indd 13 05/01/ :29:31 Sumário Capítulo 1 Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade. Princípios de Contabilidade... 1 1.1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade... 1 1.1.1. Conceito e Objetivo... 1 1.1.2. Objeto...

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

CONSIDERANDO que o Conselho Federal de Contabilidade mantém Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda,

CONSIDERANDO que o Conselho Federal de Contabilidade mantém Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.299/10 Aprova o Comunicado Técnico CT 04 que define as formalidades da escrituração contábil em forma digital para fins de atendimento ao Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS,

I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS, Sumário, xxiii Apresentação, xxvii Prefácio à 16 a edição, xxix Prefácio à 15 a edição, xxxi Prefácio à 14 a edição, xxxiii Prefácio à 13 a edição, xxxv Prefácio à 12 a edição, xxxvii Introdução, 1 Parte

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Goodwill Contábil x Goodwill. I Workshop em Contabilidade e Tributação

Goodwill Contábil x Goodwill. I Workshop em Contabilidade e Tributação Goodwill Contábil x Goodwill Fiscal: Casamento ou Divórcio? I Workshop em Contabilidade e Tributação 18 e 19/11/2015 Prof. Jorge Vieira Goodwill e Ganho por Compra Vantajosa: Reconhecimento e mensuração

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 CAPÍTULO I A PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL... 15 1. Breve reconstrução histórica... 15 1.1. Do Procurador dos Feitos da Coroa, da Fazenda e do Fisco ao Procurador

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza Prof. Prof. M.Sc. Marcondes Giovanni Fortaleza Pacelli CONTABILIDADE GERAL AFRFB Marcondes Fortaleza Parte Introdutória Conceito Objeto Finalidade Usuários -Internos -Externos Campo de Aplicação Funções

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União.

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR 1 REFERÊNCIAS 1.1 - RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. 1.2 - COMPETÊNCIA - Portaria/STN N. 833,

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica

Curso de Contabilidade Básica Curso de Contabilidade Básica Professor Humberto Lucena 3. CONTAS 3.1 Conceito de Conta Conta é o nome que identifica cada componente patrimonial (bem, direito e obrigação) e cada componente do resultado

Leia mais

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 CONTABILIDADE X CUSTOS Contabilidade é a ciência que

Leia mais

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE 2 SUMÁRIO. INTRODUÇÃO... 3 2. CRIANDO UMA NOVA DRE... 4 3. CONFIGURANDO UMA DRE... 5 4. VINCULANDO UMA CONTA DO BALANCETE/PLANO

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas Edison Carlos Fernandes Esta exposição não trata ou propõe teoria sobre política econômica;

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2013 Etec Paulino Botelho Código: 091.06 Município: São Carlos EE: Professor Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais