Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3"

Transcrição

1 Sumário Prefácio à Décima Edição, xxi Prefácio à Nona Edição, xxiii Prefácio à Oitava Edição, xxv Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, Objetivo e definição da Contabilidade, Patrimônio, Controle, Direitos e obrigações, Definição de patrimônio, Patrimônio Líquido, Conceito de tamanho de riqueza, Equação de equilíbrio patrimonial, Ativo e passivo, Balanço Patrimonial, Formação de um patrimônio empresarial, Capital social e Patrimônio Líquido, Composição básica do Patrimônio Líquido, Regras de contabilização, Regime de competência versus regime de caixa, Origens e aplicações de recursos, Conceito, Exemplo introdutório, Apêndice 1 Situações patrimoniais, 12

2 viii Manual de Contabilidade Básica Padoveze 1.10 Apêndice 2 A Contabilidade como ciência, Breve história da Contabilidade, A Contabilidade como ciência, Escolas do pensamento contábil, Apêndice 3 Campo de atuação do profissional contábil, 18 Questões e exercícios, 20 2 Controle Contábil do Patrimônio, Objetivos da empresa, Atos e fatos administrativos ou contábeis, Forma de controle, Fatos permutativos e fatos modificativos, Quantificação dos ganhos ou perdas, Demonstração dos ganhos ou perdas (resultados), Débito e crédito, Equação de trabalho, Saldo devedor e saldo credor, Resumo por áreas contábeis, Exemplo, 38 Questões e exercícios, 42 3 O Estudo das Contas, Definição, Saldos e movimentos, Plano de Contas, Funções e condições para formação de um Plano de Contas, Funções, Usuário da informação contábil, Condições para a elaboração de um Plano de Contas, Abordagem gerencial abordagem legal, Graduação do plano codificado e obtenção dos saldos, Plano de Contas em graus Exemplo parcial, Contas sintéticas e analíticas obtenção dos saldos, Finalidade do Plano de Contas em graus, Estrutura de relacionamentos, Classificação de contas pelo sistema patrimonial, Contas patrimoniais, Contas de resultado, Exclusividade das contas para os relatórios, Centros de custos e de receitas, Os grandes agrupamentos de contas dos relatórios contábeis básicos, Os grandes agrupamentos de contas do Balanço Patrimonial, Leis n os /07 e /09 e as práticas internacionais de Contabilidade (IFRS), 61

3 Sumário ix Apresentação do Balanço Patrimonial conforme as Leis n os /07 e /09, Critérios fundamentais e comentários gerais, Conceitos de Circulante e Não Circulante, Ordem decrescente de grau de liquidez (ou realização), Conceito de Ativo Não Circulante, Patrimônio Líquido negativo, Critérios de avaliação dos ativos, Aplicações financeiras, Estoques, Valores a receber, Despesas do Exercício Seguinte, Ativo Não Circulante, Ações de empresas controladas e investimentos relevantes, Imobilizado, Intangível, Critérios de avaliação de passivos, Financiamentos e empréstimos, Provisão do Imposto de Renda e outros tributos a recolher, Obrigações com cláusula de variação monetária, Patrimônio Líquido, Os grandes agrupamentos de contas da demonstração do resultado, Critérios fundamentais e comentários gerais, Receita Operacional Bruta, Impostos Incidentes Sobre Vendas, Receita Operacional Líquida, Custo das Vendas, Custo das Mercadorias Vendidas, Custo dos Produtos Vendidos, Custo dos Serviços Vendidos, Despesas Operacionais, Departamentalização, Outras Receitas Operacionais, Outras Despesas Operacionais, Equivalência Patrimonial, Resultados Não Operacionais, Outras Receitas e Outras Despesas, Provisão para Participação dos Administradores, Provisão para Participação dos Empregados, Resultado Líquido das Operações Descontinuadas, 76

4 x Manual de Contabilidade Básica Padoveze 3.8 Apêndice 1 Exemplo de Plano de Contas Empresa comercial, Apêndice 2 Exemplo de plano de centros de custos, 83 Questões e exercícios, 86 4 A Técnica Contábil e os Relatórios Básicos, Conceito e objetivo, Divisão da Contabilidade, Escrituração Métodos e sistemas, Sistemas contábeis, Métodos, Método das Partidas Dobradas, Introdução ao lançamento, Elementos intrínsecos de um lançamento, Base legal para o lançamento, Conteúdo do lançamento, Livros contábeis, Livro Diário, Livro Razão, Modelos de livros contábeis, Lançamentos no livro Diário, Lançamentos no livro Razão, Conta T (tê) Razão simplificado, Balancete de verificação, Encerramento das contas de resultado, A conta de Lucros e Perdas, A conta de Lucros ou Prejuízos Acumulados, Esquema do processo de encerramento, Exemplo de contabilização, Metodologia alternativa de encerramento das contas de resultado, Resultado de períodos mensais, Relatórios básicos, Balanço Patrimonial, Demonstração de Resultados, Demais demonstrações contábeis, 111 Questões e exercícios, Princípios de Contabilidade, Postulados, Entidade, Continuidade, Princípios, Denominador Comum Monetário, Competência de Exercícios, 121

5 Sumário xi Conceito de exercício contábil, Extensão do conceito de exercício Regime de competência mensal, Regime de competência e controle de contas a receber e a pagar, Realização da Receita, Confronto das Despesas com as Receitas, Custo como Base de Valor, Exemplo: Mercadorias em Estoque, Custo de aquisição, Exceções ao princípio do Custo como Base de Valor, Essência sobre a Forma, Convenções, Objetividade, Conservadorismo, Materialidade, Consistência ou Uniformidade, Comentários, Evidenciação, Redução ao valor recuperável de ativos (impairment) e valor justo (fair value), Impairment Redução ao valor recuperável de ativos, Fair Value Valor Justo e Impairment, Valor justo outras aplicações, Valor justo e reavaliação, CPC Entidade responsável pela emissão de pronunciamentos contábeis, Apêndice 1 Resolução CFC n o 750/93, atualizada pela Resolução CFC n o 1.282/10, Apêndice 2 CPC 00 Pronunciamento Conceitual Básico (R1) Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro, Introdução, Alcance, Características qualitativas da informação contábil-financeira útil, Elementos das Demonstrações Contábeis: conceitos e definições, Reconhecimento dos elementos nas demonstrações contábeis, Mensuração dos elementos das demonstrações contábeis, 137 Questões e exercícios, 137

6 xii Manual de Contabilidade Básica Padoveze Parte II Estudo Específico de Grupos e Contas do Balanço Patrimonial, Ativo e Passivo Circulante, Ativos circulantes principais, Passivos circulantes principais, Capital circulante líquido, Aspectos práticos de escrituração dos principais itens circulantes, Compra e venda a prazo de bens e serviços, Nomenclatura: duplicatas contas (a receber/a pagar), Exemplos e contabilização, Despesas de salários e encargos sociais, Quadro demonstrativo salários encargos, Competência mensal e provisão de despesas, Exemplos e contabilização, INSS calculado sobre a receita bruta, Recebimentos e pagamentos de duplicatas com descontos ou juros adicionais, Exemplos e contabilização, Tributos sobre compra e venda de mercadorias Tributação não cumulativa ou recuperável, Tributação cumulativa ou não recuperável, Tributação não cumulativa ou recuperável, Características básicas, alíquotas e recolhimento, Nota fiscal, Apuração e contabilização Situação de não cumulatividade, Lançamento dos tributos sobre vendas Fórmula fiscal e societária, Tributos sobre compra e venda de mercadorias Situação de cumulatividade, Contabilização, Tributos sobre vendas Empresas enquadradas no Simples, Exemplo e contabilização, Operações financeiras com duplicatas, Documentação e controle, Cobrança simples, Desconto, Cobrança vinculada ou caucionada, Imposto de Renda a recuperar, Exemplo e contabilização, Juros e variações monetárias de financiamentos e aplicações financeiras, Juros, Variação monetária, Tipos de ativos/passivos financeiros, 185

7 Sumário xiii Lançamentos, dados e cálculos, Juros compostos, Adiantamentos de clientes e a fornecedores, Adiantamentos recebidos de clientes, Adiantamentos pagos a fornecedores, Exemplos e contabilização, ICMS nas despesas de energia elétrica e serviços de telecomunicações, Exemplo e contabilização, Impostos não recuperáveis Importações de bens e serviços, Exemplo e contabilização, Tributos retidos em prestação de serviços de pessoas jurídicas, Exemplo e contabilização: empresa tomadora do serviço, Exemplo e contabilização: empresa prestadora do serviço, Ajuste a valor presente dos créditos e obrigações prefixados, Exemplo e contabilização venda de mercadoria a prazo, Introdução à substituição tributária, Tributos sobre receitas financeiras, Exemplo e contabilização, Taxa efetiva de juros e IOF como despesa de juros, Exemplo e contabilização, 207 Questões e exercícios, Custo das Mercadorias Vendidas e Critérios de Valorização de Estoques, Introdução, Custo da mercadoria vendida como despesa, Fórmula prática para apuração do CMV, O porquê da utilização da fórmula, Controle de estoques: quantitativo e de valor, Sistema de inventário permanente, Sistema de inventário periódico, Utilização da fórmula, A dúvida: mercadorias estocadas com mais de um custo, Critérios de valorização de inventários, PEPS Primeiro a entrar, primeiro a sair, UEPS Último a entrar, primeiro a sair, Preço Médio Ponderado, Diferenças e evidências entre os três critérios, Vantagens e desvantagens, Resumo e importância dos critérios de valorização de inventários, Consideração fiscal, 239

8 xiv Manual de Contabilidade Básica Padoveze 7.7 Devoluções de mercadoria, Preço de reposição e ajuste ao valor de mercado, Apêndice: Introdução à Contabilização do Custo Industrial, 243 Questões e exercícios, Despesas do Exercício Seguinte, Momentos de ocorrência da despesa e sua contabilização, Principais despesas antecipadas, Seguros, Contabilização, Juros, Contabilização, Outras despesas e sua relevância, 261 Questões e exercícios, Realizável a Longo Prazo, Depósitos judiciais, Exemplos e contabilização, Instrumentos financeiros avaliados a valor justo, Exemplo e contabilização, IR e CSLL diferidos e outros valores, 267 Questões e exercícios, Investimentos, Empresa controlada, Empresa coligada, Exemplos e contabilização, Equivalência patrimonial e influência significativa, Contabilização, Valor justo da investida, ágio ou deságio na aquisição de investimentos, Mais ou menos-valia na aquisição de investimentos em coligadas e controladas: a posição fiscal, Contabilização da aquisição de investimentos em coligadas e controladas, Método de equivalência patrimonial na mensuração após o reconhecimento inicial, Incorporação de coligada ou controlada e aspectos tributários, Dividendos e lucro recebidos de investimentos avaliados pelo Método da Equivalência Patrimonial, Exemplo e contabilização, Propriedades para investimento, 282 Questões e exercícios, Imobilizado, Direitos intangíveis, Bens e direitos imobilizados, 286

9 Sumário xv 11.3 Critério geral de avaliação, Créditos de ICMS, PIS e Cofins, Exemplo de contabilização, Definição de imobilizar, Imobilização de leasing financeiro, 289 Questões e exercícios, Depreciação e Exaustão, Conceitos de depreciação, Contábil, Financeiro, Custos, Conceitos prazos de depreciação, Depreciação como fundo, Depreciação como despesa, Conceito de vida útil do bem e revisão anual da vida útil, Critérios de cálculos, Valor residual, Valor depreciável, Informações necessárias para os procedimentos de depreciação e amortização, Taxas de depreciação e método de cálculo, Método de cálculo, Exemplo de cálculo de taxa de depreciação, Taxa de depreciação taxas contábeis de depreciação, Valor líquido contábil, Exemplo e contabilização, Método teórico, Método prático, Contabilização completa, Apresentação no Balanço, Cálculo da depreciação com valor residual, Venda e baixa de bens do imobilizado, Resultados na alienação de imobilizado, Exemplo e contabilização, Exaustão, Exemplo de contabilização, 307 Questões e exercícios, Intangível, Definição, Ativo Intangível e Ativo Diferido, Identificação e controle de um intangível, Reconhecimento e mensuração, Benefícios econômicos de um intangível, 315

10 xvi Manual de Contabilidade Básica Padoveze Mensuração inicial, Vida útil do ativo intangível, Mensuração após o reconhecimento, Baixa e alienação, Tipos de ativos intangíveis, Gastos com pesquisa e desenvolvimento, Goodwill não adquirido, Exemplo e contabilização, Apresentação no Balanço Patrimonial, 319 Questões e exercícios, Passivo Não Circulante, Conceito e principais elementos, Empréstimos e financiamentos, Debêntures, Encargos financeiros, Exemplo e contabilização, Contratos de arrendamento mercantil (leasing), Taxa de juros efetiva, Exemplo e contabilização arrendamento financeiro, Imposto de Renda diferido, IR e CSLL sobre reserva de reavaliação, 332 Questões e exercícios, Receitas e Despesas Diferidas, Definição legal e conceito geral, Diferença: receita diferida e adiantamentos de clientes, Exemplo e contabilização, Utilização fiscal específica imobiliárias, Exemplo de contabilização fiscal auxiliar, Contabilização societária, 340 Questões e exercícios, Patrimônio Líquido, Conceito e principais elementos, Capital Social, Lucros ou prejuízos acumulados, Reservas, Ações em tesouraria, Destinação de resultados, juros sobre o patrimônio líquido e Imposto de Renda na fonte, Distribuição de lucros, Juros sobre o Capital Próprio, IR na fonte sobre distribuição de juros sobre o capital próprio, Exemplo e contabilização, 344 Questões e exercícios, 345

11 Sumário xvii 17 Reservas, Conceito, Classificação das reservas, Reservas de capital, Ágio na integralização de capital, Contabilização, Correção monetária do capital, Contabilização, Doações governamentais para investimentos: reserva de incentivos fiscais, Reservas de reavaliação e ajustes ao custo atribuído (ICPC 10), Contabilização da reserva de reavaliação, Realização da reserva de reavaliação, Exemplo de contabilização, Extinção do conceito de reavaliação, Ajustes de avaliação patrimonial, Exemplo e contabilização: instrumentos financeiros destinados à venda, Ajuste ao custo atribuído (deemed cost) ICPC 10, Reservas de lucros, Reservas compulsórias, Reserva Legal, Reservas livres, Exemplo: reserva legal e reservas livres, Contabilização, Utilização e limite das reservas para as S.A., Reservas de capital, Reservas de reavaliação, Reservas de lucros, 359 Questões e exercícios, Provisões, Definição, Provisão para devedores duvidosos, Determinação do valor da provisão aspecto fiscal, Determinação do valor da provisão a posição contábil, Contabilização teórica, Contabilização real e aferição da provisão, Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social, Provisão para Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), Contabilização e aferição das provisões, Imposto de Renda e Contribuição Social negativos sobre prejuízo, 369

12 xviii Manual de Contabilidade Básica Padoveze Exemplo e contabilização, IR e CSLL sobre lucro presumido, Exemplo e contabilização, IR/CSLL sobre diferenças temporárias: IR diferido, Exemplo e contabilização, Contabilização alternativa: IR Corrente e IR Diferido, Outras provisões, Provisão para constituição de passivos, Provisões retificadoras de ativos circulantes e não circulantes, Exemplo e contabilização, Provisões para perdas com estoques, Provisão para gastos com garantia de produtos, Redução ao valor recuperável de ativos (impairment), Exemplo de cálculo de valor em uso, Utilização do valor de mercado valor em uso, Exemplo e contabilização, 383 Questões e exercícios, 384 Parte III Demonstrações Financeiras, Demonstrações Contábeis Básicas, Balanço patrimonial inicial, Eventos econômicos de um exercício contábil, Lançamentos em contas T, Balanços patrimoniais comparativos, Demonstração do resultado do exercício, 399 Questões e exercícios, Demonstrações Contábeis Complementares, Demonstrações financeiras obrigatórias, Resultados abrangentes, Adoção dos CPCs e CPC para PMEs Pequenas e Médias Empresas, Diferenças básicas para adoção do CPC PME versus Full CPC, Demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados, Inexistência de lucros acumulados para companhias abertas, Exemplo, Demonstração das mutações do patrimônio líquido, Exemplo, Análises, Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC), Objetivos da DFC, Definição de caixa e de movimentações de caixa, Método direto Exemplo, Fórmulas para obter a movimentação do método direto, 414

13 Sumário xix Método indireto, Lucro que vira caixa, Dados de caráter econômico a serem eliminados, Exemplo numérico método indireto, Fórmulas para obter a movimentação do método indireto, Análises: método direto método indireto, Demonstração do Valor Adicionado (DVA), Conceito geral, Exemplo, Notas explicativas, Demonstração dos resultados abrangentes, Relatório da administração, Resultado das operações descontinuadas, Exemplo numérico, Ajustes de exercícios anteriores, Exemplo numérico, 431 Questões e exercícios, 434

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

Sumário. 1 Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro e Demonstrações Contábeis, 1

Sumário. 1 Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro e Demonstrações Contábeis, 1 Sumário 1 Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro e Demonstrações Contábeis, 1 1.1 Aspectos gerais da estrutura conceitual, 1 1.2 Objetivo da elaboração e divulgação

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Lucros não Realizados na Consolidação das D.C Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Situações A empresa B vendeu para a controlada A mercadorias por R$ 140.000

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR Questão n o 1 a) Fundamentação teórico-conceitual Capital autorizado: é o capital que consta no estatuto da Companhia sendo o limite para autorização do aumento do capital social independentemente de reforma

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Contabilidade. (S.A. e SGP/ PME GeraVPME Simplificado/ ESFL) - IFRS Completa/ TG 1000/ ITG 1000/ ITG 2002)

Contabilidade. (S.A. e SGP/ PME GeraVPME Simplificado/ ESFL) - IFRS Completa/ TG 1000/ ITG 1000/ ITG 2002) Modelos de Contabilidade (S.A. e SGP/ PME GeraVPME Simplificado/ ESFL) - IFRS Completa/ TG 1000/ ITG 1000/ ITG 2002) s 8 1! 1 8 8 Modelos de Contabilidade Comparada e Síntese Osmar Reis Azevedo Modelos

Leia mais

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Prof. Benadilson Prof. Benadilson 1 Introdução Caso para Debate Ações da Tiffany: Lucro ou Prejuízo??? Ciclo Contábil Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). O lucro

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

ANEXO I BALANCETE ANALÍTICO (MODELO)

ANEXO I BALANCETE ANALÍTICO (MODELO) ANEXO I A) - DADOS CONTÁBEIS E FINANCEIROS I. Balancete Contábil BALANCETE ANALÍTICO (MODELO) Período: 01/xx/20xx a 31/xx/20xx CONTA 1 - ATIVO 1.1 - CIRCULANTE 1.1.01 - DISPONIBILIDADES 1.1.01.01 - FUNDO

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

Analista e Auditor da Receita

Analista e Auditor da Receita Analista e Auditor da Receita Contabilidade Geral Básica Com o Professor Eugenio Montoto Site: www.eugenio.pro.br www.youtube.com/eugeniomontoto Email: professoreugeniomontoto@gmail.com 21/02/2016 1 Módulo

Leia mais

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial.

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. O que é o IFRS? IFRS International Financial Reporting Standards São Normas Internacionais

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

Anexo à Instrução 17/96

Anexo à Instrução 17/96 Anexo à Instrução 17/96 SOCIEDADES EMITENTES OU GESTORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL TURMA 2016 53 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS MBA EM GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA E AUDITORIA TURMA 27 Vitória-ES APRESENTAÇÃO O curso de MBA em Gestão Financeira, Controladoria

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020008 PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇO NOME DO CURSO:

Leia mais

Os Desafios da Nova Gestão Patrimonial. A Mudança de Paradigmas

Os Desafios da Nova Gestão Patrimonial. A Mudança de Paradigmas Os Desafios da Nova Gestão Patrimonial A Mudança de Paradigmas A EVOLUÇÃO DA GESTÃO PATRIMONIAL NO BRASIL BRASIL IMPÉRIO - O ESTADO PATRIMONIALISTA Os governantes consideravam o Estado como seu patrimônio,

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA 1 INSTRUÇÕES Você está recebendo uma prova com 40 (quarenta) questões numeradas sequencialmente. Você receberá, também, a Folha de Respostas personalizada para transcrever as respostas das questões da

Leia mais

ÍNDICE 2 BALANÇOS PATRIMONIAIS 4 DEMONSTRAÇÕES DE RESULTADOS 5 RESULTADOS ABRANGENTES 8 DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO

ÍNDICE 2 BALANÇOS PATRIMONIAIS 4 DEMONSTRAÇÕES DE RESULTADOS 5 RESULTADOS ABRANGENTES 8 DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO ÍNDICE 1 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2 BALANÇOS PATRIMONIAIS 4 DEMONSTRAÇÕES DE RESULTADOS 5 RESULTADOS ABRANGENTES 6 DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 994.183,15 D 181.380,01 162.761,34 1.012.801,82 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) ATIVO CONSOLIDADO 2008 2007 2008 2007 Numerário disponível 1.265 2.072 5.915 6.418 Aplicações no mercado aberto

Leia mais

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS Alguns Clientes O objetivo da Studio Fiscal é oferecer serviços de consultoria tributária, buscando otimizar a carga tributária das empresas com base em trabalhos que envolvem gestão contábil, fiscal e

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual Estado do Parana Plano de Contas 01 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO 94.844,52 D 2.450.807,74 2.378.775,15 166.877,11 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 AFMF/LA/KG/GGA 1046/13 Demonstrações

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor As ORIENTAÇÕES TÉCNICAS CCF/CIP Ns. 001/2009 a 006/2009 foram revogadas em 13/11/2014 pelos Coordenadores do CDH e do CIP. Seus objetos passam a constituir, devidamente atualizados, as ORIENTAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

Panorama Geral. IFRS/CPC Aplicação e Prática. e os pontos mais relevantes nas Regras Contábeis voltadas para a Contabilidade internacional.

Panorama Geral. IFRS/CPC Aplicação e Prática. e os pontos mais relevantes nas Regras Contábeis voltadas para a Contabilidade internacional. IFRS/CPC Aplicação e Prática e os pontos mais relevantes nas Regras Contábeis voltadas para a Contabilidade internacional. Professor José Miguel Rodrigues da Silva josemiguel@jmrconsultoria.com.br Mestre

Leia mais

Novo Sistema Tributário. Síntese da Proposta

Novo Sistema Tributário. Síntese da Proposta 1 SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS (CAE) SUBCOMISSÃO TEMPORÁRIA DA REFORMA TRIBUTÁRIA (CAERT) Relatório Preliminar - Março de 2008 PRESIDENTE: Senador Tasso Jereissati - PSDB - CE VICE-PRESIDENTE:

Leia mais

Página da CVM na Internet. 1

Página da CVM na Internet.  1 1 Página da CVM na Internet 2 www.cvm.gov.br 1 Introdução Lei 6.385/76 - criou a CVM, autarquia destinada a regulamentar e desenvolver o mercado de capitais e fiscalizar as Bolsas de Valores, as companhias

Leia mais

Introdução à Contabilidade

Introdução à Contabilidade Introdução à Contabilidade Disciplina COF Contabilidade e Finanças Bibliografia: Manual da USP (cap. 1) Danielle Guizzo Archela Noções Preliminares Conceitos Básicos e Gerais da Contabilidade, bem como

Leia mais

RESOLUÇÃO N 41/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N 41/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 41/2009/CONEPE Aprova alteração na Departamentalização do Núcleo

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) E PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) Em 31 de dezembro de 2002 e em

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Administração Organizacional I As teorias administrativas. A evolução da administração e do pensamento administrativo. O ambiente organizacional:

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ AMERICAN BANKNOTE S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ AMERICAN BANKNOTE S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ BRASILAGRO CIA BRAS PROPRIEDADES AGRICOL / CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ BRASILAGRO CIA BRAS PROPRIEDADES AGRICOL / CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/12/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL Tutorial do Usuário Configurações da DMPL 1 Conteúdo Apresentação... 3 Configurações... 4 Tela de configuração... 4 Aba Reserva de Capital (1)... 6 Aba Reserva de Lucros (2)... 7 Aba Ajustes (3)... 8 Aba

Leia mais

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Características gerais Objetivos Suporte à Contabilidade Gerencial (Controladoria) Suporte à tomada de

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica

Curso de Contabilidade Básica Curso de Contabilidade Básica Professor Humberto Lucena 3. CONTAS 3.1 Conceito de Conta Conta é o nome que identifica cada componente patrimonial (bem, direito e obrigação) e cada componente do resultado

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Adriana Valente.

Departamento de Desenvolvimento Profissional ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Adriana Valente. Departamento de Desenvolvimento Profissional ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com 2º semestre de 2015 Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS Estado de Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS Estado de Minas Gerais DECRETO N o 5.743, DE 22 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre adoção procedimentos contábeis patrimoniais obrigatórios até o exercício 2014. O Prefeito Municipal Salinas(MG), no uso suas atribuições legais,

Leia mais

Questões derivadas da MP 627

Questões derivadas da MP 627 III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Questões derivadas da MP 627 Contabilidade e Direito: essência e forma Elidie Palma Bifano Tema do bloco: Questões derivadas da

Leia mais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Palestrantes Natanael Martins José Antonio Minatel São Paulo, 20 de junho de 2012 Lei 11.638/07 (convergência aos padrões

Leia mais

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro líquido do exercício de 2012 foi de R$ 1.448.887.908,07

Leia mais

H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis JRS/BBC/NLM 1202/15 H. COMMCOR DISTRIBUIDORIA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ ÉVORA SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ ÉVORA SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84.

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84. Folha: 1 1 ATIVO 8.691.994.154,02D 1.342.304.403,87 1.179.704.682,09 8.854.593.875,80D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.466.459.417,09D 1.235.880.022,69 1.139.597.863,30 3.562.741.576,48D 1.1.1 Disponível 1.048.640,92D

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2010 e 2009 e 1º. de janeiro de 2009

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2010 e 2009 e 1º. de janeiro de 2009 Demonstrações 31 de dezembro de 2010 e 2009 e 1º. de janeiro de 2009 Índice Relatório do auditor independente sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras auditadas Balanços patrimoniais...

Leia mais

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

DEPRECIAÇÃO E REAVALIAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO EM BELÉM/PA

DEPRECIAÇÃO E REAVALIAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO EM BELÉM/PA DEPRECIAÇÃO E REAVALIAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO EM BELÉM/PA 16 Horas/Aula Realização: Incluso: LIVRO: MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS, bolsa ecológica, apostila(manual), caneta, lápis,

Leia mais

CURSOS CREDENCIADOS 2014

CURSOS CREDENCIADOS 2014 Auditoria para Seniores Nível I SC-00297 24 24 24 24 0 Auditoria para Seniores Nível II SC-00298 24 24 24 24 0 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Financeiras e Normas Profissionais de Auditor

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL ÓRGÃO/ENTIDADE: TÍTULO DO TRABALHO: Análise contábil das operações, saldos

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

Palestra. Roteiro para o Encerramento do Balanço Exercício Janeiro Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães

Palestra. Roteiro para o Encerramento do Balanço Exercício Janeiro Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 2 ASSOCIAÇÃO DE CONTAS E TESTES SIMULANDO BALANCETES NO NOVO PADRÃO. 3 DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS EVENTOS

Leia mais

CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA E SUAS CONTROLADAS

CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA E SUAS CONTROLADAS CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA E SUAS CONTROLADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DA EMPRESA CONTROLADORA E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS EM 31 DE

Leia mais

A T I V O P A S S I V O DE RIBEIRÃO PRETO FINDO EM DE 2012. Títulos. Títulos PASSIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL. Realizável PATRIMÔNIO/CAPITAL

A T I V O P A S S I V O DE RIBEIRÃO PRETO FINDO EM DE 2012. Títulos. Títulos PASSIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL. Realizável PATRIMÔNIO/CAPITAL FIPASE CNPJ 04.755.519/ /0001-30 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕESS CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FIPASE - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 20122 A T I V O P A S

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

E D I T A L N º 0 2 / R E T I F I C A Ç Ã O D O E D I T A L D E C O N C U R S O S P Ú B L I C O S N º 0 1 / A B E R T U R A

E D I T A L N º 0 2 / R E T I F I C A Ç Ã O D O E D I T A L D E C O N C U R S O S P Ú B L I C O S N º 0 1 / A B E R T U R A BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE E D I T A L N º 0 2 / 2 0 1 5 R E T I F I C A Ç Ã O D O E D I T A L D E C O N C U R S O S P Ú B L I C O S N º 0 1 / 2 0 1 5 - A B E R T U R A O Banco

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais