PROJETO DE PESQUISA DO NUPEM NÚCLEO DE PESQUISA EM ECONOMIA EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE PESQUISA DO NUPEM NÚCLEO DE PESQUISA EM ECONOMIA EMPRESARIAL"

Transcrição

1 PROJETO DE PESQUISA DO NUPEM NÚCLEO DE PESQUISA EM ECONOMIA EMPRESARIAL I Autor: Prof. Dr. Armando João Dalla Costa. II Resumo: Analisar as teorias das empresas e seus principais formuladores, é o que se propõe este projeto. Buscará entender as condições históricas em que surgiram e se desenvolveram as primeiras teorias da firma, qual sua evolução e situação atual. As teorias da agência, dos custos de transação, evolucionista, da firma japonesa, estruturalista e da regulação estarão no centro das preocupações, com as especificidades próprias a cada uma. Compreender o papel das firmas no desenvolvimento econômico, assim como sua importância para fortalecer a pesquisa e a inovação em produtos e processos também faz parte deste projeto. Résumé: Analyser les théories des sociétés et leurs principaux formulateurs, est ce qui se propose le projet. Il cherchera comprendre les conditions historiques dans lesquelles sont apparues et se sont développées les premières théories de l'entreprise, leur évolution et situation actuelle. Les théories de l'agence, des coûts de transaction, évolucionniste, de l'entreprise japonaise, structuraliste et de la regulation seront au coeur des préoccupations, avec les spécificités propres à chacune. Comprendre le rôle des entreprises dans le développement économique, ainsi que son importance pour fortifier la recherche et l'innovation dans des produits et des procédures aussi fait partie de ce projet.

2 III Objetivos: Objetivo geral: Estudar a evolução, situação e perspectivas da teoria da firma, sem fixar-se necessariamente em uma delas. Conhecer a teoria dos custos de transação; a teoria da agência, preocupada em analisar a firma a partir das relações de propriedade; a tendência evolucionária, que acentua a firma como lugar de aprendizagem e de rotinas; a teoria da firma japonesa, insistindo na tecnologia e na redução de custos e a teoria da regulação, cujo destaque é a importância da empresa no contexto macroeconômico. Objetivos específicos: 1 Promover a leitura e debate dos principais textos de autores dedicados a compreender as firmas e seu universo. 2 Entrar em contato com o mundo empresarial paranaense, brasileiro e/ou internacional. 3 Escrever artigos, em parceria entre os alunos e os pesquisadores do NUPEM, a serem apresentados em congressos e/ou publicados. 4 Buscar parcerias com empresas para aplicação prática dos objetivos de estudo, através de estágios, trainees, consultorias, parcerias, entre outros. IV Introdução ou evidências de interesse (justificativas) Pelos dados do IBGE (2002) existiam no Brasil 4,5 milhões de empresas ativas. Deste total, 3,1 milhões não tinham empregados, sendo operadas pelos próprios donos. Especialistas no estudo de empresas pessoais e familiares afirmam que 75% destas encontra-se no comando da primeira geração, 20% nas mãos dos filhos dos fundadores e apenas 5% sob controle das gerações seguintes. O NUPEM propõe-se a preparar profissionais, através do conhecimento teórico e da prática em assessoria e consultoria, que viabilizem a continuidade das empresas, contribuindo

3 para a produção de riqueza, empregabilidade, inovação tecnológica, pesquisa voltada às melhorias constantes nos processos de organização e trabalho contribuindo, desta maneira, para o desenvolvimento do país. V Revisão bibliográfica A teoria da firma se desenvolve como tal a partir da década de 1930, com o célebre artigo de Pietro Sraffa (1926), que lançou as primeiras interrogações sobre o modelo concorrencial. Uma das preocupações é entender a importância dos empreendedores, como pode-se observar na visão de Maurice Dobb (1925), retomada por Schumpeter (1954), para os quais os empreendedores aparecem como os agentes que tomam as decisões dominantes da vida econômica. Para os autores, os empreendedores são aqueles que assumem uma função de inovação e de criação; uma função de aquisição e exploração da informação e; uma função de organização e de coordenação da produção. Chandler, em suas principais obras: Strategy and structure (1962), The visible hand (1977) e Scale and scope (1990) recoloca a importância da firma como instituição. Ele estuda a empresa como instituição complexa, longe da firma ponto ou marshaliana mono-produto e mono-estabelecimento. Ressalta a importância da tecnologia e da evolução das condições de produção na empresa moderna e multidivisional. Quanto à Coase (1937) insiste na importância da concepção hierárquica da firma, acentuando a função de direção e autoridade do empreendedor. Destaca, além disso, os contratos de longo prazo como atributo essencial da firma. Na mesma linha de Coase, Williamson (1990) fala da passagem da firma como sistema de relações entre colaboradores iguais para a firma como um nó de contratos. Alchian (1987) insiste sobre a importância de analisar a firma a partir dos direitos de propriedade, que se materializam no poder de consumir, auferir uma renda ou vender os ativos.

4 Quem iniciou resgatando as ondas longas e os ciclos longos em Schumpeter para desencadear a teoria da firma evolucionista foi C. Freeman, seguido por Nelson e Winter (1982); Teece (1982, 1987, 1988); e Dosi (1984, 1988). A noção de rotina, conforme estes autores, ocupa um lugar central na teoria da firma, assim como em toda a representação evolucionista. Aoki (1990) apresenta as características da firma Japonesa, em oposição à Americana, destacando a coordenação, a hierarquia e os estímulos como elementos chave de sua teoria. Colocando-se entre a micro e a macroeconomia, destaca-se a teoria da regulação, para a qual, a premissa central é a de que o mercado não é autoregulador. Estes são os principais autores a serem levados em conta nas leituras para compreender a teoria da firma e sua evolução histórica como tentativa de explicação do papel da empresa no mundo contemporâneo. VI Material e métodos A realização desta pesquisa exigirá uma revisão da literatura acima mencionada, assim como a busca de outras obras, utilizará publicações recentes, tanto da grande imprensa, falando das firmas e seus desafios, como de revistas especializadas. Outro recurso será a utilização de fontes primárias e secundárias sobre a história das empresas, o papel dos empreendedores, a função e importância das inovações tecnológicas e de organização do trabalho. Serão levadas em consideração a pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, assim como as inovações desenvolvidas e ofertadas para dinamizar a distribuição, através do papel da logística empresarial. No que se refere às fontes secundárias serão consultadas pesquisas e publicações, tais como dissertações de mestrado, teses de doutorado. Revistas empresariais. Outra fonte de dados será a pesquisa nas bibliotecas especializadas das

5 federações e confederações da indústria e do comércio, assim como de suas publicações especializadas. As fontes primárias serão conseguidas junto às entidades mencionadas, às empresas e aos órgãos públicos. Serão utilizadas revistas internas, relatórios anuais e outros documentos das instituições. Entrevistas com diretores das firmas, representantes de entidades de classe, pesquisadores e professores, cujos trabalhos estejam voltados ao tema, responsáveis pela formulação das leis e sua aplicação no ministério público serão de grande importância para conhecer detalhes da história recente e as perspectivas do setor no futuro próximo. VII Cronograma Março de 2006 a fevereiro de 2007 Tarefa/mês mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev Leituras (livros, revistas...) x x x x x x x x Acompanhamento da x x x x x x x x x x x x conjuntura empresarial Levantamento de dados na x x x x x realidade Entrevistas x x x x Degravação das entrevistas x x x x x Análise dos dados x x x x Primeira versão de x x artigos/livro Versão final para publicação x x x VIII Referências AGLIETA, M. Régulation et crise du capitalisme. 2. ed. Paris: Calmann-Lévy, ALCHIAN, A.A. Corporate management and property rights. In: MANNE, H. (ed.). Economic policy and the regulation of corporate securities. Washington: American Economic Institute, ALCHIAN, A.A. e DEMETZ, H. Production, information costs, and economic organization. American Economic Review, 62, 1972.

6 ALCHIAN, A.A. e WOODWARD, S. The firm is dead; Long live the firm. A Review of Oliver e. Williamson s. The Economic Institutions of Capitalism. Journal of Economic Literature, vol. 26, mars 1988, p. 76. AOKI, M. The cooperative game theory of the firm. Oxford: Oxford University Press, AOKI, M. Information, incentive and bargaining structure in the japonese economy. Cambridge and New York: Cambridge University Press, AOKI, M. GUSTAFSSON, B. e WILLIAMSON, O.E (ed). The firm as a nexus of treaties. London: Sage Publications, ARROW, K.J. The limits of organization. New York: Norton, BAUMOL, PANTAR e WILLIG. Contestable market and the theory of industry structure. N.Y.Harcourt: Bron Jovakowich Inc, BOYER, R. La théorie de la régulation, une analyse critique. Paris: La Découverte, BROUSSEAU, E. Les theories des contratas: une revue. In: Revue d économie politique, 101 (1), janvier-février, CHAMBERLIN, E.H. The theory of monopolistic competition. Cambridge Mass: Harvard U.P., CHANDLER, Alfred D. Strategy and structure. Chapters in the history of the industrial enterprise.cambridge: M.I.T. Press, CHANDLER, Alfred D. The visible hand. The managerial revolution in American Business. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, CHANDLER, Alfred D. Scale and scope. The dynamics of industrial capitalism. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, CHARROUX, G. La théorie positive de l agence: une synthèse de la littérature, em CEDAG, As novas teorias para a empresa. Paris: Economica, COASE, R.H. The nature of the firm. In: Economica N. S., 4 november, COASE, R.H. The problem of social cost. Journal of Law and Economics, 3, 1960.

7 COASE, R.H. The firm, the market and the law. Chicago e Londres: The University of Chicago Press, COASE, R.H. The nature of the firm: Origin, meaning, influence. In: WILLIAMSON, O.E. e WINTER S.G. (ed.). The nature of the firm. Oxford: Oxford University Press, COASE, R.H. The institucional structures of production. In: The American Economic Review, Sepot, CORIAT, Benjamin. Science, technique et capital. 2. ed. Paris: Edition du Seuil, CORIAT, Benjamin. L atelier et le chronomètre. Paris: C.Bourgois, CORIAT, Benjamin. L atelier et le robot. Essai sur le Fordisme et la production de masse à l age de l électronique. Paris: C. Bourgois, CORIAT, Benjamin. Penser à l envers. Travail et organisation das la firme japonaise. Paris: C. Bourgois, CORIAT, B. e DOSI, G. Evolution et regulation: difference et convergence. In: BOYER, R.; SAILLARD, Y. (ed.). Théorie de la regulation, état des saviors. Paris: La Découverte, CYBERT, R.M.; MARCH, J.G. A behavioral theory of the firm. Prentice-Hall: Englewood Cliffs, DOBB, M. Capitalist enterprise and social progress. London: George Routledge & Sons, DOSI, Giovanni. Innovation, organiozation and economic dynamics. Selected essays. Massachusetts: Edgar Elgar Publishing, DOSI, G.; TEECE, D.J.; WINTER, S.G. Les frontières des enterprises. In: Révue d économie industrielle, 1 er trim DRUCKER, Peter. Inovação e espírito empreendedor: práticas e princípios. São Paulo: Pioneira, FRIEDMAN, M. Essays in positive economics. University Chicago Press, HAYEK, F. Econom and knowledge. Economica, 4, 1937.

8 JENSEN, M.C.; MECKLING, W.H. Theory off the firm: Managerial behavior, agency cost, and ownership structure, Journal of Financial Economics, 3 (4), KIRZNER. Competition and entrepreneurship. Chicago: Chicago University Press, LIEBENSTEIN, H. Inside the firm: the efficiencies of hierarchy. Cambridge: Harvard University Press, MACHLUP, F. Theories of the firm: marginalist, behavioral, managerial. In: American Economic Review. Vol. 57, mars, MENARD, Claude. L économie des organizations. Paris: La Découverte, NELSON, R.R.; WINTER, S.G. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Belknap Press of Harvard University Press, PENROSE, E. The theory of the growth of the firm. Oxford: Basil&Blackwell, PORTER, Michel. Estratégia competitiva: técnicas para análise da indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, SCHUMPETER, J.A. History of economic analysis. Oxford: Oxford University Press, SHINGO, Shigeo. O sistema Toyota de produção. Do ponto de vista da engenharia de produção. 2.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, SCHUMPETER, J.A. La théorie de l évolution economique. Paris: Dalloz, tradução francesa SCHUMPETER, J.A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984 (cap. 7 e 8). SIMON, H. Theories of decision making in economic and behavioral science. In: American Economic Review, 49, n o 1, SIMON, H. Models of bounded rationality. Cambridge: M.I.T. Press, SRAFA, Pietro. The laws of returns under competitive conditions. In: Economic Journal. Vol. 36, décembre, 1926.

9 STIGLITZ, J.E. Information and econ omic analysis: a perspective. In: Economic Journal. Suplément, pp , TEECE, D.J. Towards an economic theory of the multiproduct firm. 3, Journal of Economic Behavior and Organization, 39-63, WILLIAMSON, O.E. Market and hierarchies: Analysis and antitrust implications. New York: The Free Press, WILLIAMSON, O.E. The economic institutions of capitalism. TheFree Press, WILLIAMSON, O.E. The logic of economic organization. In: WILLIAMSON, O.E.; WINTER, S.G. (ed.). The nature of the firm. Oxford: Oxford U.P WINTER, S.G. Natural selection and evolution. In: New Palgrave, 3, MacMillan, 1987.

Aula 1 Introdução, objetivos, metodologia, avaliação e referências.

Aula 1 Introdução, objetivos, metodologia, avaliação e referências. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA POS GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Prof. Dr. Armando João Dalla Costa Curitiba, Dezembro de 2014 para o ano letivo 2015 Disciplina:

Leia mais

Um comentário a Evolução de instituições: uma agenda para pesquisa teórica futura, de Geoffrey Hodgson

Um comentário a Evolução de instituições: uma agenda para pesquisa teórica futura, de Geoffrey Hodgson Jaques Kerstenetzky Um comentário a Evolução de instituições: uma agenda para pesquisa teórica futura, de Geoffrey Hodgson Jaques Kerstenetzky 1 A publicação do artigo de Hodgson em revista de circulação

Leia mais

PROGRAMA E PLANO DE APRENDIZAGEM

PROGRAMA E PLANO DE APRENDIZAGEM Disciplina: Economia nas Empresas Ano Letivo: 2015 - Semestre: 1º - Carga Horária: 45 horas - Créditos: 3 Dia/Horários: Quarta-feira 08h às 12h Natureza: Disciplina Optativa de Contabilidade Financeira

Leia mais

Grupo de Pesquisa: Analise Econômica do Direito. Projeto de Pesquisa: Analise Econômica do Direito

Grupo de Pesquisa: Analise Econômica do Direito. Projeto de Pesquisa: Analise Econômica do Direito Grupo de Pesquisa: Analise Econômica do Direito Projeto de Pesquisa: Analise Econômica do Direito Professor Responsável: Prof. Dr. Fabio Leandro Tokars Objetivo Geral: Demonstrar que através da análise

Leia mais

TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES. Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006

TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES. Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006 TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006 Estrutura da apresentação Origens do trabalho Objetivo Definição Referencial teórico Explicação da Tipologia de identificação

Leia mais

6. Monopólios e indústrias em rede 6.1. Monopólio natural 6.2. Monopólio multiproduto 6.3. Indústrias em rede 6.4. Regulação em setores monopolistas

6. Monopólios e indústrias em rede 6.1. Monopólio natural 6.2. Monopólio multiproduto 6.3. Indústrias em rede 6.4. Regulação em setores monopolistas FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2009 Disciplina: Economia Industrial Código: 629 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A Professor: Roland

Leia mais

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografía BREALEY, Richard A.; MYERS, Stewart C. - Princípios de Finanças Empresariais.

Leia mais

A empresa e o meio nas teorias económicas da empresa: Uma leitura longitudinal

A empresa e o meio nas teorias económicas da empresa: Uma leitura longitudinal A empresa e o meio nas teorias económicas da empresa: Uma leitura longitudinal João Carvalho Santos Instituto Politécnico de Leiria Manuel Portugal Ferreira Instituto Politécnico de Leiria Nuno Rosa Reis

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2006 Disciplina: Economia Industrial Código: 629 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A Professor: Roland

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF:

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (www.ea.ufrgs.br) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: Giácomo Balbinotto Neto (Prof.

Leia mais

Incerteza, Inovação e o Processo Gerencial: um estudo teórico. GABRIEL FURLAN COLETTI UNESP gabrielf.coletti@gmail.com

Incerteza, Inovação e o Processo Gerencial: um estudo teórico. GABRIEL FURLAN COLETTI UNESP gabrielf.coletti@gmail.com Incerteza, Inovação e o Processo Gerencial: um estudo teórico GABRIEL FURLAN COLETTI UNESP gabrielf.coletti@gmail.com INCERTEZA, INOVAÇÃO E O PROCESSO GERENCIAL: UM ESTUDO TEÓRICO Resumo Neste trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA Disciplina: ESPE 119 - Capitalismo Concorrencial, Estado e Regulação Professor: Ricardo Dathein

Leia mais

ALCHIAN, A. (1950). UNCERTAINTY, EVOLUTION, AND ECONOMIC THEORY. JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY, P. 211-221, JUN.

ALCHIAN, A. (1950). UNCERTAINTY, EVOLUTION, AND ECONOMIC THEORY. JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY, P. 211-221, JUN. DISCIPLINA: GESTÃO E ECONOMIA INSTITUCIONAL PROFESSOR: EMENTA Apresentação dos principais enfoques teóricos que pretendem explicar a importância das relações entre as instituições e o comportamento dos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EAD5933 - Empresas e a Conjuntura Econômica Mundial Área: Economia das Organizações Créditos: 08 Professor: Paulo Roberto Feldmann 1. Resumo da disciplina: Nas últimas décadas a acentuada expansão do fenômeno

Leia mais

PROGRAMA DE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

PROGRAMA DE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TECNICA DE LISBOA CURSO DE LICENCIATURA EM GESTÃO 2007/2008 (Regras de Bolonha) PROGRAMA DE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE L I S B O A SETEMBRO 2 0

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS DE TRANSAÇÃO E O FLUXO DE CAIXA DAS ORGANIZAÇÕES

A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS DE TRANSAÇÃO E O FLUXO DE CAIXA DAS ORGANIZAÇÕES A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS DE TRANSAÇÃO E O FLUXO DE CAIXA DAS ORGANIZAÇÕES Oldair Luiz Goncalves (IFES) ogoncalves@ifes.edu.br Simone de Souza (IFES) simones@ifes.edu.br A economia dos custos de transação

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas AAKER, D. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 2001. ABBAS, K. Gestão de Custos em Organizações Hospitalares. 2001. In COUTO, Renato e PEDROSA, Tânia. Hospital: Acreditação

Leia mais

Internacionalização de Empresas Brasileiras: Análise de Micro e Pequenas Empresas.

Internacionalização de Empresas Brasileiras: Análise de Micro e Pequenas Empresas. Internacionalização de Empresas Brasileiras: Análise de Micro e Pequenas Empresas. Andresa Silva Neto Francischini andneto@mackenzie.com.br Universidade Presbiteriana Mackenzie Cláudio Oliveira Ribeiro

Leia mais

UM MODELO PARA ANÁLISE DA TERCEIRIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

UM MODELO PARA ANÁLISE DA TERCEIRIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO V S E M E A D E N S A I O M. Q. I. UM MODELO PARA ANÁLISE DA TERCEIRIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Edmir Parada Vasques Prado 1 Hiroo Takaoka 2 RESUMO Nos últimos anos, as organizações estão cada vez

Leia mais

TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO

TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO PRINCIPAIS AUTORES COASE, R. H. The nature of the firm (1937). WILLIAMSON, O. E. Market and Hierarchies: analysis and antitrust implications

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1

Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1 Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1 1. INTRODUÇÃO Tomás de Aquino Guimarães, professor, Universidade de Brasília Luiz Akutsu, doutorando em Administração, Universidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

Economia dos Recursos Humanos

Economia dos Recursos Humanos Disciplina oferecida ao Curso de MBE Executivo (5ª edição) do Programa de Pós Graduação em Economia da UFRGS. Economia dos Recursos Humanos Professor Responsável: Giácomo Balbinotto Neto. Objetivo: A economia

Leia mais

Novo programa curricular para 2012-13

Novo programa curricular para 2012-13 Licenciaturas Novo programa curricular para 2012-13 Regras de transição 04.05.2012 Curriculum: Year 1 F S Int. Empresa* Int. Micro** Int. Micro* Int. Empresa** Cálculo I Cálculo II* Estatística** Algebra

Leia mais

Desempenho das Fusões e Aquisições na Indústria Brasileira na Década de 90: a Ótica das Empresas Adquiridas *

Desempenho das Fusões e Aquisições na Indústria Brasileira na Década de 90: a Ótica das Empresas Adquiridas * Desempenho das Fusões e Aquisições na Indústria Brasileira na Década de 90: a Ótica das Empresas Adquiridas * Frederico Rocha ** Mariana Iootty *** João Carlos Ferraz ** Resumo O objetivo deste trabalho

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS PROGRAMA DA DISCIPLINA RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015 Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS Marcelo Augusto Ambrozini marceloambrozini@usp.br Mestrado em Controladoria e contabilidade JUSTIFICATIVA

Leia mais

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados Empresas e Mercados Pré-Requisitos: Nenhuns Prerequisites: None Compreender o funcionamento dos mercados e a forma como o mecanismo preço permite a afetação de recursos Compreender e explicar o processo

Leia mais

A Lógica do Capitalismo e o Trabalho Humano

A Lógica do Capitalismo e o Trabalho Humano Ibmec MG Working Paper WP7 A Lógica do Capitalismo e o Trabalho Humano Sérgio de Oliveira Birchal (Ibmec MG) SergioOB@ibmecmg.br Reynaldo Maia Muniz (2004) 1 A Lógica do Capitalismo e o Trabalho Humano

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL Marco Crocco Ricardo Machado Ruiz Anderson Cavalcante Março de 2008 Ficha catalográfica 333.73981

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

RESENHA CRÍTICA ANTÔNIO N. PEREIRA

RESENHA CRÍTICA ANTÔNIO N. PEREIRA Vol. 2, n.º 4, Resenha, pp. 145-149 ISSN 1981-8610 Dez 2007/Mar 2008 Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade RESENHA CRÍTICA ANTÔNIO N. PEREIRA Mestrando em Ciências Contábeis-Finanças pela Fucape

Leia mais

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Gestão de Eventos Área Científica: Ciências da Comunicação CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 CURSO: Comunicação e Relações Públicas Ano: 1º 2º 3º 4º Semestre:

Leia mais

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA 1ª SESSÃO A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA SÓCIO-FUNDADOR DIREZIONE CONSULTORIA EMPRESARIAL PROFESSOR

Leia mais

Teoria do Agente, Teoria da Firma e os Mecanismos de Governança Corporativa no Brasil

Teoria do Agente, Teoria da Firma e os Mecanismos de Governança Corporativa no Brasil Teoria do Agente, Teoria da Firma e os Mecanismos de Governança Corporativa no Brasil Resumo Raquel Lourenço do Carvalhal Ricardo Bordeaux-Rêgo UFF O objetivo deste trabalho é dar uma contribuição para

Leia mais

Paradigmas Tecnológicos e Teorias Econômicas da Firma. TIGRE, Paulo Bastos.

Paradigmas Tecnológicos e Teorias Econômicas da Firma. TIGRE, Paulo Bastos. Paradigmas Tecnológicos e Teorias Econômicas da Firma TIGRE, Paulo Bastos. Resumo TEORIA DA FIRMA Mudanças Tecnológicas (i) Revolução Industrial Inglesa análise economia neoclássica (ii) Fordista análise

Leia mais

Arquivos Históricos, CLE/UNICAMP

Arquivos Históricos, CLE/UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência Seção de Arquivos Históricos em História da Ciência Fundo: Michel Maurice Debrun Grupo: Hemeroteca Michel Maurice

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Empreendedorismo e Internacionalização Disciplina: ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO Carga Horária semanal: 3 horas

Leia mais

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Adriano Luiz Antunes Denis Antoniazzi INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br]

Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br] Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br] Disciplina: ESTRATÉGIA FINANCEIRA Professores: RAFAEL SCHIOZER; 1 Semestre de 2008 EMENTA Esse

Leia mais

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Empreendedorismo e Internacionalização Disciplina: ESTRATÉGIA E PRÁTICA ORGANIZACIONAL Carga Horária semanal: 3 horas

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

DEVELOPING THE CONCEPT COORDINATION MIX AS AN ALTERNATIVE STRUCTURE OF GOVERNANCE IN EMERGING COUNTRIES MNC

DEVELOPING THE CONCEPT COORDINATION MIX AS AN ALTERNATIVE STRUCTURE OF GOVERNANCE IN EMERGING COUNTRIES MNC DESENVOLVENDO O CONCEITO MIX DE COORDENAÇÃO COMO ESTRUTURA DE GOVERNANÇA ALTERNATIVA PARA MULTINACIONAIS DE ECONOMIAS EMERGENTES DEVELOPING THE CONCEPT COORDINATION MIX AS AN ALTERNATIVE STRUCTURE OF GOVERNANCE

Leia mais

8 Referências bibliográficas

8 Referências bibliográficas 8 Referências bibliográficas ALVES, M. Carro Flex Fuel: Uma Avaliação por Opções Reais. Dissertação (Mestrado em Administração). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

Leia mais

COMPETITIVIDADE: MERCADO, ESTADO E ORGANIZAÇÕES. FARINA, E.M.M.Q. AZEVEDO, P.F. SAES, M.S.

COMPETITIVIDADE: MERCADO, ESTADO E ORGANIZAÇÕES. FARINA, E.M.M.Q. AZEVEDO, P.F. SAES, M.S. COMPETITIVIDADE: MERCADO, ESTADO E ORGANIZAÇÕES. FARINA, E.M.M.Q. AZEVEDO, P.F. SAES, M.S. Aluno: Murilo S. de Carvalho Teoria da Organização Industrial TEORIA DA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL Harvard: década

Leia mais

Je remercie Mme Narvaez-Goldstein et M. Fourneyron d avoir accepté de suivre ce travail. Je remercie les personnes qui m ont accordé des entretiens

Je remercie Mme Narvaez-Goldstein et M. Fourneyron d avoir accepté de suivre ce travail. Je remercie les personnes qui m ont accordé des entretiens Je remercie Mme Narvaez-Goldstein et M. Fourneyron d avoir accepté de suivre ce travail. Je remercie les personnes qui m ont accordé des entretiens et m ont fait partager leurs connaissances et leurs expériences

Leia mais

ADMISSION AU COLLEGE UNIVERSITAIRE Samedi 2 mars 2013 PORTUGAIS durée de l épreuve : 1h30 coefficient 1 IMPORTANT PARTIE RESERVEE A LA CORRECTION

ADMISSION AU COLLEGE UNIVERSITAIRE Samedi 2 mars 2013 PORTUGAIS durée de l épreuve : 1h30 coefficient 1 IMPORTANT PARTIE RESERVEE A LA CORRECTION Coller votre code barre ci-dessous ADMISSION AU COLLEGE UNIVERSITAIRE Samedi 2 mars 2013 PORTUGAIS durée de l épreuve : 1h30 coefficient 1 IMPORTANT Le sujet est paginé de 1 à 3. Veuillez vérifier que

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: NOVAS TENDÊNCIAS EM CONTABLIDADE DE GESTÃO Semestre 1º ECT s 6 Área Científica: Docente: CONTABILIDADE HUMBERTO RIBEIRO

Leia mais

UM MODELO DE GESTÃO POR RESULTADOS SEGUNDO A TEORIA DA AGÊNCIA Um Estudo de Caso: Banco do Estado de Santa Catarina S/A

UM MODELO DE GESTÃO POR RESULTADOS SEGUNDO A TEORIA DA AGÊNCIA Um Estudo de Caso: Banco do Estado de Santa Catarina S/A 1 UM MODELO DE GESTÃO POR RESULTADOS SEGUNDO A TEORIA DA AGÊNCIA Um Estudo de Caso: Banco do Estado de Santa Catarina S/A Jorge Luiz dos Santos Martinho Luís Kelm Aline França de Abreu Universidade Federal

Leia mais

ABI/INFORM GLOBAL & COMPLETE

ABI/INFORM GLOBAL & COMPLETE ABI/INFORM Complete A mais completa das variantes da ABI/INFORM, combina informação académica, industrial, comercial e notícias regionais. Consiste em: ABI/INFORM Global Um núcleo de mais de 3,000 periódicos

Leia mais

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE Mestrado em Tradução Tradução da primeira parte de Droit de la Famille de Dominique Fenouillet Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES (MRE) INSTITUTO RIO BRANCO (IRBr) PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Economia Aplicada à Tomada de Decisão e à Estratégia de Negociação PROFESSOR: Flávio

Leia mais

ESTRATÉGIAS A PARTIR DOS MODELOS DA FIRMA: ESTUDO DE CASO DO BANCO ITAÚ. Márcio Tambelini de Amorim

ESTRATÉGIAS A PARTIR DOS MODELOS DA FIRMA: ESTUDO DE CASO DO BANCO ITAÚ. Márcio Tambelini de Amorim ESTRATÉGIAS A PARTIR DOS MODELOS DA FIRMA: ESTUDO DE CASO DO BANCO ITAÚ Márcio Tambelini de Amorim Mestrando Universidade PresbiterianaMackenzie apoio Mack Pesquisa Contato: São Paulo Brasil tambelini@yahoo.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Sábado - 8h às 12h e 13h30 às 17h30

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Sábado - 8h às 12h e 13h30 às 17h30 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Divisão Especial de Registro e Controle Acadêmico PROGRAMA DE DISCIPLINA Identificação da disciplina Código Nome FINANÇAS PÚBLICAS Sala 411B/ P4 Carga

Leia mais

Em Busca da Resource-Based View Dinâmica: Contribuição da Teoria Austríaca de Estratégia

Em Busca da Resource-Based View Dinâmica: Contribuição da Teoria Austríaca de Estratégia Em Busca da Resource-Based View Dinâmica: Contribuição da Teoria Austríaca de Estratégia Autoria: Augusto Cesar Arenaro e Mello Dias A gestão estratégica vem passando por um processo de modernização e

Leia mais

José Manuel Sérvulo Correia

José Manuel Sérvulo Correia José Manuel Sérvulo Correia Sócio Fundador sc@servulo.com Assistente Pessoal: Ana Maria Abrantes (+351) 210 933 000 ama@servulo.com http://www.servulo.com PERFIL Sócio fundador da SÉRVULO, desde 1999,

Leia mais

Análise Econômica para a Gestão Ambiental

Análise Econômica para a Gestão Ambiental Departamento de Economia UnB Curso de Mestrado em Gestão Econômica do Meio-Ambiente CEEMA Análise Econômica para a Gestão Ambiental Professores: Charles C. Mueller e Bernardo P. M. Mueller I. Objetivos

Leia mais

20º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência

20º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência 20º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência Convergência tecnológica, Inovação e Direito da Concorrência no séc. XXI Silvia Fagá de Almeida 30 de outubro de 2014 Mercados dinâmicos e ambiente

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano Ano Lectivo 2002/2003 Coordenador Prof. Doutor Eduardo Paz Ferreira Regente

Leia mais

BREVE CURRÍCULO. HABIL. ACADÉMICAS:. Licenciatura em Economia (1978), pelo Instituto Superior de Economia (Média: 16 valores);

BREVE CURRÍCULO. HABIL. ACADÉMICAS:. Licenciatura em Economia (1978), pelo Instituto Superior de Economia (Média: 16 valores); BREVE CURRÍCULO NOME. Vítor Bento NASCIMENTO:. 25-06-1954 HABIL. ACADÉMICAS:. Licenciatura em Economia (1978), pelo Instituto Superior de Economia (Média: 16 valores);. Mestrado em Filosofia (2003), na

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA Cursos: Doutoramento/3º Ciclo em Gestão Disciplina: Semestre: 1º Docente: Anabela Dinis Gabinete 4.15; Extensão 3859 (Pólo IV), adinis@ubi.pt A) OBJECTIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Sandra Maria Fevereiro Marnoto Licenciada em Gestão (1994) e Mestre em Finanças (2001) pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto e é

Sandra Maria Fevereiro Marnoto Licenciada em Gestão (1994) e Mestre em Finanças (2001) pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto e é Célio Alberto Alves Sousa Licenciado em Relações Internacionais, Ramo Ciências Económicas e Políticas, pela Universidade do Minho (1994), pós graduado em Gestão Empresarial (1998) e doutorado em Management

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS CARVALHO, L.F. (CESUR 1 ) - P 2 GRZEBIELUCKAS, C. (UNEMAT) - P 3 Resumo Este trabalho tem como pano de fundo abordar questões dentro de uma das linhas

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Área Científica Gestão Ciclo de Estudos Licenciatura em Som e Imagem Ramo de Vídeo e ramo de som Carácter: Obrigatória

Leia mais

CONSEGI 2010. Marcus Vinicius Brandão Soares. Aspectos Legais de Cloud Computing

CONSEGI 2010. Marcus Vinicius Brandão Soares. Aspectos Legais de Cloud Computing Marcus Vinicius Brandão Soares Mestre e Doutorando COPPE-Sistemas Perito Judicial Cível e do Trabalho RJ e Campos dos Goytacazes Membro do Grupo de Pesquisa Justiça e Direito Eletrônicos Escola Judicial

Leia mais

Palavras-chaves: Inovação, Gestão de Recursos Humanos, Competências.

Palavras-chaves: Inovação, Gestão de Recursos Humanos, Competências. A ESTRUTURAÇÃO DE UM SISTEMA DE INOVAÇÃO E SUA ARTICULAÇÃO COM A ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA DE GESTÃO DE PESSOAS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO DO SETOR AUTOMOTIVO Mariana Drumond de Lima (UFMG ) marianadrumondl@gmail.com

Leia mais

ACCOUNTABILITY COMO INSTRUMENTO ATENUANTE DO CONFLITO DE AGÊNCIA EM INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS RESUMO

ACCOUNTABILITY COMO INSTRUMENTO ATENUANTE DO CONFLITO DE AGÊNCIA EM INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS RESUMO ACCOUNTABILITY COMO INSTRUMENTO ATENUANTE DO CONFLITO DE AGÊNCIA EM INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS Moacir Carneiro Junior. 1 Valdir Miranda Pinto. 2 RESUMO As Organizações Sem Fins Lucrativos têm demonstrado

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO IPEA/PROCIN Nº 004/2015 - CONCESSÃO DE BOLSAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO IPEA/PROCIN Nº 004/2015 - CONCESSÃO DE BOLSAS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO IPEA/PROCIN Nº 004/2015 - CONCESSÃO DE BOLSAS O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência

Leia mais

JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il.

JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il. BSP Especializados BSP - Especializados JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il. UNIDADE: Morumbi

Leia mais

INSERÇÃO DA TECNOLOGIA E DA INOVAÇÃO NOS RELATÓRIOS DE DIVULGAÇÃO VOLUNTÁRIA DE INFORMAÇÕES

INSERÇÃO DA TECNOLOGIA E DA INOVAÇÃO NOS RELATÓRIOS DE DIVULGAÇÃO VOLUNTÁRIA DE INFORMAÇÕES INSERÇÃO DA TECNOLOGIA E DA INOVAÇÃO NOS RELATÓRIOS DE DIVULGAÇÃO VOLUNTÁRIA DE INFORMAÇÕES MARCOS ROBERTO KUHL Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO, Programa de Mestrado em Administração,

Leia mais

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv. 3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.br Preços em Setores Regulados Tendências Regulatórias e o Controle de Preços

Leia mais

Programa Piloto de Patentes Verdes aceleração de patenteamento de tecnologias verdes e incentivo ao desenvolvimento tecnológico no Brasil

Programa Piloto de Patentes Verdes aceleração de patenteamento de tecnologias verdes e incentivo ao desenvolvimento tecnológico no Brasil Programa Piloto de Patentes Verdes aceleração de patenteamento de tecnologias verdes e incentivo ao desenvolvimento tecnológico no Brasil Fábio Massashi Kuribara Eduardo De Carli Andréa Paula Segatto Farley

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:13:42 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Competitividade, Planeamento e Controlo nos Serviços de Saúde MESTRADO

Leia mais

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Mestrado em Administração Disciplina: Internacionalização e Globalização Carga horária: 45 horas-aula Créditos: 3 I. OBJETIVOS DA DISCIPLINA A presente

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

Questões e Reflexões sobre o Empreendedor. Prof. João R. Barroso, Ph.D. Diretor da Unisa Business School Jbarroso@unisa.br

Questões e Reflexões sobre o Empreendedor. Prof. João R. Barroso, Ph.D. Diretor da Unisa Business School Jbarroso@unisa.br Questões e Reflexões sobre o Empreendedor Prof. João R. Barroso, Ph.D. Diretor da Unisa Business School Jbarroso@unisa.br Herói que trilhou seu próprio caminho, o empreendedor desfila nas capas de revistas,

Leia mais

Descrição: Dados Técnicos:

Descrição: Dados Técnicos: II Simpósio Direito e Economia Descrição: O Simpósio Direito e Economia, em sua segunda edição, pretende dar continuidade ao propósito de contribuir para a atividade acadêmica e profissional de juristas

Leia mais

Capacitação de Agentes Gestores de APLs

Capacitação de Agentes Gestores de APLs Capacitação de Agentes Gestores de APLs Fontes de Fomento à Inovação sandro.cortezia@venti.com.br Sandro Cortezia, MSc. Apresentação Nome: Onde trabalha/função: Já elaborou ou foi contemplado em projetos

Leia mais

Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship

Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship 67 Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship (A comparative analysis between the Agency Theory and Stewardship) Angelo Antonio Davis de Oliveira Nunes e Rodrigues 1 1 Centro Universitário

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS NA POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CADEIAS PRODUTIVAS NA POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CADEIAS PRODUTIVAS NA POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 1 (Apresentado na Reunião Regional Sudeste da Conferência Nacional de C&T para Inovação, Rio de Janeiro 17/08/2001) 1 Victor Prochnik Instituto

Leia mais

Processo de adoção de Moda

Processo de adoção de Moda ANHEMBI MORUMBI Processo de adoção de Moda ANA PAULA DE MIRANDA O uso proeminente da moda é desenvolver senso de identidade pessoal. Consumidores usam a moda para representar tipos sociais específicos

Leia mais

Carla Tomazini Doutoranda em Ciência Política Unicamp/ IHEAL - Paris III carlatomazini@gmail.com

Carla Tomazini Doutoranda em Ciência Política Unicamp/ IHEAL - Paris III carlatomazini@gmail.com 1 ORIGENS E MUDANÇAS DA AÇÃO PÚBLICA: COMPARAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA NO BRASIL E NO MÉXICO Carla Tomazini Doutoranda em Ciência Política Unicamp/ IHEAL - Paris III carlatomazini@gmail.com

Leia mais

competitividade com base no padrão de concorrência

competitividade com base no padrão de concorrência A metodologia de avaliação de empresas: uma sistemática para avaliar ativos intangíveis e competitividade com base no padrão de concorrência 9 Adriano Dias Mendes João Paulo Carneiro de H. Braga 1 A atuação

Leia mais

FORMULÁRIO DE CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO DE CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1 FORMULÁRIO DE CRIAÇÃO DE DISCIPLINA CD-01 1 NOME DO PROGRAMA: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS 2 Proposta de Criação de disciplina Exclusão de disciplina da grade curricular Mudança de denominação

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Sociais e Humanas 1ª Aula 22-2-2006 Apresentação: objectivos, programa e método de avaliação. 2ª Aula 24-2-2006 Introdução. Do que falamos quando falamos de quotidiano? Certeau, Michel de (1990 [1980, 1ª ed.]), L invention

Leia mais

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING Cassio Sclovsky Grinberg 1. Introdução: Diversas disciplinas enfrentam questões acerca do verdadeiro caráter científico por elas incorporado. Algumas disciplinas vem

Leia mais

... A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z

... A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z Lista das Publicações Periódicas Recebidas no ISP A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z A ACÓRDÃOS DOUTRINAIS DO SUPREMO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO.

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: FACIP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: FACIP UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Estratégia e Planejamento CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: FACIP PERÍODO/SÉRIE:

Leia mais

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias Rui Franganito Resumo A importância da capacidade de do conhecimento

Leia mais

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões Proposta de disciplina G3 Ano Lectivo 2003/2004 Economia das Pensões Maria Teresa Medeiros Garcia Lisboa, 31 de Março, 2003 1. Justificação Numa fase de grande incerteza quanto à sustentabilidade financeira

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

OS CUSTOS DA EDUCAÇÃO: QUESTÕES RELEVANTES PARA GOVERNOS E SOCIEDADE CIVIL. Ursula Dias PERES 1

OS CUSTOS DA EDUCAÇÃO: QUESTÕES RELEVANTES PARA GOVERNOS E SOCIEDADE CIVIL. Ursula Dias PERES 1 OS CUSTOS DA EDUCAÇÃO: QUESTÕES RELEVANTES PARA GOVERNOS E SOCIEDADE CIVIL Ursula Dias PERES 1 Resumo: Este artigo analisa os custos envolvidos para a obtenção de eficiência nas políticas públicas de educação.

Leia mais

Aula 17. B) Teoria Do Valor: Mercados Equilibrados 1. Concorrência Perfeita Samuelson 8 Sousa V.1

Aula 17. B) Teoria Do Valor: Mercados Equilibrados 1. Concorrência Perfeita Samuelson 8 Sousa V.1 Aula 17 B) Teoria Do Valor: Mercados Equilibrados 1. Concorrência Perfeita Samuelson 8 Sousa V.1 Concorrência perfeita Condições para a concorrência perfeita Grande número de produtores Produto homogéneo

Leia mais

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS Cristiane Marques de Mello, PG, Administração, Uem, mellcris@gmail.com Marcos Junio Ferreira de Jesus, PG. Admiministração, Uem, marcosjunio@hotmail.com

Leia mais