2 CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS RIBEIRÃO PRETO SP ÁREA TEMÁTICA: B - ABORDAGEM SISTÊMICA NAS ORGANIZAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS RIBEIRÃO PRETO SP ÁREA TEMÁTICA: B - ABORDAGEM SISTÊMICA NAS ORGANIZAÇÕES"

Transcrição

1 2 CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS RIBEIRÃO PRETO SP ÁREA TEMÁTICA: B - ABORDAGEM SISTÊMICA NAS ORGANIZAÇÕES O SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES (ANATEL) COM BASE NA TEORIA DE SISTEMAS Autores Carla A. Arena Ventura * Dante Pinheiro Martinelli ** RESUMO As telecomunicações desempenham um papel de vital importância na sociedade da informação e, conseqüentemente, no dia-a-dia das pessoas e organizações. Historicamente, este setor foi considerado um monopólio natural sob a administração pública ou privada. Contudo, a evolução tecnológica e a necessidade de serviços diversificados e modernos geraram um movimento global de mudanças estruturais políticas e legais no setor. O Anexo de Telecomunicações do Acordo Geral de Serviços da Organização Mundial do Comércio representa um marco para a flexibilização das telecomunicações. No Brasil, este processo começou em 1995 e atingiu o seu ápice em 1998 quando o monopólio estatal foi aberto a investimentos privados. A Lei Geral de Telecomunicações de 1997 estabeleceu o modelo de reestruturação das telecomunicações e criou a Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL). Com base na premissa de que as agências reguladoras são entes importantes para a reorganização do setor de telecomunicações, este estudo descreve a estrutura organizacional da ANATEL, analisando-a por meio da teoria de sistemas. Inicialmente, os autores apresentam uma revisão da literatura sobre a evolução histórica das telecomunicações no Brasil, bem como das agências reguladoras, seu poder, ligações com os poderes do Estado e estrutura organizacional, bem como os princípios da teoria de sistemas. Como resultado desta revisão, os autores propõe alternativas para o modelo de gestão do setor de telecomunicações do Brasil implementado no período pós-privatização. ABSTRACT Telecommunications play a vital role in the so-called information society and, consequently, in everyday life for people and organizations. The sector was traditionally seen as a natural monopoly under public or private administration. However, technological evolutions and the need for more modern and diversified telecommunications services gave rise to a global movement towards legal and political structural changes. The Telecommunications Attachment to the WTO General Agreement on Trade in Services represents a landmark in this flexibilization process. In Brazil, this process started in 1995 and reached its climax in 1998 when the state monopoly was opened up to private investments. The 1997 General Telecommunications Act established the model for restructuring the telecommunications sector and created the National Telecommunications Agency (Anatel). Based on the premise that regulatory bodies were important for the reorganization of the telecommunications sector, this study describes the organizational structure of Anatel, analyzing it according to the systems theory. First, a documentary analysis and literature review were carried out on the historical evolution of telecommunications Brazil, as well as on regulatory bodies, their power, governmental links, organizational structure and on the principles of systems theory. As a result of this review, authors proposed some alternatives to the telecommunications management model under implementation in Brazil in the post-privatization period. * Professora Doutora da UNIFACEF e da EERP-USP. Endereço para correspondência: Avenida Bandeirantes, Campus Universitário. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. CEP E.mail: ** Professor Titular da FEARP-USP. 1

2 INTRODUÇÃO As novas tecnologias da informação e das comunicações constituem a base da recente sociedade da informação e um dos alicerces do desenvolvimento econômico. Neste sentido, pode-se afirmar que as telecomunicações são o sistema nervoso da economia global. O papel das telecomunicações na economia mundial é tema freqüente da agenda internacional, refletido no posicionamento crescente das empresas do setor no mercado globalizado e na conseqüente reestruturação dos sistemas nacionais e transnacionais de comunicações em busca de adaptação às rápidas mudanças tecnológicas, políticas e econômicas (Ventura, 2004). Desta forma, as décadas de 80 e 90 foram marcadas por grandes reformas no setor, motivadas pela necessidade de atração de investimentos capazes de conduzir à modernização, diversificação e melhoria na qualidade dos serviços, culminando em mudanças estruturais legais e políticas. A reestruturação do modelo de monopólio estatal das telecomunicações no Brasil iniciouse em 1995, acompanhando o movimento irreversível de reformas já realizadas em outros países latino-americanos como o México, Chile, Argentina e Venezuela. O movimento de mudanças consolidou-se no Brasil com a criação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), responsável pela implementação do modelo de flexibilização das telecomunicações no país e criada nos moldes da Federal Communications Commission (FCC), agência norte-americana de comunicações. Neste contexto,o objetivo central desta pesquisa qualitativa, do tipo estudo de caso, foi analisar como a agência reguladora brasileira desempenha um papel preponderante no processo de reorganização do setor de telecomunicações, na área de telefonia fixa, com base nos conceitos da teoria de sistemas. Como resultado são propostas recomendações para o modelo de gestão das telecomunicações no país. 2 AGÊNCIAS REGULADORAS A origem remota das agências reguladoras é inglesa, a partir da criação pelo Parlamento, em 1834, de diversos órgãos autônomos com a finalidade de aplicação e concretização dos textos legais. Posteriormente, em virtude da influência do direito anglo-saxão, os Estados Unidos iniciaram a instituição de uma série de agências. A existência de agências reguladoras resulta da necessidade de o Estado influir na organização das relações econômicas de modo muito constante e profundo e do desejo de conferir, às autoridades incumbidas dessa intervenção, boa dose de autonomia frente à estrutura tradicional do poder político. Nesta perspectiva, a regulação como espécie de intervenção federal apresenta características marcadamente econômicas, com o intuito de cuidar de um campo específico de atividades proveniente de setores ditos privados ou de reserva estatal, como as telecomunicações. 2

3 É importante lembrar que as agências reguladoras não são sinônimo de processo de privatização, uma vez que existem em países que nunca conheceram fluxos de privatização, como os EUA. Cumpre aqui enfatizar que a designação e a estruturação das agências reguladoras nos diferentes países é fortemente influenciada pela experiência norte-americana. De forma geral, as agências reguladoras apresentam autonomia. Há, contudo, dois tipos de controles aos quais as agências se submetem, o primeiro denomina-se controle de gestão, referente à fiscalização da aplicação de seus recursos e o segundo configura-se no controle de sua atividade fim, ou seja, da regulação. Neste último, as agências são submetidas à fiscalização do legislativo e judiciário, além de serem controladas por instâncias específicas da sociedade. As agências apresentam também a importante missão de proteção dos consumidores (tanto os efetivos como os potenciais). Daí falar-se em universalização dos serviços básicos, especialmente em países em desenvolvimento como o Brasil (Ventura, 2004). Outro ponto de profunda importância para as agências reguladoras, de forma geral, é o estímulo e manutenção à concorrência. Esta é uma tarefa extremamente complexa e delicada. Devem, portanto, buscar manter uma estrutura de mercado economicamente viável, fazer licitações transparentes para a escolha de novas empresas, impedindo que os concorrentes se aliem ilicitamente. Finalmente, cumpre salientar a necessidade de autonomia da agência reguladora com relação ao poder político. Sendo assim, apesar de implementar macropolíticas setorias definidas pelo governo, a agência reguladora não pode transformar-se em instrumento de jogo político. Desta forma, garante-se a estabilidade dos dirigentes, que possuem mandatos específicos, a autonomia na gestão administrativa do órgão regulador, fontes próprias de recurso e a não vinculação hierárquica da agência a qualquer instância do governo. A independência das agências reguladoras é um tema bastante complexo. Não se pode deixar de vislumbrar aqui no mínimo dois viéses: a retórica governamental e sua postura concreta, no que tange conferir efetivamente independência a tal ente (Ventura, 2004). Em suma, as agências reguladoras devem buscar assegurar a maior permeabilidade da atividade regulatória aos interesses da sociedade, possuindo maior capacidade de arbitramento desses interesses e se configurando em um novo tipo de autoridade estatal. No Brasil, as agências reguladoras foram criadas no contexto do processo de desestatização, em que a venda das empresas estatais prestadoras de serviço poderia resultar na perda pelo Estado do poder de influir na prestação do serviço e controlar a estrutura das empresas. Nesta perspectiva, foram implementadas com o objetivo de monitorar serviços fundamentais ao país e cujo colapso seria um desastre para a economia. A primeira agência criada foi a ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica, através da Lei de Posteriormente, foram instituídas a ANATEL, objeto deste estudo e a ANP Agência Nacional do Petróleo, respectivamente pelas Leis de 1997 e de 1997 (Ventura, 2004). 3

4 As várias agências não seguiram um modelo comum. Todavia, apresentam semelhanças e são entidades que exercem tarefas típicas do Estado e gozam de autonomia com relação ao Executivo. Possuem a natureza jurídica de autarquias com regime especial. Pode-se afirmar que a independência funcional e financeira das agências reguladoras regese pela presença de alguns preceitos obrigatórios em suas leis de criação como a independência financeira, a escolha dos instrumentos de regulação e o modo de nomeação de seus dirigentes (Ventura, 2004). As agências editam normas, fiscalizam, aplicam sanções, resolvem disputas entre as empresas e decidem sobre as reclamações de consumidores. Cumprem ainda um papel relevante quanto à concorrência definindo a estrutura do setor ou preparando processos a serem apresentados ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE órgão administrativo de defesa da concorrência no país, com poder para tomar as decisões finais sobre a matéria. O processo de privatização das telecomunicações no Brasil desenvolveu-se a partir de dois marcos: o primeiro refere-se ao fato de que a privatização foi precedida da montagem de um modelo institucional em que se criou um órgão regulador independente e com grande autonomia, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O segundo marco é o fato de a reestruturação das telecomunicações no Brasil ter sido precedida por modelos adotados em outros países, como os EUA e a Comunidade Européia, o que trouxe à formulação do sistema nacional vasta experiência e significativo aprendizado O art. 8º da Lei Geral de Telecomunicações brasileira criou, portanto, a Agência Nacional de Telecomunicações, entidade integrante da Administração Pública Federal indireta, submetida a regime autárquico especial e vinculada ao Ministério das Comunicações, com a função de órgão regulador das telecomunicações. De acordo com o seu Regimento Interno, compete à Agência organizar a exploração dos serviços de telecomunicações, em especial, quanto aos aspectos de regulamentação, outorga de concessão e permissão, expedição de autorização, uso dos recursos de órbita e de radiofreqüências e fiscalização (Ventura, 2004). À Anatel cabe regular as telecomunicações no Brasil, exercendo o poder concedente dos serviços públicos, a administração ordenadora das atividades privadas e a fiscalização dos serviços, incluindo a qualidade e os aspectos de organização do mercado. A Anatel, além da competência técnica, desfruta de liberdade gerencial e autonomia. Deve, todavia, prestar contas de suas ações, tanto qualitativamente como sob o ponto de vista financeiro. 3 TEORIA DE SISTEMAS A literatura aponta diferentes definições de sistemas, variando de acordo com os interesses, formação e especialização dos autores (Martinelli & Ventura, 2006). Neste sentido, Churchman (1968) nota que os precursores da Teoria de Sistemas não buscaram, inicialmente, uma definição precisa de sistemas e afirmavam que a Teoria de Sistemas abrangia estudos de interesse de mais de uma área de conhecimento. 4

5 Este estudo baseou-se na definição de sistema oferecida por Churchman (1968) como partes coordenadas em busca de objetivos específicos. O mencionado autor enfatiza ainda cinco aspectos básicos a serem considerados na análise dos sistemas: - os objetivos de todo o sistema - o ambiente do sistema - os recursos do sistema - os components do sistema - a administração do sistema Os objetivos são as metas do sistema. O ambiente abrange tudo o que está fora do controle do sistema, bem como tudo o que influencia a sua atuação. Os conceitos de interrelação, interdependência e interações estão implícitos na abordagem sistêmica. Os recursos são considerados os meios disponíveis para o sistema atingir os seus objetivos. Os recursos estão dentro do sistema e, em contraposição ao ambiente, incluem tudo o que pode ser usado pelo sistema. Os componentes do sistema são a missão, funções e atividades desempenhadas pelo sistema para atingir os seus objetivos. A administração do sistema inclui duas funções básicas: planejamento e controle. Em um sistema aberto, as mudanças são inevitáveis e, assim, o planejamento deve ser constantemente avaliado e revisado. Deve-se também mencionar o fluxo de informação ou feedback. Sem um feedback adequado, as funções de planejamento e controle se tornam obsoletas. Sendo assim, a Teoria de Sistemas enfoca interrelações complexas entre variáveis, apresentando conceitos que permitem a descrição e análise destas interrelações (Martinelli & Ventura, 2006). Como resultado, introduz uma perspectiva essencial para o desenvolvimento das ciências sociais e para o estudo das organizações. Com base nestas premissas, este estudo analisou o papel da agência reguladora de telecomunicações brasileira, a ANATEL, na flexibilização das telecomunicações no país, considerando seus objetivos, ambiente, recursos, componentes e administração. 4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Trata-se de uma pesquisa qualitativa, considerada apropriada quando o fenômeno em estudo é complexo, de natureza social e que não tende à quantificação. Na presente investigação, inicialmente foi realizada uma pesquisa descritiva com dados secundários, através de uma intensa revisão bibliográfica de documentos (contratos, planejamentos governamentais, protocolos, acordos internacionais e legislações), materiais jornalísticos e estudos sobre agências reguladoras e teoria de sistemas. Posteriormente, foi realizada uma pesquisa descritiva do tipo estudo de caso, utilizado em pesquisas de campo. Os dados foram coletados através de entrevistas semi-estruturadas e observação na agência reguladora e analisados por meio da análise de conteúdo. A análise de conteúdo, conforme definida por Bardin (1977), constitui-se em um conjunto de técnicas de análise de comunicações, visando obter a inferência de conhecimentos 5

6 relativos às condições de produção/recepção destas mensagens. Essas técnicas parciais, mas complementares, consistem na explicitação e sistematização do conteúdo das mensagens e da expressão desse conteúdo, tendo por finalidade efetuar deduções lógicas e justificadas, referentes à origem das mensagens, levando em consideração o emissor e seu contexto e, eventualmente, os efeitos dessas mensagens. Os achados da pesquisa foram analisados de acordo com os cinco aspectos dos sistemas definidos por Churchman. Inicialmente, o cenário das telecomunicações no Brasil foi descrito, enfatizando-se os seus objetivos e ambiente, como pano de fundo para a compreensão da criação da agência reguladora brasileira. Posteriormente, o estudo centrouse nos recursos, componentes e administração da agência reguladora analisada. 5 OBJETIVOS E AMBIENTE: A REESTRUTURAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL No Brasil, o processo de reestruturação das telecomunicações, organizadas sob a forma de monopólio estatal, ocorreu no final dos anos 1990 como conseqüência de um movimento global de liberalização dos serviços. O papel da Organização Mundial do Comércio (OMC) neste contexto não pode ser minimizado. A consolidação da OMC, com seu Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços e especificamente o Anexo de Telecomunicações estimulou a liberalização dos serviços de telecomunicações em âmbito mundial. Deve-se salientar ainda que os EUA, que já haviam vivenciado a quebra de seu monopólio na década de 1980 participaram ativamente da inclusão da liberalização dos serviços na pauta de negociação da Rodada final do GATT e influenciaram este processo de mudança do setor de telecomunicações. Esta abertura significaria um aumento considerável do mercado para as suas empresas (Ventura, 2004). Outras organizações internacionais ligadas às telecomunicações, a UIT e a ISO, desempenham um papel fundamental na gestão das telecomunicações, mas no processo de liberalização das telecomunicações no Brasil tiveram uma atuação secundária. Não obstante, a influência do avanço da tecnologia deve ser salientada. Na verdade, a busca da liberalização e conseqüente competição nas telecomunicações somente foi possível em virtude da atratividade deste serviço. Deste modo, a procura de competição derivou em grande parte da inovação presente nos serviços de telecomunicações, tornando este setor cada vez mais interessante para as empresas. 6 RECURSOS E COMPONENTES DA ANATEL A Anatel, criada em 1997 pelo Poder Executivo, representa o órgão regulador das telecomunicações no Brasil, com a função de organizar a exploração destes serviços, com relação aos aspectos de regulamentação, outorga de concessão e permissão, expedição de autorização, uso dos recursos de órbita e de radiofreqüências e fiscalização. No caso brasileiro, o artigo 21 da Constituição Federal distingue os serviços de telecomunicações e radiodifusão. Desta forma, a Anatel é apenas responsável pelas telecomunicações, não incluindo os serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens. 6

7 A Anatel possuiu um papel decisivo na elaboração e implementação do modelo de privatização e continua exercendo uma função primordial na sua consolidação no país, apesar da elaboração de políticas continuar formalmente como responsabilidade do Ministério das Comunicações. Para exercer o seu papel de órgão regulador das telecomunicações no Brasil, a Anatel dispõe de cinco instrumentos fundamentais para a telefonia básica, conhecida tecnicamente como Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC): o Plano Geral de Outorga (PGO), o Plano de Metas de Universalização (PGMU), o Plano de Metas de Qualidade (PGMQ), os contratos de concessão e os regulamentos de interconexão e de remuneração de redes. Os três planos foram essenciais para o processo de privatização da Telebrás (Ventura, 2004). 7 A ADMINISTRAÇÃO DA ANATEL E A SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS PÚBLICOS Durante as entrevistas, procurou-se compreender a real interferência dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário e o seu significado no dia a dia da agência reguladora e conseqüentemente na gestão das políticas do setor. A relação da Anatel com o Legislativo nem sequer foi mencionada nas entrevistas, pois é bastante difusa. Ainda, pode-se dizer que o Judiciário é chamado apenas em questões de resolução de conflitos entre as empresas ou entre estas e a Anatel, quando não aceitam as decisões do órgão regulador Ênfase maior foi atribuída às relações com o Executivo, poder criador da Anatel. Nestes nove anos da Agência Reguladora, a ligação com o Executivo vem sendo permeada por vários conflitos e indefinições. A Superintendência de Serviços Públicos é responsável pelo serviço telefônico fixo prestado em regime público e privado, atuando em todo o processo desde a concessão ou autorização até o controle da prestação dos serviços e aplicação de sanções. Visa atingir a competição, universalização e qualidade estipuladas no modelo de reestruturação do setor no Brasil. A Superintendência é composta pelo Superintendente, com cinco assessores e por três órgãos: Gerência Geral de Outorga, Acompanhamento e Controle das Obrigações Contratuais, Gerência Geral de Qualidade e Gerência Geral de Competição. A Gerência Geral de Outorga conduz as atividades relativas à outorga de concessão, permissão e autorização do direito de exploração do serviço no regime público e controla as obrigações legais, regulamentares e contratuais das prestadoras. É formada pela Gerência de Outorga de Serviços, Gerência de Acompanhamento e Controle das Obrigações Contratuais e Gerência de Acompanhamento da Satisfação dos Usuários. Já a Gerência Geral de Qualidade compreende a Gerência de Acompanhamento e Controle da Qualidade dos Serviços, Gerência de Acompanhamento e Controle das Obrigações de Interconexão e a Gerência de Defesa do Cumprimento de Obrigações Legais, Regulamentares e Contratuais. De forma geral, à Gerência Geral de Qualidade compete a emissão de instrumentos normativos e o controle de sua aplicação no que tange às questões de qualidade, continuidade, recursos de numeração e padrões técnicos. 7

8 A Gerência Geral de Competição conduz as atividades relacionadas ao planejamento, acompanhamento e controle da competição e dos planos de serviços. Abrange a Gerência de Acompanhamento e Controle de Tarifas e Preços, Gerência de Planejamento e Acompanhamento da Oferta de Serviços e Gerência de Defesa da Competição. As atividades são descentralizadas na Superintendência. Quanto ao fluxo de comunicação, constata-se que os procedimentos são bastante formalizados nos departamentos estudados. Há contudo uma flexibilidade relativa na ação do pessoal de nível gerencial em virtude da chamada discricionariedade administrativa. 8 AS POLÍTICAS DE GESTÃO DA TELEFONIA FIXA NO BRASIL O modelo adotado para a telefonia fixa no Brasil privilegia a competição. Os trechos de entrevistas demonstram que a competição nos serviços de telefonia fixa, meta do modelo de reestruturação no Brasil, vem ocorrendo na longa distância e no segmento corporativo, confirmando que o grande desafio é atingir competição no serviço local. No Brasil, em virtude do modelo adotado de reestruturação, as concessionárias locais, que possuem a rede, têm grande vantagem comparativa com relação às próprias empresas espelho. Ainda e paradoxalmente, a obrigação de universalização estipulada pelo próprio modelo foi responsável pela expansão das atividades das empresas concessionárias locais e sua consolidação no mercado. Outrossim, importa ressaltar a voz comum de todos os entrevistados, que afirmam não ser possível mais olhar para a competição da telefonia fixa sem analisá-la em um contexto abrangente de convergência. Assim, é certo que muitas mudanças vão ocorrer no futuro próximo, especialmente com o protocolo de voz na internet e que devem alterar o quadro regulatório atual. É importante notar ainda que a universalização afeta diretamente a competição nos serviços de telefonia local. A estabilidade regulatória e a transparência são essenciais na atuação das agências reguladoras, especialmente nas que estão ainda se consolidando como a Anatel (Menezello, 2002). Nesta perspectiva, os funcionários da Anatel mencionaram a relevância da transparência. Todavia, advertem sobre a lentidão como conseqüência da busca pela transparência nas ações da agência, visando evitar os riscos de captura. Cabe também salientar que, segundo a União Internacional de Telecomunicações (UIT), enquanto a competição é elemento importante para uma estratégia compreensiva de desenvolvimento social e econômico, a transparência na área da competição constitui o item vital para os regimes regulatórios globais. Nesta perspectiva, a UIT associa a transparência ao sucesso dos regimes regulatórios de telecomunicações. Para a União Internacional de Telecomunicações (UIT), o desempenho do setor está profundamente relacionado à atuação das agências reguladoras, cuja performance está condicionada a fatores como: limitação de discricionariedade, independência de pressões políticas, possibilidade de obter informação detalhada das empresas, processo regulatório aberto ao escrutínio público e existência de recurso ao Poder Judiciário. No modelo brasileiro, houve a preocupação com todos estes ítens que ocorrem na prática regulatória em diferentes graus de efetividade. 8

9 9 DESAFIOS PARA A ANATEL E PARA AS TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL Com o intuito de compreender melhor a gestão das telecomunicações no Brasil, inicialmente, deve-se lembrar que a atividade regulatória possui três níveis distintos: o nível micro, que contém as regras específicas que caracterizam a atividade regulatória; o nível intermediário, marcado pela organização e autoridade das agências diretamente responsáveis pela regulação, envolvendo questões como o grau de independência da agência e os seus riscos de captura e, por fim, o macro ambiente, conformado pelas instituições legais e políticas do país. Este trabalho centrou-se fundamentalmente nos níveis intermediário e macro, pois possuem as maiores lacunas, que devem ser discutidas com o intuito de se atingir uma atividade regulatória efetiva. No estudo do macro-ambiente, verificou-se que as relações da Anatel são mais próximas ao Poder Executivo. No Brasil a formulação das políticas de telecomunicações continua formalmente sob a responsabilidade do Executivo, Ministério das Comunicações, apesar de a Anatel, na realidade, desempenhar um papel importante na delineação das políticas, como se observou no processo de reestruturação do setor. Nesta perspectiva, observa-se muita dificuldade dos órgãos envolvidos em dissorciar a formulação das políticas de sua execução. Na verdade, sabe-se que o detalhamento cabe à Anatel, a quem a Lei Geral de Telecomunicações reservou a função de elaborar as propostas de políticas setoriais, com ampla participação da sociedade, para posteriormente submetê-las ao Presidente da República por intermédio do Ministério das Comunicações. Todavia, o relacionamento da Anatel com os Poderes, especialmente com o Executivo e Ministério das Comunicações, não tem estado livre de uma série de entraves, resultantes, de acordo com a opinião dos entrevistados, da falta de compreensão do papel da Anatel no país, uma vez que é muito recente. Outro aspecto que merece ser citado diz respeito à concorrência, objetivo estratégico do modelo de flexibilização das telecomunicações. No Brasil, a defesa da concorrência é de competência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e da Secretaria de Direito Econômico (SDE). No caso das telecomunicações, a Anatel deve instruir os processos, continuando o CADE como instância de julgamento. Pressupõe-se, portanto, a articulação entre Anatel e CADE no sentido de coibir infrações à ordem econômica. Devese também afirmar que o fato de ter sido criada através de lei, votada no Congresso Nacional e sancionada pelo Presidente da República, confere legitimidade maior à agência. Contudo, quando se estuda este macro-ambiente, ainda se verifica a necessidade de maior coordenação dos três Poderes e adaptação das instituições legais e políticas do setor público ao desempenho da nova função regulatória. Voltando ao nível intermediário, a Lei Geral de Telecomunicações estabeleceu a estrutura organizacional da Anatel. Salienta-se que o processo de nomeação dos Conselheiros, envolvendo tanto o Executivo como o Legislativo, a garantia de estabilidade e a fixação de termo final dos mandatos visa legitimar a autoridade dos dirigentes com o intuito de reduzir o espaço para indicações com motivações políticas. Nota-se também que a existência do Conselho Diretor, atuando em regime de colegiado na direção da autarquia, equilibra de alguma forma o poder atribuído a agência, limitando sua discricionariedade, 9

10 permitindo maior fundamentação nas decisões e o monitoramento mútuo entre os Conselheiros. Quanto ao pessoal, a Anatel possui sérias dificuldades em manter profissionais qualificados, pois muitos deles migram para as empresas, em virtude dos salários pagos. É interessante notar que recente avaliação da Agência pela UIT citou a existência de um déficit de recursos humanos especializados nas áreas legal e econômica. A existência do Conselho Consultivo objetiva ainda dar força ao mecanismo de contrabalanço, permitindo a participação da sociedade civil. A possibilidade de avaliação do público aparece nas diretrizes da UIT como condição sine qua non para o sucesso da agência reguladora. Quando se trata da sociedade civil, observa-se o papel relevante que a Anatel deve desempenhar com relação aos consumidores. Para a Lei Geral o interesse público representa prioridade para a Agência. Desta forma, a Anatel buscou criar uma série de espaços para dialogar com o público, através do website ou do seu call center. Em dezembro de 2000, a Anatel foi a primeira agência regulatória do mundo a receber a certificação ISO Quanto à independência financeira da Agência, constata-se que, na prática, o fato de suas dotações serem consignadas na Lei Orçamentária Anual e contingenciadas pelo Ministério das Comunicações repercute como uma limitação e pode gerar influências políticas. Desta forma, o ideal seria a real independência orçamentária da agência. Em seus nove anos de existência, a Anatel vem se esforçando gerir o modelo com efetividade e legitimidade junto aos seus interlocutores externos: governo, empresas e sociedade. Ainda, a convergência das telecomunicações alterará o ambiente regulatório e especialmente as tradicionais classificações dos serviços. A atual estrutura da Anatel está centrada na regulação de serviços e em pouco tempo será inconsistente. A estrutura segregada, em que cada superintendência lida com um respectivo serviço ou meio de transmissão não se coaduna com as tendências atuais. A Anatel tem sido alvo de várias críticas dos consumidores desde a sua criação. Com o intuito de consolidar a sua legitimidade frente a sociedade civil, a agência deve buscar dar ênfase ainda maior às relações com os usuários, único caminho para sua consolidação como órgão regulador do setor. Além do mais, verificou-se nas várias entrevistas realizadas que os interesses dos usuários aparecem como atividade central das agências em um ambiente futuro de desregulação. O foco deve ser o consumidor. É imperativo para o sucesso da agência e conseqüentemente do modelo de gestão das telecomunicações no país, a regularização do quadro de recursos humanos da Anatel. A agência deverá ainda rever a adequação dos cargos e adaptar o seu quadro ao novo ambiente regulatório. Outro desafio constante das agências reguladoras é a manutenção de sua independência. Apesar deste trabalho já ter discutido os limites da independência das agências, deve-se 10

11 ressaltar no Brasil a necessidade de um melhor entendimento pelos Poderes do papel desempenhado pelas agências reguladoras. Dentre os poderes exercidos pela agência, a Anatel enfrenta ainda o grande desafio de criar uma estrutura capaz de dar maior suporte à fiscalização, uma vez que fiscalizar também implica em analisar se o caminho seguido foi, de fato, o mais acertado. Assim, em um ambiente competitivo, a prática de comportamentos anti-éticos pelas empresas deve ser coibida com atitudes transparentes, evitando-se a captura da agência. Com a convergência, o poder normativo também vai ser alterado e a agência deverá modificar a sua abodagem regulatória com relação aos serviços e tecnologias. A revisão de seus procedimentos internos no sentido de agilizar os processos também será essencial para a efetividade de suas ações. Especificamente quanto à Superintendência de Serviços Públicos, é premente a adequação do número de seus funcionários. No Brasil, a Anatel apresenta a vantagem de ser responsável pela telefonia fixa em todo o país, o que evita o conflito de jurisdições A universalização deverá continuar sendo o foco das políticas de telecomunicações, especialmente da telefonia fixa. A garantia de acesso ao telefone em um ambiente competitivo é fundamental ao interesse público. Apesar de todas as dificuldades, constata-se que o Brasil conseguiu criar um órgão regulador de acordo com suas prioridades e realidade e inovou em muitos mecanismos de regulação. 10 CONSIDERAÇÕES FINAIS À luz da análise da Anatel considerando os cinco elementos da Teoria de Sistemas, alguns desafios devem ser enfatizados: - Contrabalançar a sua autonomia com o controle dos poderes estatais. Apesar da necessidade de ser um ente autônomo é ainda necessário o controle de seus atos, até mesmo para evitar o abuso de poder e os riscos de captura da agência. Por outro lado, sua relação com os poderes deve ser coordenada, evitando assincronias e assegurando que sua ação seja realmente efetiva. - Enfatizar ainda mais a proteção dos consumidores e garantia da universalização e qualidade dos serviços de telecomunicações oferecidos. - Buscar o equilíbrio em suas relações com as empresas, intermediando os interesses dos consumidores e atuando no estímulo à concorrência. Importa enfatizar que é tema recorrente o fato da agência concentrar duas funções aparentemente conflitantes: agente do poder concedente, realizando licitações, celebrando e fiscalizando os contratos e a de arbitrador das divergências entre os agentes do mercado e entre estes e o Poder Concedente. Para evitar qualquer tipo de parcialidade a agência deve primar pela constante busca da estabilidade e transparência regulatória. 11

12 Em suma, adverte-se que, apesar das considerações metodológicas de que não se deve generalizar as conclusões dos estudos de caso, muitas das constatações deste trabalho se aplicam a agências reguladoras de telecomunicações de outros países em desenvolvimento. Dada a importância destes entes no processo global de transformação das telecomunicações, aconselha-se ainda a realização de mais pesquisas sobre o tema, se possível comparativas, pois possibilitam um enriquecimento único derivado do intercâmbio de experiências e práticas concretas. REFERÊNCIAS Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Rio de Janeiro: Edições 70. Churchman, C. W. (1968). The Systems Approach. New York: Dell Publishing Company, Inc. Martinelli, D. P. & Ventura, C. A. A. (2006). Visão Sistêmica e Administração. São Paulo: Saraiva. Menezello, M. A. C. (2002). Agências Reguladoras e o Direito Brasileiro. São Paulo: Atlas. Ventura, C. A. A. (2004). The Regulatory Agencies and their role in the restructuring of the Telecommunications Sector: a comparative study of the National Telecommunications Commission (Anatel) - Brazil and the Federal Communications Commission (FCC) USA. Doctoral Dissertation. University of São Paulo School of Business, Economics and Accounting, Brazil. 12

O Papel das Agências Reguladoras na Gestão dos Serviços Públicos: um Estudo de Caso da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

O Papel das Agências Reguladoras na Gestão dos Serviços Públicos: um Estudo de Caso da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL O Papel das Agências Reguladoras na Gestão dos Serviços Públicos: um Estudo de Caso da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Autoria: Carla Aparecida Arena Ventura, Dante Pinheiro Martinelli Resumo

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã

Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã Roseli Coelho Fossari, Aragon Érico Dasso Junior (orientador) Centro Universitário

Leia mais

A Atuação da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) no Acordo de Interconexão entre Embratel e Telefônica

A Atuação da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) no Acordo de Interconexão entre Embratel e Telefônica 1 A Atuação da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) no Acordo de Interconexão entre Embratel e Telefônica Autoria: Melissa Franchini Cavalcanti, Dante Pinheiro Martinelli Resumo: O modelo de competição

Leia mais

09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA

09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA Teligent, Inc. 8065 Leesburg Pike, Suite 400 Vienna, Virginia 22182 Voice: 703.762.5100 Fax: 703.762.5200 http://www.teligent.com 09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

As Agências Reguladoras da Saúde e os Direitos Sociais

As Agências Reguladoras da Saúde e os Direitos Sociais As Agências Reguladoras da Saúde e os Direitos Sociais Roberto Passos Nogueira* As agências reguladoras 1 foram criadas, a partir de 1996, como resultado de uma confluência ocorrida entre a reforma do

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos

Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos Grupo 2. Como o princípio da neutralidade pode ser compatibilizado

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV 1. O QUE É A RADIODIFUSÃO EDUCATIVA? É o serviço de radiodifusão, tanto em frequência modulada (FM) quanto de sons e imagens (TV), que

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PORTARIA MME Nº 349, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1997

PORTARIA MME Nº 349, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1997 PORTARIA MME Nº 349, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1997 Aprova o regimento interno da Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. (com anexo) O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Comunicações. atendimento telefônico das agências reguladoras. Principais situações identifificadas

Comunicações. atendimento telefônico das agências reguladoras. Principais situações identifificadas atendimento telefônico das agências reguladoras As agências reguladoras dispõem, em regra, de canal para que os usuários dos serviços regulados possam se manifestar. Ainda que não exista norma federal

Leia mais

Legislação de Telecomunicações

Legislação de Telecomunicações Legislação de Telecomunicações Objetivos Conhecer sobre a entidade responsável pela regulamentação na área Como o orgão legislador influência a área de redes Saber definir o que vem a ser serviço de valor

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES 1. APRESENTAÇÃO Este relatório é uma síntese da 2ª Reunião Gerencial relativa à avaliação de desempenho das Concessionárias do Serviço Telefônico Fixo Comutado, destinado

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO Introdução O Direito Administrativo reservou a expressão contrato administrativo para designar os ajustes que a Administração Pública celebra

Leia mais

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço São Paulo-SP Junho de 2008 Alvaro A. P. Mesquita Sócio Sumário I. Objetivo II. III. IV. Regulação Papel

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Breve sumário da apresentação do artigo redigido de Emanuel Rocha Sousa Severino

Breve sumário da apresentação do artigo redigido de Emanuel Rocha Sousa Severino Breve sumário da apresentação do artigo redigido de Emanuel Rocha Sousa Severino A Configuração do Sector Empresarial do Estado Português O novo papel do Estado, aspectos normativos e breve comparação

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS ESPEDITO SALES e CLELIA MAROUELLI Especialista em Regulação A AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Criada

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje Este tutorial apresenta uma visão do ponto de vista técnico e regulatório da tecnologia VoIP, que transforma o serviço de Voz tradicional num serviço que

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Direto. Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC)

Universidade de Brasília Faculdade de Direto. Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Universidade de Brasília Faculdade de Direto Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Débora Bosco 13/0061509 Igor Martins Silva 13/0028258 Luiz Claudio Gomes da Silva Junior 12/0127164

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE Porto Alegre, 07 de outubro de 2000 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE 2000 Proposta de Regulamento

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo REGULAÇÃO Santo André, 20 de abril de 2011 Conceitos Básicos: microeconomia/economia

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Relatório Final. Discente: Dâmaris Regina Dias Guimarães da Rocha 12/0050251

Relatório Final. Discente: Dâmaris Regina Dias Guimarães da Rocha 12/0050251 Relatório Final Análise do arcabouço institucional jurídico de Costa Rica, Panamá e Honduras por meio do LICS model para fins de comparação de suas conformações institucionais Discente: Dâmaris Regina

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA

GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO 3 TURMA B (NOTURNO) PROFESSOR DR. MÁRCIO IORIO GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA Resposta às perguntas

Leia mais

MÓDULO ESPECIAL DE CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO Disciplina: DIREITO ADMINISTRATIVO Tema: Serviços Públicos Prof.: Flávia Cristina Data: 09/05/07

MÓDULO ESPECIAL DE CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO Disciplina: DIREITO ADMINISTRATIVO Tema: Serviços Públicos Prof.: Flávia Cristina Data: 09/05/07 MATERIAL DE APOIO 1.Serviço público 1.1 Definição: Maria Silvia di Pietro: toda atividade material que a lei atribui ao estado para que exerça diretamente ou por meios de seus delegados com o objetivo

Leia mais

Grupo 5 Regulação do espectro e órbita

Grupo 5 Regulação do espectro e órbita Grupo 5 Regulação do espectro e órbita Bernardo Budó Simas de Andrade, Fabiano Mendes Lins, Klebert Renee Machado Gonçalves, Marina Alves Acioli da Silveira e Pedro Henrique Luz de Araujo Grupo 1: Por

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. JOÃO DADO) Altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, dispondo sobre a fiscalização remota das redes e serviços de telecomunicações de interesse coletivo. O Congresso

Leia mais

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação Maria Ivanúcia Lopes da Costa 1 Resumo: Com as privatizações chegando ao Brasil na década de 90, o Estado preparou-se

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC)

Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Superintendência de Serviços Públicos (SPB) Gerência-Geral de Outorga, Acompanhamento e Controle das Obrigações Contratuais (PBOA) Gerência de Outorga de Serviços

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. À FEDERAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA PREVIDENCIÁRIA SOCIAL - FENAFISP, A/C do Ilustríssimo Dr. LUÍS RONALDO MARTINS ANGOTI, Digníssimo DIRETOR JURÍDICO. REF.:

Leia mais

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Caio Mário da Silva Pereira Neto Fundação Getulio Vargas - Março 2007 caio.pereira@fgv.br Estrutura da Apresentação Convergência

Leia mais

Entendendo a Legislação de Convênios

Entendendo a Legislação de Convênios PROFESSORA GIANNA LEPRE PERIM Professora Gianna Lepre Perim APRESENTAÇÃO GERAL: -DO CURSO -DA PROFESSORA -DA METODOLOGIA PROGRAMAÇÃO 1º dia Legislação Aplicável Noções Gerais sobre Convênios Condições

Leia mais

DIAGNÓSTICOS E CENÁRIOS

DIAGNÓSTICOS E CENÁRIOS DIAGNÓSTICOS E CENÁRIOS ENERGIA E COMUNICAÇÃO EQUIPE DE ELABORAÇÃO Antônio Pádua Carvalho SUMÁRIO COMUNICAÇÕES RADIODIFUSÃO JORNALISMO IMPRESSO EMISSORAS DE TV FORMAÇÃO ACADEMICA Comunicações Havia um

Leia mais

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO - Transporte Ferroviário de Cargas Pactuação e Repactuação de Metas por Trecho Pactuação e Repactuação

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 812, DE 2003 Referente à STC nº 200302750, da Secretaria- Geral da Mesa, que solicita, a pedido do Conselho de Comunicação Social, a elaboração de

Leia mais

a judicialização de políticas regulatórias de telecomunicações no Brasil 1 * The judicialization of telecommunications regulatory policies in Brazil

a judicialização de políticas regulatórias de telecomunicações no Brasil 1 * The judicialization of telecommunications regulatory policies in Brazil a judicialização de políticas regulatórias de telecomunicações no Brasil 1 * The judicialization of telecommunications regulatory policies in Brazil Alexandre D. Faraco** Caio Mario da Silva Pereira Neto***

Leia mais

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC 26 de setembro de 2014 Audiência Pública Superintendência de Planejamento e Regulamentação (SPR) Sumário Temas e Análise das Alternativas

Leia mais

Ref.: Consulta Pública nº 27, de 12 de julho de 2010 Proposta de Revisão da Regulamentação sobre a Gestão da Qualidade do Serviço Móvel Pessoal SMP

Ref.: Consulta Pública nº 27, de 12 de julho de 2010 Proposta de Revisão da Regulamentação sobre a Gestão da Qualidade do Serviço Móvel Pessoal SMP São Paulo, 15 de setembro de 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS PRIVADOS CONSULTA PÚBLICA N.º 27, DE 12 DE JULHO DE 2010 Setor de Autarquias Sul - SAUS - Quadra

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 10Minutos Gestão de pessoas HR Analytics Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 Destaques Menos de 30% dos CEOs recebem relatórios completos e confiáveis sobre sua força de

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE:

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: INSTRUMENTO DE CONTROLE E AVALIAÇÃO DOS CONTRATOS DE GESTÃO XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 06/03/2012 Secretaria de Saúde

Leia mais

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Apresentação para o CRC/DF Dia do Contabilista Laércio Mendes Vieira Auditor Federal do TCU*, Membro do Grupo de CP do CFC, Contador,

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

O ESTADO REGULADOR E A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL

O ESTADO REGULADOR E A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL O ESTADO REGULADOR E A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL Rejane Esther Vieira * 1 O presente artigo objetiva tratar da formação do Estado Regulador e das questões referentes ao contexto político, econômico e social

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e SME à luz do Regulamento anexo à Resolução nº 576/2011 da Anatel Luciana Chaves Freire Félix Procuradora Federal em Brasília-DF

Leia mais

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Encontro Temático Estadual - CEPAM Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Paulo Fernando Cunha Albuquerque Superintendente de Assuntos Energéticos 16/04/2013 A ARSESP é uma Agência multi

Leia mais

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Eduardo Tinoco Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural Agência Nacional do Petróleo Constituição Federal Art. 177, Inciso III: a importação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 A ELETROSUL analisou a proposta da ANEEL para a regulamentação das instalações destinadas a interligações internacionais,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

AEROTECH TELECOMUNICAÇÕES LTDA. OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO

AEROTECH TELECOMUNICAÇÕES LTDA. OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO AEROTECH TELECOMUNICAÇÕES LTDA. OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO RESOLUÇÃO N O. 410, de 11 de julho de 2005 da ANATEL D.O.U. de 13/07/2005 INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES DE INTERESSE COLETIVO

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais