UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE TERCEIRIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE TERCEIRIZAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE TERCEIRIZAÇÃO GEOVANA CORRÊA DE SOUZA Trabalho Monográfico apresentado como requisito parcial para obtenção do Grau de Especialista em Reengenharia e Gestão de Recursos Humanos. Rio de Janeiro, RJ, outubro/2001

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE TERCEIRIZAÇÃO GEOVANA CORRÊA DE SOUZA ORIENTADOR: MARCO ANTONIO CHAVES CO-ORIENTADOR: ANDRÉ GUSTAVO G. DA CUNHA Rio de Janeiro, RJ, outubro/2001

3 Sumário Resumo Introdução Estudo Descritivo 2.1. Histórico Conceito Importância da Focalização Desenvolvendo Alianças Vantagens Desvantagens Dificuldades da empresa terceirizada e da terceirizante Quarteirização Estudo Analítico 3.1. Planejando o processo de terceirização Ambiente próspero para terceirizados Discussão Colocações teóricas Resultados das pesquisas Casos Conclusão...26 Bibliografia...27 Anexos

4 4 Resumo O trabalho apresentado visa investigar se o processo de terceirização reduz os custos da organização, se aumenta a competitividade, melhora a qualidade dos produtos e/ou serviços oferecidos, e se problemas interpessoais com os terceirizados podem ou não interferir na competitividade e na qualidade. A terceirização, que atualmente é utilizada por muitas organizações, é um processo de parceria mútua em que uma organização assume um compromisso em troca do pagamento e da confiança de outra. E o que seria terceirização? É a transferência de atividades de uma organização para outra, ou seja, as atividades deixam de ser realizadas pelos empregados da organização e passam a ser executadas pela prestadora de serviços. Deixando a organização mais enxuta e livre para concentrar seus esforços no processo produtivo. Por isso, neste trabalho serão apresentadas algumas informações para que esse processo seja melhor entendido, como seu histórico, vantagens e desvantagens, importância, dificuldades, etc.

5 5 1. Introdução Atualmente, a terceirização é um dos principais instrumentos para a diminuição do nível de desemprego nos países em desenvolvimento, pois possibilita a flexibilização das relações trabalhistas e o aparecimento de pequenas e médias empresas prestadoras de serviços, promovendo também um aumento no nível de qualidade, produtividade e competitividade das empresas terceirizantes. Além disso, existe uma real diminuição dos custos fixos da organização, liberando assim o capital anteriormente concentrado em insumos e possibilitando a redução dos gastos com recursos humanos. A hipótese proposta neste trabalho demonstra se o processo de terceirização reduz os custos da empresa, porém, pode influenciar nos relacionamentos internos, causando problemas na qualidade e na produtividade da empresa.

6 6 2. Estudo descritivo 2.1. Histórico A terceirização surgiu nos Estados Unidos antes da II Guerra Mundial e se tornou uma ferramenta da administração empresarial a partir da década de 50, com o investimento acelerado na industrialização. A partir do momento em que as empresas produtoras de armas que estavam sobrecarregadas com a demanda estimulada pela Guerra Fria, verificaram que poderiam contratar serviços de terceiros para dar suporte ao aumento da produção. No Brasil, teve-se conhecimento sobre a terceirização somente após os anos 50, com o acelerado ritmo de industrialização no país. Começou nas empresas do ramo automobilístico, como montadoras que tinham como meta a agilidade na linha de produção e posteriormente, nas empresas de limpeza e conservação. A terceirização nas empresas privadas brasileiras A estrutura industrial do país ampliou-se e as grandes organizações passaram a integrar todas as etapas necessárias à elaboração do produto final, desenvolvendo desde as atividades-meio até as atividades-fim. A opção das organizações por esta estratégia de crescimento e diversificação associou-se à uma série de fatores: o fechamento do mercado brasileiro à concorrência internacional; a pouca abertura para a produção externa restringindo as possibilidades de suprimento das empresas instaladas no país, reforçando a tendência de concentrar as diversas fases da produção; o crescimento acelerado da indústria, porém, não acompanhado pela expansão e qualificação dos diversos segmentos, que não se dava no mesmo ritmo; e em geral, a falta de condições

7 7 dos fornecedores para assegurar fatores como qualidade, prazos e quantidades; e finalmente, a precariedade dos transportes e das comunicações, dificultando a interligação rápida e eficiente entre as empresas, clientes e fornecedores. Entretanto, nos últimos anos a tendência passou a ser a desverticalização. A abertura do mercado brasileiro provocou um acirramento da concorrência, a necessidade de redução de custo, melhoria da qualidade das empresas, e a prolongada recessão da economia; colocaram-se assim, como determinantes da opção pela terceirização. As grandes organizações com seus mercados retraídos, tiveram que cortar despesas para manter seus níveis de rentabilidade. Uma das formas encontradas para reduzir esses custos seria transferir atividades para terceiros. Assim, as organizações começaram a adotar a terceirização na tentativa de solucionar questões conjunturais, como redução de custos com mão-de-obra, extinção de departamentos ou setores e diminuição da estrutura hierárquica. As organizações que atualmente utilizam em larga escala a terceirização, são grandes redes de lanchonetes, que com exceção da comercialização que é na maioria das vezes de responsabilidade dos franqueados, tem seus outros setores de produção terceirizados. Como por exemplo, a fabricação de pães, hambúrgueres, batatas congeladas e até embalagens para os alimentos. Isto não torna estas organizações ineficientes em função da suposta pretensão de baratear custos em detrimento da qualidade de seus produtos e, muito menos, de incentivarem o desemprego, pois este tipo de mão-de-obra se multiplica pelo fato do alto padrão de serviços oferecidos ao público. Em relação a mão-de-obra mencionada, a terceirização se infere como fator de flexibilização, ao eliminar para a terceirizante o problema dos custos econômicos diretos com o trabalho, como os encargos sociais e as despesas com treinamento. No Brasil, em pesquisa realizada pelo Dieese, com 40 empresas que já implantaram algum tipo de terceirização, a maioria concentrada no setor industrial da região sudeste, constatou que 62,5% delas terceirizam tanto atividades de apoio (limpeza, segurança, transporte, etc), como de produção. Em 47% das empresas pesquisadas, a terceirização redunda em serviços com trabalho temporário, devido ao acréscimo da produção, em função do aumento da demanda do mercado onde a instituição empresarial atua.

8 8 A terceirização nas empresas públicas brasileiras O Estado contribuía para a formação de empresas verticalizadas, na medida em que subsidiava o setor privado na compra de empresas falidas nos mais diversos ramos produtivos. Esta disponibilidade de recursos reforçou a tendência à verticalização, permitindo às empresas, sua instalação com capital suficiente para concentrar todas as etapas do processo produtivo. Nos últimos anos, baseados em multinacionais e empresas particulares, as empresas públicas passaram a terceirização. Em principio, a mão-de-obra terceirizada foi utilizada nas construções de estradas, na coleta de lixo, nos serviços de limpeza, etc. Porém, atualmente, a terceirização se encontra eminente em todas as áreas do serviço público. Principais objetivos da terceirização A terceirização pode ser vista como um instrumento de modernização empresarial, permitindo que a organização se concentre mais na sua atividade-fim, que algumas vezes, fica esquecida entre as inúmeras atividades que ela absorve. A terceirização pela revisão e restruturação, busca melhorar a capacidade qualitativa e competitiva da organização. Isto constitui um diferencial, garantindo a sua sobrevivência. O objetivo principal da terceirização não pode ser apenas a redução dos custos. A redução será uma decorrência natural de um processo bem-sucedido. Os ganhos na especialização e na transformação da escala da produção para específica e enxuta podem significar ganhos consideráveis em custo e em competitividade. Uma pesquisa publicada na revista Os Trabalhadores e a Terceirização (Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, 1991), aponta que em 29% dos casos estudados houve redução de custos nas empresas que realizaram algum tipo de terceirização. Neste caso, a terceirização tem como objetivo central a focalização dos esforços nas atividades mais importantes para a organização, reduzindo o número de trabalhadores, reavaliando as atividades, propiciando um descongestionamento da

9 9 gestão empresarial, passando das funções de execução para as funções de controle e horizontalizando a estrutura organizacional. Em pesquisa realizada pela empresa de consultoria RL&T Marketing, Planejamento e Pesquisa, publicada em 1993, buscando as razões pelas quais as empresas adotam a terceirização, constatou-se que a mais importante seria a melhoria na qualidade de serviços, conforme tabela abaixo: Tabela 1: Motivações empresariais para a adoção da terceirização Causa % Qualidade de serviços 88,0 Preço baixo 73,1 Atendimento 53,7 Confiança 44,8 Garantia 10,5 A organização não precisa necessariamente terceirizar todas as atividades-meio que possui, e sim, as que melhor lhe convier; ou mesmo aquelas que estão sobrecarregando o processo de produção Conceito O conceito de terceirização provém da transferência de atividades da empresa contratante (terceirizante) à uma empresa contratada (terceirizada), ou seja, da compra ou aluguel da capacitação técnica de uma organização em determinadas atividades, dentro ou fora da empresa contratante. As atividades deixam de ser realizadas por funcionários da terceirizante e passam a ser executadas pela prestadora de serviços. A organização atribui a terceiros, tarefas que podem ser executadas longe do controle efetivo do principal responsável. O processo de terceirização trabalha em busca de parcerias, determinadas pela visão empresarial moderna, pelas imposições de mercado e da própria demanda voltada para a eficiência produtiva.

10 10 Desde os anos 80, a terceirização vem ganhando força como método de gerenciamento e sendo difundido entre as empresas. As questões de qualidade, produtividade e competitividade traçarão os rumos das decisões empresariais, fazendo com que a organização verticalizada, sofra modificações consideráveis. A terceirização é um processo que transforma a organização em horizontalizada buscando assim, a descentralização do processo produtivo, a preparação para o futuro, auxiliando-a na sua capacitação nos requisitos de qualidade, produtividade e competitividade necessários. A terceirização pode ser realizada em diferentes níveis, abrangendo tanto as atividades de apoio e serviços não ligados de forma direta ao processo produtivo, como também atividades que participam diretamente do processo produtivo, que são chamadas atividades-meio pelas quais se atingem as atividades-fim. As atividades terceirizadas podem ser divididas em quatro tipos: Tipo 1 - Processo ligado as atividades-fim da organização - Ex.: produção, distribuição, operação; Tipo 2 - Processos não ligados as atividade-fim da organização - Ex.: publicidade e limpeza; Tipo 3 - Atividades de suporte a organização- Ex.: treinamento, seleção e pesquisa; Tipo 4 - Substituição de mão-de-obra direta, por mão-de-obra indireta ou temporária Importância da focalização A focalização produtiva, que pode ser proporcionada pelo repasse de atividades a terceiros e pelo direcionamento da empresa para o produto em que ela é mais eficiente e competitiva, tem sido considerada uma boa estratégia para que a organização permaneça e ganhe espaço no mercado. Passando a realocar a mão-de-obra para a atividade definida como foco, imagina-se proporcionar um aquecimento da atividadefim da organização. Neste caso, as organizações precisam tomar cuidado para não demitir, e logo após, precisar contratar mão-de-obra despreparada.

11 11 O objetivo de todo o processo de terceirização, iniciado na focalização, é a busca de vantagens econômicas e competitivas. Por isso, a decisão de quais as atividades a serem terceirizadas tem de ser objeto de profundo estudo e de planejamento prévio, sob pena de trazer grande prejuízo à empresa no caso de uma decisão errada Desenvolvendo alianças Alianças são organizações que decidem unir-se em benefício próprio. As alianças são primordiais nos processos de terceirização, já que uma organização precisa de trabalho de qualidade de outra organização. E se de um lado, ela precisa de um serviço, do outro lado este processo é a sua garantia de sobrevivência. A escolha do parceiro de produção é muito importante para o desempenho do processo de terceirização. A aliança pode ser instituída com antigos fornecedores, funcionários, consumidores ou distribuidores. A relação entre o terceirizante e o terceirizado deve ser de absoluta confiança, transcendendo a formalização de um contrato que estipule preços, prazo e quantidades. A atividade deve ser vantajosa para ambos, mantendo-se um comportamento de sócios, sem que se instituam privilégios parciais. A colaboração da terceirizante para o sucesso da terceirizada dá-se em vários níveis. Vai desde o treinamento do pessoal até o financiamento, quando possível, de projetos técnicos, o compartilhamento do setor de processamento de dados e de transferência de tecnologia. Em contrapartida, o parceiro deve oferecer a certeza do fornecimento dos bens ou serviços contratados, a custos viáveis, mantendo a qualidade e o prazo acordados. Em alguns casos, a parceria pode resultar em inversões maiores em pesquisa, juntamente com redução dos investimentos da terceirizante, pois a terceirizada participará cada vez mais dos projetos. A aliança é procedente da evolução da antiga relação com fornecedores, mas com uma característica específica: a incorporação da cultura empresarial. Muitas vezes, os terceirizados são ex-funcionários da terceirizante, já que têm presente os aspectos

12 12 produtivos e culturais. O trabalho com fornecedores envolve riscos que, em princípio, são eliminados com a parceria, tais como: o costume da vantagem em todos os negócios, já que ambos são empreendedores tentando manter suas empresas; a postura reativa nas negociações, pela rivalidade existente; e o medo de riscos no fornecimento. Para isto, devem ser considerados o maior número possível de candidatos e levando-se em conta não somente o preço, mas também a qualidade, a saúde financeira e o nível tecnológico do subcontratado Vantagens Podemos listar como vantagens da terceirização: Ampliação de mercados Com a agilidade adquirida, a liberação de capital para investimento e, principalmente, a concentração de esforços na sua atividade-fim, a organização pode aumentar o seu raio de ação, ou seja, ampliar seu mercado e, até mesmo, buscar novos mercados através da criação de novos produtos ou com a realização de outros empreendimentos. Por outro lado, a transferência das áreas complementares para terceiros irá gerar novas oportunidades de negócio para pequenas e microempresas que, por sua vez, irão absorver parte da mão de obra dispensada. Note-se que este procedimento também tem a vantagem de evitar a dependência da comunidade com relação à empresa e vice-versa. Controle de qualidade Podendo a terceirizada concentrar-se na sua atividade-fim, a gerência de produtos ou serviços, seu controle de qualidade torna-se muito maior. O total conhecimento da sua atividade e o estabelecimento de padrões de qualidade, permitem uma auditoria dos produtos terceirizados, evitando a venda de peças defeituosas e reduzindo a perda de matéria-prima. Todavia, nas empresas terceirizadas que utilizam da facção, as ocorrências são minimizadas através da adoção de controles rígidos de qualidade, separando-se as mercadorias defeituosas das demais antes que elas cheguem ao mercado consumidor, utilizando melhor a matéria-prima, evitando desta maneira o desperdício. Diminuição do custo Há uma redução significativa dos custos da organização. Deixa-se de pagar por estoque de materiais e maquinários, que se tornam responsabilidade do parceiro. Há também uma redução da folha de pagamento, e não se gasta tempo e insumos com o treinamento

13 13 de empregados para exercerem funções inerentes à atividade-meio. Estudos têm demonstrado que muitas vezes, o aumento dos custos de pessoal com a terceirização, em média 10%, é plenamente compensado pelo aumento dos níveis de produtividade e qualidade, pois o empregado terceirizado rende mais que o antigo funcionário da empresa. Redução de problemas com mão-de-obra Além da diminuição do quadro de pessoal, o que reduz os encargos, a empresa pode passar a investir melhor nos seus empregados através de treinamento, salários melhores e participação nos lucros. É necessária a plena satisfação do empregado para que ele se sinta disposto a trabalhar e a " vestir a camisa" da empresa. Há também a vantagem de aumentar a sinergia dentro da empresa, ao quebrar-se o modelo subordinativo patrão/empregado e substituí-lo pelo conceito de parceria. Onde notamos uma maior integração entre as diversas etapas do processo produtivo, já que todas as células vão trabalhar em prol de um objetivo comum. Diminuição do espaço físico Como algumas atividades passam a ser desenvolvidas na sede de outras empresas, ocorre redução da área de armazenagem, assim como das instalações industriais, e ainda das dependências do escritório, que podem ser utilizadas para outras finalidades, tais como: biblioteca de moldes, arquivo de fornecedores, videoteca, etc. Com os altos custos de locação no Brasil; cada metro quadrado poupado poderá ser transformado num precioso diferencial de mercado, se o seu custo for repassado em benefício da empresa. Crescimento econômico A organização passa a ter um ganho muito maior, com investimento menores, pois contará com o suporte econômico das prestadoras de serviços, que irão ratear os custos operacionais do empreendimento. O mesmo ocorre na franquia, em que os investimentos necessários à abertura e funcionamento do ponto de venda correm por conta do franqueado. Desta maneira, a terceirizada poderá acelerar seu crescimento econômico, queimando etapas e aumentando sua capacidade produtiva, sem necessariamente aumentar seus investimentos, pois os custos de maquinário, mão-de-obra e instalação serão absorvidos pela prestadora de serviços. Transformação de custos fixos em variáveis

14 14 Esta é, sem dúvida, a principal vantagem da terceirização, pois ela irá reduzir os custos fixos decorrentes da manutenção de empregados nas áreas-meio, tais como: contador, programador, advogado, etc. Aumento do grau de especialização Concentrando todos os esforços na atividade-fim, a organização torna-se especializada naquilo que é o seu negócio (core business), podendo assim, atender melhor seus clientes quanto a pedidos, prazos, especificações e serviços. A terceirização permite que a empresa concentre todo o seu potencial na atividade geradora de resultados. Ao terceirizar as áreas-meio, a empresa simplifica seus processos internos, ao tempo em que libera sua equipe interna para atuar de forma mais produtiva, bem como proporciona a seus empregados maiores oportunidades de treinamento, aumentando assim seu grau de especialização. Seja lá qual for o segmento que se deseje terceirizar, uma coisa é certa: uma empresa enxuta terá muito mais recursos para investir naquilo que é o seu objetivo principal: colocar no mercado produtos que interessem ao consumidor, de boa qualidade e por um preço inferior ao do concorrente. Liberação da criatividade Numa época de abertura do mercado interno, as organizações estrangeiras irão acirrar cada vez mais a concorrência, tanto de empresas formais quanto de informais, de maneira que qualquer inovação administrativa ou tecnológica poderá significar uma maior ou menor sobrevida no mercado, pois aquelas que não conseguirem se superar constantemente estarão fadadas à obsolescência e ao desaparecimento. A terceirização tem o condão de liberar a criatividade interna na organização, pois não havendo mais que se preocupar com atividades secundárias, elas poderão investir no aprimoramento de seus recursos humanos e no desenvolvimento de novas tecnologias, a fim de poder sempre renovar sua linha de produtos, ou a maneira de fazê-los, e desta forma enfrentar em melhores condições a concorrência interna e externa, buscando sempre ampliar mercados ou até mesmo criar novos. Redução do imobilizado Isto porque a organização deixará de adquirir equipamentos e materiais para as atividades secundárias, podendo vender ou alugar os equipamentos existentes, transformando-os em capital de giro que poderá se realocado nas áreas-chave da organização, e assim, maximizar a sua produção.

15 Desvantagens A terceirização apresenta algumas desvantagens, mas estas só ocorrem se o processo for feito de maneira aleatória e centrada exclusivamente na questão dos custos. Tomando-se os cuidados devidos, as desvantagens poderão ser transformadas em ganhos. Aumento dos riscos Não se deve implementar um processo de terceirização de forma improvisada e imediatista, visando exclusivamente a redução de custos. Importante é fazer com que ela seja encarada como uma maneira mais eficaz de administrar recursos, a fim de que se dê uma maior flexibilidade e competitividade à organização. Assim, não se pode impor o processo de terceirização de cima para baixo: é preciso envolver as chefias intermediárias e colocar o assunto na ordem do dia, seja através de artigos no jornal interno, , debates, etc., a fim de desmitificar a idéia de que a terceirização é sinônimo de demissão, pois, a maioria dos empregados poderão ser reaproveitados pelas empresas terceirizadas. Desemprego O fator desemprego é uma conseqüência da terceirização. Ele pode ser contornado com a formação de uma nova organização constituída pelos ex-empregados ou pela absorção desta mão-de-obra. As atividades terceirizadas ficam em mãos de pessoas que já as conhecem. As prestadoras de serviços devem se especializar na atividade e oferecê-la a outras empresas. Assim, se evita o desemprego e se possibilita o surgimento e o crescimento de novas empresas. Mudança na estrutura do poder Mas a oposição dos executivos será ferrenha, pois ninguém quer ter a estrutura da sua área diminuída, com medo de perder o prestígio interno; para essas pessoas, o que importa é o número de subordinados. O medo de não ter em quem mandar tem tirado o sono de muito gerente incompetente que teme, a partir daí, perder o poder dentro da empresa: esquece porém, que ter poder não é ter em quem mandar, mas sim poder fazer. O problema é que normalmente eles não sabem mais como se faz, e aí passam a trabalhar contra o processo de terceirização. Falta de parâmetros de preço

16 16 A terceirização no Brasil, não é uma prática totalmente difundida. Justamente por isso, poderá ocorrer uma falta de parâmetros de preço. É preciso aperfeiçoar o conhecimento dos custos de produção. Má escolha da parceria Uma má escolha dos parceiros pode causar grandes prejuízos. É necessário saber escolher bem as empresas parceiras. Antes de tudo, definir uma política de terceirização que esteja dentro dos valores da empresa. Depois, identificar as áreas a serem terceirizadas. Somente após estas etapas é que o contrato deverá ser assinado, caso contrário corre-se o risco de escolher um mau parceiro. Ausência de especialização A ausência de especialização foi por algum tempo, encarada como um aspecto negativo. Mas hoje, as empresas estão investindo no empregado polivalente que conhece não só uma tarefa, mas várias. As redes de franquia, vêm obtendo muito sucesso na capacitação de seus franqueados, através da criação de unidades-padrão, nas quais o franqueado é treinado para assumir todas funções daquela unidade de negócios. Diminuição dos salários Os empregados das terceirizadas, geralmente, recebem salários inferiores aos pagos pela terceirizante. Na maioria das vezes pelo fato de serem empresas menores com padrões salariais inferiores. Este processo pode gerar problemas dentro da organização, como: divisões, discussões, sentimentos inferiorizantes, etc. terceirizantes 2.7. Dificuldades das empresas terceirizadas e São dificuldades para a empresa terceirirzada: cultura da terceirizante, análise de experiências anteriores, atuação sindical, demonstração da verdadeira atividade de gestão, demonstração de comparativos positivos, analise da qualidade e do potencial do serviço, e estudo da história da terceirizante. São dificuldades para a empresa terceirizante: cadastrar as empresas tomadoras de serviços como idôneas, trabalhar com o empresário a dificuldade em terceirizar as atividades-meio, apresentar as vantagens e desvantagens, provar a capacidade técnica do

17 17 trabalho, negociar custo e produtividade a médio e longo prazo, adaptar a terceirizante de acordo com a terceirizadora, provar que a terceirização gera maior número de empresas e empregos especializados, tentar minimizar os impactos das demissões existentes na fase inicial da terceirização, e quando não possuir experiência, procurar auxiliar a terceirizada, beneficiando-se deste processo "Quarteirização" A "quarteirização" é uma palavra designada para explicar os casos específicos de atividades terceirizadas vindas de organizações que já fazem este tipo de serviço. Este processo só se vale para organizações que abdicam dos seus serviços de gerenciamento, passando para outra organização estas atividades. A "quarteirização" é uma palavra ainda não pertence aos dicionários de língua portuguesa, mas já incorporada aos livros e teses de estudiosos da área de terceirização. Atualmente as organizações têm utilizado este serviço nos departamentos que estão sendo terceirizados, pois com uma concorrência mais acirrada, os produtos e serviços produzidos pelas terceirizadas estão cada vez mais enfrentando outras organizações, principalmente após o advento da globalização, que faz com que o segmento de mercado no qual a terceirizada atua, tenha maior concorrência nos critérios qualidade e preço baixo.

18 18 3. Estudo analítico 3.1. Planejando o processo de terceirização Nesta fase do processo, a organização precisa agir com cautela. O primeiro passo é identificar as áreas terceirizáveis, procurando estudar as atividades de cada setor e separando as atividades-meio das atividades-fim. Após esta identificação, a organização deve verificar os custos destas atividades e pesquisar as empresas prestadoras de serviço, começando então as pesquisas (preço, qualidade de serviço, tempo, saúde empresarial, liquidez, mercado, concorrência, cultura, etc). Abaixo, estão descritas algumas informações que o especialista Jerônimo Souto coloca como facilitadoras das organizações: Informações quanto ao risco, aos números e às metas; Conhecimento dos casos anteriores e o porquê dos fracassos e sucessos; Identificação da necessidade de mudança e instrumentos de difusão dessa necessidade; Recolocação dos antigos empregados da terceirizadora; Pagamento de prêmios na demissão; Verificar se a terceirizadora pode contratar os ex-empregados, diminuindo assim o impacto da demissão; Procurar parcerias; Criar demanda na comunidade; Incentivar a criação de terceiros;

19 19 Se houver divergência de culturas, procurar reeducar a tercerizada; Acompanhar os processos e o crescimento da qualidade; Preparar o RH para as mudanças, através do desenvolvimento, do estudos das leis, de um contrato vigente, além da identificação do segmento do mercado. Uma outra informação que a organização deve ter em pauta é pesquisar com outras organizações que utilizam os serviços da terceirizada, como ela atua dentro destas organizações e avaliar os seus serviços. Por fim, separadas as áreas que serão terceirizadas e escolhidas as empresas que prestarão serviços, a organização deverá fazer um cronograma de ação para o processo com prazos para implantação, controle, etc. Sem esquecer que os funcionários devem ser sempre informados do que acontece, assistindo aqueles que porventura sejam despedidos, observando os aspectos jurídicos e contratuais, planejando futuros cenários, como falhas de algumas terceirizadas, problemas de relacionamento, etc Ambiente próspero para terceirizados Atualmente no quadro de escassez de empregos em que vivemos, a terceirização acabou se tornando uma alternativa também para os desempregados. Pois, além de garantir empregos para ex-funcionários das organizações que aderiram a terceirização, as prestadoras de serviços passaram a ser grandes fornecedora de empregos. Principalmente, nas áreas de serviços gerais e limpeza, verifica-se que a maioria das organizações já estão adotando a terceirização, oferecendo trabalho a muitas pessoas, geralmente com baixo nível de escolaridade. Outro caso de sucesso, são as empresas de telemarketing, que desde a década de 90 vêm crescendo e com elas, muitas vagas nasceram. Esta atividade como não exigia grandes aptidões acabou empregando muitos trabalhadores não qualificados, estudantes recém-formados e até pessoas que nunca haviam trabalhado e que por necessidade entraram no mercado de trabalho. Com uma certa adaptação, os empregados acabam se integrando a uma nova forma de trabalho, muitas vezes com salários e benefícios menores, sem estabilidade para garantir uma remuneração no final do mês ou em alguns casos, no final do serviço.

20 Discussão Colocações teóricas Como já visto anteriormente, a redução dos custos é uma conseqüência do processo de terceirização. Em vias teóricas, as organizações que aderem a este processo se tornam mais competitivas. Pois a produtividade melhora a medida que a organização se torna mais enxuta, transferindo algumas atividades para as terceirizadas. Ela permite também a eliminação de desperdícios, tanto de insumos quanto de tempo, economizando com o não pagamento dos empregados para estas atividades, etc. A qualidade dos produtos ou serviços não será modificada com a terceirização de algumas atividades. No caso de se contratar uma terceirizada, ela deverá fazer um trabalho de tamanha qualidade como anteriormente realizado pela própria organização. Na contratação de pessoas para a realização de tarefas, a organização treina o terceirizado para trabalhar igual a um funcionário, de forma a manter a mesma qualidade a um custo menor. As organizações já estão preocupadas em garantir produtos e serviços com qualidade, por isso, muitas já estão implantando os processos que resultarão na qualidade total. A terceirização pode auxiliar muito na conquista deste processo dispersando as atividades, assim, a organização consegue eliminar custos, torna-se mais eficaz e competitiva. Em casos extremos, onde a terceirizada não conseguir manter a qualidade e a produtividade, a relação de parceria deverá ser quebrada, e assim, se procura uma nova parceira. Em relação a empregados terceirizados, a política adotada pode ser igual a utilizada com qualquer funcionário. Se houver problemas com o trabalho, a organização poderá optar pelo treinamento ou troca de função, antes de demitir o terceirizado. A estrutura dos custos internos da organização deverá se adaptar ao novo sistema, definindo um novo nível contábil-financeiro, e técnico-operacional, assim permitirá no futuro, a avaliação dos custos terceirizados em relação aos custos despendidos na atividade interna, podendo-se mensurar o quanto se está economizado Entende-se serviços gerais, empregados que trabalham como motoboys, boys, entregadores de correspondência interna e externa,

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. das Américas, 4.200 - Bl. 08-B, Sala 104 Centro Empresarial Barra Shopping Barra da Tijuca, RJ (21) 2480-1911 Av. Paulista, 807 -

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES Por: Jomerson da Silva Almeida Orientador Prof. Mario Luiz Niterói

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS.

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. Márcia Moraes Imhoff 1 Aline Perico Mortari 2 RESUMO A realização das atividades organizacionais por pessoas jurídicas distintas da organização

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

EVENTOS E TERCEIRIZAÇÃO: CONFRONTANDO REALIDADES PARA ENTENDER OS PROBLEMAS NO RELACIONAMENTO COMUNICATIVO

EVENTOS E TERCEIRIZAÇÃO: CONFRONTANDO REALIDADES PARA ENTENDER OS PROBLEMAS NO RELACIONAMENTO COMUNICATIVO EVENTOS E TERCEIRIZAÇÃO: CONFRONTANDO REALIDADES PARA ENTENDER OS PROBLEMAS NO RELACIONAMENTO COMUNICATIVO Introdução Autor(a): Adrijane Alves de Amorim Coautor(es): Betânia Cunha de Cerpa Brandão Email:

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE TERCEIRIZAÇÃO: OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS PARA A ORGANIZAÇÃO Por: Elisângela Martins Fontenele Ribeiro Orientador Prof. Adélia

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

CMV Custo de Mercadoria Vendida

CMV Custo de Mercadoria Vendida CMV Custo de Mercadoria Vendida Guia para Food Service Restaurante & Pizzarias Apresentação Para manter sempre os parceiros alinhados com as informações do mercado, a PMG criou este guia falando um pouco

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Pessoa física que deseja constituir um negócio

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história Desafio Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história de recuperação, tradição e sucesso no varejo de material de construção mineiro. O único caminho a seguir,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL:

CONTABILIDADE GERENCIAL: CONTABILIDADE GERENCIAL: UMA VISÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL Adm. Luiz Roberto Nascimento lroberto@plugnet.com.br CRA-SP-57867 - Pós Graduado em Finanças Prof. Administração Financeira FAC.ANGLO-LATINO Trago

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

O que é um consultor?

O que é um consultor? O que é um consultor? Prof. Oswaldo Junior Oswaldjr@ufpa.br Cel.: 9941-8627 Com adpatações do material produzido pelo profº Herbert Cutrin O que é um consultor? É o profissional que oferece conselhos e

Leia mais

Em busca da qualidade de

Em busca da qualidade de Diretoria de Gestão Corporativa-DG empresa Em busca da qualidade de gestão Inovações tecnológicas e gerenciais possibilitam mais eficiência à Eletrobras Furnas texto Leonardo da Cunha Valorizar o capital

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais