Aumento de destruição de plaquetas. Púrpura trombocitopênica auto-imune A púrpura trombocitopênica auto-imune pode dividida em formas crônica e aguda.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aumento de destruição de plaquetas. Púrpura trombocitopênica auto-imune A púrpura trombocitopênica auto-imune pode dividida em formas crônica e aguda."

Transcrição

1 Aumento de destruição de plaquetas Púrpura trombocitopênica auto-imune A púrpura trombocitopênica auto-imune pode dividida em formas crônica e aguda. Púrpúra trombocitopênica crônica É uma doença relativamente comum. A incidên mais alta parecia ser em mulheres com idade en 15 e 50 anos, mas alguns relatos recentes suge haver aumento da incidência com o passar anos. É a causa mais comum de trombocitope sem anemia ou neutropenia. Geralmente é idi ~ pática (por isso a sigla PTI, que também servi para púrpura trombocitopênica imunológica), pode ser vista em associação com outras doen como lúpus eritematoso sistêmico, infecção vírus (HIV, HCV), leucernia linfocítica crôni ~ doença de Hodgkin e anemia hemolítica aut imune (Tabela 23.2).

2 FUNDAMENTS EM HEMATLGIA 293 Patogenia A sensibilização de plaquetas com anticorpos (em geral IgG) resulta na sua remoção prematura da circulação pelos macrófagos do sistema reticuloendotelial, especialmente no baço (Figura 23.4). Em muitos casos, o anticorpo é dirigido contra sítios antigênicos nos complexos glicoproteína Ilb- Irra ou Ib. A sobrevida normal das plaquetas é de 7 a 10 dias, mas na PTI diminui para poucas horas. A massa total de megacariócitos e a reeiclagem de plaquetas aumentam paralelamente em cerca de cinco vezes o normal. Aspectos clínicos início quase sempre é insidioso, com petéquias, equimoses fáceis e, em mulheres, menorragia. Sangramento das mucosas, como epistaxe ou sangramento gengival, ocorre em casos graves, mas, felizmente, a hemorragia intracraniana é rara. A gravidade do sangramento na PTI em geral é menor do que a observada em pacientes com graus comparáveis de trombocitopenia decorrente de insuficiência da medula óssea; isso é atribuído à circulação de plaquetas predominantemente jovens e funcionalmente superiores na PTI. A PTI crônica tende a recidivar e a regredir de forma espontânea, dificultando a previsão da evolução. Muitos casos assintomáticos são descobertos em hemo grama de rotina. baço não é palpável, salvo se houver doença associada causando esplenomegalia. Diagnóstico 1. A contagem de plaquetas geralmente está em 10 a 50 x 10 9 /L, e o VPM um pouco aumentado. A hemoglobina e a contagem de leucócitos são tipicamente normais, exceto se houver anemia ferropênica causada por perda de sangue. 2. A distensão de sangue mostra a diminuição do número de plaquetas, e a presença de plaquetas grandes. 3. A medula óssea mostra número normal ou aumentado de megacariócitos. 4. Testes sensíveis são capazes de demonstrar a presença de anticorpos específicos antiglicoproteínas GPIlb/llla ou GPIb na superfície das plaquetas ou no soro da maioria dos pacientes. A dosagem de IgG associada às plaquetas é menos específica. Tratamento Como é doença crônica, o objetivo do tratamento deve ser a manutenção da contagem de plaquetas acima do nível no qual ocorrem equimoses ou sangramento espontâneo, com um mínimo de intervenção. Em geral, uma contagem de plaquetas acima de 50 x 10 9 /L não requer tratamento. ~~ V ~ Plaqueta ~ -. sensibilizada ~ Y'y, Anticorpos antiplaquetas Receptor Fc Macrófago Figura 23.4 Patogenia da trombocitopenia na púrpura trombocitopênica auto-imune.

3 294 A.v. HFFBRAND. P.A.H. Moss & J.E. PEDIT 1. Corticosteróides. itenta por cento dos pacientes entram em remissão com tratamento com corticosteróides em altas doses. Prednisolona ou prednisona, 1 mg/kg/dia, é o tratamento inicial usual em adultos, diminuindo-se gradativamente a dose depois de 10 a 15 dias. Em indivíduos que respondem mal, a dose é diminuída mais lentamente, e tratamentos alternativos, como esplenectomia ou imunossupressão, passam a ser considerados. 2. Esplenectomia (Figura 23.5). Essa cirurgia é recomendada em pacientes que ainda têm contagem de plaquetas < 30 x 109/L após três meses de tratamento com corticosteróides ou que necessitam de doses altas, inaceitáveis, para manter a contagem de plaquetas acima de 30 x 10 9 /L. Bons resultados ocorrem na maioria dos pacientes, mas naqueles com PTI refratária a esteróides e a imunossupressores, o benefício pode ser pequeno. Baços acessórios devem ser removidos; caso contrário, ocorre recidiva da PTI. 3. tratamento com altas doses de imunoglobuzina por via intraveno a causa aumento rápido na contagem de plaquetas na maioria dos pacientes. São recomendadas as doses de 400 mg/kg/dia durante cinco dias ou l g/kg/ dia durante dois dias. É particularmente recomendado em pacientes com hemorragias que colocam a vida em risco, na PTI refra- ::::; ã>- 100 ~ '" ~~j~~ 500 I ~ 10 r- :J tr '" 5 ã:!esplenectomía I 1 I I o Tempo (semanas) Figura 23.5 Resposta à prednisolona na púrpura trombocitopênica auto-imune com recidiva subseqüente e resposta à esplenectomia. tária a corticosteróides, durante a gravidez e antes de cirurgia. mecanismo de ação pode ser um bloqueio dos receptores Fc dos macrófagos ou mudança na produção de autoanticorpos. 4. Drogas imunossupressoras, como vincristina, ciclofosfarnida, azatioprina, micofenolato de mofetil ou ciclosporina, isoladamente ou em combinação, em geral são reservadas para pacientes que não respondem suficientemente ao tratamento com corticosteróides e à esplenectomia. 5. Anticorpos monoclonais. Rituximab (anti- CD20) produz respostas, geralmente duradouras, em cerca de 50% dos casos. 6. utros tratamentos que podem promover remissão incluem danazol (um androgênio que pode causar virilização em mulheres), dapsona e imunoglobulina anti-d intravenosa (em pacientes Rh positivos). Muitas vezes é necessário combinar duas drogas, como danaz e um agente imunossupressor. 7. Transfusão de plaquetas. Concentrados de plaquetas são indicados em pacientes com sangramento agudo que coloca a vida em ri - co. Seu benefício dura apenas algumas horas 8. transplante de células-tronco curou al casos especialmente graves. Púrpura trombocitopênica aguda É mais comum em crianças. Em cerca de 75% d pacientes, o episódio segue vacinação ou inf - ção, como varicela ou mononucleose infeccio A maioria dos casos deve-se à ligação de imunocomplexos inespecíficos. As remissões espontâneas são usuais, mas em cerca de 5 a 10% dos cas a doença fica crônica (duração superior a seis meses). Felizmente a morbidade e a mortalidade PTI aguda são muito baixas. diagnóstico é de exclusão e há controvérsias quanto à necessidade de aspiração de med óssea. Se a contagem de plaquetas for superi a 30 x 10 9 /L, não há necessidade de tratament salvo se houver sangramento grave. Pacient com contagem abaixo de 20 x 109/L podem tratados com esteróides e/ou imunoglobulina intravenosa, especialmente se houver sangramen significativo.

4 FUNDAMENTS EM HEMATLGIA 295 Infecções Parece provável que a t:rombocitopenia associada a muitas infecções por vírus e protozoários seja imunomediada. Na infecção por HIV, também está envolvida uma diminuição na produção de plaquetas (p. 340). Púrpura pós-transfusíonal Trombocitopenia súbita e severa que ocorre 10 dias após transfusão de sangue é atribuída a anticorpos do receptor contra o antígeno plaquetário humano Ia (HPA-la) (ausente nas plaquetas do paciente) nas plaquetas transfundidas. motivo pelo qual as plaquetas do paciente são destruídas é desconhecido. tratamento é com imunoglobulina intravenosa, troca de plasma ou corticosteróides. Trombocitopenia induzida por drogas Um mecanismo imunológico foi demonstrado como causa de muitas trombocitopenias induzidas por drogas (Figura 23.6). A quinina (incluindo a da água tônica), a quinidina e a heparina são causas particularmente comuns (Tabela 23.3). A contagem de plaquetas quase sempre é abaixo de 10 x 10 9 /L, e a medula óssea mostra número normal ou alto de megacariócitos. s anticorpos dependentes da droga contra plaquetas podem ser demonstrados no soro de alguns pacientes. tratamento imediato é a suspensão da droga suspeita, mas deve ser administrado concentrado de plaquetas em pacientes com sangramento perigoso. Púrpura trombocitopênica trombótica e síndrome hemolítico-urêmica A púrpura trombocitopênica trombótica (PTT) ocorre nas formas hereditária e adquirida. Há deficiência de uma ADAMTS 13 metaloprotease que cliva multímeros de peso molecular "ultragrande" do fator de von Willebrand (ULVWF) (Figura 23.7). Já foram identificadas mais de 50 mutações ADMTS13 causadoras da PTT hereditária (familiar); as formas adquiridas decorrem do desenvolvimento de um auto-anticorpo IgG inibi dor, cuja presença pode ser estimulada por infecções, doenças auto-imunes e do tecido conectivo, certas drogas, transplante de células-tronco ou cirurgia cardíaca. Cadeias multiméricas de ULVWF, secretadas pelos corpos de Weibel-Palade, ancoram-se nas células endoteliais, e as plaquetas em trânsito aderem por meio de seus receptores Gl'Ib«. aumento progressivo da agregação plaquetária sobre essas correntes multiméricas de ULVWF tem potencial para formar trombos plaquetários grandes, oclusivos, capazes de embolizar para a microcirculação a jusante, causando isquemia em órgãos (Figura 23.8). Na síndrome hernolítico-urêmica (HUS), estreitamente relacionada, os níveis de ADAMTS13 são normais. A PTT tem sido tradicionalmente descrita como um quinteto composto de trombocitopenia, anemia hemolítica microangiopática, alterações neurológicas, insuficiência renal e febre. As tromboses microvasculares causam grau variável de isquemia tecidual e infarto e são responsáveis pela hemólise e pela trombocitopenia. Na prática clíni- Complexo anticorpo- Droga. droga-proteína :;;;~ ~ ~! Á0'i a;~a~' Lise da plaqueta Figura 23.6 Tipo usual de dano na plaqueta causado por drogas no qual um complexo anticorpodroga-proteína é depositado na superfície da plaqueta. Se o complemento for ligado e a seqüência estender-se até o fim, a plaqueta pode ser lisada diretamente. Caso contrário, é removida pelas células reticuloendoteliais em decorrência da opsonização com imunoglobulina e/ou componente C3 do complemento.

5 296 AV HFFBRAND, P.A.H. Moss & J.E. PEDlT Figura 23.7 Patogenia proposta para a púrpura trombocitopênica trombótica (PTT). fator von WiJlebrand () consiste em uma série de multírneros, cada um com peso molecular (PM) de 250 kda, ligados por ligação covalente. (a) Em circunstâncias fisiológicas, a metalprotease ADAMTS13 cliva multímeros de alto peso molecular em uma ligação Tyr-842-Met-843, e o resultante fica com PM de 500 a kda. (b) Na PTT adquirida, desenvolve-se um anticorpo à metalprotease que bloqueia a clivagem dos multímeros. (c) Nas formas congênitas de PTT, a protease parece estar ausente. Em ambos os casos, os multímeros ultragrandes podem ligar-se a plaquetas sob condições de intenso atrito e causar agregaçáo plaquetária. Plasma Nenhuma agregação de plaquetas E::3 ( = = Protease cliva entre --- C=> E:::3 tirosina (842) e metionina (843) no E::3 +(--- substrato monomérico (a) NRMAL Agregação ---- (b) = +(--- Célula Multímeros +,,, Dímeros endotefial E::3 t Monômeros = ~-ª Protease - c=>li Anticorpo '/ E::3 +(--- PTT ADQUIRIDA Agregação de plaquetas (c) PTT FAMILIAR Protease ausente ou defeituosa ~~~ = +(--- E::3 +(---- = +(--;--- Multímeros +,,, Dímeros E::3 t Monômeros = Multímeros +,,,, Dímeros E:::3 t Monômeros = ca corrente, trombocitopenia e esquizócitos no hemograma e uma elevação expressiva da desidrogenase láctica (LDH) são suficientes para sugerir o diagnóstico. A LDH origina-se tanto das células teciduais isquêmicas ou necróticas como da hemólise. s testes de coagulabilidade são normais, ao contrário do que ocorre na CIVD (ver Figura 24.8). A LDH está aumentada. A ADAMTS 13 está ausente ou significativamente reduzida no plasma. tratamento eficaz é a troca de plasma, usandose plasma fresco congelado ou crio-sobrenadante. Isso remove os multímeros de alto peso molecular e o anticorpo e supre ADAMTS13. A contagem de plaquetas e a LDH são úteis para monitorização da resposta ao tratamento. Recentemente foi demonstrada a eficácia do rituximab (anti-cd20) no tratamento; é usado em conjunção com infusõ ou troca de plasma. Em casos refratários, e cas crônicos, recidivantes, são usados corticosteróid em altas doses, vincristina, imunoglobulina intravenosa, rituximab e tratamento imunossupres com azatioprina ou ciclofosfamida. Nos ca não-tratados, a mortalidade aproxima-se de 901i Recidivas são freqüentes. A síndrome hemolítico-urêmica em crianç tem muitas características comuns, mas o d aos órgãos é limitado aos rins. A sintornatologi geralmente inclui diarréia. Muitos casos são associados com infecção por Escherichia coli co verotoxina 0157 ou por outros microrganism especialmente Shigella. As bases do tratament são a hemodiálise e o controle da hipertensão

6 FUNDAMENTS EM HEMATlGIA 297 das convulsões. A transfusão de plaquetas é contra-indicada na HUS e na PIT. Coagulação intravascular disseminada A trombocitopenia pode resultar de aumento do ritmo de destruição de plaquetas por consumo por causa da sua participação na CIVD (p. 309). (a) Aumento da retenção esplênica principal fator responsável pela trornbocitopenia na esplenomegalia é a retenção, ou "represamento" (pooling), de plaquetas no baço. Na esplenomegalia, até 90% das plaquetas podem ser seqüestradas no baço, que normalmente contém cerca de um terço da massa total de plaquetas (Figura 23.9). A sobrevida das plaquetas é normal, e, na ausência de defeitos hemostáticos adicionais, a trombocitopenia da esplenomegalia não se associa, via de regra, a sangramento. (b) Figura 23.8 Púrpura trombocitopênica trombótica: (a) trombo de plaquetas em pequeno vaso cardíaco com pequena reação endotelial e inflamatória (cortesia do Dr. l.e. McLaughlin) e (b) distensão de sangue periférico mostrando fragmentação de eritrócitos. Síndrome da transfusão maciça As plaquetas são instáveis no sangue armazenado a 4 o C, e a contagem de plaquetas cai rapidamente no sangue armazenado por mais de 24 horas. s pacientes transfundidos com quantidades maciças de sangue armazenado (mais de 10 unidades em um período de 24 horas) apresentam, com freqüência, coagulação anormal e trombocitopenia, as quais podem ser corrigidas com uso de transfusão de plaquetas e plasma fresco congelado. Retenção esplênica 30% 60%--If------,_~ 90% f- Plaquetas circulantes 70% 10-40%-+---/ Figura 23.9 Distribuição de plaquetas entre a circulação e o baço em indivíduos normais (esquerda) e em pacientes com esplenomegalia moderada ou maciça (direita).

7 298 A.v. HFFBRAND, P.A.H. Moss & J.E. PETTIT Distúrbios da função plaquetária Dístúrbios da função plaquetária devem ser considerados em pacientes que apresentam sangramento de pele e mucosas, além de tempo de sangramento alongado, apesar de terem contagem normal de plaquetas. Esses distúrbios podem ser hereditários ou adquiridos. Distúrbios hereditários Doenças hereditárias raras podem produzir defeitos em cada uma das diferentes fases das reações plaquetárias que levam à formação do tampão hemostático. Trombastenia (doença de Glanzmann). Nesta doença autossômica recessiva, há falta de agregação das plaquetas por uma deficiência de GPlIb da membrana (gene no cromos somo 17). Em geral é notada já no período neonatal, e caracteristicamente as plaquetas não se agregam in vitro com nenhum agonista, salvo a ristocetina. Síndrome de Bernard-Soulier, Neste distúrbio, as plaquetas são maiores do que o normal e há deficiência de glicoproteína Ib (gene no cromossomo 23). Verifica-se ligação defeituosa com, aderência também defeituosa aos tecidos conetivos subendoteliais, e as plaquetas não se agregam com ristocetina. Há um grau variável de trombocitopenia. Doenças de armazenamento, Na rara síndrome das plaquetas cinzentas, as plaquetas são maiores que o normal e há virtual ausência de grânulos a, com deficiência de suas proteínas. Na doença mais CrIlUm,de armazenamento ~, há deficiência de grânulos densos. A função das plaquetas é anormal na doença de von Willebrand devido a defeito hereditário no fator von Willebrand (p. 306).

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias DOENÇAS HEMORRÁGICAS INTRODUÇÃO Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses Fase primária da hemostasia: púrpuras (alteração dos vasos ou plaquetas) púrpuras vasculares ou plaquetárias Fase

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

DHPN e Anemia autoimune. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

DHPN e Anemia autoimune. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br DHPN e Anemia autoimune Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br DHRN Anemia hemolítica ocasionada pela incompatibilidade sanguínea materno-fetal pela presença de anticorpos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO Mônica H. C. Fernandes de Oliveira Conceito A hemostasia é o processo fisiológico responsável pela manutenção do sangue em estado líquido e a integridade do envelope vascular.

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014

Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014 Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014 Tema: O que sabemos sobre PTI (Púrpura Trombocitopênica Idiopática)? Total atingido de pessoas na sala: 29 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI.

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI. DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos, plaquetas e fatores de coagulação. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Baseia-se na

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI)

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Bianca

Leia mais

Plaquetopenias adquiridas e hereditárias Sumário

Plaquetopenias adquiridas e hereditárias Sumário Plaquetopenias adquiridas e hereditárias Erich de Paula Departamento de Patologia Clínica FCM - Unicamp Sumário Aspectos gerais Causas de plaquetopenia Plaquetopenias hereditárias Plaquetopenias adquiridas

Leia mais

Foram ainda notificados casos de síndrome nefrótica com diferentes nefropatias subjacentes.

Foram ainda notificados casos de síndrome nefrótica com diferentes nefropatias subjacentes. 25 de agosto de 2014 Interferões Beta: risco de microangiopatia trombótica e síndrome nefrótica Caro Profissional de Saúde, O INFARMED, I.P. em acordo com a Agência Europeia do Medicamento e os Titulares

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr

Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr abril.2015 PROGRAMAÇÃO Definições / Modalidades Princípio Físico Premissas Legislação Limitações Posição da ABHH para Leucorredução

Leia mais

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES 2003-2004 ANEMIAS TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS ANEMIA NEUTROPENIAS FERRO VITAMINA B12 ÁCIDO FÓLICO COAGULOPATIAS CONGÉNITAS COAGULOPATIAS

Leia mais

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS UNESC - ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO CONCEITO O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença crônica de causa desconhecida, onde acontecem alterações fundamentais

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: hemocomponentes; transfusão; plaquetas; comitê transfusional

PALAVRAS-CHAVE: hemocomponentes; transfusão; plaquetas; comitê transfusional PARECER CRM/MS N 009/2014 Processo consulta CRM MS nº 07/2014 Interessado: Fundação Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso do Sul Parecerista: Luís Henrique Mascarenhas Moreira Assunto: Solicita parecer

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO INTRODUÇÃO Foi no início do século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner

Leia mais

TIAGO DE OLIVEIRA BOECHAT DEGUSTAÇÃO

TIAGO DE OLIVEIRA BOECHAT DEGUSTAÇÃO 9 ABORDAGEM DO PACIENTE COM TROMBOCITOPENIA TIAGO DE OLIVEIRA BOECHAT Introducão A trombocitopenia caracteriza-se pelo número baixo de plaquetas circulantes, 1 classicamente abaixo de 150.000/mm 3. É uma

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab ANEMIAS HEMOLÍTICAS Hye, 2013 www.uff.br/hematolab Anemias Hemolíticas Destruição acelerada de eritrócitos; Podem ser destruídas na medula óssea, no sangue periférico ou pelo baço; drjeffchandler.blogspot.com

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IDIOPÁTICA

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IDIOPÁTICA Circular 575/2013 São Paulo, 25 de Novembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IDIOPÁTICA Diário Oficial da União Nº 228, Seção 1,

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

A) Provas da hemostasia primária. B) Provas da hemostasia secundária. 01 de Maio de 2009. Distúrbios da Hemostasia

A) Provas da hemostasia primária. B) Provas da hemostasia secundária. 01 de Maio de 2009. Distúrbios da Hemostasia 01 de Maio de 2009. Distúrbios da Hemostasia Hemostasia primãria Visa parar o sangramento e se faz através das plaquetas. Pode haver doenças hereditárias e adquiridas na hemostasia primária. Hemostasia

Leia mais

O que é lúpus?... 2. Quem tem lúpus?... 2. O que causa o lúpus?... 3. Quais são os sintomas da doença?... 4. Como o diagnóstico é feito?...

O que é lúpus?... 2. Quem tem lúpus?... 2. O que causa o lúpus?... 3. Quais são os sintomas da doença?... 4. Como o diagnóstico é feito?... Índice O que é lúpus?... 2 Quem tem lúpus?... 2 O que causa o lúpus?... 3 Quais são os sintomas da doença?... 4 Como o diagnóstico é feito?... 7 Como se trata o lúpus?... 8 Que outros cuidados as pessoas

Leia mais

O que é lúpus? Quem tem lúpus? O que causa o lúpus? Quais são os sintomas da doença?

O que é lúpus? Quem tem lúpus? O que causa o lúpus? Quais são os sintomas da doença? O que é lúpus? O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES ou apenas lúpus) é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune, cujos sintomas podem surgir em diversos órgãos de forma lenta e progressiva (em

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Outras anemias hemolíticas

Outras anemias hemolíticas Outras anemias hemolíticas Dr. Márcio Hori Médico Hematologista COI Hemoglobina Ligação de oxigênio à Hb para transporte no corpo Transporte na hemácias para preservar a Hb por 120 dias Estrutura: Tetrâmero

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou 42 comprimidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou 42 comprimidos. LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Valtrex cloridrato de valaciclovir APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (MACK SP/2013) b) os candidatos III e IV podem ser excluídos da paternidade. c) o candidato I é o pai

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: HEMATOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

A ANÁLISE DAS ANÁLISES

A ANÁLISE DAS ANÁLISES A ANÁLISE DAS ANÁLISES HEMOGRAMA João Farela Neves Unidade de Imunodeficiências Primárias Coordenadora: Dra Conceição Neves Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos Coordenadora: Dra Lurdes Ventura Área

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho:

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: TESTE DO PEZINHO Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: 1) FENILCETONÚRIA Doença causada por falta de uma substância (enzima) que transforma a fenilalanina (aminoácido) em tirosina.

Leia mais

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Escola Secundária Quinta do Marquês Mutações Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Trabalho realizado por: Bárbara Dória, nº4, 11ºB Definição de mutação As

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada.

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada. NÚMERO: 011/2015 DATA: 23/06/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação contra infeções por Streptococcus pneumoniae de grupos com risco acrescido para doença invasiva pneumocócica (DIP).

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

DISTURBIOS PLAQUETÁRIOS CARLOS EDUARDO PIZZINO

DISTURBIOS PLAQUETÁRIOS CARLOS EDUARDO PIZZINO DISTURBIOS PLAQUETÁRIOS CARLOS EDUARDO PIZZINO 1 INTRODUÇÃO - Os distúrbios plaquetários são classificados como: Desordens númericas (trombocitopenia e trombocitose) Desordens funcionais - Plaquetas são

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos antígenos eritrocitários, julgue os itens a seguir. 41 No fenótipo McLeod, a presença da proteína Kx leva à produção de glóbulos vermelhos acantocíticos e à anemia hemolítica. 42 Indivíduos

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público EMA/614203/2010 EMEA/H/C/000165 Resumo do EPAR destinado ao público rituximab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mieloproliferativa Crônica.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mieloproliferativa Crônica. Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mieloproliferativa Crônica. Sabemos que as informações médicas são cercadas, na maior parte das

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS (2013) ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS. PARA QUE SERVE? E COMO SE INTERPRETA? Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José

Leia mais

Imunologia dos Tr T ansplantes

Imunologia dos Tr T ansplantes Imunologia dos Transplantes Base genética da rejeição Camundongos isogênicos - todos os animais possuem genes idênticos Transplante de pele entre animais de linhagens diferentes rejeição ou aceitação depende

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

Imunização ativa x passiva

Imunização ativa x passiva A IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Imunização ativa x passiva A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune da criança, ao entrar

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Manual de (LMC) O que você deve saber sobre (LMC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Este manual, destinado a pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC) e seus familiares,

Leia mais

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE Anderson Corrêa Estuti RESUMO É uma doença infecciosa febril aguda, que pode ser de curso benigno como dengue clássica (DC) ou grave como dengue hemorrágica(fdh).

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais