A autenticidade do material didático para o ensino de inglês com língua estrangeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A autenticidade do material didático para o ensino de inglês com língua estrangeira"

Transcrição

1 A autenticidade do material didático para o ensino de inglês com língua estrangeira The authenticity of the pedagogical material for the teaching of English as a foreign language Bianca Pimentel Berk Schubert 1 (Colégio Pedro II / UFF) Resumo: O presente artigo trata da questão da autenticidade nos livros-textos para o ensino de inglês como língua estrangeira (ILE) no Brasil. O foco é a investigação de uma coletânea de livros didáticos recentes de ILE para avaliar o grau de autenticidade de seus insumos orais e tarefas de sala de aula. A análise mostrou que alguns desses materiais já exibem elementos autênticos. Palavras-chaves: autenticidade, inglês como língua estrangeira, material didático, insumo oral, tarefas. Abstract: The present article concerns authenticity in course books for the teaching of English as a foreign language (EFL) in Brazil. It focuses on the investigation of a number of recent EFL textbooks to assess the degree of authenticity of their oral input and classroom tasks. The analysis has shown that a few of these materials already exhibit a number of authentic features. Key words: authenticity, English as a foreign language, pedagogic material, oral input, tasks. 1. Introdução Tendo como base nossa proposta para um paradigma de autenticidade para o ensino de línguas estrangeiras (cf. Schubert, 2010; veja seção 2.3), o presente artigo trata da questão da autenticidade no material didático utilizado em nosso país para o ensino de inglês, especialmente no que tange os traços discursivos dos seus insumos orais (e.g falso começos, hesitações, pausas, sobreposição de turnos, eco discursivo), o uso adequado de linguagem coloquial moderna, a atualidade dos temas, e o grau de autenticidade das tarefas de sala de aula. A discussão sobre autenticidade para o ensino de línguas estrangeiras começa com a apresentação dos seus fatores geradores (seção 2.1). Em seguida, apresentamos óticas diversas 1 Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

2 para o conceito de autenticidade (seção 2.2) e discutimos na seção 2.3 a natureza das tarefas de sala de aula de L2 (língua estrangeira ou segunda língua). Em seguida, diferenças entre o material didático e o material autêntico são descritas e avaliadas (seção 2.4). A última seção (2.5) traz uma breve análise de 16 livros-textos destinados ao ensino de ILE no Brasil acerca da questão da autenticidade neles. 2. A autenticidade no material didático 2.1. Precedentes para a autenticidade no ensino de línguas O debate a respeito da utilização de materiais autênticos para o ensino de línguas originou-se de uma combinação de fatores diversos das últimas quatro décadas (cf. Mishan, 2005). Um dos principais fatores foi o advento das abordagens comunicativas na década de 70, segundo as quais a comunicação é tanto o objetivo da aprendizagem da língua-alvo como também o veículo para o seu ensino. O foco da aprendizagem de línguas passou da aprendizagem de elementos linguísticos para a comunicação e interação social. Outro fator importante que acendeu o debate da autenticidade foi o direcionamento do ensino de línguas para a aprendizagem centrada no texto. As atividades nessas abordagens começaram a estimular a aprendizagem por meio da conscientização quanto a elementos linguísticos presentes no texto, e para a compreensão do texto em diferentes níveis (e.g. identificação das idéias principais; localização de informações específicas, inferência), nos moldes do que ocorre naturalmente quando lemos ou escutamos textos de diferentes gêneros e dependendo dos nossos propósitos comunicativos. Outra influência veio das abordagens humanísticas das décadas de 70 e 80, as quais direcionaram a aprendizagem para o aprendiz, para suas necessidades, seu conforto físico, psicológico e emocional, enfatizando o valor do desenvolvimento individual. Da mesma forma, a explosão do movimento de autenticidade é provavelmente consequência de dois movimentos interdependentes. O primeiro é a revolução nas tecnologias de comunicação e informação, resultante do surgimento e divulgação da Internet, o que possibilitou o acesso a textos autênticos de todos os tipos em centenas de línguas do nosso mundo. O segundo é a tendência mundial para formas autônomas de aprendizagem (i.e. a individualização na aprendizagem), o que tem propiciado a transferência da responsabilidade pela aprendizagem e Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

3 dos caminhos para a informação e conhecimento do professor para os alunos, os quais, por sua vez, esperam ser expostos a materiais e tarefas genuínas sobre a cultura-alvo. Além disso, a autonomia de pesquisa e estudo foi reforçada pela disponibilidade infinita de informações existentes na Internet e pelo fenômeno de globalização O conceito de autenticidade de materiais: diferentes óticas As definições de materiais autênticos na literatura são, muitas vezes, contrastantes. Muitos autores preconizam que a autenticidade está ou reside no texto (Breen, 1985; Taylor, 1994), enquanto que outros argumentam que a autenticidade é conferida a um texto através da maneira como ele é colocado em uso ou interpretado por determinadas pessoas em determinadas situações. De um lado aparecem os puristas da autenticidade, como Grellet (1981:8), que afirma que: Autenticidade significa que nada do texto original é alterado e também que sua apresentação e layout são preservados. Um artigo de jornal, por exemplo, deve ser apresentado como ele apareceu no jornal na primeira vez, com o mesmo tipo de letra, o mesmo espaço devotado às manchetes, a mesma figura [...] A figura, o tamanho da manchete, o uso do negrito, tudo contribui para expressar a mensagem para o leitor. 2 Grellet (1981:79) destaca também que: Textos devem ser disponibilizados aos aprendizes, não através de sua simplificação, mas através do ajuste das exigências da tarefa que os envolve. A dificuldade de um exercício de leitura depende da atividade que é requerida do aluno ao invés do texto propriamente dito, conquanto que ele esteja dentro do nível de competência geral dos alunos. Em outras palavras, o professor deve nivelar os exercícios, não os textos. 3 Lee (1995:324) reforça essa idéia argumentando que: Um texto é considerado autêntico se ele não foi escrito com propósitos pedagógicos (i.e. não para ilustrar pontos específicos de uma língua), mas com um propósito comunicativo da vida real, onde o escritor tem uma determinada mensagem para passar para o leitor. Dessa forma, um texto autêntico é aquele que possui uma qualidade fundamentalmente comunicativa. 2 Tradução da autora. 3 Tradução da autora. Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

4 Uma outra vertente estabelece que autenticidade é uma característica da relação entre o texto e o leitor/ouvinte, e corresponde à resposta apropriada (Widdowson 1978:80). O ponto central do termo autenticidade não se aplica aqui a nenhuma característica inerente ao material, mas sim à interação entre o usuário e o texto. A autenticidade, segundo essa vertente, pode se manifestar no ato de interpretação e pode ser julgada em termos do grau de interpretação do aluno. Este conceito tem implicações cruciais para o contexto pedagógico, pois sinaliza que o mais importante é o que fazemos com um texto e não o fato de ele ter ocorrido num ambiente real. Widdowson (2001:8) argumenta que a sala de língua estrangeira pode ser considerada um contexto criado como um teatro, onde a comunidade de alunos vive e se movimenta e tem sua existência em mundos imaginários, intencional e real para eles. Em outra obra, Widdowson (1983:30) comenta que O texto é autenticado pela atividade para a qual ele é usado. Wilson (1997:7) corrobora com essa idéia ao afirmar que A autenticidade não reside somente no propósito da língua-materna do texto, mas também no propósito de língua estrangeira quando usado por professores e alunos. Embora concordemos com o fato de que a autenticidade de um material dependa do contexto cultural (i.e. por que, onde, para quem, como, etc) no qual ele foi produzido, acreditamos na possibilidade de reconstrução ou revalidação da autenticidade de propósitos comunicativos do texto, através da interação do aluno de L2 com o material didático. Advogamos, dessa forma, que a autenticidade da tarefa no contexto educacional depende do reconhecimento pelo público-alvo de sua relevância comunicativa e prática para sua vida. A tarefa será autêntica quando ela despertar naturalmente no público-alvo seu interesse genuíno e servir a um propósito comunicativo natural e relevante para ele. O paradigma de autenticidade (cf. Schubert, 2010) que estamos propondo no presente artigo depende de uma série de fatores interligados, tais quais: (a) a utilização de materiais autênticos (escritos ou falados) produzidos originalmente na língua-alvo, com preferência para materiais produzidos por nativos da língua-alvo; (b) seleção desses materiais a partir de uma análise prévia das necessidades de aprendizagem e os interesses do público-alvo; (c) o grau de autenticidade no ensino de línguas depende de atos de autenticação dos interlocutores (no caso os alunos) envolvidos, ou seja, envolve não somente a linguagem genuína do material, mas a interação do interlocutor com o material, sua percepção do material como sendo semelhante a Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

5 atividades do mundo real que são relevantes para sua aprendizagem; (d) as tarefas autênticas, da mesma forma, devem ser semelhantes a atividades comunicativas da vida real do público-alvo, e devem ser, por isso, orientadas para se alcançar objetivos comunicativos genuínos, devem envolver trabalho colaborativo para sua realização, e o máximo possível de lacunas genuínas de informação e imprevisibilidade, que são características da comunicação natural, e devem dar oportunidades aos alunos para iniciarem, desenvolverem e finalizarem seu discurso de forma autônoma A natureza da tarefa em sala de aula Como foi descrito acima, a combinação de materiais autênticos com tarefas autênticas, ou seja, a exposição do aluno a insumo autêntico na língua-alvo supostamente de seu interesse e a proposta de atividades de uso interativo / comunicativo da língua em situações de réplica do mundo real, exigindo do aluno maior autonomia interacional e de estudo e pesquisa é, em nossa opinião, uma forma de facilitação e aceleração da aprendizagem. Nunan (1991) define a tarefa como uma atividade focada no significado, com propósitos comunicativos definidos, que envolve os alunos em atividades de compreensão, manipulação, produção, e interação na L2. Este mesmo autor (1991:279) distingue cinco características para uma abordagem baseada em tarefas: a) Ênfase em aprender a se comunicar através da interação na L2; b) A introdução de material autêntico como material didático; c) O foco é desviado da língua para o processo de aprendizagem; d) A valorização das experiências pessoais dos aprendizes como contribuição para a aprendizagem em sala de aula; e) Uma tentativa de conectar a aprendizagem formal com o uso da L2 fora de sala de aula. Nunan (ibid) propõe diferentes elementos para a análise de tarefas: os objetivos, o insumo (input data), as atividades desenvolvidas a partir do insumo, os padrões organizacionais (settings), e os papéis implícitos para o professor e os alunos. Por objetivo, entende-se as intenções gerais para a tarefa pedagógica. Insumo corresponde aos dados que formam o ponto de partida ou referência para a tarefa. As atividades especificam o que os aprendizes irão realizar com o insumo. Os papéis referem-se às relações sociais e interpessoais entre professor e alunos Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

6 numa tarefa. Os padrões organizacionais correspondem ao tipo de interação envolvida na tarefa, que pode ser realizada em pares ou pequenos grupos, ou dirigida pelo professor. Nunan (ibid) e outros pesquisadores fazem uma distinção entre tarefas-alvo (target tasks), as quais os alunos realizam fora da sala de aula, e tarefas pedagógicas, as quais ainda constituem a base da atividade de sala de aula. Long (1985:89) lista uma série de tarefas do primeiro tipo: preencher um formulário, comprar um par de sapatos, fazer um reserva de um vôo, fazer um empréstimo de um livro numa biblioteca, preencher um cheque, pedir uma informação, entre outras. Naturalmente que a tarefa-alvo pode ser praticada até um certo ponto na sala de aula. Um exemplo de tarefa-alvo, ou podemos dizer, de tarefa autêntica, passível de ser realizada em sala de aula, é colocar os alunos para ouvirem e / ou assistirem a um noticiário de televisão, do mundo real, trazendo a previsão do tempo, e pedir para que eles decidam que vestimentas e acessórios eles vão levar para a escola no dia seguinte. Outros exemplos desse tipo de tarefa mais autêntica são, por exemplo, pedir para os alunos escreverem seu currículo vitae de acordo com um modelo atual desse tipo de texto, e levar para a sala de aula anúncios reais e atuais de vagas de emprego da área de conhecimento de real interesse do público-alvo. Em seguida, pode-se pedir que os alunos escrevam uma carta de apresentação direcionada a um determinado anúncio que o aluno tenha selecionado. Melhor ainda seria se os alunos se candidatassem realmente a esses empregos, utilizando os materiais produzidos em sala de aula. As tarefas pedagógicas, por outro lado, são, de acordo com a definição de Richards, Platt & Weber (1986:289), ações realizadas a partir do processamento e compreensão da língua. Por exemplo, desenhar um mapa enquanto se ouve uma fita de áudio, ouvir uma instrução e executar um comando. Esse tipo de tarefa pode ou não envolver a produção de língua. Contudo há frequentemente a especificação dos procedimentos de realização da tarefa e de seu objetivo final. As tarefas com maior grau de autenticidade, em nossa opinião, deveriam ser implementadas de forma suplementar em todos os níveis, mesmo nos mais elementares. Isso significa dizer que o aluno deveria ter oportunidades de prática mais controlada da língua-alvo antes de serem envolvidos em tarefas autênticas, as quais exigem a colocação em prática de conhecimentos lingüísticos e sociopragmáticos previamente adquiridos em atividades mais estruturadas. Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

7 Nossa proposta teórica quanto à autenticidade da tarefa para o ensino de línguas abrange os seguintes critérios: (1) O material (i.e. o insumo) da tarefa, tanto o proposto pelo professor, como o proposto ou produzido pelo aluno, é genuíno, no sentido de não ser alterado ou simplificado para o uso em contexto educacional, e também por ser percebido como autêntico pelo público-alvo ao qual é exposto; (2) O aluno tem interesse e um propósito comunicativo genuíno para participar da tarefa; (3) A tarefa implica no preenchimento de brechas reais de informação, levando naturalmente a trocas de informações reais entre os interlocutores envolvidos; (4) A tarefa pode propiciar uma transformação ou produzir um resultado previsto, ou não; (5) A tarefa autêntica não está sendo proposta como uma metodologia auto-suficiente, mas apenas como um suplemento para o ensino de uma L2 com orientação comunicativa. Como dito acima, defendemos a introdução de insumo autêntico na língua-alvo seguido de prática comunicativa, mas mais controlada, antes da realização de tarefas autênticas, que são atividades mais complexas de uso da língua. Bons exemplos de tarefas autênticas seriam projetos que levassem os alunos a relacionar a L2 a suas experiências de vida, pontos de vista, e necessidades sócio-comunicativas gerais. Exemplos concretos desse tipo de tarefa são, a título de exemplificação, pedir a um grupo de alunos iniciantes para descreverem sua família oralmente e trazerem fotos de seus familiares para a sala de aula; pedir a alunos adolescentes, de nível pré-intermediário, que pesquisem sobre sua banda favorita e reúnam fotos, camisas, emblemas, abadás de shows, CDs, videoclips, e façam uma mini-apresentação para os colegas; pedir a alunos intermediários que relatem sobre suas comunidades favoritas do site orkut, ou ainda pedir a alunos de nível pós-intermediário que escolham alguma coisa do seu interesse para descrever / comentar, por cinco minutos. Debates sobre temas da atualidade e de real interesse do público-alvo são, em geral, geradores de insumo autêntico. É interessante observar neste ponto que a fonte de insumo autêntico na aula de línguas advém tanto dos materiais propostos como também das interações entre os interlocutores deste contexto. Quanto maior o envolvimento natural desses interlocutores no discurso de sala de aula, quanto maior será o grau de autenticidade dos insumos produzidos pelos mesmos. Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

8 2.4. Diferenças entre o material didático e o material autêntico De acordo com Brinton (1991), os materiais autênticos provenientes, por exemplo, da mídia podem servir para reforçar a relação entre a sala de aula e o mundo real para os aprendizes de uma L2. Gebhard (1996), por sua vez, considera o material autêntico como uma forma de se contextualizar a aprendizagem de línguas. De acordo com nossa própria experiência pedagógica, podemos dizer que quando a aula está centrada na compreensão de um cardápio real de um restaurante, ou num noticiário de uma emissora de televisão da cultura-alvo, os alunos tendem a se concentrar mais no conteúdo e significados do que na língua propriamente dita. Oportunidades como essas podem corresponder a fontes valiosas de insumo da L2, pois os alunos estão sendo expostos a contextos socioculturais e extralingüísticos além do livro-texto e do professor. Melvin & Stout (1987) que se enquadram na primeira vertente de autenticidade apresentada acima classificam o material autêntico (ou seja, que não foi simplificado ou modificado de alguma forma) para o estudo de cultura como uma fonte de maior motivação para a aprendizagem e de interesse renovado na L2. Após uma tarefa de pesquisa / busca (proposta pela autora do presente trabalho) de dados autênticos na Internet sobre uma cidade da escolha dos alunos (os quais estavam cursando o curso de graduação de Turismo de uma universidade particular do Rio de Janeiro), estes relataram terem desenvolvido e / ou praticado habilidades necessárias para a sua atividade profissional no mundo real, e terem se interessado de forma genuína durante a realização da tarefa. Alguns pesquisadores argumentam que há uma disparidade acentuada entre os materiais desenvolvidos (i.e. o insumo dos livros didáticos) especialmente para a sala de aula e conversas autênticas. Cabe salientar neste ponto que a questão da autenticidade é ainda mais relevante quando se enfoca a linguagem oral dos materiais didáticos para o ensino de línguas. Dentre os pesquisadores da linguagem oral, Porter & Roberts (1981), por exemplo, apontam várias diferenças entre materiais autênticos e não autênticos no que tange à linguagem falada. Por exemplo, conversas gravadas para livros didáticos frequentemente são mais lentas que as naturais, apresentam estruturas linguísticas que recorrem de maneira artificial, e têm trocas (turntaking) muito bem marcadas entre os falantes, ao contrário do que acontece no mundo real, onde Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

9 há muita sobreposição de turnos (turn overlaps). Somando-se a isso, não há em geral ocorrências de hesitações (como er... ), repetições e / ou redundâncias, nem muitos pedidos de esclarecimento (e.g. What do you mean by that?), comuns nas conversas espontâneas do mundo real. As frases usadas no insumo dos materiais didáticos também quase nunca contêm erros. Um estudo realizado por Gilmore (2004), relativo às características discursivas de sete diálogos do gênero encontro comercial 4, de livros didáticos da L2 (e.g. Inside English 1, 1985, Task Listening, 1981, International Express Intermediate, 1997, Fast Forward, 1986, Making Headway, 1992), entre 1981 e 1997, comparados com interações orais autênticas, revelou que os diálogos nos livros didáticos diferem, consideravelmente, dos equivalentes autênticos em relação a uma variedade de características discursivas, como mostra o Quadro I abaixo: QUADRO I: Discourse feature Textbook data Authentic data A comparison of Lexical density 55, 64% 48% lexical density and False starts 0 6,5 frequency of target Repetition discourse features Pauses in pooled samples Terminal overlap of 1,283 words from Latching textbook and authentic Hesitation devices data. Back-channels Gilmore (2004: 366) Numa segunda investigação, Gilmore (ibid) examinou a ocorrência dessas mesmas características discursivas em três encontros comerciais, encontrados em livros didáticos mais recentes, tais quais: New Headway Intermediate (1996), Getting Ahead (1999), e Cutting Edge (2001), e comparou a frequência desses traços discursivos com aqueles registrados para os dados de livros didáticos e dados autênticos do estudo anterior. Este autor comenta que, embora seja difícil chegar a conclusões definitivas, baseando-se na pequena quantidade de textos analisados nessa segunda análise, seus resultados indicam que os livros didáticos mais recentes começaram a 4 Encontros comerciais (i.e. service encounters) são encontros onde, pelo menos, duas pessoas, geralmente estranhas, se encontram e um demanda informação ao outro. Por exemplo, quando um turista pede informações num centro de informações a turistas, ou quando um cliente vai a uma loja comprar alguma coisa. Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

10 incorporar mais dos elementos discursivos presentes nos dados autênticos. As ocorrências de falsos começos, repetição, recursos de hesitação, e eco discursivo 5 aumentaram em relação ao estudo anterior, e a densidade lexical média caiu para uma porcentagem semelhante à encontrada em encontros comerciais autênticos. Apesar dos progressos, é importante mencionar que o número de ocorrências de falsos começos, repetições, pausas, e recursos de hesitação ainda está muito abaixo do encontrado em dados autênticos. Esses resultados são preocupantes pois o insumo do livro didático para o ensino de línguas serve como base para o desenvolvimento da habilidade interacional do aluno. Se esse insumo é fabricado, ou seja, artificial, o aluno pode ser levado a produzir uma variante da língua-alvo que não o possibilita a uma comunicação / interação efetiva e natural, principalmente com nativos dessa língua. Em outras palavras, o que os alunos de línguas, em geral, ouvem na sala de aula, difere da linguagem do mundo real. Em muitos casos, a linguagem ouvida na sala de aula corresponde a um uso afetado da linguagem oral, e a autenticidade se perde em função da necessidade de ensinar pontos linguísticos específicos, através de procedimentos pedagógicos que alguns professores julgam serem mais accessíveis para os aprendizes. A esse respeito, advogamos que a linguagem informal autêntica é tão válida quanto a linguagem formal. Aliás, não existe correto e incorreto e sim registros de linguagem. Só se aprende uma língua estrangeira quando se aprende as características e elementos desses dois registros principais. Não se deve tentar salvar o aluno dos coloquialismos: quando se faz isso, o professor priva o aluno de aprender efetivamente a língua estrangeira, e essa higienização do insumo é prejudicial a uma aprendizagem efetiva. Brosnan et al.(1984) ressaltam a importância do uso de linguagem autêntica na sala de aula de L2 nos seguintes termos: a) A linguagem é natural. Ao simplificar a língua ou alterá-la com propósitos pedagógicos (limitando estruturas, controlando vocabulário, etc), nós nos arriscamos a tornar a tarefa mais árdua. Nós podemos estar, na verdade, removendo as pistas para o significado; b) A linguagem autêntica oferece aos alunos a chance de manipular uma pequena quantidade de materiais, os quais, ao mesmo tempo, contêm mensagens completas e significativas; c) Os materiais impressos e autênticos possibilitam os alunos a fazerem uso de pistas não linguísticas (e.g. layout, figuras e fotos, cores, símbolos, e o contexto físico no qual 5 Eco discursivo (i.e. back-channels) são elementos que evidenciam que o ouvinte está acompanhando o que o falante está dizendo, ou avaliando o que está ouvindo: OK, Right, uh-hum, Great!, sem querer se apoderar do turno. Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

11 eles ocorrem) para auxiliá-los a descobrir os significados mais facilmente; d) O material autêntico possibilita a conexão entre o que o aluno faz em sala de aula e o que ele precisa fazer fora da sala de aula, ou seja, no mundo real. Por outro lado, Nunan (1999:27) admite que não é realista esperar que professores de línguas utilizem somente materiais autênticos na sala de aula. Ele enfatiza que os aprendizes devem ser alimentados com uma dieta rica em dados autênticos, pois, se eles encontrarem somente diálogos e materiais de compreensão auditiva artificialmente fabricados, sua aprendizagem vai ser dificultada Breve análise de diferentes materiais didáticos para o ensino de ILE no Brasil Esta seção descreve uma investigação que fizemos recentemente em 16 materiais didáticos para ILE no Brasil (especialmente nos seus livros textos, ou dito livro do aluno), publicados entre 1992 e 2007, com o objetivo de determinar se esses materiais incluem características discursivas, linguagem coloquial adequada e moderna, e temas atuais das conversas espontâneas, e avaliar o grau de autenticidade das tarefas propostas neles. Por falta de espaço, apresentaremos nesta seção apenas as características gerais encontradas nesses materiais e alguns exemplos ilustrativos. Grande parte do insumo oral nos materiais didáticos analisados (e.g. Interchange - Third Edition, 2005, English for International Tourism, 2004, New Headway Advanced, 2003, StarTeam, 2006, New English File, 2004, Attitude, 2006, Flashlight, 2007) ainda constitui insumo modificado, ou simplificado, ou especialmente construído para o ensino de elementos linguísticos, pois exibem, apenas em pequena quantidade, os elementos discursivos de conversas naturais, tais como falsos começos, hesitações, pausas, repetições, sobreposições de turnos, pedidos de esclarecimento, e ecos discursivos, tão comuns nas conversas espontâneas do mundo real. Suas atividades ou tarefas, classificadas como comunicativas, por sua vez, não correspondem, na maioria das vezes, a atos genuínos de comunicação, pois não estabelecem brechas e trocas genuínas de informações, nem envolvem propósitos comunicativos reais entre os interlocutores. Uma tarefa, por exemplo, que pressupõe a troca de informações sobre os hóspedes de um dado hotel (e.g. seus nomes, nacionalidades, número dos quartos onde estão hospedados, e Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

12 seus números do passaporte; cf. English for International Tourism Pre-Intermediate, 2004: 11), onde um dos alunos detém parte dessas informações, e seu colega de turma a parte complementar que lhe falta, não constitui uma tarefa autêntica, pois não há uma troca real e necessária de informações. Para entendermos a artificialidade desse tipo de atividade basta lembrarmos que a comunicação / interação natural tem como objetivo primordial a troca de informações novas ou desconhecidas pelos interlocutores. Quando uma pessoa faz uma pergunta a outra, ela o faz com o objetivo de obter uma informação que desconhecia anteriormente. Detectamos, no entanto, que, na última década em especial, houve uma preocupação e um nítido esforço por parte de alguns autores e editores de materiais didáticos de aproximar o insumo e tarefas pedagógicas do mundo real (e.g a série Gateways, Transitions e Explorations Integrated English, 1998). Essa preocupação é evidente nas contracapas desses materiais que indicam a inclusão de insumo baseado em corpora (i.e bancos de textos autênticos, organizados por gêneros e propósitos comunicativos, coletados para descobrir como a língua é realmente usada; e.g Touchstone, 2005; Collins Cobuild Advanced Learner s English Dictionary, 2004). Em alguns livros didáticos mais recentes (e.g Go for it!, 2005; Project, 2005; Natural English, 2002/3), o insumo trata de temas atuais, retirados diretamente e / ou adaptados de fontes autênticas, e foca gêneros de texto frequentemente utilizados no mundo moderno e informatizado, como o site da Internet, o , o perfil de sites de amizade ou relacionamento, a história em quadrinhos, com linguagem mais corrente e coloquial. Percebe-se também o objetivo definido de fazer o aprendiz notar e se conscientizar sobre as formas linguísticas mais freqüentes e comumente usadas no discurso oral pelo nativo da L2, inclusive os coloquialismos e as expressões idiomáticas da linguagem falada (veja Touchstone, 2005; Natural English, 2002/3; New Headway - Upper-Intermediate, 2002). No material Natural English (ibid), por exemplo, introduziu-se uma nova área para o programa de ensino, denominada de inglês natural. Caixinhas referentes a essa área, nas unidades desse material, exibem e têm como objetivo a conscientização do aprendiz quanto ao uso da língua de diversas palavras e expressões da linguagem oral, inclusive as suas combinações (collocations) mais comuns. Existem propostas de tarefas mais autênticas, onde se pede ao aluno para relatar sobre sua vida pessoal, profissional, sobre suas opiniões, interesses, relacionando, dessa forma, a língua-alvo às suas próprias experiências e aspirações: e.g criar uma homepage e colocar suas informações pessoais e fotos Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

13 (e.g Go for it!, 2005); listar as diversas influências em sua vida (Hotline Pre-Intermediate, 1992). Entre os materiais didáticos acima citados, o Touchstone (2005) se destaca por ter seu insumo estruturado a partir de linguagem real e frequente, de acordo com o Corpus (de língua inglesa) Internacional de Cambridge, e por desenvolver estratégias de conversação. Estas estratégias são apresentadas nas lições nas seções intituladas Conversation Strategy e Strategy plus, as quais ensinam, por exemplo, estratégias de repetição através de perguntas do tipo eco (e.g The new John Woo movie is playing. / Excuse me? The new what?, cf. Touchstone 2, Unit 6), e importantes expressões para o gerenciamento da conversação, tais quais I mean (usado para repetir idéias ou dizer mais sobre alguma coisa); Right / I know (para mostrar que você concorda com alguém, ou que está ouvindo); Anyway (usado para mudar o tópico ou finalizar a conversa); Uh-huh (eco discursivo que indica que o interlocutor está ouvindo); Uh / Um / Well, Let s see / Let me think (indicam um tempo para pensar); I bet (indica, no começo de uma declaração, que o falante está bem certo sobre alguma coisa). Há neste material a intenção clara de esclarecimento quanto ao uso dessas estratégias conversacionais, e de informar a respeito da frequência dessas na conversação: In conversation... People say Sometimes I 7 times more often than I sometimes (Touchstone 1, Unit 5); when people ask others to repeat information, they say I m sorry? more often than Excuse me? (cf. Touchstone 2, Unit 6). No Gateways 1 (1998), os diálogos iniciais das lições e na seção Conversation são mais naturais, contendo, por exemplo, pedidos de repetição / esclarecimento; Lisa: When is your trip to Seoul? Max: It s in January. Lisa: When? Max: In January. (Unit 7: 13). No material didático English for International Tourism (ibid), as atividades ou tarefas são autênticas, de acordo com o paradigma proposto acima (veja 2.3), pois utiliza, por um lado, material autêntico, retirado de guia de turismo, companhia aérea, locadora de automóveis, e empresa de cruzeiros marítimos reais, além de conter atividades típicas, exercidas pelo profissional de turismo, como, por exemplo, dar dicas / conselhos a turistas, fazer reservas, lidar com reclamações. Já os insumos orais deste material contêm poucos elementos discursivos naturais, ao contrário do que acontece no livro-texto Basic Survival - New Edition (2004). Além disso, muitas de suas tarefas de sala de aula não envolvem brechas reais de informação, como foi exemplificado acima. Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

14 3. Conclusões Um dos maiores desafios atualmente enfrentados pelos professores de línguas estrangeiras é como despertar e prender o interesse dos seus alunos de L2. Por não dispor de uma gama de livros-textos baseados nos conceitos e práticas de autenticidade discutidos neste artigo, o professor dos tempos atuais se encontra no dilema de ter que suplementar o livro didático com atividades que aproximem o aluno da realidade, e que utilizem conteúdos autênticos e correntes, e recursos tecnológicos vigentes e populares, acessível a grande parte do alunado, como, por exemplo, a Internet, o CD, o DVD, o Data Show, e outros. Devido à grande difusão das mídias de comunicação, observa-se um maior senso crítico e um maior nível de exigência por parte do aprendiz moderno em relação aos materiais e abordagens pedagógicas utilizadas em aulas de L2, sendo que a eficácia dos materiais selecionados depende de o aprendiz considerar as atividades propostas como relevantes para suas necessidades de aprendizagem e seus interesses pessoais e profissionais. O presente artigo revelou que, até pouco tempo atrás, havia grandes diferenças entre os diálogos no livro didático e seus equivalentes autênticos. Contudo, já existe evidência que alguns autores de livros-textos para o ensino de ILE da última década estão introduzindo temas, gêneros textuais, tarefas e elementos discursivos das conversas espontâneas no material pedagógico. Num passado não muito distante, no entanto, os materiais didáticos não refletiam as interações autênticas, pois a maioria dos seus diálogos eram fabricados para reforçar determinados elementos linguísticos. Acima de tudo, a importância da utilização de materiais didáticos com insumo e tarefas de maior grau de autenticidade se traduz na possibilidade de se capacitar o aluno de L2 para uma comunicação mais efetiva no mundo real. 4. Referências Bibliográficas BREEN, M.. Authenticity in the language classroom. Applied Linguistics, v. 6, n. 1, p , BRINTON, D.M. The use of media in language teaching. In: Celce-Murcia, M. (ed.), Teaching English as a Second or Foreign Language, Boston: Heinle and Heinle Publishers, 1991, p BROSNAN et al. Reading in Context. Adelaide: National Curriculum Resource Center, Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

15 GEBHARD, J.G. Teaching English as a Foreign Language: A Teacher Self-Development and Methodology Guide. Ann Arbor: The University of Michigan Press, GILMORE, A., A comparison of textbook and authentic interactions. ELT Journal, v. 58, n. 4, p , GRELLET, F. Developing Reading Skills. Cambridge: Cambridge University Press, LEE, W.Y. Authenticity revisited: Text authenticity and learner authenticity. ELT Journal, v. 49, n. 4, p , LONG, M.H. A role for instruction in second language acquisition: task-based language teaching. In: Hyltestam, K. and Pienemann, M. (eds.), Modelling and Assessing Second Language Acquisition. Clevedon Avon: Multilingual Matters, 1985, p MELVIN, B.S. & STOUT, D.S. Motivating language learners through authentic materials. In: Rivers, W. (ed.) Interactive Language Teaching. New York: Cambridge University Press, 1987, p MISHAN, F. Designing Authenticity into Language Learning Materials. UK: Intellect Books, NUNAN, D. Communicative tasks and the language curriculum. TESOL Quarterly, v. 25, n. 2, p , NUNAN, D. Second Language Teaching and Learning. Boston: Heinle and Heinle Publishers, PORTER, D. & ROBERTS, J. Authentic listening activities. English Language Teaching Journal, v. 36, n. (1), 37-47, RICHARDS, J.C., PLATT, J. and WEBER, H. (1986). A Dictionary of Applied Linguistics. London: Longman. SCHUBERT, B. P. B. (2010). Task Authenticity and Consciousness-Raising: Development of Interactional Competence. Unpublished PhD Thesis. Niterói: Universidade Federal Fluminense. TAYLOR, D. Inauthentic authenticity or authentic inauthenticity? TESL-EJ, 1 (2), 1-12, WIDDOWSON, H.G. Teaching Language as Communication. Oxford: Oxford University Press, WIDDOWSON, H.G. Learning Purpose and Language Use. Oxford: Oxford University Press, WIDDOWSON, H.G. Context, community and authentic language. TESOL Quarterly, 32, 4, , WIDDOWSON, H.G. Interpretations and correlations: A reply to Stubbs. Applied Linguistics, 22, 4, , WILSON, D. Accessible authenticity: Using Internet resources with school foreign language learners in difficulty. Paper presented at FLEAT III, University of Vitoria, Vitoria, British Columbia, Canada, August Livros textos de ILE, que foram utilizados na investigação sobre autenticidade pela autora do presente artigo: Interchange - Third Edition, 2005 Gateways, Transitions & Explorations Integrated English, 1998 English for International Tourism, 2004 Touchstone 1 / 2, 2005 New Headway Advanced, 2003 Collins Cobuild Advanced Learner s English Dictionary, 2004 Star Team, 2006 Go for it!, 2005 Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

16 New English File, 2004 Project, 2005 Attitude, 2006 Natural English, 2002/3 Flashlight, 2007 New Headway - Upper-Intermediate, 2002 Basic Survival - New Edition, 2004 Hotline Pre-Intermediate, 1992 Recebido em 18/09/2010. Aprovado em 01/11/2010. Linguagens e Diálogos, v. 1, n. 2, p ,

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I Docente(s) Lucinéa Marcelino Villela Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

X Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis

X Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis DIÁLOGOS (IN)AUTÊNTICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE INGLÊS E SEUS IMPACTOS NA COMPETÊNCIA INTERACIONAL DO/A APRENDIZ DE LE: UMA PROPOSTA DE PESQUISA VIA ANÁLISE DA CONVERSA Ana Paula Alba Wildt Doutoranda em

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

rio,gramática e funções a partir de textos em inglês DISAL Editora / Mark G. Nash & Willians R. Ferreira (2010) Sejam bem-vindos!

rio,gramática e funções a partir de textos em inglês DISAL Editora / Mark G. Nash & Willians R. Ferreira (2010) Sejam bem-vindos! Sejam bem-vindos!.:: DISAL / São Paulo, 18 de junho, 2010 ::. Estrutura da apresentação: 1) Contexto de produção de Real English 2) Apresentação do livro 3) Destaques 4) Sugestões de como melhor explorar

Leia mais

Manual do aluno. Curso Master

Manual do aluno. Curso Master Manual do aluno Curso Master Sumário A escola... 3 Inglês por nível... 3 Material Didático Interchange Fourth Edition... 4 Série complementar pós-interchange:... 5 Metodologia do curso Master:... 5 Em

Leia mais

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo.

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo. ATIVIDADE DA TUTORIA 1 CURSO: CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS DISCIPLINA: Produção Oral e Escrita em Língua Inglesa I PERIODO: 3º Estratégias de Aprendizagem Parte I: De qual/quais estratégia(s)

Leia mais

Subsídios para elaboração de um exame de proficiência para professores de inglês

Subsídios para elaboração de um exame de proficiência para professores de inglês Subsídios para elaboração de um exame de proficiência para professores de inglês Teresa Helena Buscato Martins ( Comunicação apresentada no I SEMAPLE. ) A falta de preparo profissional adequado do professor

Leia mais

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo 5 METODOLOGIA Este capítulo descreve a metodologia utilizada neste estudo visando verificar de que maneira os livros didáticos analisados estão incluindo gêneros discursivos em suas atividades de leitura

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING

TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE LINGUAGEM E TECNOLOGIA Mestrado em Estudos de Linguagens TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING CAROL A. CHAPELLE Disciplina: Ambientes

Leia mais

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa ARTIGO...Letrônica v. 3, n. 1, p.153, julho 2010 O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa Luciane Guimarães de Paula Introdução O presente artigo 1 relata um recorte dos resultados de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso: Letras Habilitação Única: Inglês e Literaturas Correspondentes Campus: UEM Departamento: Departamento de Letras Centro:

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE MEIRELES, Mirelly Karolinny de Melo/UNIDERC 1 mirellyk@yahoo.com.br NASCIMENTO, Kaline Brasil Pereira/UEPB 2 k.aline.brasil@hotmail.com

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES DO PROFESSOR-LEITOR NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES DO PROFESSOR-LEITOR NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES DO PROFESSOR-LEITOR NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Resumo JALIL, Samira Abdel FARESC samirajalil@hotmail.com Área Temática:

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / / ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA INGLESA CARGA HORÁRIA: 1 AULA SEMANAL PLANO DA I UNIDADE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES *Apresentar-se, cumprimentar

Leia mais

PARTE 5: PRODUÇÃO ORAL (CONTINUAÇÃO) Marque SIM, PARCIALMENTE ou NÃO

PARTE 5: PRODUÇÃO ORAL (CONTINUAÇÃO) Marque SIM, PARCIALMENTE ou NÃO 1 Ficha de Avaliação Livro didático de Língua Estrangeira* Professora Reinildes Dias FALE UFMG (reinildes@educativa.org.br) PARTE 1: ASPECTOS GERAIS E AUTONOMIA 1.1 Integração das quatro habilidades e

Leia mais

BATEL R. Saldanha Marinho, 1850 Fones: (41) 3323-2438 e (41) 3323-2536. PRADO VELHO R. Jóquei Clube, 310 Fones: (41) 3334-5532 e (41) 3334-5552.

BATEL R. Saldanha Marinho, 1850 Fones: (41) 3323-2438 e (41) 3323-2536. PRADO VELHO R. Jóquei Clube, 310 Fones: (41) 3334-5532 e (41) 3334-5552. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL O Centro Cultural Brasil Estados Unidos de Curitiba - Inter Americano foi fundado em 94. Há 70 anos é a referência de qualidade no ensino da língua inglesa em Curitiba. O Inter

Leia mais

TESTE SELETIVO COLEGIADO DE LETRAS - 2013 LISTA DE PONTOS

TESTE SELETIVO COLEGIADO DE LETRAS - 2013 LISTA DE PONTOS ENSINO DE LÍNGUA INGLESA 1. New technologies and ELT 2. Teaching English pronunciation for Brazilian EFL speakers 3. Developing reading skills in the EFL classroom: theory and practice 4. Assessment in

Leia mais

Inglês English for all Eliana conectada com você. Maria Clara Filiais e Revendedores Autorizados: Filial SP: Neuza Aracaju: - Bauru:

Inglês English for all Eliana conectada com você. Maria Clara Filiais e Revendedores Autorizados: Filial SP: Neuza Aracaju: - Bauru: PNLD 2012 ensino Médio PNLD 2012 Ensino Médio Inglês obra inscrita conectada com você. : Eliana Maria Clara Filiais e Revendedores Autorizados: Filial SP: (11) 3616.3666 Aracaju: (79) 3211.8266 / 3211.6981

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais

AQUISIÇÃO DE L2: o contexto da pessoa surda i Ronice Müller de Quadros ii

AQUISIÇÃO DE L2: o contexto da pessoa surda i Ronice Müller de Quadros ii QUADROS, Ronice Muller de. Aquisição de L2: o contexto da pessoa surda. In: III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LINGÜÍSTICA, 1996, Porto Alegre. Anais do III Seminário Internacional e Lingüística. Porto Alegre:

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA EDITAL No. 011/2009 Dados para o Edital do Concurso para Professor Assistente na área

Leia mais

O USO DE CORPORA ELETRÔNICO E DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO APOIO A AULAS PRESENCIAIS DE LÍNGUA INGLESA

O USO DE CORPORA ELETRÔNICO E DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO APOIO A AULAS PRESENCIAIS DE LÍNGUA INGLESA O USO DE CORPORA ELETRÔNICO E DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO APOIO A AULAS PRESENCIAIS DE LÍNGUA INGLESA Profa. Ms. Cristiana Gomes de Freitas Menezes Martins FaC - Faculdades Cearenses: cristiana.martins@uol.com.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

EDITAL No. 013/ 2012 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

EDITAL No. 013/ 2012 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA, LINGUÍSTICA APLICADA E ENSINO DE INGLÊS EDITAL No. 013/ 2012 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A MÚSICA COMO MOTIVAÇÃO E ATITUDE NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA NO PROJOVEM

A MÚSICA COMO MOTIVAÇÃO E ATITUDE NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA NO PROJOVEM 2325 A MÚSICA COMO MOTIVAÇÃO E ATITUDE NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA NO PROJOVEM RAFAEL LOUREIRO FARIAS UNICAP 0. Introdução: O programa de inclusão de jovens, PROJOVEM, incentivado

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

A TENDÊNCIA DO MULTILETRAMENTO NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

A TENDÊNCIA DO MULTILETRAMENTO NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA A TENDÊNCIA DO MULTILETRAMENTO NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Aline Krahl i () Greicy Kelly de Oliveira Hensel ii () Sandra Fonseca Pinto iii () Luciana Maria Crestani iv () INTRODUÇÃO A evolução da tecnologia

Leia mais

UNOESTE Universidade do Oeste Paulista, FACLEPP Faculdade de Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente. E MAIL: cintiacf@unoeste.

UNOESTE Universidade do Oeste Paulista, FACLEPP Faculdade de Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente. E MAIL: cintiacf@unoeste. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1162 INGLÊS INSTRUMENTAL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES AUTÔNOMOS Cintia Camargo Furquim Caseiro UNOESTE Universidade

Leia mais

AVALIANDO LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA

AVALIANDO LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA AVALIANDO LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA Silvio Tadeu de Oliveira (CLCA UENP/CJ) Introdução Os livros didáticos (coursebooks ou textbooks), de acordo com Cunningsworth (1984), são utilizados pela maioria

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS: AUTORIA, PRINCÍPIOS E ABORDAGENS

A ELABORAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS: AUTORIA, PRINCÍPIOS E ABORDAGENS A ELABORAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS: AUTORIA, PRINCÍPIOS E ABORDAGENS Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) professorvilaca@gmail.com 1. Introdução É inegável a importância dos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA Maria do Socorro Silva RESUMO: O artigo aqui presente trata-se de uma pesquisa realizada em turmas de 9º ano, de duas escolas de rede publica

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

FALAR INGLÊS É DIFÍCIL? SPEAKING ENGLISH: IS IT DIFFICULT? Elisa Probst Hausmann. Diva Rangel Martinelli

FALAR INGLÊS É DIFÍCIL? SPEAKING ENGLISH: IS IT DIFFICULT? Elisa Probst Hausmann. Diva Rangel Martinelli FALAR INGLÊS É DIFÍCIL? SPEAKING ENGLISH: IS IT DIFFICULT? Elisa Probst Hausmann Mestre em Educação pela Universidade Regional de Blumenau (FURB) Professora de Língua Inglesa do Departamento de Letras

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval Eixo Temático I: Práticas pedagógicas a serviço da educação superior militar Subtema 1: metodologias de ensino e aprendizagem; ensino voltado para competências; hibridismo pedagógico; interdisciplinaridade

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06 vii Resumo Este estudo apresenta os resultados de uma análise de necessidades de uso da língua inglesa de estudantes de um curso universitário de Publicidade e Propaganda, bem como de profissionais dessa

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni INGLÊS INSTRUMENTAL A DISTÂNCIA - NÍVEL I. Brusque, julho de 2009.

Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni INGLÊS INSTRUMENTAL A DISTÂNCIA - NÍVEL I. Brusque, julho de 2009. Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni INGLÊS INSTRUMENTAL A DISTÂNCIA - NÍVEL I Brusque, julho de 2009. 1. Identificação do Projeto 1.1. Linha de Extensão: Educação

Leia mais

A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem

A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem Daniele Marcelle Grannier e Regina Maria Furquim-Freire da Silva, UnB Introdução O conhecimento

Leia mais

AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA NO CONTEXTO ACADÊMICO

AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA NO CONTEXTO ACADÊMICO Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA NO CONTEXTO ACADÊMICO Gustavo Bueno FRANZ Bolsista UCPEL Wagner Roberto Nolasco SOUZA BIC/UCPel

Leia mais

TAREFAS DE ROLE PLAY PROPOSTAS POR TRÊS LIVROS DIDÁTICOS DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

TAREFAS DE ROLE PLAY PROPOSTAS POR TRÊS LIVROS DIDÁTICOS DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA TAREFAS DE ROLE PLAY PROPOSTAS POR TRÊS LIVROS DIDÁTICOS DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Caroline Comunello Aline Paulino da Rosa * Daniela Moraes do Nascimento * RESUMO: O objetivo do trabalho é analisar

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º ANO 1º semestre

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º ANO 1º semestre EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM SECRETARIADO FORMA/GRAU: ( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Maria Angela da Silva INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Dissertação de Mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Letras

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003034A - Língua Inglesa III

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003034A - Língua Inglesa III Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003034A - Língua Inglesa III Docente(s) Marcelo Concário Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS R E S U M O Ana Paula Domingos Baladeli * Anair Altoé ** O presente trabalho é um recorte da análise de dados realizada em pesquisa de Mestrado

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG OLIVEIRA, Shirlene Bemfica de Oliveira 1 CARMO, Kamila Oliveira do 2 LEITE, Gabriela Maria Ferreira Leite 3 OLIVEIRA, Tatiane Morandi de 4 ROSSI,

Leia mais

ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA SOB A PERSPECTIVA DO INGLÊS COMO LÍNGUA FRANCA

ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA SOB A PERSPECTIVA DO INGLÊS COMO LÍNGUA FRANCA ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA SOB A PERSPECTIVA DO INGLÊS COMO LÍNGUA FRANCA Fernanda de Cássia Miranda (CLCA-UENP/CJ-PG UEL) Prof. Drª. Telma Nunes Gimenez (Orientadora/UEL) RESUMO

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação (X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Turismo Disciplina

Leia mais

CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES

CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES GUIA DO ALUNO CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES Versão autoinstrucional 1 SUMÁRIO CONHEÇA O CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES... 3 OBJETIVOS DO CURSO... 3 ORGANIZAÇÃO DO CURSO... 3 HABILIDADES

Leia mais

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução O PERFIL DE ALUNOS DE LÍNGUA INGLESA INGRESSANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS: DELIMITANDO EXPECTATIVAS E METAS PARA A COMPETÊNCIA 1 RESUMO: Este artigo apresenta o perfil dos alunos de inglês de

Leia mais

Relatório completo de proficiência da língua inglesa

Relatório completo de proficiência da língua inglesa Relatório completo de proficiência da língua inglesa 1 2 Entenda a avaliação Nesta avaliação de proficiência de inglês como língua estrangeira, quantificamos e identificamos o nível e perfil atual do candidato,

Leia mais

PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: Rosane Rocha Pessoa e Maria Aparecida Y. Sebba

PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: Rosane Rocha Pessoa e Maria Aparecida Y. Sebba MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: Inglês 6 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: Rosane Rocha Pessoa e Maria Aparecida Y. Sebba CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 64

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: São Carlos-SP Eixo Tecnológico: Controles e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 15/2010 UNEMAT DEPARTAMENTO DE LETRAS - CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CÁCERES-MT A UNIVERSIDADE DO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS SOUSA, Marrine Oliveira (UFG) LAGO, Neuda (UFG) Resumo: Através desta pesquisa foi analisada a importância do trabalho

Leia mais

Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese

Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese Networked Interaction in Foreign Language Acquisition and Research Grant Agreement Number - 2008 4467 / 001-001 NIFLAR Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese Deliverable number Dissemination

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Administração Central Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.

Leia mais

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 321-328, 2009 321 ANALYSING SOCIOLINGUISTIC VARIATION, SALI TAGLIAMONTE (2006) Por Humberto Soares da Silva Analysing sociolinguistic

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde Escola Básica 1/JI do Casal do Sapo DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA CEF CPTC 1º Ano

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

Principais informações sobre o exame

Principais informações sobre o exame Principais informações sobre o exame A chave para o inglês essencial Key English Test (KET) A chave para o inglês essencial Ao obter sucesso no Cambridge English: Key você demonstra que conquistou os conceitos

Leia mais

A potencialização da aprendizagem de uma língua adicional através do blended learning

A potencialização da aprendizagem de uma língua adicional através do blended learning A potencialização da aprendizagem de uma língua adicional através do blended learning Rossana Kramer Mestre em Letras - Língua Inglesa rossana_kramer@uniritter.edu.br Fabiana Saldanha Pós-Graduada em Ensino-Aprendizagem

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO André William Alves de Assis 1 ;

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA

DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Mayara de Melo Santana Ana Lucia Galacini Vieira Prof. Telma Gimenez (Orientadora) RESUMO Nas últimas décadas o ensino de línguas estrangeiras

Leia mais

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 2 ÁREA / DISCIPLINA: Inglês (Profa: Maria Luiza da Silveira Bicalho) SÉRIE: 1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 80 COMPETÊNCIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: : Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Componente Curricular: Inglês Série: 3º

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 29/2014 PROCESSO SELETIVO. Pré-requisitos/ Titulação. Valor Bolsa

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 29/2014 PROCESSO SELETIVO. Pré-requisitos/ Titulação. Valor Bolsa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 29/2014 PROCESSO SELETIVO A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Triângulo Mineiro torna público que estarão abertas as inscrições para a realização do Processo

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 Jamile Tábata Balestrin Konageski 2, Solânge Lopes Ferrari 3, Luana

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior

Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior Artigos Revista Semioses Rio de Janeiro Vol. 01 N. 05 Agosto de 2009 Semestral Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior RESUMO: Este artigo

Leia mais

O SOFTWARE NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: CRÍTICA À TENDÊNCIA MECANICISTA E PISTAS PARA UMA ABORDAGEM COMUNICATIVA

O SOFTWARE NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: CRÍTICA À TENDÊNCIA MECANICISTA E PISTAS PARA UMA ABORDAGEM COMUNICATIVA O SOFTWARE NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: CRÍTICA À TENDÊNCIA MECANICISTA E PISTAS PARA UMA ABORDAGEM COMUNICATIVA EDÉSIO TAVARES SANTANA Pedagogo e Mestrando em Educação na UNINOVE;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS 1 O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS Marília Résio LEMES 1 mariliaresio@hotmail.com RESUMO: O livro didático é um objeto de múltiplas facetas e, às vezes, trazem temas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: São Carlos-SP Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Programação de Jogos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de INGLES INTERMEDIÁRIO. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de INGLES INTERMEDIÁRIO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 17:11:43 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais