. 'J ~""~-r''''-'-'''''-,0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ". 'J ~""~-r''''-'-'''''-,0"

Transcrição

1 ( ~-_o- I ~1 1~!I!'/~IIII'III1'II1II1'III'II'II' o _0_ / I o CONs6RCIO DE EXPORTAÇÃO COMO UM CANAL DE Cm-11!:RCIO EXTERIOR - UM ESTUDO EXPLORAT6RIO BANCA EXAMINADORA Orientadora: Profe;>pólia Lerner Hamburger ". Prof. Prof. EAESP - FC,V SECRET/,RIA ESCOLAR DOS CPG. 'J ~""~-r''''-'-'''''-,0... ", ~_ t'.~,:\ ;_.'~'\., ' i' ~_m o..l ~k. : _ ' '..1 Pcr ~..2 l.l 6 - I _9 ~lbl!l_ lo

2 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO JOS~ EDSON LARA O CONs6RCIO DE EXPORTAÇÃO COMO UM CANAL DE CO~RCIO EXTERIOR - UM ESTUDO EXPLORT6RIO Dissertação Apresentada ao Curso de Pós-Graduação da FGV-EAESP Área de Concentração: Mercadologia, corno.requisito para Obtenção de Título de Mestre em Administração. Orientadora: Prof~ pólia Lerner Hamburger são Paulo 1986 Fundaç30 Getulio Varg~!!I Est;.ola de Administl"açaO de Empresas de SAo Paulo Biblioteca I'-- CO <, co co CO \11\\\\\\\1\11\\\\\\

3 Escola de Administração de :'. Empresas d& São Paulo O a t a- \ N.o,Sle Chan!t G4 da OK (; t~~kc 65 t? ) ) ~ I?.,l.6 (8')?>R~'t~: o?'8.963/.'\64( ~).-~,~~" /'

4 i Para meus pais Pedro e Lourdes Expressão maior do amor dedicação trabalho.

5 ii DESCRIÇÃO-BTBLIOGRÂFICA LARA, José Edson. O COn..6ÔfLC.,[O de. ExpofLtaç.ão c.omo um Ca n.a.i: de. Come.fLc.,to Exte.fL,tOfL - Um E.6tudo Expf..oJWJ:.ôJt,[o.Sao Paulo, EAESP/FGV, p. (Dissertação de Mestrado Apresentada ao Curso de pós-graduação da EAESP/ FGV, Ârea de Concentração: Mercadologia). Re..óumo: Faz uma avaliaçào da administração dos consorcios de exportação implantados nos Estados de são Paulo e Minas Gerais e patrocinados pelo sistema CEBRAE/ PRONAEX, a partir das opiniões das empresas participan teso Analisa aspectos do composto de marketing intern~ cional utilizados pelos consórcios de exportação. Apo~ ta medidas que o governo e as empresas, na opinião dos empresários, devem tomar para melhorar o desempenho dos consórcios. Paf..auJta.6-Chaue..6: Consórcios de Exportação - Exportação Pequena e Média Empresa - Marketing Internacionàl.

6 iii SUMÁRIO Página DEDICAT6RIA i DESCRIÇÃO BIBLIOGRÃFICA ii SUMÁRIO iii AGRADECIMENTOS vii CAPITULO I.--INTRODUÇÃO 1 1. Aspectos Atuais do Comércio Exterior Brasileiro Razão do Interesse pela Pesquisa sobre Consórcios de Exportação Objetivos do Estudo 7 CAPITULO 11 - METODOLOGIA Caracterização da Pesquisa 8 2. Pressupostos da Pesquisa Definiç6es Operacionais..~ Desenvolvimento da Metodologia Limitaç6es da Pesquisa 29 CAPITULO CONTRIBUIÇÕES TE6RICAS SOBRE MARKETING INTERNACIONAL,.PEQUENA:. E ME:DIA EMPRESA E CONs6RCIOS DE EXPORTAÇAO Marketing Internacional Introdução Conceito de Marketing Internacional 35

7 iv página 1.3. Evolução das Operações de Marketing Intern~ cional ' Marketing Comparativo O 1.5. Diferenças entre Marketing Doméstico e Marketing Internacional Comportamento das Empresas Exportadoras Requisito do Planejamento de Marketing Internacional Dimensões Ambientais do Marketing Internacional Informações Necessárias para um Plano de Marketing Internacional O política de Produto no Marketing Internacional Política de Preço no Marketing Internacional política de Promoções no Marketing Internacional política de Distribuição Física no Marketing Internacional O Controle de Marketing Internacional Pequena: e Média Empresa Introdução ao Estudo de Pequena e Média Empresa O Conceito de Pequena e Média Empresa Características das Pequenas e Médias Empresas Aspectos Econômicos das PME O "Ambiente das Micro I Pequenas e Médias Empresas , Pequena e Média Empresa e Marketing Interna cional -: Alternativas de Canais de Exportação para Pequenas e Médias Empresas Cons6rcios de Exportação Introdução... ; Conceito de Cons6rcios de Exportação Hist6rico.do Cons6rcio de Exportação no Bra sil -: Evolução do Cons6rcio de Exportação A Estrutura Organizacional dos Cons6rcios de Exportação ', ,. Tipos de Produtos Comercializados. pelos Con s6rcios : O Conv~n~o entre o CEAG e o Cons6rcio O Regulamento Interno dos Cons6rcios O Apoio Financeiro do PRONAEX aos Cons6rcios O Apoio Gerencial do PRONAEX aos Cons6rcios. lll7

8 v O Plano de Marketing do Consórcio dé Ex- ~ I portaçao i' Razões da Constituição dos. Consórc;t'ios... ( Página CAp ITULO IV - UM ESTUDO DE CINCO CASOS DE C6NS6RCIOS DE EXPORTAÇÃO. 1. Consórcio de Exportação de Máquinas - Ferramenta Brasileiras (CEMAC/BRAZTOOLS). 2. Consórcio de Exportação de Móveis (CEMOV) 3. ELETRO-EXPORT Comercial Exportadora. 4. BRAZ ILIAN SHOES UNION SUNNY FASHION CAPITULO V - ANÁLISE DOS RESULTADOS DA PESQUISA Aspectos Gerais 2. Aspectos da Avaliação dos Consórcios de Exporta ção pelas Empresas Participantes ~ Responsabilidade pela Área de Comércio Ex terior ~ Exportação Antes da Participação em Con-,. sorclo '. Avaliação, da Qualidade da Promoção de ven das.feita.pelos Consórcios ~ Avaliação do Volume de Vendas Obtido pelos Consórcios. Avaliação da Redução dos Custos Totais de Exporta2ão Obtida pelos Consórcios. Avaliaçac:ido Interrelacionamento das Empresas Participantes dos Consórcios... Avaliação do Desempenho Geral dos Consórcios. Fatores que Influenciaram nó Desempenho dos Consórcios de Exportação. Razões que Levaram. as Empresas a.participarem do Consórcio de Exportação. Preferência das Empresas Sobre a Constituição dos Consórcios de Exportação à Pa~ tir da Similaridade/Complementaridade dos Produtos. Interferência da Diferença de Porte dase~ presas.no ~xito dos Consórcios. Volume. de Exportações em Relação às Vendas Totais das Empresas. Disponibilidade de Recursos Financeiros para Suportar os Custos de Distribuição no Mercado Externo. Disponibilidade de Recu~sos Financeiros para Suportar os Custos de Promoção e ven das no Mercado Internacional ~ ' ~, j' 242 (j

9 vi Dados Disponibilidade de Recursos Humanos para Exercer as Atividades Necessárias à Expor tação '; Lucratividade nela Venda no Mercado Exter no, Comparada com o Mercado Interno...-: Vantagens que os Consórcios de Exportação Proporcionam ao País ou à Empresa. Alterações que as Empresas Tiveram que Promover para Atender ao Mercado Externo. possíveis-problemas ou Insatisfações que as Empresas Tiveram em Relação aos Consó!: cios Medidas que o Governo Deve Tomar para Me.- lhorar o Desempenho dos Consórcios de Exportação. Medidas que as Empresas Devem Tomar para Melhorar o Desempenho dos Consórcios de Exportaç ão. Outros Comentários. dos Entrevistados. Página CAPíTULO VI - CONCLUSÕES - REVISÃO DOS PRESSUPOSTOS DE PESQUISA - CONSIDERAÇÕES FINAIS. 1. Conclusões. 2. Revisão dos Pressupostos de Pesquisa. 3. Considerações Finais BIBLIOGRAFIA AP:t:NDICE.

10 AGRADECIMENTOS Através deste espaço pretendo manifestar o reconhec! mento e gratidão pela inestimável contribuição de outras pe~ soas na confecção deste estudo. Primeiramente à Professora pólia Lerner Hamburger, insigne lutadora por um ensino de alto nível. A aceitação do trabalho de orientação, crítica e avaliação da pesquisa, assim como a singular dedicação e estímulo à produção dos resultados, foram fundamentais na realização deste estudo. Os possíveis desvios e falhas do mesmo, devem, entretanto, ser atribuídos exclusivdmente ao autor. Aos profesiores da Escola de Administração de Empresas de são Paulo, da Fundação Getúlio Vargas, pela acolhida, aulas e orientação metodológica dos estudos. Aos colegas do Deoartamento de Administração e Econo mia da Universidade Federal de Viçosa, pelo apoio concedido no decorrer dos estudos. vii

11 viii Aos empresários entrevistados e aos Assessores de Ex portação do CEAG-SP e CEAG-MG, pela solicitude e presteza no fornecimento das informações requeridas. A Aparecida dos Santos de Oliveira, que habilmente datilografou este trabalho. Enfim, o agradecimento aos meus familiares, pelo ~io e incentivo proporcionados em todos os momentos da minha vi da, especialmente no período da realização deste.trabalho.

12 I. INTRODUÇÃO 1. A~p~eto~ Atua~~ do Com~ne~o Ext~n~on Bna~~l~ino \ Os anos 80 t~m sido bastante protícuos para o Brasil em termos do rendimento do com~rcio exterior. Enquanto o vo- ;,' lume de exportaç6es se elevou de US$20.1 bilh6es em 1980 para US$25.6 bilh6es em 1985, as importaç6es decresceram de US$22.9 bilh6es em 1980 para US$13.1 bilh6es em 1985, considerando o valor FOB, conforme dados da CACEX (1). Somente o ano de 1980 apresentou d~ficit na balança comercial. Os principais fatores que favoreceram o excelente de sempenho do com~rcio exterior br~sileiro, ainda de acordo com dados do referido órgão, foram os seguintes: 1) a influ~ncia da política de desvalorização cambial que, partindo do impulso da maxidesvalorização do cruzeiro em (1) CACEX - S~ries Estatísticas. Bnab~l Com~neio Ext~nion. CACEX - DEPEC. Pago 45. 1

13 2 em fevereiro de 1983, consolidou-se nas minidesvalorizaçõesposteriores, nos mesmos percentuais da correçao mone tária; 2) o apoio que o governo brasileiro proporcionou aos export~ dores pela manutenção dos incentivos fiscais e amplo financiamento ao setor, tanto atrav~s da produção, quanto diretamente à exportação, atrav~s do FINEX; 3) as mudanças efetuadas nos incentivos fiscais, tendo por finalidade proporcionar aos manufaturados nacionais melho res condições de concorrência, juntamente com o maior poder de competitividade já alcançado pelos produtos brasileiros no exterior; 4) a capacidade do empresariado brasileiro de aproveitar o apoio financeiro e t~cnico que o governo proporcionou visando ao estímulo das exportações; 5) os contatos efetuados de Governo a Governo, com importantes parceiros comerciais, que foram realizados nos maisdi versos níveis; 6) a política de aumento da produção interna de petróleo,que se elevou para mais de 600 mil barris/dia em princípios importado. Al~m de todos os recursos utilizados para estimular as exportações, pode-se acrescentar que o mercado interno, no período considerado, estava bastante retraído em função crise de A alternativa que muitas empresas, cialmente aquelas produtoras de manufaturados tiveram, da de 1986, com o objetivo de reduzir a dependência do combusiível espefoi partir para mercados externos, como forma de manter o nível de suas vendas.

14 3 Com a elevação do nível interno de poder aquisitivo e a recuperação de parte do nível de emprego verificados a partir de 1985 e acentuados em 1986 após a adoção do Plano de Estabilização Econômica, o marcado interno foi reati vado, o que fez com que um grande número de empresas abandonassem a idéia de abordar mercados internacionais. Passaram a trabalhar exclusivamente para atender ao comércio interno. Os mesmos motivos proporcionaram que certas empresas que tiveram os preços de seus produtos congelados no me.rcado interno, partissem para mercados estrangeiros, conforme os exemplos das indústrias automobilísticas e as fabricantes de peças automot~ vaso A política destas empresas proporcionou que as vendas externas brasileiras no período janeiro/abril de 1986 totali zassem aproximadamente U5$8 bilhões, apresentando uma variação positiva de 12.19% em relação a igual período de 1985 (U5$7.l bilhões), de acordo com dados da CACEX (2). A competitividade brasileira no exterior, apos o Pla no Estabilização Econômica, poderá aumentar sem que haja pr~ juízo da qualidade assim como da margem de lucro, já que atualmente ocorre uma estabilização dos custos, de uma manei ra geral e uma redução dos custos financeiros de maneira pae ticular. Deve ser levado ainda em consideração ~ue, enquanto os salários foram reajustados na média, o câmbio foi fixado pelo seu último valor, ou seja, no pico. ( 2) CACEX - Análise Estatística Comparativa. Banco do Brasil. Jan/Abr /85. Pago 2

15 a 4 Todavia a política de comércio exterior.deve ser reestruturada dentro do novo perfil econômí.co do país, principalmente quando alguns fatores negativos já impõe urna rev! são das condições das exportações. Entre eles se destacam: 1) A perigosa.dapendênc í do mercadó norfeamericano, o que man tém o Brasil na incômoda situação de vulnerabilidade em relação as suas pretenções de vendas externas. Somente os Estados Unidos têm absorvido cerca de 25% das exportações brasileiras, conforme os dados da CACEX. O protecionismo internacional é crescente e a pauta de exportações. bras i- leiras, notadamente os manufaturados, sofre acirrada com petição nos mercados internacionais. 2) Os custos das operações portuárias no Brasil sao muito. ele vados, já que incluem custos de capatazia, estiva, carga e descarga. Segundo AUN (3), os portos são mal aparelhados, as melhorias necessárias são caríssimas e muito demo radas. Os custos da administração portuária correspondem a 5% do custo de produção do item exportável.. 3) A distância do Brasil em relação às grandes rotas interna cionais de comércio implica em que o montante gasto com transporte, armazenagem e embalagem corresponde a quase 20% do custo do produto exportável, segundo ainda dados de AUN. O custo do frete compromete enormemente a competitividade do produto brasileiro no exterior..l'. ~ l,. :..-' ( 3) AUN, Jamil Nicolau. Os Problemas começam no Porto - Comércio Exterior em Debate. Folha de Sao Paulo Pag. 20

16 5 4) A política de estabelecimento de restrições as importações, bem como a manutenção da reserva de mercado no setor de informática poderá, a médio prazo complicar as pr~ tensões de exportações do Governo brasileiro. 5) O crescimento do comércio externo depende de um saldo qu~ litativo das exportações. O Brasil não pode mais aumentar os subsídios, protecionismo e adotar um paternalismo exagerado. Deve formular uma política que permita consolidar e aumentar a capacidade competitiva no exterior. 6) O Brasil deve superar o mito da competição do mercado interno versus mercado externo. Este mito e uma miopia, que o país somente exporta 8% do PIB. 7) Em geral as empresas tªm exportado apenas o excedente da produção para o mercado interno. Raras são as que desenvolvem produtos adequados e específicos para a exportação. Neste contexto é funda~ental que o Governo e as empresas exportadoras reestruturem a política de exportações a partir do exame das possibilidades de intercâmbio comercial com outros países desenvolvidos ou em desenvolvimento, cujas pautas de negócios são ainda acanhadas, e que sejam importae. tes mercados para os principais produtos manufaturados nacio nais. Pode ser aproveitado ao máximo o potencial dos produtos listados no Sistema Geral de Preferªncias. Já em relação aos países de economia centralizada onde a negociação é f~i- ta de governo a governo, os mercados podem ser conquistados, I :1; e mantidos através de maior apoio das autoridades políti~ e econômicas, bem como maior atuação diplomática. \

17 6 o maior problema que os pequenos exportadores demon~ tram na atividade de com~rcio exterior, segundo os gerentes de cons6rcios, refere-se ã falta de uma "mentalidade export~ dora". Exportar significa abordar novos mercados, novas pe~ soas, nova cultura, novas transações. Implica em cultivar um relacionamento com o importador e considerar os beriefícios mútuos. Requer nao apenas que se conheça muito bem o import~ dor, mas e.m saber como o exportador ~ conhecido.pelo seu cliente internacional. "Mentalidade exportadora" abrange todos estes requisitos. Na realidade a quase totalidade das e~ presas exportadoras brasileiras estão no estágio da realização de vendas externas, com incursões peri6dicas a outros países, e não na fase de marketing internacional, quando se requer uma "mentalidade exportadora" para participar do co-, m~rcio mundial. 2. Razão do Intene~~e pela Pe~qu~~a ~obne Con~ónQ~o~ de Ex pontaç.ão A importância do estudo do consórcio de Exportação como um canal capaz de viabilizar o com~rcio exterior pelas pequenas e médias empresas me foi despertada numa palestra preferida pelo Dr. Marcos Carvalho Elizeu, Assessor de Expo~ tação do CEAG-M.G., na Universidade Federal de Viçosa, em Após algumas reflexões e investigações sobre o assunto, conclui que essa atividade é ainda pouco explorada pe 1-' los estudiosos do comércio internacional. O interesse pelj 1\ estudo da atividade dos consórcios aumentava na medida em ~) eu tinha a oportunidade de ler notícias sobre a atuaçãoc:

18 7 destes canais de comércio exterior, bem. como conversava com profissionais ligados ao setor. Esta é a principal razão da escolha deste tema para desenvolver esta dissertação de mes trado. 3. Objetivo~ do E~tudo Considerando que os consórcios de exportação têm sido incentivados tanto em países com grande tradição em mercados internacionais, quanto naqueles menos desenvolvidos que o Brasil, o que vem proporcionando o desenvolvimento das peque nas e m~dias indgstrias neles situados; que no-caso brasileiro foram empreendidos poucos estudos avaliando o desempenho destes consórcios; e que existem muito poucas contribuições teóricas que abordam o assunto visando a uma disseminação desse campo do conhecimento mercadológico, pretende-se com esta disertação cumprir os três objetivos seguintes: 1) Promover um levantamento da situação estrutural e do com posto de marketing internacional utilizado pelos consorcios de exportação de pequenas e m~dias indgstrias nos es tados de são Paulo e Minas Gerais; 2) Avaliar o desempenho dos consórcios de exportação atrav~s de dados e opiniões dos responsáveis pelo com~rcio exterior das empresas consorciadas; 3) Contribuir para a organização do conhecimento nesse campo de atividade, permitindo assim o desenvolvimento de urna teoria que abarque adequadamente o assunto.

19 li. METODOLOGIA Para cumprir os objetivos deste estudo, considerouse que seria mais viável e útil uti1izar-se da pesquisa exploratória, já que se pretende identificar a realidade do de sempenho dos consórcios de exportaçio nos Estados de sio Pau lo e Minas Gerais. Este método de pesquisa revela-se corno o mais conveniente, levando-se em conta que: a) a area de estudo envolve um campo de atividades ainda incipiente no Brasil, sendo, portanto, muito pouco explorada corno objeto de estudoi e, além disso, b) o enfoque adotado não foi ainda abordado em estudos voltados para atendimento a objetivos acadêmicos, mas apenas em relatórios padronizados de avaliação do desempenho dos consórcios pelo sistema CEBRAE. Se o campo de estudo fosse composto de idéias e rel~ çoes devidamente sistematizadas, entio seria recomendável que 8

20 9 se utilizassem de outros tipos de projeto de pesquisa, como os estudos descritivo e ~xperimental, apresentados por BOYD e WESTFALL (4). Sendo esta uma pesquisa exploratória, a metodologia não inclui, portanto, a comprovação estatística de hipóteses de trabalho. Antes, porem, a abordagem será efetuada através de: a) Levantamento da estrutura organizacional e do composto de Marketing Internacional utilizado por cinco Consórcios de Exportaç~o de pequenas e médias empresas nos estados de S~o Paulo e Minas Gerais: b) Investigaç~o de cinco pressupostos relativos a atividades desses consórcios, através de informações fornecidas pelas empresas participantes. 2. Pne.s s u.pos r.os da Pe.-6qu,Üa Foram estabelecidos os seguintes pressupostos da pe~ quisa: 1) As empresas consideram que o desempenho dos consórcios de exportaç~o resultou em um fracasso relativo quanto aos seus objetivos de promoç~o de vendas feitas no mercado ex terno, volume de vendas obtido, reduç~o dos custos totais de comercialização e interrelacionamento entre as empresas participantes. ( 4) BOYD Jr. Harper W e WESTFALL, Ralf. Pe.-6qui~a Me.ncadol6- gica: Te.xto e. Ca~o-6. 5~ Ed. Rio de Janeiro. Ed. da Fun daç~o Getfilio Vargas Pago ~4

21 10 2) As empresas nao teriam recursos financeiros suficientes para suportar os custos de distribuição e promoção e vendas no mercado externo, caso não participassem de um consórcio de exportação. 3) As empresas nao teriam recursos humanos suficientes para exercer as atividades necessárias à exportação, caso participassem de um consórcio. 4) As empresas sugerem medidas que o governo deve tomar, visando a melhora do desempenho dos consórcios de exporta- - çao. - nao 5) As empresas sugerem medidas que elas próprias devem tomar, visando a melhora do desempenho dos consórcios de export~ çao. Foram elaborados as seguintes definições operacionais relativas aos pressupostos de pesquisa: 1) Desempenho geral do consórcio de exportação Significa a capacidade que o consórcio de exportação possui de atingir seus objetivos no mercado internacional. Os principais objetivos estão relacionados a: a) Objetivos de promoção de vendas Refere-se ao desenvolvimento de urna boa imagem do p~ duto e da empresa no mercado externo. Para isso, são utilizados recursos promocionais, tais corno: participação em feiras, exposições em Show-room, distribuição de catálogos de

22 11 produtos, folhetos com fotografias de produtos, amostras e participações em missões comerciais. Todos estes instrumentos sâo utilizados com a finalidade de proporcionar a empre~ sa um um melhor desempenho em vendas no exterior. b) Volume de vendas obtido no exterior Representa o montante de vendas em unidades efetivamente realizadas pelo consórcio de exportaçâo no exterior, desde a sua criaçâo até o momento atual. c) Reduçâo dos custos totais de exportaçâo Significa a reduçâo dos custos totais envolvidos na atividade de exportaçâo, tais como: custos de distribuiçâo e de promoçâo. A participaçâo da empresa em um consórcio, implica em um rateio dos custos envolvidos nas atividades de exportaçâo, por todas as empresas consorciadas, tornando-os mais reduzidos para todas elas. Isto permite à empresaadotar preços mais baixos e o produto torna-se mais aceitável no mercado internacional. d) Inter-relacionamento com as demais empresas participantes do consórcio Refere-se ao inter-relacionamento de todas as empr~ sas associadas, de forma que possa ser provêitoso em termos dos beneficios auferidos por elas, enquanto participantes do consórcio de exportação. Os principais benefícios deste inter-relacionamento são: intercâmbio de experiências ~obre c~ mércio internacional, desenvolvimento do associativismo entre as empresas, colaboração para o melhor desempenho do con sórcio e fomento a uma mentalidade exportadora.

23 12 2) Fracasso relativo Significa que o desempenho dos consórcios proporcionou resultados negativos, sendo inferiores aos objetivos tr~ çados, em termos de promoção de vendas no exterior, volume de vendas obtido, redução dos custos de exportação e interrelacionamento com as demais empresas consorciadas. 3) Custos de distribuição, promoção e vendas no mercado externo Os custos de distribuição sao aquelas que incidem s~ bre as atividades de exportação e englobam: custos de transporte, armazenagem e desenvolvimento de embalagens apropriadas para o transporte até o mercado externo. Já os custos de promoção e vendas referem-se a: custos de promoçao de vendas (participação em feiras e shcw-room, distribuição de catálogos de produtos, folhetos, amostras e participação em missões comerciais), propaganda,rnerdhandising, viagens de venda, etc. 4) Atividades necessárias a exportação são atividades fundamentais, sem as quais a exportaçao e inviável, corno por exemplo: viagens de venda, pro~s no exterior, liberação de documentos necessários, contratação de fretes, cobranças, etc. 5) Medidas que o governo deve tornar para melhorar o desempenho do consórcio de exportação Representam todas as medidas que os empresários julgam que o governo deve tornar para que o desempenho do consór cio de exportação seja compatível com os objetivos de sua _...-~---_.

24 13 formação. Tais medidas podem se j referir a: concessào de recursos financeiros ao consórcio; criação de urnaleqí.s Laçâo, es- I pecifica para os consórcios; abertura de escritór~os de representação comercial no exterior; utilização dos consulados brasileiros para promoção dos consórcios; estimulos à especialização de recursos humanos em com~rcio internacional; di vulifação de informações sobre os mercados internacionais; di vuigação da imagem do pais corno um bom produtor internacional, etc. 6) Medidas que as empresas devem tornar para melhorar o desem penho do consórcio de exportação são as iniciativas que as empresas, em conjunto, devem tornar para que resulte em um melhor desempenho dos consórcios de exportação. Significam atividades e estrat~gias que as empresas devem planej ar, executar e controlar para que a exportação feita através de consórcio seja compativel com os objetivos de lucro das empresas participantes. As principais medidas dizem respeito a: união das em presas para fortalecimento das reinvindicações de apoio financeiro aos consórcios; conscientização das autoridades politicas e econômicas sobre a importância dos consórcios de exportação; consideração da expo~tação corno uma estrat~gia permanente da empresa; consideração do consórcio corno o mais eficaz canal de exportação para pequenas e médias empresas; solicitação de maior apoio gerencial ao consórcio; delegação das atividades de comércio exterior somente ao gerente do consórcio; reunião no consórcio somente de empresas com cap~ cidade permanente de exportação, al~m de outras.

25 14 4. Ve~envolvimento da Metodologia A partir dos objetivos desta pesquisa, foi desenvolvida a metodologia de trabalho, sendo processada em três eta pas, como estão descritas a seguir: 4.1. Revisão bibliográfica das principais contribuições teóricas pertinentes ao objeto do estudo o levantamento das bases teóricas permitiu estabelecer os suportes onde a pesquisa se apoia, a formulação da p~ blemática eo desenvolvimento dos pressupostos de pesquisa. As contribuições teóricas pertinentes ao objeto deste estudo foram desenvolvidas nos três níveis seguintes: a) Contribuição teórica de Marketing Internacional Esta constitui uma abordagem recente no amplo escopo de marketing. Todavia, seus conceitos são primordiais como contribuição para os estudos sobre consórcios de exportação. b) Contribuição teórica sobre pequena e média empresa A realidade das pequenas e médias empresas brasileiras foi estudada e comentada, tanto em seus aspectos mais g~ rais, como no enfoque voltado para a participação em consorcios de exportação. Estes agentes são canais de comércio exterior desenvolvidos precipuamente para atender às pequenas e médias empresas em seus esforços de exportação. Portanto, o conhecimento da realidade destas unidades produtivas apr~ sentou-se como de funda~ental import~ncia nos estudos sobre os consórcios de exportação.

26 s : ~.' 15 c) Contribuição teóribà ~óbre Cori~6rcio de Exportação Foram estudados os principais aspectos relacionados aos consórcios enquanto alternativa para que tornem possiveis as exportações efetuadas por pequenas e médias empresas. Dessa maneira foi pos~!vel familiarizar-se com o assun to da teoria de modo que possibilitasse a formulação da pr~ blemática pertinente ao objeto de estudo, bem como o estabelecimento dos pressupostos de pesquisa Foram desenvolvidos cinco pressupostos de pesquisa, bem como as respectivas definições operacionais Os pressupostos foram formulados para que se permitisse: a) efetuar uma avaliação do desempenho d6s consórcios de exportação desde a respectiva criação, até sua desativação ou transformação em Empresas Comerciais Exportadoras; b) constatar se as empresas dispõem de recursos financeiros para suportar os custos de distribuição, promoção e vendas no mercado internacional, caso não participassem de consórcioi c) verificar se as empresas dispõem de recursos humanos para \ exercer as atividades necessárias a exportação; d) avaliar as medidas que o Governo deve tomar para melhorar o desempenho do consórcio de exportação; e) identificar as medidas que as empresas devem tomar para melhorar o desempenho do consórcio.

27 Planejamento dos estudos a base dos dados Esta fase teve por objetivo especificar os dados a serem coletados, bem como desenvolver o método como eles seriam obtidos, de modo que pudessem ser adequadamente usados como recursos para a comprovação dos pressupostos de pesquisa. O.estudo foi efetuado sucessivamente através das seguintes fases: Definição do universo e. da amostra A pesquisa foi efetuada considerando-se dois elementos no processo de exportação: os consórcios.e as empresas participantes. Os consórcios são os agentes e as empresas são os organismos para os quais a exportação significa uma alternativa estratégica de marketing. Considerando-se que a idéia de Consórcios de Exportação no Brasil é muito recente e que naoforam efetuados ainda quaisquer espécies de avaliação dos respectivos desempenhos, torna-se impossível fazer algum estudo deste tipo utili zando dados secundários. Para alcançar os objetivos propostos neste trabalho, foram utilizados somente dados primários, ou seja, aqueles que sãocoletados diretamente pelo pesquisador junto à fonte primária da informação. Dessa forma foi possível ao autor d~ senvolver dados específicos para a análise e conclusão da pes quisa.

28 Consórcios pesquisados Foram entrevistados cinco consórcios de exportação, sendo tr~s no Estado de são Paulo e dois em Minas Gerais. A escolha dos consórcios foi feita por conveni~ncia, cendo o critério de facilidade de acesso a eles. A seleção dos consórcios entrevistados, tanto no Estado de são Paulo, quanto em Minas Gerais foi feita mediante o seguinte procedimento: o autor se dirigiu ao CEAG estadual com a finalidade de obter a relação dos consórcios que recebiam, ou haviam se utilizado de apoio financeiro do sistema CEBRAE, bem como os resnectivos endereços e os nomes dos g~ rentes atuais. No CEAG-SP foi atendido pelo Assessor de Exportação que, além das informaç6es procuradas, forneceu outras que fo ram de grande valia nara o desenvolvimento das contribuiç6es téóricas sobre o Consórcio de Exportação. No CEAG-MG, quem atendeu ao autor foi o Superintendente de Apoio à Exportação. Além da relação dos consórcios, ele forneceu também os nomes e endereços das empresas partic! Dantes assim como os nomes dos empresários a quem o autor p~ deria procurar. Sendo a reunião com o Superintendente marcada para segunda-feira, dia 02 de dezembro de 1985, este revelou a g~ tileza de convidar o autor para o "Seminário de Marketing In ternacional", realizado na quinta-feira a que se seguiu, ou seja, dia 05 de dezembro. Ao referido seminário compareceram, tanto autoridades econômicas das áreas assistenciais e

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação 1 1. Apresentação A ideia de investigar o processo de internacionalização de micro, pequenas e médias empresas, em Pernambuco, surgiu de observações iniciais realizadas pelo pesquisador enquanto profissional

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON COSTA, Heloisa Machado da¹; SOARES, Julio Cesar Valandro². Palavras-chave: Consultoria, Melhoria, Confecções,

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL ALUNO RA TURMA SALA DATA / / 2014 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU FACULDADES DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE REVISÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO PRIAD 2014 MARKETING INTERNACIONAL PROF. MS ALEXANDRE

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Sua hora chegou Dê um grande salto REGULAMENTO

Sua hora chegou Dê um grande salto REGULAMENTO Sua hora chegou Dê um grande salto REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo (plano de negócios) James McGuire 2014 Prêmio de Empreendedorismo (plano de negócios) James McGuire 2014 Regulamento - Estudantes

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª série Empreendedorismo Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais