Relatório de Estabilidade Financeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Estabilidade Financeira"

Transcrição

1 ISSN X Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2008 Volume 7 Número 1

2 ISSN X CNPJ / Relatório de Estabilidade Brasília v. 7 n 1 maio 2008 P Financeira

3 Relatório de Estabilidade Financeira Publicação semestral do Banco Central do Brasil (Bacen) Os textos e os correspondentes quadros estatísti cos e gráficos são de responsabilidade dos seguintes componentes: Departamento de Monitoramento do Sistema Financeiro e de Gestão da Informação (Desig) Apresentação, Sumário executivo e Supervisão do Sistema Financeiro Nacional ( Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Evolução dos mercados financeiros ( Departamento Econômico (Depec) Evolução dos mercados financeiros ( Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos (Deban) Sistema de Pagamentos Brasileiro ( Departamento de Organização do Sistema Financeiro (Deorf) Organização do Sistema Financeiro Nacional ( Departamento de Normas do Sistema Financeiro (Denor) Regulamentação do Sistema Financeiro Nacional ( Departamento de Estudos e Pesquisas (Depep) Estudos selecionados ( É permitida a reprodução das matérias, desde que mencionada a fonte: Relatório de Estabilidade Financeira, Volume 7, nº 1. Controle Geral de Publicações Banco Central do Brasil Secre/Surel/Dimep SBS Quadra 3 Bloco B Edifício-Sede 1º andar Caixa Postal Brasília DF Telefones: (61) e Fax: (61) Tiragem: 900 exemplares Convenções Estatísticas... dados desconhecidos. - dados nulos ou indicação de que a rubrica assinalada é inexistente. 0 ou 0,0 menor que a metade do último algarismo, à direita, assinalado. * dados preliminares. O hífen (-) entre anos ( ) indica o total de anos, inclusive o primeiro e o último. A barra (/) utilizada entre anos (1970/75) indica a média anual dos anos assinalados, inclusive o primeiro e o último, ou ainda, se especificado no texto, ano-safra, ou ano-convênio. Eventuais divergências entre dados e totais ou variações percentuais são provenientes de arredondamentos. Não são citadas as fontes dos quadros e dos gráficos de autoria exclusiva do Banco Central do Brasil. Central de Atendimento ao Público Endereço: Secre/Surel/Diate Edifício-Sede 2º subsolo SBS Quadra 3 Zona Central Brasília DF DDG: Fax: (61) Internet:

4 Índice Apresentação 7 Sumário executivo 9 Evolução dos mercados financeiros Introdução Mercados financeiros internacionais Análise dos mercados financeiros internacionais Instituições financeiras Mercado Financeiro Nacional Análise do Mercado Financeiro Nacional Mercados de Ativos Conclusão 36 Supervisão do Sistema Financeiro Nacional Visão geral Estrutura patrimonial Capital Ativos Exigibilidades Resultados Fundo Garantidor de Crédito (FGC) Limites operacionais do SFN Índice de Basiléia Evolução Concentração Análise por segmentos Desenquadramentos ao Limite de Basiléia Índice de Imobilização Evolução Análise por segmentos Desenquadramentos no Limite de Imobilização Riscos Operações de crédito Operações baixadas como prejuízo Coobrigações 64

5 Maiores devedores do SFN Setor da atividade econômica Classificações das operações de crédito Inadimplência Provisão Provisão constituída/provisão mínima Exposição em moedas estrangeiras e ouro Exposição líquida na cesta de moedas Volume de posições compradas e vendidas na cesta de moedas Exposição líquida das moedas da cesta Exposição líquida na cesta por segmento Volume de posições comprada e vendida na cesta por segmento Concentração do SFN Testes de estresse Universo analisado Situação inicial Cenários de estresse de alta Cenário I: aumento do risco de crédito Cenário II: aumento das taxas de juros e de câmbio Cenário III: aumento das taxas de juros, de câmbio e do risco de crédito Cenários de estresse de baixa Cenário IV: baixa das taxas de juros e de câmbio Análise temporal Cenário I: aumento do risco de crédito Cenário II: aumento das taxas de juros e de câmbio Cenário III: aumento das taxas de juros, de câmbio e do risco de crédito Cenário IV: baixa das taxas de juros e de câmbio Análise de sensibilidade Risco de crédito Risco de mercado taxa de câmbio Risco de mercado taxa de juros Conclusão 81 Sistema de Pagamentos Brasileiro SPB Introdução Principais desenvolvimentos no segundo semestre de Desempenho dos sistemas de liquidação Sistemas de transferência de fundos Sistema de Transferência de Reservas STR Sistema de Transferência de Fundos Sitraf Sistema de Liquidação Diferida das Transferências Interbancárias de Ordens de Crédito Siloc Centralizadora da Compensação de Cheques e Outros Papéis Compe Sistemas de compensação e de liquidação de títulos e valores mobiliários, derivativos e câmbio interbancário Sistema Especial de Liquidação e de Custódia Selic Câmara de Custódia e de Liquidação Cetip Companhia Brasileira de Liquidação e de Custódia CBLC Câmara de Ativos da BM&F BM&F-Ativos 113

6 Câmara de Derivativos da BM&F BM&F-Derivativos Câmara de Câmbio da BM&F BM&F-Câmbio Conclusão 116 Organização do Sistema Financeiro Introdução As estratégias de mercado e o quantitativo de instituições no SFN Processos de reorganização, estrutura de capital, dinâmica operacional e níveis de concentração no SFN Microfinanças Cooperativas de crédito 125 Regulamentação do Sistema Financeiro Nacional Patrimônio de Referência Exigido (PRE) Mensuração de Risco das Operações não Classificadas na Carteira de Negociação (Banking Book) Limite para exposição cambial Ouvidoria Acessibilidade Tarifas bancárias 135 Boxes Matriz de Migração de Classificação de Crédito 68 Conceitos e Metodologias Geral 83 Conceitos e Metodologias Operações de Crédito 88 Conceitos e Metodologias Exposição Cambial 90 Conceitos e Metodologias Testes de Estresse 92 Metodologia Riskmetrics para Calcular Valor em Risco 94 Abordagem Híbrida para Calcular Valor em Risco 96 Fundo Garantidor de Crédito 97 Visão Geral do Sistema de Pagamentos Brasileiro 118 Apêndice 137

7 Apresentação O Banco Central do Brasil tem como missão assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda e um sistema financeiro sólido e eficiente. Esses dois propósitos estão intimamente ligados. Distúrbios sérios no sistema financeiro afetariam a efetividade da política monetária, enquanto a estabilidade macroeconômica corrobora para a redução dos riscos para a estabilidade financeira. A responsabilidade institucional do Banco Central do Brasil de contribuir para a manutenção da estabilidade do sistema financeiro como um todo deriva da sua competência de implementar a política monetária, de cumprir o seu papel de supervisor do sistema de pagamento e de emprestador de última instância. Dentre as suas funções, encontra-se o monitoramento de situações ou eventos que não se enquadrem nos padrões de comportamento esperado em relação a questões regulamentares, à exposição a riscos ou a aspectos patrimoniais e financeiros que possam afetar a estabilidade do Sistema Financeiro Nacional ou de seus subsistemas. Assim, a publicação de análises sobre o desempenho do sistema financeiro, realizadas pelos bancos centrais, além de mostrar o nível de estabilidade do sistema, é amplamente recomendada sob a ótica da transparência da autoridade monetária e da convergência de expectativas dos agentes. Estabilidade financeira é a situação na qual a eficiência da intermediação bancária não está sendo ameaçada por choques adversos. É um ambiente em que o sistema financeiro é capaz de desempenhar corretamente o seu papel e, em perspectiva, visualizar a continuidade das funções bancárias. Nesse sentido, o Relatório de Estabilidade Financeira tem como objetivo divulgar diagnóstico sobre a eficiência e a solvência do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e contribuir para que os participantes do mercado financeiro possam melhor avaliar e gerenciar os riscos inerentes. Este Relatório é produzido semestralmente, publicado internacionalmente e tem como referência os dados ocorridos no segundo semestre Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 7

8 de e, em algumas seções, nos primeiros meses do primeiro semestre de As análises divulgadas nesta edição e a base de dados utilizada referem-se aos fatos ocorridos até 3 de março de Portanto, eventuais divergências em relação a outras publicações com data-base mais recente podem ser decorrentes de eventuais mudanças no cenário econômicofinanceiro internacional. O Relatório de Estabilidade Financeira está disponível em PDF no endereço: 8 Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2008

9 Sumário executivo Nos últimos meses, a projeção para a taxa de crescimento global foi revista para baixo. O cenário econômico internacional passou a traduzir o sentimento de que a economia norte-americana caminha para um período de menor atividade econômica. De fato, corroborando esse sentimento, a concessão de novos créditos no mercado internacional permaneceu objeto de crescente conservadorismo emanado da crise no mercado de financiamento hipotecário residencial subprime nos Estados Unidos. As grandes economias emergentes têm se mostrado relativamente menos afetadas por esses eventos devido ao elevado nível de reservas internacionais e aos fundamentos macroeconômicos robustos, embora a revisão para baixo das previsões para o crescimento mundial possa ter conseqüências no ritmo de crescimento do comércio internacional. Diante das turbulências desencadeadas pela crise do mercado de hipotecas, os indicadores do mercado financeiro nacional apresentaram grande resiliência, devido, basicamente, à consolidação das conquistas macroeconômicas dos últimos anos, que permitiu aos investidores diferenciar favoravelmente o Brasil dentre os países emergentes. Entretanto, esses indicadores domésticos não permaneceram totalmente indiferentes ao cenário externo adverso e, nos últimos meses, apresentaram aumento da volatilidade, principalmente nos mercados de juros e de ações. A hipótese de que as economias emergentes, dentre elas o Brasil, tenham se descolado da economia norte-americana ainda não pôde ser completamente comprovada. Por outro lado, a intensificação do ritmo de crescimento da economia real brasileira registrada nos últimos anos continua associada ao maior dinamismo da demanda interna, expresso tanto na aceleração significativa dos investimentos como na manutenção do crescimento do consumo das famílias. Nesse sentido, a demanda por crédito permaneceu aquecida no início de 2008, a despeito da elevação das taxas de juros das Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 9

10 principais modalidades de empréstimos. Esse comportamento reforça a percepção de que o mercado de crédito nacional tende a continuar oferecendo suporte à sustentação do nível de atividade econômica. As operações de crédito no país mantiveram a trajetória de expansão observada desde dezembro de 2004 e o seu percentual em relação ao PIB vem paulatinamente apresentando crescimento. Vale ressaltar que o crédito bancário tem estado sob especial atenção por parte deste órgão de supervisão do sistema financeiro, o qual tem constatado que o seu crescimento tem ocorrido sem o comprometimento da qualidade das carteiras e de forma ordenada, com observância à boa técnica bancária. Até ao final de, o nível de inadimplência manteve-se no patamar mais baixo desde o início da publicação deste Relatório; as provisões constituídas estavam em montante superior às perdas esperadas; e as instituições detinham capital acima do limite exigido na regulamentação brasileira para cobrir perdas não esperadas. Relativamente ao crédito imobiliário, é importante notar que esse tipo de operação é pouco representativo em relação ao montante das operações de crédito contratadas no âmbito do sistema financeiro e está entre as modalidades de crédito no SFN com o menor índice de inadimplência, especialmente quando comparado às realidades norteamericana e européia. Além disso, há de se considerar que o arcabouço normativo no Brasil é diferente do europeu e do norte-americano e que, até o momento, o tipo de empréstimo classificado como subprime, que gerou a atual crise em outros países, não encontrou ambiente que viabilizasse o seu crescimento. Portanto, o crescimento do crédito no Brasil não representa, até o momento, risco à solidez do sistema financeiro. De fato, tal cenário de incremento do crédito tem sido o responsável pela persistência das estratégias empresariais das instituições financeiras no sentido de elevar escalas operacionais, tanto pela via de aquisições como pela via de crescimento orgânico. Entretanto, diferentemente do que se possa imaginar, esse ambiente tem exercido saudável influência sobre a concorrência entre os agentes econômicos do setor, a despeito de processos de concentração verificados no passado. O ambiente competitivo tem sido assegurado pelo ingresso de novos concorrentes no mercado financeiro, atraídos pela lucratividade auferida pelos investimentos no setor, tanto estrangeiros quanto domésticos. 10 Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2008

11 No segundo semestre de, no que se refere ao sistema de pagamentos, todos os sistemas de compensação e de liquidação e, em especial, aqueles considerados mais importantes sob o ponto de vista da estabilidade financeira funcionaram de forma contínua e sem atrasos significativos, com todos eles concluindo tempestivamente os ciclos diários de liquidação. Algumas instituições apresentaram maior necessidade de liquidez, sem efeitos significativos no sistema como um todo. Por outro lado, nenhum dos sistemas de pagamentos de varejo apresentou alterações que justificassem uma reavaliação quanto a sua importância sob o ponto de vista do risco sistêmico. Quanto ao gerenciamento de risco das câmaras que atuam como contraparte central, testes de estresses realizados mostraram resultados adequados para garantir a liquidação das operações, embora tenha sido observado crescimento dos riscos em decorrência da maior volatilidade observada no mercado internacional. A partir de 1º de julho de 2008, os dispositivos da Resolução n 3.490, de, produzirão seus efeitos nos quais, dentre outros, é atribuída ao Banco Central do Brasil a tarefa de fixar os procedimentos e parâmetros para o cálculo das parcelas do Patrimônio de Referência Exigido (PRE), um aprimoramento do antigo Patrimônio Líquido Exigido (PLE), que representa o montante de capital a ser mantido pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil, segundo recomendações contidas no documento Convergência Internacional de Mensuração de Capital e Padrões de Capital, conhecido por Basiléia II. A apuração do PRE é efetuada de forma consolidada, considerando os integrantes de conglomerado financeiro e de consolidado econômico-financeiro, inclusive as dependências no exterior. A introdução da parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação do preço de mercadorias (commodities) e da parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação do preço de ações e classificadas na carteira de negociação conclui a implementação no Brasil da Emenda de 1996 ao Acordo de Basiléia de 1988, assim como as demais parcelas de requerimento de capital para cobertura do risco de mercado. Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 11

12 Evolução dos mercados financeiros Introdução A evolução recente das condições financeiras internacionais caracteriza-se pela acentuação dos riscos à estabilidade emanados da crise no mercado de financiamento hipotecário residencial subprime nos Estados Unidos, que desde o trimestre final de apresentou rápida evolução e passou a repercutir em outros mercados de crédito em nível local e internacional. Embora os sistemas financeiros de países desenvolvidos da Ásia, da Oceania e, em particular, da Europa também tenham apresentado repercussão dos acontecimentos nos mercados de crédito dos Estados Unidos, em nenhuma outra economia a dimensão e a dinâmica dos acontecimentos têm consubstanciado riscos para a estabilidade dos mercados, do sistema financeiro, bem como para a evolução do PIB, como na economia norte-americana. Embora as grandes economias emergentes tenham se mostrado relativamente menos afetadas por esses eventos devido ao elevado nível de reservas internacionais e fundamentos macroeconômicos robustos, países com déficits em transações correntes elevados e dependentes de capitais externos para o seu financiamento permaneceram mais vulneráveis à volatilidade nos mercados financeiros norte-americano e europeu. Os indicadores do mercado financeiro nacional apresentaram grande resiliência diante das turbulências desencadeadas pela crise do mercado de hipotecas de alto risco nos Estados Unidos. A consolidação das conquistas macroeconômicas dos últimos anos propiciadas pelo compromisso com a austeridade fiscal e com o sistema de metas para a inflação permitiu aos investidores diferenciar favoravelmente o Brasil dentre os países emergentes. Os indicadores domésticos, entretanto, não permaneceram totalmente indiferentes ao cenário externo adverso, Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 13

13 principalmente nos meses de agosto de e janeiro de 2008, quando se verificou um aumento da volatilidade nos mercados de juros e de ações. Após a queda decorrente da eclosão da crise no mercado financeiro internacional, em agosto, o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) recuperou-se rapidamente, registrando, já em setembro, novos recordes históricos, e operou, desde então, com grande volatilidade em torno desse novo patamar. As taxas de juros, ainda que influenciadas pelos eventos externos, tiveram sua trajetória determinada pelo compromisso com as metas para a inflação e pelo ambiente de crescente dinamismo da economia doméstica. À inversão da inclinação da estrutura a termo no início do semestre, acompanhada de acentuado aumento das taxas para os prazos mais longos em agosto, seguiu-se redução da inclinação positiva até meados de outubro. A partir de então, com a interrupção do ciclo de relaxamento da política monetária doméstica, as taxas de juros futuros seguiram trajetória ascendente. Diferentemente do ocorrido em outras ocasiões de cenário internacional adverso, o real apreciou-se em relação ao dólar norte-americano à medida que este também se desvalorizava perante outras moedas. Diante do grande influxo cambial, o Banco Central do Brasil intensificou sua política de recomposição de reservas internacionais, o que contribuiu para alçar o país à condição de credor externo líquido ao final de. As diretrizes e as principais metas estabelecidas pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) para a dívida pública mobiliária federal interna (DPMFi) em foram implementadas e cumpridas, resultando em alongamento de prazos e redução da participação dos títulos remunerados pela taxa Selic. 1.2 Mercados financeiros internacionais Análise dos mercados financeiros internacionais A crise iniciada no mercado imobiliário norteamericano e seus desdobramentos levaram à interrupção do crédito em alguns mercados, com severa restrição de financiamento no sistema bancário internacional. O transbordamento da crise para o mercado financeiro deu-se a partir de meados de junho de, quando a Moody s reduziu a avaliação de vários ativos lastreados 14 Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2008

14 em empréstimos hipotecários subprime e colocou sob revisão outros tantos. Desde então, riscos não contemplados nas estratégias de securitização de várias instituições financeiras, sobretudo norte-americanas e européias, foram expostos e passaram a evidenciar dificuldades na determinação dos preços dos complexos produtos financeiros, inibindo operações nos mercados secundários. A assimetria de informação quanto à intensidade e à identificação de investidores com potenciais prejuízos trouxe de volta a volatilidade aos mercados. Inúmeros eventos continuaram a contribuir para o espraiamento da crise, com destaque para a contabilização de prejuízos bilionários por parte de diversas instituições financeiras. Mais recentemente, seguradoras de bônus municipais também se mostraram vulneráveis à crise financeira, reflexo de suas atuações como provedores de garantias a produtos estruturados lastreados em hipotecas residenciais. Há riscos de que o agravamento da situação transforme a crise no crédito em uma crise de solvência para instituições alavancadas. Retorno de títulos do tesouro Rendimentos nominais para papéis de 10 anos % a.a. 6,0 4,8 3,6 2,4 1,2 Apesar das intervenções dos principais bancos centrais em seus mercados, injetando liquidez, o sistema permaneceu desencorajado a fornecer crédito. De fato, a forte redução de liquidez foi evidenciada não somente no encarecimento do crédito bancário, mas também do crédito corporativo e dos spreads de risco soberano para as economias emergentes. Por outro lado, a procura por títulos soberanos de economias desenvolvidas permaneceu forte durante o período Fonte: Bloomberg Embi Global Fonte: Bloomberg EUA Alemanha Reino Unido Japão EmbiG África do Sul Turquia Argentina México 0,0 Pontos básicos Desde o último Relatório de Estabilidade Financeira, a procura por papéis governamentais de longo prazo permaneceu forte. O aumento da demanda por papéis percebidos como seguros, em ambiente de adoção de políticas monetárias menos restritivas, favoreceu a manutenção da trajetória de queda dos rendimentos anuais de títulos governamentais de dez anos de importantes economias, iniciada em junho passado. Entre 30 de setembro e 14 de março, os rendimentos anuais dos títulos de dez anos dos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Japão reduziram-se, nesta seqüência, em 112 pontos básicos (p.b.), 60 p.b., 68 p.b. e 61 p.b. O Emerging Market Bond Index Global (Embi Global), indicador de risco associado a mercados emergentes, manteve a trajetória altista iniciada em junho passado, fruto da forte retração de liquidez no mercado financeiro internacional. Desde o final de setembro, o Embi Global Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 15

15 itraxx e DJ CDX 5 anos Fonte: Thomson Datastream itraxx Europa crossover, série 7 itraxx Europa, série 7 DJ CDX (EUA) crossover, série 8 DJ CDX (EUA), grau de investimento, série 8 CDS 5 anos Prêmios principais bancos 1/ VIX Bancos Europa Bancos EUA Pontos Pontos Fonte: Thomson Datastream 1/ Calculado pela média aritmética dos prêmios de CDS de cinco anos dos bancos HSBC, UBS, Santander, BNP Paribas e Deutsche Bank, para a Europa; e Citigroup, Bank of America, JPMorgan, Goldman Sachs e Wells Fargo, para os EUA. Como tratase de amostra não aleatória, pode não refletir o comportamento do sistema financeiro como um todo Pontos subiu 110 p.b., atingindo o patamar de 324 pontos em 14 de março, o maior valor desde julho de Nessa mesma data, os indicadores Embi Global associados à África do Sul, à Argentina, ao México e à Turquia alcançaram 279, 541, 200 e 338 pontos, representando elevações de 154 p.b., 143 p.b., 69 p.b. e 118 p.b. no período em análise. Cabe ressaltar que a forte elevação dos prêmios de risco associados especialmente à África do Sul e à Argentina está fortemente atrelada a determinantes de ordem doméstica. As expressivas baixas contábeis registradas nos balanços de importantes bancos sediados majoritariamente no hemisfério norte, bem como as expectativas de novas e elevadas baixas a serem realizadas no decorrer de 2008, impactaram a evolução dos prêmios dos credit default swap (CDS) desses bancos. Em 14 de março, os prêmios médios dos CDS de cinco importantes bancos dos Estados Unidos e de cinco importantes bancos europeus atingiram 198 p.b. e 155 p.b., respectivamente, em comparação com 35 p.b. e 25 p.b., ao final de setembro. Ressalte-se que, ao final de maio de, os CDS dos mesmos bancos registravam, na mesma ordem, médias de 14 p.b. e 7 p.b. O custo para proteção de títulos corporativos contra default atingiu níveis recordes, evidenciando, também, deterioração na percepção da qualidade do crédito. Nesse sentido, os indicadores itraxx Crossover e Dow Jones CDX US Crossover, que medem os prêmios exigidos para garantir empréstimos de companhias européias e estadunidenses com classificação de risco abaixo do grau de investimento, passaram de 340 p.b. e 250 p.b., respectivamente, ao final de setembro, para 548 p.b. e 430 p.b., em 14 de março Fonte: Bloomberg Bolsas de valores Países desenvolvidos = A deterioração do cenário financeiro continuou impactando no Índice de Volatilidade da Chicago Board Options Exchange (VIX), utilizado como medida de referência para a volatilidade do mercado acionário. Entre 30 de setembro de e 14 de março último, o VIX saltou de 18 pontos para 31,2 pontos, o maior patamar em cinco anos, superando a marca de 30,8 pontos registrada no fechamento de 16 de agosto do ano passado, um dia antes de o Federal Reserve (Fed) dar início a uma série de ações que tinham por objetivo adicionar liquidez ao sistema Fonte: Bloomberg Japão Nikkei 225 Reino Unido FTSE 100 Alemanha DAX EUA S&P A forte volatilidade verificada no mercado de ações desde o início da turbulência, em meados do ano passado, resultou em expressiva perda de riqueza nos mercados acionários. De fato, nos nove meses encerrados em 14 de março, os principais indicadores que refletem a evolução das bolsas de valores de importantes economias registraram perdas substanciais, variando de 15,4% (S&P500 Estados 16 Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2008

16 Unidos) a 31,4% (Nikkei Japão). Considerando-se apenas as variações a partir do último Relatório de Estabilidade Financeira, os indicadores das bolsas de valores dos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Japão registraram, entre 30 de setembro e 14 de março, desvalorizações de 15,6%, 17,9%, 12,9% e 27,1%, nessa seqüência. No ano, até 14 de março, seguindo a mesma ordenação anterior, as perdas atingiram 12,3%, 20%, 12,8% e 20%. Bolsas de valores Economias emergentes Fonte: Bloomberg = África do Sul México Índia Turquia Moedas de países desenvolvidos Cotações do dólar Fonte: Bloomberg Libra/Dólar Iene/Dólar Euro/Dólar Moedas de países emergentes Cotações do dólar = = Diferentemente de crises anteriores, em que as bolsas de valores das economias emergentes foram as mais afetadas, no episódio atual, salvo algumas exceções, as bolsas de valores dessas economias têm-se mostrado mais resilientes do que as contrapartes do mundo desenvolvido. De 14 de junho de a 14 de março de 2008, os principais indicadores da África do Sul e da Índia registraram ganhos de 5,9% e 1%, respectivamente, enquanto os índices do México e da Turquia cederam, nesta ordem, 4,1% e 21,2%. Ressalte-se que tanto o índice XU100 (Turquia) quanto o Sensex (Índia) acumularam expressiva desvalorização no ano corrente, com perdas acumuladas de 23,3% e 22,3%, respectivamente, até 14 de março. No mesmo período, os índices IPC (México) e Jalsh (África do Sul) acumularam, nesta seqüência, perda de 1,7% e ganho de 5,8%. Desde fins de 2005, o dólar norte-americano iniciou uma trajetória de depreciação frente ao euro e à libra esterlina. Mais recentemente, a deterioração das condições econômicas dos Estados Unidos e a falta de atratividade das taxas de juros daquele país imposta pelas sucessivas reduções na sua taxa básica empurraram a moeda norteamericana para uma rápida desvalorização, em especial frente ao iene e ao euro. As expectativas para o restante de 2008 são de manutenção desse cenário, dada a perspectiva de, ao longo deste ano, haver cortes adicionais nas taxas dos Fed funds e de manutenção nas taxas básicas na Área do Euro e no Japão. De 14 de junho de a 14 de março de 2008, o dólar depreciou 19,4% frente ao iene, 15,1% frente ao euro e 2,5% frente à libra esterlina. No ano, até 14 de março, o dólar desvalorizou-se 11,3% frente ao iene, 6,9% frente ao euro e 1,7% contra a libra esterlina Fonte: Bloomberg Real/Dólar Lira turca/dólar Rublo/Dólar Rand sul-africano/dólar Na comparação da moeda norte-americana vis-à-vis moedas de economias emergentes, a trajetória do dólar tem seguido caminhos distintos. Na Turquia, o elevado déficit em conta corrente permanece como fonte de preocupação em relação à evolução da taxa de câmbio. Na África do Sul, as restrições quanto ao fornecimento de energia e as perspectivas de menor crescimento econômico mundial, com impactos negativos na indústria local, têm influenciado Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 17

17 negativamente no sentimento do investidor em relação a um país com elevado déficit em conta corrente. Na Hungria, eliminou-se a banda de flutuação de 15% para cima ou para baixo em relação ao euro, com o objetivo de permitir ao Banco Central húngaro concentrar-se mais fortemente no combate à inflação. Na China, aumentou a velocidade de apreciação do renmimbi em relação ao dólar dos Estados Unidos, reforçando a perspectiva de que o Banco Central chinês está aceitando a apreciação da moeda local na tentativa de combater o crescente processo inflacionário naquele país. De 14 de junho de a 14 de março de 2008, o dólar depreciou-se 6,3% frente à lira turca e 9,4% frente ao rublo russo, em contraposição a uma apreciação de 10,4% contra o rand sul-africano. No ano, até 14 de março, o dólar registrou desvalorização de 4,2% frente ao rublo russo, em contraposição a uma valorização de 5,9% contra a lira turca e de 15,6% contra o rand sul-africano Instituições financeiras A elevação da inadimplência nos créditos hipotecários subprime nos Estados Unidos, não representada previamente nas avaliações de rating, explicitou deficiências nas avaliações realizadas pelas principais agências de classificação de risco para instrumentos de securitização desses créditos. Isso provocou incertezas quanto à precificação de um amplo espectro de títulos securitizados e induziu forte contração da liquidez em seus mercados. Diante de riscos reputacionais ou obrigações contratuais assumidas, os intermediários financeiros responsáveis pela organização de securitizações de créditos foram levados a incorporar em seus balanços operações que anteriormente seriam vendidas nos mercados de títulos, passando a enfrentar importante pressão sobre suas posições de liquidez nos meses finais de. A elevação dos riscos de contraparte e a persistência das incertezas quanto ao total das perdas do sistema resultaram na adoção de atitudes defensivas pelas instituições financeiras, no intuito de minorar novas perdas, reforçar suas posições de liquidez e conservar capital. Essa postura teve repercussões importantes sobre a redução das transações no mercado interbancário, a elevação dos prêmios de seguro contra default de crédito por instituições financeiras e de spreads de uma forma geral, bem como sobre a redução da disposição do sistema financeiro à concessão de novos créditos a empresas e a indivíduos. 18 Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2008

18 EUA Evolução do lucro líquido Fonte: FDIC Lucro líquido US$ milhões Segundo a Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), no quarto trimestre de houve deterioração generalizada dos principais indicadores de qualidade de ativos e de lucratividade das instituições financeiras seguradas, principalmente entre as grandes instituições grupo no qual uma em cada quatro instituições apresentou prejuízo. Além de apresentar o menor lucro líquido consolidado (US$5,8 bilhões) desde o último trimestre de 1991, pela primeira vez na história as transações com títulos e valores mobiliários registraram prejuízo (US$10,6 bilhões) para o sistema financeiro de forma consolidada. As novas provisões para devedores duvidosos foram recordes, tendo alcançado US$31,3 bilhões, mais que três vezes o montante provisionado no mesmo trimestre de EUA Provisões e baixas contábeis líquidas Q Q Fonte: FDIC Q Provisões Q Q Q Q Q Baixas contábeis líquidas US$ milhões 0 Q Em claro sinal da tendência de degradação da qualidade das operações de crédito em carteira das instituições seguradas, a inadimplência (atrasos superiores a noventa dias) cresceu US$26,9 bilhões, chegando a US$109,9 bilhões, no quarto trimestre de, o maior nível em 24 anos e 91,5% superior ao nível registrado ao final do quarto trimestre de Os créditos com atrasos entre trinta e noventa dias cresceram US$18,7 bilhões em relação ao trimestre anterior, para US$110,94 bilhões, nível 55,1% superior ao observado ao final de As baixas contábeis no último trimestre de somaram US$16,2 bilhões. Ao gerar prejuízos e problemas de acesso à liquidez também para fundos de hedge e descapitalização de empresas seguradoras que garantem risco de crédito de títulos municipais (monolines) que possuem em carteira derivativos de crédito, a queda dos preços de títulos de dívida securitizada introduziu uma segunda ordem de risco para o sistema e para os mercados financeiros. Assentado, em grande medida, na avaliação de risco de crédito empreendida por agências de rating sobre ativos e instituições, novos provisionamentos de crédito podem ser demandados a bancos e outras instituições financeiras devido a suas posições em títulos municipais, caso a deterioração do capital das monolines leve a reclassificações de seus ratings para baixo, com conseqüências similares para os ratings e preços dos títulos por elas garantidas. Adicionalmente, restrições continuadas ao acesso a crédito por parte de instituições que apresentam elevada alavancagem, como os fundos de hedge, podem obrigá-las a vender posições em mercados já debilitados por problemas de liquidez e precificação, introduzindo novas pressões de baixa. Caso se confirmem, ambos os movimentos têm o potencial de gerar novos Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 19

19 prejuízos e problemas relacionados à capitalização no sistema financeiro, o que poderia acentuar os problemas já aparentes. Em resposta a prejuízos, a pressões sobre liquidez e sobre a adequação de capital, diversas instituições norteamericanas, especialmente as de grande porte, procuraram capitalizar-se reduzindo recompras de ações e distribuições de dividendos e levantando capital adicional, de forma a manter o nível de capital suficiente para atender aos limites regulatórios. Até início do mês de março, entre as maiores instituições bancárias foram levantados pouco mais de US$50 bilhões em capital adicional. Parcela importante desse valor foi originária de aquisições de ações por fundos soberanos de investimento de países da Ásia e do Oriente Médio. No último trimestre de, um banco comercial decretou falência e o número de bancos comerciais e instituições de poupança segurados pela FDIC com problemas foi acrescido em dez, para 75 instituições, com ativos totais de US$22,2 bilhões. Em março de 2008, virtual impossibilidade de acesso à liquidez no mercado interbancário induziu a venda, com o apoio do Federal Reserve, do quinto maior banco de investimentos norteamericano para outro grande banco do país. Em contrapartida aos problemas nos mercados e no sistema financeiro, os esforços da política monetária norte-americana voltaram-se com intensidade crescente ao restabelecimento da fluidez nas transações financeiras e a contra-arrestar os efeitos desses sobre o nível de atividade econômica. Em resposta à severa crise de liquidez, desde meados de agosto, o Federal Reserve Bank já reduziu a taxa básica dos Fed funds por seis vezes, de 5,25% ao ano (a.a.) para 2,25% a.a.; e a taxa de redesconto por oito vezes, para 2,5% a.a. Sensibilizados pelo estreitamento do crédito e pelo relativo recuo da atividade econômica, em meados de dezembro, os bancos centrais dos Estados Unidos, da Área do Euro (BCE), da Inglaterra (BoE), do Canadá (BoC) e da Suíça (BNS) anunciaram uma ação temporária e coordenada de intervenções em seus mercados monetários, e passaram a realizar leilões de crédito a taxas menores do que as disponíveis pelas respectivas janelas de redesconto. Nos Estados Unidos, esses leilões ficaram conhecidos como Term Auction Facility (TAF). Essas operações, que conjugam o aceite de uma maior gama de colaterais e prazos mais dilatados para a revenda dos papéis, somaram-se ao esforço para reduzir a pressão sobre o dólar no mercado 20 Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2008

20 interbancário offshore, o que deu origem ao estabelecimento de linhas de swap entre o Fed e o BCE (US$20 bilhões) e entre o Fed e o BNS (US$4 bilhões). Seja na Europa, seja nos Estados Unidos, os leilões têm sido eficientes na redução dos spreads entre as taxas interbancárias de três meses e a meta para juros básicos. Nos Estados Unidos, a TAF tem o objetivo de reduzir os incentivos de preferência à liquidez pelos bancos e aumentar sua disposição de prover crédito para empresas e indivíduos. Com duas ofertas mensais no sistema de leilão e prazos de 28 ou 35 dias, o limite inicial dessa operação, de US$20 bilhões a cada leilão foi, posteriormente, elevado para US$30 bilhões e US$50 bilhões, respectivamente, em janeiro e março de A emergência dos problemas de capitalização das monolines e de acesso a financiamentos pelos fundos de hedge, que coincidiram com o período em que os problemas de liquidez do quinto maior banco de investimento do país se acentuaram, levaram o banco central norte-americano a criar, em 11 e 16 de março, duas novas linhas de crédito aos primary dealers, que incluem instituições que não possuem contas de reserva bancária. Com o objetivo explícito de melhorar a capacidade de os primary dealers proverem financiamento para participantes dos mercados de títulos securitizados, essas linhas de crédito ampliaram o espectro de ativos elegíveis como colaterais para a realização das operações junto ao banco central. Inicialmente, por meio da Term Securities Lending Facility (TSLD), o Federal Reserve passou a facultar a troca, em leilões, por 28 dias, de diversos títulos por até US$200 bilhões em títulos do Tesouro. Além dos colaterais usuais nas operações de auxílio à liquidez, essa linha de crédito faculta a apresentação, como colaterais, de títulos de agências federais, títulos garantidos por empréstimos hipotecários residenciais emitidos por agências federais e por agentes privados, neste caso, desde que tenham rating AAA ou Aaa. Em seguida, pela primeira vez desde o período da Grande Depressão de 1929, a autoridade monetária dos Estados Unidos criou uma linha de assistência à liquidez direta, que alcança também instituições não-bancárias (cerca de dez instituições entre os vinte primary dealers 1/ Uma descrição detalhada dessa e de outras medidas do Federal Reserve, bem como a coordenação de ações entre bancos centrais de países desenvolvidos, está disponível no Boxe A Crise Financeira Internacional Resenha sobre a Ação dos Bancos Centrais, à página 76 do Relatório de Inflação de março de 2008 deste Banco Central. Maio 2008 Relatório de Estabilidade Financeira 21

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Relatório de Inflação

Relatório de Inflação Relatório de Inflação Junho 2015 Volume 17 Número 2 ISSN 1517-6576 CNPJ 00.038.166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v. 17 nº 2 jun. 2015 p. 1 111 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Ambiente macroeconômico e financeiro

Ambiente macroeconômico e financeiro Ambiente macroeconômico e financeiro 1 1.1 Introdução No primeiro semestre de, o cenário econômico mundial permaneceu complexo, e em um primeiro momento manteve o otimismo observado no final do ano anterior,

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Ambiente macroeconômico e financeiro

Ambiente macroeconômico e financeiro Ambiente macroeconômico e financeiro 1 1.1 Introdução A atividade econômica global se fortaleceu no segundo semestre de, com destaque para as economias maduras que, mesmo ainda expandindo abaixo da tendência

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira

Relatório de Estabilidade Financeira Relatório de Estabilidade Financeira Maio 2009 Volume 8 Número 1 ISSN 1677-812X CNPJ 00.038.166/0001-05 Relatório de Estabilidade Brasília v. 8 n 1 maio 2009 p. 1-191 Financeira Relatório de Estabilidade

Leia mais

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento 1. É com grande satisfação que participo, em nome do Presidente

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Possíveis desdobramentos da crise financeira internacional: aperfeiçoamento na regulamentação dos sistemas financeiros e na governança global A crise e a re-regulamentação do sistema

Leia mais

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA Fundamentos da Crise Financeira Global Conceito: O setor financeiro faz a ponte de ligação entre a macro e a microeconomia. Qualquer falha no funcionamento

Leia mais

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar Quando os mercados financeiros globais enfrentam dificuldades, os bancos centrais coordenam swaps de moedas para aliviar a tensão. Devido ao importante

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Ambiente macroeconômico e financeiro

Ambiente macroeconômico e financeiro Ambiente macroeconômico e financeiro 1 1.1 Introdução No primeiro semestre de, as políticas monetárias permaneceram acomodatícias nas economias avançadas, condicionadas por seus diferentes posicionamentos

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar?

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? 16/07/2008 Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? Paulo Ângelo Carvalho de Souza Presidente Bolsas em queda; juros em alta; rentabilidade em queda; inflação em alta; preço do petróleo fora

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira

Relatório de Estabilidade Financeira Relatório de Estabilidade Financeira Setembro Volume 9 Número 2 ISSN 2176-812 CNPJ.38.166/1-5 Relatório de Estabilidade Brasília v. 9 n 2 set. p. 1-62 Financeira Relatório de Estabilidade Financeira Publicação

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Depósitos Compulsórios

Depósitos Compulsórios Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Depósitos Compulsórios com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Depósitos

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Economia internacional

Economia internacional Economia internacional Tabela. Maiores economias Componentes do PIB / Variação trimestral anualizada Discriminação I II III IV I II III IV PIB Estados Unidos,7,,8,,,5,, -, -, -, -, -,8,,, -, -,7, -,5,,,,9,5

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

Brasília, 15 de setembro de 2015.

Brasília, 15 de setembro de 2015. Brasília, 15 de setembro de 2015. Pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Página 1 de 11 Excelentíssimo Senhor

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: GDP Mais Fraco no Primeiro Trimestre...Pág.3 Europa: Curva

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO Neste pequeno glossário, a ABBC apresenta alguns conceitos fundamentais de economia e de finanças para auxiliar o dia a dia dos profissionais de jornalismo

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

O Tamanho da Crise e a Dose do Remédio: o Sistema Financeiro precisa de mais regulação? Ciano Investimentos

O Tamanho da Crise e a Dose do Remédio: o Sistema Financeiro precisa de mais regulação? Ciano Investimentos O Tamanho da Crise e a Dose do Remédio: o Sistema Financeiro precisa de mais regulação? Ciano Investimentos 1 Roteiro 1. A crise O que ocorreu? Tamanho das perdas Porque ocorreu? 2. Reação dos Bancos Centrais

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Relatório de Gestão das Reservas Internacionais. Junho 2010 Volume 2

Relatório de Gestão das Reservas Internacionais. Junho 2010 Volume 2 Junho 2010 Volume 2 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais Junho 2010 Volume 2 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais ISSN 0000-0000 CGC 00.038.166/0001-05 Relatório de Gestão das Reservas

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Dívida Pública Federal Brasileira Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Fevereiro 2011 B R A S Í L I A D Í V I D A P Ú B L I C A F E D E R A L B R A S I L E I R A Dívida

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO Introdução O Gerenciamento do Risco de Mercado no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está fundamentado

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais