A RELAÇÃO ENTRE OS SENTIDOS CORPORAIS E A PERCEPÇÃO DE DEUS NO PENSAMENTO AGOSTINIANO A PARTIR DO LIVRO XI DO DE TRINITATE.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELAÇÃO ENTRE OS SENTIDOS CORPORAIS E A PERCEPÇÃO DE DEUS NO PENSAMENTO AGOSTINIANO A PARTIR DO LIVRO XI DO DE TRINITATE."

Transcrição

1 Anais do V Congresso da ANPTECRE Religião, Direitos Humanos e Laicidade ISSN: Licenciado sob uma Licença Creative Commons A RELAÇÃO ENTRE OS SENTIDOS CORPORAIS E A PERCEPÇÃO DE DEUS NO PENSAMENTO AGOSTINIANO A PARTIR DO LIVRO XI DO DE TRINITATE. Emmanuel Roberto Leal de Athayde Mestre em Ciências da Religião Bolsista CAPES PUC-SP ST 13 RELIGIÃO, MÍSTICA E POÉTICA. Resumo: A proposta desse trabalho consiste em apresentar a compreensão que Agostinho de Hipona tinha acerca de Deus, do homem, considerando seu estado pecaminoso, e dos sentidos corporais, importantes temas abordados por Agostinho ao tratar da Trindade divina. Este trabalho de reflexão terá como texto base o De Trinitate, principalmente o livro XI, onde o bispo hiponense procura elucidar, através de um importante texto literário, repleto de ricas reflexões, a questão da crença na existência de uma única essência divina manifesta em três pessoas distintas. A partir de sua percepção de Deus e dos sentidos corporais para elucidar a questão da Trindade, das argumentações por ele levantadas, encontramos em Agostinho uma estreita relação entre razão, no que diz respeito as argumentações propostas pelo bispo de Hipona, valendo-se do intelecto humano e do conhecimento filosófico antigo, e a fé, que tinha por base crer naquilo que as Escrituras Sagradas revelam sobre o Deus Trino. Assim sendo, percebemos que a relação entre razão e fé é uma das principais marcas da mística agostiniana, partindo de sua crença na existência de Deus. Diante da relação que Agostinho faz entre os sentidos corporais e a Trindade, pergunta-se: o que tal relação pode nos revelar? Apesar de Agostinho crer na degradação humana devido ao pecado, sabendo que isso compromete a relação dos seres humanos com o seu criador, percebe-se que o bispo de Hipona entendia que a imagem do criador na criatura não se perde por encontrar-se num estado pecaminoso, sendo essa uma das interessantes observações que podemos fazer dessa obra, sendo assim possível falarmos de uma relação mística entre criador e criatura. Palavras-chaves: Agostinho, Trindade, Imagem, Mística, Sentidos Corporais.

2 Introdução A proposta desse trabalho consiste em apresentar a compreensão que Agostinho de Hipona tinha acerca de Deus e dos sentidos corporais e de como estes assuntos contribuíram na discussão proposta pelo bispo hiponense em relação a Trindade, onde tal reflexão terá como texto base o De Trinitate, principalmente o livro XI. Agostinho procurou elucidar a questão da crença que tinha na existência de uma única essência divina manifesta em três pessoas distintas. O De Trinitate é uma obra de caráter essencialmente teológica, pois vemos Agostinho se baseando exaustivamente nas Escrituras, sem contudo, excluir suas argumentações filosóficas, que nortearam suas reflexões, como observou Fraile (1986, p.197): na alma de santo Agostinho a razão e a fé vivem na mais harmônica compenetração, sem confundir-se, mas também de maneira inseparável, porém, sempre deixando claro a supremacia da fé. Tal obra foi escrita entre os anos 400 à 416, numa época onde o cristianismo sofria com diversas divergências de opiniões, o que ocasionou na existência de alguns Concílios, como o de Niceia (325), o de Constantinopla (381), entre outros, que combateram algumas ditas heresias em suas abordagens acerca de Cristo, da Trindade e do Espírito Santo basicamente. O próprio Agostinho travou alguns embates com alguns grupos, como o maniqueísmo e o pelagianismo, entre outros grupos. Como a maioria desses escritos resultantes dos ditos debates estavam em grego, além ainda da insistência de alguns e a própria vontade do autor, Agostinho decide escrever sobre a Trindade, inserindo o mundo Ocidental latino nesse assunto fundamental ao dogma da fé cristã. Assim se deu a confecção de uma das principais de suas obras, composta em 15 livros, divididos em capítulos, contendo 4 prólogos e uma de suas cartas, a carta 174 que foi destinada ao papa Aurélio, incluída por Agostinho para anteceder o seu tratado. A concepção Agostiniana de Deus Ao observar as obras agostinianas, percebemos principalmente três objetos que se destacam em seus textos, Deus, a alma e a felicidade eterna (FRAILE, 196, p.205),

3 sendo que essas tais questões encontramos presentes no De Trinitate. Sendo Deus um tema fundamental ao pensamento agostiniano, partiremos deste assunto, pois negligenciar tal tema comprometeria qualquer reflexão acerca das obras do bispo hiponense. A partir dos textos das Sagradas Escrituras e seus comentadores, Agostinho expõe no De Trinitate sua crença no Pai, no Filho e no Espírito Santo, compondo uma unidade divina inseparável e de mesma essência, embora manifesto em três substâncias, pessoas, segundo destaca Agostinho (V, 8, 9-10a), onde cada uma dessas têm uma missão específica nessa essência harmoniosa divina. Eis aí então a crença trinitária agostiniana. Num primeiro momento, que compreende uma grande parte de sua obra, Agostinho procura tratar de algumas questões a partir de uma análise teológica da própria Trindade, numa busca por elucidar a questão da unidade e igualdade divina, defendendo a existência de uma consubstancialidade entre o Filho e o Pai, ou seja, iguais em natureza, em todos os seus atributos (TRINDADE, VI, 3, 5.), cabendo apenas o termo inferior ao Pai ao assumir a forma de servo, quando da sua encarnação. Nas suas argumentações, refuta diversas objeções feitas por alguns heréticos, segundo sua concepção, tratando da relação entre o Pai e o Filho, acredito eu, que Agostinho segue, nesta obra, as divergências que surgiram na igreja de acordo como os problemas se apresentavam cronologicamente, e no decorrer da obra, como não poderia faltar, aborda também acerca do Espírito Santo e de sua relação na Trindade. Agostinho entende ser Deus a causa primeira de todas as coisas, como também a última de tudo aquilo que é criado, consequentemente mutável (TRINDADE, III, 4,9; III, 9, 18.). Por isso, Deus é considerado a única essência imutável, pelo fato de não possuir acidentes, e quando nas Escrituras possa sugerir uma possível mutabilidade em Deus, deve-se entender de forma metafórica, pois Agostinho se vale de inúmeras analogias para explicar a possibilidade tanto do conhecimento sensível como do espiritual, como destaca Von Balthasar (1986, p.119). Enfim, somente a esse ser supremo compete verdadeira e infinitamente o ser em si mesmo (TRINDADE, V, 2,3), o padrão de tudo o que é bom, verdadeiro e perfeito em

4 absoluto, a origem mais sublime de todas as coisas, assim como a beleza perfeitíssima e a alegria beatíssima (TRINDADE, VI, 10, 12). Portanto, como se pode ver, Agostinho concebia Deus como o ser por excelência, aquele que é a causa da existência de tudo. O homem, o pecado e a alma Para tratarmos dos sentidos corporais segundo a percepção agostiniana, proponho uma tríade de temas essenciais que devem preceder a discussão sobre os sentidos, a saber, o homem, o pecado e a alma. Para o bispo de Hipona o ser humano é uma criação divina, feito a sua imagem e semelhança, conceito fundamental em sua antropologia, constituído de uma parte material, corpo, e imaterial, alma, ou seja, um composto dicotômico. Contudo, essa imagem encontra-se disforme devido o pecado, consequência da perda da justiça e da santidade da verdade (TRINDADE, XIV, 16, 22) e quanto mais envolvido com tudo aquilo que é mutável, com as coisas criadas, mais o homem se distancia do supremo bem, da perfeição absoluta. Embora o ser humano tenha se distanciado ainda mais do criador devido as suas concupiscências, a imago Dei não se perdeu por completo, eis o motivo de ser possível tal busca, pois não se pode conhecer aquilo do qual não se tem nenhum conhecimento prévio mínimo, embora o dito conhecimento nunca ocorrerá plenamente. Percebe-se que se conhece algo do Deus trino através de imagens, no homem exterior e no homem interior, sendo Cristo a imagem mais perfeita do Pai, porque é a Luz mesma que ilumina a mente humana e nos serve de modelo (TRINDADE, VII, 3, 5). Mas para que essa percepção seja possível, dificultada devido ao pecado que distanciou ainda mais a criatura do criador, Agostinho propõe duas vias necessárias: a graça divina dispensada ao homem através da iluminação do Verbo divino, pois sem esse favor, não se consegue reaver a retitude perdida, e a purificação da alma, por meio do autoconhecimento e desprendimento do que é mutável, quando o ser humano volta-se para o imutável. Por que então, tanto interesse em Agostinho em não só compreender acerca do ser divino, como também, apresentar sua concepção de homem, tentando fazê-lo entender a necessidade que o mesmo tem de se voltar ao criador?

5 Para responder essa questão, chegamos no outro objeto importante do seu pensamento, como observado acima por Fraile, a saber, a busca pela felicidade eterna, algo comum a todos os homens, porém, a verdadeira felicidade se encontra apenas quando o ser humano se volta para o seu criador, pois sem Deus o espírito do homem não é feliz (CONFISSÕES, VI, 3,4), sendo possível apenas quando recompensado pela contemplação na eternidade, quando o homem encontrar o seu criador definitivamente. Os sentidos corporais e as imagens da Trindade Se este ser é tão grande, inefável, classificado como uma luz inacessível, como poderia então o homem, um ser criado, compreendê-lo, já que a distância entre eles foi agravada ainda mais devido ao pecado humano? Além disso, se o homem deve se desprender de tudo o que é mutável, como encontrar uma imagem da Trindade por meio dos sentidos? Primeiramente, com ou sem pecado, a criatura jamais conseguiria chegar ao pleno conhecimento do seu criador, contudo, segundo a proposta agostiniana, podemos conhecê-lo, mesmo que não absolutamente, devido a presença de imagens, o que eu classificaria como marcas do criador na sua criação. Assim, a partir do livro IX, Agostinho procura investigar a Trindade a partir de seus vestígios, apresentando pseudo-imagens que após analisadas são devidamente descartadas, como ínfima semelhança, além de outras que servem apenas parcialmente, como o caso da trindade do homem exterior, até chegar a que mais se aproxima do ser divino, a trindade do homem interior. Deus só é conhecido pelo homem através de imagens corpóreas, perceptíveis pelos sentidos, como destacou Ferreira (2012. pp.73-74) segundo a percepção agostiniana. Embora Agostinho possa sugerir algumas vezes no decorrer de sua obra a não confiabilidade do que é apreendido pelos sentidos, pois se a mente se compraz nos bens sensíveis e descansar neles, terá uma felicidade falsa (TRINDADE, XII, 12, 17), poderíamos pensar que as imagens não serviriam para a sua busca, mas o problema não está nos sentidos, afinal eles apenas captam as imagens, pois quem faz o processo da decodificação destas imagens é a alma, cabendo-a amar a Deus e

6 conduzir toda sua potência para buscar a suprema felicidade, só encontrada no criador. Caso a alma desvie sua atenção para a criação, conformando a sua vida à trindade do homem exterior, distanciaria-se cada vez mais da verdadeira felicidade. Deve-se deixar claro que a alma é boa, segundo Agostinho, pois tudo o que Deus criou também é bom (CONFISSÕES, XIII, 31, 46), portanto, nem os sentidos nem a alma são maus, afinal, o mal não é nada na percepção agostiniana, por não ter substância. Assim consistiria uma ação má da alma a não correspondência à sua finalidade, deixando de fazer aquilo que deveria fazer, ou seja, conduzir o conhecimento humano ao criador, logo, como diz Agostinho (TRINDADE, XV, 12, 21b ): Longe de nós, também, duvidar da verdade que nos vem pelos sentidos corporais. Por meio deles, atestamos a existência do céu e da terra e de tudo o mais que eles contêm, na medida que aquele que nos criou a nós e a eles, quis que deles tivéssemos conhecimentos. Portanto, os sentidos têm um papel importante em sua empreitada de tentar compreender sua fé. Por isso no livro XI, Agostinho começa a investigar os vestígios da Trindade no homem exterior, partindo dos sentidos corpóreos por ser mais fácil lidar com as realidades visíveis do que com as inteligíveis, destacando a visão, como o mais excelente dos sentidos (TRINDADE, XI, 1, 1), onde se encontram três realidades: o objeto visto, a própria visão ou a informação do sentido e a atenção do espírito, ou seja, a vontade da alma que aplica o sentido ao objeto sensível e nele mantém a visão, que embora sejam de naturezas diferentes amalgamam-se em certa unidade (TRINDADE, XI, 2, 4). Contudo, isso não satisfaz o bispo hiponense em sua busca. Uma segunda trilogia apresentada por Agostinho, consiste na memória, visão interior e vontade (TRINDADE, XI, 3, 6). Diferentemente das três realidades anteriores, nessa não há diversidade de substância por não existir o objeto sensível, pois agora tem-se uma visão interior fixada na memória. Nessa trilogia há o olhar da alma que evoca a lembrança e como também imagens retiradas da memória, assim, para distingui-los, é fundamental a razão. Essas imagens se produzem no interior, ao buscar na memória, contudo, mesmo assim as coisas sensíveis não são descartadas, pelo fato

7 de tais imagens serem apreendidas pelos sentidos e comporem o universo de imagens da memória humana, e mesmo que sejam criadas outras, até mesmo fictícias, as imagens apreendidas servirão de modelos para essas outras. Embora a trindade exterior não seja a imagem de Deus, ela não tem dessemelhança absoluta com Deus (TRINDADE, XI, 5, 8), pois como dito antes, tudo vem de Deus, logo na criação, há alguma semelhança com o Sumo Bem, embora de forma longínqua. Pelo fato de Agostinho entender ser apenas a alma a expressão mais próxima capaz de levar o homem à compreensão de Deus, por ser onde se encontra a verdadeira imagem de Deus (TRINDADE, XII, 4, 4), o bispo hiponense sugere uma outra trindade, composta pela memória, pensamento e vontade. Essa é mais interior que a primeira, cabendo à memória informar ao olhar da alma, embora essas imagens na memória sejam captadas pelos elementos exteriores, o seu campo de ação é o interior, e quanto mais no interior humano, mais perto da alma, e consequentemente, mais acessível as verdades divinas. Embora o bispo hiponense tenha apresentado essas trindades, poderíamos encontrar inúmeras outras contidas na memória, mas a partir desses exemplos da trindade exterior e interior, as variantes não fogem dessas duas perspectivas. Encerrando o livro XI, Agostinho destaca uma trilogia que ele desenvolve com mais detalhes no De Musica, que são: a medida, o número e o peso, algo que existe em todas as coisas criadas. Considerações finais Por mais que Agostinho evoque uma interioridade para se chegar a uma percepção mais próxima do ser supremo, não descarta os sentidos corporais nesse processo, pois, mesmo que se busque na memória as imagens necessárias para essa empreitada, elas foram captadas pelos sentidos. Assim, como observa Ferreira (2012, p.61), os sentidos corporais constituem uma propedêutica para a utilização dos sentidos espirituais, só eles são aptos a captar a expressão da natureza divina presente em todas as criaturas. Afinal, os atributos divinos são percebidos pelos homens através

8 da captação dos sentidos. Contudo, o bispo de Hipona reconhece que nada do que propôs é idêntico de Deus, não passando de imagens, com tênues semelhanças. Em relação ao pensamento de Agostinho, percebe-se que lhe falta sistematização, pois os seus argumentos, em alguns momentos, parecem confusos, e até contradizentes, mas após uma leitura mais cuidadosa, procurando definir alguns conceitos básicos bem presentes nas suas reflexões, como os listados acima por exemplo, se torna um fator descomplicador para compreender o bispo hiponense. Assim, para compreender a questão da importância dos sentidos corporais para a concepção do ser divino trinitário, cabe conhecer a percepção que Agostinho tinha de Deus, fundamentalmente, como também do homem, do pecado e seu efeito na raça humana e da alma, além disso, entender a importância do ser humano conhecer a Deus e buscar se relacionar com este, afinal, só assim a raça humana será plenamente feliz, tema importante no corpo escriturístico agostiniano. Referenciais AGOSTINHO, Santo. A Trindade. Tradução: Agustinho Belmonte. São Paulo: Paulus, Confissões. Tradução: Maria Luiza Jardim Amarante. 9ª edição. São Paulo: Ed. Paulus, FERREIRA, Ana Rita de Almeida Araújo Francisco. Do Escondido: Santo Agostinho e os limites da estética. Tese de doutoramento. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, FRAILE, Guillermo. Historia de la filosofía. Vol. II. Parte I. El cristianismo y la filosofía patrística. Primeira escolástica. Madrid. BAC, 1986 GILBERT, Katharine Everett; KUHN, Helmut. A history of Esthetics. New York. EUA. The Macmillan Company, VON BALTHASAR, Hans Urs. Gloria: Una Estética Teológica. Vol. 2 Estudos Eclesiásticos: Ireneo, Agustín, Dionísio, Anselmo, Boaventura. Madrid, España. Encuentro Ediciones, 1986.

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

Amor História Eternidade

Amor História Eternidade 3 Faculdade de Teologia Núcleo de Estudos Balthasarianos Amor História Eternidade Actas das Jornadas Balthasarianas Outubro de 2008 e 2009 coordenação Maria Manuela Dias de Carvalho Isabel Maria Alçada

Leia mais

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea V Congresso Espiritismo O Céu e o Inferno de Platão e Dante à Kardec O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea Agosto de 2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual a melhor receita para uma vitamina

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze O CÉU E A TERRA 07-01-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze O que significa que Deus é omnipotente? Deus revelou-se como «o Forte, o Potente», Aquele para quem «nada é impossível». A sua omnipotência

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com PLOTINO A BELEZA FÍSICA É UMA IMAGEM QUE POSSIBILITA AO HOMEM PRESSENTIR A BELEZA DA ALMA, A QUAL, EM

Leia mais

O corpo físico é mau e inferior à alma?

O corpo físico é mau e inferior à alma? O corpo físico é mau e inferior à alma? Compreendendo a natureza humana por Paulo Sérgio de Araújo INTRODUÇÃO Conforme a teoria das idéias (ou teoria das formas ) do filósofo grego Platão (428-347 a.c.),

Leia mais

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média FILOSOFIA FÍSICA Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA O período histórico comumente chamado de Idade Média inicia- se no século V e termina no século XV. Portanto, ele representa mil anos de

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica Filosofia na Idade Média Patrística e Escolástica Tomai cuidado para que ninguém vos escravize por vãs e enganadoras especulações da filosofia, segundo a tradição dos homens, segundo os elementos do mundo,

Leia mais

CREIO EM DEUS PAI Catequese com adultos Chave de Bronze

CREIO EM DEUS PAI Catequese com adultos Chave de Bronze CREIO EM DEUS PAI 03-12-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze O que são os símbolos da fé? São definições abreviadas da fé, que possibilitam uma confissão comum a todos os crentes. Como surgiram

Leia mais

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas.

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas. Escolástica: a filosofia das escolas cristãs 3º BIMESTRE 7º Ano A filosofia cristã na Escolástica Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação

Leia mais

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO SANTO AGOSTINHO SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO Aos 28 anos, Agostinho partir para Roma. Estava cansando da vida de professor em Cartago e acreditava que em Roma encontraria alunos mais capazes. Em Milão,

Leia mais

CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS

CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS Introdução A fidelidade ao espírito do evangelho e aos ensinamentos de São Paulo, o sentido da Igreja

Leia mais

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR A ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam isto proclamamos a respeito da Palavra

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA 04-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Porque é que o Filho de Deus se fez homem? para nossa salvação,

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

L. B. de SOUZA, A fé trinitária e o conhecimento de Deus. Estudo do De Trinitate de Santo Agostinho, Loyola, São Paulo, 2013, 257 p.

L. B. de SOUZA, A fé trinitária e o conhecimento de Deus. Estudo do De Trinitate de Santo Agostinho, Loyola, São Paulo, 2013, 257 p. L. B. de SOUZA, A fé trinitária e o conhecimento de Deus. Estudo do De Trinitate de Santo Agostinho, Loyola, São Paulo, 2013, 257 p. Esta obra oferece valiosa contribuição aos estudos agostinianos no Brasil,

Leia mais

Não tenho maior alegria que esta, a de ouvir que os filhos amam a verdade. 3 João 4

Não tenho maior alegria que esta, a de ouvir que os filhos amam a verdade. 3 João 4 Não tenho maior alegria que esta, a de ouvir que os filhos amam a verdade. 3 João 4 Ser motivado na vida de um dos discípulos de Jesus, que como nós, possuía defeitos, mas que, como é possível a nós, foi

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4.

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4. Prefácio A vida de São Francisco de Assis foi e continua sendo fonte de inspiração para tantos homens e mulheres de boa vontade que, percebendo a beleza que emana do amor, desejam experimentar também a

Leia mais

O QUE É O ESPIRITISMO 1

O QUE É O ESPIRITISMO 1 O QUE É O ESPIRITISMO 1 Facilitadores Alex Olegário e Roberto Camilo 17/18-Janeiro-2016 OBJETIVO Conhecer sobre: O Conceito do Espiritismo O Codificador Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu rogarei

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): FILOSOFIA JOSÉ LUCIANO GABEIRL Conteúdo: Referência para estudo: A Filosofia de Aristóteles A Filosofia Helenística Idade Média

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração 30 DE DEZEMBRO Deus eterno e todo-poderoso, que

Leia mais

ESCOLA DA FÉ. Paróquia Santo Antonio do Pari. Aula 9: Jesus, o Filho de Deus -4ªparte.

ESCOLA DA FÉ. Paróquia Santo Antonio do Pari. Aula 9: Jesus, o Filho de Deus -4ªparte. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 9: Jesus, o Filho de Deus -4ªparte. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 2 de agosto de 2012. revisão da aula anterior. 1- Nota: para o nosso vocabulário

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA Perfeição: entre a gradação e a completude Aylton Fernando Andrade 1 fs_nandodrummer@hotmail.com O tema da concepção de perfeição é debatido

Leia mais

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

FILOSOFIA CRISTÃ. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai.

FILOSOFIA CRISTÃ. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai. FILOSOFIA CRISTÃ Unidade 01. Capítulo 04: pg. 53-54 Convite a Filosofia Unidade 08.

Leia mais

DEUS. Único Deus. Ser que não foi criado. Sem princípio ou fim O Eterno. Sua existência é um fato estabelecido

DEUS. Único Deus. Ser que não foi criado. Sem princípio ou fim O Eterno. Sua existência é um fato estabelecido Único Deus DEUS Ser que não foi criado Sem princípio ou fim O Eterno Sua existência é um fato estabelecido A Bíblia não tem a necessidade de provar a existência de Deus O fato dele ser o Criador, já define

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho?

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho? O Âmago do Evangelho A justificação é o âmago do Evangelho? Introdução Qual é o centro do Evangelho? Muitos vão dizer que a justificação é a base do Evangelho, pois sem justificação não poderíamos nos

Leia mais

NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO.

NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO. NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO. O CÉU É UMA EXPERIÊNCIA CORPÓREA Mt 22, 23-32 I COR 2, 9-10 É como está escrito: Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou

Leia mais

Somente Deus. 2 Antes que nascessem os montes, ou que tivesses formado a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade tu és Deus.

Somente Deus. 2 Antes que nascessem os montes, ou que tivesses formado a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade tu és Deus. Lição 2 Somente Deus Quem é Deus? Como Ele é? Como conhecê-lo? Vamos estudar como Ele é pela Palavra dele. O que Ele diz sobre si mesmo, o que Ele faz Jeremias 9 23 Assim diz o Senhor: Não se glorie o

Leia mais

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Teoria do conhecimento em Descartes Objetivos Compreender as principais escolas da teoria do conhecimento da modernidade. Abordar a epistemologia cartesiana. Introdução

Leia mais

ESTUDO 04-2:

ESTUDO 04-2: ESTUDO 04 2:117 : 13 20: separado para descanso 4:910;, espiritual e mental do homem [Marcos 2:2327, note vers 27] O homem necessita de um dia para descansar e se alimentar esp 16:2] Durante a primeira

Leia mais

A filosofia de Espinosa

A filosofia de Espinosa A filosofia de Espinosa Para tratar de qualquer âmbito da filosofia de Espinosa, é necessário de antemão compreender a imagem de Deus feita pelo filósofo, bem como a importância d Ele para sua filosofia.

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

Catequese Paroquial e CNE Escutismo Católico Português

Catequese Paroquial e CNE Escutismo Católico Português 1º Ano Paroquial e CNE Escutismo Católico Português JESUS GOSTA DE MIM Proporcionar às crianças um bom acolhimento eclesial, pelos catequistas e por toda a comunidade cristã (cf CT 16 e 24). Ajudá-las

Leia mais

Metafísica & Política

Metafísica & Política Aristóteles (384-322 a.c.) Metafísica & Política "0 homem que é tomado da perplexidade e admiração julga-se ignorante." (Metafisica, 982 b 13-18). Metafísica No conjunto de obras denominado Metafísica,

Leia mais

A Quaresma como combate espiritual Dom, 28 de Dezembro de :14 - Última atualização Ter, 19 de Abril de :42

A Quaresma como combate espiritual Dom, 28 de Dezembro de :14 - Última atualização Ter, 19 de Abril de :42 Pe. Henrique Soares da Costa 1. Exorto-vos, irmãos, pela misericórdia de Deus, a que ofereçais vossos corpos como hóstia viva, santa e agradável a Deus: este é o vosso culto espiritual. E não vos conformeis

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

Gênesis 1:1 É a MAÇANETA, o TRINCO que abrirá a porta para descobrir toda a beleza, de toda a história da humanidade e do universo.

Gênesis 1:1 É a MAÇANETA, o TRINCO que abrirá a porta para descobrir toda a beleza, de toda a história da humanidade e do universo. Gênesis 1:1 É a MAÇANETA, o TRINCO que abrirá a porta para descobrir toda a beleza, de toda a história da humanidade e do universo. * Por toda a Bíblia vemos referências e afirmações sobre a CRIAÇÃO, sempre

Leia mais

CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ

CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA NASCIMENTO Pb. Márcio Tarcísio Mendonça Ferreira 5º) NA NECESSIDADE ABSOLUTA DO PELA GRAÇA DE

Leia mais

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza Jesus

Leia mais

LIÇÃO 3 A SEGUNDA VINDA DE CRISTO O ARREBATAMENTO DA IGREJA. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 3 A SEGUNDA VINDA DE CRISTO O ARREBATAMENTO DA IGREJA. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 3 A SEGUNDA VINDA DE CRISTO O ARREBATAMENTO DA IGREJA Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO O ARREBATAMENTO DA IGREJA O arrebatamento da igreja do Senhor Jesus, será o mais extraordinário

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Restaurando por Completo a Visão Espiritual. Marcos Pr. Fernando Fernandes. PIB em Penápolis

Restaurando por Completo a Visão Espiritual. Marcos Pr. Fernando Fernandes. PIB em Penápolis Restaurando por Completo a Visão Espiritual Marcos 8.22-26 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis Visão é ato ou efeito de ver. É a percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista, que envia ao cérebro

Leia mais

A RESPOSTA DO HOMEM A DEUS: EU CREIO. NÓS CREMOS Catequese com adultos Chave de Bronze

A RESPOSTA DO HOMEM A DEUS: EU CREIO. NÓS CREMOS Catequese com adultos Chave de Bronze A RESPOSTA DO HOMEM A DEUS: EU CREIO. NÓS CREMOS. 26-11-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Eu creio Como podemos responder a Deus quando Ele nos aborda? Responder a Deus significa crer n

Leia mais

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL Acesso ao Jesus da História 2 O Acesso ao Jesus da História A preocupação central da cristologia é o acesso ao Jesus da história. Se as cristologias do NT não são biografias, que acesso temos, então, ao

Leia mais

Deus. Coisas físicas Nº1

Deus. Coisas físicas Nº1 A ESSÊNCIA DE TUDO, A Santidade, Retidão e Justiça de Nº1 Deus Deus é diferente de todos os outros seres. Só Ele é infinito e não criado. Todos os demais são finitos e criados. O termo bíblico para essa

Leia mais

Síntese do Novo Testamento (Curso de Formação Ministerial, 2014) Prof. Marco Aurélio Correa

Síntese do Novo Testamento (Curso de Formação Ministerial, 2014) Prof. Marco Aurélio Correa 1 Evangelho de João Este evangelho tem 21 capítulos. Evangelho do Filho de Deus / Divino. 1 - Autor: João, o apóstolo, ele foi o último dos apóstolos a morrer. 2 - Data: Alguns escritores acreditam que

Leia mais

"E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14

E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14 "E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14 Genesis 1.1 No princípio A história da 1ª criação João 1.1 No princípio A história da Nova criação Nas duas obras de criação o agente é a Palavra de

Leia mais

Livrai-nos do mal : o problema do mal segundo Santo Agostinho NUNES, R. O. ¹, SILVA, R. DA S.²

Livrai-nos do mal : o problema do mal segundo Santo Agostinho NUNES, R. O. ¹, SILVA, R. DA S.² Livrai-nos do mal : o problema do mal segundo Santo Agostinho NUNES, R. O. ¹, SILVA, R. DA S.² ¹ Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL) Charqueadas RS Brasil ² Instituto Federal Sul-Rio-Grandense

Leia mais

A CAMINHO DE EMAÚS ROTEIRO 5

A CAMINHO DE EMAÚS ROTEIRO 5 A CAMINHO DE EMAÚS ROTEIRO 5 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo V Aprendendo com Fatos Cotidianos Objetivo Analisar os ensinamentos

Leia mais

Redação. O assunto é mais abrangente; o tema, por sua vez, é a delimitação de um aspecto a ser trabalhado.

Redação. O assunto é mais abrangente; o tema, por sua vez, é a delimitação de um aspecto a ser trabalhado. Redação E aí, galera do Me Salva! Tudo bem? Está chegando o grande dia, não é?! As provas do ENEM acontecerão logo logo, portanto, cá estamos para revisar este assunto: REDAÇÃO. A ideia é traçarmos um

Leia mais

ED5607 PHILOSOPHY & CHRISTIAN FOUNDATIONS IN PRINCIPLED EDUCATION

ED5607 PHILOSOPHY & CHRISTIAN FOUNDATIONS IN PRINCIPLED EDUCATION FLORIDA CHRISTIAN UNIVERSITY MASTER OF ARTS IN EDUCATION WITH FOCUS IN PRINCIPLED EDUCATION JULIANA POMPEO HELPA ED5607 PHILOSOPHY & CHRISTIAN FOUNDATIONS IN PRINCIPLED EDUCATION 05 de Março de 2015 Orlando,

Leia mais

Santificação e Práticas Cristãs

Santificação e Práticas Cristãs Santificação e Práticas Cristãs EBA IBCU Jul 15 Wagner Fonseca 3ª Aula 1ª Aula Santidade Perfeita Crescimento em Santidade Vida Cristã Morte Física Escravo do Pecado Não Cristão SALVAÇÃO 2ª Aula Palavra

Leia mais

Maria e seu FIAT COTIDIANO

Maria e seu FIAT COTIDIANO Maria e seu FIAT COTIDIANO Angelo Alberto Diniz Ricordi Maria e seu fiat cotidiano 1 REFLETINDO O fiat cotidiano de Maria se insere como o fruto mais genuíno da oração. Rezamos a Deus não para que a nossa

Leia mais

Propedêutica Bíblica. 11 de Novembro de 2013 Texto Bíblico

Propedêutica Bíblica. 11 de Novembro de 2013 Texto Bíblico Propedêutica Bíblica 11 de Novembro de 2013 Texto Bíblico 24* Este é o discípulo que dá testemunho destas coisas e que as escreveu. E nós sabemos bem que o seu testemunho é verdadeiro. 25 Há ainda muitas

Leia mais

DEUS A Análise de Kardec.

DEUS A Análise de Kardec. DEUS A Análise de Kardec www.gede.net.br Objetivo: Aprimorar o entendimento sobre a visão espírita de Deus, delineada por Kardec n'o Livro dos Espíritos e n'a Gênese. Pontos a debater: 1) O que é Deus;

Leia mais

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro;

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; René Descartes REGRAS DO MÉTODO Primeira parte: encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; REGRAS DO MÉTODO Método: Meta por,

Leia mais

LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM

LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM A palavra ladainha vem do grego e significa súplica. Mas desde o início da Igreja ela foi utilizada para indicar não quaisquer súplicas, mas as que eram

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Plano da HISTÓRIA DO FUTURO. [Cópia do Ms. da Biblioteca Nacional, Maquinações de Antonio Vieira jesuíta, tomo II, p. 89]

Plano da HISTÓRIA DO FUTURO. [Cópia do Ms. da Biblioteca Nacional, Maquinações de Antonio Vieira jesuíta, tomo II, p. 89] Plano da HISTÓRIA DO FUTURO [Cópia do Ms. da Biblioteca Nacional, Maquinações de Antonio Vieira jesuíta, tomo II, p. 89] LIVRO PRIMEIRO Nome, verdade e fundamento deste Império Se na Sagrada Escritura

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS, O.CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM IV DOMINGO DO ADVENTO -ANO A A ESTRELA DA MANHA 20 de Dezembro

Leia mais

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO O LIVRO DOS ESPÍRITOS PAR ARTE PRIMEIRA AS CAUSAS PRIMÁRIAS CAPÍTULO 1 D EUS Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO 1 O que é Deus? Deus é a inteligência

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

PLANEJAMENTO Jeitos de explicar a origem do universo. O que diz a ciência sobre a criação. Campanha da Fraternidade 2016

PLANEJAMENTO Jeitos de explicar a origem do universo. O que diz a ciência sobre a criação. Campanha da Fraternidade 2016 Disciplina: Ensino Religioso Série: 6º ano Prof.: Cristiano Souza 1ªUNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES O homem e sua relação com Deus e com a Criação CRIAÇÃO O início do universo Tomar consciência

Leia mais

o sentido da vida na catequese

o sentido da vida na catequese o sentido da vida na catequese Coleção CATEQUESE Catequese junto à pessoa com deficiência mental, Ana Shirlei P. Vinhal, Lucy Ângela C. Freitas Catequese e liturgia: Duas faces do mesmo mistério Reflexões

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN CURSO SOBRE O CREMOS DA ASSEMBLEIA DE DEUS Primeiro Artigo de Fé: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas distintas: o Pai, o Filho

Leia mais

PARTE 2 - A PALAVRA NORMATIVA. O CÂNONE BÍBLICO

PARTE 2 - A PALAVRA NORMATIVA. O CÂNONE BÍBLICO Índice Siglas e abreviaturas 6 Introdução 7 PARTE 1 - A PALAVRA INSPIRADA CAPÍTULO I - NATUREZA DA INSPIRAÇÃO BÍBLICA 12 1. A inspiração bíblica no limiar do Vaticano II 13 1.1. Deus, autor principal,

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS AULAS CURSO DE DOUTRINA ESPÍRITA PRIMEIRO ANO

PLANEJAMENTO DAS AULAS CURSO DE DOUTRINA ESPÍRITA PRIMEIRO ANO PLANEJAMENTO DAS AULAS CURSO DE DOUTRINA ESPÍRITA PRIMEIRO ANO Aula Conteúdo da Aula Referências 1 TEMA: O CURSO DE DOUTRINA ESPÍRITA - Integração Ficha do aluno - preencher e entregar o programa - Objetivos,

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

FILOSOFIA Conceito e delimitação

FILOSOFIA Conceito e delimitação FILOSOFIA Conceito e delimitação Conceito de Filosofia Filosofia significa philo= amigo, amor, Sophia= sabedoria. A filosofia busca dar profundidade e totalidade à aspectos referentes a vida como um todo;

Leia mais

resguardar o verdadeiro cristianismo; conhecer a verdade para reconhecer uma fraude; evitar cair no erro, ter respostas às aberrações heréticas; ser

resguardar o verdadeiro cristianismo; conhecer a verdade para reconhecer uma fraude; evitar cair no erro, ter respostas às aberrações heréticas; ser resguardar o verdadeiro cristianismo; conhecer a verdade para reconhecer uma fraude; evitar cair no erro, ter respostas às aberrações heréticas; ser instrumento de Deus para o resgate da verdade em amor.

Leia mais

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus VIDA E OBRA Aurélio Agostinho destaca-se entre os Padres como

Leia mais

Explicar o que caracteriza amor a Deus e amor ao próximo. Apresentar ações que favoreçam o seu desenvolvimento.

Explicar o que caracteriza amor a Deus e amor ao próximo. Apresentar ações que favoreçam o seu desenvolvimento. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo IV A humanidade regenerada Roteiro 2 Explicar o que caracteriza amor

Leia mais

Link para animação do mito da caverna. https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU

Link para animação do mito da caverna. https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU Link para animação do mito da caverna https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU A DOUTRINA DAS IDEIAS OU TEORIA DOS DOIS MUNDOS Para Platão existem, literalmente, dois mundos O mundo das ideias O mundo

Leia mais

Os quatro "passos" da leitura orante

Os quatro passos da leitura orante A leitura orante nada mais é do que a maneira como gerações e gerações de judeus e cristãos leram as Sagradas Escrituras, procurando nelas uma palavra do Deus vivo para a sua vida, em cada momento de sua

Leia mais

CURSO DE FILOSOFIA DA TFCA DATA: 22/09/2013 TEMA: O CRIADO E O NÃO CRIADO APRESENTAÇÃO DO ENTEDIMENTO: ADÔNIS [FAO] BIANCA [MAO] / A FILOSOFIA DA TFCA

CURSO DE FILOSOFIA DA TFCA DATA: 22/09/2013 TEMA: O CRIADO E O NÃO CRIADO APRESENTAÇÃO DO ENTEDIMENTO: ADÔNIS [FAO] BIANCA [MAO] / A FILOSOFIA DA TFCA CURSO DE FILOSOFIA DA TFCA DATA: 22/09/2013 TEMA: O CRIADO E O NÃO CRIADO APRESENTAÇÃO DO ENTEDIMENTO: ADÔNIS [FAO] BIANCA [MAO] / A FILOSOFIA DA TFCA http://www.tfca.com.br/livraria.html Identificar algo

Leia mais

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS.

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS. ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS MÓDULO 8 O SIGNIFICADO DAS LEIS DE LIBERDADE, RESPONSABILIDADE E CAUSA E EFEITO EM NOSSAS VIDAS O SIGNIFICADO DAS PROVAS E

Leia mais

Imagem 1 disponível em: Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014.

Imagem 1 disponível em:  Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014. 6º Fabiana Unidade I História Leia a letra da música de Lulu Santos: Como uma onda. Após a leitura dedicada, utilize a letra da música como ponto de reflexão para responder as questões 01 e 02. Pontuação

Leia mais

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA RESUMO: O presente artigo pretende investigar a concepção Nietzscheana de Vida e natureza, buscando esclarecer a relação que há entre essas duas forças contrárias e únicas.

Leia mais

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial UNIÃO ESTE BRASILEIRA Associação Ministerial Comentários sobre a Música Comentários sobre a Música Pr. Graciliano Martins Percepção Humana da Música A música é percebida pelo tálamo, estação de transmissão

Leia mais

O amor O faz diferente!

O amor O faz diferente! O amor O faz diferente! Quem eu deveria ser? Que as escrituras apresentam o homem como criatura de Deus Criado diretamente por Deus Colocado em posição exaltada Que o homem foi feito a imagem e semelhança

Leia mais

Novena milagrosa às. Almas no Purgatório EDITORA AVE-MARIA

Novena milagrosa às. Almas no Purgatório EDITORA AVE-MARIA Novena milagrosa às Almas no Purgatório EDITORA AVE-MARIA O que é o purgatório? Muitos pensam no purgatório como um pequeno inferno. Mas ele deve ser tratado no seu aspecto positivo, pois se trata de um

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Pensamento e Sentimento

Pensamento e Sentimento Pensamento e Sentimento Pensar - Sentir - Fazer Espiritualidade e Evolução Amor-sabedoria Verdade -- Justiça A Conexão com a Consciência Superior Instr. Eliseu Mocitaíba da Costa Pensamento e Sentimento

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 3.2 Conteúdo: A escola Platônica

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 3.2 Conteúdo: A escola Platônica Aula 3.2 Conteúdo: A escola Platônica 2 Habilidades: Conhecer os principais pontos das ideias de Platão para interpretar a realidade diária. 3 REVISÃO Sócrates: o homem Grande questão: o que é a essência

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

POR QUE. Os Dez Mandamentos. O Decálogo

POR QUE. Os Dez Mandamentos. O Decálogo POR QUE Os Dez Mandamentos? O Decálogo A existência, na mente de muitos cristãos, de uma compreensão equivocada acerca do lugar e valor dos princípios morais e éticos estabelecidos por Deus. POR QUE Os

Leia mais