A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes"

Transcrição

1 A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

2 Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro. Concebemos o tempo como sucessão, fluxo que pode ser fragmentado nestas três diferentes instâncias... Agostinho de Hipona ( ) apresenta uma interessante reflexão sobre a temporalidade que influenciará inclusive filósofos contemporâneos como Heidegger e Merleau-Ponty.

3 O Tempo como problema filosófico. A reflexão filosófica agostiniana sobre o tempo encontra-se no Livro XI da obra Confissões, texto belíssimo, autobiográfico, redigido entre os anos de 397 e 398, em que Agostinho revela-se admirável analista de problemas psicológicos íntimos, tanto quanto de questões puramente filosóficas..

4 Tempo e existência... A reflexão filosófica de Agostinho sobre o tempo é uma de suas mais brilhantes análises filosóficas, a qual o torna, embora sendo um pensador medieval, muito mais contemporâneo do que muitos outros da atualidade. O modo como Agostinho expõe suas interrogações com relação ao tempo marca a reflexão ocidental até os dias de hoje.

5 Tempo como vivência... Questiona Agostinho: Que é, pois, o tempo? Quem poderá explicá-lo clara e brevemente? Quem o poderá apreender, mesmo só com o pensamento, para depois nos traduzir por palavras o seu conceito? E que assunto mais familiar e mais batido nas nossas conversas do que o tempo? Quando dele falamos, compreendemos o que dizemos. Compreendemos também o que nos dizem quando dele nos falam. O que é, por conseguinte, o tempo? Se ninguém me perguntar, eu sei; se o quiser explicar a quem me fizer a pergunta, já não sei.

6 O tempo percebido... A nossa percepção do tempo permite dividi-lo em três partes: passado, presente e futuro. A partir de nossa experiência, sabemos que esses três tempos são bastante distintos entre si. O passado é o tempo que se afasta de nós, de nossa consciência, de nossa percepção; é tudo que já não é mais palpável, simplesmente porque já se foi. Mas será que esta distinção é válida?

7 Da impossibilidade de medir o tempo... É possível medir o tempo? E, contudo, Senhor, percebemos os intervalos dos tempos, comparamo-los entre si e dizemos uns são mais longos e outros mais breves. Medimos também quando esse tempo é mais comprido ou mais curto do que o outro, e respondemos também que um é duplo ou triplo, ou que a relação entre eles é simples, ou que este é tão grande como aqueles. as não medimos os tempos que passam, quando os medimos pela sensibilidade. Quem pode medir os tempos passados que já não existem ou os futuros que ainda não chegaram? Só se alguém se atrever a dizer que pode medir o que não existe! Quando está decorrendo o tempo, pode percebê-lo e medi-lo. Quando, porém, já tiver decorrido, não o pode perceber nem medir, porque esse tempo já não existe

8 Da impossibilidade de medir o tempo... Não conseguimos medir o tempo. O presente porque não tem nenhum espaço; o futuro porque ainda não veio e o passado porque já não existe mais. Podemos perceber e medi-lo apenas no momento em que está decorrendo.

9 Tempo e memória... A reflexão sobre a memória é um elemento importantíssimo na filosofia agostiniana, principalmente para falar do tempo. Ao falar da memória, Agostinho sempre usa as metáforas do lugar e do espaço como, por exemplo, campos e vastos palácios, santuários infinitamente amplos. Usa um vocabulário de beleza esplêndida, porém, não é o suficiente para dizer o que é a memória (a análise sobre a memória encontra-se no Livro X das Confissões).

10 Tempo e memória... Em Agostinho, a alma é a sede das capacidades humanas de compreensão, percepção, raciocínio, sentimento, em suma, de todas as potencialidades do espírito. Da mesma forma, o filósofo afirmou que a sede do tempo está na alma. Para entender isso é preciso ter em mente a ideia de que o tempo faz parte da criação: o tempo é do plano da criatura.

11 Tempo e memória... Fora da criação existe somente a eternidade de Deus, que consiste na imutabilidade, na ausência de tempo. A eternidade, assim, não é tempo infinitamente prolongado, mas uma existência sem nenhum limite, ao contrário de, por exemplo, a existência humana que é uma distensão, cujas fronteiras são o nascimento e a morte. PROBLEMA DA FINITUDE

12 Tempo e memória... É impróprio afirmar que os tempos são três: pretérito, presente e futuro. Mas talvez fosse próprio dizer que os tempos são três: presente das coisas passadas, presente das presentes, presente das futuras. Existem, pois, estes três tempos na minha mente que não vejo em outra parte: lembrança presente das coisas passadas, visão presente das coisas presentes e esperança presente das coisas futuras.

13 Tempo, memória e finitude... Neste sentido, percebe-se que memória e linguagem são de suma importância para Agostinho em sua tentativa de dizer o tempo, que ele pensa não só em termos cosmológicos, como medida de movimento, mas também como interioridade psíquica, abrindo um novo campo de reflexão: o da temporalidade, da nossa condição específica de seres que não só nascem e morrem no tempo, mas, sobretudo, que sabem, que têm consciência dessa sua condição temporal e mortal

14 O Tempo na alma... Os tempos, como afirma Santo Agostinho, existem na mente o que em sua reflexão equivale a dizer na alma. O passado não existe mais, só é possível na alma do ser humano, por meio da memória.

15 O hino da temporalidade... Vou recitar um hino que aprendi de cor. Antes de principiar, a minha expectação estende-se a todo ele. Porém, logo que começar a minha memória dilata-se, colhendo tudo que passa de expectação para o pretérito. A vida deste meu ato divide-se em memória, por causa do que já recitei, e em expectação, por causa do que hei de recitar. A minha atenção está presente e por ela passa o que era futuro para se tornar pretérito. Quanto mais o hino se aproxima do fim tanto mais a memória se alonga e a expectação se abrevia, esta que fica totalmente consumida, quando a ação, já toda acabada, passa inteiramente para o domínio da memória.

Por Santo Agostinho. Como conciliar a eternidade de Deus com a finitude temporal do mundo? Se Deus é eterno, não é lógico que o mundo também o seja?

Por Santo Agostinho. Como conciliar a eternidade de Deus com a finitude temporal do mundo? Se Deus é eterno, não é lógico que o mundo também o seja? Por Santo Agostinho - O Problema: Como conciliar a eternidade de Deus com a finitude temporal do mundo? Se Deus é eterno, não é lógico que o mundo também o seja? Senão, o que fazia Deus antes de criar

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Tempo e linguagem em Santo Agostinho

Tempo e linguagem em Santo Agostinho 5 Tempo e linguagem em Santo Agostinho Ao discutir sobre a definição do tempo e as possibilidades de sua mensuração, no capítulo 17 do livro XI das Confissões, Santo Agostinho introduz ali o termo narrar.

Leia mais

antropologia & cultura

antropologia & cultura antropologia & cultura carlos joão correia estudos africanos filosofia artes & humanidades 2011-2012/2ºsemestre Dopamina Serotonina Acetilcolina Glutamato Opiáceos (ex: endorfinas) Noradrelanina... a presença

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA Perfeição: entre a gradação e a completude Aylton Fernando Andrade 1 fs_nandodrummer@hotmail.com O tema da concepção de perfeição é debatido

Leia mais

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7)

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) Silêncio: o caminho para Deus Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) 1 / 5 Não há dúvidas: nascemos para Deus e apenas nele podemos encontrar o repouso para nossas almas

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO 30 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO Moura Tolledo mouratolledo@bol.com.br Brasília-DF 2006 31 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE FILOSOFIA GIOVANA KARINE DOS SANTOS REIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE FILOSOFIA GIOVANA KARINE DOS SANTOS REIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE FILOSOFIA GIOVANA KARINE DOS SANTOS REIS REFLEXÃO SOBRE TEMPO E LINGUAGEM EM SANTO AGOSTINHO: uma busca pelo fundamento da existência

Leia mais

A Ética da Alegria em Baruch Spinoza

A Ética da Alegria em Baruch Spinoza A Ética da Alegria em Baruch Spinoza Contextualizando Fonte: wikipedia.com Spinoza: Polidor de Lentes e Filósofo 1632, Amsterdã Haia, 1677 Cronologia de Suas Obras 1660: Breve Tratado sobre Deus, o Homem

Leia mais

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza Jesus

Leia mais

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana Jörg Garbers Ms. de Teologia A alma A palavra alma é a tradução das palavras: Nefesch (hebraico no AT) Psyche(grego no NT) Popularmente a alma......é uma parte

Leia mais

Trabalho, técnica e cultura

Trabalho, técnica e cultura Trabalho, técnica e cultura Não há qualquer actividade humana, seja ela prática, pragmática ou mesmo teórica pura, que não tenha necessariamente uma dimensão física. O trabalho intelectual é propriamente

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES DAVID HUME - COMPAIXÃO Nascimento: 7 de maio de 1711 Edimburgo, Reino Unido. Morte: 25 de agosto de 1776 (65 anos) Edimburgo, Reino Unido. Hume nega

Leia mais

J. A. Gaiarsa. O espelho mágico. Um fenômeno social chamado corpo e alma

J. A. Gaiarsa. O espelho mágico. Um fenômeno social chamado corpo e alma J. A. Gaiarsa O espelho mágico Um fenômeno social chamado corpo e alma O ESPELHO MÁGICO Um fenômeno social chamado corpo e alma Copyright 1973, 1984, 2013 by J. A. Gaiarsa Direitos desta edição reservados

Leia mais

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

O conceito de fração e de razão Rômulo Campos Lins e Heloísa da Silva

O conceito de fração e de razão Rômulo Campos Lins e Heloísa da Silva Texto complementar O conceito de fração e de razão Rômulo Campos Lins e Heloísa da Silva MATEMÁTICA Matemática Assunto: Números, grandezas e medidas O conceito de fração e de razão [...] Quando dizemos

Leia mais

COISAS DOS MAIS QUE VENCEDORES. 26 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. "Mas em todas estas coisas. somos MAIS DO QUE VENCEDORES,

COISAS DOS MAIS QUE VENCEDORES. 26 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. Mas em todas estas coisas. somos MAIS DO QUE VENCEDORES, COISAS DOS MAIS QUE VENCEDORES 26 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação "Mas em todas estas coisas somos MAIS DO QUE VENCEDORES, 1 / 6 por aquele que nos amou" (Romanos 8:37) É assim que devemos

Leia mais

Estudo para o 9 o EEJA Estudo 5 Os processos em nós

Estudo para o 9 o EEJA Estudo 5 Os processos em nós Estudo para o 9 o EEJA Estudo 5 Os processos em nós A Natureza da Psique - livro de Jung - Claudio C. Conti Por que estudar Jung? pg 257 O Espiritismo enquanto fenômeno coletivo persegue, portanto, os

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu?

IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu? IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu? Ionice da Silva Debus 1 Profª. Drª. Valeska Fortes de Oliveira 2 Este texto foi desenvolvido para a disciplina Imaginário e Narrativas de Formação do

Leia mais

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB RESUMO Filosofia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Redija em texto dissertativo acerca do seguinte tema. A FELICIDADE SEGUNDO O EPICURISMO Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos: a felicidade como tema central da

Leia mais

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro;

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; René Descartes REGRAS DO MÉTODO Primeira parte: encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; REGRAS DO MÉTODO Método: Meta por,

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Data de registro: 30/03/2009 Data de aceite: 07/05/2009

Data de registro: 30/03/2009 Data de aceite: 07/05/2009 KIERKEGAARD, Sören. O Desespero Humano (Doença até a morte). Trad. Adolfo Casais Monteiro. P. 187 a 279 da coleção Os Pensadores. Rio de Janeiro: Abril Cultural, 1988. No Prefácio de O Desespero Humano

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

Dimensões. Institucionalização. Entrevistado

Dimensões. Institucionalização. Entrevistado Dimensões Institucionalização Entrevistado F 2 Imagem sobre a velhice Entristece-me muito chegar aqui e olhar para determinados idosos que estão aqui, venho cá três vezes por semana no mínimo e nunca vejo

Leia mais

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016 Disciplina: Filosofia e Sociologia Série/Ano: 1º ANO Professores: Adriane e Silvio Objetivo: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados durante o 1º semestre nos quais apresentou

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

A paz já lá está A paz já lá está, Página 1

A paz já lá está A paz já lá está, Página 1 A paz já lá está! A paz já lá está, Página 1 A minha mensagem é muito, muito simples. Muitas pessoas vêm ouvir-me e sentam-se aí, meio tensas: "O que é que eu vou ouvir?" E eu digo-lhes sempre: "Relaxem."

Leia mais

RESENHA: O Patrimônio como Categoria do Pensamento, de José Reginaldo Santos.

RESENHA: O Patrimônio como Categoria do Pensamento, de José Reginaldo Santos. RESENHA: O Patrimônio como Categoria do Pensamento, de José Reginaldo Santos. d.o.i. 10.13115/2236-1499.2013v1n10p287 Emanoel Magno Atanásio de Oliveira 1 GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O patrimônio

Leia mais

Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano. Aula 1 Evolução da Religiosidade através dos tempos

Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano. Aula 1 Evolução da Religiosidade através dos tempos Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano Aula 1 Evolução da Religiosidade através dos tempos Texto para reflexão Pão Nosso Item 41 No Futuro Quem aqui gosta de manga? Prefere comprida ou curta? Evolução da

Leia mais

VERDADE E VALIDADE, PROPOSIÇÃO E ARGUMENTO

VERDADE E VALIDADE, PROPOSIÇÃO E ARGUMENTO ENADE 2005 e 2008 1 O que B. Russell afirma da matemática, em Misticismo e Lógica: "uma disciplina na qual não sabemos do que falamos, nem se o que dizemos é verdade", seria particularmente aplicável à

Leia mais

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

Nº 14 B - Domingo VII do Tempo Comum Levanta-te e anda

Nº 14 B - Domingo VII do Tempo Comum Levanta-te e anda Nº 14 B - Domingo VII do Tempo Comum -19.2.2012 Levanta-te e anda No Evangelho de hoje ouvimos como os amigos de um paralítico tiveram que esforçar-se muito para pedir a Jesus que curasse o seu amigo,

Leia mais

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL Um dos temas mais interessantes abordados pela Filosofia Jurídica abrange a questão da relação entre o direito e a moral, permitindo uma infinita

Leia mais

Link para animação do mito da caverna. https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU

Link para animação do mito da caverna. https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU Link para animação do mito da caverna https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU A DOUTRINA DAS IDEIAS OU TEORIA DOS DOIS MUNDOS Para Platão existem, literalmente, dois mundos O mundo das ideias O mundo

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

Paris, 17 de fevereiro de Prezado Senhor,

Paris, 17 de fevereiro de Prezado Senhor, Paris, 17 de fevereiro de 1903 Prezado Senhor, Sua carta só me alcançou há poucos dias. Quero lhe agradecer por sua grande e amável confiança. Mas é só isso o que posso fazer. Não posso entrar em considerações

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

A fé. Deus. acredita em. Porque é que. Se algumas pessoas não acreditam. nem toda a gente

A fé. Deus. acredita em. Porque é que. Se algumas pessoas não acreditam. nem toda a gente A fé Porque é que nem toda a gente acredita em Deus? A fé Se algumas pessoas não acreditam em Deus, é talvez porque ainda não encontraram crentes felizes que tivessem vontade de dar testemunho da sua fé.

Leia mais

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC SOCIOLOGIA Prof. Carlos Eduardo Foganholo Colégio CEC Cultura - Conceitos Todos os seres humanos possuem cultura. Ninguém tem mais cultura que outra pessoa Não existe cultura superior ou inferior, uma

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

CURSO DE FILOSOFIA DA TFCA DATA: 22/09/2013 TEMA: O CRIADO E O NÃO CRIADO APRESENTAÇÃO DO ENTEDIMENTO: ADÔNIS [FAO] BIANCA [MAO] / A FILOSOFIA DA TFCA

CURSO DE FILOSOFIA DA TFCA DATA: 22/09/2013 TEMA: O CRIADO E O NÃO CRIADO APRESENTAÇÃO DO ENTEDIMENTO: ADÔNIS [FAO] BIANCA [MAO] / A FILOSOFIA DA TFCA CURSO DE FILOSOFIA DA TFCA DATA: 22/09/2013 TEMA: O CRIADO E O NÃO CRIADO APRESENTAÇÃO DO ENTEDIMENTO: ADÔNIS [FAO] BIANCA [MAO] / A FILOSOFIA DA TFCA http://www.tfca.com.br/livraria.html Identificar algo

Leia mais

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso 1 Sumário O que é a fenomenologia? Fenomenologia Busca da verdade Os três tipos de fenómenos Etimologia do termo fenomenologia Mas como lá chegar? Jaspers: Compreender e Explicar Evolução da fenomenologia

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP ÉTICA PROFISSIONAL Curso de Engenharia UNIP O QUE É ÉTICA? O QUE É ÉTICA? Tradicionalmente é entendida como um estudo ou uma reflexão sobre os costumes ou sobre as ações humanas. Pode ser entendida também

Leia mais

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra.

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Todos os direitos reservados E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Enquanto os autores fizeram os melhores esforços para preparar este livro,

Leia mais

Você já ouviu a história de uma tal "garota legal"? Bem, se não, deixeme contar uma história:

Você já ouviu a história de uma tal garota legal? Bem, se não, deixeme contar uma história: Você já ouviu a história de uma tal "garota legal"? Bem, se não, deixeme contar uma história: Uma garota legal é alguém que se dedica de alma e coração em um relacionamento. Ela é alguém que poderia esperar

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea V Congresso Espiritismo O Céu e o Inferno de Platão e Dante à Kardec O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea Agosto de 2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual a melhor receita para uma vitamina

Leia mais

TEMPO, MEMÓRIA E DESTINO

TEMPO, MEMÓRIA E DESTINO TEMPO, MEMÓRIA E DESTINO Raquel Mieko Nakaza Aluna do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução O presente trabalho tem por objetivo, de forma sucinta, apresentar pontos de um período marcado

Leia mais

Tempo e eternidade. Excurso sobre a concepção agostiniana de tempo. Juan Adolfo Bonaccini 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Tempo e eternidade. Excurso sobre a concepção agostiniana de tempo. Juan Adolfo Bonaccini 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Tempo e eternidade Excurso sobre a concepção agostiniana de tempo Juan Adolfo Bonaccini 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Intróito É sabido que os primeiros dez livros das Confissões são devotados

Leia mais

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce Primeiridade, Secundidadee Terceiridade Charles Peircee a Lógica Triádicado Signo. 1839-1914 Charles Sanders Peirce Ciências naturais: químico, matemático, físico, astrônomo, biologia, geologia Ciências

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

Que é, pois o tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei; se quero explicá-lo a quem me pede, não sei. Santo Agostinho, Século IV

Que é, pois o tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei; se quero explicá-lo a quem me pede, não sei. Santo Agostinho, Século IV Que é, pois o tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei; se quero explicá-lo a quem me pede, não sei. Santo Agostinho, Século IV Diferentes tempos Quanto tempo dura o dia e a noite? O que demora mais para

Leia mais

Bento XVI explica a Eucaristia às crianças

Bento XVI explica a Eucaristia às crianças Início - De Roma - Bento XVI explica a Eucaristia às crianças Bento XVI explica a Eucaristia às crianças 22.6.2011 Encontro do Papa Bento XVI com mais de cem mil crianças da primeira Comunhão, 15-10-2005:

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 7) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Linguagem Existe entre o poder da palavra e a disposição da alma a mesma relação entre a disposição dos remédios e a natureza do corpo. Alguns

Leia mais

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:.

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:. ARBLS PITAGORAS Nº 28 Fundação : 21 de Abril de 1965 Rua Júlio Cesar Ribeiro, 490 CEP 86001-970 LONDRINA PR JOSE MARIO TOMAL TRABALHO PARA O PERÍODO DE INSTRUÇÃO RENE DESCARTES LONDRINA 2015 JOSE MARIO

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO O LIVRO DOS ESPÍRITOS PAR ARTE PRIMEIRA AS CAUSAS PRIMÁRIAS CAPÍTULO 1 D EUS Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO 1 O que é Deus? Deus é a inteligência

Leia mais

29 DE OUTUBRO DE 2009 OS ANIMAIS ESTÃO EM PROCESSO DE EVOLUÇÃO E SÃO MAIS INTELIGENTES DO QUE IMAGINAMOS.

29 DE OUTUBRO DE 2009 OS ANIMAIS ESTÃO EM PROCESSO DE EVOLUÇÃO E SÃO MAIS INTELIGENTES DO QUE IMAGINAMOS. 29 DE OUTUBRO DE 2009 OS ANIMAIS ESTÃO EM PROCESSO DE EVOLUÇÃO E SÃO MAIS INTELIGENTES DO QUE IMAGINAMOS. Os cães podem farejar situações injustas e apresentar uma emoção simples, similar à inveja ou ciúmes,

Leia mais

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia.

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia. Platão era filho da aristocracia ateniense. Foi discípulo de Sócrates. Sua obra reflete o momento caótico pelo qual passou Atenas no decorrer de sua vida A crise da sociedade ateniense está ligada à guerra

Leia mais

O nome do Senhor é Torre Forte; o justo foge para ela e está seguro (Provérbios 18.10)

O nome do Senhor é Torre Forte; o justo foge para ela e está seguro (Provérbios 18.10) Nossa Torre Forte O nome do Senhor é Torre Forte; o justo foge para ela e está seguro (Provérbios 18.10) Introdução O nome do Senhor! Seria difícil começar uma declaração sobre o Refúgio divino de forma

Leia mais

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho Questões sobre o portfólio respondidas pelas crianças: 1. O que é um portfólio? 2. Gostas do teu portfólio? Porquê?

Leia mais

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira AULA-5 Os Sem-Igreja Igreja(parte 2): O desinteresse pela igreja e o momento atual da fé evangélica no contexto da pós modernidade e do secularismo IGREJA E CULTO Por que me importar? Presb. José Cordeiro

Leia mais

ENEGRIA DOS CHAKRAS E O PODER TERAPÊUTICO DA. GRATIDÃO

ENEGRIA DOS CHAKRAS E O PODER TERAPÊUTICO DA.  GRATIDÃO ENEGRIA DOS CHAKRAS E O PODER TERAPÊUTICO DA GRATIDÃO ENERGIA DOS CHAKRAS E O PODER TERAPÊUTICO DA GRATIDÃO CAPÍTULOS 1. EXISTEM CHAKRAS? 2. OS CHAKRAS E AS SUAS FUNÇÕES PSÍQUICAS E ESPIRITUAIS 3. A GRATIDÃO

Leia mais

NIETZSCHE E A LINGUAGEM

NIETZSCHE E A LINGUAGEM 89 NIETZSCHE E A LINGUAGEM Ivanaldo Santos Resumo: O objetivo desse artigo é apresentar de forma introdutória a discussão realizada por Nietzsche sobre a linguagem. Para isso será apresentada de forma

Leia mais

ORATORIA - ELIMINANDO ALGUNS TABUS

ORATORIA - ELIMINANDO ALGUNS TABUS Página 1 de 5 INDICE Nenhuma entrada de sumário foi encontrada. Página 2 de 5 Autor: Alkíndar de Oliveira (alkindar@terra.com.br) O assunto deste artigo é compreensível para quem já fala em público. Caro

Leia mais

DA ESSÊNCIA DA LIBERTAÇÃO

DA ESSÊNCIA DA LIBERTAÇÃO António de Macedo A 366875 DA ESSÊNCIA DA LIBERTAÇÃO ENSAIO ANTROPOLÓGICO A PARTIR DA POESIA DE FÈLIX CUCURULL IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA LISBOA 2002 ÍNDICE Prefácio à 2." edição DA ESSÊNCIA DA LIBERTAÇÃO

Leia mais

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo!

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercícios de raciocínio lógico-dedutivo a favor de Deus. Primeiramente devemos entender o conceito da dedução lógica, para então, realizarmos o seu exercício.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 01 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Afirmar a importância do estudo da história para a compreensão da Psicologia contemporânea. Destacar a relevância das forças

Leia mais

Joaquim Braga SÍMBOLO E CULTURA

Joaquim Braga SÍMBOLO E CULTURA Joaquim Braga SÍMBOLO E CULTURA FICHA TÉCNICA Diretor da coleção poiesis: Ricardo Grácio Título: Símbolo e Cultura Autor: Joaquim Braga Capa: Grácio Editor Design gráfico: Grácio Editor 1ª Edição: Julho

Leia mais

A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos

A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos AF357-15FIS_CampanhaPrescrevaumLivroItauCrianca_FOLHETO_19x23_V6.indd 1 29/09/15 01:22 2 Receite um livro A importância de recomendar a

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

MMC E MDC: COMO ENSINAR? UM DESAFIO PARA O PROFESSOR

MMC E MDC: COMO ENSINAR? UM DESAFIO PARA O PROFESSOR MMC E MDC: COMO ENSINAR? UM DESAFIO PARA O PROFESSOR Erysson Romero Gomes de Brito, Neuziene Garcia Pereira; Patrícia Conrado de Souza; Tâmila Kasimura da silva Fernandes Universidade estadual da Paraíba,

Leia mais

TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde

TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde PERGUNTAS METALINGUÍSTICAS Doc.: J. quais são as línguas que você fala " Inf.: eu " (+) inglês né falo

Leia mais

filosofia clássica indiana

filosofia clássica indiana filosofia clássica indiana 2011-2012 1ºSemestre Carlos João Correia hotṛ/ṛg/o; udgātṛ/sāmaveda/e; adhvaryu/yajur/n; brāhmaṇa/atharva/s yajña (sacrifício): brahman/ṛtā/dharma Puruṣa [Gigante, Pessoa,

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice Índice Parte I: Introdução................. 9 Parte II: Escolhas difíceis, decisões diárias: como receber a orientação intuitiva da alma.......................... 14 Parte III: Como usar a orientação interior

Leia mais

4. Jogos com dados de cores correspondentes àquelas dos Blocos Lógicos

4. Jogos com dados de cores correspondentes àquelas dos Blocos Lógicos 4. Jogos com dados de cores correspondentes àquelas dos Blocos Lógicos Prepare um dado com três cores em suas faces (azul, amarelo e vermelho), sendo que cada cor deve aparecer duas vezes; Com as peças

Leia mais

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 3

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 3 Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 3 www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal Tudo bem com vocês? Em breve teremos o concurso do TCM/RJ e sabemos

Leia mais

INTERVENÇÕES NO DESENVOLVIMENTO DE UMA SESSÃO DE REGRESSÃO DE MEMÓRIA

INTERVENÇÕES NO DESENVOLVIMENTO DE UMA SESSÃO DE REGRESSÃO DE MEMÓRIA INTERVENÇÕES NO DESENVOLVIMENTO DE UMA SESSÃO DE REGRESSÃO DE MEMÓRIA IDENTIFICAÇÃO DO PERSONAGEM 1- Inicial: Cliente pode começar pelo personagem, pelo local, pela situação, pelo sentimento, pela sensação

Leia mais

Estudando conceitos científicos através de medidas de grandezas físicas. Profa. Ângela Maria Hartmann

Estudando conceitos científicos através de medidas de grandezas físicas. Profa. Ângela Maria Hartmann Estudando conceitos científicos através de medidas de grandezas físicas Profa. Ângela Maria Hartmann O tempo e suas unidades de medida O que é o tempo? Como medir o tempo? O que é o tempo? O que é o tempo?

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar.

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar. BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR interação e inter-relação que esperamos potencializar. Tendo como ponto de partida algumas obras expostas na 29ª Bienal, pretendemos tecer uma rede de ideias enquanto refletimos

Leia mais

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO. : Index. S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO Índice Geral PRIMEIRA QUESTÃO SEGUNDA

Leia mais

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA RESUMO: O presente artigo pretende investigar a concepção Nietzscheana de Vida e natureza, buscando esclarecer a relação que há entre essas duas forças contrárias e únicas.

Leia mais

Jerry Bridges deu ao mundo uma das obras mais incisivas,

Jerry Bridges deu ao mundo uma das obras mais incisivas, PRÓLOGO Prólogo Jerry Bridges deu ao mundo uma das obras mais incisivas, mais atraentes e estimulantes da consciência sobre a santidade bíblica que jamais foi escrita. Não há dúvida de que o Senhor capacitou

Leia mais