RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB"

Transcrição

1 RESUMO Filosofia Psicologia, JB Jorge Barbosa,

2 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de recolha e tratamento de informação a que chamamos conhecimento. Filosofia, JB

3 Que Conhecemos? A simulação tecnológica de situações reais reforça as dúvidas sobre a existência do mundo exterior. Nos jogos digitais ou em instrução num simulador de voo, os cenários, os heróis e vilões são virtuais (não têm existência fora do software instalado e da mente do jogador um erro numa manobra de pilotagem não causa desastres) e, no entanto, parecem- nos reais. O mundo em que vivemos poderá ser também uma criação gerada pela nossa mente. Filosofia, JB

4 Conhecimento, sujeito e objecto o objecto o sujeito a existência de algo (real, ou virtual) que pode ser investigado o objecto percebido ou construído pela mente, isto é, aquilo (coisa, acção, evento, processo interno ou externo ao corpo) que, sendo percepcionado pelo sujeito, pode ser investigado e explicado (ou seja, pode constituir o objecto de conhecimento ou objecto de estudo) existência de alguém que quer conhecer é a entidade humana que, dotada de capacidades receptivas e cognitivas, percepciona a realidade e que se empenha na investigação da parcela da realidade que designa por objecto. Filosofia, JB

5 Conhecimento Há interpretações do mundo que não são muito fiáveis (crenças em sentido amplo) e outras que merecem a nossa confiança, porque estão justificadas. Por exemplo, não acreditamos que o nosso cérebro esteja fora do nosso corpo, mas há quem acredite que o Sol se move em volta da Terra. Podemos chamar conhecimento às interpretações não justificadas? 5 Filosofia, JB

6 Epistemologia É preciso distinguir crença e conhecimento; mas o nosso problema não é discutir se acreditamos ou não, mas como é que justificamos a nossa crença. No domínio da Ciência e da Filosofia não basta acreditar (crer), é preciso justificar as crenças. É por isso que se pode dizer que a epistemologia é o estudo do conhecimento e a justificação da crença. Filosofia, JB

7 Epistemologia Platão pergunta «O que é o conhecimento (episteme)?» e procura debater a diferença entre crença, ou opinião (doxa), e conhecimento, definindo crença como um determinado ponto de vista subjectivo e conhecimento como crença verdadeira e justificada. justificação da crença. Filosofia, JB

8 Dúvida hiperbólica Argumentos que fundam o acto de duvidar A experiência mostra que: Os sentidos podem errar algumas vezes, logo, não são dignos de crédito total Há homens que erram mesmo ao raciocinar Temos dificuldade em identificar a verdade, pois às vezes não distinguimos sonho e realidade Por nos enganarmos às vezes, não sabemos se existe alguma certeza Conclusão provisória: todo o conhecimento pode ser falso, por isso, vou duvidar de tudo (dúvida hiperbólica global).

9 Descoberta da verdade Ao usar a dúvida metódica, Descartes descobre que ao duvidar está a pensar. E afirma: «Se duvido, penso, e se penso, existo.» Eu penso, logo existo (cogito) é a primeira e irrefutável certeza. A certeza ou a indubitabilidade do cogito resulta do modo como a apreendemos: impõese-nos como evidente. E é evidente, porque o percebemos com clareza e distintamente.

10 Critério de verdade, clareza e distinção Descartes generalizou a descoberta: tudo o que é concebido muito claramente e muito distintamente tem a mesma evidência que o cogito, logo, é verdadeiro.

11 Da ideia de Deus à existência de Deus Tenho em mim a ideia de um ser perfeito. A ideia de um ser perfeito não pode ter origem em mim, porque sou imperfeito. Dado que conheço perfeições que não possuo, tenho de aceitar a existência de um Ser que seja a causa de mim e da ideia que tenho d Ele.

12 Da existência de Deus à existência do mundo material Uma vez que Deus é bom e perfeito, não nos engana. O mundo material existe e é de natureza diferente do pensamento e de Deus. As coisas materiais ocupam espaço, possuindo características quantificáveis. Se não partirmos das informações sensoriais (por vezes enganadoras) e respeitarmos o critério de evidência podemos conhecer. Deus é a garantia de que é verdadeiro o conhecimento apreendido com evidência, isto é, com clareza e distinção, ou deduzido dele.

13 Dualismo cartesiano Admitida a existência do pensamento (res cogitans, ou «coisa» que pensa), de Deus e do mundo material (res extensa, ou «coisa» extensa), Descartes considera que: o pensamento, ou espírito, ou, ainda, alma (res cogitans) é diferente e distinto do corpo (res extensa) o ser humano é constituído por alma e corpo o dualismo cartesiano

14 A existência de Deus e a verdade racional Uma vez que os sentidos nos enganam (pelo menos, às vezes), o conhecimento não pode ter a sua fonte na informação sensorial a fonte do conhecimento é a razão, racionalismo a existência da alma e de Deus é mais certa do que a existência de coisas exteriores

15 Refutação de Descartes David Hume recusa a dúvida metódica cartesiana por: a considerar muito radical e inultrapassável pôr em causa os sentidos Reconhece que os sentidos podem enganar e que, por isso, a sua informação deve ser apoiada com a razão. Reconhece que o cepticismo moderado é necessário à filosofia.

16 Sensação e razão Hume argumenta que: a confiança nos sentidos é uma espécie de instinto natural, que nos leva a admitir a existência de um mundo exterior à nossa mente (caso das casas e das árvores) quando somos forçados pelo raciocínio a afastar- nos dos instintos da natureza, ficamos numa situação embaraçosa as nossas representações mentais têm origem nas sensações as representações existentes na mente são fornecidas pelas sensações obtidas através da experiência, não podendo ser produzidas pela mente ou sugeridas por outro espírito (Deus, por exemplo)

17 Recusa do racionalismo Hume argumenta que: justificar a veracidade dos sentidos a partir de Deus conduziria a uma conclusão contrária ao que se queria demonstrar a fonte das ideias reside nos sentidos se adoptarmos a opinião racionalista, apartamo- nos das nossas inclinações naturais e não conseguimos satisfazer a nossa própria exigência racional

18 Limites do conhecimento todas as nossas ideias provêm dos sentidos não há impressões acerca de leis universais ou de relações necessárias entre dois fenómenos (relações de causalidade) não podemos considerar o conhecimento como absolutamente verdadeiro. Por esta razão, Hume assume uma perspectiva de cepticismo moderado, rejeitando a atitude dogmática (própria do realismo ingénuo do senso comum).

19 Duas Escolas em confronto No início do século XVIII, há duas grandes correntes filosóficas acerca da origem do conhecimento: o racionalismo (exemplo, Descartes, que fundamenta e valida o conhecimento a partir da evidência racional do «eu penso») o empirismo (exemplo, Hume, que fundamenta o conhecimento na experiência sensorial) Kant perguntou: poderão a razão e a experiência, consideradas em conjunto, explicar melhor a complexidade do processo de conhecer? KANT

20 Pontos de partida de Kant Kant reconhece que o conhecimento implica: a existência de informações sensoriais e de uma capacidade (do sujeito) para as captar que a nossa mente não é uma espécie de «cera» passiva que se limite a gravar essas informações que o sujeito é um conjunto de dispositivos (formas da sensibilidade e formas do entendimento) que funcionam como um programa onde as informações são recebidas e interpretadas, isto é, «formatadas» que só percepcionamos e explicamos a informação sensorial a partir de uma «formatação» que os dispositivos estruturais da razão condicionam a experiência, influenciando a concepção do mundo que as coisas são conhecidas em função das características da nossa estrutura mental

21 Duas fontes do conhecimento A tese defendida por Kant na Crítica da razão pura é: o conhecimento resulta da aplicação de uma forma (conceitos a priori), produzida pelo entendimento, a uma matéria (fenómeno que é a posteriori e resulta do modo como a sensibilidade organiza as sensações) o conhecimento tem, portanto, duas fontes independentes, uma racional e outra empírica KANT, Crítica da razão pura

22 Argumentos de Kant Existem duas fontes do conhecimento: a fonte empírica: recebe as representações sensíveis (é nela que o objecto percebido ou construído pela mente, é dado ao sujeito) a sensação é o elemento empírico do conhecimento: é a posteriori a fonte racional (ou pura): organiza as representações (é nela que o objecto percebido é pensado mediante os conceitos) o conceito é o elemento puro do conhecimento: é a priori

23 Argumentos de Kant Características das faculdades que permitem ao sujeito que o objecto lhe seja dado e o possa pensar: o conhecimento resulta da colaboração entre a sensibilidade e o entendimento. Sem a sensibilidade nenhum objecto nos é dado; sem o entendimento nenhum objecto é pensado nenhuma destas faculdades (sensibilidade e entendimento) tem primazia sobre a outra: o conhecimento não é possível nem válido sem a existência de intuições e de conceitos, interligados: «Pensamentos sem conteúdo são vazios; intuições sem conceitos são cegas.» (Kant)

24 Apriorismo Apriorismo é a concepção segundo a qual o conhecimento resulta da aplicação de uma forma, a priori (conceitos puros, ou categorias do entendimento) a uma matéria, a posteriori (as intuições sensíveis).

25 Apriorismo, racionalismo e empirismo Kant concorda com os: racionalistas a razão é o elemento determinante no processo de conhecer empiristas não existe conhecimento sem o contributo da experiência Kant discorda dos: racionalistas a razão, sem o contributo da experiência, não pode conhecer o mundo empiristas o conhecimento exige que o sujeito possua formas a priori (da sensibilidade) para receber os dados da experiência e formas a priori (do entendimento) para organizar os dados sensíveis e construir o objecto do conhecimento O conhecimento é uma construção mental que exige dados (a posteriori) e formas (a priori).

26 Conhecimento Mente Descartes - Hume Kant Jorge Barbosa, 2010 Psicologia, JB

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Teoria do conhecimento em Descartes Objetivos Compreender as principais escolas da teoria do conhecimento da modernidade. Abordar a epistemologia cartesiana. Introdução

Leia mais

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31)

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) Descartes René Descartes ou Cartesius (1596-1650) Naceu em La Haye, França Estudou no colégio jesuíta de La Flèche Ingressa na carreira militar Estabeleceu contato com Blayse Pascal Pai da filosofia moderna

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

PERÍODO TEMA / UNIDADE SUB-TEMA / CONTEÚDO AULAS AVALIAÇÃO (meios e instrumentos)

PERÍODO TEMA / UNIDADE SUB-TEMA / CONTEÚDO AULAS AVALIAÇÃO (meios e instrumentos) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Ciências Sociais e Humanas Planificação Anual de Filosofia - 11º ano Ano Letivo 2014/2015

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência".

Epistemologia deriva de episteme, que significa ciência, e Logia que significa estudo, etimologia como o estudo da ciência. Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência". Epistemologia é a teoria do conhecimento, é a crítica, estudo ou tratado

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro;

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; René Descartes REGRAS DO MÉTODO Primeira parte: encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; REGRAS DO MÉTODO Método: Meta por,

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO QUESTÃO 0 Kant mostrou que a estrutura do pensamento se dá sob a forma de juízos. A partir dessa hipótese, elaborou as doze formas de juízos

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 20.04.2012 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março 1. 2. COTAÇÕES GRUPO I 1.1.... 10 pontos

Leia mais

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV.

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. A REVOLUÇÃO CARTESIANA Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. Descartes (1596-1650) foi educado por jesuítas. Ele iniciou a filosofia moderna com um

Leia mais

França René Descartes ( ) Inglaterra John Locke ( ) e David Hume - ( ) Alemanha Immanuel Kant ( )

França René Descartes ( ) Inglaterra John Locke ( ) e David Hume - ( ) Alemanha Immanuel Kant ( ) Antecedentes filosóficos da fenomenologia França René Descartes (1596 1650) Inglaterra John Locke (1632 1704) e David Hume - ( 1711 1776) Alemanha Immanuel Kant (1724 1804) Os gregos indagavam: Como o

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 10) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Gnosiologia (GNOSIOLOGIA) - Relação do sujeito cognoscente com o objeto cognoscível. (GNOSIOLOGIA) - Relação do sujeito cognoscente com o objeto

Leia mais

Descartes viveu numa época turbulenta, instável e, por isso, talvez uma das mais

Descartes viveu numa época turbulenta, instável e, por isso, talvez uma das mais A Contextualização de Descartes O século XVI Descartes viveu numa época turbulenta, instável e, por isso, talvez uma das mais profundas da história europeia. Descartes viveu numa época dividida, possuída

Leia mais

Racionalidade argumentativa e Filosofia

Racionalidade argumentativa e Filosofia Racionalidade argumentativa e Filosofia Conteúdos Competências a desenvolver / objetivos a concretizar Estratégias Recursos Avaliação Tempos 1. Argumentação e lógica formal 1.1 Distinção validade/verdade

Leia mais

Empirismo. Principais ideias e autores

Empirismo. Principais ideias e autores Empirismo Principais ideias e autores EMPIRISMO Empeiria (grego): forma de saber derivado da experiência sensível e de dados acumulados com base nessa experiência. Nada esta no intelecto que não tenha

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA 1. A VIDA DE EMANUEL KANT (1724 1804) Nasceu em Königsberg, cidade da Prússia, em 1724. A condição de sua família era modesta. Foi educado no Colégio

Leia mais

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação 1 1. Artigo Tema: Ensino de argumentação filosófica Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação Gabriel Goldmeier Conhecimento: crença verdadeira corretamente justificada A Teoria do Conhecimento

Leia mais

Considerações sobre a teoria cartesiana do conhecimento (Epistemologia)

Considerações sobre a teoria cartesiana do conhecimento (Epistemologia) Considerações sobre a teoria cartesiana do conhecimento (Epistemologia) Aristóteles caiu e agora? A filosofia medieval, fundada na doutrina aristotélica, sucumbia às pressões do Renascimento e da modernidade.

Leia mais

Autor: Francisco Cubal

Autor: Francisco Cubal Autor: Francisco Cubal O senso comum traduz o modo como percepcionamos o mundo a partir das informações apreendidas pelos sentidos, permitindo criar representações ligadas a um determinado significado

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias

Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias 2º ano Prof. Queridos Alunos, A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original. Pois, [...] não existem sonhos impossíveis

Leia mais

2012 COTAÇÕES. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/2.ª Fase. Critérios de Classificação GRUPO I GRUPO II GRUPO III

2012 COTAÇÕES. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/2.ª Fase. Critérios de Classificação GRUPO I GRUPO II GRUPO III EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Prova 74/2.ª Fase Critérios de Classificação Páginas 202 COTAÇÕES GRUPO I......

Leia mais

Formador Residente, Maurício Ferreira

Formador Residente, Maurício Ferreira A Compreensão do Oral A compreensão do oral consiste na atribuição de significado a cadeias fónicas produzidas de acordo com a gramática da língua. Formador Residente, Maurício Ferreira Factores de compreensão

Leia mais

LÓGICA I. André Pontes

LÓGICA I. André Pontes LÓGICA I André Pontes 1. Conceitos fundamentais O que é a Lógica? A LÓGICA ENQUANTO DISCIPLINA Estudo das leis de preservação da verdade. [Frege; O Pensamento] Estudo das formas válidas de argumentos.

Leia mais

O verdadeiro conhecimento ética utilitarista procede da razão

O verdadeiro conhecimento ética utilitarista procede da razão CONTEÚDO FILOSOFIA Avaliação Mensal Professora Célia Reinaux 6º ANO Módulo Unidade 3 A sombra na madrugada Páginas 34 até 39 Um obstáculo na trilha Páginas 40 até 46 Filósofos trabalhados: René Descartes

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo Questão Redija um texto dissertativo acerca dos dois sistemas da economia nordestina no século XVII, atendendo, necessariamente, ao que se pede a seguir: identifique e caracterize esses dois sistemas econômicos;

Leia mais

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO A CIÊNCIA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Ciência propõe a aquisição sistemática de conhecimentos sobre a natureza com a finalidade de melhoria da qualidade de vida, intelectual

Leia mais

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Filosofia 2016 Prova 161 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Husserl, Heidegger e a

Husserl, Heidegger e a Husserl, Heidegger e a fenomenologia Mariângela Areal Guimarães, professora de Filosofia do Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ, Doutora em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA Mais uma vez a UFPR oferece aos alunos uma prova exigente e bem elaborada, com perguntas formuladas com esmero e citações muito pertinentes. A prova de filosofia da UFPR

Leia mais

Madelon Pires Palmeira *

Madelon Pires Palmeira * A JUSTIFICAÇÃO DA VONTADE MORAL FRENTE AO MUNDO CONTEMPORÂNEO (DA SENSAÇÃO À VONTADE, O PERCURSO NATURAL DO DESENVOLVIMENTO DA MORALIDADE NA CONSCIÊNCIA HUMANA) Madelon Pires Palmeira * Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

"A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde)

A verdade jamais é pura e raramente é simples. (Oscar Wilde) "A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde) Qual é a verdade? São possíveis várias realidades? É possível que haja mais verdades na realidade do que podemos perceber? As sensações podem

Leia mais

Realismo como Fundamento Empírico ou Ideias

Realismo como Fundamento Empírico ou Ideias Realismo como Fundamento Empírico ou Ideias Angela Gonçalves PUC-RS Resumo: O presente artigo tem a finalidade de mostrar a influência do ceticismo na estratégia cartesiana para chegar à primeira verdade.

Leia mais

Informação-Exame Final Nível de Escola para N.E.E. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Prova de Filosofia 10º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 225 2015 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Inatismo e empirismo: questões e respostas Vimos, no capítulo anterior, que a razão enfrenta problemas sérios quanto à sua intenção

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

*RACIONALISMO X EMPIRISMO

*RACIONALISMO X EMPIRISMO *RACIONALISMO X EMPIRISMO *As transformações ocorridas a partir da modernidade levaram ao questionamento dos critérios e métodos para elaboração de um conhecimento verdadeiro. *As 02 principais correntes

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina ENSINO SECUNDÁRIO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

Aristóteles. (384 a.c 347 a.c)

Aristóteles. (384 a.c 347 a.c) Aristóteles (384 a.c 347 a.c) Trajetória histórica Nasce em Estagira império macedônio Encontro com Platão academia aos 17 anos (fica 20 anos) Preceptor de Alexandre Muito estudo biblioteca e investigação

Leia mais

Conhecimento Científico Teorias

Conhecimento Científico Teorias Conhecimento Científico Teorias A teoria do conhecimento se interessa pela investigação da natureza, fontes e validade do conhecimento. Entre as questões principais que ela tenta responder estão as seguintes.

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. Patrícia Ruiz Spyere

MÉTODO CIENTÍFICO. Patrícia Ruiz Spyere MÉTODO CIENTÍFICO Introdução Método científico Modelos de método científico INTRODUÇÃO Mitos Explicação da realidade e dos fenômenos naturais de forma simbólica, por meio de deuses, semi-deuses e heróis

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Geometria e Experiência

Geometria e Experiência Geometria e Experiência Albert Einstein A matemática desfruta, entre as ciências, de um particular prestígio pela seguinte razão: suas proposições são de uma certeza absoluta e a salvo de qualquer contestação,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE KANT SOBRE A HISTORIOGRAFIA CIENTÍFICA

A INFLUÊNCIA DE KANT SOBRE A HISTORIOGRAFIA CIENTÍFICA A INFLUÊNCIA DE KANT SOBRE A HISTORIOGRAFIA CIENTÍFICA André Vinícius Dias Senra*, Adílio Jorge Marques** * Doutorando em História das Ciências, das Técnicas e Epistemologia (UFRJ/HCTE). Professor da Faculdade

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE FILOSOFIA Currículo Novo (a partir de 2010/1) NÍVEL I HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA Reflexão acerca da transição do pensamento mítico ao filosófico. Estudo de problemas, conceitos e

Leia mais

Liberdade e Conhecimento

Liberdade e Conhecimento Liberdade e Conhecimento Thadeu Penna Sistemas Complexos Instituto de Física Universidade Federal Fluminense tjpp@if.uff.br http://complex.if.uff.br INCT-SC 2009 8 de maio de 2009 Plano Conhecimento O

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

A prova cosmológica da existência de deus em René Descartes: o princípio de causalidade como elemento fundamental

A prova cosmológica da existência de deus em René Descartes: o princípio de causalidade como elemento fundamental em René Descartes: o princípio de causalidade como elemento fundamental The cosmological proof of the existence of God in René Descartes: the principle of causality as a fundamental element Letícia Luiz

Leia mais

ROTEIRO 23. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

ROTEIRO 23. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas ROTEIRO 23 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Esclarecer por que a aceitação da influência espiritual comprova a continuidade

Leia mais

Psicologia Percepção Visual

Psicologia Percepção Visual Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Processos sensoriais e perceptivos Conceitos básicos A sensação A percepção Sensação vs. percepção José Farinha, ESEC da

Leia mais

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) No caso específico da disciplina de FILOSOFIA, do 11ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível do

Leia mais

UNIDADE III RACIONALIDADE UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE UNIDADE V DESAFIOS ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

UNIDADE III RACIONALIDADE UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE UNIDADE V DESAFIOS ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Í N D I C E UNIDADE III RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Argumentação e lógica formal Cálculo proposicional Argumentação e retórica Argumentação e filosofia UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

FILOSOFIA 2ª SÉRIE. Capítulo 6 David Hume e as dúvidas céticas acerca do entendimento

FILOSOFIA 2ª SÉRIE. Capítulo 6 David Hume e as dúvidas céticas acerca do entendimento FILOSOFIA 2ª SÉRIE Capítulo 6 David Hume e as dúvidas céticas acerca do entendimento Introdução: A ambição de David Hume, filósofo nascido na Escócia, seria para a filosofia o que Isaac Newton (1643-1727)

Leia mais

EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS

EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS Autor Paulo Augusto Seifert 2007-2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA

PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA 16 de Junho de 2016 Tempo de realização da prova: 1h00 Nome completo: Nº

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

SOBRE A NOÇÃO DE MORAL PROVISÓRIA EM DESCARTES 1

SOBRE A NOÇÃO DE MORAL PROVISÓRIA EM DESCARTES 1 SOBRE A NOÇÃO DE MORAL PROVISÓRIA EM DESCARTES 1 Fabiano Pereira Dos Santos 2, Maciel Antoninho Viera 3. 1 Ensaio teórico acerca de estudos sobre moral provisória de René Descartes 2 Graduando do curso

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA: DESCARTES E KANT (CURSINHO)

FILOSOFIA MODERNA: DESCARTES E KANT (CURSINHO) FILOSOFIA MODERNA: DESCARTES E KANT (CURSINHO) RENÉ DESCARTES (1596-1650): A DÚVIDA METÓDICA E O MÉTODO CARTESIANO POR QUE O MÉTODO? Ruiu a autoridade da Igreja em termos de conhecimento e definição do

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA FILOSOFIA 2017 Prova 714 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do ensino secundário

Leia mais

A CIÊNCIA GENUÍNA DA NATUREZA EM KANT 1

A CIÊNCIA GENUÍNA DA NATUREZA EM KANT 1 A CIÊNCIA GENUÍNA DA NATUREZA EM KANT 1 Ednilson Gomes Matias 2 RESUMO: O seguinte trabalho trata da concepção de ciência genuína da natureza desenvolvida por Immanuel Kant nos Princípios metafísicos da

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES DAVID HUME - COMPAIXÃO Nascimento: 7 de maio de 1711 Edimburgo, Reino Unido. Morte: 25 de agosto de 1776 (65 anos) Edimburgo, Reino Unido. Hume nega

Leia mais

José Augusto Neves

José Augusto Neves P-37 NEUROLIDERANÇA O caminho sem volta José Augusto Neves janeves@institutomvc.com.br 11-3171-1645 Completeafrase: Os seres humanos, na sua natureza,são... A maneira como percebemos a realidade,influencia

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX)

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX) ROMANTISMO E IDEALISMO O Idealismo alemão sofreu forte influência, na sua fase inicial, do Romantismo, movimento cultural que se manifestou na Arte, na Literatura e na Filosofia. No seu ponto culminante,

Leia mais

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Reforço escolar M ate mática Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Dinâmica 7 9º ano 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9ª Geométrico Teorema de Pitágoras

Leia mais

Resenha HOBBES CONTRA DESCARTES

Resenha HOBBES CONTRA DESCARTES Resenha HOBBES CONTRA DESCARTES CURLEY, Edwin 1. Hobbes contre Descartes. IN: Descartes Objecter et répondre. (Org.) J. -M. Beyssade; J. - L. Marion. 1994. - p. 149-162. Edgard Vinícius Cacho Zanette 2

Leia mais