A CRIANÇA, OS CONCEITOS TEMPORAIS E A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO OCORRE ESSA RELAÇÃO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CRIANÇA, OS CONCEITOS TEMPORAIS E A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO OCORRE ESSA RELAÇÃO?"

Transcrição

1 1 A CRIANÇA, OS CONCEITOS TEMPORAIS E A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO OCORRE ESSA AÇÃO? Aluna: Jéssica Castro Nogueira (Pibic 2012) Aluna: Karla da Silva Martins (Pibic 2013) Orientadora: Zena Eisenberg Que é, pois, o tempo? Quem poderá explicá-lo clara e brevemente? Quem o poderá apreender, mesmo só com o pensamento, para depois nos traduzir por palavras o seu conceito? Quando dele falamos, compreendemos o que dizemos. Compreendemos também o que nos dizem quando dele nos falam. O que é, por conseguinte, o tempo? Se ninguém me perguntar, eu sei; se o quiser explicar a quem me fizer a pergunta, já não sei. (AGOSTINHO, 1996)¹ Introdução Os conceitos temporais estão presentes em vários momentos de nossas vidas e são aprendidos seja no âmbito escolar, nas diversas interações que vivenciamos no meio sociocultural, ou até mesmo através da nossa própria experiência no dia-a-dia. Mas, levando em consideração a sua complexidade, como as crianças constroem a noção de tempo? Elas entendem o que é possível fazer em uma hora ou que vai acontecer daqui a um mês? E a noção de passado e futuro, conseguem estabelecer as diferenças? No que se refere ao currículo escolar, os conceitos temporais se fazem presente nas disciplinas de Matemática, Ciências e História. Nesse sentido, dependendo da forma como as professoras trabalham esses conceitos temporais e do conhecimento prévio que seus alunos têm destes mesmos conceitos, a aprendizagem torna-se mais significativa, pois a temporalidade, neste caso, age como um requisito para a compreensão dos conteúdos dessas distintas áreas do conhecimento. Desta forma, Eisenberg, Nogueira, Silva & Xavier (2011)² analisaram a questão dos conteúdos temporais nos livros didáticos do 2º ao 5º anos adotados pelo Município de Vassouras, verificando que nas séries iniciais há uma preocupação com conceitos voltados para partes do dia e a rotina. Enquanto, nos anos finais o que predominam são os conceitos mais complexos, relacionados com ano, datas, mês, etc. Isto posto, o presente trabalho propõe identificar os conceitos temporais utilizados em sala de aula pelas professoras participantes da pesquisa, verificando o impacto que a pesquisa causou em suas práticas, através de novos questionamentos, a saber: como essas professoras

2 2 trabalham o tempo no dia-a-dia da sala de aula? Quais conceitos são trabalhados em cada ano escolar? Fundamentação teórica Vygotsky (2000)³ nos ajuda a entender como ocorre o processo da formação dos conceitos temporais pela criança. O autor discute os conceitos científicos e os espontâneos apontando as diferenças entre os dois no que se refere ao seu desenvolvimento e funcionamento. No primeiro é necessário que haja uma mediação do outro, de forma explícita, para que a assimilação e a construção desses conceitos ocorram. Por outro lado, nos conceitos espontâneos (atualmente chamados de cotidianos ), a própria criança é capaz de internalizá-los sem um acompanhamento ou uma mediação, podendo ocorrer de forma implícita no seu dia-a-dia. Metodologia A pesquisa faz parte de uma pesquisa maior financiada pela FAPERJ - através do Edital Apoio à melhoria do ensino em escolas públicas sediadas no Estado do Rio de Janeiro - realizada entre 2010 e Participaram duas escolas do Município de Vassouras (Escola A e Escola B), com alunos e professoras do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental, totalizando 160 alunos e 9 professoras. Em cada escola havia uma professora bolsista, responsável por enviar relatórios semanais com as atividades desenvolvidas pelas professoras das turmas participantes 1. A pesquisa foi dividida em três fases: (1) quando entramos em campo e fomos conhecendo o trabalho desenvolvido pelas professoras; (2) no meio do ano quando foi desenvolvido um curso de formação para as professoras, voltado para o trabalho com conceitos temporais em sala de aula, ministrado em 4 sessões e (3) quando as professoras desenvolveram suas atividades voltadas para o ensino de conceitos temporais fazendo uso das estratégias e materiais discutidos no curso. Assim sendo, nossa metodologia no presente trabalho foi de comparar as atividades realizadas no primeiro e no segundo momento da pesquisa antes e depois do curso de formação. 1 Aplicamos um teste temporal para verificar a noção de tempo dos alunos e por questão metodológica, não o fizemos com os alunos do 1º ano, uma vez que era necessário o domínio de habilidades de leitura do mesmo. Desta forma, apenas as professoras do 2º ao 5º ano participaram da pesquisa, contudo na escola A, a professora bolsista ministrava aulas em uma turma de 1º ano, coletando dados das outras professoras.

3 3 Análise de dados No decorrer do ano realizamos reuniões mensais com as bolsistas, nas quais elas traziam os relatórios semanais e cópias de atividades desenvolvidas em cada escola- algumas atividades foram entregues com as produções dos alunos. Analisamos as atividades enviadas por cada professora, enumerando-as e codificando-as de acordo com o tema temporal trabalhado. Verificamos quais conceitos temporais foram eleitos por elas, em quais disciplinas estavam inseridos, o ano para o qual foram elaborados e quais os seus assuntos. Neste trabalho iremos discutir qualitativamente os dados com base nos conceitos encontrados em cada ano escolar de cada escola. Analisamos e verificamos quais conceitos estavam presentes nas atividades eleitas e desenvolvidas pelas professoras. Resultados É importante esclarecer que na Escola B, a maioria dos dados coletados pela professora bolsista foi de sua própria turma, mas ela coletou também algumas atividades do 3 ano. Já na Escola A isso não aconteceu, pois a professora bolsista era do 1º ano e não participava da pesquisa. Assim, seu empenho em coletar atividades nas outras turmas parece ter sido maior. Na Escola A, a professora bolsista coletou atividades das professoras do 2 ao 5 anos. A partir de nossa análise das atividades, pudemos elencar alguns conceitos temporais trabalhados pelas professoras. A seguir descrevemos sua ocorrência nas atividades. Vimos que no 2º ano da Escola A, os conceitos de Instrumentos de Medir o Tempo foram trabalhados inicialmente. Após o curso de formação, as atividades relacionadas a este mesmo conceito foram trabalhadas também, buscando utilizar os conceitos de Hora e Relógio. Já na escola B, no primeiro momento, os conceitos de Hora, Rotina, Linha do Tempo, Matemática, Ano, Idade e Dia foram trabalhados. No segundo momento Passagem do Tempo, Instrumento de Medir o Tempo, Rotação/Translação, Linha do Tempo e Passado, Presente e Futuro foram abordados. No 3º ano da Escola A, há um equilíbrio entre os conceitos trabalhados no primeiro e no segundo momento, inicialmente utilizando Calendário e Dias da Semana e, posteriormente, Instrumento de Medir o Tempo. No mesmo ano na Escola B, recebemos apenas atividades relacionadas ao segundo momento e que eram referentes aos conceitos de Ano, Data, Matemática e Rotação/Translação. Não obtivemos atividades do 4 e 5 anos da Escola B. Na escola A, o 4º ano trabalhou mais História, enquanto no segundo momento Hora e Relógio. No 5º ano não ocorreu

4 4 predominância de nenhum conceito no primeiro momento; já no segundo o conceito Instrumento de Medir o Tempo foi o mais trabalhado. Conclusões Os resultados indicam que na Escola A as professoras, após o curso, passam a trabalhar uma maior variedade de conceitos temporais. Na Escola B, há uma diversidade dos conceitos trabalhados, focando em conceitos relacionados às mudanças temporais no segundo momento. Percebemos que, assim como nos livros didáticos, as professoras dos anos iniciais estão com o ensino voltado para conceitos mais simples, como rotina, objetos de medir, geração. Conforme vai avançando o ano escolar o ensino de conceitos mais complexos vai se ampliando, no quinto ano com ensino de milênio, século e com atividades de tempo matemático- o que se pressupõe que a criança já compreende os conceitos para fazer as contas matemáticas. Referências [1] AGOSTINHO, S. Confissões. Tradução de J. Oliveira Santos e Ambrósio de Pina. Coleção Os Pensadores, São Paulo: Nova Cultural, 1996 [2] EISENBERG, Z; NOGUEIRA, J.C; SILVA, A.C. V; XAVIER, N.M. A questão do tempo nos livros didáticos do 2º ao 5º ano. X CONPE. Maringá, [3]VYGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

5 5 Anexo 1 Tabela de frequência dos conceitos temporais do 2º ano de ambas as escolas 2º ano Escola A Escola B 1º Momento 2º Momento 1º Momento 2º Momento DIS ANO ANO PT DIA CAL ANO DAT GER DEC MIN DIA RTT DIS LT ROT ET GER HIS IDD LOC LT MAT PT ROT SEC SEM SQA

6 6 Anexo 2 Tabela de frequência dos conceitos temporais do 3º ano de ambas as escolas Escola A 3º ano Escola B 1º Momento 2º Momento 2º Momento ANO ANO ANO CAL CAL DAT DIA DAT MAT DIS DIA RTT ET DIS LT ROT SEM ET MIN SEM

7 7 Anexo 3 Tabela de frequência dos conceitos temporais do 4º ano da Escola A 4º ano Escola A 1º Momento 2º Momento ANO DAT GER HIS IDD LOC LT MAT ANO DIA MIN ROT SEG RTT

8 8 Anexo 4 Tabela de frequência dos conceitos temporais do 5º ano da Escola A 5º ano Escola A 1º Momento 2º Momento ANO ANO CAL CAL DIA DEC DIS DIA IDD IDD MAT MAT MIL MIN MIN SEM ROT SEC

O TEMPO E A CRIANÇA: UMA PESQUISA SOBRE OS CONCEITOS TEMPORAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O TEMPO E A CRIANÇA: UMA PESQUISA SOBRE OS CONCEITOS TEMPORAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL O TEMPO E A CRIANÇA: UMA PESQUISA SOBRE OS CONCEITOS TEMPORAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Aluna: Jéssica Castro Orientadora: Zena Eisenberg Introdução Uma criança que está no segundo ano entende quando falam

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DE PAIS E EDUCADORES PARA A CONSTRUÇÃO DA NOÇÃO DE TEMPO NA INFÂNCIA

A CONTRIBUIÇÃO DE PAIS E EDUCADORES PARA A CONSTRUÇÃO DA NOÇÃO DE TEMPO NA INFÂNCIA Departamento de Educação DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A CONTRIBUIÇÃO DE PAIS E EDUCADORES PARA A CONSTRUÇÃO DA NOÇÃO DE TEMPO NA INFÂNCIA Aluno: Renata Moreira lima Introdução De acordo com Vygotsky, uma das

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

A DISCIPLINARIZAÇÃO DA REDAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ABORDAGEM INICIAL. Resumo

A DISCIPLINARIZAÇÃO DA REDAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ABORDAGEM INICIAL. Resumo A DISCIPLINARIZAÇÃO DA REDAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ABORDAGEM INICIAL Fabiana Veloso de Melo Dametto-UFSM 1 Louise Cervo Spencer-UFSM GE: Políticas Públicas e Educação. Resumo Nos últimos anos, na contramão

Leia mais

A contribuição do PIBID na melhoria do ensino de Geografia Verônica Amparo Medeiros

A contribuição do PIBID na melhoria do ensino de Geografia Verônica Amparo Medeiros A contribuição do PIBID na melhoria do ensino de Geografia Verônica Amparo Medeiros Discente do Curso de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, campus

Leia mais

ETNOMATEMÁTICA NO GARIMPO: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

ETNOMATEMÁTICA NO GARIMPO: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA ETNOMATEMÁTICA NO GARIMPO: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Freudson Dantas de Lima 1 ; Francisco de Assis Bandeira 2 Mestrando em Ensino de Matemática pelo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO Introdução Mayara Carvalho Peixoto (UFCG) mayaracarvalho-@hotmail.com O currículo é tido como um resultado das tensões, conflitos e concessões culturais,

Leia mais

DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS EM RESOLVER QUESTÕES DE PROBABILIDADE

DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS EM RESOLVER QUESTÕES DE PROBABILIDADE ISSN 2177-9139 DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS EM RESOLVER QUESTÕES DE PROBABILIDADE Nitiele Medeiros Contessa nitielemc@gmail.com Laize Dariele de Lima Trindade trindadedariele@hotmail.com Géssica

Leia mais

A experimentação e o ensinoaprendizagem

A experimentação e o ensinoaprendizagem Xxxxxxxxx xxxxxxx A experimentação e o ensinoaprendizagem de Física. Ministrante: Prof. Nelson Reyes Marques (IF Sul-Rio-Grandense) www.nelsonreyes.com.br Prof. Marco Antonio Lessa (UCPel) I Introdução

Leia mais

OBSERVAÇÕES ACERCA DA APLICAÇÃO DO PRÉ-TESTE. Aluna: Jacinety Porto Orientadora: Zena Eisenberg

OBSERVAÇÕES ACERCA DA APLICAÇÃO DO PRÉ-TESTE. Aluna: Jacinety Porto Orientadora: Zena Eisenberg OBSERVAÇÕES ACERCA DA APLICAÇÃO DO PRÉ-TESTE Aluna: Jacinety Porto Orientadora: Zena Eisenberg Introdução Dentro do projeto de pesquisa O tempo no Ensino Fundamental do Rio de Janeiro: O que as crianças

Leia mais

1- Prof. Me. Dep. Química/UERN; 2- Alunos de Licenciatura em Química, Matemática e Física.

1- Prof. Me. Dep. Química/UERN; 2- Alunos de Licenciatura em Química, Matemática e Física. PIBID- O Ensino na Área de Ciências Exatas e Naturais com Alunos 1 ano A e 2 ano D do Ensino Médio no Centro de Educação Integrada Professor Eliseu Viana (CEIPEV) Mossoró/RN. Gama, K. K. S. 2 ; Leite,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ADOLESCENTES EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR MARTINS, Beatriz Rodrigues 1 ; ROSINI, Alessandra Monteiro 2 ; CORRÊA, Alessandro Sousa 3 ; DE CARVALHO, Deborah Nogueira 4 ;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

O ESTÁGIO DOCENTE NA POS-GRADUAÇÃO ESPAÇO OU LUGAR DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO?

O ESTÁGIO DOCENTE NA POS-GRADUAÇÃO ESPAÇO OU LUGAR DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO? O ESTÁGIO DOCENTE NA POS-GRADUAÇÃO ESPAÇO OU LUGAR DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO? Giovanna Ofretorio de Oliveira Martin Franchi Introdução O presente trabalho inserido na temática formação docente

Leia mais

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO.

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. SILVA, Gislene de Sousa Oliveira 1 Universidade Federal de Goiás Regional Catalão-GO. FIRMINO, Janaina Karla Pereira da S.

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME

PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME (...) a informática na educação (hoje) é um novo domínio da ciência que em seu próprio conceito traz embutida a idéia de pluralidade, de inter-relação

Leia mais

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Autor: Almir Lando Gomes da Silva (1); Co-autor: Antonio Fabio do Nascimento Torres (2); Coautor: Francisco Jucivanio

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Estatística Aplicada à Educação. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Estatística Aplicada à Educação. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Estatística Aplicada à Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Estatística: história e importância das

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 2ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADOS DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADOS DE CONCEITOS MATEMÁTICOS A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADOS DE CONCEITOS MATEMÁTICOS José Roberto Costa Júnior Universidade Estadual da Paraíba mathemajr@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Neste

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq

FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq INTRODUÇÃO Este texto apresenta a pesquisa em andamento

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO 4 CURRÍCULO DE MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO. Coordenação : Cydara Ripoll, Maria Alice Gravina, Vitor Gustavo de Amorim

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO 4 CURRÍCULO DE MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO. Coordenação : Cydara Ripoll, Maria Alice Gravina, Vitor Gustavo de Amorim RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO 4 CURRÍCULO DE MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO Coordenação : Cydara Ripoll, Maria Alice Gravina, Vitor Gustavo de Amorim Este Relatório se organiza em três partes: a primeira

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS REALIZADAS PELO PIBID/MATEMÁTICA/UFCG. Milton Ricardo G. de Lima RESUMO

RELATO DE EXPERIÊNCIAS REALIZADAS PELO PIBID/MATEMÁTICA/UFCG. Milton Ricardo G. de Lima RESUMO RELATO DE EXPERIÊNCIAS REALIZADAS PELO PIBID/MATEMÁTICA/UFCG CAMPINA GRANDE-PB Jacqueline Tavares Lúcio Milton Ricardo G. de Lima RESUMO O PIBID/UFCG/MATEMÁTICA-Campina Grande, atua em duas escolas, sendo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO EDUCACIONAL NO PROCESSO DO ENSINO DE BIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO EDUCACIONAL NO PROCESSO DO ENSINO DE BIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO EDUCACIONAL NO PROCESSO DO ENSINO DE BIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Paula Roberta Galvão Simplício paularoberta.gs@gmail.com Leonara Evangelista de Figueiroa Leonara100@gmail.com

Leia mais

Razão e fé. Filosofia MedievaL. Douglas Blanco

Razão e fé. Filosofia MedievaL. Douglas Blanco Razão e fé Filosofia MedievaL Douglas Blanco CRISTIANO PALAZZINI/SHUTTERSTOCK Aspectos gerais Correntes da filosofia medieval e principais representantes: Patrística (séc. II-V), com Agostinho de Hipona,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA OS JOGOS NA APRENDIZAGEM DA GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

RELATO DE EXPERIÊNCIA OS JOGOS NA APRENDIZAGEM DA GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL RELATO DE EXPERIÊNCIA OS JOGOS NA APRENDIZAGEM DA GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Amanda Violeta Morato * Fabrício Dener de Melo ** A população brasileira está cada vez mais inserida no mundo tecnológico

Leia mais

Reuniões Semanais e Mensais

Reuniões Semanais e Mensais Reuniões Semanais e Mensais Objetivos: Apresentar os bolsistas aos professores supervisores e distribuílos por escolas; Mostrar as atribuições de cada bolsista ou supervisor, as ações e metas do projeto.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA NO ESTADO DE SÃO PAULO: REFLEXÃO SOBRE O ESTÁGIO E PRÁTICAS DE ENSINO i

CURSO DE PEDAGOGIA NO ESTADO DE SÃO PAULO: REFLEXÃO SOBRE O ESTÁGIO E PRÁTICAS DE ENSINO i 1 CURSO DE PEDAGOGIA NO ESTADO DE SÃO PAULO: REFLEXÃO SOBRE O ESTÁGIO E PRÁTICAS DE ENSINO i LIMA, Vanda Moreira Machado Faculdade de Ciências e Tecnologia/UNESP- Presidente Prudente, SP Este artigo apresenta

Leia mais

Ações de Formação Continuada de Professores

Ações de Formação Continuada de Professores Ações de Formação Continuada de Professores Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Câmpus Guarulhos Relatório de Atividades da Equipe de Formação Continuada nos câmpus

Leia mais

ENESEB V ENCONTRO NACIONAL SOBRE O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 23 à 25 de julho de 2017 PAINEL/POSTER

ENESEB V ENCONTRO NACIONAL SOBRE O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 23 à 25 de julho de 2017 PAINEL/POSTER ENESEB V ENCONTRO NACIONAL SOBRE O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 23 à 25 de julho de 2017 PAINEL/POSTER JUVENTUDE SEUS SABERES, SUA CULTURA E SUA IDENTIDADE. Mirian Gomes de Souza Cristiane Santos

Leia mais

PIBID Ciências da Natureza/2011. Grupo de Química

PIBID Ciências da Natureza/2011. Grupo de Química PIBID Ciências da Natureza/2011 Grupo de Química TERRÁRIO COMO UNIDADE APRENDENTE Bolsistas: Adelaide Maldonado Cátia Carrazoni Lopes Emersom de Lima Soares Marli Spat Taha Sônia Flores Supervisora Química:

Leia mais

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas.

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas. AVALIAÇÃO POR COMPETÊNCIA: TEORIA E PRÁTICA NO CONTEXTO DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Camilla da Rosa Leandro (Bolsista PUIC) 1 Diva Marília Flemming (Profa. Orientadora) 2 INTRODUÇÃO Na Educação é frequente,

Leia mais

MULTILETRAMENTOS X O LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA INGLESA

MULTILETRAMENTOS X O LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA INGLESA MULTILETRAMENTOS X O LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA INGLESA Juliana Schinemann (ICV-UNICENTRO), Luciane Baretta (Orientador), e- mail: barettaluciane@gmail.com, Terezinha Marcondes Diniz Biazi (coorientador)

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Descobrindo e aplicando matemática por meio do software GeoGebra 1.2 Câmpus de

Leia mais

7.1. Discussão teórica A aula foi produzida a partir dos tópicos presentes no currículo nacional do Ensino Médio.

7.1. Discussão teórica A aula foi produzida a partir dos tópicos presentes no currículo nacional do Ensino Médio. 1. Escola: Aníbal de Freitas 2. Bolsista Aline Chinalia 3. Data: 05/08/2015 4. Atividade: Aula Tema: Equações do Segundo Grau 5. Duração: 1h20 min 6. Objetivo: O objetivo desta atividade é trabalhar um

Leia mais

INFORMÁTICA NO ENSINO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E SUPERIOR

INFORMÁTICA NO ENSINO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E SUPERIOR INFORMÁTICA NO ENSINO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E SUPERIOR Edilson Leite da Silva Universidade Federal de Campina Grande UFCG edilson.leite@cfp.ufcg.edu.br Introdução Ultimamente

Leia mais

O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Ana Beatriz Conejo, Josyane Fernanda Sgarbosa, Gabrielly Silva Guandalino, Lorenna Luciano

Leia mais

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas.

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas. Pacto Nacional Para o Fortalecimento do Ensino Médio Encontro de Planejamento Professor Formador de IES Duílio Tavares de Lima 03/2015 CADERNO 5 - Áreas de conhecimento e integração curricular Tema: Apresentação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS RIO VERDE O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde (IF Goiano Campus Rio

Leia mais

DOS PRIMEIROS AOS ATUAIS: A UTILIZAÇÃO DE EXPERIMENTOS HISTÓRICOS NAS AULAS DE FÍSICA

DOS PRIMEIROS AOS ATUAIS: A UTILIZAÇÃO DE EXPERIMENTOS HISTÓRICOS NAS AULAS DE FÍSICA DOS PRIMEIROS AOS ATUAIS: A UTILIZAÇÃO DE EXPERIMENTOS HISTÓRICOS NAS AULAS DE FÍSICA Autor(es): Ewerton Jefferson Barbosa Ferreira Gustavo Elia Assad Luciano Feitosa do Nascimento Sheilla da Silva Instituição:

Leia mais

Crazes Project: uma proposta de utilização de fanpages nas aulas de Língua Inglesa

Crazes Project: uma proposta de utilização de fanpages nas aulas de Língua Inglesa Crazes Project: uma proposta de utilização de fanpages nas aulas de Língua Inglesa Daniela Bernardino Évelyn Nagildo Souza O presente artigo é um relato conciso do Estágio de Docência em Língua Inglesa

Leia mais

MILLER, Julia Ulrich, 1 ; BUENEVIDES, Kênia Gabriela 2 ; AREND, Michele Catherin 1 Instituto Federal Catarinense IFC. Camboriú/SC; INTRODUÇÃO

MILLER, Julia Ulrich, 1 ; BUENEVIDES, Kênia Gabriela 2 ; AREND, Michele Catherin 1 Instituto Federal Catarinense IFC. Camboriú/SC; INTRODUÇÃO QUAL A PORCENTAGEM DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFC-CC, QUE SEGUEM SEUS ESTUDOS NA MESMA ÁREA E A INFLUÊNCIA DA DISCIPLINA DE PRÁTICAS PARA ESTA ESCOLHA. MILLER, Julia Ulrich, 1 ; BUENEVIDES, Kênia

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-metodológicos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - A Coordenação do Curso de Licenciatura em Química da UTFPR Campus

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL

RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL 08932243409 Eixo temático: Etnomatemática e as relações entre tendências em educação Matemática. RESUMO: Este trabalho visa

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio PLANO DE ENSINO Curso Disciplina/Carga horária Professor Responsável Licenciatura em Matemática ESTG 04- Estágio Supervisionado IV (150h.a) Nome: Marleide Coan Cardoso email:marleide@ifc-sombrio.edu.br

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: MATERIAIS BOTÂNICOS COMO INSTRUMENTOS DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. AUTORES: Marsílvio Gonçalves Pereira 1, Zoraida M. de Medeiros Gouveia

Leia mais

1.1.1 O que é o Estágio?

1.1.1 O que é o Estágio? 1.1 Estágio Curricular supervisionado Todo o Projeto de estágio e suas considerações foram elaborados pela Professora Fabiana Chinaglia. Abaixo segue o projeto, os anexos podem ser vistos no caderno de

Leia mais

PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Augustinópolis 2017.2 1 - NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior, com carga horária de

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Alfabetização Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

SALAS DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA DE 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

SALAS DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA DE 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALAS DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE Sandra Regina RICCI Mestranda em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás sandraricci@brturbo.com.br

Leia mais

PINTANDO COM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CARTILHA INSTRUCIONAL DO PROFESSOR. ¹

PINTANDO COM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CARTILHA INSTRUCIONAL DO PROFESSOR. ¹ PINTANDO COM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CARTILHA INSTRUCIONAL DO PROFESSOR. ¹ HENRIQUE, Helen de Oliveira²; BIZERRA, Adais Alves³; SILVA, Laiana Luiza da⁴; LIMA, Lorrany

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Médio Etec Código: Município: Área de conhecimento: Componente Curricular: Série: C. H. Semanal: Professor: I Competências e respectivas habilidades e valores 1 1

Leia mais

O PIBID E OS JOGOS LÚDICOS COMO METODOLOGIA ALTERNATIVA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO: JOGO DAS TRÊS PISTAS

O PIBID E OS JOGOS LÚDICOS COMO METODOLOGIA ALTERNATIVA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO: JOGO DAS TRÊS PISTAS O PIBID E OS JOGOS LÚDICOS COMO METODOLOGIA ALTERNATIVA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO: JOGO DAS TRÊS PISTAS Aline dos Santos Silva (UFCG); Gerlândia Estevam do Nascimento (UFCG); Israel

Leia mais

PRIMEIRO DIA/ MATUTINO

PRIMEIRO DIA/ MATUTINO PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO MEC / FNDE GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEX NÚCLEO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA APRESENTAÇÃO Apresentar os resultados do XVII ENDIPE tem para nós o significado especial de dever cumprido. É a alegria de fazermos parte desta história, de estarmos juntos nesta caminhada de mais uma

Leia mais

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) ESCOLA MUNICIPAL HERMANN GMEINNER Bolsistas: Jacqueline Cristina de Medeiros Supervisora: Patrícia

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Carla de Araújo Universidade Estadual da Paraíba tapcarla@gmail.com Profª. Dra. Abigail Fregni Lins Universidade Estadual

Leia mais

LEMBRANÇA DOS MESTRES (CÂMPUS CAMBORIÚ) E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA 1

LEMBRANÇA DOS MESTRES (CÂMPUS CAMBORIÚ) E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA 1 LEMBRANÇA DOS MESTRES (CÂMPUS CAMBORIÚ) E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA 1 Arthur de Souza Fernandes 2 ; Sirlei de Fátima Albino 3 INTRODUÇÃO A pesquisa teve como objetivo investigar as lembranças

Leia mais

AS PREOCUPAÇÕES METODOLÓGICAS. A participação do aluno na elaboração de seu conhecimento é um dos pontos

AS PREOCUPAÇÕES METODOLÓGICAS. A participação do aluno na elaboração de seu conhecimento é um dos pontos AS PREOCUPAÇÕES METODOLÓGICAS A participação do aluno na elaboração de seu conhecimento é um dos pontos fundamentais da concepção atual de aprendizagem. Esta participação deve, porém, ser orientada tendo

Leia mais

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores.

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DE FUTUROS PROFESSORES Resumo Jéssica da Costa Ricordi 1 - UFPR Neila Tonin Agranionih 2 UFPR O artigo objetiva apresentar e analisar concepções de acadêmicos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Fundamentos e Metodologia em Educação Infantil II Código da Disciplina: EDU 334 Curso: Pedagogia Período de oferta da disciplina: 6º Faculdade responsável: PEDAGOGIA

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

A Presença do Tempo na Creche e na Escola

A Presença do Tempo na Creche e na Escola A Presença do Tempo na Creche e na Escola EDU - Departamento de Educação Aluna: Roseli da Silva Barros A Presença do Tempo na Creche e na Escola Aluna: Roseli da Silva Barros Orientadora: Zena Winona Eisenberg

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES 2014 Língua Portuguesa Momentos de formação 1º Momento: Avaliação Externa e em Larga Escala. 2º Momento: Resultados. 2 1º Momento Avaliação

Leia mais

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino.

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. A idéia de ação mediada que trazemos para compreender a sala de aula inspira-se nos estudos de James Wertsch, discutidas em seu livro Mind as Action

Leia mais

O MOVIMENTO DOS ESTUDANTES DE UMA TURMA DE PRIMEIRO ANO DE ENSINO MÉDIO: ENTRE OS MOMENTOS DE ESTUDOS E AS MOTIVAÇÕES

O MOVIMENTO DOS ESTUDANTES DE UMA TURMA DE PRIMEIRO ANO DE ENSINO MÉDIO: ENTRE OS MOMENTOS DE ESTUDOS E AS MOTIVAÇÕES O MOVIMENTO DOS ESTUDANTES DE UMA TURMA DE PRIMEIRO ANO DE ENSINO MÉDIO: ENTRE OS MOMENTOS DE ESTUDOS E AS MOTIVAÇÕES Resumo Luiz Gustavo Pampu Mestre em Educação Professor do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof.ª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

RELATÓRIO PREVISTO E REALIZADO PROJETO VARGEM GRANDE: COMUNIDADE SAUDÁVEL AGOSTO INTRODUÇÃO

RELATÓRIO PREVISTO E REALIZADO PROJETO VARGEM GRANDE: COMUNIDADE SAUDÁVEL AGOSTO INTRODUÇÃO RELATÓRIO PREVISTO E REALIZADO PROJETO VARGEM GRANDE: COMUNIDADE SAUDÁVEL AGOSTO 2016 1. INTRODUÇÃO Neste mês, inúmeras transformações aconteceram no projeto. Temos um grande desafio: a mudança de endereço

Leia mais

A BIBLIOTECA ESCOLAR: LOCALIZANDO O ESPAÇO DO LIVRO INFANTIL NA ESCOLA PÚBLICA EM HUMAITÁ

A BIBLIOTECA ESCOLAR: LOCALIZANDO O ESPAÇO DO LIVRO INFANTIL NA ESCOLA PÚBLICA EM HUMAITÁ 00086 A BIBLIOTECA ESCOLAR: LOCALIZANDO O ESPAÇO DO LIVRO INFANTIL NA ESCOLA PÚBLICA EM HUMAITÁ Francisca Chagas da Silva Barroso e-mail: fsilvabarroso@yahoo.com.br Universidade Federal do Amazonas RESUMO

Leia mais

Arquiteturas Pedagógicas para Educação a Distância. Maira Bernardi e Kellen A. da Silva 1

Arquiteturas Pedagógicas para Educação a Distância. Maira Bernardi e Kellen A. da Silva 1 Arquiteturas Pedagógicas para Educação a Distância Maira Bernardi e Kellen A. da Silva 1 Introdução Esta pesquisa apresenta a aplicação e validação de um objeto de aprendizagem (OA) chamado ARQUEAD 2,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE RELATÓRIO DA ANÁLISE DOS DADOS DA AVALIAÇÃO DO SEMESTRE 2014/2 DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS:

Leia mais

TRABALHANDO O LIVRO DIDÁTICO: Com produção de maquetes no Ensino de História Medieval

TRABALHANDO O LIVRO DIDÁTICO: Com produção de maquetes no Ensino de História Medieval TRABALHANDO O LIVRO DIDÁTICO: Com produção de maquetes no Ensino de História Medieval Autora Rosangela Silva Barros dos Santos 1 rosangelasilvabarros@hotmail.com Dr. Hamilton Afonso de Oliveira 2 hamiltonafonso@uol.com.br

Leia mais

LUZ, COR E VISÃO: FORMAÇÃO E MISTURA DAS CORES

LUZ, COR E VISÃO: FORMAÇÃO E MISTURA DAS CORES XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física SNEF 2009 Vitória, ES 1 LUZ, COR E VISÃO: FORMAÇÃO E MISTURA DAS CORES Alexandre Campos 1, * Tadeu Nunes de Souza 2, Elcio de Souza Lopes 3 1 Lapef/FEUSP e Escola

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 3ª Rosemeire Meinicke/Gustavo Lopes 6º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade H47- Resolver problemas que envolvam potenciação de números naturais. 1. Números naturais (N) 1.4-

Leia mais

MATEMÁTICA PARA A COMUNIDADE

MATEMÁTICA PARA A COMUNIDADE 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MATEMÁTICA PARA A COMUNIDADE SANTOS, Welington 1 SANSANA,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

O ENSINO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA: PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA ATENDIDA PELO PIBID BIOLOGIA

O ENSINO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA: PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA ATENDIDA PELO PIBID BIOLOGIA O ENSINO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA: PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA ATENDIDA PELO PIBID BIOLOGIA Thamyres Cavalcante Rodrigues (1); Jonatas Pereira de Lima (2);

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Médio Etec Professora Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município: Ribeirão Pires Área de conhecimento: Ciências da Natureza, matemática e suas tecnologias. Componente

Leia mais

LEARNING VERDADES. Pergunta: A flexibilidade do e-learning permite a qualquer pessoas de participar a processos educativos?

LEARNING VERDADES. Pergunta: A flexibilidade do e-learning permite a qualquer pessoas de participar a processos educativos? VERDADES, SONHOS, ENGANOS SOBRE O E- LEARNING VERDADES Pergunta: A flexibilidade do e-learning permite a qualquer pessoas de participar a processos educativos? Resposta: Sim ) Flexibilidade temporal (o

Leia mais

60 mins anos de idade. Um Projeto de Energia para Os Metas Globais. Preparação. Assuntos. Resultado do aprendizado

60 mins anos de idade. Um Projeto de Energia para Os Metas Globais. Preparação. Assuntos. Resultado do aprendizado Um Projeto de Energia para os Metas Globais P1 "A humanidade é o principal fator na mudança climática global. Para proteger nosso mundo para as gerações futuras, como professores, temos de oferecer oportunidades

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação. Plano de Ensino 2º Quadrimestre de Caracterização da disciplina Práticas de Ensino de Biologia l NHT

Pró-Reitoria de Graduação. Plano de Ensino 2º Quadrimestre de Caracterização da disciplina Práticas de Ensino de Biologia l NHT Código da disciplina: NHT1083-15 Nome da disciplina: Caracterização da disciplina Práticas de Ensino de Biologia l Créditos (T- P-I): Código da turma: Docente(s) responsável(is): (2-1-4) Carga horária:

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Pamela dos Santos Bezerra IFSP Câmpus Caraguatatuba

Leia mais

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução 1 Introdução Um estudo de doutorado é, a meu ver, um caso de amor, e em minha vida sempre houve duas grandes paixões imagens e palavras. Escolhi iniciar minha tese com o poema apresentado na epígrafe porque

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE World English. Ensino de Inglês. PIBID. Multiletramento.

PALAVRAS-CHAVE World English. Ensino de Inglês. PIBID. Multiletramento. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

APLICAÇÃO DA FÍSICA EXPERIMENTAL NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO JOSÉ GONÇALVES DE QUEIROZ

APLICAÇÃO DA FÍSICA EXPERIMENTAL NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO JOSÉ GONÇALVES DE QUEIROZ APLICAÇÃO DA FÍSICA EXPERIMENTAL NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO JOSÉ GONÇALVES DE QUEIROZ José Vanderlan L. OLIVEIRA 1, Adriano Trindade de BARROS 1, Janduy Guerra de ARAÚJO 1 Osvaldo

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /.

CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /. CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /. DISCIPLINA (Fundamentação) PLADIS FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR

Leia mais

PENSAMENTOS DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS SOBRE SABERES DOCENTES: DEFINIÇÕES, COMPREENSÕES E PRODUÇÕES.

PENSAMENTOS DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS SOBRE SABERES DOCENTES: DEFINIÇÕES, COMPREENSÕES E PRODUÇÕES. PENSAMENTOS DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS SOBRE SABERES DOCENTES: DEFINIÇÕES, COMPREENSÕES E PRODUÇÕES. Amayra Rocha da Silva Graduanda do Curso de Pedagogia. Bolsista-CNPq, UFPI. Profª. Drª. Maria da

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE EDO: UM EXPERIMENTO COM AMPULHETA

MODELAGEM MATEMÁTICA COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE EDO: UM EXPERIMENTO COM AMPULHETA 1 MODELAGEM MATEMÁTICA COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE EDO: UM EXPERIMENTO COM AMPULHETA Ives Lima Pereira 1 ; José Arteiro Claudino Chaves 2 ; Neurivan Humberto Cardoso de Castro 3 ; Roberto Arruda Lima

Leia mais

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 RESUMO Melquisedec Anselmo da Costa AZEVEDO

Leia mais

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem 1 AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem Ernesto F. L. Amaral 03 de setembro de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.33-42 & 43-55.

Leia mais