Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes"

Transcrição

1 Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes

2 FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade pela sensibilidade, perceber que o conhecimento não é apenas resultado da atividade intelectual, mas também da imaginação, da intuição. A estética valoriza o conhecimento sensitivo.

3 O que é arte? A arte, antes de tudo e em primeiro lugar, embeleza a vida, portanto, fazer com que nós próprios nos tornemos suportáveis e, se possível, agradáveis aos outros. Expressão de uma boa ideia; Expressão de emoções e pensamentos. (Nietzsche)

4 Derivada do termo latino Ars, correspondente a techne em grego, que significa TÉCNICA. Domínio sobre uma técnica = HABILIDADE ou DESTREZA Arte da guerra, arte política, arte do amor, arte da retórica, etc.

5 Medida da visão espiritual do ser humano; Resultado da necessidade de comunicação entre os seres humanos; Importante instrumento para o desenvolvimento da consciência humana; Expressão que ultrapassa os limites do espaço e do tempo;

6 Até a Idade Média as artes eram classificadas em: Liberais (atividades intelectuais): dignas dos homens livres: lógica, gramática, retórica, aritmética, geometria, astronomia e música. Mecânicas ou servis (menos honroso): arquitetura, escultura, pintura, tecelagem, olaria, agricultura, etc. Aqui se evidencia a distinção entre corpo e alma distinção platônica entre o nível da percepção sensível e o nível do entendimento ou da razão.

7 Renascimento: começa-se a perceber a arte para além de um domínio ou uma técnica. É um fazer artístico mais que uma habilidade; É na forma como se faz e a finalidade com que é feita que uma obra se torna arte; A partir da ideia de belo é que se foi definindo o espaço específico, a natureza e o caráter da obra de arte. BELAS ARTES: pintura, escultura, arquitetura, teatro, dança e literatura.

8 Atualmente a arte adquiriu valor tão subjetivo que mesmo algo considerado feio pode ter valor artístico. Diferentes materiais e técnicas, misturados à liberdade de expressão tornam difíceis distinguir o que de fato é uma obra de arte.

9 Conjunto organizado de signos e materiais, posto em forma por um espirito criador, conjunto cuja beleza proporciona satisfação desinteressada. O que é uma obra de arte

10 É uma recriação simbólica da realidade; É um modo simbólico que o ser humano utiliza para dar significado ao mundo; É o modo pelo qual o artista reinventa a realidade, reordena o mundo através de movimentos, formas, cores e sons, revelando as diversas possibilidades de manifestação da realidade. É uma releitura do mundo, uma reinterpretação do real. A arte não tem o propósito de simplesmente imitar a realidade, mas procura dar sentido a ela.

11 Provoca questionamentos, reflexões, emoção, pensamento, ocupa nossos sentidos e nossa mente; É uma forma do ser humano dar asas à sua imaginação

12 Para compreender uma obra de arte é necessário uma sensibilidade treinada, disponibilidades e certo senso crítico.

13 De certa forma, a arte consiste num brincar com a realidade: Expressamos nossos anseios e fortalecemos nossos valores; É como se através dela adquirimos o poder de fazer com que com que a realidade fosse como desejamos.

14 O BELO E O FEIO: A QUESTÃO DO GOSTO CAPÍTULO VI

15 CADA SOCIEDADE E CADA ÉPOCA HISTÓRICA DETERMINAM SEUS PADRÕES DE BELEZA Antiguidade/Medieval Contemporânea

16 SERÁ A ESTÉTICA A EXPRESSÃO DA BELEZA MATERIAL?

17 MAS O QUE É ESTÉTICA? Ramo da Filosofia que estuda o belo e as leis gerais da crítica e do gosto, aplicados à avaliação e a apreciação dos produtos da inteligência humana sob o ponto de vista artístico. A palavra estética vem do grego aisthetikos e significa faculdade de sentir, perceber pelos sentidos.

18 O que é o belo? O conceito de beleza sofreu mudanças significativas ao longo do tempo. Tendo sua origem na Grécia Antiga, o conceito de beleza era produto de uma determinada filosofia de vida: qualidades humanas = Deuses gregos Idealização do homem

19 Os padrões de beleza da civilização grega foram herdados pelos romanos e cultivados pelos renascentistas.

20 Foi no Renascimento que se deu a união teórica do belo com a arte. A essa união se juntou também a ideia de natureza. Como pensava Leonardo da Vinci, a natureza é a fonte de toda beleza que será revelada pelo artista em suas produções. A partir desse momento, será arte sujeita à beleza natural, responsável por gerar a chamada beleza artística.

21 Alexander Gottlieb Baumgarten ( ) Filósofo alemão; Suas obras foram Meditações Filosóficas Sobre a Questões da Obra Poética (1735), ou conhecida como Aesthetica ( ). Criando o termo "estética", designou a ciência que trata do conhecimento sensorial que chega à apreensão do belo e se expressa nas imagens da arte, em contraposição à lógica como ciência do saber cognitivo.

22 O conhecimento do Belo, para o filósofo, é visto como a perfeição do conhecimento sensível; no entanto, esta perfeição, se comparada ao saber estritamente racional, é considerada uma apreensão da realidade menos clara que o saber de tipo lógico. Estética é a área da filosofia que estuda racionalmente o belo - aquilo que desperta a emoção estética por meio da contemplação - e o sentimento que ele suscita nos homens. A palavra estética vem do grego aesthesis, que significa conhecimento sensorial ou sensibilidade, e foi adotada pelo filósofo alemão Alexander Baumgarten ( ) para nomear o estudo das obras de arte como criação da sensibilidade, tendo por finalidade o belo.

23 Os diversos sentidos para a palavra belo Para os gregos antigos: Estético Moral espiritual

24 O belo no sentido: Estético: qualidade de certos elementos em seu estado de pureza, formas abstratas, como a simetria e as proporções definidas, a qualidade, as relações de harmonia adequação aos sentidos. Moral: beleza é o patrimônio das almas equilibradas, que se mantém em harmonia consigo mesmas. Para Aristóteles, a medida do bem é a igual distância da virtude e do vício, ocupando o meio termo da moderação para Sócrates, a beleza consistia na exta utilidade de cada coisa ou ser. Aquilo que é útil não poderia ser considerado belo. Espiritual ou teórico: conhecimento teórico.

25 Fazer arte: expressar sentimentos criando novas alternativas através de novas linguagens; Arte e realidade

26 Platão e Aristóteles entendem a arte sob o ponto de vista da poética. Platão, levando em conta o caráter representativo da pintura e da escultura, afirma que essas manifestações artísticas estão abaixo da verdadeira beleza humana. Para ele somente a poesia e a música poderiam exercer influência sobre os nossos estados de ânimo, o que poderia afetar negativa ou positivamente o nosso comportamento moral.

27 Aristóteles, em sua obra Poética, desenvolveu ideias relativas às artes faladas e escritas, do canto e da dança, poesia e teatro

28 Arte e sociedade

29 Por meio de sua obra, o artista interage com a sociedade, dividindo com ela seus mais profundos desejos e emoções, através de palavras, sons, gestos, etc. portanto a arte é um meio de socialização dos sentimentos humanos.

30 A arte como fenômeno social A arte é um fenômeno social porque há um vínculo direto do artista com a sociedade em que ele está inserido. Desse modo é que a arte é entendida como fenômeno social. O artista reflete na obra de arte sua maneira de ver o mundo, seus desejos, emoções, alegrias, tristezas, angústias, esperanças e medos. A obra de arte é percebida socialmente: é elemento de comunicação entre o seu criador e os que tem a oportunidade de apreciá-la.

31 Imitação, criação, construção e imaginação O artista, partindo da teoria da imitação, considera a obra de arte como sendo uma reprodução do real sensível. A arte não imita a natureza, expressa suas emoções vividas no cotidiano.

32 O artista, por meio de sua criatividade, produz um objeto radicalmente novo

33 A arte é a expressão da imaginação criativa.

Aluno: Série/ano: 9º Turma: Turno: Professor: Data: / / FILOSOFAR É CONHECER

Aluno: Série/ano: 9º Turma: Turno: Professor: Data: / / FILOSOFAR É CONHECER Aluno: Série/ano: 9º Turma: Turno: Professor: Data: / / FILOSOFAR É CONHECER O conhecimento é a relação que se estabelece entre alguém e alguma coisa, movida pela curiosidade. Em outras palavras: o conhecimento

Leia mais

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e A Estética A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e juízos que são despertados ao observar uma

Leia mais

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. Alfredo Bosi (São Paulo, 26 de agosto de 1936) é um professor universitário, crítico e historiador de literatura brasileira, e também imortal

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou

Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada a partir da percepção, das emoções

Leia mais

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com PLOTINO A BELEZA FÍSICA É UMA IMAGEM QUE POSSIBILITA AO HOMEM PRESSENTIR A BELEZA DA ALMA, A QUAL, EM

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

TEORIA DO DESIGN. Aula 03 Composição e a História da arte. Prof.: Léo Diaz

TEORIA DO DESIGN. Aula 03 Composição e a História da arte. Prof.: Léo Diaz TEORIA DO DESIGN Aula 03 Composição e a História da arte Prof.: Léo Diaz O QUE É ARTE? Definição: Geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa,

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da. moda, segundo Simón Marchán Fiz, em seu livro La estética em La cultura

Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da. moda, segundo Simón Marchán Fiz, em seu livro La estética em La cultura A QUESTÃO DA ESTÉTICA Por: Paulo Roberto Monteiro de Araujo. AULA PÓS-GRADUAÇÃO EAHC -2012. Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da moda, segundo Simón Marchán Fiz, em

Leia mais

seres da natureza quanto os homens são cópias sensíveis de modelos originais inteligíveis. A partir desta teoria Platão

seres da natureza quanto os homens são cópias sensíveis de modelos originais inteligíveis. A partir desta teoria Platão Atividade extra Fascículo 3 Filosofia Unidade 5 Questão 1 Em sua teoria da ideias, Platão divide a realidade em dois universos distintos: o inteligível e o sensível. O primeiro é constituído pelas formas

Leia mais

ARTE: Conceito, Origem e Função

ARTE: Conceito, Origem e Função ARTE: Conceito, Origem e Função Irama Sonary de Oliveira Ferreira Lívia Freire de Oliveira INTRODUÇÃO Arte é conhecimento, e partindo deste princípio, pode-se dizer que é uma das primeiras manifestações

Leia mais

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia.

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia. Platão era filho da aristocracia ateniense. Foi discípulo de Sócrates. Sua obra reflete o momento caótico pelo qual passou Atenas no decorrer de sua vida A crise da sociedade ateniense está ligada à guerra

Leia mais

BAUMGARTEN E O BELO SCHILLER E O JOGO ESTÉTICO

BAUMGARTEN E O BELO SCHILLER E O JOGO ESTÉTICO COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Sebastião Malucelli, 1312 CEP 81050-270 Fone/Fax:3246-3945/3248-6033/3346-4230 Curitiba Paraná BAUMGARTEN E O BELO Baumgarten define Estética,

Leia mais

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC SOCIOLOGIA Prof. Carlos Eduardo Foganholo Colégio CEC Cultura - Conceitos Todos os seres humanos possuem cultura. Ninguém tem mais cultura que outra pessoa Não existe cultura superior ou inferior, uma

Leia mais

estética & filosofia da arte

estética & filosofia da arte estética & filosofia da arte carlos joão correia 2013-2014 2ºSemestre ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE http://2014estetica.blogspot.pt carlosjoaocorreia@gmail.com Avaliação: 1. Alunos internos: 1.1. elaboração

Leia mais

"A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde)

A verdade jamais é pura e raramente é simples. (Oscar Wilde) "A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde) Qual é a verdade? São possíveis várias realidades? É possível que haja mais verdades na realidade do que podemos perceber? As sensações podem

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES DAVID HUME - COMPAIXÃO Nascimento: 7 de maio de 1711 Edimburgo, Reino Unido. Morte: 25 de agosto de 1776 (65 anos) Edimburgo, Reino Unido. Hume nega

Leia mais

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I 4 MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I MINISTRADA PELO PROFESSOR MARCOS PEIXOTO MELLO GONÇALVES PARA A TURMA 1º T NO II SEMESTRE DE 2003, de 18/08/2003 a 24/11/2003 O Semestre

Leia mais

ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO. Dora Incontri

ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO. Dora Incontri ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO Dora Incontri 10 Questões sobre Arte e Espiritismo 1 Dora Incontri 1- Existe Arte Espírita? Depende como se entende o conceito. A Arte

Leia mais

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea V Congresso Espiritismo O Céu e o Inferno de Platão e Dante à Kardec O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea Agosto de 2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual a melhor receita para uma vitamina

Leia mais

Mas por que à simples relação de fatos, à meia expressão de emoções por meio da escrita chamamos arte como à pintura, à escultura, à música?

Mas por que à simples relação de fatos, à meia expressão de emoções por meio da escrita chamamos arte como à pintura, à escultura, à música? O que é Literatura? Segundo o crítico e historiador literário José Veríssimo, várias são as acepções do termo literatura: conjunto da produção intelectual humana escrita; conjunto de obras especialmente

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Mariana Roncarati Mestranda em Educação - UNIRio/ CAPES; Psicomotricista Uni-IBMR; Especialista em Educação Infantil PUC-Rio m_roncarati@hotmail.com

Leia mais

HTAU I O que é Arquitetura?

HTAU I O que é Arquitetura? BIBLIOGRAFIA BÁSICA: COLIN, Silvio. Uma Introdução à Arquitetura. Rio de Janeiro: UAPÊ, 2000. a rquitetura. S.f. Arte de criar espaços organizados e animados, por meio do agenciamento urbano e da edificação,

Leia mais

Ambição de colocar diante do observador uma semelhança convincente das aparências reais das coisas

Ambição de colocar diante do observador uma semelhança convincente das aparências reais das coisas O naturalismo constitui uma noção fundamental que marcou profundamente grande parte da arte ocidental, da antiga Grécia até o final do século XIX, com uma única interrupção, durante a Idade Média CONCEITO

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I ANEXO I QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I Desemho básico Desemho intermediário Desemho básico de observação Desenho de observação Fotografia

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 1, Ano SOBRE A ARTE. Graça Castell

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 1, Ano SOBRE A ARTE. Graça Castell 72 SOBRE A ARTE Graça Castell graca.castell@bol.com.br Brasília-DF 2006 73 SOBRE A ARTE Resumo Graça Castell 1 graca.castell@bol.com.br Este é um pequeno comentário a respeito da Arte, seu significado,

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Prof Bruno Tamancoldi META DA AULA Apresentar conceitos sobre o Conhecimento, partindo da Filosofia, distinguindo Ciência e senso comum. OBJETIVOS conceituar lógica e raciocínio;

Leia mais

R enascimento. Prof.: André Vinícius Magalhães

R enascimento. Prof.: André Vinícius Magalhães R enascimento Prof.: André Vinícius Magalhães O que é Renascimento????? O termo Renascimento é comumente aplicado à Europa entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO Tipos de Letras Diferenciação entre o espaço bi e tridimensional, espaço e volume e suas conexões com as formas o espaço teatral, o corpo em movimento e o som no espaço. Cores Arte rupestre 6ª ANO 5ª SÉRIE

Leia mais

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS UMA COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE CADA HEMISFÉRIO esquerdo Verbal: usa palavras para nomear, descrever e definir; Analítico: decifra as coisas de maneira sequencial e por partes;

Leia mais

Estudo dirigido. Segunda Avaliação. Capitulo 2 A arte no Egito

Estudo dirigido. Segunda Avaliação. Capitulo 2 A arte no Egito Segunda Avaliação Estudo dirigido Capitulo 2 A arte no Egito 01 É do nosso conhecimento que a Civilização Egípcia era socialmente complexa e culturalmente muito rica, mas podemos destacar desse contexto

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP ÉTICA PROFISSIONAL Curso de Engenharia UNIP O QUE É ÉTICA? O QUE É ÉTICA? Tradicionalmente é entendida como um estudo ou uma reflexão sobre os costumes ou sobre as ações humanas. Pode ser entendida também

Leia mais

Top 5 de Filosofia: Questões Enem

Top 5 de Filosofia: Questões Enem Top 5 de Filosofia: Questões Enem Top 5 de filosofia: Questões Enem 1. (Enem 2012) Anaxímenes de Mileto disse que o ar é o elemento originário de tudo o que existe, existiu e existirá, e que outras coisas

Leia mais

Da fotografia à pintura A construção do olhar a partir de um imagético processual lírico

Da fotografia à pintura A construção do olhar a partir de um imagético processual lírico Da fotografia à pintura A construção do olhar a partir de um imagético processual lírico Rafael Teixeira de Resende 1 O presente relato visa refletir sobre o processo de criação do Artista capixaba Rafael

Leia mais

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO Inscrição Título do Projeto RESULTADO A EXPRESSÃO DO INEXPRIMÍVEL NA ARTE: SOBRE O TEOR COGNITIVO DO CONCEITO DE CONTEÚDO DE VERDADE DAS D001 OBRAS DE ARTE E SUA

Leia mais

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia- Corpo, movimento e linguagem na era da informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.2 Conteúdos Cores

Leia mais

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina.

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. Daniela Pedroso Secretaria Municipal da Educação de Curitiba EQUIPE CLEONICE DOS

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento Aula 4 Renascimento Renascimento ou Renascença O florescimento intelectual e artístico que começou na Itália no século XIV, culminou nesse país no século XVI e influenciou enormemente outras partes da

Leia mais

França René Descartes ( ) Inglaterra John Locke ( ) e David Hume - ( ) Alemanha Immanuel Kant ( )

França René Descartes ( ) Inglaterra John Locke ( ) e David Hume - ( ) Alemanha Immanuel Kant ( ) Antecedentes filosóficos da fenomenologia França René Descartes (1596 1650) Inglaterra John Locke (1632 1704) e David Hume - ( 1711 1776) Alemanha Immanuel Kant (1724 1804) Os gregos indagavam: Como o

Leia mais

EDUCAÇÃO ESTÉTICA ONTEM E HOJE: UM PERCURSO, UMA TRAJETÓRIA...

EDUCAÇÃO ESTÉTICA ONTEM E HOJE: UM PERCURSO, UMA TRAJETÓRIA... EDUCAÇÃO ESTÉTICA ONTEM E HOJE: UM PERCURSO, UMA TRAJETÓRIA... RESUMO Tamara Martielle B.P. de Arruda 1 Ana Iara Silva de Deus 2 Este ensaio aborda aspectos da Educação Estética no âmbito educacional,

Leia mais

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES VER MAPA E S T A N T E 5 E S T A N T E 4 B E S T A N T E 4 A E S T A N T E 3 B E S T A N T E 3 A E S T A N T E 2 B E S T

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE

LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE P2-4º BIMESTRE 8º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender os aspectos históricos-sociais referentes aos objetos

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

AS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS HOWARD GARDNER

AS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS HOWARD GARDNER AS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS HOWARD GARDNER Professor Monteiro Oficina de Criatividade Professores do Eixo Gestão e negócios Centro Técnico de Capacitações Centro Paula Souza SP MAPA MENTAL DAS INTELIGÊNCIAS

Leia mais

Pichação e grafite: qual o limite entre arte e vandalismo?

Pichação e grafite: qual o limite entre arte e vandalismo? Pichação e grafite: qual o limite entre arte e vandalismo? Para pensar... O que é arte? O que seria arte de rua? O que é pichação? O que é grafite? Qual a motivação para as pichações? E para o grafite?

Leia mais

Webinar SEXTA-FEIRA TODO DIA. Com Vanessa Camarelo OUT 16

Webinar SEXTA-FEIRA TODO DIA. Com Vanessa Camarelo OUT 16 OUT 16 Webinar SEXTA-FEIRA TODO DIA Com Vanessa Camarelo FALAREMOS SOBRE O que é motivação Motivação e Inspiração Heróis Paixões Forças Pessoais Esperança Disciplina O QUE É MOTIVAÇÃO? Impulso que nos

Leia mais

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo (gravewild@yahoo.com.br) APRESENTAÇÃO Fabiano Silva Cruz Graduado em composição e arranjo

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

Mimese, imitação, cópia

Mimese, imitação, cópia Mimese, imitação, cópia Halliwell 2002 argumenta que por μίμησις nem Platão nem Aristóteles querem dizer simplesmente cópia ou imitação Imitatio é a tradução latina de μίμησις Nelson Goodman (1906-1998)

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Disciplina: Artes Curso: Técnico Em Eletromecânica Integrado Ao Ensino Médio Série: 1º Carga Horária: 67 h.r Docente Responsável: EMENTA O universo da arte, numa abordagem

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de COLÉGIO CEC Professor: Carlos Eduardo Foganholo Conceito de Dialética DIALÉTICA Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de ideias que leva a outras ideias. O conceito de dialética, porém,

Leia mais

se desenvolveu entre 1300 e 1650

se desenvolveu entre 1300 e 1650 RENASCIMENTO se desenvolveu entre 1300 e 1650 ocorreram nesse período muitos progressos e incontáveis realizações no campo das artes, da literatura e das ciências. a valorização do Humanismo e da natureza,

Leia mais

História das artes e estética. UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2!!! Prof. M.Sc. KAREN KELES!

História das artes e estética. UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2!!! Prof. M.Sc. KAREN KELES! UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2 Prof. M.Sc. KAREN KELES Curso Arquitetura e Urbanismo Carga Horária 80 Horas - 4 horas semanais Ementa: Estética como campo filosófico. 66 horas teórica - prática

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

A perda do conceito original de arte

A perda do conceito original de arte A perda do conceito original de arte Adriana Tabosa A arte ama o acaso, e o acaso ama a arte. (Et. Nic., VI, 4, 1140 a) O termo arte, derivado do latim ars, comporta o sentido originário do grego arte

Leia mais

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE 2015 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA 1 Analisar a norma padrão em funcionamento no texto. 2 Distinguir os diferentes recursos da linguagem, utilizados em variados sistemas de

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO UL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE ARTES VISUAIS Professor Dr. Isaac A. Camargo Apoio Pedagógico: AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: www.artevisualensino.com.br

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

CAESP - Artes Aula 11-25/05/2017 PRÉ-RENASCIMENTO EM FLORENÇA: A NOVA ATENAS

CAESP - Artes Aula 11-25/05/2017 PRÉ-RENASCIMENTO EM FLORENÇA: A NOVA ATENAS CAESP - Artes Aula 11-25/05/2017 PRÉ-RENASCIMENTO EM FLORENÇA: A NOVA ATENAS Contexto histórico do Pré-Renascimento Italiano: No início do século XV, o Duque de Milão pretendia subjugar toda a Itália.

Leia mais

Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons

Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons Profa. Consuelo Holanda consueloholanda2010@hotmail.com 1 A arte abstrata tende a suprimir toda a relação entre a realidade

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

Shakespeare. o gênio original

Shakespeare. o gênio original Shakespeare o gênio original Coleção ESTÉTICAS direção: Roberto Machado Kallias ou Sobre a Beleza Friedrich Schiller Ensaio sobre o Trágico Peter Szondi Nietzsche e a Polêmica sobre O Nascimento da Tragédia

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 6º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 6º Ano DICAS DO PROFESSOR História 6º Ano A HÉLADE Nós chamamos a nossa terra de Hélade e nos consideramos helenos. E todos aqueles que possuíam outras culturas e falavam línguas que nós não entendemos, nós os

Leia mais

Sofistas ou Sophistés

Sofistas ou Sophistés - Sofista (sophistés) vem da palavra sophos que significa sábio. Sofistas ou Sophistés Principais sofistas: - Protágoras de Abdera 480-410 a.c. - Gógias de Leontini 487?-380? a.c. - Isócrates de Atenas

Leia mais

CORPO NA CRIAÇÃO ARTÍSTICA DO ATOR Maria Ângela De Ambrosis Pinheiro Machado Universidade Federal de Goiás - UFG Corpo, emoção, razão.

CORPO NA CRIAÇÃO ARTÍSTICA DO ATOR Maria Ângela De Ambrosis Pinheiro Machado Universidade Federal de Goiás - UFG Corpo, emoção, razão. CORPO NA CRIAÇÃO ARTÍSTICA DO ATOR Maria Ângela De Ambrosis Pinheiro Machado Universidade Federal de Goiás - UFG Corpo, emoção, razão. A proposição deste artigo é buscar uma compreensão do corpo do ator

Leia mais

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza Introdução Eduardo Ramos Coimbra de Souza SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOUZA, ERC. Introdução. In: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato: uma teoria sobre as representações

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II (UEL) Tales foi o iniciador da filosofia da physis, pois foi o primeiro a afirmar a existência de um princípio originário

Leia mais

Fundamentos do Movimento Humano

Fundamentos do Movimento Humano Fundamentos do Movimento Humano CORPOREIDADE Corporeidade é a maneira pela qual o cérebro reconhece e utiliza o corpo como instrumento relacional com o mundo. manifesta-se através do corpo, que interage

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

Como surgiram os MITOS?

Como surgiram os MITOS? PENSAMENTO MÍTICO MITO MITO Nasce do desejo de entender o mundo para afugentar o medo e a insegurança. é um relato de algo fabuloso que se supõe ter acontecido num passado remoto e quase sempre impreciso.

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Renascimento Cultural e Escolas Práticas Educação Matemática 2016/2 - Profª. Andréa Cardoso

Leia mais

ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE NOVOS CURSOS POESIA * PINTURA, LANTERNAGEM E MECÂNICA DO TEXTO ARTES GRÁFICAS LINHA IMAGINÁRIA ! i í 11 «X ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE PROFESSOR POESIA

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO ESTUDAR PARA A PROVA TRIMESTRAL DO SEGUNDO TRIMESTRE PROFESSORA: TATIANA SILVEIRA 1 - Seguiu-se ao período pré-socrático

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

PPGED-UFPA Vitor Sousa Cunha Nery 26/01/2017 EDUCAÇÃO CULTURA E SOCIEDADE. O PODER SIMBÓLICO: conceito de habitus PIERRE BOURDIEU

PPGED-UFPA Vitor Sousa Cunha Nery 26/01/2017 EDUCAÇÃO CULTURA E SOCIEDADE. O PODER SIMBÓLICO: conceito de habitus PIERRE BOURDIEU EDUCAÇÃO CULTURA E SOCIEDADE PPGED-UFPA Vitor Sousa Cunha Nery 26/01/2017 O PODER SIMBÓLICO: conceito de habitus PIERRE BOURDIEU agenda 1. 2. Biografia do Autor Conceitos Básicos 3. Conceito de Habitus

Leia mais

Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando

Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando potenciais. Brasília, DF: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial. Resenhado por: Lara Carolina de Almeida (Universidade

Leia mais

PERÍODO GREGO e Psicologia

PERÍODO GREGO e Psicologia PERÍODO GREGO e Psicologia De 700 a. C. ao início Era Cristã: (») Apogeu Conhecimento Humano :: Riqueza na Pólis (++) Produtos e Recursos O homem livre para se dedicar à Arte e Filosofia : Especulação

Leia mais

NÚMERO DE OURO E SECÇÃO ÁUREA

NÚMERO DE OURO E SECÇÃO ÁUREA NÚMERO DE OURO E SECÇÃO ÁUREA Andressa Arnemann Caneppele 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antônio Feldmann 3 Palavras-chave: Matemática, Divina Proporção, Beleza. INTRODUÇÃO Através do Número de Ouro e

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

A ORIGEM DA FILOSOFIA

A ORIGEM DA FILOSOFIA A ORIGEM DA FILOSOFIA UMA VIDA SEM BUSCA NÃO É DIGNA DE SER VIVIDA. SÓCRATES. A IMPORTÂNCIA DOS GREGOS Sob o impulso dos gregos, a civilização ocidental tomou uma direção diferente da oriental. A filosofia

Leia mais

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa.

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. A Cooperativa de Ensino O Nosso Sonho e a Ideia são duas Instituições associadas, sediadas na Freguesia

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

O indivíduo na organização

O indivíduo na organização Aula 2 O indivíduo na organização 1 Agenda Valores Atitudes Percepção Personalidade 2 1 Valores Valores Representam convicções básicas de que um modo específico de conduta ou de condição de existência

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

ESCOLA ADVENTISTA SANTA EFIGÊNIA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL

ESCOLA ADVENTISTA SANTA EFIGÊNIA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Disciplina: Arte Prof.: Paula Caroline de Souza Turmas: 61 e 62 ESCOLA ADVENTISTA SANTA EFIGÊNIA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Rua Prof Guilherme Butler, 792 - Barreirinha - CEP 82.700-000 - Curitiba/PR

Leia mais

15/03/2016. História da Filosofia Antiga: Aula 2 Prof. Rafael de Lima Oliveira

15/03/2016. História da Filosofia Antiga: Aula 2 Prof. Rafael de Lima Oliveira Pré-socráticos História da Filosofia Antiga: Aula 2 Prof. Rafael de Lima Oliveira 1 Os primeiros filósofos: os pré-socráticos Séculos VII-VI a.c.; Restam apenas fragmentos de suas obras e comentários doxográficos;

Leia mais